Permita o caos na sua equipe 511

Reflita comigo

No artigo desta semana gostaria de promover um pensamento um tanto incomum quando falamos em equipes de resultados. O fato é que sem o caos não seria possível decifrar quem é quem na sua equipe de trabalho.

Sempre que é possível deixo que, de alguma forma, o caos seja instalado nas equipes que participo, principalmente quando estou liderando. Esta é uma estratégia simples de verificar, na realidade, quem são os profissionais que fazem parte de minha equipe. Quer saber o motivo? Reflita comigo.

Quanto maior o caos, maior a probabilidade das pessoas que não possuem inteligência emocional sentirem-se frágeis. Quanto maior a fragilidade, mais bobagens acabam sendo feitas, apesar da grande parte das vezes as fazerem sem motivos, mas sim pela falta de confiança ou mesmo de competência sobre tal assunto.

Uma forte maneira que encontrei de separar os “meninos ou meninas” dos “homens ou das mulheres” foi ver como no caos portavam-se e de que forma buscavam a solução dentro da equipe: mais individualistas, mais focados no resultado, mais focados nas desculpas, nas pessoas, nos processos e aí por diante… Não é no sol que se monta uma equipe de sucesso e, sim, na tempestade. Quando cada um manifesta o seu “eu maior”.

Devemos colaborar com aqueles que não se dão bem com o caos, para que em um novo momento possam reagir de uma forma mais positiva. Aqueles que realmente se dão bem em situações de caos são pessoas que acabam se destacando na sua profissão e propósito.

Teste você mesmo, quando o caos de alguma forma estiver presente na sua equipe, experimente não solucionar nada antes que sua equipe sinta o que está acontecendo e deixe-os agir. Claro, não deixe que algo mais problemático aconteça, aí você deve assumir o controle, mas sempre podemos esperar um pouco do caos para tomar uma decisão baseada na própria equipe e na maturidade dela.

É na tempestade que encontramos os maiores e melhores “guerreiros” e não em lindos dias de sol, afinal, quando você menos esperar poderá perder toda equipe que é feita de “açúcar”. Espero que saiba avaliar quanto o caos nas equipes é maravilhoso e como você pode usar isto em seu favor na formação de uma equipe simplesmente espetacular.

Abraços e rumo ao caos!

Valor do seguro auto continua em queda e tem redução média de 15,8% neste mês 332

Levantamento mensal da Bidu é realizado em quatro capitais do País

A Bidu, plataforma online de recomendação, comparação e contratação de seguros e produtos financeiros, que faz parte do Grupo Thinkseg desde junho deste ano, divulga levantamento com o valor dos seguros (cotados no dia 10 de dezembro) para as versões de entrada dos dez veículos mais vendidos em novembro, de acordo com os dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). O Relatório Bidu, produzido mensalmente desde 2016, analisa o preço médio do seguro em quatro capitais brasileiras (Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo) e compara o perfil de homens e mulheres de 35 anos, casados, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que estão contratando o seguro pela primeira vez.

Num mês em que os gastos costumam ser maiores, com compras de Natal e preparação para os tributos de início de ano, o preço do seguro auto tem redução média de 15,82% em comparação com novembro. Tanto o perfil masculino quanto o feminino tiveram retração nos preços, de 14,39% e 17,25% respectivamente, nas capitais estudadas no Relatório Bidu. Em dezembro, o valor do seguro de automóveis seguiu a tendência de queda, já que no último estudo houve redução de 8%, em média, na comparação entre novembro e outubro. Naquela ocasião foram os homens que puxaram para baixo o preço do seguro.

No relatório deste mês, os destaques na redução do valor do seguro ficaram para o perfil masculino e feminino em Porto Alegre, com queda de 33,34% e 24,92% respectivamente. As demais cidades também apresentaram retração nos preços, como mostra o gráfico abaixo, com exceção do perfil masculino em Brasília, onde houve leve alta no valor da apólice (de 2,09%) para os homens.

