Tema água precisa estar na agenda do cidadão comum, diz diretor do Fórum Mundial 987

Pela primeira vez, o Fórum Mundia da Água acontece em um país do Hemisfério Sul

Ricardo Andrade é diretor de Gestão da Agência Nacional de Águas (ANA)

Pela primeira vez, o Fórum Mundia da Água ocorrerá em um país do Hemisfério Sul. O potencial hidrográfico fez com que o Brasil fosse escolhido como sede. Para o diretor executivo do 8º Fórum Mundial da Água, Ricardo Andrade, um dos principais objetivos é chamar a atenção do cidadão comum.

“É fazer com que o tema água entre na agenda do dia a dia do cidadão. Não só do cidadão mobilizado, aquele que discute o tema da água, mas daquele cidadão comum, que acha que a água nasce na torneira, que para ter água limpa precisa de torneira limpa, que não tem a percepção da importância de cuidar bem da água”, destaca.

Andrade é diretor de Gestão da Agência Nacional de Águas (ANA) e um dos 50 profissionais responsáveis pela organização do Fórum Mundial da Água, que ocorrerá em Brasília entre os dias 18 e 23 de março.

Ele ressalta que a realização do fórum é um desafio. “Alguns falam que teremos 30 mil participantes. Outros dizem que pode ser até mais do que isso. Mas a nossa pretensão não é fazer o fórum com o maior número de participantes, mas um fórum que de fato transforme a discussão política sobre a água, que eleve nossa preocupação com o tema da água. Acho que esse poderá ser o principal legado do Fórum.”

O que levou o Brasil a ser escolhido para sediar o Fórum Mundial da Água?

Ricardo Andrade: Vamos começar pelo papel da ANA, que é uma instituição nova, com apenas 17 anos – foi criada em 2000. Por ser uma agência nacional, que não tem escritórios regionais, mas atua em todo o país por meio de parcerias com órgãos estaduais, a ANA sempre buscou parcerias no exterior. A partir daí, marcamos presença no Conselho Mundial da Água (CMA), que é o promotor do Fórum Mundial da Água. A realização do fórum no Brasil se tornou quase que uma obrigação. E aqui há um ponto que precisa ser bem esclarecido: é o de que isso não foi uma iniciativa da ANA. A agência foi provocada. As diversas instituições brasileiras ligadas à água se reuniram e entenderam que estava na hora de realizar o fórum na América do Sul. E isso se justificava com o argumento de que o Brasil tinha o que mostrar: a maior oferta hídrica individual do mundo.

Como o país está lidando com esse desafio?

Andrade: É um desafio, sem dúvida. Alguns falam que teremos 30 mil participantes. Outros dizem que pode ser até mais do que isso. Mas a nossa pretensão não é fazer o fórum com o maior número de participantes, mas um fórum que de fato transforme a discussão política sobre a água, que eleve nossa preocupação com o tema da água. Acho que esse poderá ser o principal legado do fórum. Uma das expectativas é fazer com que a água entre na agenda do dia a dia do cidadão. Não só do cidadão mobilizado, aquele que discute o tema da água, mas daquele cidadão comum, que acha que a água nasce na torneira, que para ter água limpa precisa de torneira limpa, que não tem a percepção da importância de cuidar bem da água.

Como é essa presença brasileira no Conselho Mundial da Água?

Andrade: Desde 2003, a ANA atua no conselho, mas em 2009, resolvemos ampliar um pouco essa presença, porque a agência estava mais madura e queria ter uma representatividade maior. E dada a importância do Brasil na questão da água e a liderança que o país exerce nesse tema, a ANA passou a liderar o processo de engajamento internacional. Hoje, o presidente do Conselho Mundial da Água é um brasileiro, o professor Benedito Braga, representante da Escola Politécnica da Universidade São Paulo e atual secretário de Saneamento do estado de São Paulo. O Brasil tem ainda quatro governadores no Conselho.

