Giro: Capitalização distribui R$ 135 milhões em prêmios no primeiro bimestre 539

Confira as principais notícias no #GirodoMercado desta terça-feira, 26 de abril

Capitalização distribui R$ 135 milhões em prêmios no primeiro bimestre

cofreporco

As 17 empresas que integram a Federação Nacional de Capitalização (FenaCap) distribuíram juntas, até o mês de fevereiro, mais de R$ 135 milhões em prêmios para clientes de títulos de capitalização de todo o Brasil. O montante representa um crescimento de 47,2% em relação ao mesmo período de 2015 e equivale à entrega de R$ 5 milhões em prêmios por dia útil do período. A receita global do segmento registrou um crescimento de 3,4% em relação ao primeiro bimestre de 2015, alcançando R$ 3,072 bilhões. O volume das reservas técnicas – valores acumulados pelos clientes e que serão resgatados ao fim do prazo de vigência dos títulos – também cresceu, alcançando R$ 30,5 milhões, avanço de 1,7%. O montante de resgates no período foi de R$ 3,007 bilhões, valor 23,1% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Ao avaliar uma retomada do crescimento das receitas e das reservas, mesmo em meio ao período de instabilidade, o presidente da FenaCap, Marco Antonio Barros, diz que o fato reforça a tese de que as pessoas estão buscando formar reservas e manter as suas economias guardadas por mais tempo, para fazer frente a possíveis emergências financeiras. “Além de contribuir para a formação de uma reserva os títulos de capitalização ainda oferecem a chance de o cliente ser sorteado, o que é um atrativo adicional indiscutível, pois trata-se da possibilidade de multiplicar o valor economizado”, diz Marco Antonio Barros.

STJ concede decisão favorável à Odontoprev

martelojuridico

A Odontoprev recebeu decisão favorável do STJ em relação a uma pendência fiscal herdada da Bradesco Dental, que foi incorporada pela empresa em 1º de julho de 2010. A corte determinou que a Odontoprev não é obrigada a recolher a previdência social de prestadores de serviços da rede. Com isso, a empresa deixará de desembolsar R$ 41,2 milhões.

Sincor-GO lança nova edição do Banco de Talentos

Integrando a programação de atividades em comemoração aos seus 30 anos de fundação, o Sincor-GO realiza no dia 09 de maio o lançamento de mais uma edição do programa Banco de Talentos/Amigo do Seguro. O evento ocorrerá a partir das 7h30, na sede do sindicato, em Goiânia. Fruto de parceria com a Escola Nacional de Seguros (Funenseg) e o Sindseg MG/GO/MT/DF, o Banco de Talentos visa a capacitação de jovens para atuação no ramo de seguros por meio do curso de Assistente Técnico (AT). Este ano, após a realização de duas turmas do curso em Goiânia, o projeto foca no interior de Goiás e leva a capacitação às quatro Diretorias Territoriais do sindicato, localizadas em Anápolis, Catalão, Itumbiara e Rio Verde. O início das aulas está previsto para setembro de 2016. As inscrições serão disponibilizadas no site do Sincor-GO a partir de 15 julho, com encerramento previsto para 15 de agosto. Ao todo, serão 28 horas-aula de capacitação. Poderão participar do curso jovens de 16 a 22 anos, com vistas a conquista do primeiro emprego. Na programação, os alunos terão acesso aos conceitos básicos sobre o mercado de seguros, legislação do segmento, Código de Defesa do Consumidor, cálculos de seguros, atendimento ao público e noções de informática e ética.

Juliana Pereira é homenageada pela CNseg durante assembleia da Assal

juliana_assal_gd

A secretária da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), Juliana Pereira, após sua participação em painel na 27ª Assembleia Anual da Associação de Supervisores de Seguros da América Latina (Assal), dia 20, no Rio, foi homenageada pela CNseg, representada por seu presidente, Marcio Coriolano, e sua vice-presidente, Solange Beatriz Palheiro Mendes. Juliana, que está encerrando seu ciclo à frente da Senacon, recebeu uma placa comemorativa “pelo sólido legado que sua gestão construiu à frente da Senacon” e por sua “seriedade de propósitos, responsabilidade nas ações, coragem nas decisões e capacidade de diálogo transparente que emolduram sua brilhante carreira”. A secretária da Senacon já participou de diversos eventos da CNseg, que tem a aproximação com os órgãos de defesa dos consumidores como uma de suas políticas.

