Esposa do juiz Sérgio Moro fala ao mundo sobre o trabalho das APAEs 1234

Rosângela Wolf Moro concedeu entrevista ao JRS durante evento realizado pela Fenapaes, na última sexta-feira, em Porto Alegre (RS)

Miguel
Miguel Muccillo, diretor MDM8. William Anthony/JRS

“Os senhores são responsáveis por auxiliar tantos jovens e crianças, que nem imaginam. Eles, no entanto, sabem quem os ajudou”, disse Miguel Muccillo, diretor da MDM8 Gestão e Promoção de Eventos, durante o primeiro encontro anual de angariadores de capitalização do movimento das Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAEs), realizado na última sexta-feira, em Porto Alegre (RS). O encontro apresentou a estrutura da Fenapaes, bem como ressaltou a importância de uma visão coletiva e globalizada sobre o tema.

Aracy
Aracy Maria da Silva, presidente da Fenapaes. William Anthony/JRS

A instituição possui mais de 60 anos de história, sendo o maior movimento social do mundo, na sua área de atuação. São ao todo, 23 Conselhos Estaduais e mais de duas mil APAEs distribuídas em todo o Brasil, que propiciam atenção integral a cerca de 250.000 pessoas com deficiência. “Trabalhamos com gestão em um setor muito difícil para se trabalhar. Gestão de terceiro setor com o mar de dificuldades no País inteiro torna tudo muito mais complicado. A gestão da Federação passa por um trabalho sério, transparente e unido, formado por um grupo heterogêneo na diretoria”, completou  Aracy Maria da Silva, presidente da Federação Nacional das APAEs.

O repórter William Anthony entrevista Rosângela Moro. Reprodução/Instagram
O repórter William Anthony entrevista a advogada Rosângela Moro. Reprodução/Instagram

Uma ilustre presença também chamou a atenção dos presentes. A advogada Rosângela Wolf Moro, esposa do juiz federal Sérgio Moro, conversou com exclusividade a equipe do Grupo JRS Comunicação. O assunto, no entanto, não foi a Operação Lava-Jato e sim a nobre causa defendida por Rosângela na Procuradoria Geral da entidade. Rosângela explica que esta área atua no assessoramento das entidades filiadas (são mais de 2155), na defesa das pessoas com deficiência e nos interesses gerais da instituição.

De acordo com dados do Censo IBGE 2010, 23,9% da população brasileira possui algum tipo de deficiência. 18,60% declaram possuir deficiência visual, 7% deficiência motora, 5,10% tem deficiência auditiva e 1,40% possui deficiência mental. “A sociedade é que deve se adaptar e ser inclusiva às pessoas com deficiência”, conta ao abordar a Lei Brasileira de Inclusão. No âmbito da inclusão escolar, a Lei obriga as escolas privadas a acolher os estudantes com deficiência no ensino regular e a adotar as medidas de adaptação necessárias sem que nenhum ônus financeiro seja repassado às mensalidades nem às matrículas. A Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (Confenen), que representa as escolas particulares, questionou a norma por acreditar que ela comprometeria o orçamento dos estabelecimentos de ensino. Em junho, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu manter a exigência, considerando-a constitucional.

“As APAEs são entidades privadas que fazem um trabalho que deveria ser prestado pelo Estado para a sociedade. Prestamos saúde, educação e assistência. Esta ação é feita com muito bom grado”, explica ao lembrar que não recebe nenhuma remuneração como representante da Federação. No dia 2 de dezembro, Rosângela Moro falará na Organização das Nações Unidas sobre a missão generosa das APAEs. O convite foi realizado pela Portuguese Language Institute (POLI) – representante da ONU nos eventos da América Latina. A data antecede o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência.

Durante o evento, Muccillo comentou a série de adaptações que os produtos de capitalização foram submetidos por mudanças na regulamentação realizada pela Superintendência de Seguros Privados, a Susep. Agora, a Federação Nacional das APAEs passou de beneficiária da seção de direito de resgate pelo modelo popular para estipulante no modelo incentivo. Na prática, a Fenapaes compra os títulos de capitalização, contrata angariadores e sede o sorteio dos títulos e estes promovem as doações dos certificados de contribuição. APLUB Capitalização, Invest Capitalização e ApliCap participam deste trabalho que incentiva o trabalho da entidade.

