Sucessão familiar: Pozza Corretora de Seguros, de Caxias do Sul (RS) 5712

São mais de 27 anos de atuação no mercado gaúcho

O corretor de seguros Marcos Pozza conta com alegria que no dia 24 de janeiro de 2018, a Pozza Corretora de Seguros completou 27 anos de atividades. Mais do que um simples empreendimento, a corretora de Caxias do Sul, na Serra gaúcha, é o local de trabalho dos filhos e também corretores Ricardo e Marina, que estão engajados às atividades do pai. Os depoimentos fazem parte de reportagem exibida no programa Seguro Sem Mistério.

Veja também: A história da Pozza Corretora.

A atração é apresentada de forma inédita sempre aos domingos, a partir das 11h30min, no Canal BAH! A emissora é sintonizada nos canais 520 e 20, na NET Porto Alegre, e nos canais 526 e 26, nas demais regiões do Rio Grande do Sul. Consulte o guia de programação e acompanhe as reprises, de terça a domingo.

Alper Consultoria em Seguros expande área de Benefícios 319

Empresa adquiriu a KB Consulting Corretora de Seguros

A Alper Consultoria em Seguros divulga fato relevante ao mercado de seguros. A empresa acaba de adquirir a KB Consulting Corretora de Seguros, ampliando a vertical de negócios em Benefícios.

“A aquisição está alinhada com nossa estratégia de crescimento de longo prazo e reinaugura nossa fase de consolidação no mercado de corretagem de seguros”, afirma nota assinada por Marcos Aurélio Couto, executivo principal da empresa. “Fechamos o terceiro trimestre com notícias muito positivas, que permitiram iniciar o ciclo de aceleração de nossa companhia através de aquisições”, completa o texto.

Marcos Aurélio Couto está convencido que 2019 será um ano especial para os negócios da Alper Consultoria em Seguros. “Um ano de desafios, mas também de contínuo crescimento e entrega de resultados”, completa.

Valor do seguro auto continua em queda e tem redução média de 15,8% neste mês 257

Levantamento mensal da Bidu é realizado em quatro capitais do País

A Bidu, plataforma online de recomendação, comparação e contratação de seguros e produtos financeiros, que faz parte do Grupo Thinkseg desde junho deste ano, divulga levantamento com o valor dos seguros (cotados no dia 10 de dezembro) para as versões de entrada dos dez veículos mais vendidos em novembro, de acordo com os dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). O Relatório Bidu, produzido mensalmente desde 2016, analisa o preço médio do seguro em quatro capitais brasileiras (Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo) e compara o perfil de homens e mulheres de 35 anos, casados, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que estão contratando o seguro pela primeira vez.

Num mês em que os gastos costumam ser maiores, com compras de Natal e preparação para os tributos de início de ano, o preço do seguro auto tem redução média de 15,82% em comparação com novembro. Tanto o perfil masculino quanto o feminino tiveram retração nos preços, de 14,39% e 17,25% respectivamente, nas capitais estudadas no Relatório Bidu. Em dezembro, o valor do seguro de automóveis seguiu a tendência de queda, já que no último estudo houve redução de 8%, em média, na comparação entre novembro e outubro. Naquela ocasião foram os homens que puxaram para baixo o preço do seguro.

No relatório deste mês, os destaques na redução do valor do seguro ficaram para o perfil masculino e feminino em Porto Alegre, com queda de 33,34% e 24,92% respectivamente. As demais cidades também apresentaram retração nos preços, como mostra o gráfico abaixo, com exceção do perfil masculino em Brasília, onde houve leve alta no valor da apólice (de 2,09%) para os homens.

*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)

A redução no valor médio do seguro é generalizada entre todos os modelos de automóveis. As maiores quedas são registradas para o Volkswagen Polo, em ambos os perfis. Para este veículo, as mulheres têm 36% de redução no preço do seguro (de R$ 3.188 em novembro para R$ 2.042 em dezembro) e os homens 28% (de R$ 3.975 em novembro para R$ 2.870 em dezembro).

