Seguradora online começa a operar no 2º semestre 492

Comece sua tarde bem informado com o #GirodoMercado

Seguradora online começa a operar no 2º semestre

online

O ex-sócio do BTG Pactual André Gregori e um grupo de investidores estão investindo R$ 100 milhões para estruturar uma nova seguradora no Brasil, cujo foco será a venda online de apólices, conforme apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. A empresa está em fase de aprovações com órgãos reguladores locais e, de acordo com fontes, planeja começar a operar no segundo semestre deste ano. Com capital social de R$ 70 milhões, acima dos R$ 15 milhões exigidos pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), a seguradora pretende vender principalmente pela internet e pelo celular – desde que os clientes recebam um convite de um corretor de seguros habilitado para usar a ferramenta. O negócio deverá começar com seguros de automóvel para pessoas físicas e, para empresas, o primeiro produto deverá ser no ramo de garantia para companhias participantes de licitações públicas.

Capitalização paga R$ 6 milhões em prêmios, por dia útil, em janeiro

cofreporco

A FenaCap divulgou os dados do segmento no primeiro mês do ano. No mês de janeiro de 2016, foram distribuídos mais de R$ 119 milhões em prêmios para clientes de todo o país. O valor equivale ao pagamento R$ 6 milhões por dia útil. Somente para a região Sudeste foram distribuídos mais de R$ 69 milhões em sorteios. São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul lideraram o ranking de clientes contemplados no período. Para Marco Antonio Barros, presidente da FenaCap, a diversificação de produtos é um fator importante para a consolidação dos títulos de capitalização como solução de negócios com sorteios. “O título de capitalização está cada vez mais presente na vida das pessoas, seja como solução para a conquista da disciplina financeira, para a garantia locatícia, para o exercício da filantropia ou para incremento de outros segmentos econômicos”, diz. O volume das reservas técnicas – valores acumulados pelos clientes e que serão resgatados ao fim do prazo de vigência dos títulos – cresceu 2,9%, ultrapassando os R$ 30 bilhões. Os resgates somaram R$ 1,489 bilhão, registrando um aumento de 14,77%. O faturamento global das 17 empresas do segmento associadas a FenaCap, atingiu R$ 1,535 bilhão, o que representa um crescimento de 0,93% em relação ao mesmo período de 2015.

Previsul lança campanha de vendas em Passo Fundo/RS

previsulpassofundolasvegasgiberto

A campanha de vendas Sou+Previsul percorre o Brasil da seguridade com a participação direta do presidente da seguradora, Renato Pedroso, e também dá visibilidade aos parceiros corretores de seguros em polos importantes do Rio Grande do Sul. Assim ocorreu na última quinta-feira (31), na cidade de Passo Fundo, na Associação Passofundense de Poker, bem ao estilo de levar inspiração ao corretor, que ao direcionar suas vendas de seguros da companhia concorrerá ao prêmio principal, que é uma viagem com acompanhante para a cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos. Gilberto Bittencourt, gerente da negócios da Previsul, destacou a importância dos parceiros da companhia na cidade.

Editora Roncarati promoverá workshop sobre a estrutura de gestão de riscos

expansao

No primeiro evento do ano, a Editora Roncarati colocará em discussão um tema que interessa muito aos profissionais que atuam na área de gestão de riscos, controles internos e auditoria. Trata-se do workshop “Estrutura de Gestão de Riscos – Praticando a Circular Susep 521/2015”, que será realizado no dia 27 de abril, das 8h às 13h, no auditório da KPMG, na Rua Arquiteto Olavo Redig de Campos, nº 105, Torre A, 6º andar, Chácara Santo Antonio, em São Paulo (SP). O workshop será ministrado por Assizio de Oliveira, presidente da Comissão de Controles Internos da CNseg, juntamente com outros profissionais da área. No conteúdo programático constam os esclarecimentos sobre a circular, bem como as definições gerais e conceitos, além das ações a adotar, os prazos e a auditoria. Assizio informa que pretende abordar o assunto da forma mais prática e produtiva possível, discorrendo sobre as razões da norma, as referências globais e locais e, ainda, as ações práticas aplicáveis, tanto na operação como no seu monitoramento. A oportunidade ocorrerá das 8h às 13h, no Auditório da KPMG, na Rua Arquiteto Olavo Redig de Campos, nº 105, Torre A, 6º andar, Chácara Santo Antonio, em São Paulo (SP). Com investimento de R$ 650,00 (desconto de 10% para clientes da Editora Roncarati), as inscrições podem ser realizadas pelo link. Maiores informações pelo e-mail cursos@editoraroncarati.com.br ou telefone (11) 3073 0106.