Fabiana Rivarol, diretora-adjunta comercial da APLUB Capitalização. William Anthony/JRS
Fabiana Rivarol, diretora-adjunta comercial da APLUB Capitalização. William Anthony/JRS

São ao todo 23 produtos conveniados, sendo a maioria com gestão da APLUB Capitalização, em produtos como Tri Legal e Tri Legal Tchê, no Rio Grande do Sul, por exemplo. “A gratidão que vemos reforça a importância desta ação de mobilização e engajamento social”, conta Fabiana Rivarol, diretora-adjunta comercial. “Cada vez mais mostramos e entendemos a importância de ajudar as APAEs”, destaca.

“Hoje é um dia para agradecer”, disse Aracy em entrevista a nossa reportagem. “Fazemos questão de mostrar de onde saem os recursos que beneficiam estas pessoas. Sempre tivemos dificuldades pela atuação não governamental, mas a situação de hoje é uma benção”, concluiu.

Confira algumas imagens deste encontro:

img_4850

img_4848

_mg_4888

_mg_4921

_mg_4911

Desastres naturais podem ser evitados com utilização de ciência de dados 340

Desastres naturais podem ser evitados com utilização de ciência de dados

Companhia emprega tecnologia de vanguarda no desenvolvimento de sistemas com foco na proteção de pessoas durante situações extremas

Usar a ciência de dados para atingir objetivos de produtividade ou de redução de custos dentro das empresas tem sido um ponto cada vez mais discutido entre empresários de diferentes setores. Mas, o potencial de extrair informações valiosas dos dados não está restrito ao universo corporativo. De acordo com a Indra, empresa global de tecnologia e consultoria, é possível expandi-lo ao nível de mitigação de danos em caso de desastres naturais.

A companhia tem vasta experiência no uso de dados para prevenir danos. Do desenvolvimento de aplicações ao estudo de fluxos de trabalho para contingências, a companhia já atuou em países como o Nepal e busca frequentemente novas oportunidades de atuar nessa frente.

Além disso, trabalha no programa Copernicus com a ESA usando imagens dos satélites de Séntinel para elaborar produtos cartográficos com dados e inteligência que ajudam a mitigar os riscos. Com eles, é possível planejar com antecedência a evacuação de uma cidade em caso de terremoto, detectar áreas expostas ao risco de inundação ou avaliar os riscos de deslizamento após um grande incidente, por exemplo.

Um dos projetos mais recentes da companhia é o EO4SD, iniciativa com foco no uso de satélites para monitorar regiões potencialmente sensíveis. Usando big data e analytics, as informações são reunidas e a análise de efeitos catastróficos – como inundações ou deslizamentos de terra – ganha agilidade e eficiência.

A iniciativa entrou em vigor no ano passado e visa atrair principalmente os países emergentes, cujo acesso a financiamento privado para esse tipo de tecnologia é usualmente precário – e em que grande parte do valor arrecadado tem como foco iniciativas de reconstrução pós-desastre, de acordo com a companhia.

Para manter a operação funcionando, a Indra conta com o trabalho de uma equipe de diferentes empresas e consórcios para realizar essa tarefa, como o GISAT (República Checa), Planetek (Itália), OHB LuxSpace (Luxemburgo), Argans (França) e Nazka (Bélgica), bem como o instituto meteorológico austríaco (ZAMG).

Garantir o bem-estar dos cidadãos e preservar as infraestruturas críticas

Como forma de maximizar a proteção oferecida aos cidadãos, a companhia desenvolveu ao longo do tempo uma metodologia de Centro Integrado de Segurança e Emergência, que tem como foco garantir o bem-estar dos cidadãos e proteger a infraestrutura crítica das cidades.

Com base no software iSafety, a companhia oferece uma gestão centralizada dos recursos disponíveis e a possibilidade de acompanhar passo a passo a resolução de incidentes.

“O sistema facilita a tomada de decisões por parte de agentes em diversos órgãos, propondo, para cada situação, as opções de resposta que melhor se adaptam a cada cenário, com base em informações em tempo real”, afirma a companhia.

O ciclo sobre o qual a ferramenta se baseia tem quatro fases, que vão do monitoramento à produção de relatórios, ajudando na tomada de decisão de lideranças.

“Alguns benefícios práticos desse sistema são: a possível coordenação entre diversos órgãos para um suporte multicentrado, estabelecer protocolos de ativação e desativação, aperfeiçoar sistemas de administração e cuidar dos portadores de necessidades especiais com maior afinco”, finaliza a companhia.

Grupo Bradesco Seguros realiza primeiro workshop para assessorias de seguros 367

Leonardo Freitas é Diretor técnico da Organização de Vendas da Bradesco Seguros / Divulgação

Encontro reuniu representantes de todo o Brasil para debater as oportunidades e desafios para o segundo semestre

O Grupo Bradesco Seguros promoveu nos dias 10 e 11 de julho, na sua sede, em Alphaville, o primeiro workshop para assessorias de seguros. O evento contou com representantes de todo o Brasil, parceiros da seguradora, que participaram de palestras e painéis sobre expectativas de oportunidades e desafios para o mercado de seguros nesse segundo semestre.