Apenas dois aumentos foram registrados no período. Para o Chevrolet Ônix, o preço do valor do seguro para o perfil masculino teve um tímido acréscimo de 2%, enquanto para o modelo Renault Sandero o crescimento foi de somente 1% na cotação do seguro para o perfil feminino: de R$ 1.764 em novembro para R$ 1.777 em dezembro.

*Variação do preço médio do seguro dos modelos que se repetem entre outubro e novembro (azul: homens; vermelho: mulheres)

Assim como nos meses anteriores, o perfil masculino continua pagando mais caro pelo seguro do que o feminino. Extrapolando os dados deste relatório, enquanto as mulheres desembolsam, em média, R$ 1.791 pelo serviço, os homens pagam R$ 2.425, uma diferença de R$ 634.

*Preço do seguro por modelo, média dezembro (azul: homens; vermelho: mulheres)

Modelo mais vendido

De acordo com o relatório da Fenabrave, em novembro foram emplacados 192.146 automóveis – uma queda de 7,98% em comparação com o mês anterior, quando foram vendidas 208.814 unidades. Desde janeiro, apenas quatro modelos se repetem todos os meses no ranking dos 10 mais emplacados: Chevrolet Onix, Hyundai HB20, Volkswagen Gol e VW Polo.

*Ranking dos 10 veículos mais emplacados em novembro, de acordo com a Fenabrave

Seguindo a tendência dos últimos estudos, o Chevrolet Ônix continua a ser o carro mais emplacado no Brasil, com 22.277 unidades em novembro contra 22.324 registradas em outubro. O preço médio do seguro do modelo de entrada para o sexo masculino custa atualmente R$ 2.287, um acréscimo de 2,18% em relação à cotação do mês anterior, que ficou em R$ 2.238. Já para o perfil feminino, o valor médio atual é de R$ 1.666 ante R$ 2.094 – uma queda de 20,43% em comparação com a cotação registrada no início de novembro.

Entre outubro e novembro, nove carros se repetem no ranking da Fenabrave. Após figurar no levantamento de outubro, o Jeep Compass sai do relatório e dá espaço ao Hyundai Creta, que não aparecia na lista dos 10 mais emplacados desde agosto.

O melhor custo-benefício

Neste relatório, após dois meses fora do ranking, o Hyundai Creta retorna como o veículo que apresenta o melhor custo-benefício, ou seja, a melhor relação entre o preço médio do seguro e o valor de mercado do veículo (price ratio), para ambos os perfis. Para os homens, o price ratio é de 3% e para as mulheres é de 2,4%.

Já o que menos vale a pena em termos de custo-benefício, para os dois perfis, é o Volkswagen Gol. O price ratio para os homens ficou em 7,3% e em 5,2% para as mulheres.

*Variação por preço de seguro (price ratio) (azul: homens; vermelho: mulheres)

Variação entre as cidades

A cidade de Brasília é a que possui o seguro mais barato entre as capitais estudadas, onde a média do preço do seguro dos dez modelos mais vendidos em novembro, para homens e mulheres, ficou em R$ 1.820. Já o Rio de Janeiro figura com a média de preços mais cara, com cotação de R$ 2.578 considerando os dois perfis.

As mulheres residentes em São Paulo são as que têm o preço médio do seguro mais em conta, com R$ 1.596, enquanto as cariocas pagam em média R$ 2.196, uma diferença de R$ 600. Já para os homens a diferença de preços entre as capitais é maior e representa R$ 978. Para eles, o valor mais atraente está em Brasília, com cotação média de R$ 1.982 contra os R$ 2.960 registrados na capital fluminense.

*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)

Mais detalhes

Confira, abaixo, as tabelas com os dez veículos mais vendidos em novembro, de acordo com a Fenabrave, e o valor do seguro para cada modelo nos perfis analisados pela Bidu. As cotações de seguro foram realizadas no dia 10 de dezembro de 2018. Para mais dados e gráficos de análise, confira o relatório completo da Bidu para este mês, assim como edições anteriores.

*Perfil A: homem de 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.

*Perfil B: mulher de 35 anos, casada, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.