Instituto Techmail participa de almoço do CCS-SP

Getty Images

No último dia 12 de abril o Instituto Techmail, que há quatro anos vem trabalhando na capacitação e formação de jovens aprendizes para o mercado segurador, foi convidado pelo Adevaldo Callegari, mentor do Clube dos Corretores de São Paulo CCS-SP a participar do almoço realizado pelo Clube. “O propósito do Instituto Techmail é qualificar jovens de escolas públicas para o mercado de seguros. O curso tem cerca de 180 horas/aula dividas em nove disciplinas, ao final do curso os alunos apresentam um TCC (Trabalho de Conclusão e Curso) que poderá abordar Seguro Residencial, Previdência, Seguro Automóvel, entre outros e por fim temos a formatura. Vale a pena ressaltar que os jovens formados pelo Instituto têm um diferencial que sempre é destacado pelos contratantes”, explica Ivan Macedo, Comercial do Instituto. O intuito do almoço foi apresentar o trabalho do Instituto Techmail aos corretores e executivos presentes, como representantes do Instituto estiveram presentes Luiz Fernando Pinto de Carvalho, que assumiu em janeiro deste ano o cargo de Gestor e Ivan Macedo, Comercial. Alguns membros do Clube foram padrinhos de algumas turmas já formadas, entre eles Osmar Bertacini, Renato Gonçalves e Josafá Ferreira Primo que é o padrinho do Instituto. “Gostaria de agradecer em nome do Instituto Techmail o convite feito pelo Clube dos Corretores de São Paulo, foi uma honra apresentar a todos esse projeto que auxilia o os jovens no aprendizado sobre mercado de seguros e na iniciação ao mercado de trabalho”, afirma Luiz Carvalho, gestor do Instituto Techmail.

*Informações de Link, O Financista, CNseg e Sincor-GO.

Títulos de capitalização distribuem R$ 284 milhões em sorteios no 1º trimestre 522

Títulos de capitalização distribuem R$ 284 milhões em sorteios no 1º trimestre

Em comparação a igual período do ano passado, faturamento cresce 8,1% e soma R$ 5,4 bilhões

Marcelo Farinha é Presidente da FenaCap / Divulgação
Marcelo Farinha é Presidente da FenaCap / Divulgação

O setor de Títulos de Capitalização, que oferece soluções de negócios com sorteios para pessoas físicas e jurídicas, apresentou crescimento no primeiro trimestre do ano, conforme levantamento da Federação Nacional de Capitalização (FenaCap). A distribuição de prêmios em sorteios avançou 11,2% em relação ao primeiro trimestre de 2018, alcançando o montante de R$ 284 milhões,entregues a clientes de todo o país.

Os dados da Federação mostram, ainda, que em comparação aos três primeiros meses de 2018, o faturamento das empresas, registrou um crescimento de 8,1%, atingindo R$ 5,4 bilhões. As reservas técnicas, valores totais de títulos ativos destinados ao pagamento de resgates aos clientes dos Títulos de Capitalização, atingiram R$ 29,7 bilhões no período e, os resgates, R$ 4,3 bilhões.

Com um amplo portfólio de produtos, os Títulos de Capitalização estão cada vez mais aderentes às necessidades dos clientes. “A capitalização está mais presente na vida das pessoas, seja como solução para a conquista da disciplina financeira, para garantia locatícia, para o exercício da filantropia ou para incremento de outros segmentos econômicos”, destaca Marcelo Farinha, presidente da FenaCap.

Títulos de capitalização: soluções para vários perfis de clientes

Instrumento de Garantia – Substitui a figura do fiador nas transações de aluguel de imóveis e serve de garantia para operações financeiras e  contratos de qualquer natureza.

