As novidades do mercado de seguros em 2018 3496

E tudo sobre o começo da temporada de verão na edição 209 da Revista JRS

Experiência do cliente e tecnologias serão fundamentais para seguradoras 380

Experiência do cliente e tecnologias serão fundamentais para seguradoras

É o que revela um estudo focado em facilitar os processos de negócios desse nicho de mercado

A everis, multinacional de consultoria que oferece soluções de estratégia e de negócios, integrante do Grupo NTT DATA, e uma das dez maiores empresas mundiais de serviços de TI, anuncia os principais fatores que determinarão o futuro do setor de Seguros no Brasil e em outras economias da região. Neste sentido, o relatório intitulado “Tendências e oportunidades do setor de Seguros. Seguros em 2020 e mais adiante”, apresenta um panorama focado nas necessidades do cliente frente ao desenvolvimento de novas tecnologias, a fim de facilitar os processos de negócio para o funcionamento da indústria seguradora.

Desde o início, é importante levar em conta que existem diferentes tipos de clientes que se manifestam dependendo de seus interesses. O cliente conservador, por exemplo, tem um conhecimento médio-baixo de seguros e confia em sua corretora e em seu agente para a tomada de decisões. O analítico desenvolve um conhecimento mais profundo dos produtos de seguros e as regras de funcionamento das seguradoras. O cliente effortless, por sua vez, se concentra em simplificar os seguros de acordo com suas necessidades básicas, sem se aprofundar em funções mais complexas.

É importante levar em conta também que o diretor da seguradora adquire um papel crucial no momento de definir o portfólio que será oferecido, levando em consideração a concordância que deve existir com os elementos da tecnologia, a expansão para novos negócios, os formatos de consumo e a evolução dos serviços para atender às necessidades específicas de cada cliente.

“A tecnologia está revolucionando os negócios do setor de Seguros, abrindo novas fronteiras para melhor entendimento das características e demandas específicas dos consumidores, que estão cada vez mais conectados e exigentes. Com sua maior adoção será possível criar novos modelos de negócio, novos produtos e serviços. O objetivo é oferecer proteção abrangente e customizada ao perfil e momento de vida, que facilitará a redução de riscos”, afirma Roberto Ciccone, sócio da everis responsável pela Prática de Seguros na região Américas.

Isto porque ao analisar as preferências da população, conhecer as particularidades do setor e refletir sobre a relação existente entre ambos é possível ajudar as organizações a se prepararem para os próximos anos e para compreender melhor o perfil dos novos segurados, que são nativos digitais e buscam por experiências de interação e consumo mais satisfatórias. Afinal, em 2020, os millennials representarão aproximadamente 50% da população ativa, passando a 75% em 2025, quando terão entre 25 e 40 anos e eles priorizam autonomia, liberdade e flexibilidade, pois caracterizam-se pela capacidade de adaptação rápida e fácil às mudanças de um mercado mais digital e globalizado.

A transformação digital encontra nas novas tecnologias disruptivas uma alavanca exponencial, que indica que as mudanças serão ainda mais rápidas e intensas, portanto, as organizações e as instituições terão um grande desafio pela frente, um obstáculo crucial: a rapidez e a eficiência para apresentar soluções completas, flexíveis e adequadas aos interesses do usuário.

Assim, levando em consideração as necessidades do negócio e as perspectivas da população em relação aos seguros dentro de um mercado competitivo, será possível especificar uma linha operacional capaz de atender as demandas das gerações futuras e aquelas que conseguiram se estabelecer dentro do panorama social. Da mesma forma, é necessário harmonizar o desenvolvimento tecnológico, sob as medidas regulatórias que pretendem condicionar seguros melhor adaptados aos riscos comuns e aos riscos emergentes.

Para ler a íntegra da pesquisa sobre o setor de seguros, acesse este endereço.

Chubb nomeia novo Head de Travel Insurance para América Latina 343

Chubb nomeia novo Head de Travel Insurance para América Latina

Lucas Burón será responsável pelo impulsionamento do crescimento planejado no segmento

A Chubb nomeou Lucas Burón como Head de Travel Insurance para a América Latina, que será responsável por todas as atividades da carteira de seguro de viagem, incluindo impulsionar o crescimento planejado para o segmento, desenvolver os negócios, definir e executar a estratégia, fortalecer o relacionamento com os principais parceiros e manter a rentabilidade do negócio.

Lucas Burón chegou à Chubb em 2017, trabalhando na gestão de contas-chave, na renovação e aumento de parcerias, na maximização de receita e no desenvolvimento do negócio. Antes de ingressar na Chubb, trabalhou na AIG Travel Guard por mais de 6 anos, ocupando diversos cargos na Argentina e na Colômbia. Lucas é formado pelo Instituto Privado de la Câmara Argentina de Comércio, onde estudou Comércio Exterior. Atualmente faz MBA na BYU de Idaho.

A nomeação de Lucas Burón entrou em vigor em 1 de fevereiro de 2019 e ele se reportará diretamente a José Sosa, Vice-presidente sênior de A&H e Vida da Chubb América Latina e matricialmente à Alex Blake, Vice-presidente sênior e Head Global de Travel Insurance do Grupo Chubb.