Sayuri é a nova assistente virtual no atendimento da Sompo Seguros 372

Sayuri é a nova assistente virtual que chega para incrementar atendimento da Sompo Seguros

Seguradora recebe mais de 120 mil chamadas por mês em sua Central de Atendimento

A Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, como parte de seus investimentos em ferramentas tecnológicas que contribuam com a excelência no atendimento a clientes e parceiros, apresenta ao mercado a Sayuri, a nova assistente virtual da companhia. A partir de agora, segurados e corretores de seguros podem contar com a inteligência artificial da Sayuri para obter informações sobre a situação financeira da apólice, emitir 2ª via de boleto ou da apólice, obter telefones e demais informações sobre atendimentos disponíveis no site.

“A Sompo trabalha com o modelo de relacionamento multicanal e sob o conceito de atendimento humanizado. Nada melhor do que um chatbot para agregar num único recurso a agilidade e assertividade na informação prestada com a simpatia, gentileza e acolhimento característicos do atendimento da nossa companhia”, destaca Priscila Guelfi, superintendente da área de Experiência do Cliente da Sompo Seguros.

Desenvolvida pela Certsys, consultoria especialista em desenvolvimento de chatbots, a nova ferramenta da Sompo utiliza a plataforma de computação cognitiva para negócios da IBM, Watson, e traz entre suas vantagens, mais agilidade na obtenção de informações e Serviços e possibilidade de autoatendimento por parte de corretores, segurados e prestadores de serviços; ampliação do horário de atendimento para 24 horas por dia (24 x 7) para essa categoria de serviços, mais precisão e qualidade no atendimento, capacidade de proximidade e fidelização, além de também incrementar a experiência do cliente.

Por que Sayuri?

Em japonês, o nome Sayuri significa “pequeno lírio” e também “rápida ou adiantada”. A nova assistente virtual da Sompo representa a delicadeza da flor, por um lado acolhedora e humanizada e, por outro, tem a rapidez que a torna ‘ágil’ e eficiente. “A Sayuri resume em seu nome e personalidade todo o conceito com o qual trabalhamos para disponibilizar aos diferentes públicos que contatam a seguradora, mais um canal para intensificar o relacionamento”, ressalta Priscila.

Vale considerar que a Sompo Seguros coloca o cliente no centro das decisões de negócios e trabalha sob cinco pilares: qualidade, agilidade, proximidade, cuidado e relacionamento. A estratégia de atuação da Sompo prevê o acompanhamento do cliente na jornada fim-a-fim, que começa no processo de decisão de contratação e passa pelas boas-vindas, utilização de serviços de assistência, eventuais sinistros e até na renovação do seguro. Só na Central de Atendimento da companhia, em média, são recebidas mais de 120 mil chamadas por mês.

Experiência em Chatbot

A Sompo já acumula experiência na utilização de softwares robôs. A companhia foi a primeira do Brasil desenvolver e lançar, no ano passado, um chatbot voltado à contratação do Seguro Garantia de Obrigações Públicas (Licitante e Executante). Ambas ferramentas utilizam a plataforma de computação cognitiva para negócios da IBM, Watson.

Uma das vantagens desse recurso é o de aprendizado constante da ferramenta (aprendizado de máquina). A cada interação, o recurso consulta a base de conhecimento gerada pela área especialista, que também é responsável por continuar ensinando e aperfeiçoando a plataforma. “Nossos chatbots utilizam linguagem natural humana e compreendem nuances da linguagem, sotaques e abreviações. Com isso, a cada nova interação, a Sayuri vai aprender e descobrir cada vez mais as reais necessidades de nossos clientes, além de gerar dados que podem dar insights para o desenvolvimento de novas soluções que se antecipem às tendências do mercado”, conclui Guilherme Muniz, diretor de Tecnologia da Informação da Sompo Seguros, área que atou no planejamento e implementação da Sayuri junto com a área de Experiência do Cliente.

Aliança estratégica entre AIG e Porto Seguro reforça soluções de seguro para PMEs 497

AIG e Porto Seguro ampliam opções de seguros para PMEs

Este acordo une a capilaridade de distribuição e operação da Porto Seguro e a capacidade de risco e experiência da AIG

AIG e Porto Seguro anunciaram na última quinta-feira, 13 de dezembro de 2018, uma aliança estratégica em seguros de responsabilidade civil para o mercado brasileiro de Pequenas e Médias Empresas – PMEs. Pelos termos, a Porto Seguro passará a oferecer cinco novos produtos já comercializados pela AIG ao mercado PME até um valor contratado, contando com o conhecimento e a garantia de proteção de resseguro da AIG. Os produtos que fazem parte desta negociação são: Gestão Protegida (D&O), RC Profissional, Riscos Cibernéticos, Ambiental Transporte e Operador Portuário.

