Economia cresce 1,31% em fevereiro 540

Para completar, taxa de juros deve cair 1%

A economia brasileira cresceu pelo segundo mês consecutivo em fevereiro, desempenho bem acima do esperado pelo mercado, mostrou o Banco Central nesta segunda-feira, sinalizando um início da retomada no país após dois anos de profunda recessão. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), cresceu 1,31 por cento em fevereiro sobre janeiro, em dado dessazonalizado.

Reprodução

Pesquisa Reuters com analistas apontava expectativa de avanço de 0,55 por cento no período, com as projeções variando de queda de 0,30 por cento e alta de 1,40 por cento.

Em outra frente, o BC melhorou a performance de janeiro para alta de 0,62 por cento frente a dezembro, após ter divulgado contração de 0,26 por cento anteriormente.

“De fato há sinais de melhora da atividade que começa a se disseminar por alguns setores, mas é preciso um pouco de cautela por conta das mudanças de cálculo do IBGE nas pesquisas”, avaliou o economista da Tendências Silvio Campos Neto, para quem o PIB deve crescer 0,1 por cento no primeiro trimestre.

Os dados positivos vieram na esteira de mudança na metodologia de cálculo pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre os setores de serviços e de varejo, cujo ano base para comparações passou a ser 2014, e não mais 2011, beneficiando positivamente os resultados.

O IBC-Br incorpora projeções para a produção no setor de serviços, indústria e agropecuária, bem como o impacto dos impostos sobre os produtos. Na comparação com fevereiro de 2016, o índice subiu 0,48 por cento. No acumulado em 12 meses, houve queda de 3,68 por cento, sempre em números dessazonalizados. O maior ímpeto da atividade em fevereiro teve como pano de fundo crescimento de 0,7 por cento no volume do setor de serviços sobre janeiro, com destaque para aqueles prestados às famílias.

A produção industrial também ficou no campo positivo, com alta de 0,1 por cento sobre o mês anterior, mas frustrando expectativas de expansão mais vigorosa.

Por sua vez, as vendas no varejo surpreenderam negativamente em fevereiro, recuando 0,2 por cento por conta da pressão exercida pela fraqueza em supermercados. Por outro lado, o IBGE revisou o dado de janeiro sobre o mês anterior para alta de 5,5 por cento após divulgar originalmente perda de 0,7 por cento. No primeiro bimestre, o IBC-Br caiu 0,38 por cento em desempenho dessazonalizado.

Selic deve sofrer corte de 1 ponto percentual

Economistas de instituições financeiras veem manutenção do ritmo de corte da Selic na próxima reunião do Banco Central, diante das expectativas cada vez mais baixas para a inflação, mostrou a pesquisa Focus do BC nesta segunda-feira.

O levantamento mostra que a previsão é de que em maio, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne novamente, o BC voltará a reduzir a Selic em 1 ponto. Para o final do ano e 2018, as estimativas não mudaram, de que a taxa básica de juros terminará a 8,5 por cento.

O Top-5, grupo que reúne aqueles que mais acertam as previsões, também continua vendo a Selic a 8,5 por cento tanto no fim de 2017 quanto de 2018.

Na semana passada, diante da perda de força da inflação e em meio à atividade econômica ainda fraca, o BC acelerou o passo e reduziu a Selic em 1 ponto percentual, para 11,25 por cento ao ano. Até então, haviam sido duas quedas de 0,25 ponto cada e outras duas de 0,75 ponto.

No comunicado, O BC considerou o atual ritmo de corte da taxa “adequado”, mas ressaltou que a “atual conjuntura econômica recomenda monitorar a evolução dos determinantes do grau de antecipação do ciclo”.

Agora, os especialistas aguardam a divulgação da ata dessa reunião, na terça-feira, para calibrar suas apostas.

A perspectiva para a inflação este ano permaneceu em trajetória de queda no levantamento com uma centena de especialistas, recuando 0,03 ponto percentual, para 4,06 por cento. Para 2018 também houve redução, com o IPCA subindo 4,39 por cento, sobre 4,46 por cento anteriormente.

Em relação à economia, os economistas veem agora crescimento de 0,40 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017, 0,01 ponto percentual a menos, mantendo a expectativa de expansão de 2,5 por cento no ano que vem.