Saúde: Revista JRS aborda artigo inédito sobre respiração 306

Saúde: Revista JRS aborda artigo inédito sobre respiração

Ato pode ser utilizado como uma poderosa ferramenta de autoconhecimento

A última edição da Revista JRS trouxe entre os seus artigos, uma coluna especial voltada para a saúde. A fisioterapeuta, com especialidade em Medicina Tradicional Chinesa, Respiração Oriental e Método Psicomportamental G.D.S, Joana Carvalho abordou o tema respiração como uma poderosa ferramenta de autoconhecimento. Confira:

Você já parou para refletir por onde andam os seus pensamentos? Passado, presente ou futuro?

Nós temos uma enorme tendência em ter pensamentos, na sua maioria, no passado e no futuro. Seja pensando no que já aconteceu, algo que foi bom ou ruim ou pensando no que está por vir, metas e objetivos. O que dificilmente fazemos é ficarmos atentos ao presente momento.

Projeção de pensamentos no passado e futuro geram angústia pelo que passou ou ansiedade pelo futuro que desejam conquistar. Para pensar no presente momento, e ao mesmo tempo ter planejamento para o futuro (de curto, médio e longo prazo) é preciso atenção plena em cada momento no presente.

Imagine qual seria o momento em que você consegue ter consciência de estar realmente no seu presente? Existe uma tendência de acharmos que estamos no nosso presente, mas na verdade estamos em uma pequena porcentagem dele e uma grande porcentagem em outro tempo.

Que momento, então, seria esse para estarmos no presente? Talvez quando respiramos? Depende da forma que você respira!

Se o seu estado emocional domina a sua respiração, então você não está no presente! Mas se a sua respiração administra seu emocional, eis o encontro de si próprio com o seu presente momento!

Quando eu penso e dirijo minha atenção para áreas do meu corpo que eu preciso sentir para realizar a experiência de respirar com atenção plena, ou seja, quando eu estou 100% no presente momento que estou vivenciando, eu estou no presente.

Aprendendo, entendendo e praticando o sentir da respiração, você é capaz de identificar o seu ritmo respiratório e, assim, desenvolve a aptidão de ser administrador(a) do seu ser.

Você se torna capaz de usar técnicas respiratórias para gerenciar as mais diversas situações. Seja uma possível crise de ansiedade, para se energizar num dia que se sinta cansado ou para relaxar a mente. E assim você cria uma atmosfera de equilíbrio em qualquer situação do seu dia, sendo no trabalho, estudo, lazer e diversas outras situações.

Encontrar o ritmo que o seu ser expressa através da sua respiração, melhora a sua qualidade de vida, dos que o cercam e do seu desenvolvimento em todas as áreas.

Você já observou de forma amorosa o ritmo da sua respiração?

@respirecomigo | respirecomigo@gmail.com

Brumadinho e a chaga da gestão de riscos 693

Especialistas afirmam que tragédia poderia ser evitada com práticas preventivas

O dia 25 de janeiro de 2019 ficará marcado na memória dos brasileiros. O rompimento de uma barragem, em Brumadinho (MG) ocasionou em 134 mortes e deixou 199 pessoas desaparecidas, ao menos até o fechamento da reportagem que ilustra a capa da edição 221 da Revista JRS. Os números são do Corpo de Bombeiros.

A edição traz ainda um artigo de Pery Saraiva Neto, que aborda justamente o posicionamento do setor de seguros diante de desastres socioambientais. Os principais movimentos do setor no começo desse ano estão ao longo de 52 páginas recheadas do melhor conteúdo do universo do seguro no Brasil.

Boa leitura!

AXA anuncia mudanças na área de subscrição 336

Mudanças na área de subscrição

Novidades foram anunciadas nesta terça-feira, 5

Renato Rodrigues é Deputy CEO da AXA no Brasil e Regional Leader da AXA XL para a América Latina / Divulgação
Renato Rodrigues é Deputy CEO da AXA no Brasil e Regional Leader da AXA XL para a América Latina / Divulgação

A AXA no Brasil anunciou nesta terça-feira (05), alterações na sua estrutura de subscrição. Renato Rodrigues, Deputy CEO da AXA no Brasil e Regional Leader da AXA XL para a América Latina, assume a liderança da área de subscrição para os negócios de Grandes Riscos da AXA no Brasil. Entre os produtos que compõem esta carteira, estão Riscos Patrimoniais e de Engenharia, Transportes, Cascos Marítimos e Responsabilidades, entre outros.

Com a alteração na estrutura, passam a reportar-se a Renato Rodrigues, os executivos Mauro Caetano, diretor de subscrição de Grandes Riscos da AXA no Brasil, Fernando Orellana, head de subscrição P&C da AXA no Chile e Stephane Godier, Chief Commercial Officer da AXA no Chile. Adicionalmente, a partir de abril, as linhas de Middle Market, Massificados e o departamento Atuarial também serão lideradas por Renato.

“Estou muito orgulhoso de assumir a liderança da equipe de subscrição da AXA no Brasil. Este movimento visa aprimorar a integração entre nossas unidades de negócio e potencializa nossa capacidade de oferecer ao mercado soluções completas”, afirma Renato Rodrigues.

Jean-Marc Radureau, vice-presidente de subscrição e P&C, vai apoiar o processo de transição, liderando as iniciativas para Middle Market e Massificados.

“Desde já agradeço fortemente a Jean-Marc por toda a dedicação que demonstrou nos últimos quatro anos e meio, período em que ajudou a consolidar nossa atividade de P&C no mercado e reforçar nosso posicionamento em Middle Market. Desejo a Renato muito sucesso em mais esse desafio”, afirma Delphine Maisonneuve, CEO da AXA no Brasil.