Resoluções sobre seguro auto popular e meios remotos passam a valer 2768

Novas regras para o ‘Auto Popular’ já estão vigentes; ‘Meios remotos’ no dia 20

Por meio das Resoluções CNSP 354 e 359, publicadas no final de dezembro de 2017, no Diário Oficial da União (DOU), a Superintendência de Seguros Privados (Susep) divulgou as novas regras e critérios para a comercialização do seguro popular de automóvel, o ‘auto popular’, e para as operações por meios remotos.

Seguro Popular de Automóvel

Com a alteração da Resolução CNSP 336/2016 as seguradoras já podem ofertar o produto apenas com a opção de rede referenciada como escolha para a reparação de veículos sinistrados. Além disso, houve o acréscimo do artigo que dispõe que a seguradora poderá fixar uma idade mínima de veículo e a alteração do artigo que enfatiza a possibilidade de utilização de peças novas. Diante dessa revisão e no que tange os direitos e os deveres do consumidor, foram propostos outros dois artigos: 1) que exige a ciência do segurado quando o mesmo estiver contratando um produto que possua apenas a rede referenciada como opção de reparação; e 2) que reafirma a responsabilidade das companhias seguradoras quanto às informações e propagandas divulgadas a respeito dos produtos que comercializa.

De acordo com o Superintendente da Susep, Joaquim Mendanha de Ataídes, o produto tem como objetivo aumentar a oferta do seguro de automóvel para os consumidores que possuem automóveis com idade mais avançada e trazer para o setor de seguros consumidores que não possuem condição de contratar o produto tradicional. “Com a possibilidade de o mercado oferecer um produto apenas com a opção de reparação em uma rede referenciada de oficinas, há a tendência de redução e controle maior dos custos pelas seguradoras e a possibilidade de mais companhias comercializarem o ‘auto popular’”, explicou Joaquim Mendanha, ressaltando que com as alterações aprovadas, a Susep espera que o custo final do seguro reduza para o consumidor. “O produto também é uma importante ferramenta de combate ao mercado marginal”, pontuou.

A Resolução passa a vigorar a partir da data da sua publicação.

Meios Remotos

Entre as principais mudanças, a alteração da Resolução CNSP 294/2013 permitirá a utilização dos meios remotos para contratos coletivos de seguro e previdência. Além disso, possibilitará o uso de meios remotos para avisos de sinistro, solicitações de resgate, concessão de benefício, portabilidade, alteração de beneficiário (s) e outras solicitações que impliquem na alteração ou no encerramento da relação contratual. A edição do novo normativo promoverá a redução dos custos operacionais das seguradoras e das Entidades Aberta de Previdência Complementar (EAPCs), possibilitando a oferta de produtos menos custosos ao consumidor.

Esta Resolução passa a valer a partir do dia 20 de janeiro, 30 dias após sua publicação.

Executivo do Grupo Pentagonal ministra curso sobre franquias no Sincor-RJ 320

Executivo do Grupo Pentagonal ministra curso sobre franquias no Sincor-RJ

Aulas foram ministradas entre os dias 19 e 22 de março

O mercado de franchising teve destaque em mais um curso realizado pelo Sincor-RJ,  contou com a participação do CEO do Grupo Pentagonal, Bernard Biolchini. Com o tema, “Franquia de corretora de seguros – Branding: a nova tendência do mercado segurador no Brasil”, as aulas foram realizadas no auditório do sindicato entre os dias 19 e 22 de março.

As apresentações contaram com uma explicação detalhada sobre o mercado de franquias adaptado ao setor de seguros, dos conceitos aos modelos de negócios. Temas abordados: o bom empreendedor; o que é uma franquia; a importância da marca, reinventar a roda ou comprar uma pronta?; posso ser um franqueador?; perfil do franqueador; pós e contras de ser um franqueado; importância de ter o perfil correto na posição correta; Lei de Franquias (Lei nº 8.955, de 15/12/1994; Desafios e riscos de franqueadores no mercado de seguros e seus cases de sucesso; Bons Franqueadores e bons franqueados: como identificar?

