Corretor: como fazer da sua empresa um negócio milionário 764

Alberto Júnior é Chairman do Grupo Life Brasil, corretor de seguros e empreendedor


Caríssimos colegas…

O que me traz neste artigo de hoje é algo muito simples: Como é a saúde financeira de sua corretora e quanto tempo ela sobreviveria ou manteria seu crescimento nas seguintes situações?

1. Se você, por um motivo de saúde, tivesse que parar de trabalhar?

2. Se você teve oportunidade de visitar outro país ou mesmo fazer um curso por um prazo de 1 ano?

3. Se o mercado estivesse muito aquecido, porém os consumidores adotaram o modelo de compra online e estamos seguindo para o ápice deste sistema de venda?

4. Se você se depara ainda com uma forte ação dos bancos e lojas de varejo para forçar a venda de seus segmentos, com metas impostas para ganhos de pontos para seus funcionários, promovendo produtos como Auto, Residência, Previdência, Responsabilidade Civil, D&O, bancos para linhas de alto poder aquisitivo, entre mais alguns (já estou sabendo que estão no caminho alguns deles…)?

5. Se você resolve trabalhar sete anos e viver de renda. Isso é possível sem decrescer sua carteira de clientes considerando não estar na atividade de prospecção do negócio? Você conseguiria começar do zero hoje com esse objetivo?

6. Se você tivesse que informar aos seus clientes que, devido ao seu atendimento personalizado (considero um atendimento de qualidade um requisito básico e não mais uma obrigação, afinal faz parte do nosso trabalho), o valor de seu produto será nada mais do que 30% sobre o valor dos seus concorrentes e de outros que fazem dessa profissão um “bico” (mas que ameaçam tomar parte da sua carteira). Qual a probabilidade de não ter seus clientes no próximo vencimento?

7. Se você fizer mesmo a conta de qual seria o seu lucro final em operações de Auto, considerando as despesas com telefone, estrutura básica para operar, roupas, etc… (sim, roupas, pois afinal não saem de graça e ninguém se veste bem para ficar em casa não é mesmo?). Será que vale mesmo o seu investimento? Para ganhar quanto por sua hora de trabalho?

8. Você pode hoje se dar o luxo de contratar mais pessoas para fazer você crescer sem que tenha que, por um descuido financeiro ou mesmo a perda de alguns clientes importantes, ter que desmontar todo seu negócio e recomeçar de novo?

Então, tenho uma coisa pra falar pra você, e espero que se lembre deste artigo para o resto de sua vida. Comece agora, já e hoje a vender seguro de vida. E digo pra você que um dos males que podes acreditar é viver disto e saber que amanhã é quase impossível perder sua carteira de clientes, pois não vão morrer no mesmo dia, parar de pagar no mesmo dia e trocar você todos no mesmo dia… Terá outro problema se não tiver um foco e direção de não lembrar que o dinheiro está no banco indo ou não trabalhar e mesmo ainda que a cada ano sua remuneração aumenta automaticamente, pois os reajustes dos contratos acabam sendo quase que alinhados no mercado.

Espero que tenha sido útil e que saiba que o motivo de escrever este artigo é: cansei de ver pessoas dedicadas, sérias e hábeis acabarem trabalhando para pagar contas e nunca conquistarem seu milhão no banco e ainda enterrar suas chances de fazer parte da estatística de mais um milionário no Brasil.

“Não existe negócio melhor que este, que tem receita recorrente”. Ouvi isso de um grande empreendedor que é multimilionário. Ele se dirigiu a mim em um evento internacional, quando tive a oportunidade de entregar meu livro A Lógica – Como fazer milhões com seguro de vida, já traduzido para língua inglesa e comprado atualmente só pelos sites www.empreendedorsa.net e www.obcs.com.br.