Filantropia Premiável – O consumidor cede o direito de resgate da sua reserva para uma instituição filantrópica previamente credenciada pelas empresas de capitalização e participa de sorteios.

Popular – Permite que o consumidor adquira um título de valor acessível com direito ao resgate de até 50% do valor pago e concorra a muitos prêmios ao longo da vigência.

Tradicional – O objetivo dessa modalidade é a formação de uma reserva, de maneira programada, por um prazo previamente conhecido e valor pré-determinado. Dá direito a participar de sorteios e ao resgate de 100% do que foi pago, atualizado pela TR, ao fim do prazo de vigência.

Incentivo – Nessa modalidade, uma empresa de varejo, por exemplo, adquire uma série exclusiva de títulos e cede aos seus clientes o direito a participar de sorteios.

Compra Programada – Essa modalidade permite a acumulação mensal vinculada à aquisição de bens duráveis com sorteio de prêmios;

SulAmérica deixa de atuar em Capitalização e Icatu adquire carteira por R$ 100 milhões 780

SulAmérica deixa de atuar em Capitalização e Icatu adquire carteira por R$ 100 milhões

Seguradora investiu o valor na aquisição de 25% de uma plataforma de investimento digital

A SulAmérica anunciou nesta terça-feira que deixou de atuar no ramo de Capitalização. A carteira de Capitalização e a participação de 24,5% na CaixaCap foi transferida ao Grupo Icatu pelo valor de R$ 100 milhões, com potencial de eventual valor adicional. O mesmo valor foi investido pela SulAmérica na aquisição de 25% das ações na Plataforma de Investimentos Digital da Órama.

Segundo o jornal Valor Econômico, o novo negócio faz com que a Icatu eleve sua arrecadação anual com o segmento de Capitalização de R$ 1,3 bilhão para R$ 2 bilhões. Dessa forma, se tornará a quarta maior empresa nesse ramo no país. A Icatu também tem 16,7% de participação na empresa de Capitalização do Banco do Brasil e 50,1% na do Banrisul.

“A SulAmérica é a maior seguradora no produto de capitalização usado como instrumento de garantia de alugueis nas imobiliárias e, para nós, é importante nos aproximarmos desse mercado”, disse Luciano Snel, presidente da Icatu Seguros.

A Órama, criada em 2011, foi uma das pioneiras a oferecer investimento digital no Brasil, sendo considerada uma das empresas mais inovadoras em serviços financeiros. Presente em todo o País, com uma estrutura 100% online, tem compromisso de prestar serviço para que o brasileiro possa investir de forma consciente e transparente.

“Sem dúvida, é mais um grande passo na caminhada e na alavancagem do desenvolvimento da Órama, uma empresa que vem crescendo consistentemente desde sua fundação, em 2011, graças ao trabalho de um grupo de talentos que não mede esforços para romper a barreira entre as pessoas e o dinheiro, democratizando o acesso aos investimentos”, afirma Habib Nascif, CEO da Órama.

A plataforma manterá sua independência e continuará aberta, com o foco na melhor experiência do usuário e a missão de oferecer investimentos e serviços de qualidade adequados a todos os perfis, objetivos e faixas de renda dos investidores. A gestão da empresa, que cresce exponencialmente ano a ano, continuará nas mãos do mesmo grupo de controladores, experientes e reconhecidos profissionais do mercado financeiro e passará a contar com representantes da SulAmérica na diretoria e no conselho de administração.

“Com esse acordo reforçamos o posicionamento da SulAmérica em um segmento com crescente penetração no mercado brasileiro e considerável potencial de expansão”, afirma o vice-presidente de Investimentos, Vida e Previdência da SulAmérica, Marcelo Mello.

A SulAmérica, fundada em 1895, é o maior grupo segurador independente brasileiro com receitas anuais superiores a R$ 20 bilhões e SulAmérica Investimentos, fundada em 1996, uma das maiores gestoras independentes de ativos no Brasil, consolidou-se entre os administradores de recursos que mais captaram recursos nos últimos anos, encerrando o 1º trimestre de 2019 com aproximadamente R$ 41 bilhões em ativos sob gestão.