Veja abaixo as principais projeções do mercado para a economia brasileira, de acordo com a pesquisa semanal do Banco Central com cerca de 100 instituições financeiras.

D’Or Talks convida presidente da Associação dos Supermercadistas do Rio 1173

Fabio Queiroz participa de bate-papo especial na live da D’Or Consultoria

A D’Or Talks desta semana traz o presidente da Associação de Supermercadistas do Rio de Janeiro (Asserj), Fabio Queiroz. A live será nesta quarta-feira, 8, às 17h30min, no canal da D’Or Consultoria no Youtube (youtube.com/dorconsultoria).

O convidado irá compartilhar com o público um pouco da sua experiência à frente da entidade, que atua há mais de 50 anos na defesa do setor supermercadista. Durante a pandemia, essa importância cresceu, tendo em vista que os supermercados figuram na lista de serviços essenciais que nunca pararam com o isolamento social. A mediação da live será do diretor executivo da D’Or Soluções, Guilherme Malaquias, que também irá selecionar perguntas para serem respondidas ao vivo. A D’Or Talks foi criada pela D’Or Consultoria durante o período de pandemia do coronavírus, para compartilhar conteúdos e informações que possam ajudar a todos a passarem por este momento da melhor maneira possível.

Fundada em 1977, a Rede D’Or São Luiz tem presença em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Distrito Federal, Pernambuco, Maranhão, Sergipe e Bahia. O Grupo opera com 50 hospitais, sendo 49 próprios e um hospital sob gestão. A Rede tem 7 mil leitos operacionais, com planos de chegar a 11 mil leitos até 2022. São, ao todo, 51,1 mil colaboradores e 87 mil médicos credenciados, que realizaram cerca de 1,2 milhão de atendimentos de emergência, 254 mil cirurgias, 32 mil partos e 383 mil internações nos últimos 12 meses, além de 9,6 mil cirurgias robóticas desde o início do serviço, há cinco anos.

Oferta de cargas para transporte no país cresce 91% em junho 1391

​Percentual de crescimento em relação a maio é analisado, em nota, pela logtech Cargo X

A Cargo X, logtech (startup de tecnologia para logística) que conecta cargas a transportadores, constatou ao longo de junho uma forte retomada na economia com um aumento expressivo de 91% em relação a maio na oferta de cargas em sua plataforma para serem transportadas pelas estradas brasileiras. Entre as indústrias que registraram maior crescimento no período estão o agronegócio, com 55% de aumento, construção, com 35%, e produtos industrializados, com 20%.

Durante junho, o número de novas empresas utilizando o marketplace para buscar cargas na plataforma dobrou em relação a junho do ano passado, um indicativo claro de que as empresas que gerenciam frotas de caminhões estão dando preferência aos canais digitais para fechar negócios e evitar a perda de receita com veículos rodando vazios na viagem de volta.

“Já estamos sentindo um reflexo da pandemia que irá transformar completamente a estrutura de custos dos embarcadores e transportadores. As empresas do setor estão em busca de aprimorar a eficiência operacional e o que vimos foi uma rápida aceleração da transformação digital com um número muito maior de empresas acessando nosso marketplace, para ofertar e procurar cargas”, assinala o CEO da Cargo X, Federico Vega.

Logo no início da pandemia a disponibilidade de cargas na Cargo X teve súbita aceleração, com crescimento de 40% em março na comparação com março de 2019, consequência da tentativa de antecipação das viagens pelo receio dos embarcadores de não conseguirem deslocar as cargas. De fato, a grande concentração do transporte no Brasil no modal rodoviário trouxe impacto bastante negativo nos meses seguintes, registrando queda de 50% na comparação com a média do primeiro trimestre no volume transportado. “Na medida em que a flexibilização avança, o movimento de cargas começa a ter uma recuperação em volume bastante consistente, principalmente pelo escoamento da demanda que estava reprimida”, analisa Vega.

