Seguradora chinesa vai investir em concorrente do Uber 687

Esta e outras manchetes no Giro do Mercado

Reprodução
Reprodução

A maior seguradora da China vai fazer um grande investimento em um concorrente local do aplicativo de caronas Uber, de acordo com pessoas familiarizadas com o negócio. A China Life Insurance vai aplicar mais de US $ 500 milhões na Didi Chuxing Technology, depois de a Apple fazer um investimento de US$ 1 bilhão na empresa, que lidera o mercado de caronas na China.

A Didi está levantando dinheiro de investidores em uma rodada de financiamento que pode chegar a US$ 3,5 bilhões. O valor da empresa pode ultrapassar os US$ 25 bilhões. A China Life Insurance, uma seguradora estatal, já investiu no UberChina, entidade independente criada pelo Uber para concorrer com a Didi no ano passado.

Chubb do Brasil patrocinou evento sobre seguros de Linhas Financeiras 

Pexels
Pexels

A Chubb Seguros foi uma das patrocinadoras do Aon Financial Lines Day, realizado ontem, no Hotel Unique, em São Paulo. Promovido pela Aon Brasil, o evento contou com a participação dos principais executivos do mercado que atuam nos nichos de D&O, Crédito, Garantia e Cyber. Durante o encontro, cerca de 500 convidados se aprofundaram em assuntos ligados a diferentes produtos de Linhas Financeiras, como a evolução do Seguro Garantia Judicial e suas mudanças com o novo Código de Processo Civil brasileiro, o papel do Seguro D&O para proteção dos executivos e formas de proteção contra ataques cibernéticos.

Na oportunidade, Rafael Domingues, Diretor de Financial Lines da Chubb, foi um dos painelistas sobre D&O. O executivo afirma que ações como esta aproximam ainda mais a companhia de potenciais clientes e parceiros. “Participar deste evento nos oferece a oportunidade de estar com renomados empresários e executivos de todo o País, o que consideramos importante para a expansão da seguradora no segmento de Linhas Financeiras”, considera.

A Chubb desenvolveu no Brasil um dos mais extensos portfólios de seguros no segmento de Linhas Financeiras, que cobrem riscos que emergiram com a evolução dos mercados e da economia mundial. São produtos como: D&O (Directors and Officers); E&O (Errors and Omissions) ou RC Profissional; EPL (Employment Practices Liability) ou RC Trabalhista; FIPI (Financial Institutions’ Professional Indemnity Insurance); Fraud Protector, ou Crime; IMI (Investment Management Insurance); MEDMAL (Medical Malpractice); e POSI (Public Offering of Securities Insurance).

Até abril, capitalização distribuiu mais de  R$ 391 milhões em prêmios

Pexels
Pexels

Segundo dados da Federação Nacional de Capitalização (FenaCap), entre os meses de janeiro e abril, as empresas que comercializam títulos de capitalização distribuíram para seus clientes R$ 391,7 milhões em prêmios, o que representa um crescimento de 28,6% em relação ao mesmo período de 2015.

As reservas técnicas – valores acumulados pelos clientes e que serão resgatados ao fim do prazo de vigência dos títulos – atingiram R$ 30,3 bilhões, mantendo-se no mesmo patamar de 2015, enquanto os valores resgatados alcançaram R$ 6,2 bilhões no mesmo período, um aumento de 20,3%. Nos primeiros quatro meses do ano, a receita global do setor chegou a R$ 6,5 bilhões, apresentando um pequeno decréscimo de 0,02.

O presidente da FenaCap, Marco Antônio Barros, explica o desempenho dizendo que o mercado oferece, hoje, uma grande variedade de soluções de negócios com sorteios e aconselha os consumidores a definirem previamente os seus objetivos ao guardar dinheiro, antes de optar pelas soluções de capitalização. “O produto Tradicional é a solução ideal para quem quer economizar e, ao mesmo tempo, participar de sorteios. Mas se houver perspectiva de uso do dinheiro no curto prazo, ou se o objetivo for obter retorno financeiro, devem buscar outras alternativas”, assinala.

Segundo ele, os títulos para garantia locatícia vêm ganhando muito espaço no mercado, pois atendem a necessidade de quem  precisa alugar um imóvel, residencial ou comercial, e não tem fiador. No último ano, a modalidade registrou uma arrecadação de R$ 1 bilhão, somando 16.619 clientes em todo país. “É uma opção para alugar um imóvel, sem fiador e sem burocracia, com a garantia do retorno do valor empregado ao fim do contrato de locação”, completa Marco Barros.

