Por que investir em franquias de seguros de vida? 3390

Consultor Executivo de franquias do Grupo Life Brasil fala sobre as vantagens para quem quer ter seu próprio negócio

Os números divulgados pela Associação Brasileira de Franchising no início de novembro mostraram o crescimento do segmento de franquias no Brasil. Hoje em dia, o investimento em um negócio que já está consolidado no mercado muitas vezes pode ser o primeiro passo para quem quer se tornar um empreendedor. Para ilustrar isso, o Consultor de Franquias do Grupo Life Brasil, Luís Felipe Dias Rego, destacou os pontos essenciais para explicar o porquê investir no setor de franquias, especialmente no mercado de seguro de pessoas.

Felipe Pereira da Silva concluiu o treinamento no Grupo Life Brasil e já iniciou sua franquia. Divulgação

Segundo Felipe, na maioria das vezes quem decide iniciar um negócio por conta própria acaba esbarrando nas dificuldades do mercado, justamente por não ter experiência naquilo que se quer investir. Ou seja, a grande diferença entre iniciar um negócio do zero e adquirir uma franquia está no aprendizado, ensinamentos, metodologia e a proposta de mostrar a experiência com base naquilo que já foi realizado. E são essas características que estão atreladas aos grupos que trabalham com o sistema franquias, exatamente pelo fato de já possuírem uma experiência de mais de 10 anos no mercado. “As empresas que oferecem a oportunidade de estabelecer franquias já passam o seu know how do negócio. Elas já determinam um caminho e um rumo para que você tenha sucesso, e também já lhe dão as dicas do que não fazer para que nada possa dar errado”, destacou Felipe.

Dessa forma, o Consultor explica que o tempo e dinheiro que um empreendedor levou anos para juntar e iniciar o seu negócio pode ser investido em uma franquia, pois ela já dá o direcionamento, as diretrizes e tudo o que deu certo baseado na sua trajetória de sucesso. Mas por que investir e abrir uma franquia de seguro de vida? Se por um lado o setor de franquias cresce cada vez mais no Brasil, o mercado segurador é outro que apresenta índices de crescimento no país. Segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada (FenaPrevi), só no primeiro semestre de 2017 o segmento de seguro de pessoas cresceu 10,96% em relação aos primeiros seis meses do ano de 2016. Isso significa que neste ano foram gerados R$ 16,68 bilhões pagos pelas pessoas que contrataram algum tipo de cobertura oferecido pelo seguro de vida.

E os motivos para se investir no ramo segurador são favoráveis não só financeiramente, mas também pela sua contribuição para as pessoas. Conforme salienta Luís Felipe, além de ser o mercado que traz uma melhor remuneração, ele também contribui para a sociedade, já que nos dias atuais a crise afeta o bolso das pessoas e o aumento da violência faz com que elas se preocupem cada vez mais com o seu futuro e o futuro da sua família. “Nesse negócio, o franqueado de seguro de pessoas garante um patrimônio blindado, uma vida segurada e ainda tem renda uma recorrente. Hoje, o mercado de seguros é o único que dá uma recorrência mensal enquanto o cliente continuar pagando”, disse.

O Grupo Life Brasil é uma das empresas que aderiu ao sistema de franquias. A holding especializada em seguro de pessoas possui 19 anos de mercado e conta com a maior carteira individual de seguro no Brasil. Além disso, administra 24 empresas, fazendo com que seja o maior grupo que atua no segmento de seguro de vida no Brasil. Através da Life Brasil Franchising, oferece a oportunidade para quem quer adquirir uma franquia de seguro de pessoas.

Para fazer com que seus franqueados possam ter sucesso no negócio, o Grupo traz como diferencial a geração de renda recorrente, o entendimento do mercado por trabalhar exclusivamente com seguro de pessoas e o trabalho e desenvolvimento das franquias. “Nosso objetivo é fazer o franqueado ser dono do seu próprio negócio a partir das diretrizes que passamos e toda a metodologia de sucesso do Grupo, sem contar que é um mercado que oferece muitas oportunidades para fechar negócios, esteja onde você onde estiver”, frisou Luís Felipe.