Por que você acha que falar em maior oferta hídrica passa a impressão de a água ser inesgotável?

Andrade: Porque dá a sensação de que nós temos muita água, que ela nunca via acabar e que não temos que nos preocupar com ela. E isso não é verdade. Nós temos essa água, sim. Mas onde tem água não tem gente e onde tem gente não tem água. Na Amazônia, tem água mas não tem gente. No Nordeste, em quase todo o litoral brasileiro, tem gente mas não tem água. E onde tem água e tem gente, muitas vezes, a água não é bem cuidada. É poluída, desperdiçada. Então, passando por essas reflexões, entendemos que era o momento de oferecer ao Conselho Mundial da Água a oportunidade de trazer o Fórum para o Hemisfério Sul.

Partindo dos resultados dos fóruns anteriores, você diria que houve realmente um progresso na discussão do tema da água, desde o primeiro lá no Marrocos?

Andrade: Um fato inédito, por exemplo: nós temos um compromisso de desenvolvimento sustentável especifico para a água. Dizer que isso é resultado apenas das discussões ocorridas nos Fóruns Mundiais da Água talvez seja exagerado, mas dizer que os Fóruns Mundiais da Água não tiveram nada a ver com isso seria leviano e falso. Então, acho que os fóruns contribuíram sim para a discussão, mobilizaram a sociedade, e os seus resultados são reais. Hoje, você tem dezenas de eventos sobre água em diferentes regiões do mundo a cada ano. Sempre mobilizando as populações locais, a sociedade, os governantes.

Como esses eventos podem, de algum modo, trazer soluções?

Andrade: Não se consegue oferecer água de boa qualidade no tempo certo e no lugar correto se não tiver financiamento, se não tiver uma boa governança. Não adianta oferecer água se não tratar o esgoto, porque aí o manancial que se tinha para oferecer água perde a qualidade. E aí passa a se ter um problema de quantidade não porque falta água, mas porque falta qualidade. Então, o grande desafio, de fato, está nessa linha. Os investimentos do governo avançaram, a conscientização da população avançou. Estamos avançando, temos ainda muito a progredir, mas organizações como a ANA, as agências reguladoras estaduais, as companhias de saneamento, os governos, no Brasil em especial, têm trabalhado incansavelmente para melhorar os índices de qualidade de vida.

Você acredita que o Fórum Mundial da Água no Brasil vai ampliar essa compreensão do tema?

Andrade: Há um dado interessante que eu poderia citar a partir das reuniões preparatórias do fórum que tivemos em Brasília. Uma ocorreu em junho de 2016, antes da crise hídrica, e outra em Abril de 2017, durante a crise por que passa a capital. Na primeira reunião, 30% do público eram de moradores locais. Na segunda, esse público local era de 60%. Qual a diferença entre as duas reuniões? Em 2016, tínhamos normalidade no abastecimento de água e, em 2017, tínhamos uma situação de crise instalada. Os sinais são muito claros de que o fato de a crise estar instalada aumentou o interesse pelo tema água. Então, é possível que o fato de se correr o risco de não ter págua em casa leve as pessoas a refletir sobre a água disponível, a necessidade de economizá-la, de usar essa água racionalmente, de protegê-la de certa forma, de cobrar os governantes, e não apenas os governantes, mas o cidadão, seu próprio vizinho.

GBOEX lança campanha Desafio 2019 – Etapa Verão 216

Premiações e metas especiais vão até março

Divulgação
Divulgação

Em janeiro, foi dada a largada para a edição 2019 da Campanha Desafio. A Etapa Verão começou neste mês e vai até março, prometendo novos desafios.

O regulamento está disponível no Portal do Corretor com a descrição das premiações e das metas. As premiações têm como base o desempenho em vendas de pecúlio individual, seguros e serviços de assistências. Podem participar todos corretores GBOEX cadastrados, ou aqueles que venham a se inscrever durante a campanha, e possuírem produção ativa na vigência da mesma.