Ainda segundo o presidente, por outro lado, o produto  tem sido muito utilizado por proprietários de imóveis que não se sentem confortáveis em negar a amigos ou à própria família um pedido para que assuma o papel de fiador.  “É muito mais interessante fazer um título de capitalização para atender a esses pedidos, circunscrevendo a obrigação a um valor previamente determinado,  do que assumir a fiança e colocar em risco o patrimônio, que poderá vir a ser penhorado em caso de inadimplência”, explica o presidente da FenaCap.

Existem hoje no mercado três modalidades de títulos de capitalização em comercialização: Tradicional (que inclui o garantia locatícia), Popular e Incentivo, este último voltado para pessoas jurídicas.

Mondial Assistance participa do 20º Congresso de Comunicação Interna

Reprodução
Reprodução

A Mondial Assistance, líder global na prestação de serviços de Assistência 24h nos segmentos viagem, automotivo, residencial, saúde e vida, participou ontem, do 20º Congresso de Comunicação Interna, evento organizado pelo Informe Group.

Com o case “Engajamento e Valores Estratégicos”, a supervisora de Comunicação da Mondial Assistance, Karina Bertolla, irá palestrar sobre a empresa e suas campanhas internas de reforço da cultura organizacional, além de mostrar na prática como promover engajamento dos colaboradores e disseminar a cultura de novos valores corporativos por meio do employer branding.

O Congresso teve início na segunda-feira, 13, e termina hoje, 15 de junho, no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo. Com mais de 20 palestrantes, 10 casos práticos e mais de uma centena de gestores e especialistas em comunicação com o público interno, o evento tem como objetivo tratar as estratégias e melhores práticas de comunicação interna, que estão trazendo benefícios reais e diferenciais estratégicos para o negócio das empresas no contexto da crise.

Prudential do Brasil realiza campanha de vacinação interna

Reprodução
Reprodução

No mês de maio, os funcionários da Prudential do Brasil e seus beneficiários puderam se vacinar contra a gripe. Nos escritórios do Rio de Janeiro, foram dois dias de vacinação e, nos demais estados, os colaboradores receberam o reembolso do custo da vacina ao longo do mês.

A campanha faz parte do Programa Bem Viver, adotado pela Prudential do Brasil, que engloba várias outras ações direcionadas à qualidade de vida e bem-estar. Ela é realizada anualmente e, este ano, seguiu o calendário do governo ao oferecer a vacina tetravalente, que protege contra quatro tipos de vírus, incluindo o H1N1.

“A saúde e qualidade de vida dos funcionários e seus familiares é fundamental para a companhia. Buscamos com esta campanha garantir bem-estar e tranquilidade para nossos colaboradores beneficiados pela ação”, destaca o vice-presidente de Recursos Humanos, Administração de Franquia e Compensation da Prudential do Brasil, Paulo Leão.

*Com informações de Dow Jones Newswires, Diz, Link, Virta e Approach Comunicação.

Indicadores econômicos não estão favoráveis e travam os investimentos 950

Indicadores econômicos não estão favoráveis e travam os investimentos

Diagnóstico é de Patricia Krause, economista da Coface na América Latina

A capital paulista foi palco do evento Country Risk Conference, onde a Coface, empresa líder em seguros de crédito, gestão de risco e economia global, apresentou as perspectivas econômicas em nível mundial e na América Latina. A CEO da companhia, Marcele Lemos, participou do momento, que contou com apresentação do economista Ricardo Amorim. Amorim abordou as oportunidades que podem ser aproveitadas com um maior crescimento da economia. A programação ainda contou com as perspectivas econômicas mundiais, na visão de Julien Marcilly, economista-chefe da Coface. Já o economista e doutor em ciência política, diretor da consultoria Prospectiva e fellow do Atlantic Council em Washington, Ricardo Sennes, comentou sobre as tendências sócio-políticas e previsões para o biênio 2019/2020. Os trabalhos foram complementados por uma mesa redonda, mediada pelo jornalista Márcio Kroehn.

A economista da Coface, Patricia Krause, também apresentou suas projeções para a América Latina. Em entrevista ao JRS, a especialista demonstrou preocupação com as expectativas de crescimento dos países da região, sobretudo México e Brasil, que enfrentam mudanças políticas e profundas reformas, respectivamente. “O crescimento desses países é muito baixo e deve ser revisado para baixo. É possível, até mesmo, que o Brasil cresça abaixo de 1%, dada a atividade econômica muito fraca do primeiro trimestre. O segundo semestre tende a ser um pouco melhor, os investimentos estão paralisados e impactam nos indicadores de confiança na economia, que ainda não são otimistas, apesar de melhores do que no auge da crise, entre 2015 e 2016”, revela. “No caso do México a produção está em queda e os riscos aumentam a cada dia, com as agências de risco rebaixando diversas empresas daquele país. A nota soberana do México está em perspectiva negativa e ainda precisamos ver o que acontecerá com o novo acordo do NAFTA, agora denominado USMCA”, considera.