Varejo digital no Brasil fatura mais de R$ 32 bilhões no 1º semestre de 2019 356

Varejo digital no Brasil fatura mais de R$ 32 bilhões no 1º semestre de 2019

E-commerce nacional tem alta de 16,3% de faturamento na primeira metade do ano

O mercado digital brasileiro gerou R$32,1 bilhões no 1º semestre deste ano, o que representa um crescimento de 16,3% sobre o mesmo período do ano anterior. Os dados são do relatório NeoTrust, elaborado pelo Compre&Confie, empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce, em parceria com o E-commerce brasil.

O relatório traz uma visão 360° do varejo online, com intuito de oferecer ao mercado compreensão e clareza no segmento do e-commerce. Traduzindo em números, no 1º semestre de 2019 houve um total de 76,5 milhões de pedidos, contra 66 milhões no período do ano passado.

Já o tíquete médio teve leve aumento de 0,3%, com uma média de R$420,3 gastos na primeira metade de 2019, ante R$419 reais por pedido no mesmo período do ano anterior.

No Brasil, cerca de 19,7 milhões de consumidores fizeram pelo menos uma compra virtual no 1º semestre de 2019, o que representa um aumento de 35,8% em relação ao primeiro semestre de 2018.

A partir do dia 18/07, o relatório NeoTrust estará disponível no site do Compre&Confie e no aplicativo da companhia. Com a maior abrangência no monitoramento de dados reais de vendas do mercado brasileiro, o NeoTrust é o censo no mercado de e-commerce do país.

Clube da Bolinha recebe novo confrade 140

Encontro aconteceu no Centro do Rio

Clube da Bolinha recebe novo confrade
Clube da Bolinha recebe novo confrade / Divulgação

Aconteceu ontem, dia 16 de julho, mais um jantar do Clube da Bolinha, no Restaurante Aspargus, no Centro do Rio. Neste mês, o encontro foi realizado, excepcionalmente, na terceira terça-feira do mês.

Mesmo com a chuva e ventania na cidade, o encontro contou com a presença de 15 confrades. Alexandre Leal, o mais novo Bolinha, recebeu o pin de seu padrinho, Danilo Silveira, que aproveitou a ocasião para ressaltar que, apesar do seu recente convívio com Alexandre, nutre profunda admiração pelo seu trabalho à frente da Diretoria Técnica da CNseg, bem como pela sua forma de relacionar com todos.

No sorteio do aniversariante do mês, o contemplado com a tradicional caneta foi o confrade Marcello Hollanda.

O Clube da Bolinha do Rio de Janeiro é uma confraria criada por membros do mercado segurador que se reúne mensalmente para trocar ideias, estreitar o networking e ter um momento de lazer. A Reitoria 2018/2020 é composta por Neival Fritas, Gloria Faria e Gilberto Villela.

Mongeral Aegon tem nova superintendente de Comunicação 390

Mongeral Aegon tem nova superintendente de Comunicação

Mirella Lavrini é formada em Relações Públicas pela Faculdade Cásper Líbero e tem MBA em Finanças pelo Insper

A seguradora Mongeral Aegon tem nova superintendente de Comunicação. Mirella Lavrini é formada em Relações Públicas pela Faculdade Cásper Líbero e tem MBA em Finanças pelo Insper. A executiva acumula mais de quinze anos de experiência em áreas de comunicação e marketing, com passagem de grandes empresas como Netshoes, Pernambucanas, Vivo e Wal-Mart Brasil.

Mirella será responsável pela gestão da marca do grupo Mongeral Aegon e pelas equipes de Comunicação e TV Corporativa. A superintendente reporta diretamente ao diretor de Marketing e Afinidades, Nuno Pedro David.

Reservas dos planos de previdência privada batem a marca de R$ 873,1 bilhões em maio 483

Reservas dos planos de previdência privada batem a marca de R$ 873,1 bilhões em maio

Valor é 11,0% maior que registrado no mesmo período do ano anterior, aponta FenaPrevi

Os planos de previdência privada aberta fecharam o mês de maio com R$ 873,1 bilhões em reservas, volume 11,0% superior registrado no mesmo período do ano anterior, segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), entidade que representa 67 seguradoras e entidades abertas de previdência complementar no país.

De janeiro a maio, as contribuições somaram R$ 45,7 bilhões, resultado 3,7% superior aos cinco primeiros meses de 2018, quando totalizaram R$ 44,0 bilhões. A captação líquida seguiu com saldo positivo de R$ 15,5 bilhões.