“Investir no relacionamento com os corretores de seguros é uma das formas de reconhecer e premiar os esforços destes profissionais pelo empenho e dedicação demonstrados ao longo do tempo, além de reforçar a importância desta parceria estratégica para este momento presente e o futuro “, destaca Leonardo Neustadt, Superintendente Comercial do GBOEX.

O GBOEX destaca que, em abril, iniciará a segunda etapa da campanha, com premiações ainda a serem definidas, mas que compreendem prêmios maiores. Nas versões anteriores, viagens para diversos destinos nacionais e internacionais fizeram parte dos prêmios. Os corretores premiados em 2018 ganharam uma viagem inesquecível para a Itália, que será realizada no mês de abril deste ano. Lembrando que os Desafios anteriores contemplaram viagens para San Andres, Colômbia e para Cancún, no México.

Mais informações pelo e-mail corretoras@gboex.com.br ou na Unidade de Negócios e Pontos de Atendimento GBOEX. Endereços disponíveis neste site.

GBOEX – Quando você tem, tudo fica bem.

Corretora de Porto Alegre com oportunidade de trabalho 215

Vagas estão abertas para corretores colaboradores e assistente de seguros

Corretora de Seguros da Capital gaúcha está com vagas abertas para contratação imediata. A empresa procura por dois corretores colaboradores para atuar em vida e nos demais ramos e um assistente de seguros para prospecção e administração.

A oportunidade para os corretores conta com salário fixo + comissão como Pessoa Jurídica. Para assistente, salário com plano de saúde e bônus por meta, além de Vale Transporte e Vale Alimentação.

Se interessou? Envie seu currículo para: rh@stv.com.br.

SulAmérica anuncia dois novos gerentes de filiais na região Sul 272

SulAmérica anuncia dois novos gerentes de filiais na região Sul

Paula Bueno e Rodolfo Nantes passam a liderar, respectivamente, as unidades Maringá (PR) e Planalto (RS)

A SulAmérica, maior seguradora independente do País, anuncia Paula Bueno e Rodolfo Nantes como novos gerentes das unidades Maringá (PR) e Planalto – localizada em Santo Ângelo (RS) –, respectivamente. Ambos assumem os postos com o objetivo de expandir o trabalho de relacionamento com os corretores e dar continuidade às atividades nas regiões.

“Estamos muito empolgados com a chegada de Paula e Rodolfo para as suas atividades como gerentes nestas filiais. Sem dúvida, a expertise que trazem de experiências anteriores é fundamental para que possamos aprofundar o trabalho de aproximação com nossos parceiros de negócios, por meio de encontros, treinamentos e demais iniciativas que encantam e fazem a diferença”, destaca o diretor regional da SulAmérica na região Sul, Gilson Bochernitsan.

Paula Bueno, nova gerente da unidade Maringá (PR)
Paula Bueno, nova gerente da unidade Maringá (PR)

A nova gerente de Maringá possui 12 anos de experiência no setor. A profissional já atuou como especialista de saúde e odonto, e chegou à SulAmérica em 2011 para liderar a filial Planalto, em Santo Ângelo. É formada em Relações Públicas pela PUC-RS e possui pós-graduação em Gestão de Negócios, Empreendedorismo e Inovação pela Uniseb.

Rodolfo Nantes, novo gerente da unidade Planalto (RS)
Rodolfo Nantes, novo gerente da unidade Planalto (RS)

O novo gerente da filial Planalto, por sua vez, possui 15 anos de atuação no setor de seguros, com passagem prévia como gestor comercial da unidade de Cascavel (PR) da SulAmérica. É graduado em Ciências Atuariais pela FESP (Fundação de Estudos Sociais do Paraná) e pós-graduado em Administração de Empresas pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), além de ter um MBA em Gestão de Pessoas pela FAG (Fundação Assis Gurgacz).

