15 mil novos casos de câncer de boca são registrados no Brasil anualmente 666

Dado mostra lacuna existente na prevenção garantida por planos odontológicos

“O que acontece na sua boca, não fica apenas na sua boca”. Partindo deste pressuposto, a informação tomou conta do Café do Clube de Seguros e Benefícios do Rio Grande do Sul. João Rodrigo Levandowski, diretor comercial regional da MetLife, trouxe dados que impactaram ao seleto público de corretores que participou do encontro na sede da Federasul, em Porto Alegre.

É consenso que a saúde começa pela boca. Pequenas sujeiras na região da boca e nos dentes podem atingir outras áreas do corpo ao se desprenderem e percorrem a corrente sanguínea. Diabetes, complicações na gestação, infecção respiratória, doenças cardíacas e doenças da idade são algumas das enfermidades que podem se agravar por problemas na gengiva, dentes e boca.

Câncer de boca é algo que é identificado é tratado por dentista “é o sexto câncer mais frequente em homens e oitavo em mulheres, é um dos que há mais possibilidade de cura se tratado e identificado cedo”. “Não podemos esperar qualquer situação inesperada e diferente para procurar um dentista”, disse o executivo. Anualmente o Brasil registra 15 mil novos casos deste tipo de câncer.

O jogador Alexandre ficou tempos sem treinar por dores no joelho. Descobriram foco infeccioso na boca e três dias após o dentista identificar, ele voltou a jogar. “Para vocês verem, um problema que se possui na boca tirou um atleta de campo”, abordou Levandowski.

Mais da metade do País não vai ao dentista pelo menos uma vez ao ano, diz uma pesquisa realizada pela Revista Exame. O Brasil é a nação com mais dentistas do mundo, possuindo as melhores faculdades e universidades na área. Tudo isso mostra uma imensa oportunidade de negócios, principalmente em relação as Pequenas e Médias Empresas (PMEs). Segundos dados de estudo realizado em 2013, o pacote de benefícios é atraente para retenção de talentos, no Brasil, 49% respondeu que sim. “Se a empresa não tiver um bom pacote de benefícios, falo de grandes e pequenas empresas, ela não vai conseguir reter seus funcionários”, explicou. “Para a pequena empresa ser competitiva, ela tem sim que ter o plano odontológico para o seu quadro funcional”.

Os dados também apontam que um plano odontológico é o segundo benefício mais desejado por funcionários. Metade dos trabalhadores que possuem planos odontológicos no país o tem através da empresa em que trabalham. Tudo isso está relacionado com o crescente interesse nas modalidades realizadas através de desconto em folha. “O que muitas pessoas talvez não saibam, é que diferentemente do plano de saúde, o plano odontológico possui um custo extremamente baixo”. “Esse é um ponto muito importante para levar aos empregadores”, completou o palestrante.

Esta modalidade cresce 7% ao ano no Rio Grande do Sul. Apesar do número estar acima da média nacional, ainda existe um enorme espaço para crescimento. “Que tal trabalhar nossos lucros em tempos de crise? PME + Benefício Voluntário = dinheiro”, concluiu Levandowski.

Apenas 25% das pequenas e médias empresas possuem planos odontológicos. Nas multinacionais, o número salta para 77%. “Se vocês possuem plano de saúde e ele não possui odontológico, ele está incompleto”, reafirma. João Levandowski ainda aponta que o produto é de fácil contratação, pois, acima de 30 pessoas o plano odontológico não possui nenhum tipo de carência.

O evento, que arrecadou mais de 60kg de alimentos não perecíveis para destinar aos projetos apoiados pela Confraria Solidária (Confrasol), contou com a participação de diversos ícones do mercado segurador. Entre eles, o novo presidente do Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul, Guacir Bueno. Ricardo Pansera, presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros, também esteve presente.

Café do CVG - MetLife

TJ-SP acata ADI referente à lei de previdência complementar dos servidores públicos do Estado de São Paulo 886

Decisão Judicial determina que adesão automática à previdência complementar deve ser iniciativa do Executivo

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo acatou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) referente à Lei 16.675, de 13 de março de 2018, que instituiu a adesão automática dos servidores públicos do governo paulista aos planos de previdência complementar, administrado pela Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo (Prevcom). A decisão foi lavrada em 28 de maio, declarando que a iniciativa de propor a lei deveria ter partido do Poder Executivo, não do Legislativo.
A adesão automática é um mecanismo já utilizado por outros entes federativos em seus planos de previdência complementar, como os destinados aos servidores da União, de Pernambuco, Rondônia, Distrito Federal e do município paulista de Guarulhos. O acesso ao benefício ganhou ainda mais relevância após a aprovação da Reforma da Previdência, que estabeleceu o teto do INSS de R$ 6.101,06, como limite para as aposentadorias dos servidores, igualando o valor ao dos trabalhadores da iniciativa privada.
A implantação do Regime de Previdência Complementar visa dar aos funcionários públicos indicativos para projetarem, já a partir da entrada em exercício, de qual será o valor do benefício de aposentadoria. O caráter facultativo, mencionado na decisão do TJ-SP, se mantém preservado e é garantido pelas normas previstas no texto legal. Após a inscrição automática, o funcionário tem prazo de 90 dias para optar por permanecer ou não no plano. Neste período de três meses, esta decisão pode ser tomada de forma consciente, após analisar todas as informações fornecidas sobre o novo benefício de previdência complementar. No caso de cancelamento, é assegurada a restituição integral das contribuições em valores corrigidos.

