Na mira do crime 626

Roubos e furtos impactam diretamente no ramo de seguros automotivos

EDITORIAL – Imagine que você pode caminhar pelas ruas de sua cidade livremente, sem nenhuma preocupação com roubos, sequestros e latrocínios. Parece um exercício bem difícil, afinal, acabamos aceitando as grades que nos rodeiam. O verdadeiro presídio de segurança máxima em que nossas residências foram obrigadas a se transformar tornou-se comum, banal.

Partimos deste pressuposto para falar de um dos assuntos mais importantes da sociedade contemporânea: segurança pública. A análise precisa ser muito mais profunda do que a realizada pelo senso comum. Precisamos avançar nas discussões para tornar as ações preventivas mais efetivas e isso exige um empenho geral da sociedade. Passa, acima de tudo, por educação e um maior incentivo do Estado a políticas que incentivem o jovem empreendedor, a prática esportiva e tantas outras que garantem uma juventude saudável e longe da criminalidade.

Nossos políticos lutaram para desarmar a população, no entanto, seguem rodeados de seguranças armados até os dentes. E os bandidos. Quando serão desarmados? A resposta é óbvia. Provavelmente, nunca. Talvez, tenha chegado a hora de pensarmos em outra abordagem para derrotar o crime organizado.

A corrupção está intrínseca em nossa sociedade. Armas são desviadas das corporações. As fronteiras desprotegidas, falta estrutura para um maior controle do que entra e sai do Brasil.  E claro que as pessoas são as maiores prejudicadas, mais uma vez, pelo excesso de intervenção dos comandantes da Nação.

Esta abordagem inicial tem relação direta com o assunto tratado em nossa matéria principal da edição deste mês. Falamos especificamente sobre o roubo e furto de veículos, além de como isso afeta o mercado e o consumidor de seguros.

Os tempos atuais exigem flexibilidade, pensamentos para o futuro e reflexões que integrem a sociedade em geral nesta difícil etapa de tomada de decisões: combatemos o crime de modo inteligente ou seremos totalmente dominados pelos criminosos de arma em punho e de colarinho branco.

Somos um grande país, mas as coisas insistem em não funcionar de maneira adequada e planejada. Cobre constantemente seu parlamentar nas casas representativas. Vereadores, prefeitos, deputados, senadores, governadores e o presidente da República devem ser cobrados por isso. O dinheiro existe, basta usá-lo com inteligência, com projetos efetivos e que visem o benefício coletivo, ao contrário do que é praticado por muitos dos profissionais da “profissão mais honesta do mundo”.

Como declarar o Seguro DPVAT no Imposto de Renda 305

Como declarar o Seguro DPVAT no Imposto de Renda

Indenizações possuem o benefício de isenção de rendimento

O ano começou com tudo. As férias, o verão e o carnaval ficaram para trás e chegou a hora de fazer a Declaração Anual do Importo de Renda. Muitas são as dúvidas nesse momento, mas primeiramente é preciso entender que todo valor recebido como compensação por alguma perda também precisa ser declarado, de acordo com a Seguradora Líder, que administra o consórcio do Seguro DPVAT.

Nesse sentido, além do DPVAT, entram indenizações oriundas de sinistros cobertos por uma apólice de seguro ou até mesmo proventos de ações judiciais, por exemplo. No caso do Seguro DPVAT existe o benefício de isenção de rendimento, ou seja, não é necessário pagar nenhum imposto sobre o ganho. Como o próprio nome diz, a informação deve ser incluída na linha 26 (Outros) na parte de “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” do Imposto de Renda, de acordo com o que determina o Decreto nº 3.000/1999 e na Instrução Normativa RFB Nº 1.500/2014, Art. 11.

Também entram nesse requisito itens como o rendimento da caderneta de poupança, indenização de seguro por roubo e seguro-desemprego. Em caso de morte, a indenização paga pelo DPVAT é de R$ 13,5 mil. O mesmo valor também pode ser pago em caso de invalidez permanente e o reembolso de despesas médico-hospitalares, o DAMS, pode chegar a R$ 2,7 mil.