A conclusão das duas transações está condicionada ao cumprimento de algumas condições usuais neste tipo de negócio, incluindo a aprovação dos órgãos reguladores.

*Com informações de Valor Econômico e Weber Shandwick

“Setor de seguros será protagonista de um novo momento no Brasil” 484

"Setor de seguros será protagonista de um novo momento no Brasil"

Marcio Coriolano assume novo mandato na CNseg; Diretoria da Confederação, Conselhos, Presidentes e Diretorias de Federações são empossadas

Marcio Serôa de Araujo Coriolano assumiu novo mandato como presidente da Confederação Nacional de Seguros Gerais (CNseg). A posse aconteceu em cerimônia especial, na Zona Sul de São Paulo (SP), e reuniu diversas lideranças do mercado brasileiro de seguros.

Além de Marcio Coriolano, foram empossados Marcelo Farinha, na Federação Nacional de Capitalização (Fenacap), Jorge Nasser (FenaPrevi), João Lima (FenaSaúde) e Antonio Trindade (FenSeg). Além disso, os vice-presidentes das respectivas instituições, conselheiros e diretores compuseram a lista que comanda os rumos do setor de seguros no Brasil pelo triênio 2019-2022. Também participaram do momento líderes sindicais, representados pelo presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor), Armando Vergílio.

“Fico muito satisfeito com esse reconhecimento, que não é individual, trata-se de um trabalho coletivo de toda a Confederação. Nosso trabalho caminha no sentido da especialização do corpo técnico, além de promover treinamentos e capacitações. Os três primeiros anos foram de muito trabalho e, neste novo mandato, caminhamos para a profissionalização do setor em parceria com o poder público”, explicou o presidente reeleito Marcio Coriolano.

O presidente da CNseg acompanhado dos presidentes das Federações do mercado brasileiro de seguros / Divulgação
O presidente da CNseg acompanhado dos presidentes das Federações do mercado brasileiro de seguros / Divulgação

As mudanças pelas quais o Brasil atravessa são desafiadoras. Na visão de Coriolano, as incertezas com o que vai acontecer reforçam a importância de se fazer uma seleção criteriosa sobre os acontecimentos. “Seja na política, na economia ou na sociedade precisamos responder com nossa especialidade em nossos mercados. Especificamente sobre a reforma da previdência, sabemos que trata-se apenas de uma das muitas reformas que devem acontecer. Existe um leque de disposições do governo justamente para privatizar, até mesmo no setor de seguros. Para crescer o Brasil também precisa de poupança e quem faz isso são as seguradoras”, afirmou.

O presidente da CNseg comemora o fato de que o mercado segurador consolidou mais de R$ 1 trilhão em reservas técnicas no Brasil. “Isso corresponde a 25% da dívida pública. O setor de seguros será protagonista de um novo momento no Brasil. Um momento de poupança, de retomada na geração de empregos e também da economia”, finalizou.

Já o presidente eleito da FenSeg e da Chubb no Brasil, Antonio Trindade, demonstrou otimismo com o setor e destacou o papel estratégico do seguro. “O segmento de Seguros Gerais é responsável por um amplo leque de produtos, desde automóveis e satélites, residências, obras de infraestrutura, até a produção agrícola do interior do País. Caminha para um cenário de crescimento sustentado nos próximos anos e quer ser um parceiro para concretizar a agenda social e econômica do Brasil, ao proteger a população de toda a espécie de riscos e desonerar o orçamento do Estado”, afirmou.

