Fala corretor: A maior mentira que os segurados contam 347

Muitos corretores, se não todos, já ouviram de um cliente a seguinte frase: “Pago seguro há muitos anos e nunca usei!”

Esta é, de longe, a maior mentira que os segurados contam para seus corretores e, principalmente, para eles mesmos. Todos aqueles que adquirem qualquer produto do ramo de seguros o usa todos os dias!

Usar o seguro não significa receber indenização, usar o seguro significa ter a garantia de que sua estabilidade financeira está protegida. Usar o seguro é saber que aquele sonho, construído com muito suor e esforço não irá lhe escapar por entre os dedos. Usar o seguro é ter paz. Seguro não é indenização, seguro é tranquilidade.

Ter um seguro significa que você pode buscar bens maiores do que sua capacidade de absorver prejuízo. Simplificando, sem um seguro você não conseguiria ter o que você tem, ou pior, você poderia ter um bem, perdê-lo e ainda ficar com um talão de boletos para pagar.

O seguro possibilita que você entre em uma concessionária, compre um carro financiado e saia de lá sem medo de que na próxima esquina seu carro seja roubado, ou sofra uma colisão. Ter um seguro significa que uma instituição bancária permita que você compre um imóvel, que você não teria patrimônio pra comprar sozinho, e parcele seu pagamento. Para os empresários, ter um seguro significa poder investir na expansão do seu negócio, sem o risco de ter que arcar com o prejuízo caso alguma acidente ocorra no meio do caminho.

Uma boa cobertura securitária permite que um transportador assuma o risco de entregar, na porta da sua casa, aquela encomenda que você pediu pela internet.

Isso tudo sem receber um centavo de indenização.

E para testar se você têm usado o seguro durante todos esses anos é simples: deixe de fazê-lo.

Sem o seguro do seu carro uma viagem pode se tornar um risco enorme. Pensamentos como: será que terei como consertar meu carro caso alguém bata nele? Será que essa pessoa assumirá o risco? Será que a rodovia possui um serviço adequado de assistência caso meu carro sofra uma pane? Será que eles me trarão até em casa? E minha família, terei que colocar em um taxi? Quanto custará esse taxi?

E uma visita à um amigo para jantar, será que você usa o seguro nesta ocasião? Se você não renovar seu seguro será que você ficará tranquilo deixando seu carro na rua? E se a rua for mal iluminada, seu jantar será agradável e descontraído ou você terá que ir checar na janela a cada dez minutos se seu carro ainda está lá?

Se você achou que são pensamentos que não passam pela sua cabeça, é por uma única razão, hoje você tem um bom seguro e não precisa se preocupar com isso pois sua cabeça já acostumou a contar com essa proteção.

Seguro não é um mal necessário, seguro é tranquilidade.

*Gostou deste artigo? Confira a publicação original.

RS: Corretores do Sul do Estado confraternizam em Pelotas 653

Representantes de entidades e companhias também participaram do momento

Os corretores de seguros do Sul do Estado celebraram o fechamento de 2018 na sexta-feira (09) em Pelotas. O momento já é um tradicional encontro promovido pela Delegacia da Região do Sindicato dos Corretores de Seguros do Rio Grande do Sul (Sincor-RS), chegando a sua 15ª edição neste ano.

De acordo com a delegada do Sindicato na cidade, Jacqueline Carvalho, o momento é oportuno para que os profissionais confraternizem e estreitem laços de parceria entre corretores e seguradoras. O presidente do Sincor-RS, Ricardo Pansera, do Sindicato das Seguradoras do RS, Guacir Bueno, e representantes de companhia participaram da confraternização.

Confira as imagens:

Porto Seguro Motos oferece proteção personalizada para baixa e alta cilindrada 534

moto

Revitalização do produto visa atender a diferentes perfis de motociclistas

A produção e as vendas de motos têm crescido ao longo do ano. De janeiro a setembro, as fabricantes de motocicletas tiveram um aumento na produção de 19,2% e de 17,8% nas vendas diárias, comparado ao mesmo período de 2017, segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo).

Visando atender a crescente demanda no setor, o Porto Seguro Moto foi relançado e passa a oferecer duas novas opções de seguros para motos de baixa e de alta cilindrada.

“Mesmo com o crescimento do mercado de motocicletas, muitas pessoas ainda não possuem seguros para suas motos. A ideia é personalizar o produto e torná-lo mais atrativo”, afirma Jaime Soares, diretor do Porto Seguro Auto.

O produto, que até o momento era único, agora será dividido em duas categorias: uma que abrange motos de 50 até 300 cilindradas (para quem usa a moto como meio de locomoção diária, para ir e voltar do trabalho, por exemplo), e outra que contempla motos a partir de 301 cilindradas (para quem utiliza a moto para lazer e percorre viagens de longa duração).

Para a opção de baixa cilindrada, os motociclistas terão coberturas mais enxutas, com a possibilidade de parcelamento do seguro em até 10x sem juros no Cartão de Crédito Porto Seguro e no débito em conta. Já motos de alta cilindrada, contarão com coberturas completas que atendem as necessidades desse público, como a disponibilização de guincho com extensão para o Mercosul e serviços emergenciais à residência.

Para ambos os segmentos, o Porto Seguro Moto mantém os benefícios já existentes: cobertura total (colisão, incêndio, roubo e furto) ou cobertura para incêndio, roubo e furto; assistência 24h; reposição do valor da moto 0KM por até 6 meses; desconto de 25% na franquia (valor limitado); cláusula contratada para cobertura de acessórios (capacete, luvas, botas, jaqueta, calça e intercomunicador).

Para saber mais, simular e contratar o Porto Seguro Moto, fale com o seu Corretor ou acesse este endereço.

