Fenômenos da natureza: Prevenção é o melhor remédio 11196

Seguradoras e profissionais dos ramos de proteção esclarecem questões relacionadas a temporais e vendavais

O verão brasileiro é caracterizado por fortes chuvas isoladas que por diversas vezes ocasionam perdas ao comércio e para a população em geral, muitas vezes pela falta de conscientização com a preservação do meio-ambiente e tantas outras pela própria desinformação. Por isso, o seguro se faz tão importante, pois ameniza os efeitos de perdas de forma antecipada e endossada por uma base sólida que garante a rentabilidade para todos os envolvidos no processo de mutualidade.

Alexandre de Souza Vieira, diretor de sinistros da Tokio Marine Seguradora / Divulgação

A Revista JRS, em janeiro de 2016, após um forte vendaval que deixou rastros de destruição e muitos prejuízos em Porto Alegre abordou o tema com o especialista em riscos, Alexandre de Souza Vieira, que alertou para as cláusulas nas apólices. Segundo o executivo, o seguro de automóvel prevê cobertura para vendavais e temporais, enquanto que, no seguro residencial, este tipo de cobertura deve ser contratado separadamente por parte do segurado.

“Os eventos da natureza são diretamente considerados na precificação do seguro. A principal maneira de precificar a apólice é analisar a incidência desses riscos pela região, sendo possível criar um preço regional de acordo com a frequência em que os fenômenos ocorrem naquele local”, conta Vieira ao explicar como as companhias precificam este tipo de risco, medido por dois parâmetros principais: frequênciaseveridade dos acontecimentos.

Alexandre Vieira destaca uma série de ações das companhias de seguros que apostam em fortes estruturas de precaução, para que o segurado tenha as informações necessárias para evitar sinistros. Entre as ações disponibilizadas pelas principais seguradoras do mercado está o envio de equipe especializada para realizar o atendimento e simplificar o fluxo de pagamentos. “Uma ação que facilitou esse mecanismo foi a criação de um canal exclusivo para regulação de sinistros via aplicativos, simplificando o fluxo de regulação”, reforça.

O corretor de seguros é o principal elo entre as empresas do ramo e os segurados e a proximidade e especialidade deste profissional é o que oferecerá a cobertura que mais se enquadre na necessidade do cliente, conforme os riscos e expectativas. “Em muitos casos, é desejo do comprador não incluir determinada cobertura, decisão que futuramente poderá prejudicá-lo patrimonialmente e economicamente. O corretor é o consultor que auxiliará na análise desses riscos”, exalta Alexandre Vieira.

O advogado Pery Saraiva Neto / Reprodução

O advogado e consultor jurídico Pery Saraiva Neto lembra que os eventos climáticos extremos, capazes de gerar grandes impactos em vidas e patrimônios, são de ocorrência relativamente recente no Brasil. Ainda que não se possa afirmar que não existiram no passado, “o fato é que somente recentemente começamos a catalogar e tentar entender estes eventos, e por conseguinte compreender os riscos decorrentes de eventos climáticos de maior envergadura. Não é da nossa experiência fenômenos como tornados, tufões ou ciclones, especialmente se compararmos com a experiência norte americana, mas o fato é que estes conceitos começaram a se tornar mais presentes entre nós a partir de 2004, com o que foi denominado de Catarina, na região sul de Santa Catarina, muito próximo ao litoral norte do Rio Grande do Sul”, registra.

Neto explica que fenômenos de maior proporção e com novas características passaram a ser mais frequentes, como o vendaval que deixou Porto Alegre (RS) irreconhecível em janeiro de 2016. “(Estes acontecimentos) chamam especial atenção, seja pelo volume de prejuízos, força dos ventos e por ter ocorrido em uma grande e importante capital. Como disse, não há como afirmar que não ocorreram eventos semelhantes antes. Pelo contrário, há muito acontecem. O que falta são dados”, elucida o também mestre em direito pela UFSC. “Este contexto é muito novo para nós. De lidarmos de forma mais séria e profissional com tais questões, destacadamente no aspecto preventivo, seja no poder público ou na iniciativa privada. Basta ver que os principais marcos legais sobre desastres naturais e defesa civil são muito recentes, posteriores a 2010 (Lei 12.608/2012, Lei 12.340/2010 e Decreto n. 7.257/2010)”, apresenta.