Na análise por tipo de contratação de planos, a modalidade individual respondeu por R$ 40,1 bilhões das novas contribuições, os planos para menores por R$ 740 milhões, e os planos coletivos registram R$ 4,8 bilhões em novas contribuições. Em relação às famílias de produtos, segundo a FenaPrevi, o VGBL recebeu R$ 41,6 bilhões e o PGBL R$ 3,7 bilhões dos aportes. Já nos planos tradicionais, as contribuições foram de R$ 300 milhões.

Diversificação de portfólio

Segundo a FenaPrevi, os participantes estão se deslocando gradativamente para fundos multimercado em busca de maior rentabilidade. Até maio deste ano, 11,6% dos recursos foram alocados nesta modalidade. O índice era de 10,2% em 2018; 8,1% em 2017; e 5,7% em 2016. “A trajetória de juros baixos tem exercido forte influência na estratégia de alocação das reservas dos planos de previdência privada pelos participantes, que estão buscando fundos de maior risco e rentabilidade”, avalia Jorge Nasser, presidente da FenaPrevi.

Os dados da federação mostram que de janeiro a maio foram contabilizados 13,2 milhões de pessoas com planos de previdência, sendo 10,1 milhões de participantes com planos individuais e 3,1 milhões com planos coletivos (oferecidos em forma de benefícios aos colaboradores, e planos contratados por sindicatos e associações de classes para adesão de seus associados). O total de 13,1 milhões de participantes representa hoje 6,27% da população.

Seguradora corporativa do Grupo Allianz apresenta nova líder na América do Sul 365

Glaucia Smithson é a nova CEO da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) na América do Sul / Divulgação

Glaucia Smithson junta-se ao time da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) como CEO América do Sul

Allianz Global Corporate & Specialty SE (AGCS), a seguradora corporativa do Grupo Allianz, aponta nova líder regional para seus negócios na América do Sul: em 12 de agosto, Glaucia Smithson assume o posto de CEO América do Sul, sucedendo Angelo Colombo, que deixa a AGCS em alguns meses. Em seu novo papel, ela se reportará a Sinéad Browne – Chief Regions and Markets Officer. A partir do escritório em São Paulo, Glaucia irá liderar a estratégia da companhia como resseguradora Allianz Global Corporate & Specialty Resseguros Brasil S.A. (AGCS Brasil), cujo foco é o crescimento sustentável no Brasil e em outros mercados sulamericanos como Chile, Argentina e Colômbia. Este anúncio está sujeito a aprovações regulatórias.

Glaucia chega a AGCS vinda da Zurich Brazil, onde era Diretora de Seguros Empresariais, Vida, Corporativo e Previdência, bem como CEO da Zurich Resseguros Brasil. Como parte deste duplo enfoque ela liderou a estratégia da empresa, visando o crescimento rentável e gerenciando relacionamentos importantes com grandes clientes e corretores, bem como apoiando as operações de seguros da Zurich Brasil. Em mais de 10 anos na Zurich, trabalhando no Reino Unido e Brasil, ela assumiu papeis cada vez mais seniores dentro da subscrição, incluindo Diretora de Linhas Empresariais e Chief Underwriting Officer.

Chief Regions and Markets Officer Sinéad Browne comenta “ Estou muito feliz porque teremos Glaucia liderando nosso time América do Sul, um de nossos mercado-chave em crescimento. Ela traz consigo mais de 20 anos de experiência em seguros, tanto em nível Brasil quando globalmente, e possui a perspectiva estratégica e a abordagem focada no crescimento que nos ajudarão a aumentar o sucesso que temos na América do Sul. Aproveito para agradecer ao Angelo pela liderança da companhia nos últimos anos. Seu papel foi fundamental para lançarmos e expandirmos nossa presença na América do Sul e construirmos o forte time que temos ali”.

AGCS Brasil começou em 2013 e está sediada em São Paulo. Atendendo a clientes de toda a América do Sul e também seguradoras locais, oferece subscrição especializada e experiência no resseguro de apólices individuais ou como parte de um programa global. Suas soluções abrangem uma ampla gama de riscos corporativos como patrimonial, responsabilidade civil, engenharia, transportes, linhas financeiras, energia e aviação. A unidade de negócios América do Sul, que emprega cerca de 50 colaboradores, contribuiu com aproximadamente EUR 100 millhões em prêmios brutos do volume total subscrito pela AGCS globalmente em 2018 (EUR 8.2 bilhões).

Divulgação
Divulgação