“O que vale é a idade biológica”, argumenta Sérgio Rangel em Workshop 428

Rangel e a também atuária Fernanda Chaves falaram sobre as novas técnicas de precificação para o risco de longevidade no encontro promovido pelo SindSeg-RS

Os profissionais gaúchos do ramo de seguros acordaram cedo na manhã desta quarta-feira (23) para ouvir os atuários Sérgio Rangel e Fernanda Chaves falarem sobre as novas técnicas de precificação para o risco de longevidade. O encontro, que marcou o primeiro workshop de 2016 promovido pelo Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, contou com auditório lotado. “Todos sempre serão muito bem vindos sempre aqui em nosso Sindicato”, disse o presidente eleito da entidade, que assumirá no dia 1º de abril, Guacir Bueno.

Fernanda e Rangel esclareceram que existem muitas variáveis significativas na hora de precificar, tornando modelos preditivos muito mais importantes que a idade cronológica. “Sexo e data de nascimento não são suficiente, existem muitos pontos que devemos considerar”, pontuaram. O estudo da genética é uma grande oportunidade para descobrir se há predisposição a patologias e fazer um estudo sobre os indivíduos. “Para nós atuários, o que vale é a idade biológica e não a cronológica”, complementa o atuário ao dizer que geneticamente as mulheres têm a propensão de viverem mais em relação aos homens e que estas questões são responsáveis por 25% da expectativa de vida, sendo o resto dependente do estilo de vida de cada um.

Segundo Rangel, quem possui renda econômica mais alta, vive mais. “Quem tem acesso à plano de saúde e diversas outros privilégios tem uma qualidade de vida melhor e acaba tendo oportunidade de viver mais, por mais cuidadoso em relação à sua saúde com exames preventivos e outros”, explica. Ele ainda destaca que, nesta área, é preciso sempre estar atento aos avanços:

“Temos que reavaliar as nossas estratégias para conseguimos resultados diferentes”.

Fernanda ainda esclareceu que, quando se estuda esta questão, a preocupação é em responder às perguntas: “Vamos parar de morrer de outras causas que não a velhice? E até quando conseguiremos viver?”. E que, por isso, torna-se tão importante analisar hábitos, doenças, dados históricos populacionais, buscar populações específicas e outros pontos.

CVG/RS divulga diretrizes e calendário de ações para 2019 650

Entidade visa agregar valor e benefícios aos associados

O Clube de Seguros de Vida e Benefícios do Rio Grande do Sul (CVG/RS) realizou, nesta terça-feira (18), uma confraternização com membros da diretoria da entidade. A comemoração foi realizada no Restaurante Casa do Marquês, em Porto Alegre (RS) e foi marcada por momentos especiais.

Além da apresentação das diretrizes do Clube para o próximo ano, o CVG/RS ainda divulgou seu calendário de atividades para 2019. As atividades da entidade começam a partir do dia 15 de março, quando está prevista a realização do tradicional Café do CVG/RS.

CVG/RS divulga diretrizes e calendário de ações para 2019
CVG/RS divulga diretrizes e calendário de ações para 2019

A presidente do CVG/RS, Andréia Araújo, destaca o foco no quadro de associados para o próximo ano. “Quando pensamos e falamos sobre seguros Brasil afora o Rio Grande do Sul é referendado como precursor de muitas coisas. Temos uma história muito bonita no mercado e o CVG/RS faz parte disso”, diz ao ressaltar a missão de agregar valor aos participantes do Clube, bem como uma série de benefícios.

Andréia, que também é Diretora de Negócios e Marketing da Previsul Seguradora, lembra ainda que o mercado está passando por um momento de grandes transformações. “É o momento de fortalecer ainda mais nossa entidade. Nossa função é gerar valor, conteúdo, informação e qualificação de nosso mercado”, explica.