Uma das questões que mais intrigam os segurados se dá pela formação dos valores cobrados pelas coberturas. “Regiões com maior catalogação de caso de eventos extremos passam a receber um tratamento diferenciado e as populações sofrem impacto no preço dos seus seguros, especialmente os seguros patrimoniais. Pois são bens segurados localizados em regiões
cuja frequência e intensidade são mais agravadas. Para as companhias seguradoras, entender bem estas diferenças por regiões é o grande desafio, pois aí reside justamente a especificação e delimitação de riscos, com carteiras diferenciadas e assim por diante. O impacto nas apólices e carteiras vai muito além, por certo, quando da ocorrência de sinistros, pois gerará forte impacto nas reservas das seguradoras”, conta.

Pery Saraiva Neto também destaca para outra questão relevante na relação do consumidor de seguros com as companhias. “A questão da clareza da redação contratual para os consumidores é uma questão de ainda maior complexidade. No que toca especialmente aos seguros e mais precisamente nos riscos decorrentes de eventos climáticos extremos a realidade é que em razão do baixo conhecimento destes fenômenos, como antes referi, bem como pela complexa questão técnica e conceitual envolvida (diferenciar ciclone e furacão, por exemplo, ou a própria nomenclatura técnica que envolve os seguros), a atividade de intermediação de seguros, realizada pelos corretores, deveria ser fortemente aprimorada. O corretor é que tem o dever, básico e elementar, quase educativo, de bem fazer seu cliente entender qual a amplitude de seu seguro. Este esforço de compreensão tem que ser feito pelos corretores, com o apoio das seguradoras”, afirma.

O advogado destaca que, caso as apólices não expressem a exclusão de coberturas para vendavais e temporais, as mesmas devem cobrir tais eventos. “Mas é claro, há uma gama de questões correlatas de suma importância, sendo inadequado uma resposta categórica. Estas questões passam pelas peculiaridades de contratação (alteração do clausulado geral por cláusulas particulares ou especiais) incluindo ou excluindo eventos climáticos (nos seguros residenciais é como a exclusão de riscos relacionados a distúrbios climáticos imprevistos e que causem calamidade, por exemplo, mas há produtos específicos que podem ser agregados a um clausulado padrão – o custo, porém, será elevado, justamente em razão da intensidade dos
danos em tais eventos); Outro ponto é o desdobramento da questão supra é a clareza sobre o que seja um imprevisto, ou o que seja calamidade, para fins do seguro. Podemos, hoje, dizer que eventos climáticos extremos são imprevisíveis? Há tecnologia, há estudos e há histórico, tudo especialmente na região sul do Brasil”, explica.

A situação do bem antes do evento (danos preexistentes) também conta, assim como outros fatores. “Não podemos trabalhar com respostas categóricas em questões de seguros, ainda mais
quando envolvidas com riscos ambientais e climáticos”, justifica ao lembrar que precaução é a melhor forma de se enfrentar eventos da natureza. “Valem as regras gerais de cautela, de buscar locais seguros, para proteção. Mas no particular, cumprir automaticamente as orientações da Defesa Civil e das forças públicas envolvidas com a emergência”, complementa.

O Código de Defesa do Consumidor foi um dos maiores ganhos da população brasileira em seus mais de 25 anos de criação, porém, o também diretor da Associação Internacional de Direito
do Seguro (AIDA Brasil) destaca que é preciso avançar na discussão do tema. “Temos que avançar mais, para que esta informação seja útil, relevante, qualificada e compreensível”, conta ao efetivar a importância da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

O Centro de Experimentação e Segurança Viária (CESVI Brasil) classifica os veículos Renault Fluence, da Renault, e Sentra, da Nissan, como os melhores contra enchentes. O Índice de Danos de Enchente avalia o risco da ocorrência de panes mecânicas e elétricas pela exposição indevida de carros às lâminas d’água, garantindo sua mobilidade. O indicativo técnico serve de referência não apenas para a indústria, como também, para o consumidor. Com quatro estrelas, meio ponto abaixo dos primeiros colocados, compõem o ranking os modelos Peugeot 208 (Active e Allure), Renault Duster high-flex 4×2 (Expression), e Chevrolet Cobalt (LTZ).

