Talento é tema de palestra de Paulo Tusi Mann no Clube da Pedrinha 950

Encontro mensal foi realizado na segunda-feira

Um grupo seleto de pedrinhas em seguros no Rio Grande do Sul esteve reunido na noite desta segunda-feira, dia 10, no Restaurante Casa do Marquês, em Porto Alegre (RS). Paulo Tusi Mann fez com que todos bebessem um pouco de sua sabedoria e experiência de mais de quarenta anos de vivências em seguradoras de ponta do mercado com o talento que lhe é peculiar. Talento, inclusive, que foi o grande tema de sua fala. Tudo demonstrado através de situações expositivas e uma dinâmica de grupo que integrou todos, além de evidenciar: todos possuem algum tipo de talento.

Confira as imagens:

Dicas para destacar a sua empresa no ambiente digital 488

Segundo pesquisa, as compras online devem gerar faturamento de R$ 90,7 bilhões em 2020, com crescimento de 21% em relação ao ano passado

O crescimento do comércio eletrônico já era uma tendência e uma crescente no mercado de vendas, nacional e internacional. A partir do fechamento obrigatório de estabelecimentos de comércio e serviços não essenciais como medida de combate a pandemia do novo Covid-19, comprar online tornou-se uma forma de continuar fazendo compras, desde supermercados, até roupas, eletrônicos e outros artigos.

Neste cenário, para muitos lojistas, vender pela internet se tornou a melhor (e em alguns casos a única) opção para continuar realizando seus negócios. Muitos empresários estão criando a sua loja virtual ou entrando em marketplaces – plataformas online mediada por uma empresa em que vários fornecedores se inscrevem e vendem seus produtos.

No Brasil, diversos marketplaces ganharam força nos últimos anos – e com a pandemia ainda mais relevância. Entre os principais podemos citar o Mercado Livre, Amazon, B2W, Magazine Luiza, Ricardo Eletro, Carrefour, entre outros. Se no mundo das vendas online, o marketplace é um shopping virtual, é bem interessante para o lojista estar inserido no canal de vendas para aumentar seu faturamento, conseguindo maior visibilidade e consequentemente, novos clientes.

De acordo com Sidney Zynger, especialista em comércio eletrônico e diretor de marketing do Bling (https://www.bling.com.br/) – sistema de gestão empresarial online para micro e pequenas empresas – as empresas que querem sobreviver na oscilação atual do mercado precisam investir em tecnologia e nas vendas online como questão de sobrevivência. O comportamento do consumidor também está mudando, mostrando maior interesse nas compras pela internet, e cada vez mais, as empresas percebem que depender somente de vendas na loja física pode ser um limitador, e vender em outros canais, como loja virtual e marketplace é uma forma viável de manter a operação viva e saudável financeiramente.

Segundo Zynger, é necessário apostar em ferramentas que auxiliem o lojista nesse novo momento. “Para empresas que querem começar a vender online, uma dica é apostar em marketplaces e ter a tecnologia como aliada. Já existem muitas ferramentas que auxiliam os empreendedores, como por exemplo, os sistemas de gestão, e temos uma variedade de canais de vendas. Apostar nessas soluções agrega valor para a empresa, que começa a traçar novos nichos de mercado.” comenta.

Confira algumas dicas para começar a vender em marketplaces:

1. Faça descrições completas dos produtos

Quanto mais informações – e apresentadas de forma clara – a descrição do seu produto tiver, maiores as chances de conversão.

2. Use fotos que se destaquem em meio à concorrência

Boas fotos do produto, além de chamar a atenção do consumidor, ajudam a eliminar dúvidas sobre os produtos e passam mais confiança.

3. Escolha a plataforma mais adequada para seu negócio

Saiba o diferencial de cada plataforma, para entender qual é a melhor opção para o seu negócio.

4. Faça seu cadastro como um parceiro no Marketplace

Ao fazer o seu cadastro em um marketplace, não deixe de selecionar a opção de parceiro para começar a vender os seus produtos.

5. Cadastre e venda seus produtos

Com os produtos devidamente cadastrados na plataforma, você poderá vendê-los com muita praticidade.