Confira todas as imagens – Confraternização de Final de Ano CVG/RS

Setor de seguros promove agenda plural, dinâmica e acolhedora 1131

Dra. Angelica Carlini é docente e advogada

Instituto da Diversidade e Inclusão no setor de Seguros (IDIS) é lançado em São Paulo

Inclusão e diversidade fomentam um mercado dinâmico como o de seguros. Com o intuito de promover uma agenda à respeito das causas humanas, o Instituto da Diversidade e Inclusão no setor de Seguros foi lançado na última terça-feira, 12, em São Paulo (SP). O evento aconteceu na sede paulistana da Escola Nacional de Seguros, na Rua Augusta. O Instituto tem como presidente Valéria Schmitke, Diretora Regional de Legal & Compliance da Zurich para a América Latina.

“Estamos envolvendo todos os agentes do mercado, sejam eles seguradores, resseguradores, provedores de serviços, corretores de seguros, operadores de planos de saúde, educadores, imprensa. Inicialmente, trabalharemos três pilares: gênero, LGBT+ e raça/etnia. Consideramos que estas são as áreas mais urgentes e, no futuro, devemos atuar também com os pilares PCDs, gerações e outros”, conta Valéria.

Com a participação de diversos executivos, representantes de entidades do setor, convidados especiais e demais agentes do mercado de seguros, o evento contou com uma programação recheada de conteúdos especiais. A Profª Drª Angelica Carlini falou sobre diversidade abordando sua construção histórica. “É preciso criar uma agenda plural, profundamente solidária e dinâmica para os próximos anos. Não vejo ninguém melhor que os integrantes do setor de seguros. Nós somos, preferencialmente, habilitados a trabalhar com a promoção humana”, explica Angelica.

A docente e advogada ainda demonstrou satisfação em fazer parte da iniciativa. “Esse é um setor econômico, financeiro acostumado a ter regras rígidas, e precisa ter, para manter a solidez e credibilidade de suas atividades. Esse conservadorismo que nos trouxe até aqui, como setor respeitado, precisa ser oxigenado com essas ideias de diversidade e de inclusão. O setor vai mostrando maturidade à medida que vamos provocando a abertura de espaços, promovida com o diálogo franco, fraterno e gostoso que promovemos nesse dia tão especial”, reitera Angelica Carlini, homenageada pelo instituto em honraria entregue por Vera Carvalho Pinto, da Chubb Seguros.

Maria Helena Monteiro, Diretora de Ensino Técnico da Escola Nacional de Seguros, considera que essa questão atende não apenas ao anseio da sociedade, como também fica evidenciada como uma necessidade de mercado. “Atendemos um público variado. Por isso, precisamos trazer pessoas que pensem de forma diferente para podermos aprimorar continuamente o setor de seguros”, diz ao demonstrar otimismo com a economia brasileira para o ano que vem.

Maria Helena Monteiro é Diretora de Ensino Técnico da Escola Nacional de Seguros
Maria Helena Monteiro é Diretora de Ensino Técnico da Escola Nacional de Seguros

Na oportunidade ainda foram apresentados cases de sucesso do mercado segurador. O painel contou com mediação de Flavia Bianco, professora da Escola Nacional de Seguros, e exposições de Fábio Oliveira, CEO da AIG Seguros, também de Gabriela Dona, Diretora de Marketing da Ikê Assistência, de Raphael Carvalho, CEO da MetLife, além de Juliana Zan, Superintendente RH da Tokio Marine e de Edson Franco, CEO da Zurich Seguros. A exposição que encerrou o evento foi de Ana Paula de Almeida Santos, da Care Plus.

Reconhecida pelo segundo ano consecutivo como uma das Melhores Empresas para a Mulher Trabalhar pelo Great Place to Work® Brasil, a Tokio Marine destacou, através da Superintendente de Recursos Humanos da Tokio Marine, Juliana Zan, suas ações que visam promover o bem estar das pessoas que trabalham no mercado de seguros.