O Centro de Experimentação enviou algumas dicas, caso seu veículo esteja em meio a uma enchente

  • Se o carro morrer, não dê a partida novamente. Você pode piorar ainda mais o quadro de pane elétrica ou mecânica.
  • Em casos de alagamento, não arrisque. Espere até que a água comece a baixar para seguir caminho.
  • A eficiência de seguir o rastro de outro carro é mito. A água pode voltar em formato de onda e prejudicar o sistema elétrico do carro.
  • Verifique itens básicos como o estado dos pneus e das palhetas de limpeza.
  • Confira se as luzes de iluminação do carro estão em pleno funcionamento, principalmente as setas e as luzes de freio.
Emerson Farias, analista técnico do CESVI Brasil / Reprodução

Para Emerson Farias, analista técnico do CESVI Brasil, alguns cuidados são necessários para guiar carros em condições adversas, como no caso de fortes chuvas ou enchentes. “Um erro comum é querer arriscar e passar com o automóvel em áreas alagadas. É aconselhado, no máximo, passar em trechos em que a água esteja na altura da metade das rodas do carro, como é informado no manual do proprietário. O que passar disso, é risco”, afirma Farias. “Em geral, quando a rua está coberta pela água, o motorista raramente consegue ver se há buracos ou barreiras na pista, o que agrava o cenário de possíveis acidentes. O melhor mesmo é encostar o carro, desligá-lo e aguardar pacientemente até que a água baixe para seguir caminho”, reforça.

A Itaú Seguros Auto e Residência também registrou um aumento de 9,6% nos casos de sinistros, média nos meses de janeiro entre 2013 a 2015, em relação ao comportamento da carteira.

Outra companhia especialista em desenvolver ações decorrentes de desastres naturais é a SulAmérica, representada na Região Sul pelo diretor Gilson Bochernitsan. “Nos seguros residencial e empresarial a SulAmérica oferece coberturas acessórias para cobrir desastres naturais como vendavais, fortes chuvas, queda de raios, entre outros”, destaca ao lembrar que a companhia utiliza dados do mercado e suas informações internas para avaliar quais regiões são mais afetadas por fenômenos da natureza, em qual época do ano e que tipos de sinistro são mais comuns. Com base no histórico dos registros é possível ter um panorama dos riscos de cada seguro. “Em caso de sinistros ocasionados por desastres dessa espécie, o segurado deve
acionar a SulAmérica o mais breve possível por meio dos nossos canais de atendimento. Os corretores parceiros da SulAmérica também estão aptos a orientar os segurados, configurando um importante suporte em situações como essas. Nosso objetivo é atender com rapidez e permitir que as famílias e empresas possam voltar à normalidade o quanto antes. Por isso, estamos sempre atentos, muitas vezes reforçando nossa operação de atendimento quando há uma situação anormal devido a chuvas, vendavais e outros eventos climáticos. No ano passado, fizemos isso no Rio Grande do Sul e em outros estados, o que beneficiou muito nossos clientes”, lembra.

Gilson Bochernitsan em entrevista ao JRS

A SulAmérica, maior seguradora independente de ramos gerais no Brasil, acredita que o corretor é peça chave para o relacionamento e a comunicação com os segurados. “Ele é a nossa interface diante do cliente e quem dá ainda mais credibilidade para os nossos produtos e serviços. Muitas vezes, o segurado aciona primeiramente o seu corretor para informar o sinistro ou tirar dúvidas sobre seus produtos. Os corretores são nossos grandes parceiros de negócios e vêm abraçando cada vez mais o papel de consultores de proteção, e para isso damos todo o suporte, com treinamento e eficientes canais de comunicação”, esclarece.

