Caderno JRS chega com especial sobre o Dia Internacional da Mulher 2376

Edição extra do Newsletter JRS será enviada semanalmente aos nossos leitores

O JRS dá segmento a uma série de transformações que visam oferecer maior dinamismo e resultados ainda mais efetivos. A informação sobre seguros chega sempre mais rápido para os assinantes do Newsletter JRS. “Além de receber as notícias sempre em primeira mão agora também será possível receber conteúdo único e aprofundado”, comentou Júlia Senna, editora-chefe do JRS.

Quanto ao formato original nada foi alterado, o Caderno JRS é uma nova plataforma que traz conteúdos relevantes aos leitores do site sobre informações de seguros que mais cresce no Brasil em 2018. O Newsletter JRS será enviado normalmente, mas, nesta quinta-feira, no final da tarde. “Diariamente é possível ficar bem informado no JRS com conteúdos multimídia. Estamos apostando na força da nossa marca e de nossos parceiros. Com isso, já notamos uma ampliação significativa no engajamento de nossas produções”, disse a jornalista.

A primeira edição do Caderno JRS é especial e alusiva ao Dia Internacional da Mulher. Além de entrevistas com diversos ícones da indústria brasileira de seguros é possível acompanhar uma reportagem especial, que trata das soluções disponibilizadas pelo mercado segurador voltadas ao público feminino.

Se você ainda não recebe o Newsletter JRS acesse agora mesmo este link e de brinde receba um E-book sobre como aumentar sua sintonia com o novo perfil de consumo.

Porto Seguro anuncia mudanças no PortoCap Aluguel 775

Companhia lança novos planos e amplia o leque de soluções que buscam facilitar a locação de imóveis

A Porto Seguro lança cinco novos planos do PortoCap Aluguel, título de capitalização que substitui o fiador e dispensa análise de crédito no momento da locação de um imóvel. “Agora, aumentamos nosso portfólio e nossos clientes contam com mais possibilidades no momento da contratação de seu título de capitalização”, diz o superintendente de Riscos Financeiros e Capitalização da companhia, Nelson Aguiar.

Além de simplificar o processo de locação, os novos planos do PortoCap Aluguel permitem contratações com vigência de 12, 15, 18, 24 e 30 meses. Os inquilinos ainda participam de sorteios mensais pela Loteria Federal e concorrem a prêmios de até cinco vezes o valor do título, de acordo com a regra vigente no momento da contratação. Oferecem, também, serviços emergenciais gratuitos à residência alugada, entre eles chaveiro, eletricista e encanador.

Caso permaneça até o final da vigência sem usar a garantia, o cliente poderá resgatar o percentual do valor capitalizado, podendo chegar a até 103% de acordo com o plano contratado.

Para mais detalhes sobre os novos planos do PortoCap Aluguel, acesse https://www.portoseguro.com.br/titulo-de-capitalizacao-para-aluguel/portocap-aluguel.

Sompo Seguros apresenta novas diretorias de produtos 785

Novidade visa atender aos planos de investimentos em soluções de serviços de fomentar oportunidades de negócios para corretores de seguros

A Sompo Seguros, como parte de sua estratégia de investimentos em soluções para incrementar a experiência do segurado e fomentar o desenvolvimento de negócios para os parceiros corretores de seguros, anunciou a nova estrutura organizacional, que entra em vigor em 1 de junho. As linhas de produtos foram reorganizadas dentro de novas Diretorias Técnicas a fim de atender aos planos de lançamentos de produtos e serviços para conquistar market share em diferentes ramos do seguro.

“A Sompo Seguros tem investido fortemente na consolidação de sua estratégia nos anos recentes, alinhada à Sompo Internacional, com o objetivo de ofertar uma gama completa de produtos e serviços aos corretores e clientes. Para atender à dinâmica do mercado brasileiro, que está mais desafiadora a cada dia, estruturamos um planejamento estratégico em que nossos diretores técnicos estarão com foco em grandes áreas de negócios. Com isso, ganhamos ainda mais agilidade no desenvolvimento de novas soluções, conseguimos identificar tendências, além de estreitar ainda mais nosso relacionamento com os parceiros corretores de seguros”, ressalta Adailton Dias, diretor Executivo de Produtos e Resseguro da Sompo Seguros.