Para tirar o mistério, ele é o famoso Lobo de Wall Street, Jordan Belfort. Eu, se fosse você, não pensaria mais e sim agiria:

  •  Trilhe seu caminho sozinho e saiba que o tempo não será curto para pegar todos os caminhos e facilidades para vender, mas dará certo no seu tempo;
  • Se una a outros corretores e escolha aqueles que têm sucesso comprovado, nada de pagar por cursinhos amadores de pessoas que não vivem disto e apenas querem seu dinheiro, pois não tem experiência prática, é só a teoria.
  • Se quiser tirar sua dúvida pergunte ao “professor”: Qual sua carteira de seguros de vida individual (sem contar empresariais)? Cuide, pois vender só pra empresa é um negócio que você tem hoje e amanhã não tem mais, pois o dono quer economia… É como você quando vai comprar carro, em produtos iguais a ideia é “estrangular o vendedor” e conseguir o melhor preço, não é verdade? Se o “professor gaguejar” já era, e se falar, peça para provar! (xiiii acho que vão querer colocar meu nome na boca do sapo mas pouco importa, quero que você tenha sucesso!);
  • Escolha bem um parceiro que tenha ambição e não queira ficar rico e sumir deixando você sozinho;
  • Não faça nada e marque a data do óbito do seu negócio (para pensar), pois a mudança é necessária e o resultado é a plantação!

Acho que era isso… Se precisar de alguma colaboração para desenvolvimento do seu negócio, acesse os sites acima e ainda www.aceleradoradenegocios.com.br e deixe sua mensagem, se achar oportuno, pois, quem sabe, poderíamos trabalhar juntos se forem compatíveis nossos interesses…

Abraco$ e $uce$$o!

livro-a-logica

Permita o caos na sua equipe 548

Reflita comigo

No artigo desta semana gostaria de promover um pensamento um tanto incomum quando falamos em equipes de resultados. O fato é que sem o caos não seria possível decifrar quem é quem na sua equipe de trabalho.

Sempre que é possível deixo que, de alguma forma, o caos seja instalado nas equipes que participo, principalmente quando estou liderando. Esta é uma estratégia simples de verificar, na realidade, quem são os profissionais que fazem parte de minha equipe. Quer saber o motivo? Reflita comigo.

Quanto maior o caos, maior a probabilidade das pessoas que não possuem inteligência emocional sentirem-se frágeis. Quanto maior a fragilidade, mais bobagens acabam sendo feitas, apesar da grande parte das vezes as fazerem sem motivos, mas sim pela falta de confiança ou mesmo de competência sobre tal assunto.

Uma forte maneira que encontrei de separar os “meninos ou meninas” dos “homens ou das mulheres” foi ver como no caos portavam-se e de que forma buscavam a solução dentro da equipe: mais individualistas, mais focados no resultado, mais focados nas desculpas, nas pessoas, nos processos e aí por diante… Não é no sol que se monta uma equipe de sucesso e, sim, na tempestade. Quando cada um manifesta o seu “eu maior”.

Devemos colaborar com aqueles que não se dão bem com o caos, para que em um novo momento possam reagir de uma forma mais positiva. Aqueles que realmente se dão bem em situações de caos são pessoas que acabam se destacando na sua profissão e propósito.

Teste você mesmo, quando o caos de alguma forma estiver presente na sua equipe, experimente não solucionar nada antes que sua equipe sinta o que está acontecendo e deixe-os agir. Claro, não deixe que algo mais problemático aconteça, aí você deve assumir o controle, mas sempre podemos esperar um pouco do caos para tomar uma decisão baseada na própria equipe e na maturidade dela.

É na tempestade que encontramos os maiores e melhores “guerreiros” e não em lindos dias de sol, afinal, quando você menos esperar poderá perder toda equipe que é feita de “açúcar”. Espero que saiba avaliar quanto o caos nas equipes é maravilhoso e como você pode usar isto em seu favor na formação de uma equipe simplesmente espetacular.

Abraços e rumo ao caos!

A democracia pode matar o seu negócio 529

Este aspecto deve ser visto do ângulo de quem assume os riscos, o que na maior parte das vezes não acontece

Pois bem… Confesso que é um título um tanto quanto suspeito, mas o que está inserido neste artigo abaixo pode fazer total sentido para você ao final da leitura.

Adoro quando as pessoas, nas equipes, falam que o processo deveria ser mais democrático nas tomadas de decisão, entre outras coisinhas… Mas o grande fato é que a democracia deve ser vista do ângulo de quem assume os riscos, o que na maior parte das vezes não acontece.