A companhia também alerta outras modalidades de seguro, que não a de automóveis. “No caso dos seguros empresarial e residencial é importante avaliar se as telhas, vidros e vedações em geral estão em boas condições para suportar a força do vento ou uma grande quantidade de água”, alerta. “Em alguns casos é realizada a vistoria do imóvel ou veículo, mas não há exigências específicas por cobertura. Quando o cliente vai contratar um seguro, é importante optar por uma apólice que atenda adequadamente às suas necessidades”, finaliza Gilson Bochernitsan.

Alfredo Chaia é especialista em riscos / Reprodução

“Falamos fundamentalmente das ações para evitar que algo aconteça, mas estamos também falando em atendimento comercial, expertise em subscrição de riscos e engenharia e ainda estar preparados para atendimento de alto nível aos sinistros são a nossa filosofia”, disse Alfredo Chaia, em uma entrevista que deu ênfase para a relação entre o segurado, o corretor de seguros e a companhia de seguros no programa Seguro Sem Mistério.

O assunto não poderia deixar de contar com a contribuição dos corretores de seguros, representados nesta reportagem pelo gaúcho Paulo Ibañes. “Nos últimos dez anos os custos dos seguros residenciais, comerciais e industriais vem sofrendo constantes aumentos devido as disfunções climáticas, principalmente nas coberturas de vendaval e consequentemente suas franquias, causadas pelas poluições do meio ambiente e seus ecossistemas”, conta ao lembrar que mais de 90% das apólices preveem este tipo de cobertura.

Segundo o profissional é fundamental manter a calma caso aconteça algum imprevisto. “Em todos (os tipos de infortúnios) o segurado deverá manter a calma, avisar o Corpo de Bombeiros e Polícia Militar de suas regiões. Fotografar os sinistros em seus detalhes, avisar seu corretor de seguros ou a seguradora imediatamente após o fato”, diz Ibañes ao enfatizar que o corretor é o único profissional devidamente habilitado, treinado e capacitado para atender as demandas de seus segurados, bem como oferecer as proteções que mais se adequar as necessidades do segurado e por estar conectado 24 horas por dia. “Lamentavelmente os desastres naturais poderiam ser amenizados com algumas atitudes das autoridades locais, como a aquisição de equipamentos meteorológicos com previsão de determinadas tempestades, retirada de árvores muito velhas e algumas já em estado de apodrecimento, limpezas sistemáticas dos bueiros, conscientização e educação da população através de medidas e campanhas preventivas”, completa. “O mais importante é contratar seguros somente através do corretor, com este profissional sua vida certamente será mais segura e tranquila”, aponta.

Novo executivo da Sompo dará suporte a projetos de infraestrutura de TI e Transformação Digital 271

Paulo Cesar Parcesepe é o novo superintendente de Infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI)

Contratação é parte dos investimentos da segurado em capital humano especializado

A Sompo Seguros S.A, empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, acaba de contratar Paulo Cesar Parcesepe como novo superintendente de Infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI). O executivo, que conta com quase 40 anos de experiência na área de serviços de TI para o setor financeiro, chega para contribuir na gestão de projetos que integram os investimentos da companhia em incremento das soluções de tecnologia e transformação digital.

“Chego com desafio de contribuir com o provimento de uma infraestrutura de TI que suporte o crescimento de negócios da Sompo de acordo com a demanda, bem como a implementação da transformação digital de nossos serviços”, afirma Parcesepe. “Nossos projetos levam em conta sempre o que há de mais moderno em termos de tecnologia. Com isso, vamos conseguir trazer mais agilidade, alta disponibilidade, desempenho, segurança das informações e custo x benefício adequado”, considera.