Rede Lojacorr fecha maio com crescimento de 24% 1211

21 novas corretoras entraram na Rede em maio.

A Rede Lojacorr fechou maio de 2020 com crescimento de 24% no comparativo ao mesmo mês do ano passado. Foram mais de R$ 61 milhões de produção: Seguros R$ 52 milhões (+14%), Consórcios R$ 5 milhões (+94%) e Demais Segmentos R$ 3 milhões (+573%).

De acordo com o diretor comercial da Rede, Geniomar Pereira, 3,5 mil documentos a mais foram protocolados, comparando-se a maio de 2019, sendo que 37 unidades da Rede cresceram, com destaques para Vale do Aço, Sul de Minas, Campinas, Campos Gerais, Curitiba, Mato Grosso, Belém, Pernambuco, Vitória da Conquista e Salvador. Além disso, 90% entre as 10 principais companhias parceiras também tiveram êxito, entre elas: Alfa, SulAmérica, Bradesco, Mitsui, HDI e Sompo.

Das corretoras, 70% obtiveram aumento de produção, com destaque para Ouroseg, Opipari, SACS, Silveira, LDS, Afirmativa, A3 MG e Rosa Tavares. Todos os principais ramos comercializados aumentaram, entre eles Vida 102%, Saúde 68%, Transportes 52%, RD Equipamentos 50%, Rural 46% e Empresarial 20%. Além disso, as quatro Regionais do país tiveram novas entradas de corretoras, totalizando 21 novas corretoras de seguros. “Crescer dois dígitos nesta fase tão complicada, é um grande feito perante ao mercado de seguros. Obtivemos uma performance sensacional que comprova a força da Rede”, afirma Pereira.

A Lojacorr registrou, ainda, um crescimento da venda dos Planos de Consórcios de 94%. “Resultado muito acima da média do segmento e, em números absolutos, tornou-se a 2ª melhor performance desde o início da operação”, acrescenta o gestor.

Saiba como economizar água e energia elétrica durante a quarentena 1024

Tirar eletrônicos da tomada e colocar em prática o uso da meia-descarga ajudam na redução do consumo

A maioria da população está passando mais tempo em casa por conta da quarentena e, nesse período, gastos com energia elétrica e consumo de água tendem a aumentar. Pensando nisso, Camilla Irion, gerente do Porto Faz, e-commerce de serviços da Porto Seguro, separou algumas dicas que podem evitar surpresas nas contas de água e luz.

Para poupar gastos excessivos com a energia, o ideal é evitar que aparelhos eletrônicos fiquem em stand-by, pois mesmo desligados, eles podem representar um gasto de até 12%, segundo a gerente. Também deve ser evitado o uso de ferro elétrico, chuveiro e máquina de lavar tudo ao mesmo tempo e em horários de pico. “O chuveiro elétrico gasta mais energia entre 18 e 21 horas, quando a maioria das pessoas finaliza o home office”, afirma Camilla, que indica ainda não deixar fogão e geladeira muito próximos, pois interferem um no consumo do outro devido a diferença de temperatura.

Quando se trata de gastos com a água, a gerente recomenda fazer as manutenções preventivas das torneiras e chuveiros da residência. “Uma pequena peça gasta pode fazer com que uma torneira ou chuveiro fique pingando por vários dias”, alerta. “Se desconfiar de algum vazamento em suas tubulações e hidrômetro, solicite o conserto o quanto antes”, complementa.

Manter a torneira fechada enquanto não estiver utilizando a água ao escovar os dentes, fazer a barba e lavar a louça, também é essencial. Além disso, colocar em prática o uso da meia-descarga no banheiro pode ajudar na contenção dos gastos. “Uma válvula sanitária comum é capaz de consumir até 15 litros de água por descarga”, comenta. “Se possível, investir em sanitários com sistema ‘dual flush’, um botão para descarga mais longa e outra para mais curta, auxilia muito na redução do consumo”, conclui.

Amil Dental tem nova linha premium para clientes corporativos 1106

Coberturas estéticas e reembolso com valor diferenciado pago em 24 horas são as principais novidades

Em seu primeiro lançamento de produto do ano, a Amil Dental disponibiliza ao mercado uma nova linha premium de planos odontológicos, desenhada para atender às necessidades da liderança sênior de clientes corporativos de grande, médio e pequeno portes. Para atrair um consumidor com elevado padrão de exigência, a operadora investiu no tripé liberdade de escolha, qualidade do serviço e reembolso de alto nível. São quatro planos disponíveis com diferentes níveis de cobertura. Todos eles trazem acesso a uma rede credenciada diferenciada, com dentistas de referência entre o público premium. Outros diferenciais são a desburocratização e agilidade do pagamento de reembolso, que pode chegar a 80%, e serviço de concierge para atendimento ao cliente.