O presidente eleito da FenaPrevi, da Bradesco Vida e Previdência e da Bradesco Capitalização, Jorge Pohlmann Nasser, argumentou que, no contexto da Reforma da Previdência Social, já não se pode mais discutir se deve ou não reformar o modelo de Previdência Social do país. “Devemos discutir qual a reforma possível nesse momento. E que seja da amplitude suficiente para recolocar o Brasil na rota de desenvolvimento sustentável. A FenaPrevi deu sua contribuição, ao apresentar sugestões para a Reforma, através do trabalho realizado pela FIPE, em parceria com CNSeg, ABRAPP e ICSS”, contou. Segundo Nasser, não basta esperar pela reforma. É preciso participar ativamente das discussões e ao mesmo tempo, destacar a importância do papel da Previdência Complementar como parte de um modelo moderno e equilibrado de Previdência para o Brasil. “Nossa agenda precisa avançar. E neste momento de mudanças no cenário nacional, surgem novas oportunidades para a construção de um modelo regulatório moderno, robusto e, fundamentalmente comprometido com o espaço democrático do diálogo para tornarmos cada vez mais sustentável nosso mercado”, disse.

O presidente eleito da FenaSaúde e vice-presidente do Grupo Notredame Intermédica, responsável pela Interodonto, João Alceu Amoroso Lima, destacou medidas propostas pela entidade em prol da sustentabilidade do segmento. Para ele, são relevantes questões como a adoção de programas de APS – Atenção Primária à Saúde e Redes Hierarquizadas e a admissão de hospitais públicos nas redes credenciadas das operadoras privadas. Ele também ressaltou o protagonismo da FenaSaúde no setor. “Sabemos que podemos contribuir de forma mais contundente, não apenas para a promoção da saúde e prevenção de doenças dos cidadãos, mas também para um ambiente favorável ao crescimento e desenvolvimento econômico e social do Brasil, desonerando o orçamento público, promovendo emprego, atraindo investimentos e gerando renda”, concluiu.

O presidente eleito da FenaCap e da Brasilcap, Marcelo Farinha, observou que o segmento contribui para ampliar o bem-estar das famílias, movimentar a economia e reforçar a poupança de longo prazo no país. “Nesse contexto, merece destaque o posicionamento estratégico da capitalização, que evoluiu de um estágio inicial em que os produtos eram apenas instrumentos para guardar dinheiro e concorrer a prêmios para um novo patamar, que consiste na oferta de um conjunto de soluções de negócios com sorteios, em atendimento a novas demandas dos consumidores. É solução para a conquista da disciplina financeira, para garantia locatícia, para o exercício da filantropia ou para incremento de outros segmentos econômicos. Isso explica, em parte, a resiliência do mercado em momentos de instabilidade”, ressaltou.

O diretor presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Leandro Fonseca, destacou a modernização regulatória como o caminho para tornar o segmento mais produtivo e assegurar seu desenvolvimento sustentável. “Em razão disso, a modernização constará da nova agenda regulatória da ANS para o período compreendido entre 2019 e 2021”, afirmou Fonseca.

De acordo com o presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros Privados e de Resseguros, de Capitalização, de Previdência Privada, das Empresas Corretoras de Seguros e de Resseguros (Fenacor), Armando Vergílio, “o novo salto de crescimento do mercado dependerá da união dos seus pares em torno de um projeto que contemple, entre outros tópicos, o combate às vendas irregulares pelas associações, avanço da desregulamentação do setor, oferta de produtos inovadores para ampliar a base de consumidores e em linha com a consolidação da economia digital e com a era de riscos emergentes”.

Mauro Batista, presidente do Sindicato das Seguradoras, apontou a educação como o mecanismo para demonstrar à sociedade e ao Estado a importância do setor. “Nós seguradores temos de ter a determinação de investir em programas educativos e ser proativos e determinantes para essa travessia”.

A solenidade, realizada em São Paulo contou com cerca de 400 convidados, inclusive o Secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Francisco de Assis Figueiredo; o subsecretário de Políticas Microeconômicas e Financiamento da infraestrutura, Pedro Miranda.

