MAPFRE Investimentos faz análise sobre atividades econômicas de setembro 228

Grandes economias mundiais seguem com ferramentas que contemplam taxas negativas e programas de compra de ativos em grande escala, mas a dependência excessiva pode ser prejudicial para a economia no longo prazo. No mercado local, foi mês de maior volatilidade

Ao longo do mês de setembro, importantes bancos centrais do mundo seguiram ferramentas de política monetária não convencionais, que contemplam taxas de juros negativas e programas de compra de ativos em grande escala. As medidas tiveram a intenção de favorecer a alta dos preços dos ativos de modo a induzir a aceleração do crescimento econômico em economias centrais. No entanto, na percepção da equipe de análise da MAPFRE Investimentos, tal objetivo vem sendo frustrado. Diante do cenário, economias desenvolvidas devem apresentar em 2017 um dinamismo inferior aos observados em 2015 e 2016, como pode ser observado na tabela abaixo.

mapfre111016

A análise da movimentação do mês aponta ainda a percepção de riscos crescentes, já que a prolongada e excessiva dependência destas medidas experimentais pode ser potencialmente prejudicial para a economia no longo prazo. Tais medidas, quando utilizadas de maneira recorrente e intensiva, podem envolver riscos colaterais nada desprezíveis, já que os preços dos ativos artificialmente elevados aprofundam distorções de mercado, agravam a desigualdade e comprometem a estabilidade financeira.

Além disso, há outros riscos no radar. Nos próximos meses, será possível observar aos impactos de políticas monetárias de economias centrais caminhando em sentidos opostos. Por um lado, a taxa básica de juros nos EUA estará em ciclo de alta. Ao mesmo, o Banco do Japão, o Banco da Inglaterra e o Banco Central Europeu seguirão com suas respectivas políticas monetárias expansionistas. Nesse contexto, é bastante provável a vinda de um período de dólar mais forte e mais volátil.

Para Eliseo Viciana, vice-presidente da MAPFRE Investimentos, o cenário é desafiador para países emergentes. “Investidores de curto prazo, sensíveis a riscos de crises, tendem a vender ativos de economias emergentes ao primeiro sinal da volatilidade. Como já comentamos em outras ocasiões, esse contexto poderá favorecer movimentos de realização à medida em que as condições externas se tornarem desfavoráveis ou se houver deterioração adicional dos fundamentos econômicos”, diz o executivo. “Tudo isso evidencia a necessidade dos países emergentes de aumentar a resiliência econômica e financeira. Na economia brasileira, persistem incertezas sobre a política econômica, em especial sobre a concretização de reformas que consigam reverter a trajetória de endividamento público. Seguiremos atentos às oportunidades e riscos desse cenário”, ressalta.

Mercado local: volatilidade e otimismo

No mercado local, o mês de setembro foi o de maior volatilidade. Com a sinalização dos principais bancos centrais continuarem com seus programas de compra de ativos e com taxas de juros baixas, bastou o IPCA vir um pouco mais fraco para que o otimismo voltasse com mais força.

O Ibovespa registrou leve alta de 0,80%, atingindo o patamar de 34,64% de valorização no ano. O fluxo de investimentos estrangeiros na Bolsa brasileira foi negativo em R$ 1,965 bilhão, por conta da decisão da Receita Federal de passar a enquadrar a Irlanda como paraíso fiscal. Com isso, o imposto sobre a remessa de divisas para a Irlanda subiu de 15% para 25%, e muitos investidores e empresas aproveitaram a janela de tributação reduzida para enviar dólares para o país. No ano, os investimentos estrangeiros ainda acumulam superávit de R$ 13,043 bilhões.

Renda fixa

No mercado de renda fixa, a curva de juros voltou a ceder com mais força após a divulgação do IPCA-15, referente ao mês de setembro, que apresentou variação de 0,23%, enquanto o número esperado era de 0,33%. Desta forma, muitos investidores anteciparam suas previsões para o início do ciclo de corte da Selic.

Até agosto, grande parte do mercado previa que os cortes poderiam acontecer em dezembro de 2016 ou janeiro de 2017. Atualmente, a grande maioria acredita que o primeiro corte ocorra em outubro de 2016. No período, a MAPFRE Investimentos aumentou levemente suas posições compradas em DI Futuro na parte intermediária da curva e aumentou também a posição em NTN-B na parte mais curta da curva. A queda da inflação veio contra o cenário base traçado pela gestora. Se isso demonstrar ser uma nova tendência, a MAPFRE Investimentos revisará seu cenário e posições.