Kuantta Consultoria divulga workshops programados para 2019 403

Inovação

Eventos contam com apoio do Sindicato dos Corretores do RJ

Dando continuidade ao programa de qualificação dos profissionais que atuam no mercado de seguros no Rio de Janeiro, a Kuantta Consultoria informa os meses dos workshops programados para o próximo ano.

Em fevereiro, acontece um debate com o tema “Como o Sillicon Valley define metas?“. No mês de maio já haverá outra apresentação com o tema “Tecnologia e Inovação no mercado de seguros”. O segundo semestre conta mais dois eventos. Em agosto, com o tema “Um novo jeito de trabalhar a gestão de pessoas” e em novembro de 2019, será a vez do tema “Planejamento Estratégico para alcançar resultados”.

Arley Boullosa define esses workshops como uma oportunidade de aprendizado para os corretores de seguros, os funcionários das corretoras e das seguradoras.

“A programação dos eventos já está pronta, para que os participantes possam se planejar melhor e comparecerem. O formato será o mesmo do Corretor do Futuro, que aconteceu no final de agosto onde tivemos um dia inteiro de palestras com Gustavo Mello, Marcelo Blay, Fernando Vieira, Bernard Biolchini, Gustavo Malavota, Engler Santoni, Israel Martins e eu também falei. Queremos gerar o máximo de conteúdo relevante com temas que realmente interessam para os corretores principalmente e para isso vou escalar grandes palestrantes para os eventos. O importante é compartilhar conhecimento e dar todo suporte necessário aos que pretendem ampliar seus horizontes. Os corretores irão sair dos nossos eventos inspirados a executar. A Kuantta Consultoria vem se consolidando como referência de ensino e aprendizado para a categoria e isso é fundamental para o crescimento do setor de seguros”, declarou Boullosa.

Os eventos terão o apoio do Sindicato dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (Sincor-RJ) e seguradoras patrocinadoras estão fechando suas participações.

CCS-RJ promove almoço com André Lauzana, da SulAmérica 203

Encontro acontece no próximo dia 22 de novembro, no Centro do Rio

André Lauzana é Vice-Presidente Comercial da SulAmérica
André Lauzana é Vice-Presidente Comercial da SulAmérica

Direção e associados do Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ) estarão reunidos no dia 22 de novembro, para o próximo almoço mensal da entidade.

O evento terá como convidado especial o Vice-Presidente Comercial da SulAmérica, André Lauzana, que assumiu o cargo em abril deste ano, após obter notáveis avanços à frente da vice-presidência de Capitalização da companhia, que continua a exercer. O executivo já está há sete anos na seguradora, tendo começado como diretor financeiro.

O encontro será no restaurante Aspargus, no Centro do Rio, a partir das 12h30min.

CNseg divulga Carta do Seguro com resultados do setor 768

Análise de mercado - Carta do Seguro CNseg

Decréscimo médio geral do mercado foi de 0,9%, em relação ao mesmo período do ano passado

A Susep divulgou os dados do mercado de seguros até setembro de 2018. Com o ciclo econômico ainda baixo, e considerando o novo
padrão de concorrência e as diferentes preferências por proteção manifestadas pelos consumidores, o desempenho médio do setor segurador torna opaca a dinâmica intrassetorial. Ou seja, deixa de revelar o desempenho comparativo entre os dois grandes segmentos do mercado – Ramos Elementares e Coberturas de Pessoas – e entre os diversos ramos de seguros abrigados nesses grupos.

Comparando-se os nove meses de 2018 com idêntico período do ano passado, o decréscimo médio geral do mercado foi de 0,9%. Entretanto, para adequada comparação, é preciso desconsiderar o DPVAT, já que teve tarifa reduzida por decisão dos órgãos reguladores.

Retirado esse seguro, o decréscimo é de 0,2%, virtualmente um estado de estabilidade em termos nominais. Já ao serem segregados segmentos e ramos de seguros, tem-se um melhor quadro da resposta do setor segurador e das forças de distribuição de produtos às preferências de pessoas, famílias e empresas.

Assim, destacam-se os ramos de seguros com desempenho acima de dois dígitos, que são o seguro Rural e o seguro de Transportes
(15,1%) e o ramo Patrimonial Massificados (14,4%). Perto de dois dígitos, figuram o seguro de Crédito e Garantias (9,8%), o seguro de
Responsabilidade Civil e os Planos de Vida Risco, ambos com 9,5%.

Todos aqueles ramos do segmento de Ramos Elementares, e mais os de Vida Risco, parecem refletir o comportamento cauteloso de famílias e empresas de se colocarem ao abrigo da proteção securitária em momento de ameaças contra o patrimônio acumulado, ameaças do desemprego, garantias dos empréstimos tomados, bem como a resiliência de atividades econômicas contracíclicas, como a agroindústria e o carregamento de obras ainda da época do ciclo econômico alto.Na outra ponta do desempenho, os Planos de Acumulação em Cobertura de Pessoas permanecem afetados pelo ambiente de volatilidade de ativos concorrentes. O decréscimo do VGBL já chegou a 9,4%, enquanto o PGBL viu reduzir a sua arrecadação em 2,2%, muito embora o patrimônio acumulado de ambos ainda seja superlativo. Pela sua magnitude na arrecadação global do setor segurador, são esses dois produtos de caráter previdenciários que influenciam a média negativa do mercado.

Como de praxe, alinham-se, abaixo, os gráficos de desempenho dos grandes segmentos dos seguros, desta vez em médias de 12 meses móveis. O que apenas referenda as diferentes contribuições das linhas de negócio dos seguros.

Reprodução
Reprodução

Confira a Carta do Seguro, da CNseg, na íntegra.