Segundo Marcelo Picanço, Diretor Geral de Seguros e Investimentos da Porto Seguro, “com esta parceria, as duas seguradoras combinam o relacionamento comercial, atendimento e prestação de serviços da Porto Seguro, com a experiência especializada neste mercado da AIG. Desta forma, o segmento PME passa a contar com mais opções de seguro em responsabilidade civil e, por sua vez, os corretores terão novas oportunidades de negócios, potencializando a oferta de soluções de seguros”.

“Este é um exemplo onde as partes se beneficiam das fortalezas de cada companhia e que oferece ao mercado mais uma oportunidade de crescimento. Em um momento onde esperamos uma retomada da economia no Brasil, esta aliança representa mais acesso e segurança para transferência de riscos das Pequenas e Médias Empresas, onde, segundo estudo da PwC, 70% delas ainda não contam com seguros mais abrangentes”, afirma Fabio Protásio Oliveira, Presidente da AIG Seguros.

Para o CEO Regional da AIG para América Latina, Paride Della Rosa, “esta aliança estratégica com uma companhia referência de mercado como é a Porto Seguro reforça o compromisso da AIG com o Brasil e com a região, onde buscamos fortalecer nossa presença por meio de crescimento orgânico e de parcerias inovadoras como esta, desenvolvendo soluções de seguros e resseguros de acordo com as oportunidades de cada mercado”.

Este acordo [LSA1] está sujeito à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). Os novos produtos da Porto Seguro ficam condicionados à obtenção do registro junto ao órgão regulador, Superintendência de Seguros Privados (SUSEP).

Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019 846

CNSP autoriza redução no valor do Seguro Obrigatório

Tarifa para automóveis particulares passará de R$ 41,40 para R$ 12

Os motoristas pagarão menos seguro obrigatório em 2019. O Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), vinculado ao Ministério da Fazenda, aprovou, no último dia 13, a redução média de 63,3% do valor do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos (DPVAT) no próximo ano.

As reduções ocorrerão de forma diferenciada conforme o tipo de veículo. Automóveis particulares, táxis e carros de aluguel, veículos ciclomotores e máquinas de terraplanagem, tratores, caminhões, pick-ups, reboques e semirreboques terão o DPVAT reduzido em 71%. No caso dos automóveis particulares, a tarifa cairá de R$ 41,40 para R$ 12.

Os ônibus, micro-ônibus e lotações terão o seguro reduzido em 79%. Já o seguro para as motocicletas e motonetas, que concentram a maior parte dos acidentes de trânsito que demandam o acionamento do DPVAT, cairá menos e ficará 56% mais barato.

Combate a fraudes

Em nota, o Ministério da Fazenda informou que a redução dos prêmios tarifários foi possível porque o montante de recursos acumulados atualmente é superior às necessidades do DPVAT. A pasta atribuiu a sobra de recursos ao combate às fraudes, que levou a uma redução significativa dos sinistros, e à rentabilidade das reservas do fundo que compõe o seguro.

O ministério informou ainda que os percentuais de redução variaram de acordo com o tipo de veículo para reduzir o subsídio às motos. Apesar de concentrarem 74% das indenizações, as motocicletas correspondem a apenas 27% da frota nacional.

Em relação aos veículos de transporte coletivo, a redução foi proporcionalmente maior porque o Conselho Nacional de Seguros Privados quis privilegiar os meios de transportes coletivos, que oferecem menos riscos em relação aos meios de transporte individuais.

Segundo a Fazenda, as reservas são mais que suficientes para garantir a solvência de longo prazo do Seguro DPVAT, que paga indenizações em torno de R$ 2 bilhões por ano.

O ministério também destacou melhorias na gestão da Seguradora Líder, administradora do seguro obrigatório, o que aumentou o rigor com as indenizações e reduziu os gastos com o DPVAT.