Lei do Desmonte: próximo evento será em Palmas

autopecas

A próxima edição do seminário “Lei do Desmonte, Acidentologia e Vitimação no Trânsito” será realizada no dia 10 de maio (terça-feira), a partir das 15 horas, no auditório da Fecomércio/TO, no seguinte endereço: Av. Teotonio Segurado, conj. 01 – lote 19 Centro – Palmas – TO). A inscrição, gratuita, será aberta nos próximos dias. Será também o primeiro evento do mercado após a regulamentação do seguro popular de veículos, a qual tem como base central a Lei do Desmonte. O seminário é promovido pela Fenacor com o apoio Escola Nacional de Seguros, Fenseg, Sincor-TO, Seguradora Líder e Observatório do Trânsito. A Lei Federal 12.977/14, conhecida como a Lei do Desmonte, está em vigência desde maio do ano passado. No entanto, ainda não é plenamente cumprida em vários estados, inclusive Tocantins, onde ocorre grande número de roubos e furtos de veículos.

*Informações de Estado de São Paulo, CNseg, Editora Roncarati e Fenacor.

Thinkseg anuncia primeiro seguro Pay-Per-Use do Brasil 1233

Thinkseg

Iniciativa da corretora foi anunciada no Insurance Day 2018, em São Paulo (SP)

A Thinkseg, primeira insurtech totalmente digital do Brasil e recentemente nomeada uma das mais inovadoras do mundo pela Fintech Global, acaba de fechar parceria exclusiva com seguradora internacional, uma das 10 maiores do mercado mundial com base em sua receita e lucros. O fruto desse acordo promete quebrar alguns paradigmas no setor, já que trata-se do lançamento do primeiro seguro Pay-Per-Use (pague pelo uso, em tradução livre) no Brasil.

O anúncio desse acordo aconteceu durante o Insurance Day 2018, evento co-criado pela Thinkseg e Startse, empresa criada pelo fundador da XP Investimentos, em São Paulo (SP). O acordo deve movimentar o setor, fortalecendo a proposta da Thinkseg e da seguradora internacional de utilizar a tecnologia para melhorar a experiência do cliente. “O consumidor de hoje é digital, busca conveniência e personalização. Desde a criação da Thinkseg, em 2016, apostava na transformação do mercado nesta direção. Hoje, esta visão está se concretizando e é uma enorme satisfação estar à frente desta evolução junto à uma das principais seguradoras em nível mundial”, relata o fundador e CEO da Thinkseg, Andre Gregori.

O seguro Pay-Per-Use terá sua primeira oferta voltada para o seguro automóvel e sua cobrança consistirá em uma pequena assinatura mensal somada a um valor variável de acordo com os quilômetros rodados e pela forma de dirigir do segurado. O produto, já em fase final de implantação, estará disponível para contratação no primeiro trimestre do ano que vem. “Não há mais necessidade de pagar preços altos para compensar o risco generalizado de outros clientes. O papo do ‘bom paga pelo mal’ está com os dias contados. Assim o valor será mais justo para todos”, destaca Gregori.

A dinâmica do modelo Pay-Per-Use é semelhante ao que já é aplicado pelas prestadoras de serviços telefônicos e tantos outros serviços e produtos de outros setores, em que os consumidores pagam o valor mínimo de uma assinatura mensal com um acréscimo que varia de acordo com o que é consumido. Quanto menos a pessoa usar o seu carro, menor será o valor de sua apólice. Outra diferença, é que inicialmente o produto é mensal, mas logo também serão disponibilizados pacotes semanais ou diários.

Isso mostra a evolução do mercado de seguros, que tradicionalmente oferece produtos mais rígidos, que não levam em consideração o comportamento do usuário em seus modelos de precificação. É o fim dos produtos baseados unicamente no perfil do cliente.

As duas empresas acreditam que os produtos baseados em comportamento irão revolucionar o mercado de seguros mundial, e, no Brasil irão trazer muitos novos clientes que hoje não conseguem adquirir produtos de seguros, ampliando significativamente a penetração da indústria de seguros junto aos consumidores.