XP Seguradora chega ao mercado com produtos de alta performance e gestão ativa 756

XP Seguradora chega ao mercado com produtos de alta performance e gestão ativa

Com foco inicial nos fundos de previdência privada, iniciativa visa estimular a concorrência no setor

Depois de ajudar na recente revolução do mercado de investimentos no país, o Grupo XP agora se prepara para inovar a forma como os brasileiros planejam a sua aposentadoria. Com o objetivo de oferecer as melhores opções em previdência privada, a XP Seguradora chega ao mercado para oferecer produtos próprios de alta performance e com gestão ativa. Neste primeiro momento serão lançados cerca de vinte e cinco fundos com planos PGBL e VGBL para clientes pessoa física, alocados nas mais diversas estratégias que vão desde renda fixa aos mandatos multimercados, geridos pelas principais gestoras independentes do país. O objetivo é criar uma grade de produtos previdenciários que, sob a ótica de alocação, atendam os clientes em função do seu momento de vida e apetite de risco.

“A discussão em torno da reforma da previdência tem provocado um fenômeno interessante: a autoanálise dos brasileiros em relação à aposentadoria. Esse movimento é importante porque indica um amadurecimento financeiro por parte da população”, avalia Roberto Teixeira, Sócio responsável pela XP Seguradora. “Queremos oferecer veículos inéditos no mercado para clientes que já não aceitam mais investir em fundos previdenciários que cobram taxas elevadas e entregam baixa performance”, afirma Teixeira.

A iniciativa visa ainda estimular a competição dentro do segmento, com a distribuição dos produtos da XP Seguradora e de outras seguradoras na plataforma aberta de previdência privada da XP Corretora de Seguros, pioneira na zeragem da taxa de carregamento dos planos na entrada e na saída. No médio prazo, os produtos originados pela XP Seguradora também deverão ser oferecidos por outras plataformas e corretores de seguros. Além disso, a empresa espera ampliar a sua atuação nesse mercado, contemplando outras classes de produtos além de previdência privada.

“Inovar na oferta de produtos e serviços é parte da estratégia do Grupo XP, uma vez que a concentração bancária em previdência privada é ainda muito alta. Trabalhamos com o conceito de curadoria para oferecer uma grade de fundos completa, composta por produtos relevantes e alinhados à expectativa de nossos clientes”, acrescenta.

A meta da XP Seguradora é oferecer aos clientes do Grupo XP os melhores fundos de Previdência Privada do mercado, permeados por soluções inovadoras em um mercado tradicionalmente analógico.

Indra lança solução pioneira para gerenciar o tráfego de drones 322

Indra lança solução pioneira para gerenciar o tráfego de drones

Empresa deve construir espaços altamente digitalizados e automatizados para que os drones voem com segurança nos próximos anos

A Indra apresenta a Air Drones, um conjunto de soluções avançadas para gerenciar o tráfego aéreo de drones em baixa altitude. Trata-se da primeira solução global, capaz de oferecer a flexibilidade e a capacidade de adaptação necessária para gerenciar o tráfego em qualquer nível: local, regional ou de um território completo. A estrutura foi pensada para garantir a segurança das operações aéreas dos aviões não tripulados em regiões urbanas, rurais e de aeroportos, onde as normas de segurança são mais exigentes.

O novo sistema UTM (Unmanned Traffic Management) da Indra será a peça encarregada de organizar todo este tráfego, identificar cada aeronave e controlar seu acesso e movimentações de forma segura. A plataforma foi pensada para integrar soluções de detecção e neutralização de drones, complementando a capacidade de gerenciamento do tráfego aéreo.

Além disso, conta com uma solução UTM Hub, que vai automatizar o fornecimento de serviços centralizados de coordenação para todos os setores, no qual estarão envolvidos: operadores, fornecedores de informação e autoridades.