*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)

A redução no valor médio do seguro é generalizada entre todos os modelos de automóveis. As maiores quedas são registradas para o Volkswagen Polo, em ambos os perfis. Para este veículo, as mulheres têm 36% de redução no preço do seguro (de R$ 3.188 em novembro para R$ 2.042 em dezembro) e os homens 28% (de R$ 3.975 em novembro para R$ 2.870 em dezembro).

Apenas dois aumentos foram registrados no período. Para o Chevrolet Ônix, o preço do valor do seguro para o perfil masculino teve um tímido acréscimo de 2%, enquanto para o modelo Renault Sandero o crescimento foi de somente 1% na cotação do seguro para o perfil feminino: de R$ 1.764 em novembro para R$ 1.777 em dezembro.

*Variação do preço médio do seguro dos modelos que se repetem entre outubro e novembro (azul: homens; vermelho: mulheres)

Assim como nos meses anteriores, o perfil masculino continua pagando mais caro pelo seguro do que o feminino. Extrapolando os dados deste relatório, enquanto as mulheres desembolsam, em média, R$ 1.791 pelo serviço, os homens pagam R$ 2.425, uma diferença de R$ 634.

*Preço do seguro por modelo, média dezembro (azul: homens; vermelho: mulheres)

Modelo mais vendido

De acordo com o relatório da Fenabrave, em novembro foram emplacados 192.146 automóveis – uma queda de 7,98% em comparação com o mês anterior, quando foram vendidas 208.814 unidades. Desde janeiro, apenas quatro modelos se repetem todos os meses no ranking dos 10 mais emplacados: Chevrolet Onix, Hyundai HB20, Volkswagen Gol e VW Polo.

*Ranking dos 10 veículos mais emplacados em novembro, de acordo com a Fenabrave

Seguindo a tendência dos últimos estudos, o Chevrolet Ônix continua a ser o carro mais emplacado no Brasil, com 22.277 unidades em novembro contra 22.324 registradas em outubro. O preço médio do seguro do modelo de entrada para o sexo masculino custa atualmente R$ 2.287, um acréscimo de 2,18% em relação à cotação do mês anterior, que ficou em R$ 2.238. Já para o perfil feminino, o valor médio atual é de R$ 1.666 ante R$ 2.094 – uma queda de 20,43% em comparação com a cotação registrada no início de novembro.

Entre outubro e novembro, nove carros se repetem no ranking da Fenabrave. Após figurar no levantamento de outubro, o Jeep Compass sai do relatório e dá espaço ao Hyundai Creta, que não aparecia na lista dos 10 mais emplacados desde agosto.

O melhor custo-benefício

Neste relatório, após dois meses fora do ranking, o Hyundai Creta retorna como o veículo que apresenta o melhor custo-benefício, ou seja, a melhor relação entre o preço médio do seguro e o valor de mercado do veículo (price ratio), para ambos os perfis. Para os homens, o price ratio é de 3% e para as mulheres é de 2,4%.

Já o que menos vale a pena em termos de custo-benefício, para os dois perfis, é o Volkswagen Gol. O price ratio para os homens ficou em 7,3% e em 5,2% para as mulheres.

*Variação por preço de seguro (price ratio) (azul: homens; vermelho: mulheres)

Variação entre as cidades

A cidade de Brasília é a que possui o seguro mais barato entre as capitais estudadas, onde a média do preço do seguro dos dez modelos mais vendidos em novembro, para homens e mulheres, ficou em R$ 1.820. Já o Rio de Janeiro figura com a média de preços mais cara, com cotação de R$ 2.578 considerando os dois perfis.

As mulheres residentes em São Paulo são as que têm o preço médio do seguro mais em conta, com R$ 1.596, enquanto as cariocas pagam em média R$ 2.196, uma diferença de R$ 600. Já para os homens a diferença de preços entre as capitais é maior e representa R$ 978. Para eles, o valor mais atraente está em Brasília, com cotação média de R$ 1.982 contra os R$ 2.960 registrados na capital fluminense.