Os alunos compreenderam todo tramite de abertura de uma franquia adaptada ao setor de seguros, dos conceitos aos modelos de negócios. Bernard Biolchini direcionou as aulas com o formato dinâmico, onde além de relatar sua experiência profissional, conduziu as apresentações interagindo com os participantes demonstrando todos os detalhes que envolvem franchising e o seguro. “Agradeço a todos os participantes que pude conhecer melhor durante os quatro dias de curso e que me deram a oportunidade de passar não somente a minha visão do mercado, como também a responsabilidade de quem resolve tomar a frente de um grupo nessa empreitada e ser franqueador. Tudo que se relaciona a franquia e o mercado de seguros exige conhecimento e empenho não só para implantar o modelo de negócio franquia, mas é essencial dar suporte ao franqueado no que diz respeito ao planejamento comercial e os métodos de condução do funcionamento da franquia. Durante o curso, todos tiveram acesso aos detalhes com objetividade em relação a como essa nova tendência funciona e o quanto ela é rentável”, declarou.

Bernard Biolchini iniciou sua carreira adquirindo expertise no mercado de franquias, quando atuou como Controller do Mc Donald’s. Formado em Administração com MBA em Finanças pelo IBMEC, o executivo também é corretor de seguros e em seis meses, desenvolveu a primeira cripto moeda corporativa brasileira, voltada para contratos inteligentes. O CPZ é um Token ERC20 no Blockchain da Ethenerum, com 1 milhão de moedas emitidas.

Sincor-RJ realiza primeiro curso no horário noturno 300

Sincor-RJ realiza primeiro curso no horário noturno

Aulas começam no mês de abril e serão realizadas no Centro de Ensino Kuantta

Atendendo ao pedido dos alunos, a Diretoria de Ensino vai promover um curso no mês de abril, no período da noite. As aulas com o tema “Como Gerenciar Grandes Riscos e Sinistros acontecem de 1 a 5 de abril, das 18h15min às 21h, no Centro de Ensino Kuantta que fica na Rua do Mercado 34, 7º andar, no Centro do Rio de Janeiro e será ministrada pelo Professor Carlos Eduardo de Souza, sócio-fundador da Precisa Vistorias.

As apresentações serão divididas em quatro módulos e os participantes vão aprimorar os conceitos durante as aulas. Módulo 1 – Noções Gerais: conceitos básicos do seguro, direito do seguro e seguro incêndio. Módulo 2 – Inspeção de riscos de propriedade: a teoria do fogo, a propagação de calor em um incêndio, as propriedades físicas e químicas das substâncias (ponto de fulgor, de combustão, auto ignição, limites de explosividade, incompatibilidade de substâncias), sistemas de prevenção a incêndios e as prevenções passivas e ativas (regras, orientações, layout e combate efetivo). Módulo 3 – Subscrição e Inspeção de Riscos de Propriedade: aplicação do relatório de inspeção na análise de aceitação e subscrição de riscos, características construtivas e do local onde se situa o risco, ocupação (atividade principal desenvolvida no local segurado), sistemas de prevenção existentes e os descontos cabíveis, brigada de incêndio e o socorro interno, sugestões e recomendações para a melhoria do risco. Módulo 4 – Regulação de sinistros: rotinas e procedimentos, enfoque geral das modalidades, RPR (Relatório Preliminar de Regulação – necessidade da documentação solicitada), critérios de apuração e prejuízos, VR, depreciação e indenização, controle e acompanhamento do processo, fidelização de clientes diante do bom desempenho de todo trabalho de regulação e liquidação dos sinistros.