Vejamos que você, líder da sua equipe, resolve, de forma democrática, contratar um novo colaborador, ou promover a aceitação de um acionista no caso de uma S.A. Qual a probabilidade que ele tem de ter mais resultados ou menos, já parou para pensar nisto? É mesmo difícil de saber, principalmente quando sua equipe de trabalho quer que você seja democrático, sendo que o risco total é seu, da sua posição e de seu próprio emprego. Será que faz sentido nestes momentos pensar assim?

Toda tomada de decisão totalmente democrática deve, no meu ponto de vista, ter riscos de ambos os lados. Quem opina e não tem risco algum não está preocupado com o final da história, é apenas mais um para de fato “encher o saco” com um monte de bobagens… Se fosse com o emprego ou o dinheiro dele, não faria desta forma, ou pelo menos iria minimizar seus comentários.

Pra ser mais claro, negócio onde o risco é de um, mas todos opinam, não faz o menor sentido! Então, o risco ou a decisão do maior interessado é o que deve prevalecer.

Se você fosse contrário a uma contratação na sua equipe de trabalho, e mesmo assim sua equipe fosse favorável, e tendo em vista que se der errado você pagará a conta de alguma forma… Nessa situação você pode fazer uma escolha entre aceitar a opinião alheia ou tomar uma decisão que supera todas as outras. Você faria exatamente o quê? Eu faria o que minha experiência de liderança me ensinou, até porque o risco será integralmente meu.

Tenho um verdadeiro susto quando vejo equipes de vendas sendo montadas, mas sem nenhum “dono” pra cuidar dos riscos e ajustes necessários.

O nosso governo esta aí pela democracia hipócrita que existe hoje. Os políticos não tem nada a perder, pode faltar um bilhão aqui e outro ali, e sabe por quê? Simplesmente porque o dinheiro não tem dono. Se tivesse, ou se as leis fossem cumpridas de fato e sem caminhos alternativos, não estaríamos passando pelas dificuldades que o país está vivendo de certa forma.

Pense nisto. A democracia só serve quando o jogo é igual pra todos, no momento que o risco é maior ou tem mais peso pra uma parte, alguém tem que tomar o pulso do negócio e da equipe e fazer o que sua experiência, suas habilidades e, é claro, a sua intuição de empreendedor mandar. Mas cuidado para não querer assumir algo se não tem competência para isto, não seja leviano em apenas mostrar seu poder se suas capacidades não são compatíveis com esta decisão. Neste momento é preciso ter alguém ao lado que é melhor que você…

Sucesso e conquista, sempre com a democracia construtiva e de valores e parâmetros de risco para todos.
Abraços e sucesso!

Não tente ser um líder exemplar 446

É exatamente isto que eu quis dizer

Curioso o título, não é? Pois então… Na verdade é exatamente isto que eu quis dizer, afinal, o líder exemplar não existe pra todos, pois cada colaborador tem sua visão, percepção e sentimento sobre seu líder. Seria impossível ser um líder exemplar que agrade a todos, a não ser que você lidere apenas uma pessoa e que a mesma seja totalmente a favor de seu modo de agir, pensar e comandar.

O segredo é ter integridade, respeito, valores e inteligência emocional suficiente para tratar situações desconfortáveis e transformá-las em favoráveis. Essa é a maior dificuldade de qualquer líder, fora ainda o cuidado para não colocar o coração no negócio em momentos que a razão deve prevalecer. Gosto de dizer que um líder deve ter coração, estômago e cabeça no lugar e tirar força em cada um deles para suportar o momento.

Muitos líderes que buscam permanentemente serem exemplares, de alguma forma, acabaram frustrados com facilidade, pois não conseguem agradar a todos. Neste momento, acabam perdendo a intensidade no que são realmente especiais para se tornarem medianos ou medíocres em outras coisas que não fazem o menor sentido.

Em todas as equipes em que eu era o responsável, não tinha a mínima pretensão em ser um líder exemplar, mas sim, ser o exemplo naquele negócio, de como fazer melhor, como alcançar a velocidade correta para ter sucesso e ser o exemplo de campo sempre primando por coisas importantes como citei acima que eram inegociáveis. Muitas vezes a dor é o melhor remédio e o resultado final sem ultrapassar limites é o grande sentido de um líder.

Pense nisto e não se frustre tentando ser um líder exemplar, basta ser o exemplo na prática assim como Jesus foi!

Abraço$ e $uce$$o.