Juliana Zan é Superintendente de Recursos Humanos da Tokio Marine
Juliana Zan é Superintendente de Recursos Humanos da Tokio Marine / Divulgação

“Para nós é fundamental participar de iniciativas como a do IDIS, que fomentam o diálogo sobre temas tão relevantes para o segmento de seguros. O reconhecimento que temos obtido nos últimos anos, tanto dos Colaboradores quanto do mercado, demonstra a consistência de nossas ações cujo objetivo é promover um ambiente motivador, com diversidade de ideias, no qual as pessoas se sintam bem em trabalhar”, evidencia Zan.

O compromisso da Tokio Marine com práticas de equidade de gênero se traduz também no quadro de funcionários, que atualmente é formado por 53% de mulheres. O mesmo se repete em cargos de alta liderança, cujo quadro é 40% feminino. “Levaremos esse case ao lançamento do IDIS, bem como todo o nosso trabalho e os resultados alcançados neste ano, de forma a contribuir para que o mercado de seguros seja cada vez mais inclusivo e diverso”, reforça a Superintendente de Recursos Humanos da companhia.

Para a Zurich, as condições de igualdade e diversidade acontecem quando todos os funcionários de uma empresa podem aproveitar das mesmas recompensas, recursos e oportunidades independente do seu gênero, etnia e orientação sexual. Seguradora global com mais de 80 anos de atuação no mercado brasileiro, a companhia vem desenvolvendo ações e programas, por meio de grupos dentro da empresa, mais inclusivas.

Um exemplo desse movimento é que a Zurich subiu de categoria na certificação empresarial EDGE (Economic Dividend for Gender Equality), voltada à equidade de gêneros. Com metodologia própria, é responsável pela mensuração do equilíbrio entre homens e mulheres do que diz respeito a oportunidades, salários, políticas de inclusão, assim como as suas práticas na rotina diária cultural das empresas.

A companhia, que já detinha a certificação desde 2016, saiu do primeiro nível EDGE ASSESS e atingiu em 2018 o segundo de três patamares, EDGE MOVE. Isso significa que a empresa não somente já adotou medidas para uma mudança estrutural no sentido de um ambiente mais igualitário, como também já está colhendo bons frutos dessas mudanças, com altos níveis de engajamento de funcionários de ambos os sexos em suas políticas de equilíbrio de gênero. Somente duas empresas brasileiras possuem a patente EDGE MOVE, sendo a Zurich a única seguradora.

“Um trabalho exercido com excelência não escolhe gênero e, por isso, a Zurich faz questão de estar na vanguarda em tudo que diz respeito à igualdade entre nossos profissionais homens e mulheres. Foram dois anos de muito trabalho desde a última certificação, então para nós, é um motivo de muito orgulho atingir esse patamar. No entanto, ainda há muito que fazer pela frente e a Zurich do Brasil está só começando. Nosso objetivo é ser LEAD, o último patamar do EDGE”, comenta Edson Franco, CEO da Zurich no Brasil”.

Edson Franco é CEO da Zurich no Brasil
Edson Franco é CEO da Zurich no Brasil / Reprodução

Atualmente, a Zurich Brasil desenvolve três programas dentro das políticas de diversidade e inclusão, sendo dois globais e um local: o WIN – Women’s Innovation Networ, grupo de interesse com governança global, que promove a igualdade de oportunidades de carreira para mulheres e homens; @Pride, grupo com ações voltadas ao respeito aos Direitos Humanos de cada indivíduo e à consolidação de uma cultura de inclusão e pertencimento com base na orientação sexual; e o DEZ – Diversidade Étnica na Zurich, que promove a conscientização, inclusão, retenção e desenvolvimento de profissionais de diferentes etnias. Esses programas integram o case apresentado pelo CEO, Edson Franco, no lançamento do IDIS, que também é patrocinado pela Zurich.

Na ocasião, a Ikê foi convidada a participar de uma palestra com o intuito de promover a discussão a respeito de alguns pilares de diversidade no setor de seguros, como gênero, gerações, pessoa com deficiência, etnia, cultura e origens.