Emissão de carbono

A indústria de transportes já vinha se digitalizando antes da pandemia. Mas, segundo o CEO da Cargo X, ainda havia margem muito grande para o uso da tecnologia, que vem crescendo nos últimos meses, em razão da necessidade de transportar cargas com segurança sem precisar deslocar profissionais aos postos de abastecimento. “A tendência é eliminar o desperdício com caminhões rodando vazios nas viagens de retorno, o que também gera um benefício ambiental, com a diminuição das emissões de carbono”, ratifica. Segundo o executivo, o trabalho agora pode ser acompanhado digitalmente, reduzindo a necessidade de o transportador ficar circulando atrás de cargas e de montar pontos de apoio nas estradas.

SOBRE A CARGO X

Fundada em 2013, a Cargo X foi idealizada por Federico Vega, executivo que fez carreira no mercado financeiro internacional e fundou no Brasil a empresa Sontra, que conecta fretes e caminhoneiros. A empresa hoje trabalha com uma rede de 20 mil empresas de transportes e 400 mil caminhoneiros.

Argo Seguros apresenta novidades ao CCS-RJ 1203

Live voltada aos corretores fluminenses será transmitida nesta quarta-feira, às 16 horas.

Atendendo a pedidos e identificando o potencial dos canais digitais, a diretoria da Argo Seguros decidiu ampliar o acesso dos parceiros às informações da empresa. Como o tradicional almoço do Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ) tem a realização vetada por conta da pandemia, o encontro online será aberto a quem quiser participar – e em horário de expediente. Com inscrições gratuitas, a Argo promove, nesta quarta-feira, 8, às 16 horas, uma live para os associados do Clube e demais profissionais do mercado de seguros.

Durante cerca de uma hora, Newton Queiroz, CEO e presidente, e Bruno Porte, diretor de TI e Operações, irão mostrar as funcionalidades do Argo Digital e os serviços disponíveis para os corretores e os principais produtos da seguradora, incluindo o Instant, o primeiro seguro para automóveis 24 horas do Brasil.

“É uma excelente oportunidade para conversar com alguns dos principais corretores do mercado segurador fluminense e apresentar as novidades e ferramentas que disponibilizamos, para que eles possam vender mais, em menos tempo. Acreditamos que esse será apenas o início de uma grande relação que planejamos manter com o CCS-RJ“, destaca Queiroz.

“Queremos atuar como um facilitador das informações das seguradoras, para que todos possam ficar por dentro das iniciativas que existem para auxiliar o corretor. Não temos dúvida de que o encontro será muito oportuno e proveitoso para todos que participarem”, convida Sonia Marra, diretora do CCS-RJ.

Com inscrições abertas no endereço https://bit.ly/live-connection-08-06, a live conta com o apoio da Educa Seguros e faz parte da programação de aquecimento para o primeiro grande evento do Clube, o CCS-RJ Connection, que este ano será 100% online.​

Porto Seguro Cartões agora oferece parcelamento em até 12 vezes sem juros para contratação de seguros 1528

Condição é válida para Ramos Elementares, Porto Seguro Auto (Individual e Auto Frota) e Azul Seguro Auto

A novidade tem objetivo de viabilizar mais negócios para os corretores e benefícios para os clientes Porto Seguro, facilitando a aquisição através do parcelamento em 12x sem juros. Para os demais Cartões, o parcelamento permanece em 6x sem juros, para os seguros Porto Seguro Auto, Azul Seguro Auto, Condomínio, Empresa e Residência.

Desde o dia 29 de junho, a contratação ou renovação dos seguros Porto Seguro Auto e Azul Seguro Auto, podem ser parcelados em até 12x sem juros com o Cartão Porto Seguro. A mesma condição de parcelamento começa a valer a partir do 1 de julho para os produtos de Ramos Elementares (Bike, Empresa, Equipamentos Portáteis, Máquinas e Equipamentos, Residência, Responsabilidade Civil Geral e Profissional, Responsabilidade Civil Administradores – D&O e Riscos de Engenharia). Importante reforçar que a condição especial é válida para todo o Brasil e por tempo indeterminado.

Essa novidade soma-se aos demais benefícios do Cartão Porto Seguro, como 10% de desconto na contratação do Cartão junto com os seguros: Porto Seguro Auto, Azul Seguro Auto, Empresa e Residência. E, para quem já possui o Cartão, o desconto é de 5% na contratação ou renovação dos seguros: Porto Seguro Auto, Azul Seguro Auto, Bike, Empresa e Residência.