Por fim, a Indra Air Drones oferecerá um serviço inteligente, altamente digitalizado e automatizado. Dessa forma, será possível facilitar o acesso rápido e simples a qualquer usuário que queira operar seu drone ou sua frota de drones com total garantia de segurança. A liderança da Indra como fornecedora de sistemas de tráfego aéreo torna a companhia capacitada para configurar um espaço UTM deste tipo, com os níveis de segurança necessários.

A solução tem em vista o aumento do fluxo aéreo nos próximos anos, em que a companhia projeta um aumento exponencial no número de aeronaves, com drones de baixo custo junto a outros de caráter profissional muito mais sofisticados, helicópteros, aviões convencionais.

Brasil e México passam a ter livre comércio de veículos leves 294

Brasil e México passam a ter livre comércio de veículos leves

Caminhões e ônibus entram no acordo a partir do ano que vem

A partir de hoje (19), Brasil e México passam a ter livre comércio de veículos leves, sem a cobrança de tarifas ou limitação quantitativa. A medida está prevista no Acordo de Complementação Econômica nº 55 (ACE-55), que regula o comércio automotivo e a integração produtiva entre os dois países desde 2002.

O fim do regime de cotas para veículos leves neste ano estava previsto em acordo firmado em 2015. A partir de hoje, também deixa de vigorar a lista de exceções, que previa regras de origem específicas para autopeças.

“O retorno ao livre comércio automotivo entre Brasil e México é passo importante para aprofundar o relacionamento comercial entre as duas maiores economias da América Latina”, disseram, em nota, os ministérios da Economia e das Relações Exteriores.

A partir de 2020, está previsto o livre comércio também para veículos pesados (caminhões e ônibus) e suas autopeças.

“Adicionalmente, o governo brasileiro tem grande interesse em ampliar o livre comércio com o México para outros setores, tanto industriais quanto agrícolas, com a inclusão de matérias sanitárias e fitossanitárias, facilitação de comércio e barreiras técnicas ao comércio, conforme compromisso assumido anteriormente nas negociações do Acordo de Complementação Econômica nº 53 (ACE-53)”, diz a nota.

“Dentro de uma dinâmica de abertura e de aproveitamento do pleno potencial das duas maiores economias da América Latina, o Governo brasileiro pretende retomar as negociações para um acordo mais abrangente de livre comércio com o México, paralisadas desde 2017″.

AIDA participa de audiência pública sobre Brumadinho 308

AIDA participa de audiência pública sobre Brumadinho

Encontro aconteceu no dia 12 de março, na Câmara dos Deputados

O presidente da AIDA, Inaldo Bezerra Silva Júnior, juntamente com Pery Saraiva Neto, presidente do GNT de seguros ambientais da AIDA, participaram da Audiência Pública que discutiu a contratação de seguros e previsão de recursos para a garantia de reparação de danos, em caso de desastre, no último dia 12 de março.

A iniciativa, que surgiu com o intuito de acompanhar os desdobramentos do rompimento da barragem de rejeitos da Vale, em Minas Gerais, e de propor melhorias para o setor mineral, faz parte de uma série de encontros organizados pela Comissão Externa Desastre de Brumadinho. “Nós, da AIDA, nos apresentamos com o objetivo de participar do processo democrático e contribuir para a construção do texto legislativo”, explica Inaldo Bezerra.

Os encontros periódicos abordarão assuntos relacionados a barragens de mineração, como tecnologias construtivas, sistemas de monitoramento, situação das estruturas nacionais, licenciamento ambiental e análise de riscos, planos de Segurança da Barragem, planos de Ação de Emergência, descomissionamento das estruturas, contratação de seguros e outros. Para o presidente, é preciso que haja participação da sociedade na elaboração de futuras normas em que elas estejam em alinhamento com a indústria dos seguros e com profissionais que atuem nesse ramo. “A experiência poderá ser inteiramente aproveitada em benefício da elaboração e aperfeiçoamento legislativo”, conclui.