17 estados registram aumento nas contratações de planos de saúde, diz ANS 383

17 estados registram aumento nas contratações de planos de saúde, diz ANS

Agência Nacional de Saúde Suplementar divulgou performance do mercado em novembro

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) disponibiliza os dados atualizados do setor de planos de saúde relativos ao mês de novembro de 2018. A consulta pode ser feita através da Sala de Situação, ferramenta disponível no portal da Agência.

Nos planos de assistência médica, o setor contabilizou naquele mês 47.228.069 beneficiários, mantendo estabilidade em relação ao mesmo período do ano anterior. Já nos planos exclusivamente odontológicos, foram registrados 24.191.785 beneficiários, um aumento de 6,42% no comparativo com o mesmo período do ano passado.

No recorte por estado, 17 registraram crescimento de consumidores em planos de assistência médica (em números absolutos) no período de um ano: Amapá, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Roraima, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins. Os estados com maior aumento foram Distrito Federal, Espírito Santo e Mato Grosso, respectivamente.

Entre os planos exclusivamente odontológicos, 26 estados registraram crescimento – apenas Roraima não seguiu essa tendência. Os estados com maior aumento foram São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

A ANS ressalta que os dados podem sofrer modificações retroativas em função das revisões efetuadas mensalmente pelas operadoras.

Reprodução/ANS
Reprodução/ANS
Reprodução/ANS
Reprodução/ANS

Porto Seguro apresenta novas funcionalidades no App Auto 255

Porto Seguro apresenta novas funcionalidades no App Auto

Mudanças visam aprimorar a experiência do cliente

A Porto Seguro apresenta novas funcionalidades no Aplicativo Porto Seguro Auto, que agora possibilita ao usuário alterar seus dados bancários, regularizar o pagamento e prorrogar o vencimento do seguro, além de gerar a 2ª via de boletos e código de barras.

Com as novidades, quem vai pegar a estrada nestas férias terá sua segurança, praticidade e comodidade reforçadas. Por meio do aplicativo, o segurado pode conferir o histórico e o calendário das próximas manutenções de seu veículo nos CAPS (Centros Automotivos Porto Seguro) e tem à disposição as funções de aviso de sinistro e vistoria digital. Pode, ainda, solicitar serviços para o carro (como guincho por pane ou colisão, socorro por pane seca, carga ou trocas de bateria e chaveiro) e acompanhar, em tempo real, o deslocamento do prestador até a chegada no local de atendimento.

O pacote de novas funcionalidades inclui a possibilidade de contratação de serviços avulsos da Porto Seguro Faz, como limpeza de sofá e estofados, conserto e instalação de eletrodomésticos, e dedetização. Isso, claro, após os serviços gratuitos disponíveis na apólice do seguro do veículo já serem consumidos.

De acordo com Jaime Soares, diretor do Porto Seguro Auto, as mudanças visam reforçar o investimento da empresa nos canais digitais e aprimorar a experiência do cliente. “A Porto Seguro se mantém antenada às inovações tecnológicas e busca sempre alinhá-las aos seus produtos e serviços para facilitar o dia a dia dos segurados”, declara o executivo.

Outros benefícios

Disponível para Android e iOS, o aplicativo segue com as funcionalidades já conhecidas, como localização do Centro Automotivo mais próximo, consulta aos dados da apólice (coberturas, cláusulas e assistências, dados de pagamento e vigência do seguro) e informações de pagamento.

O segurado pode verificar os serviços gratuitos a que tem direito nos mais de 300 Centros Automotivos Porto Seguro espalhados pelo país. Entre os itens disponíveis estão cristalização do para-brisa, regulagem do foco dos faróis, diagnóstico do sistema de freios e reparo dos furos de pneus. O cliente que utiliza os demais serviços do CAPS, como alinhamento de direção, suspensão e balanceamento de rodas, tem 20% de desconto na mão de obra e pode parcelar o valor do serviço em até 6x no cartão Porto Seguro.