6. Não se esqueça de ter presença de marca

Um dos pontos apresentados como negativos do marketplace é a predominância da plataforma sobre o visual da marca. No entanto, é possível colocar a marca da sua loja em seus produtos, criando um vínculo entre sua empresa e o consumidor.

7. Cuide da logística e fique de olho nos prazos de entrega

A logística é um fator determinante para quem deseja oferecer um bom serviço. Afinal, é necessário respeitar os prazos de entrega para não sofrer punições ou uma má reputação.

8. Fique atento ao gerenciamento de contas do negócio

Apesar do marketplace trazer diversas funcionalidades e a possibilidade de automação de alguns processos, isso não significa que você não precisa ter um pouco de atenção. Também fique de olho na taxa de comissionamento para não ter surpresas após começar as vendas.

Sociedade pode enviar sugestões para a Susep 516

Iniciativa busca redução de custos para o setor de seguros

Sociedade pode enviar sugestões para modelo que visa aplicação proporcional das regras prudenciais. Iniciativa busca redução de custos para o setor de seguros, aumento de eficiência do regulador e benefícios ao consumidor com mais concorrência e melhores preços

Nesta segunda-feira (25), a Superintendência de Seguros Privados (Susep) colocou em consulta pública, propostas para aplicação proporcional das regras prudenciais, de acordo com o porte e a complexidade das empresas do setor. As medidas sugerem alteração na resolução 321/2015, do CNSP, e na circular Susep 517/2015, para adequação de requisitos como prazo e modelos de envio de informações.

Há ainda a redução do capital-base para supervisionadas de menor porte e complexidade, que ficaria entre R$ 3,6 milhões e R$ 8,1 milhões, de acordo com o segmento de cada organização. Com a iniciativa, a autarquia visa promover ganhos de custo operacional para o setor e mais eficiência na supervisão. De acordo com a Susep, a medida beneficiará o mercado consumidor de seguros com melhores preços e mais concorrência.

A superintendência afirmou ainda que este é mais um passo na discussão com a sociedade dos modelos para a segmentação do mercado de seguros, evolução e modernização do setor no Brasil.

A íntegra do normativo pode ser acessada pelo link http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/edital-de-consulta-publica-n-9/2020-258324492.

Sindseg-SC disponibiliza novo Portfólio 695

Material contém as principais ações da entidade

O Sindicato das Seguradoras de Santa  Catarina (Sindseg-SC), divulgou nesta segunda-feira (25), um novo portifólio com diversas informações. No material é possível encontrar informações sobre os Grupos de Trabalho, Quadro Associativo, Estrutura, Qualificação, Trabalho Social, Newsletter, Informativo, Revista, Portal de Informações, Cartilhas, Teatro, Painel, entre outros.

O presidente do Sindicato das Seguradoras de Santa Catarina – Waldecyr Schilling, afirma que o portfólio de forma resumida, apresenta ações e ferramentas disponibilizadas para o mercado de seguros e sociedade. “A força que gera segurança e grandes valores para uma sociedade, começa numa entidade de classe como o Sindseg-SC”, afirmou Schilling.

Para conhecer na integra, visualize aqui ou acesse www.sindsesc.org.br no menu SindsegSC.

Sindseg MG/GO/MT/DF discute os impactos da pandemia no setor 723

Debate virtual foi promovido pela ACMinas

O Coronavírus mudou a dinâmica dos mais diversos setores da economia em todo o mundo. E para falar dos impactos da pandemia no segmento de seguros, o presidente do SindSeg MG/GO/MT/DF, Marco Antônio Neves, e o presidente da Comissão Especial de Assuntos Jurídicos e Fiscais e também vice-presidente do Conselho Empresarial de Seguros da Associação Comercial e Empresarial de Minas Gerais (ACMinas), Landulfo Ferreira Júnior, participaram de debate virtual promovido no dia 17 pela associação. “Neste momento de superação, o papel da ACMinas é ainda mais importante para contribuir para o desenvolvimento das empresas”, ressaltou o presidente da entidade, Aguinaldo Diniz.