Divulgação
Divulgação

Na empresa de assistência, as mulheres ocupam a maioria das posições estratégicas dentro das equipes: 66,44% na força de trabalho e 54,84% em cargos de liderança. Além disso, pardos e negros representam 45,17% da empresa. Dentre as ações implementadas para promover a inclusão, estão placas de banheiros sem definição de gênero, materiais internos, como divulgação em televisões e jornais, e um e-mail específico para fomentação de diálogo e denúncias.

Para Marusia Gomez, CEO da Ikê Assistência, a diversidade é muito importante e rica dentro de uma organização. “Aqui, é sinônimo de criatividade e inovação, pois se nós tivéssemos uma empresa formada por iguais, não conseguiríamos entregar soluções diferentes. Temos como posicionamento ser uma empresa de pessoas que atende pessoas e isso é absolutamente verdadeiro, então nós valorizamos cada indivíduo e respeitamos as diferenças”.

*Colaborou: RP1 Comunicação, Oficina do Texto e Race Comunicação.

IESS reconhece melhores trabalhos acadêmicos em Saúde Suplementar 643

Luiz Augusto Carneiro é Superintendente Executivo do IESS

Com intuito de aprimorar o setor, instituto ainda promoveu o Seminário Decisões na Saúde

Com o intuito de incentivar e agraciar a Produção Científica no ramo da Saúde Suplementar, o Instituto de Estudos em Saúde Suplementar (IESS) promoveu, nesta terça-feira, 12 de dezembro, o VIII Prêmio IESS. A cerimônia foi realizada no Hotel Tivoli Mafarrej, em São Paulo (SP).

Para Luiz Augusto Carneiro, Superintendente Executivo do IESS, a missão da organização “é o fomento do conhecimento, de modo a promover a pesquisa e contribuir com a evolução do setor de seguros”. Carneiro ainda ressaltou que a sociedade tem manifestado seus anseios por mudanças e que o acervo técnico do instituto pode ajudar na formulação de políticas públicas e privadas. “A transformação desejada pela saúde suplementar requer transparência, equidade, previsibilidade, respeito às normas e aos contratos. O IESS fornece referências técnicas para grandes temas nas áreas correlatas, como economia e direito”, avalia.

Manoel Peres é presidente do IESS e discursou na abertura da cerimônia
Manoel Peres é presidente do IESS e discursou na abertura da cerimônia

Entre os trabalhos acadêmicos reconhecidos, o destaque na categoria Promoção de Saúde, Qualidade de Vida e Gestão em Saúde, foi para Jorge Aguiar De Andrade Neto, com o trabalho “Os desafios da interoperabilidade em operadoras de medicina de grupo, nas percepções dos médicos assistentes, gestores de unidade de atendimento assistencial e gestores de TI”, apresentado no mestrado da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV). O segundo lugar ficou com Gabriela Herrmann Cibeira, que desenvolveu o “Estudo epidemiológico de estilo de vida e fatores de risco cardiovascular de trabalhadores da indústria brasileira” para o Programa de Pós-Graduação em Medicina Cardiologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

A pesquisa vencedora na categoria Economia foi “A regulação como propulsora de práticas de controle interno na saúde suplementar”, de Marília Augusta Raulino Jácome, do Mestrado no Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Já a segunda colocação foi conquistada por Lucas Manoel Marques Clemente, do Mestrado na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) com o trabalho “Práticas administrativas para a sustentabilidade financeira de operadoras de planos de saúde médico-hospitalares: um estudo de múltiplos casos”.

Na categoria Direito, José Maria dos Santos Junior conquistou a primeira colocação com “O debate da qualidade regulatória em saúde suplementar a partir da implementação da metodologia de análise de impacto regulatório”, dissertação de Mestrado apresentada na Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF). O segundo lugar ficou com Antonio José Accetta Vianna, do MBA da Universidade Católica de Petrópolis, com a pesquisa “A saúde suplementar e a cobertura de medicamentos sem registro na Anvisa”.