Paulo Cesar Parcesepe é formado em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP) e conta com dois MBAs, um deles em Conhecimento, Tecnologia e Inovação e o outro em Informática e Tecnologia Internet, ambos pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (FIA/USP). Conta com quase 40 anos de experiência na área de serviços de TI voltados ao setor financeiro, tanto em empresas quanto em consultorias e fornecedores de serviços integrados de tecnologia. Nesse período, desenvolveu projetos de gestão nas áreas de Infraestrutura de TI, Telecomunicações, Segurança da Informação, Sistemas de Aplicação e Gerenciamento de Projetos. Atuou em bancos e grandes seguradoras, entre as quais, a Marítima Seguros, uma das marcas que deram origem à Sompo no Brasil, quando liderou a implementação da área de segurança da informação, além de projetos de Planejamento de Continuidade de Negócios, entre outros.

“A Sompo estabeleceu um plano de desenvolvimento e implementação de novos recursos de inovação e tecnologia que vai dar suporte às estratégias de crescimento. Além disso, vamos trazer mais ferramentas para interação com corretores de seguros e segurados, o que vai melhorar substancialmente a experiência do cliente, a eficiência e eficácia da companhia”, lembra Guilherme Muniz, diretor de TI da Sompo. “O investimento em capital humano é uma parte importante dessa estratégia e o Paulo vai agregar, além do amplo conhecimento acumulado em décadas de experiência, sua capacidade de liderar e gerir projetos de alta sofisticação tecnológica que pretendemos implementar nos próximos anos”, conclui.

Zurich dá dicas para compras online mais seguras 350

Zurich

Conexões confiáveis, a utilização de cartões de crédito e antivírus são apenas algumas das sugestões da seguradora

A Black Friday está chegando e com ela centenas de milhares de promoções. A data, que se originou nos Estados Unidos, marca o fim do Dia de Ação de Graças e o início dos preparativos para as festas de fim de ano. A proposta é liquidar os produtos das prateleiras e abrir espaço para as novidades do Natal.

A data, marcada pelo alto consumo, tomou o planeta e abriu espaço para diversos riscos àqueles menos preparados na rede. Navegar em sites suspeitos ou clicar em links de origem desconhecida são algumas das ameaças durante a Black Friday. Pensando nisso, o time de segurança da informação da Zurich reuniu aqui algumas dicas para quem quer encher os carrinhos virtuais livre de dores de cabeça e rugas de preocupação.

O site

Mesmo frente ao grande número de ofertas disponíveis na web, é importante que o cliente faça suas compras em sites de confiança e que confira duas vezes se o endereço da loja está escrito de maneira correta. Deve-se certificar que o endereço online começa com “https” e possui o símbolo de um cadeado, que sinaliza que o cliente está compartilhando dados em um site de confiança. Evitar ofertas recebidas através de e-mails desconhecidos e pop-ups também é sempre recomendável – especialmente em épocas como essa. Ao fim da compra, o usuário deve devidamente fazer o logout da loja online e salvar uma cópia do e-mail de confirmação da compra.

Os dados

É essencial manter o antivírus e sistema operacional sempre atualizados. É uma maneira simples de garantir que os dados pessoais do comprador estejam protegidos. Informações, como datas de nascimento e números de documento, podem ser um sinal de alerta. Usar senhas diferentes para cada site também dificulta que alguém invada a conta do cliente.

O banco

O cliente deve ter controle regular de todas as movimentações bancárias de sua conta, para, no caso de encontrar algo suspeito, poder notificar o banco o quanto antes. Evitar a utilização de cartões de débito também é altamente recomendado. Os cartões de crédito são recomendados uma vez que a maioria das empresas operadoras possui proteção contra fraudes.

O computador

Em hipótese alguma se deve utilizar um computador público para a efetuação de qualquer tipo de pagamento. É importante fazer logout de toda e qualquer conta à qual o consumidor possa estar conectado. Para casos em que o comprador está usando seu computador pessoal em uma área pública, é preferível a utilização de conexões privadas para a efetuação de compras e, ainda assim, deve-se ter total atenção que não hajam pessoas tentando bisbilhotar as informações pessoais detalhadas na tela.