As perspectivas de uma aprovação rápida da reforma da previdência não se concretizaram e afetam os índicas de confiança, o que, segundo Patrícia, “ocasiona em um tempo um pouco maior para recuperação da economia. Vários setores estão com desempenho fraco”. “Como seguradora de crédito vemos que a questão da inadimplência já melhorou muito, em relação a 2016, o que possibilita uma Selic estável a 6,5%. Isso ajuda muito na recuperação do crédito”, reitera ao dizer que “tudo passa pela reforma da previdência, mas ela não é o único fator importante. Ela ajudará na confiança e isso vai impactar no aumento da produção. O retorno de investimentos mais fortes no País passa muito pela questão tributária e regras mais claras nas regulações. É importante reforçar a segurança para atração de novas aplicações financeiras”.

Patricia Krause demonstra preocupação principalmente em relação ao que pode acontecer na Argentina e aos conflitos que jogaram a Venezuela na atual situação de colapso financeiro. “Pensou-se que o regime de Maduro poderia chegar ao fim, mas ele é bem mais forte do que se pensava. Ainda não está claro o que vai acontecer, mas os EUA continuam avançando em sanções. Companhias aéreas foram proibidas de voar para lá e essas restrições afetam outros países, como Cuba, que está na mesma linha. A ação militar não é a melhor solução, mas é uma das possibilidades”, justifica. “No caso da Argentina trata-se do terceiro maior parceiro comercial do Brasil. As eleições podem colocar o País em um cenário de risco, até mesmo em função do acordo com o FMI, que poderia ficar mais complicado”, completa.

Já a guerra comercial entre China e Estados Unidos pode resultar em algo positivo para o Brasil e até resultar em um vencedor a curto prazo. “No geral esse movimento não é nada positivo, pois impacta em todas as indústrias na cadeia de produção, demanda e até mesmo a balança comercial. Não é uma grande possibilidade, mas este movimento pode até mesmo impactar na inflação brasileira”, traça.

Na Europa as atenções são voltadas ao acordo do Brexit, que será apreciado pelo parlamento. “Na Inglaterra os principais setores impactados foram o de construção e o de alimentos. É um momento de incertezas e retração de investimentos também por lá”, finaliza.

Grupo MBM é a seguradora oficial da Fenamilho pelo 2º ano consecutivo 449

Grupo MBM é a seguradora oficial da Fenamilho pelo 2º ano consecutivo

Evento acontece de 17 a 26 de maio, no Parque de Exposições de Patos de Minas

A Fenamilho é uma das festas agropecuárias mais famosas de Minas Gerais e reunirá públicos de diferentes Estados. “Concretizamos a parceria da cobertura do Seguro AP Eventos do MBM pela segunda vez consecutiva. Isso afirma nossa expertise e vasta experiencia no ramo de seguros de acidentes pessoais”, comenta Marinalda dos Santos Dias, gerente da filial MBM de Minas Gerais.

“A consolidação da cobertura do AP para a festa se deu através de um trabalho em conjunto entre o Grupo MBM, o Sindicato dos Produtores Rurais, juntamente com a Cooptrade Corretora de Seguros. Agradeço, mais uma vez, a parceria de longa data”, complementa Marinalda.

A Festa Nacional do Milho é a maior festa agropecuária do estado de Minas Gerais, realizada na cidade de Patos de Minas, desde 1959. São 60 anos de história e muita tradição de uma festa que tem encantado e embalado as emoções de gerações de patenses, mineiros e brasileiros.

“É importante destacar que nosso conhecimento se aplica em eventos dos mais variados portes, como shows, feiras, workshops e palestras”, completa Alexsander Kaufmann, superintendente comercial do MBM.

A cada ano, o Parque de Exposições Sebastião Alves do Nascimento – a casa da Fenamilho, recebe milhares de visitantes, entre conterrâneos e turistas das mais diversas regiões do país, que vêm prestigiar as inúmeras atrações e desfrutar de momentos inesquecíveis e mais que especiais desta grande festa. Um clima de descontração e alegria contagia a cidade de Patos de Minas, que acolhe a todos com carinho e a generosa hospitalidade mineira.

Mais informações sobre o evento estão disponíveis neste endereço.