Tudo aconteceu em meio ao Seminário Decisões na Saúde, que apresentou as palestras especiais “O papel do Núcleo de Apoio Técnico na tomada de decisões do Poder Judiciário em controvérsias do setor de saúde”, da Dra. Luciana da Veiga Oliveira, coordenadora do Comitê Executivo da Saúde do NAT-JUS do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR), e “Cuidados paliativos e dignidade humana na era da máxima tecnologia na saúde”, apresentada pelo Dr. Daniel Neves Forte, presidente da Academia Nacional de Cuidados Paliativos.

*Colaborou: Letra Certa Comunicação.

Uperformance Assessoria apresenta-se ao mercado gaúcho 700

Empresa auxilia corretores a aumentarem suas receitas

A Uperformance Assessoria reuniu corretores de seguros e parceiros de negócios, na manhã da quarta-feira (12), no auditório do Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (SindSegRS). O momento foi oportuno para a empresa apresentar-se ao mercado como uma ótima alternativa em forma de auxílio profissional.

“A nossa missão é aproximar parceiros, operadores de mercado com os corretores, ser o elo entre algumas companhias e estes profissionais”, destaca a sócia da Uperformance, Estela de Moura Rey.

Este primeiro encontro na Capital gaúcha contou com uma exposição da Inpao Dental, uma das parceiras da assessoria. “Neste momento inicial contamos com o apoio desta empresa, que falou um pouco sobre seus produtos e das oportunidades que o setor odontológico oferece”, conta.

A Uperformance Assessoria surgiu com o intuito de ajudar o corretor a aumentar a sua receita. “Muitas vezes o corretor não enxerga as oportunidades nos demais ramos, então a nossa intenção é fazer com que ele vislumbre dentro dos seus clientes Pessoa Jurídica a oportunidade de venda de diversos produtos”, diz. “O dental, por exemplo, impacta no saúde, então aquele corretor que tem um pouco de visão de futuro e que enxerga a possibilidade de diversificar a sua carteira, está procurando por orientação”, finaliza.

Confira as imagens – Uperformance apresenta-se ao mercado gaúcho

Icatu Seguros é destaque no 8º Prêmio Líderes do Brasil 622

Foto: Gustavo Rampini/Rampini Produções

Premiação concedida pelo LIDE reconhece talento, competência e comprometimento de empresas e executivos

O Teatro Santander, na capital paulista, recebeu na noite de 10 de dezembro, 602 empresários, CEOs, presidentes e outras lideranças corporativas, além de autoridades, para a cerimônia de entrega do Prêmio Líderes do Brasil. Promovido pelo LIDE – Grupo de Líderes Empresariais, o evento foi transmitido pela Rede TV!, UOL e TV LIDE para todo o Brasil.

O vice presidente corporativo da Icatu Seguros, César Saut, recebeu o troféu de Líder do Estado do Rio Grande do Sul das mãos do presidente do LIDE RS, Eduardo Fernandez. “É considerada uma das maiores premiações empresariais do país por receber as principais lideranças e autoridades políticas. Uma menção especial à Icatu Seguros que recebeu o Prêmio Regional esse ano pelo brilhante trabalho que tem feito no Rio Grande do Sul”, afirmou Fernandez.

Eduardo Fernandez/Reprodução
Eduardo Fernandez/Reprodução

Entre as autoridades presentes no Teatro Santander, na capital paulista, estavam os atuais ministros Sérgio Sá Leitão (Cultura), e Rossiele Soares (Educação); o governador eleito de São Paulo, João Doria, e o futuro secretário estadual paulista Gustavo Junqueira (Agricultura).

Indicados pelo júri oficial, foram homenageados os protagonistas que, mesmo em um cenário de instabilidade econômica, obtiveram êxito nos negócios, nos principais setores da economia do país.Para destacar a forte atuação das unidades regionais do LIDE, a premiação também reconheceu o líder de cada região ou estado onde o grupo atua: Bahia, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, Região Metropolitana de Campinas (SP), Região de Ribeirão Preto (SP), Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Região de São José do Rio Preto (SP) e Região do Vale do Paraíba (SP).