Allianz Seguros automatiza cotação residencial e dá mais agilidade aos corretores 278

Cotação Allianz Residencial

Parceiros de negócios ganharam mais tempo para incrementar produtividade

O sistema de cálculo do Allianz Residência tem como base a simplicidade e a agilidade, assim como o do Allianz Auto Instituto Ayrton Senna. O atual modelo de negócio da Allianz Seguros, aplicado nos produtos massificados, além de gerar ganho operacional à seguradora e aos seus parceiros de negócios, incentiva a diversificação de ofertas, fundamental para o atual cenário do mercado de seguros brasileiro.

Por meio da nova estratégia, a Allianz espera alavancar as vendas e a adesão de consumidores ao seguro residência. “O nosso trabalho está voltado para a disponibilização de um sistema eficiente e que dá mais autonomia aos corretores. Com a tecnologia implementada, esperamos garantir entrega mais rápida e adequada desde a cotação até o sinistro”, diz David Beatham, diretor de Massificados e Vida da Allianz Seguros.

Hoje, em menos de um minuto é possível cotar o Allianz Residência. O processo é feito com o preenchimento de somente 14 campos. Caso o cliente já esteja na base de dados da seguradora, a quantidade de lacunas cai para 11. A agilidade foi conquistada graças à automação, que permite busca de informações em bases internas e externas.

Aliadas às inovações no sistema de cotação estão as ampliações no produto. O Allianz Residência passou a amparar veículo estacionado na garagem em caso de incêndio e Danos Morais na cobertura de Responsabilidade Civil Familiar. Um pacote completo de assistência 24 horas, inclusive para residências de veraneio; opção de contratação de residência com escritório, ou seja, o segurado não precisa contratar cobertura à parte para esse último espaço.

Jovens são protagonistas na promoção de cultura, direitos humanos e educação 429

Organizações sociais

Em mapeamento inédito de organizações também aponta desafios para sustentabilidade

Elas e eles lutam por visibilidade, acesso ao ensino superior, buscam maior representatividade política, interpretam a sociedade brasileira na literatura e na música e sua cultura em slams, rodas de rima e bailes funk. Reunidos em coletivos com variados graus de organização, os jovens são protagonistas nas organizações que trabalham com temas do movimento negro.

A conclusão é um dos destaques da Pesquisa Nacional sobre Organizações de Juventude Negra. Realizado pelo Itaú Social em parceria com o Observatório de Favelas, o estudo partiu de um mapeamento inicial de 200 entidades do movimento negro, que evidenciou a predominância das ações para jovens. Em seguida, a equipe de pesquisa desenhou um perfil das organizações de juventudes negras, usando como base informações detalhadas fornecidas por 40 Organizações da Sociedade Civil (OSCs), responsáveis por 63 projetos.

O retrato indica um cenário de ação de jovens para jovens: a juventude é o foco exclusivo das atividades de 70% das instituições pesquisadas, sendo que a grande maioria delas, 92%, possui jovens de até 29 anos entre seus colaboradores. Com localização concentrada nas regiões Nordeste (38%) e Sudeste (30%) – seguidas por Norte, Sul e Centro-Oeste -, as organizações apresentam escopo variado de atuação. Os três temas mais prevalentes são arte e cultura, direitos humanos e educação.

“É uma juventude extremamente propositiva, que pauta e reivindica sua visibilidade nos espaços público, político e de aprendizagem. E que está constantemente buscando novas maneiras de somar forças para o enfrentamento das desigualdades”, explica Juliana Yade, especialista em educação do Itaú Social e uma das coordenadoras da pesquisa.

O estudo evidenciou, ainda, um cenário incerto para a manutenção das organizações. O principal gargalo é o financiamento, intermitente e efêmero, fazendo da captação uma tarefa árdua sobretudo em organizações com poucos colaboradores (78% delas têm no máximo 30 integrantes). “A maioria das OSCs depende de projetos que, em geral, duram 12 meses. São ínfimos os que recebem apoio institucional”, afirma Juliana.

Num cenário de crise, ganham espaço soluções colaborativas como as parcerias – compartilhamento de espaço, serviços e metodologias com outras entidades sem envolver recurso financeiro. “Atualmente, 28 dos 63 projetos participantes só se viabilizam por meio de parcerias sem qualquer recurso financeiro, o que traz desafios para sua implementação e continuidade”, diz a pesquisadora.