Além dos representantes do sindicato, também estiveram presentes dirigentes de várias empresas, a exemplo do executivo da Pif Paf Alimentos, Guilherme Alvarenga. Marco Antônio destaca que o setor de seguros se adaptou com agilidade ao novo cenário imposto pelo Coronavírus. “Os profissionais continuaram atuando por home office, sem que isso acarretasse prejuízos aos atendimentos e às suas rotinas”. Ele também defendeu que a implantação de medidas como a proibição de reajustes nos valores dos prêmios de seguros, a ampliação do prazo de pagamento das faturas pelos segurados, o incentivo à telemedicina e a reedição da Resolução Normativa 451 – que regulamenta as operadoras de saúde – foram fundamentais para proteger o setor de seguros.

Segundo Landulfo, dentre as modalidades de seguros que mais podem ser afetadas pela pandemia estão as de Pessoas (vida); Empresarial, em função da paralisação de muitas organizações; Responsabilidade Civil e Riscos Cibernéticos. “Ainda é cedo pra flexibilizar ou alterar as apólices destes tipos de seguros, já que não há nada estruturado no momento. Por isso, o recomendado é manter as condições do contrato previamente firmado e ter cautela nas decisões que envolvem as relações jurídicas e contratuais para equilibrar o interesse de todas as partes”, recomendou.

Na ocasião, Landulfo ainda destacou o papel social do seguro para minimizar os riscos em qualquer situação, incluindo o enfrentamento de uma pandemia nunca antes vivenciada. “O princípio de mutualismo que sustenta a atividade seguradora, é, certamente, o maior exemplo de solidariedade, já que a partir de uma contribuição pequena e individual é possível contribuir para minimizar os efeitos danosos de um sinistro de um grupo de pessoas”, explicou.

Mag Seguros debate situação do Brasil e transformação pela inovação 542

Evento abordou os contextos político e econômico do Brasil

A Mag Seguros, seguradora especializada em seguro de vida e previdência com 185 anos de atuação, promoveu nesta quinta-feira (21), mais um webinar. Durante a live, que contou com nomes relevantes do cenário nacional, foram debatidos temas como os contextos político e econômico do Brasil, além de painel que discutiu sobre as transformações por meio da inovação.

No primeiro painel, o professor da PUC-RJ e membro do Conselho Consultivo da Mag Seguros, Luiz Roberto Cunha, contou que o mundo vinha em crescimento desde os anos 50 em razão da globalização. O estudioso acrescentou, ainda, que, para 2020, no Brasil, as projeções eram otimistas, tendo em vista a agenda de reformas e um modelo de economia mais liberal.

Cunha apontou saídas para a crise econômica atual na qual o país passa, algumas medidas, como o ajuste fiscal com redução de despesas, reformas estruturais e utilização de reservas. No mesmo painel, o também membro do Conselho Consultivo e cientista político, Paulo Delgado, reforçou a necessidade do governo em atuar na solução da crise sanitária e desenvolver ações que visam a proteção do emprego e do caixa das empresas.

O painel contou com a moderação de Nilton Molina, presidente do Conselho de Administração da Mag Seguros e do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon. O executivo contou que acompanhou diversas crises no país por guerra, política e terrorismo, e reforçou duas características desta pandemia. “Esta crise atual em que estamos vivendo é democrática. Atinge ricos e pobres; empresas grandes, médias e pequenas. Também é a única que estou vendo que fará nascer um novo comportamento”, explica Nilton Molina.

Na sequência, Helder Molina, CEO da Mag Seguros; Murilo Gun, Professor de criatividade e fundador da Keep Learning School; e Gustavo Doria Filho, fundador do CQCS, discutiram sobre como a inovação é uma aliada às transformações sociais.

“Nós temos propósito e inovação. Isso que faz a nossa companhia ser tão diferente. Também investimos bastante em tecnologia nos últimos anos, o que certamente nos deixou preparados para um momento como este”, comenta Helder.

Os painelistas destacaram, ainda, durante o bate-papo, a importância sobre o olhar para si e para o outro, reforçando o conceito de empatia, fundamental para os dias atuais. Murilo reforçou que vamos passar de pessoas “sábias” para pessoas mais “conscientes”, no mundo após o coronavírus.