Arley Boullosa, diretor de ensino do Sincor-RJ, diz que “os corretores que pretendem atuar em riscos onde existe maior especialização não podem perder o curso que o Carlão irá ministrar. Com mais de 30 nos de mercado, ele é reconhecidamente um dos profissionais que mais conhecem sobre gerenciamento de riscos e regulação de sinistros. Iniciou sua carreira na Bradesco Seguros e hoje a Precisa Vistorias presta serviços para as melhores seguradoras do Brasil. A ementa do curso foi preparada para abordar os temas técnicos e muitos estudos de cases reais que o Carlão acumulou durante tantos anos de trabalho. Além disso ele dará dicas comerciais de como um corretor pode passar a atuar em riscos maiores sem receio de errar na avaliação de riscos e como conduzir da maneira certa as negociações com as seguradoras para conseguir uma precificação adequada. Não tenho dúvidas que o curso irá agregar muito para corretores que pretendem atuar em grandes riscos”.

São Caetano do Sul e Sorocaba conhecem nova Campanha de Incentivo da Previsul 430

São Caetano do Sul e Sorocaba conhecem nova Campanha de Incentivo da Previsul

Lançamentos acontecem nos dias 26 e 27 de março, em São Paulo

Nesta semana, a Previsul Seguradora apresenta a nova Campanha de Incentivo de Vendas 2019 “Sou + Previsul – Dubai: Experiência Completa, emoção nas alturas”, em São Caetano do Sul e Sorocaba (SP). Até maio, a Previsul passará por 27 cidades em 12 estados para apresentar a campanha.

Mais do que incentivo, a Previsul Seguradora aposta no reconhecimento do esforço dos corretores em alcançar cada vez melhores resultados. A companhia está em constante evolução e busca sempre oferecer mais vantagens e benefícios ao corretor, seu principal parceiro na comercialização dos seguros.

“Os corretores são nossos parceiros diários na ampliação da presença da Previsul em todos os cantos do Brasil. Por isso nada melhor do que reconhecer esse esforço com uma viagem para um dos lugares que mais cresce e gera negócios no mundo: Dubai, nos Emirados Árabes Unidos”, afirma a diretora de Negócios e Marketing, Andréia Araújo, citando a nova Campanha de Incentivo de Vendas 2019 “Sou + Previsul – Dubai: Experiência Completa, emoção nas alturas”.

Além disso, desde o último ano, o programa de pontos “Clube Sou + Previsul” possibilita a troca de pontos por prêmios mensais mediante a produção.

Com 112 anos de atuação, a Previsul Seguradora é referência em seguro de pessoas no Brasil. Está presente em 12 estados brasileiros, com aproximadamente 30 pontos de atendimento em todo o país, que oferecem todo o suporte para o corretor, principal parceiro da Previsul.

Seminário reúne profissionais da arquitetura e debate questões como Responsabilidade Civil 316

Seminário reúne profissionais da arquitetura e debate questões como Responsabilidade Civil

Evento aconteceu no dia 21 de março, em uma universidade de Porto Alegre (RS)

Atualmente, o projeto de arquitetura é indissociável do PPCI, seja nas escadas protegidas, distâncias a percorrer, escolha de materiais e outros aspectos técnicos. Isso exige dos arquitetos e arquitetas criatividade nos projetos para entregar um produto funcional, seguro e com qualidade estética.

Preocupados com esta realidade, a Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBEA-RS) preparou um importante seminário com o tema: “Projeto Arquitetônico com requisitos e condicionantes de PPCI”, trazendo conteúdo técnico para que os profissionais de arquitetura possam melhor integrar o PPCI no desenvolvimento dos projetos arquitetônicos.

O evento foi realizado no dia 21 de março na UniRitter Campus Iguatemi e contou com participação de André Jabur Rodrigues, underwritter da Travelers Seguros. “Falando um pouco sobre RC para o profissional arquiteto hoje temos uma questão cada vez mais forte no código civil, onde as pessoas são cada vez mais responsáveis pelos atos que elas praticam. Quando uma pessoa causa dano a um terceiro ela é obrigada a repará-lo, independente da culpabilidade nesse dolo”, explicou o especialista. “De maneira geral, se durante a performance profissional o arquiteto tenha tido algum problema que impacte no proprietário da obra ele pode ser judicialmente acionado para reparar um terceiro, seja por negligência, falta de alguma disposição ou cumprimento de normas, escolha de materiais e indicação de produtos ou até mesmo no caso de refação de uma obra”, completa.