O diretor da organização de vendas da Bradesco Seguros, Leonardo Freitas, destacou a importância de disseminar ainda mais a cultura do seguro reforçando a distribuição dos produtos e serviços de seguros pelo Brasil. “São mais de 6200 corretores que contam com o suporte das assessorias, esse é um canal muito relevante para a organização. Idealizamos esse encontro para fortalecer nossos laços e trabalharmos juntos para que os corretores impulsionem seus negócios e estimulem a cultura multirramo do seguro”.

Durante o evento, o co-fundador da cervejaria Wäls, José Felipe Carneiro, contou com exclusividade, como transformou seu sonho em uma sociedade com a Ambev. A palestra provocou os participantes a traçarem metas ousadas para inovarem constantemente no dia a dia. “Vocês são os titãs do mercado segurador e têm nas suas mãos a chance de inovar no segmento e contribuir com a conscientização do seguro no Brasil”.

Os painéis trouxeram esclarecimentos e novidades dos produtos e serviços do Grupo Bradesco Seguros. De acordo com Freitas, as assessorias são responsáveis por criar um elo entre a seguradora e os corretores, além de reforçar o trabalho do pequeno e médio corretor no mercado segurador. O workshop encerrou com uma visão otimista e com oportunidades de negócios que serão traçadas nos próximos meses.

Seguro de vida cobre diárias de internação hospitalar em casos de acidente 448

Seguro de vida cobre diárias de internação hospitalar em casos de acidente

Indenização não tem relação com custos hospitalares

Todos os anos, milhões de brasileiros pagam planos de saúde para ter acesso a hospitais, especialistas e tratamentos, reconhecendo o impacto que alguns imprevistos, como uma internação, podem representar nas finanças da família.

O que muita gente não sabe é que o seguro de vida possui uma indenização em vida, paga de acordo com a quantidade de dias de internação hospitalar quando ela decorrente de acidente, que pode auxiliar nos gastos desse período.

“A cobertura pode ser utilizada para pagar o hospital pela internação ou auxiliar nos demais gastos do segurado que, ao ser internado, deixa de realizar suas atividades habituais de obtenção de renda, como por exemplo, para contratar uma pessoa para dar assistência aos filhos durante o período ou, até mesmo, ser usado após o fim da internação”, explica Karina Massimoto, superintendente de seguros de Pessoas da Brasilseg, uma empresa BB Seguros.

De acordo com Karina, a indenização não tem relação com custos hospitalares e a apólice garante o pagamento de indenização no valor de R$ 250,00 por dia de hospitalização, limitado a 60 diárias por ano, observado o período de franquia de duas diárias.

“Trata-se de um benefício especialmente conveniente para trabalhadores autônomos que, ao serem hospitalizados, têm a renda da família comprometida, e também para trabalhadores no regime Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), que têm o salário reduzido após 15 dias de afastamento do trabalho”, explica.

A cobertura faz parte dos produtos BB Seguro Vida Completo, BB Seguro Vida Estilo e BB Seguro Vida Mulher Mais, comercializados pela BB Seguros. A contratação pode ser feita via aplicativo, internet banking e agências bancárias do Banco do Brasil.

MAPFRE e Amar Assist lançam seguro com cobertura em caso de internação hospitalar 313

MAPFRE e Amar Assist lançam seguro com cobertura em caso de internação hospitalar

Produto oferece indenização em caso de internação hospitalar e diversas vantagens, como desconto em medicamentos; solução já beneficia motoristas parceiros do app 99 em 4 capitais

A MAPFRE, em parceria com a Amar Assist, traz ao mercado o Seguro Internação, um produto inovador que oferece ao segurado tranquilidade e apoio financeiro, já que é possível receber o pagamento de um valor para cada dia em que permanecer internado em hospital. O segurado terá ainda, liberdade para escolher a melhor forma de utilizar essa indenização, como por exemplo, um complemento na sua renda ou uma ajuda para o seu tratamento.

Os planos são divididos em quatro modalidades distintas, válidas em todo o território nacional, com preços que variam entre R$ 15,90 e R$ 38,90 por mês. Por meio delas, o segurado internado – em unidade da rede pública (SUS) ou privada – poderá receber uma indenização para cada diária em que permanecer internado no hospital, podendo chegar a R$ 1mil por dia, dependendo do plano contratado e da existência de um evento coberto.