Confira alguns dos registros do JRS durante a cerimônia de posse:

*Com a colaboração de Superintendência – Executiva de Comunicação e Imprensa da CNseg

O que muda no SulAmérica Garantia de Aluguel com as novas regras da Susep 378

O que muda no SulAmérica Garantia de Aluguel com as novas regras da Susep

Alterações entraram em vigor em abril e envolvem ajustes nos títulos de capitalização, como o de garantia locatícia

As diretrizes de comercialização dos títulos de capitalização, incluindo os de garantia locatícia como o SulAmérica Garantia de Aluguel, passaram por mudanças no mês de abril, em função das exigências regulatórias da Superintendência de Seguros Privados (Susep). As novidades trazem ainda mais segurança para os contratos de locação e preservam os direitos e benefícios que o título oferece a proprietários e inquilinos.

“O novo marco regulatório é fruto de um trabalho da Susep com as principais empresas do setor, inclusive a SulAmérica, que participou ativamente dos fóruns de debate sobre o tema. A nova normativa é composta de uma visão atualizada das modalidades, o que amplia a possibilidade de atuação da capitalização no mercado brasileiro”, comenta o superintendente de Negócios de Capitalização da SulAmérica, Natanael Castro.

As exigências regulatórias determinam que o produto passe a fazer parte de uma nova modalidade: o Instrumento de Garantia. Entre as mudanças, há a extinção da carta caução e o título, por sua vez, se torna necessário no contrato de locação na condição de garantia locatícia. As definições de valor e prazo de vigência do produto (que pode ser de 12 a 15 meses) continuam sendo definidos entre locatário e locador ou imobiliária.

“As mudanças na legislação dos títulos de capitalização são positivas para o mercado e para SulAmérica, pois ampliam nossa capacidade de gerar novos negócios, bem como atualizam as diretrizes normativas dos produtos com os quais atuamos. Na companhia já colocamos em prática um plano de comunicação para orientar nossos parceiros e clientes acerca das novas regras a fim de prepará-los para atenderem as novas demandas do mercado”, afirma o diretor comercial da Regional São Paulo Interior, Christian Menezes.

Para os clientes, todos os direitos e benefícios do SulAmérica Garantia de Aluguel vigentes na modalidade anterior (tradicional) permanecem inalterados. As novas condições gerais do produto estão disponíveis neste endereço.

IX edição do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros com inscrições abertas 325

IX edição do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros

Começa nova temporada de cases inovadores para seguros

Mais uma vez, projetos inovadores nas áreas de Produtos e Serviços, Comunicação e Processos e Tecnologia poderão concorrer ao Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros, promovido pela CNseg – a Confederação das Seguradoras – que está em sua nona edição consecutiva.

Trata-se do mais importante concurso do setor segurador brasileiro, criado em 2011 para tornar públicas iniciativas que contribuam para a modernização do seguro. As inscrições podem ser feitas até 27 de setembro.

A diretora de Relações de Consumo e Comunicação da CNseg, Solange Beatriz Palheiro Mendes, enfatiza que o Prêmio contribui em prol do maior engajamento do setor para melhorar sua comunicação, seus processos e inovação no mercado. “O setor de seguros tem demonstrado o seu engajamento com a inovação, notadamente na busca das práticas que melhor atendem às necessidades dos segurados e otimizam processos”, afirma.

No ano passado, entre outros cases inspiradores premiados, foram apresentados projetos que propuseram a utilização do serviço de voz e inteligência artificial no Google Assistente; as melhorias no processo de comunicação; a ferramenta que aprimora a gestão da saúde pelo uso de dados qualitativos dos clientes; o uso da rede de franqueados para conscientizar os consumidores sobre a importância de contratação do seguro. Em 2018, foram 115 projetos inscritos e 87 habilitados para a disputa.

Podem concorrer trabalhos de seguradoras; entidades abertas de previdência complementar; sociedades de capitalização; operadoras de planos e seguros saúde; resseguradoras; corretoras de seguros e resseguros; corretores autônomos; prestadores de serviços; instituições de ensino e entidades afins do setor.

Além de inovação, a relevância para o negócio e prazos de implementação dos projetos são outros quesitos avaliados pelo concurso anual. São contemplados três projetos de cada categoria – Produtos e Serviços, Comunicação e Processos e Tecnologia – com um total de nove iniciativas premiadas. O regulamento do prêmio está disponível neste endereço.