Outras carteiras

No book de renda fixa internacional, a MAPFRE Investimentos manteve seu posicionamento no Treasury de 10 anos, por meio de contratos futuros BM&F.

Já no mercado de câmbio, a gestora manteve seu posicionamento para a desvalorização do real frente ao dólar via opções com vencimento em novembro.

Na carteira de RV, houve um incremento +0,97% no mês passado. Os destaques positivos foram os setores de petróleo, papel e celulose e educacional. Com relação ao setor de petróleo, é possível ver cada vez mais casas otimistas com a tese a despeito do alto endividamento da Petrobras.

O mesmo ocorre com o setor de celulose, em que o mercado vem migrando para um cenário já traçado anteriormente pela MAPFRE. A gestora acredita que exista uma assimetria entre os retornos e perdas potenciais. As movimentações do mês estiveram concentradas em posições táticas no setor Aeroespacial e em Serviços Financeiros. É possível adicionar também algumas proteções para a carteira por meio de estrutura de opções de venda.

Icatu Seguros e Amazon Brasil distribuem livros digitais para corretores 526

Seguradora está imersa em um ecossistema de inovação

A Icatu Seguros e a Amazon Brasil estão distribuindo eBooks Kindle gratuitamente para corretores que integram a força de vendas da seguradora em todo o País. A ação de relacionamento e atenção aos corretores vai ao encontro de um dos propósitos da companhia, de estímulo à educação continuada e ao treinamento desses profissionais para que atuem como verdadeiros consultores.

Até 23h59min do dia 15 de novembro, corretores da Icatu Seguros poderão baixar gratuitamente o livro digital “A Arte da Negociação”, de Michael Wheeler, na Loja Kindle da Amazon Brasil. A iniciativa também prevê descontos de 50% em uma seleção especial de sete títulos sobre empreendedorismo e relacionamento, incluindo best-sellers como “A Startup Enxuta”, de Eric Ries; e “SCRUM: A Arte de Fazer o Dobro do Trabalho na Metade do Tempo”, de Jeff Sutherland. Os associados receberão um e-mail com um código individual para baixar o eBook gratuito, além de um link para acesso aos livros digitais com desconto. Alguns clientes também serão beneficiados.

“Imersa em um ecossistema de inovação, a Icatu está se associando a importantes empresas para estruturar novas estratégias de negócio e melhorias para a experiência de seus parceiros e clientes. Esse é só o primeiro passo”, conta Luciana Bastos, diretora de Desenvolvimento de Produtos de Vida da Icatu Seguros.

Na Loja Kindle, clientes encontram mais de 5 milhões de livros digitais, incluindo os mais recentes best-sellers e mais de 150 mil títulos em português. Os eBooks Kindle podem ser adquiridos e lidos com o aplicativo gratuito Kindle para computadores, tablets e smartphones Android ou iOS, além de e-readers Kindle.

Divulgação
Divulgação

Valor do seguro para automóveis cai 8% em novembro 764

Confira cotações em Brasília (DF), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP)

A Bidu, plataforma online de recomendação, comparação e contratação de seguros e produtos financeiros, que faz parte do Grupo Thinkseg desde junho deste ano, divulga levantamento com o valor dos seguros para as versões de entrada dos dez veículos mais vendidos em outubro, de acordo com os dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

O Relatório Bidu, produzido mensalmente desde 2016, analisa o preço médio do seguro em quatro capitais brasileiras (Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo) e compara o perfil de homens e mulheres de 35 anos, casados, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que estão contratando o seguro pela primeira vez.

Após registrar alta de 46% no preço médio no mês anterior, o valor do seguro caiu 8%, em média, para as cotações realizadas este mês. A queda foi puxada pelo levantamento do perfil masculino, que teve retração média de 15,69%, enquanto o preço do seguro para as mulheres manteve-se estável (retração de apenas 0,3%).

Os destaques na diminuição do valor do seguro ficaram para os homens que moram na cidade de São Paulo, com 49,56% de queda no preço médio, e em Brasília, com retração de 30,22%. Essas quedas significativas levaram para baixo o preço médio nas capitais pesquisadas, já que no Rio de Janeiro e em Porto Alegre, como mostra o gráfico abaixo, houve aumento na precificação das apólices.

*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)
*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)

Abrindo por modelo, fica nítida a retratação de preços para o perfil masculino. A queda chegou a 40% para o Renault Kwid, cujo seguro foi cotado em R$ 3.164 em outubro e passou para R$ 1.897 em novembro. Apenas o seguro do Volkswagen Polo registrou aumento para os homens, chegando à variação de 24% (foi cotado em R$ 3.209 em outubro e em R$ 3.975 este mês).