Confira algumas imagens do evento:

“Temos uma revolução em curso”, diz Solange Vieira ao tomar posse na Susep 577

O ministro da Economia, Paulo Guedes, discursa durante a posse de Solange Vieira como superintendente da Susep / Reprodução

Cerimônia que marca primeira mulher no posto de superintendente da autarquia aconteceu na sexta-feira

“Temos uma revolução em curso. As insurtechs aparecem como uma nova forma de fazer e comercializar seguros. Precisamos acelerar a velocidade de novos produtos no mercado”, disse Solange Vieira Paiva ao ser oficialmente empossada como superintendente da Superintendência de Seguros Privados. Trata-se da primeira mulher a ocupar o cargo na autarquia.

Em seu discurso, Solange agradeceu a confiança do ministro da Economia, Paulo Guedes, em seu novo desafio à frente da Susep, e ressaltou a relevância do setor de seguros como um alicerce de crescimento para empresas e grandes segmentos e de proteção ao cidadão.

Segundo ela, é necessário flexibilizar o ambiente regulatório e harmonizar às leis aos avanços tecnológicos. “Precisamos desregulamentar e desburocratizar o setor, aumentar a competição, garantir segurança jurídica e, acima de tudo, tornar o seguro um produto simples e acessível à população”, enfatizou.

Solange Vieira também abordou a baixa participação de seguros, previdência complementar aberta e capitalização no PIB brasileiro, principalmente se comparada a dos Estados Unidos que é de 11%. “Nosso índice de penetração, dado pela relação prêmio/PIB, nos coloca em relação inferior à África do Sul e ao Chile. E quando comparado com o grupo de países em desenvolvimento, estamos na 14ª posição”, pontuou.

A participação do Estado como protagonista do setor de seguros também permeou a exposição da superintendente. “Por que no resseguro ainda temos uma empresa na qual o governo tem golden share e participação de 11,7%? Por que nossa maior seguradora é o Estado, com seguro de crédito à exportação, seguros rurais, de acidente de trabalho, auxílio-doença, dentre outros seguros?”, indagou, afirmando que é necessário reduzir a participação do Estado. “Precisamos de mais Brasil e menos Brasília”, salientou.

Ainda no âmbito governamental, Solange Vieira disse acreditar no trabalho conjunto do Banco Central, da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da Susep para o aprimoramento do mercado de capitais. Outro ponto realçado por ela foi a tecnologia como ferramenta para eficiência financeira e operacional. “Temos uma revolução em curso. As insurtechs aparecem como uma nova forma de fazer e comercializar seguros. Precisamos acelerar a velocidade de novos produtos no mercado”, observou.

Durante o evento, o ministro da Economia, Paulo Guedes, enfatizou a importância do setor de seguros para o País e seu enorme potencial de crescimento. Ele defendeu a importância de um Estado menor também no setor de seguros. “Tem um enorme território à frente a ser conquistado. Nós vamos trocar o eixo da economia efetivamente de uma economia de planejamento central, de uma economia dirigista, onde o Estado decide tudo. Nós estamos trocando esse eixo para mercado”, explicou.

Também compuseram a mesa de autoridades da solenidade, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e o secretário-executivo do ministério da Economia, Marcelo Guaranys. Cerca de 250 pessoas entre dirigentes do Governo, representantes de entidades do setor de seguros e servidores da Susep acompanharam a cerimônia.

Trajetória

Em sua carreira, a economista Solange Vieira participou de grandes projetos do Governo, como a reforma da Previdência em 2000, com a criação do fator previdenciário e, mais recentemente, da criação da Nova Previdência. Foi secretária de Previdência Complementar e secretária de Administração da Advocacia-Geral da União (AGU). No Supremo Tribunal Federal, atuou como assessora da presidência. Presidiu a Agência Nacional de Aviação (Anac). Foi chefe do gabinete da presidência do BNDES, onde também foi presidente do Fundo de Previdência Social (Fapes).