Por meio da iniciativa, Rogério Santos, que era responsável pelo ramo Automóvel e que, entre outras iniciativas capitaneou em 2019 o lançamento do Sompo Auto, o novo seguro Automóvel da companhia; assume a Diretoria de Massificados. Ele tem como desafio reforçar ainda mais a atuação da Sompo Seguros no segmento de massificados, abrangendo os ramos Automóvel (Individual), Empresarial/Lucros Cessantes (com Limite Máximo de Garantia até R$ 50 milhões), Residencial, Condomínio, Habitacional, Penhor Rural, Benfeitorias e RD Equipamentos.

“Venho de uma experiência de relacionamento muito próximo dos corretores de seguros por também já ter atuado na área comercial. E essa característica, no segmento de massificados, é importante porque trabalhamos com as necessidades de cobertura e assistência de uma ampla parcela de consumidores. Estar no dia-a-dia do corretor vai nos ajudar a apresentar nossas ideias e captar percepções para cada iniciativa que estivermos planejando. Nossa cumplicidade com o corretor de seguros nessa nova estrutura reforça a já consolidada política de Portas Abertas da companhia”, analisa Rogério Santos, diretor de Seguros Massificados da Sompo Seguros.

Já João Carlos França de Mendonça que, entre outras iniciativas, esteve à frente do lançamento de produtos como seguros Agrícola, Habitacional, E&O e D&O na diretoria de Commercial Lines, assume a Diretoria de Corporativos. Ele fica responsável pela supervisão dos seguros corporativos, consolidando a posição de destaque da Sompo Seguros nos ramos Riscos Nomeados e Operacionais, Riscos de Engenharia, Riscos de Petróleo, Responsabilidade Civil Geral, E&O, D&O, Garantia, Fiança Locatícia, Empresarial/Lucros Cessantes (com Limite Máximo de Garantia acima de R$ 50 milhões e negócios com resseguro facultativo), RD Compreensivo de Veículos e Agrícola.

“Contamos com um corpo técnico qualificado, experiente e multidisciplinar com conhecimento não só do segmento de seguros, mas dos setores econômicos que atendemos. Com isso, propiciamos condições para que corretores de seguros tenham mais oportunidades de negócios e os segurados tenham agilidade no atendimento, para que possam se dedicar mais tempo aos seus empreendimentos. Esse é um dos fatores que faz com que a Sompo esteja entre as empresas de melhor desempenho nos rankings em algumas de nossas linhas de produto.”, avalia João Carlos França de Mendonça, diretor de Seguros Corporativos da Sompo Seguros.

A essas duas diretorias, soma-se a Diretoria de Transporte e Frota, que continua sob comando de Adriano Yonamine; segmento em que a Sompo Seguros lançou soluções inovadoras de consultoria em gerenciamento de riscos, além de uma estrutura exclusiva de monitoramento de cargas de reconhecida eficiência. Essas iniciativas contribuíram para a Sompo Seguros alcançar a liderança do segmento de Seguro de Transportes.

Já o segmento de Pessoas também segue sob o comando da superintendente Técnica de Vida, Diana Araújo Estevão. Esse ramo é um dos que apresenta crescimento mais expressivos e a Sompo Seguros ampliou seu leque com soluções voltadas aos seguros de Vida Individual (Individual e Vida Top Mulher) e Coletivos (Empresarial e PMEs), com opções de contratação para atender diferentes realidades dos segurados. Com isso, a carteira que representava cerca de 5% do portfólio da Sompo Seguros anos atrás, atualmente alcança uma representatividade de 11%.

CVG destaca as oportunidades do ramo vida 541

Em nova edição, revista da entidade traz informações sobre seguro e ações realizadas durante a pandemia

Dois momentos dos seguros de pessoas foram abordados na nova edição da revista CVG Notícias. Antes da pandemia de coronavírus, o CVG-SP debateu, em março, as oportunidades dos planos de previdência e do seguro de vida com a participação de um time de especialistas. A matéria de capa desta edição traz os detalhes do evento, revelando a evolução do ramo, que passou a atender à crescente demanda com a oferta de produtos sofisticados.