Thinkseg deve anunciar produto que vai quebrar paradigmas do setor amanhã 708

O CEO e fundador do grupo, Andre Gregori / Divulgação

O CEO, Andre Gregori, prepara o anúncio para o Insurance Day 2018, que acontece amanhã

As inovações tecnológicas já estão trazendo disrupções em diversos setores da economia. O surgimento crescente de startups, que oferecem soluções diferenciadas em mercados consolidados, demonstra esse caminho que o mundo dos negócios vem tomando. Na área dos seguros não é diferente, o que faz com que as empresas do setor e os corretores acompanhem essas novas formas de oferecer os produtos aos consumidores, que estão se voltando mais ao digital. Todas essas novidades estarão na programação do Insurance Day 2018, evento organizado em parceria entre o Grupo Thinkseg e a Startse, que acontece na próxima quarta-feira, dia 5, em São Paulo.

Durante o evento, Andre Gregori, CEO e fundador do Grupo Thinkseg, recentemente reconhecido como uma das insurtechs mais inovadoras do mundo pela Fintech Global, fará um anúncio exclusivo, que promete agitar o setor de seguros, que só agora está começando a se abrir mais para mudanças. Enquanto outros setores se voltavam às inovações tecnológicas, as seguradoras ainda se mantinham no tradicional padrão de negócios e em formas antigas de oferecer os seus produtos. Isso se reflete na satisfação dos clientes, que, segundo a consultoria CB Insights, atinge um índice de apenas 4% nesse setor no mundo todo.

Diante das novas exigências do consumidor, que busca cada vez mais qualidade, agilidade e personalização, tornou-se inevitável o investimento em tecnologia e inovação pelas empresas de seguros. Na vanguarda desse cenário está o Grupo Thinkseg, que em 2016 trouxe ao mercado brasileiro a primeira insurtech totalmente digital, a Thinkseg. Quem for ao evento, poderá descobrir em primeira mão, qual é a próxima novidade, que promete quebrar paradigmas neste setor. Na oportunidade, o executivo fará uma palestra sobre “A Nova Era dos Seguros: da visão à execução”, abordando como tem sido o processo de criação de um produto disruptivo, assim como sua leitura da evolução do mercado de seguros pela ótica e experiência da Thinkseg.

O evento contará com mais de 20 palestrantes, das empresas mais inovadoras do setor, incluindo algumas da China e do Vale do Silício. Entres eles estão Cristiano Kurel, da Startse; João Marcelo dos Santos, Camila Calais e Roberto Panucci Filho, do escritório Santos Bevilaqua, Mattos Filho & Pinheiro Neto Advogados; Cláudio Quaglia, da Sompo; Thomaz Tescaro, da MDS Brasil; Rodrigo Ventura, da 88 Insurtech; Mauricio Martinez, da Porto Seguro; Flávia Gamonar, da FG; Hugo Mentzingen, da Superintendência de Seguros Privados (Susep); Marcelo Blay, da Minuto Seguros; João Gabriel Gomes Alkmim e Raphael Swierczynski, da Vitta & Ciclic; e Fabricio Vargas Matos, da Mutual Life.

O encontro é voltado a profissionais e executivos do mercado de seguros, além de investidores, empreendedores e startups, que utilizam a tecnologia para inovar em seus modelos de negócios. O Insurance Day acontecerá no Centro de Eventos Pro Magno, que fica na avenida Professora Ida Kolb, 513, Jardim das Laranjeiras, São Paulo, capital.

Para inscrições e mais informações, acesse aqui.

Heinze sugere que Susep amplie normas de Títulos de Capitalização 715

Circular Susep sobre Títulos de Capitalização

Pedido visa evitar que entidades filantrópicas sejam prejudicadas pela ação

Deputado Federal pelo Progressistas, Luis Carlos Heinze fez um apelo ao Ministro de Estado da Fazenda para que a Superintendência de Seguros Privados retifique a Circular Susep número 569, publicada em 02 de maio de 2018. O pedido visa evitar que entidades filantrópicas e seus atendidos sejam penalizados com o corte de receitas obtidas pelos Títulos de Capitalização, como as Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAEs) de todo o Brasil.