O cenário para as mulheres é diferente, pois foram registradas quedas apenas no preço do seguro do Jeep Compass (cotado em R$ 4.329 no último relatório e em R$ 3.995 este mês) e para o veículo Volkswagen Polo (R$ 3.263 em outubro e R$ 3.188 em novembro). Os demais demonstraram aumento, com destaque para o acréscimo de 34% no preço do seguro para o carro mais vendido do mês: o Chevrolet Ônix, cujo valor passou de R$ 1.557 para R$ 2.094.

*Variação do preço médio do seguro dos modelos que se repetem entre setembro e outubro (azul: homens; vermelho: mulheres)
*Variação do preço médio do seguro dos modelos que se repetem entre setembro e outubro (azul: homens; vermelho: mulheres)

Apesar dos valores do seguro para o perfil masculino terem puxado a queda na média geral de preços este mês, o preço médio para homens continua mais alto em comparação ao perfil feminino. Enquanto as mulheres pagam, em média, R$ 2.171 pelo seguro dos carros analisados, os homens desembolsam R$ 2.949 para segurar os seus veículos, uma diferença de R$ 778.

*Preço do seguro por modelo, média novembro (azul: homens; vermelho: mulheres)
*Preço do seguro por modelo, média novembro (azul: homens; vermelho: mulheres)

Modelo mais vendido

De acordo com o relatório da Fenabrave, em outubro foram emplacados 208.814 automóveis – um aumento de 20,56% em comparação com o mês anterior, quando foram vendidas 173.193 unidades. Desde janeiro, apenas quatro modelos se repetem todos os meses no ranking dos 10 mais emplacados: Chevrolet Onix, Hyundai HB20, Volkswagen Gol e VW Polo.

*Ranking dos 10 veículos mais emplacados em outubro, de acordo com a Fenabrave
*Ranking dos 10 veículos mais emplacados em outubro, de acordo com a Fenabrave

Seguindo a tendência dos últimos estudos, o Chevrolet Onix continua a ser o carro mais emplacado no Brasil, com 22.324 unidades em outubro contra 17.981 registradas em setembro. O preço médio do seguro para o modelo de entrada para o sexo masculino custa atualmente R$ 2.238, um decréscimo de 10% em relação à cotação do mês anterior, que ficou em R$ 2.478. Já para o perfil feminino, o valor médio atual é de R$ 2.094 ante R$ 1.557 – um acréscimo de 34%.

Entre setembro e outubro, dos dez modelos mais vendidos, nove são os mesmos. Neste mês, o Renault Sandero apareceu na nona posição entre os 10 mais emplacados, tirando o Toyota Corolla do ranking.

O melhor custo-benefício

Na hora de escolher o veículo que apresenta o melhor custo-benefício, ou seja, a melhor relação entre o preço médio do seguro e o valor de mercado do veículo (price ratio), o Jeep Compass e o Chevrolet Ônix são os mais vantajosos para os homens – ambos com price ratio de 5,4%. Já para o público feminino, o Chevrolet Prisma é o modelo com a relação mais interessante, com o valor do seguro representando 4% do valor de mercado do veículo.

Na outra ponta, o modelo que menos vale a pena em termos de custo-benefício para o perfil masculino é o Volkswagen Polo, com price ratio de 8,9%. Para as mulheres, a relação de preço menos interessante ficou com o Volkswagen Gol, com price ratio de 5,4%.

*Variação por preço de seguro (price ratio) (azul: homens; vermelho: mulheres)
*Variação por preço de seguro (price ratio) (azul: homens; vermelho: mulheres)

Variação entre as cidades

O seguro mais em conta entre as cidades estudadas é o cobrado em Brasília, onde os motoristas pagam R$ 1.886, considerando a média do preço do seguro dos dez modelos mais vendidos em outubro para homens e mulheres. O mais caro foi registrado no Rio de Janeiro, onde a cotação média ficou em R$ 3.126 para os dois perfis.

Na média de preços este mês, o valor do seguro é maior para os homens do que para as mulheres em todas as cidades. A média mais alta foi registrada em Porto Alegre, chegando a R$ 3.753 para o perfil masculino versus R$ 2.283 para as mulheres na mesma cidade.