Não se sabote com a economia no mercado de seguro de vida 474

Você escolhe o que seus filhos, sua família e sua história irão representar na sua vida

Presumo que este título cai no momento e na situação correta que o Brasil está passando… Independente da falta de crescimento e a dificuldade da economia de nosso país, cabem agora algumas colocações importantes para que esta situação não seja utilizada como “bengala” de desculpas que muitos insistem em usar para justificar a dificuldade de se dar bem no negócio de seguro de vida.

Pensem comigo: vamos supor que a economia tenha recuado 30% (um número absurdo e muito maior que o real) e que o mercado tenha 20% de clientes consumidores ativos de nossos produtos e serviços ligados ao seguro de vida (número esse superestimado). Nessas condições, na pior das hipóteses, ainda teríamos 50% de sobra do processo econômico para trabalhar, e também mais 80% de clientes que não compraram o produto.

Podemos ver que independente do recuo da economia (ou não), os profissionais do ramo não investiram no desenvolvimento de suas carteiras de clientes neste modelo de negócio, então de que adianta usar a situação econômica do país como “bengala” se o trabalho de prospecção de oportunidades não é feito de maneira plena? Quem tem essa postura nunca fez e nunca vai fazer algo diferente, tornando cada dia mais difícil abandonar o “arroz e feijão” do dia a dia para se dedicar a “carne de filé e as iguarias marinhas” do mercado que chamo de seguro de vida.

A verdade é que mercado tem, espaço tem, pessoas disponíveis para comprar tem, produtos extraordinários que atendem a demanda tem e empresas sérias querendo trabalhar também. O que falta é atitude, visão, vontade, planejamento de médio e longo prazo, afinal, você não sai caminhando assim que nasce, não come carne assim que nasce e não enriquece assim que nasce, tudo passa por um processo de amadurecimento… Você pode escolher entre se lamentar com a massa ou enriquecer fora dela.

Você escolhe o que seus filhos, sua família e sua história irão representar na sua vida, tudo é apenas uma questão de atitude e nada mais.

Só não deixe que daqui a 5 anos venha na lembrança as palavras deste artigo… Ou melhor, você sabe o que é bom pra você sua história profissional.

Abraço$ e $uce$$o!

O garçom que usava calculadora financeira 628

Confira a coluna semanal do chairman do Grupo Life Brasil, corretor de seguros e empreendedor, Alberto Júnior

Quando achei que tinha visto tudo, me deparei com um garçom que usava uma calculadora financeira! Não poderia deixar de perguntar o motivo, já que era uma calculadora que custa caro para um garçom usar, pois a empresa fornecia aos mesmos uma mais simples.

garcomHP
(Foto: Alberto Júnior)

Sabe que neste momento recebi uma aula de vantagem competitiva e de valor agregado além, claro, de economia. Ele me disse que estava há mais de 1 ano naquele restaurante e que já havia perdido 3 calculadoras, pois os colegas usavam e não devolviam. E como não se poderia colocar os nomes somente com etiquetas, era claro que bastava trocar a etiqueta e trocar de dono. Mesmo assim eu continuava sem entender, mas então nesse momento eu escutei algo espetacular!

A resposta foi sensacional e vou resumir pra você: Alberto, todos sabem usar uma calculadora comum e pelo que conheço dos garçons, nunca havia visto ninguém usar uma HP. Foi quando pensei que assim não haveria ninguém para me pedir emprestado e não me devolver, até mesmo por não saber como usar. Assim não teria que comprar outra para a empresa quando a minha era “desapropriada” pelos colegas.

A lição que tirei disto tudo é que ele gerou um valor agregado perante os clientes que, pelo menos, eu nunca havia visto em toda minha vida. Também gerou economia, pois não teria que comprar de tempos em tempos uma nova para a empresa, e ainda passou a ser diferenciado pois eu não era o primeiro a falar sobre a HP. Aliás, ele disse que ganhava mais gorjeta que outros colegas.

Será que você está sendo visto pelas pessoas como um profissional diferenciado e será lembrado por algum fato que seja rentável? Se o garçom foi capaz de fazer de forma simples, tenha sua criatividade e sua percepção para mudar e ser lembrado para certamente poder colher com seu valor agregado e diferenciado mais e mais conquistas! Pense nisto, perante a atitude todos nós somos donos de nosso próprio destino!

Suce$$o é o que desejo a você!