Chubb estimula seguros para Festas Juninas em todo o Brasil 355

Chubb estimula seguros para Festas Juninas em todo o Brasil

Apólices disponibilizam coberturas para diversos imprevistos que podem acontecer

A Chubb, uma das maiores seguradoras do mundo, diz que, a exemplo do carnaval, as festas juninas estão demandando proteções securitárias de modo crescente em todo o Brasil. As apólices cobrem riscos como ferimentos por fogos de artifício, quedas de estruturas retráteis, choques elétricos, danos corporais por conta de tumultos, intoxicação com alimentos e bebidas, danos a equipamentos, incêndio e vários outros episódios que podem ocorrer ao longo de eventos organizados em recintos abertos e fechados.

“As ameaças presentes nas festas juninas não são menores em relação ao carnaval, pois as festividades hoje chegam a durar mais de 30 dias, dentro de uma programação bastante intensa de brincadeiras com diferentes graus de risco”, diz Juliana Santos, Responsável pela área de seguros de Entretenimento da Chubb. De acordo com a executiva, as festas são tradicionalmente organizadas por milhares de instituições de todo o Brasil, considerando entidades públicas, associações, empresas, escolas, igrejas e outras.

Juliana Santos observa que, nos últimos anos, diversas prefeituras do país assumiram a realização dos eventos. “Em algumas localidades, a festa evoluiu muito com o passar dos anos e hoje já atrai um grande fluxo de pessoas de cidades vizinhas e outros estados, além de turistas estrangeiros”, observa. Segundo ela, na região nordeste, em especial, os eventos do período junino passaram a movimentar de forma expressiva a economia de várias cidades pequenas, médias e grandes.

Conforme Juliana, o investimento de um pequeno valor em uma apólice de seguros pode evitar prejuízos que poderiam significar o fechamento do negócio do promotor de um evento junino, tais como perdas ocasionadas por incêndios, cancelamentos e acidentes com vítimas fatais. “O mercado se encontra cada vez mais consciente disso e, por essa razão, a Chubb está estimulando os corretores de seguros a contatarem o quanto antes os organizadores dessas festas”, conta. Como as oportunidades vão surgir até a véspera do período junino, ela destaca que a seguradora dispõe de um sistema que emite boleto, certificado e apólice em até 24 horas antes do inicio da montagem do evento.

“Estamos levando para nossos parceiros uma experiência de mais de 50 anos em seguros de Entretenimento no mundo, bem como os conhecimentos adquiridos a partir de uma atuação pioneira no Brasil”, conclui.

Diretor comercial do Grupo MBM assume mandato na FenaPrevi 251

Diretor comercial do Grupo MBM assume mandato na FenaPrevi

Luiz Eduardo Dilli Gonçalves integra o Conselho Fiscal até 2022

O diretor comercial do Grupo MBM, Luiz Eduardo Dilli Gonçalves, integra o Conselho Fiscal da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), entidade que reúne 67 seguradoras e entidades abertas de previdência complementar no País.

O evento de posse da CNseg e Federações (Fenseg, FenaPrevi, FenaSaúde e FenaCap) para o triênio 2019-2022 reuniu cerca de 400 participantes em confraternização do setor, em São Paulo, no dia 09 de maio. “Posso afirmar que estou muito feliz com essa oportunidade e garanto que eu, juntamente com o MBM, contribuirei para que o setor se fortaleça ainda nos próximos anos”, comenta Dilli.

A FenaPrevi é uma associação civil sem fins lucrativos, afiliada à Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg).

Panambra Seguros participa da 33ª Franchising Fair 334

Panambra Seguros participa da 33ª Franchising Fair / Arquivo JRS

Feira acontece até o próximo domingo, no Shopping Bourbon Wallig, em Porto Alegre (RS)

Quem faz um seguro com a Panambra Corretora de Seguros nunca fica sozinho. “Se algum imprevisto acontecer, nós estaremos aqui. Porque um seguro feito através da Panambra Corretora é como um verdadeiro amigo: está sempre por perto em todos os momentos da vida”, com este lema a empresa é especialista na corretagem de seguros para automóveis, caminhões, previdência privada, pessoas, acidentes pessoais, empresarial, condominial, residencial, RC geral e outras modalidades.

Com opção atrativa no segmento de franquias, a Panambra Seguros participa da 33ª Franchising Fair, que acontece de hoje até o próximo domingo, no Shopping Bourbon Wallig, em Porto Alegre (RS). O estande da corretora apresenta todas as modalidades para franqueados.

Mais informações podem ser obtidas no telefone (51) 3218-1950, pelo e-mail franquias@panambraseguros.com.br ou ainda neste website.