 

*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)
*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)

Mais detalhes

Confira, abaixo, as tabelas com os dez veículos mais vendidos em outubro, de acordo com a Fenabrave, e o valor do seguro para cada modelo nos perfis analisados pela Bidu. As cotações de seguro foram realizadas no dia 5 de novembro de 2018. Para mais dados e gráficos de análise, confira o relatório completo da Bidu para este mês, assim como edições anteriores.

*Perfil A: homem de 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.
*Perfil A: homem de 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.
*Perfil B: mulher de 35 anos, casada, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.
*Perfil B: mulher de 35 anos, casada, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.

Todos os preços dos seguros apresentados são para vigência de um ano. Todas as cotações foram realizadas no dia 5 de novembro.

Porto-Alegrense ganha R$ 3 mil reais por mês cuidando de cachorros em casa 318

Cachorro

Professora de português e italiano concilia aulas com a hospedagem de cães

Ana Nunes, de 44 anos, tinha uma escola de português e italiano para estrangeiros. No ano de 2016, decidiu mudar sua vida, já que não conseguia dar a atenção necessária para a sua filha de 8 anos. Começou dando aulas particulares, mas a renda não cobria as despesas mensais. Foi com a DogHero, aplicativo que conecta pais de cachorro a anfitriões que hospedam cães em casa, que ela encontrou uma nova forma de complementar sua renda, fazendo algo que sempre sonhou: cuidar de cachorros. Atualmente, ela ganha cerca até R$ 3 mil reais por mês com a atividade, sem sair de casa.

Apaixonada por animais, Ana sempre procurou formas de estar próxima dos cachorros. Antes de conhecer a DogHero, ajudou ONGs de proteção animal. “Hoje ainda dou aulas particulares, mas minha qualidade de vida em relação à quando trabalhava na escola mudou muito. Consigo tomar sol durante a tarde e ainda plantar minhas flores que gosto muito”, diz Ana. Em feriados e datas importantes, como Natal e Ano Novo, a renda mensal aumenta com a demanda de tutores buscando a anfitriã, já que muitas pessoas viajam nesse período. Já são mais de 1000 anfitriões ativos no aplicativo apenas no Rio Grande do Sul e 23000 cachorrinhos cadastrados no estado.

Para se tornar anfitrião na DogHero é preciso cumprir requisitos de segurança da residência e realizar testes de conhecimentos sobre cães. Cerca de 20% dos candidatos são aprovados. Além de responderem um formulário online que leva cerca de duas horas, a empresa pede fotos dos ambientes da casa, para ter certeza de que o cão estará seguro e bem cuidado. Além disso, após a aprovação, o app disponibiliza cursos online (Escola de Heróis): os anfitriões assistem às aulas e realizam provas para aprimorar os conhecimentos sobre os cuidados com os cães. Todas as experiências são avaliadas pelos clientes: 98,7% das notas dadas aos anfitriões são 5 estrelas.

Drones, seguro e responsabilidade nas alturas 811

RC obrigatório movimenta mercado e auxilia no cumprimento de regras

Os criadores dos drones não imaginavam que essas pequenas aeronaves não tripuladas fariam parte da sociedade como percebemos atualmente. Essas máquinas voadoras, originalmente idealizadas para fins militares, são frequentemente vistas sendo utilizadas em projetos audiovisuais profissionais e até por cidadãos comuns para registrar imagens aéreas.

Carlos Polizio é diretor de Aero, Casco e Transportes do Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre

De acordo com a feira DroneShow Latin America, que reúne fabricantes, importadores, prestadores de serviços, desenvolvedores e provedores de tecnologia, das 720 empresas que atuam com atividades ligadas à drones no Brasil, a maioria tem menos de 20 anos de existência e 87,6% são de prestadoras de serviços e oferecem treinamento. 

Com o crescimento do uso nos últimos anos, algumas características tornam necessárias a existência de uma legislação. Tendo em vista as regras da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operações civis de aeronaves não tripuladas, que completaram um ano no mês de maio, também se torna necessário um produto de seguro específico para a atividade. “A regulamentação trouxe a necessidade do operador profissional contratar seguro de Responsabilidade Civil e este profissional também passou a querer proteger seu patrimônio diante dos elevados valores dos equipamentos embarcados”, explica o diretor de Aero, Casco e Transportes do Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre, Carlos Polizio.

Para o uso profissional de drones, a contratação do seguro de Responsabilidade Civil (RETA) é obrigatória e possui limites pré-fixados e aprovados pela Anac e pela Superintendência de Seguros Privados (Susep). “Este seguro está relacionado a danos causados pelo equipamento a terceiros. Caso haja necessidade do operador contratar limite superior ao seguro obrigatório, ele poderá contratar apólices específicas com limites em excesso ao obrigatório e conforme sua necessidade”, comenta.