*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)

Mais detalhes

Confira, abaixo, as tabelas com os dez veículos mais vendidos em novembro, de acordo com a Fenabrave, e o valor do seguro para cada modelo nos perfis analisados pela Bidu. As cotações de seguro foram realizadas no dia 10 de dezembro de 2018. Para mais dados e gráficos de análise, confira o relatório completo da Bidu para este mês, assim como edições anteriores.

*Perfil A: homem de 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.

*Perfil B: mulher de 35 anos, casada, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.

Sayuri é a nova assistente virtual no atendimento da Sompo Seguros 518

Sayuri é a nova assistente virtual que chega para incrementar atendimento da Sompo Seguros

Seguradora recebe mais de 120 mil chamadas por mês em sua Central de Atendimento

A Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, como parte de seus investimentos em ferramentas tecnológicas que contribuam com a excelência no atendimento a clientes e parceiros, apresenta ao mercado a Sayuri, a nova assistente virtual da companhia. A partir de agora, segurados e corretores de seguros podem contar com a inteligência artificial da Sayuri para obter informações sobre a situação financeira da apólice, emitir 2ª via de boleto ou da apólice, obter telefones e demais informações sobre atendimentos disponíveis no site.

“A Sompo trabalha com o modelo de relacionamento multicanal e sob o conceito de atendimento humanizado. Nada melhor do que um chatbot para agregar num único recurso a agilidade e assertividade na informação prestada com a simpatia, gentileza e acolhimento característicos do atendimento da nossa companhia”, destaca Priscila Guelfi, superintendente da área de Experiência do Cliente da Sompo Seguros.

Desenvolvida pela Certsys, consultoria especialista em desenvolvimento de chatbots, a nova ferramenta da Sompo utiliza a plataforma de computação cognitiva para negócios da IBM, Watson, e traz entre suas vantagens, mais agilidade na obtenção de informações e Serviços e possibilidade de autoatendimento por parte de corretores, segurados e prestadores de serviços; ampliação do horário de atendimento para 24 horas por dia (24 x 7) para essa categoria de serviços, mais precisão e qualidade no atendimento, capacidade de proximidade e fidelização, além de também incrementar a experiência do cliente.

Por que Sayuri?

Em japonês, o nome Sayuri significa “pequeno lírio” e também “rápida ou adiantada”. A nova assistente virtual da Sompo representa a delicadeza da flor, por um lado acolhedora e humanizada e, por outro, tem a rapidez que a torna ‘ágil’ e eficiente. “A Sayuri resume em seu nome e personalidade todo o conceito com o qual trabalhamos para disponibilizar aos diferentes públicos que contatam a seguradora, mais um canal para intensificar o relacionamento”, ressalta Priscila.

Vale considerar que a Sompo Seguros coloca o cliente no centro das decisões de negócios e trabalha sob cinco pilares: qualidade, agilidade, proximidade, cuidado e relacionamento. A estratégia de atuação da Sompo prevê o acompanhamento do cliente na jornada fim-a-fim, que começa no processo de decisão de contratação e passa pelas boas-vindas, utilização de serviços de assistência, eventuais sinistros e até na renovação do seguro. Só na Central de Atendimento da companhia, em média, são recebidas mais de 120 mil chamadas por mês.

Experiência em Chatbot

A Sompo já acumula experiência na utilização de softwares robôs. A companhia foi a primeira do Brasil desenvolver e lançar, no ano passado, um chatbot voltado à contratação do Seguro Garantia de Obrigações Públicas (Licitante e Executante). Ambas ferramentas utilizam a plataforma de computação cognitiva para negócios da IBM, Watson.

Uma das vantagens desse recurso é o de aprendizado constante da ferramenta (aprendizado de máquina). A cada interação, o recurso consulta a base de conhecimento gerada pela área especialista, que também é responsável por continuar ensinando e aperfeiçoando a plataforma. “Nossos chatbots utilizam linguagem natural humana e compreendem nuances da linguagem, sotaques e abreviações. Com isso, a cada nova interação, a Sayuri vai aprender e descobrir cada vez mais as reais necessidades de nossos clientes, além de gerar dados que podem dar insights para o desenvolvimento de novas soluções que se antecipem às tendências do mercado”, conclui Guilherme Muniz, diretor de Tecnologia da Informação da Sompo Seguros, área que atou no planejamento e implementação da Sayuri junto com a área de Experiência do Cliente.