Apesar das dificuldades, a pesquisa conclui pelo dinamismo das organizações de juventudes negras. A todo tempo, associações, coletivos e organizações da sociedade civil criam novas ferramentas para combater o racismo institucional. “Reconhecer a importância e também as dificuldades desse movimento é um caminho para entender e apoiar iniciativas que dialoguem com a equidade étnico-racial”, finaliza Juliana.

Confira o levantamento na íntegra.

Quanto vale a sua corretora de seguros? 912

Consultoria auxilia empresários a avaliar e tomar decisões para o rumo de seus negócios

O valor de uma marca pode ser estudado através da análise de diversos aspectos, que são importantes para que se defina a sua grandeza tanto para seus clientes quanto para o próprio empreendimento. No mercado das corretoras de seguros, isso é ainda mais relevante, tendo em vista que o ramo possui características próprias que o diferem dos demais, como sucessão de carteira de negócios, por exemplo.

Ricardo Padilla auxilia colegas de profissão a avaliarem suas empresas corretoras de seguros. Matheus Pé/JRS

Em função de suas individualidades, um estudo acerca do valor de uma determinada corretora de seguros exige conhecimento da área. E foi neste ambiente que Ricardo Padilla enxergou a oportunidade de auxiliar colegas de profissão, através de uma consultoria detalhada que permite uma visualização ampla do negócio. “Analisamos a corretora que nos solicita da forma mais profunda possível, tanto receita, despesa, a parte contábil, produção, sinistro e todos os departamentos”, conta o diretor da Padilla Corretora de Seguros.

A maioria das empresas chegam com a intenção de promover a venda futura do empreendimento. “Geralmente eles querem conhecer mais a corretora, ou ele tem 4 ou 5 sócios e um dos sócios quer sair por um motivo ou outro. Ele também pode estar pensando em sair e vender a parte dele, ou até uma fusão, aquisição ou venda parcial”, dá algumas opções do que pode acontecer. “Então, ele está sempre procurando, de certa forma, o crescimento profissional, através de ampliação de fonte de produção, de sócios, do mercado de trabalho, filiais. Enfim, uma série de circunstâncias que faz com que o colega chegue até aqui, até nós”, complementa.

Muitas empresas corretoras são administradas por famílias, porém em alguns casos os filhos escolhem outra profissão e o corretor responsável com o tempo não consegue atender sua carteira de clientes. Em situações como essas é que a Consultoria é muito importante para orientar a melhor forma de administrar a empresa. “Quando os filhos acabam buscando um outro rumo, o corretor responsável com uma certa idade vem a ter esse tipo de preocupação. Eu diria que 50% tem esse problema de sucessão”, conta.

Para desenvolver este trabalho, a Padilla montou uma equipe multidisciplinar. “Contamos com profissionais da área da engenharia, administrador de empresas, contadores, advogados e professores da Escola Nacional de Seguros. Nós temos uma equipe completa em que todos opinam a respeito de uma possível avaliação que fazemos”, detalha. Segundo ele, é essa visão externa que pode ajudar os proprietários a tomar decisões. “[Isso] pode mudar o rumo de um planejamento  e pode fazer com que se possa aumentar a receita, diminuir despesas e uma série de outras providências que podem acontecer a partir de uma consultoria bem feita”, afirma, ao salientar que atende uma média de 4 a 6 empresas por ano.

O sócio Tiago Becker é quem fica responsável pelas métricas de avaliação nos 60 dias que geralmente o trabalho exige. “Normalmente as métricas que mais avaliamos é a questão do crescimento dos últimos 3 anos da empresa, vendo mês a mês e comparando com anos anteriores”, comenta. Outras avaliações importantes são o tempo que a empresa tem de mercado, qual é o ramo mais específico que ela trabalha, se ela tem um mix de carteira mais amplo ou se ela é mais específica em algum dos ramos. “Normalmente, a marca é muito mais valorizada quando a empresa tem mais de 30, 40 anos de atuação, por isso que as marcas aqui no Sul são bem positivas”, relata.