“A saúde está entre as principais preocupações dos brasileiros, por isso este produto tem um papel social muito importante de possibilitar que as pessoas, independentemente de sua classe social e local do País em que estejam, tenham acesso a esse apoio financeiro durante uma situação difícil, como no caso de uma internação hospitalar”, destaca Alex Frederico Dias, diretor Comercial da MAPFRE.

O Seguro Internação também oferece cobertura em caso de morte acidental, com indenização de R$ 20 mil aos beneficiários do seguro. Em vida, o segurado obtém descontos em medicamentos que podem chegar aos 60%, com direito a entrega em domicílio. Além disso, todos os clientes concorrem mensalmente a quatro sorteios de R$ 10 mil (bruto de Imposto de Renda) cada, pela Extração da Loteria Federal.

“Embora o Seguro Internação idealizado pela Amar Assist e garantido pela MAPFRE seja uma excelente solução financeira para qualquer pessoa, ele é perfeito para autônomos, microempreendedores, profissionais liberais, entre outros. Há um grupo de pessoas em todo Brasil em crescimento acelerado, que, desde 2017, se sobrepõe aos trabalhadores com carteira assinada. Essa base crescente depende diretamente de sua força de trabalho para geração diária de receita, tornando uma eventual internação hospitalar em um período de perda em sua composição de renda”, comenta Bruno Gallo, CEO da Amar Assist.

Gallo acredita numa nova economia, digital, colaborativa e de incentivo pelas maiores startups do Brasil com grandes bases estabelecidas de autônomos e micro-empreendedores, como a 99 Taxi, comprometida em engajar a sua rede de motoristas parceiros pelo seu novo programa de benefícios, o Somos 99.

Primeiros beneficiados

O conceito inovador e inclusivo do produto foi reconhecido pela 99, empresa brasileira de mobilidade urbana, que passou a oferecer o serviço a motoristas cadastrados no aplicativo. A parceria, parte do programa Somos 99, que já está presente em Recife, Salvador, Fortaleza e Rio de Janeiro. O lançamento nacional está previsto para os próximos meses.

Corretores de SP contam com treinamento gratuito da Affinity Seguro Viagem 387

Elisandra Morel é gestora nacional do Departamento de Corretoras da Affinity / Divulgação

Encontro acontece no dia 17 de julho, no auditório da empresa

O Departamento de Corretoras da Affinity Seguro Viagem fará o segundo treinamento do ano na capital paulista. A capacitação, com vagas limitadas, é gratuita e voltada para a formação de corretores de seguro de São Paulo. Ela acontece no próximo dia 17 de julho, no auditório da empresa, e vai debater temas como “Qual será o futuro do corretor de seguros?” e “O que podemos fazer para inovar nesse setor?”.

“Nosso maior desafio é levar ferramentas e conteúdo relevante para esse profissional, que possui não somente o seguro viagem em seu portfólio, mas inúmeros outros. Portanto, a reciclagem se faz necessária, principalmente no atual momento em que vivemos. Inovar é preciso e estar capacitado é uma obrigação”, avalia Elisandra Morel, gestora nacional do Departamento de Corretoras da Affinity.

Estão confirmados três palestrantes. Egídio Verza, especialista do Canal Corretor da Affinity Seguro, apresentará novidades, técnicas de vendas e ações aplicadas à serviço de diversos stakeholders, que caracterizam e impulsionam os negócios no ambiente de rede. Já Nélio Costa, um dos fundadores da Liberta Aí, plataforma de educação e planejamento financeiro interativa e personalizada, trará um conteúdo focado em como o corretor de seguros pode aumentar as fontes de receita com diferentes estratégias. Por fim, Felipe Coniglio, owner na empresa Go English School, abordará um novo conceito no aprendizado de idiomas, além de ideias para aumentar o network, buscando novos mercados e parceiros.

A Affinity vem, ano a ano, ampliando o seu investimento na área de treinamento. A empresa possui um canal exclusivo para a formação de conteúdo totalmente online, em que o profissional do turismo ou de seguro, acessa, seja no conforto de sua casa ou em seu ambiente de trabalho, e se alimenta de material pertinente ao seu mercado.

“Sabemos que hoje o tempo de todo profissional é curto, diante de tantos desafios e atribuições. Estudar e se reciclar faz parte de qualquer profissão, e ter uma ferramenta disponível 24h por dia é de suma importância. Contudo, mesmo com toda estrutura de treinamentos online, não abrimos mão dos treinamentos presenciais, onde além de debatermos o conteúdo, podemos fazer o que mais gostamos: relacionamento e networking”, salienta Morel.