De acordo com dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o Brasil tem mais de 25 milhões de beneficiários de planos exclusivamente odontológicos, sendo cerca de 72% vinculado a um contrato empresarial. Informações da consultoria de empregos Catho apontam que mais de 40% dos profissionais que estão empregados valorizam um pacote de benefícios atrativo. “Quando temos apenas um tipo de plano odontológico disponível, ele é oferecido aos mais diversificados níveis hierárquicos da empresa. Com isso, as lideranças que têm um plano de saúde diferenciado acabam não vendo valor no plano dental e preferem continuar indo ao seu dentista de confiança, de forma particular. Ao criar um plano premium esperamos mudar esse comportamento, agregando novo diferencial competitivo visando à retenção de talentos de altos cargos”, explica o diretor de Produtos da Amil Dental, Robert Wieselberg.

A linha Amil Dental Premium foi desenvolvida com base nos requisitos listados pelo público desse segmento como prioritários, como liberdade de ir ao dentista de preferência, reembolso por nível de complexidade do tratamento, rede credenciada diferenciada e serviços via aplicativo. Além de todas as coberturas básicas como limpeza, profilaxia e aplicação de flúor, há opções de planos que incluem desde clareamento dentário, tratamento de ATM (articulação temporomandibular) e tomografia à instalação e manutenção de aparelho, colocação de prótese de resina e de porcelana, implante e botox.

Previdência privada: entenda quando contratar, quanto investir e qual plano escolher 993

Executiva da Porto Seguro dá dicas para quem pretende aderir à ferramenta

Fernanda Pasquarelli, é Diretora da Porto Seguro Vida Previdência e Investimentos na sede da empresa em São Paulo. Foto: Fernando Martinho

Embora os planos de previdência privada sejam lembrados muitas vezes como um investimento complementar aos benefícios pagos pelo INSS, as vantagens proporcionadas pela ferramenta vão além do complemento à aposentadoria. É o que diz Fernanda Pasquarelli, diretora de Vida e Previdência da Porto Seguro.

Segundo a executiva, ao investir em um plano de previdência, as pessoas conseguem manter no futuro tudo o que conquistaram ao longo da vida. “Elas ainda podem realizar projetos pessoais, como um intercâmbio ou a compra de um imóvel, por exemplo”, reforça.

Outra vantagem proporcionada pelos planos de previdência privada é a possibilidade de incluir coberturas de seguros em casos de invalidez e falecimento e pensões ao cônjuge, aos filhos menores ou por um prazo determinado até que a família possa se reequilibrar financeiramente.

Fernanda lista algumas dicas para auxiliar quem pretende contratar um plano de previdência complementar.

Quando investir: embora não exista idade certa para o início das contribuições, o ideal é que isso seja feito o quanto antes. “Quanto mais cedo se contratar uma previdência privada individual, maior será a reserva acumulada lá na frente e com menos esforço, pois as aplicações serão diluídas no tempo” afirma.

Quanto acumular para o futuro: um exemplo de como é importante começar cedo é quando o cliente contrata um plano aos 20 anos de idade. Com R$ 200 por mês, ele terá acumulado em torno de R$ 500 mil quando chegar aos 65 anos. Já quem tem 30 anos de idade precisará aplicar R$ 375 mensais para alcançar a marca de meio milhão de reais na mesma faixa-etária. Isso considerando uma rentabilidade conservadora de 6% ao ano e sem aportes extras.

Quanto aplicar: um plano de previdência privada permite que seu contratante contribua mensalmente a partir de R$ 100, valor que pode aumentar de acordo com a renda e com o planejamento do investidor. Mas também é possível realizar aportes em qualquer momento, no valor que quiser. Aportes são importantes principalmente quando a pessoa começou a investir mais tarde. Ela terá condições de recuperar o que não investiu antes. Uma dica da executiva é aproveitar parte do 13º salário e da Participação nos Lucros para planejar seu futuro financeiro.

Qual plano escolher: na modalidade PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), o cliente consegue deduzir as contribuições em até 12% da sua renda bruta anual. Nestes casos, o plano funciona como um adiamento do imposto, pois na hora de fazer um resgate ou receber a renda haverá a cobrança do IR. Portanto, a dica é reaplicar no próprio plano os valores a mais da restituição ou do pagamento a menos de IR. Já a modalidade VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) é mais adequada para quem declara Imposto de Renda no modelo simplificado. “Embora não seja dedutível do imposto de renda, a tributação sobre o valor de resgate ou de recebimento do benefício será apenas sobre o rendimento acumulado”, conclui Fernanda Pasquarelli.