Icatu Seguros é destaque no 8º Prêmio Líderes do Brasil 624

Foto: Gustavo Rampini/Rampini Produções

Premiação concedida pelo LIDE reconhece talento, competência e comprometimento de empresas e executivos

O Teatro Santander, na capital paulista, recebeu na noite de 10 de dezembro, 602 empresários, CEOs, presidentes e outras lideranças corporativas, além de autoridades, para a cerimônia de entrega do Prêmio Líderes do Brasil. Promovido pelo LIDE – Grupo de Líderes Empresariais, o evento foi transmitido pela Rede TV!, UOL e TV LIDE para todo o Brasil.

O vice presidente corporativo da Icatu Seguros, César Saut, recebeu o troféu de Líder do Estado do Rio Grande do Sul das mãos do presidente do LIDE RS, Eduardo Fernandez. “É considerada uma das maiores premiações empresariais do país por receber as principais lideranças e autoridades políticas. Uma menção especial à Icatu Seguros que recebeu o Prêmio Regional esse ano pelo brilhante trabalho que tem feito no Rio Grande do Sul”, afirmou Fernandez.

Eduardo Fernandez/Reprodução
Eduardo Fernandez/Reprodução

Entre as autoridades presentes no Teatro Santander, na capital paulista, estavam os atuais ministros Sérgio Sá Leitão (Cultura), e Rossiele Soares (Educação); o governador eleito de São Paulo, João Doria, e o futuro secretário estadual paulista Gustavo Junqueira (Agricultura).

Indicados pelo júri oficial, foram homenageados os protagonistas que, mesmo em um cenário de instabilidade econômica, obtiveram êxito nos negócios, nos principais setores da economia do país.Para destacar a forte atuação das unidades regionais do LIDE, a premiação também reconheceu o líder de cada região ou estado onde o grupo atua: Bahia, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, Região Metropolitana de Campinas (SP), Região de Ribeirão Preto (SP), Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Região de São José do Rio Preto (SP) e Região do Vale do Paraíba (SP).

Como as startups estão transformando as empresas tradicionais? 618

Confira artigo de Henrique Maziero, fundador e CEO do Grupo Planetun

Confira artigo de Henrique Maziero, fundador e CEO do Grupo Planetun

Que as startups são modelos de negócios escaláveis tentando inovar com o desenvolvimento de soluções em um cenário de incertezas não é novidade. A reflexão da vez é que, esses empreendedores disruptivos vem transformando não só o nicho em que atuam, mas também todo um setor de mercado anteriormente tradicional e dotado de velhas práticas.

Com o avanço da tecnologia, a chegada da geração millennials ao mercado de trabalho e a mudança na forma como as pessoas consomem os mais diferentes tipos de produtos, as corporações tradicionais tiveram que se adaptar para continuarem competitivas. O novo consumidor demanda um conjunto de agilidade, mobilidade e conveniência, que não pode passar despercebido e deve ser cada vez mais incorporado pelos negócios.

No entanto, implementar mudanças e transformar o legado de uma instituição tradicional não é tarefa das mais simples, por isso um movimento que passou a acontecer foi as grandes empresas buscarem as novatas, que já nasceram com essa veia de inovação e tecnologia, para adotar novas soluções e aprimorar seus processos. Prova disso é que, hoje, já existe uma ampla gama de startups que atuam exclusivamente no segmento B2B, oferecendo recursos para modernizar setores até então mais enraizados.

Uma pesquisa feito pela GE Global Innovation Barometer com executivos seniores de 23 países demonstra essa transformação: 81% reconheceram o crescimento da cultura de startups e concordaram que essa é uma forma de estabelecer sistemas inovadores dentro das organizações. Outro estudo, realizado pelo Harvard Business Review, apontou que 43% das empresas pesquisadas, de diversos setores, estão conseguindo resultados positivos em seus negócios com investimentos em transformação digital.