Além dos benefícios citados acima, utilizando o Cartão Porto Seguro os clientes podem acumular pontos no Programa de Relacionamento para adquirir ainda mais descontos em outros serviços. Por exemplo, em caso de sinistro, o cliente conta com até 25% de desconto na franquia utilizando uma das oficinas referenciadas da Porto Seguro, utilizando os pontos apenas como base de cálculo e o cliente poderá parcelar o valor em até 6X sem juros.

O diretor da Porto Seguro Financeira, Ricardo Kaoru, explica que essa iniciativa faz parte de uma mobilização interna para buscar soluções que possam proporcionar boas oportunidades de negócios para parceiros e clientes, principalmente neste momento, no qual todos precisam se apoiar. “Reunimos os produtos dentro de casa e, com alegria, anunciamos mais essa novidade que vai proporcionar economia e incentivo para impulsionar os negócios”, pontua Kaoru.

Executivos apontam modificações no mercado de seguros em razão da pandemia 1600

Alterações no comportamento do consumidor foram destaque em live com integrantes da Sancor Seguros e CVG RS

Rafael Leonel, da Sancor.

Hoje precisamos ter estratégias imediatas, fugindo do padrão de estratégias somente de curto ou de longo prazo. Essa é uma das tantas frases marcantes proferidas durante a Webinar – Oportunidades e Inovações em Seguros de Pessoas, promovida pela Sancor Seguros na noite da última segunda-feira, 6. O autor da frase é José Inácio Vergara, gerente da Sancor Seguros e um dos debatedores da live que, a exemplo dos outros dois participantes, Rafael Leonel, diretor da Sancor, e Andreia Araújo, presidente do CVG RS, discorreram sobre efeitos da pandemia no mercado segurador brasileiro.

No painel, os palestrantes enfatizaram os indicativos de mudança de prioridade dos consumidores, com a contenção da demanda por seguros de automóvel e o despertar do interesse por mais informação sobre ramo de Vida. Andreia Araújo lembrou que o seguro de pessoas já vinha crescendo desde 2016, com ápice em 2019, quando ele superou o seguro Auto na quantidade de novas comercializações.

A presidente do Clube de Seguros de Vida e Benefícios do Rio Grande Sul enfatizou, contudo, que até o começo da pandemia a prioridade de contratação para os consumidores ainda era pela carteira de automóvel, mas a partir de março a procura por seguros de pessoas cresceu de forma visível.

José Inácio Vergara, da Sancor.

“Houve o despertar da pior maneira possível, em razão da pandemia, mas está ocorrendo o esperado interesse do brasileiro pelo seguro de vida”, destacou a palestrante. Rafael Leonel comentou que, há 10 anos, quem fazia campanhas de seguro de vida junto aos corretores eram somente seguradoras especializadas neste ramo, o que está mudando. “Seguradoras generalistas hoje já buscam sensibilizar os corretores da importância de seguros de Vida”. Ele lamenta que essa mudança de cultura tenha ocorrido de forma abrupta e dolorosa para todo o mundo. “Ou se aprende no amor, ou se aprende na dor”, parafraseou um clássico ditado, enfatizando que a pandemia acelerou uma tendência que já está latente no mercado.

Tecnologia
Outra movimentação nova que teve destaque na webinar foi a importância da tecnologia como recurso para que os operadores do mercado securitário dessem continuidade ao trabalho, de abril em diante. Houve entre os painelistas unanimidade de que todos os setores do segmento insurance, se ainda não estão adaptados, irão se adaptar ao avanço da tecnologia. Os três tiveram consenso também de que a proliferação das ferramentas digitais será irreversível mesmo depois da pandemia.

Mas acrescentaram que o contato pessoal ainda terá lugar de destaque na interação entre seguradores e corretores e entre corretores e clientes. O que vai ocorrer é uma convivência entre o trabalho digital e o presencial, entendem os palestrantes. “Mesmo com toda a tecnologia, ainda o ser humano precisa da troca entre as pessoas”, sintetizou Andreia.

Entre outros pontos da webinar, cabe mencionar os comentários sobre a importância dos serviços de teleconsulta, no tocante à redução de despesas com a sinistralidade do seguro saúde e no que diz respeito a preservar o paciente. Destaque ainda a forte tendência de desburocratização que o setor de seguros irá passar, em decorrência do novo comportamento do consumidor.