Outra opção de seguro é o de proteção ao equipamento, ou seja, para danos. “Este seguro consiste na reposição do valor do equipamento após sinistro de perda parcial e/ou perda total. Quando falamos em equipamento devemos considerar o drone (chassi), bem como o equipamento que esteja instalado no Drone (câmera e demais acessórios do conjunto)”, elucida.

Fernando Pitol trabalha com imagens aéreas através de drones desde 2015

O autônomo Fernanda Pitol, de 37 anos, trabalha profissionalmente com drones desde 2015. Seu foco de voo é voltado ao mercado imobiliário, com materiais de imóveis para venda, análises de áreas, mapeamentos, institucional e imagens gerais de praias. “Em algumas situações também utilizo para segurança patrimonial, empresas grandes e em alguns eventos que precisam cuidar o perímetro da empresa em determinadas épocas”, conta.

O seu equipamento é homologado pela Anatel e Anac e conta com seguro desde fevereiro deste ano, que abrange cobertura sobre terceiros para eventuais imprevistos. Ele considera que o valor pago, em torno de R$ 700 reais/anual, condiz com a tranquilidade que proporciona. “Já houve queda em meu exercício profissional, mas como respeito as regras, não houve feridos, somente danos materiais. Bateu em um pássaro e caiu de uns vinte metros”, narra.

Tendo como parâmetro a sua vivência profissional, Pitol alerta para a quantidade de pessoas que utilizam estas ferramentas sem homologações ou autorização de uso do espaço aéreo e seguro. “[É preciso] que as regras sejam amplamente divulgadas e passem a serem respeitadas, de forma que não existam acidentes, ou pelo menos diminuam, pois nem todos os acidentes são imprevistos, alguns são previsíveis”, diz.

Pelo lado do mercado segurador, Carlos Polizio salienta que o número de apólices vem crescendo mês a mês. “Como toda modalidade nova as dúvidas são constantes, ajustes são necessários, alinhamento do produto junto ao mercado se torna uma prática de extrema necessidade e processos de sinistros começam a acontecer”, argumenta.”A conscientização já está caminho e se faz necessária diariamente. Importante ressaltar que o papel do corretor de seguros é essencial e contamos muito com este apoio neste momento”, finaliza.

Três anos de Travelers Seguros no Brasil 673

Companhia atua fortemente em produtos voltados para PMEs

A Travelers Seguros acaba de celebrar três anos de operação sob marca própria no Brasil. Neste período, a companhia tem atuado fortemente com produtos para pequenas e médias empresas e vem desenvolvendo uma relação próxima tanto com os corretores, quanto com o consumidor final.

“Estes três primeiros anos no Brasil foram guiados pela nossa missão de criar um padrão mais elevado de serviço e estabelecer as bases para um crescimento sustentável no futuro”, diz Leonardo Semenovitch, diretor-presidente da Travelers no Brasil. “Nós nos esforçamos para fornecer recursos valiosos aos nossos corretores e realizar eventos de treinamento para compartilhar ideias e nos ajudar a entender melhor os desafios que eles enfrentam”, completa.

Atualmente, a Travelers conta com cerca de mil corretores ativos no Brasil e mais de 100 funcionários com reconhecida qualificação técnica, distribuídos em oito escritórios e que atuam com quatro linhas de negócios: Riscos de Engenharia, Riscos Patrimoniais, Responsabilidade Civil e Linhas Financeiras. Durante este período no Brasil, a companhia reforçou sua presença no mercado, oferecendo soluções customizadas para negócios de todos os portes.

Por meio de sua experiência em controle de riscos, a Travelers consegue fornecer aos clientes informações relevantes e recomendações de segurança para proteger seus negócios. A empresa oferece aos corretores recursos como ferramentas de cotação on-line, que facilitam a emissão de apólices por meio de tablets e computadores. “Além de ótimos produtos e uma marca forte, o que faz toda a diferença na parceria da Marsh com a Travelers é o relacionamento com a equipe comercial.  A junção destes aspectos resulta em bons negócios e dá bases para que essa parceria se estenda por muitos anos”, diz Luis Guilherme Menezes, Diretor de Linhas Financeiras da Marsh Corretora.

A seguradora celebrou seu aniversário com uma semana de eventos, reconhecendo o comprometimento dos colaboradores junto aos clientes e corretores.