Uma das principais aplicações tecnológicas que vem sendo inserida nos negócios das grandes companhias é a Inteligência Artificial (IA), tecnologia que se expandiu e fortaleceu em paralelo ao movimento de crescimento das startups no mercado. O objetivo é aprimorar a relação entre empresas e clientes.

Cada vez mais conectado e atento as mudanças ocorridas no comportamento do consumidor, o setor tradicional de seguros é um dos que está apostando nas soluções digitais para atender as novas demandas e se manter competitivo. No caso da Inteligência Artificial, a ideia é levar mais qualidade, segurança e agilidade para os processos, inovando em um ambiente complexo de sistemas, nos quais as seguradoras estão inseridas.

A IA é capaz de substituir esforços repetitivos e manuais, que consomem tempo e recursos deixando de agregar valor ao negócio, por processos automatizados, o que aprimora os serviços das seguradoras de diferentes formas. Entre as vantagens estão um processo mais rápido, melhor experiência do usuário, redução de custos, maior competitividade no mercado e estímulo à inovação.

Visto que o cenário é de transformações, o que percebemos é que não só as startups têm muito a aprender com a experiência das já bem-sucedidas e consolidadas organizações, como as empresas tradicionais também estão cada vez mais engajadas em se inspirar na dinâmica de inovação dessas pequenas disruptivas.

*Por Henrique Mazieiro, fundador e CEO da Planetun, insurtech que desenvolve soluções disruptivas para o mercado de seguros e automotivo.

Obras públicas e a política de custos que derruba pontes 459

Obras públicas e a política de custos que derruba pontes

Confira artigo do engenheiro civil Marcus Granadeiro

A ruptura ocorrida na ponte da Marginal Pinheiros, uma das principais vias de acesso da maior metrópole brasileira, levantou precedentes para questionarmos a importância do armazenamento e da gestão de documentos, procedimentos que possibilitam dar o diagnóstico completo e mais rápido do incidente para que a obra de reparo fosse iniciada.

Porém, é sabido que a guarda e a gestão de documentos são vistas como custos e não são preocupações valorizadas pela Engenharia, principalmente quando falamos de obras públicas. O fato é que os dados só são procurados quando problemas e conflitos começam a florescer, na maioria das vezes, quando o cenário já é caótico.

Se durante as fases de projeto e obra já é assim, imagina após a sua entrega. É raro encontrar empreendimentos com orçamento para manter os dados e informações ao longo do tempo. O comum é receber o databook, que é colocado em algum armário e, infelizmente, nunca é usado. Não é incomum que ele se perca ao longo do tempo ou, até mesmo, que nunca tenha existido de forma plena, pois não são todos que conferem a documentação que recebem.

A informação e os documentos são bases para qualquer operação de facilidades ou sistema de manutenção. São organismos vivos, que precisam ser mantidos e atualizados dentro de processos e de mecanismos de governança que garantam sua integridade. Qualquer obra demanda manutenção e qualquer manutenção demanda informação e documentos.

E então o mercado segue muito agitado em relação ao BIM (Business Information Model) por se tratar de um viaduto importante que se rompe e não se tem os projetos para estudar a solução de correção. Será que não estamos querendo correr antes de aprendermos a andar?

Não quero com isso condenar a iniciativa de BIM que vem sendo, de alguma forma, incentivada ao uso nos projetos de obras públicas, mas alertar da importância de nos preocuparmos com processos e investimentos básicos que ainda não estão sendo feitos. Pontes erguidas são um problema atual e estão em alerta. É hora de revermos, com urgência, o que deve ser feito de básico antes de ampliarmos as capacidades de controle para aquele que é o mundo perfeito.

*Marcus Granadeiro é engenheiro civil formado pela Escola Politécnica da USP, presidente do Construtivo, empresa de tecnologia com DNA de engenharia e membro da ADN (Autodesk Development Network) e ​ do RICS (Royal Institution of Chartered Surveyours).