A Circular em questão dispõe sobre a operação de Capitalização, as modalidades, elaboração, operação e comercialização de Títulos de Capitalização e dá outras providências. Entre as medidas, fica definido que os títulos são indivisíveis em relação à Sociedade de Capitalização. Direitos relativos aos Títulos de Capitalização não podem ser comercializados separadamente e só podem ser estruturados nas modalidades tradicional, instrumento de garantia, compra programada, popular, incentivo ou filantropia premiável, além de observar a legislação em vigor e requisitos estabelecidos previamente pela Susep.

Confira a circular na íntegra.

Confira o pedido do Deputado Federal.

Consultada, a Susep não se pronunciou até o fechamento dessa publicação.

Seminário debate investimentos do Brasil em infraestrutura 865

O economista Ricardo Amorim no Seminário de Infraestrutura

Encontro foi promovido pelo BTG Pactual, JLT e Nelson Wilians & Advogados Associados

Os participantes do Seminário de Infraestrutura, promovido pelo BTG Pactual, JLT e Nelson Wilians & Advogados Associados, foram unânimes em afirmar que é preciso pensar o planejamento dos investimentos a longo prazo. O momento contou com a presença de diversos especialistas, economistas e apresentação do ministro Nelson Jobim.

Roberto Sallouti é CEO do BTG Pactual
Roberto Sallouti é CEO do BTG Pactual

“Já sabemos o que não fazer. Muitos projetos foram escanteados nos últimos anos. É preciso pensar a longo prazo e dar continuidade aos projetos já iniciados”, afirmou Roberto Sallouti, CEO do BTG Pactual.

Sallouti ainda reforçou a necessidade do desenvolvimento de condições para que o setor privado participe mais dos projetos de infraestrutura. “Outra questão se dá pelo desenvolvimento do mercado de capitais, de modo a fomentar o financiamento de projetos”, reiterou. “Precisamos ser competitivos. Nosso intuito é construir uma agenda para o Brasil, pois é necessário manter o ritmo crescente de investimentos no desenvolvimento do País”, finalizou.

Alvaro Eyler é CEO da JLT Speciality Brasil
Alvaro Eyler é CEO da JLT Speciality Brasil

A fala do CEO do BTG Pactual foi complementada por Alvaro Eyler, CEO da JLT Speciality Brasil. “Grandes obras precisam de soluções inovadoras e ‘Tailor-made’ (sob medida)”, disse.

Nelson Wilians é presidente da Nelson Wilians & Advogados Associados
Nelson Wilians é presidente da Nelson Wilians & Advogados Associados

Já Nelson Wilians, presidente da Nelson Wilians & Advogados Associados, acredita que a infraestrutura é fundamental, mas não a única coisa para um país. “Espero que o ciclo ruim tenha ficado para trás”, criticou em alusão aos governos anteriores. “Vejo um sentimento de otimismo começando a tomar conta de todos”, completou.

A programação contou com a presença do economista Ricardo Amorim, que traçou uma breve análise sobre o cenário político-econômico na América Latina. “O Brasil não está em uma posição de destaque em nenhum dos índices internacionais sobre o desenvolvimento de infraestrutura e transportes. O crescimento econômico é a justificativa para o investimento em novos e grandes projetos do setor”, explicou.

O economista Ricardo Amorim
O economista Ricardo Amorim

Segundo Amorim, a boa notícia é que isso começou a acontecer. “É importante também que haja disponibilidade de capital para o financiamento de projetos. Apesar do momento de alta dos juros no cenário internacional, o índice é muito baixo para os padrões. No Brasil, temos a Selic no patamar mais baixo da história. Outro ponto de destaque é o avanço das relações do nosso País com os Estados Unidos. Ainda é cedo afirmar se isso trará negócios para o Brasil. Os chineses também estão ansiosos para financiar projetos de infraestrutura”, traçou. O destaque a China dá-se porque grande parte dos investimentos chineses em fundos de reserva dos EUA estão migrando para o fomento de infraestrutura, grande parte com enfoque na América Latina.

Ricardo Amorim ainda criticou o número de engenheiros formados no Brasil, quando comparado com o tamanho da população. A regulamentação, segundo o especialista, é o grande “tendão de aquiles” que precisa ser resolvido. “Quando fala-se em economia as regras básicas do jogo não mudam, isso independe do governo, seja de direita ou de esquerda”, resumiu ao apresentar uma análise geral sobre o momento de México, Venezuela, Colômbia, Argentina e outros países latino-americanos.

“Políticas que criem mais estabilidade são fundamentais para o setor de infraestrutura”, disse Amorim ao comentar sobre a ascensão do liberalismo econômico.

Outro ponto relevante é a reforma previdenciária, considerada por Ricardo Amorim o grande “buraco” das finanças públicas brasileiras. “A reforma tributária também é necessária, mas mexe com questões dos governos estaduais, que estão endividados e tentando renegociar suas situações”, justificou.

Sobre o cenário brasileiro, Amorim vê Paulo Guedes como o grande fiador da crença em que o governo de Jair Bolsonaro promoverá o liberalismo. “Estou surpreso pois Bolsonaro, até então, tem se mostrado aberto à sugestões, ouvir. Ainda é cedo para afirmar isso com clareza, mas vai contra minhas expectativas iniciais”, revelou ao considerar o período Dilma ‘atípico’.

“Apesar de Michel Temer ter sido alvo de grandes escândalos como Delação da Odebrecht, JBS, bunker do Geddel e a Greve dos Caminhoneiros, o Brasil conseguiu crescer duas vezes e meia acima do que os economistas projetaram para 2017. Isso demonstra que dificilmente o quadro de crescimento seja revertido por um presidente recém-eleito”, analisou.

“A hora de aproveitar é agora. Estamos no período de recuperação que precede o da prosperidade. O movimento de baixa da inflação leva à recuperação do consumo, dos investimentos e do crescimento. Tudo isso é favorável ao setor de infraestrutura”, traçou Ricardo Amorim.

Para o economista existem algumas possibilidades que podem indicar o futuro do Brasil. “Ou a crise econômica global projetada para os próximos anos é muito pior, ou Bolsonaro demonstra-se incompetente, ou ainda o Brasil cresce acima do projetado”, apontou.

Ricardo Amorim discorda da opinião de que a crise traz a oportunidade. “Ela traz é o problema. O que cabe à nós e criarmos essa oportunidade. No entanto, é preciso manter o cuidado com alavancagens excessivas. Existem oportunidades e possibilidades melhores, mas elas não acontecerão sozinhas”, encerrou.

O ministro Nelson Jobim
O ministro Nelson Jobim

O cenário macroeconômico brasileiro foi apresentado por Eduardo Loyo, economista e sócio do BTG Pactual. Já Tatiana Moura, Vice-Presidente de Ricos de Garantia e CPS da JLT, e Nelson Wilians, Presidente da NW Advogados, com moderação de Carlos Andreazza, debateram Garantia e Project Finance com enfoque em infraestrutura.

Previsul Seguradora incentiva a doação de sangue 364

Previsul Seguradora

Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue é comemorado no dia 25 de novembro

Para marcar o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue (25 de novembro), a Previsul Seguradora incentiva seus colaboradores a comparecerem aos hemocentros mais próximos da sua região para que possam fazer a doação de sangue. A ação aconteceu nesta quinta e sexta-feira (22 e 23).

A ação de endomarketing é ilustrada com a figura do Previsulino (assistente de atendimento da Previsul) como um super-herói que doa sangue. “Uma doação pode salvar até quatro vidas. Por isso, acreditamos que ações como esta fazem a diferença e agregam valor à vida das pessoas. Este é o terceiro ano que incentivamos a doação de sangue”, afirma a Diretora de Negócios e Marketing da Previsul Seguradora, Andréia Araújo.

Os colaboradores que doarem sangue terão o contraturno de folga e ganharão uma camiseta com a seguinte frase: “Ser solidário é meu superpoder! Doe sangue e salve + 4 vidas”. A ideia é reforçar que os colaboradores façam parte da liga dos super-heróis, assim como o Super-Homem, Batman, Mulher Maravilha e Capitão América (ilustrados na arte da camiseta).

De acordo com o Ministério da Saúde, 1,6% da população brasileira doa sangue. No Brasil, pessoas entre 16 e 69 anos podem doar sangue. Além disso, é preciso pesar, no mínimo, 50 quilos e estar em bom estado de saúde. O candidato deve estar descansado, não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores à doação e não estar em jejum. O ato de doação de sangue é rápido, simples e pode salvar até quatro vidas.

A Previsul Seguradora possui 112 anos de atuação e é referência em seguro de pessoas no Brasil. Está presente em 12 estados brasileiros, com aproximadamente 30 pontos de atendimento em todo o país, que oferecem todo o suporte para o corretor, principal parceiro da seguradora.