Outro momento do seguro de vida, após a declaração de pandemia, também é tratado pela revista, em especial na matéria sobre o webinar promovido pelo CVG-SP, no final de abril, com a participação da diretoria executiva. Uma das conclusões do evento é que a pandemia está mudando a percepção da população em relação ao seguro de vida. De acordo com os palestrantes, na contramão de outros ramos, a contratação do seguro de vida está avançando.

Outro assunto da revista relacionado à pandemia é o lançamento da nova série de vídeos Pílulas de Vida. Os vídeos curtos da série, que integram o acervo da TV CVG, contam com as orientações e dicas de diversos especialistas para os profissionais aumentarem seus negócios. Já na seção Análise, o leitor poderá se informar sobre as perspectivas econômicas a partir da previsão de economistas entrevistados.

Na seção Especial, a CVG Notícias fez questão de exaltar o gesto de solidariedade das seguradoras do ramo vida que divulgaram a decisão de indenizar as mortes provocadas pelo Covid-19 em seus contratos vigentes, apesar de a pandemia ser um risco excluído. A matéria traz o depoimento de algumas dessas seguradoras.

Para ler a revista ou baixar o arquivo, clique aqui

Fenacor emite comunicado sobre programa de linha de crédito 1533

Serviço oferece taxas reduzidas aos optantes do Simples Nacional

A Fenacor emitiu um comunicado informando aos corretores de seguros a publicação no Diário Oficial da União, que institui o Programa Nacional de Apoio às Microempresas de Pequeno Porte (Pronampe). O serviço facilita o acesso ao crédito, com taxas reduzidas aos optantes do Simples Nacional.

Na publicação, a Federação explicou que, de acordo com a Lei nº 13.999/20, a linha de crédito concedida no âmbito do Pronampe corresponderá até 30% da receita bruta anual da empresa, calculada com base no exercício de 2019. As empresas que tiverem menos de um ano de funcionamento, terão o limite do empréstimo em até 50% do seu Capital Social, ou até 30% da média de seu faturamento mensal, verificado desde o início das suas atividades.

Já os recursos recebidos com o Programa, devem servir ao financiamento da atividade empresarial e poderão ser utilizados para investimentos e para capital de giro isolado e associado. Conforme o comunicado, a empresa não poderá destinar esses recursos para a distribuição de lucros e dividendos entre os sócios.

A Fenacor também esclareceu que a União aumentará a participação no Fundo Garantidor de Operações (FGO) em R$ 15,9 bilhões, exclusivamente para cobertura das operações contratadas no Pronampe. As instituições financeiras participantes do Programa devem operar com recursos próprios, mas poderão contar com garantia prestada pelo FGO, com o limite de 85% do valor de cada operação garantida, e com as primeiras perdas da carteira de responsabilidade do Fundo.

Confira o comunicado emitido pela Fenacor:

A Fenacor informa aos corretores de seguros a publicação da Lei nº 13.999/20 (no Diário Oficial da União do dia 19 de maio), que Institui o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), o qual facilita acesso ao crédito, com taxas reduzidas, aos optantes do Simples Nacional.

De acordo com a Lei nº 13.999/20, a linha de crédito concedida no âmbito do Pronampe corresponderá a até 30% da receita bruta anual da empresa, calculada com base no exercício de 2019.

No caso das empresas que tenham menos de ano de funcionamento, o limite do empréstimo corresponderá a até 50% do seu Capital Social ou a até 30% da média de seu faturamento mensal apurado desde o início de suas atividades, o que for mais vantajoso.

Os recursos recebidos no âmbito do Pronampe servirão ao financiamento da atividade empresarial nas suas diversas dimensões e poderão ser utilizados para investimentos e para capital de giro isolado e associado.

No entanto, a empresa não poderá destinar esses recursos para a distribuição de lucros e dividendos entre os sócios.

As instituições financeiras poderão formalizar operações de crédito no âmbito do Pronampe até três meses após a entrada em vigor da Lei, prorrogáveis por mais três meses, devendo ser observados os seguintes parâmetros:

1 – taxa de juros anual máxima igual à Selic, acrescida de 1,25% sobre o valor concedido; e

2 – prazo de 36 meses para o pagamento;

Na concessão de crédito ao amparo do Pronampe deverá ser exigida apenas a garantia pessoal do proponente em montante igual ao empréstimo contratado, acrescido dos encargos, salvo nos casos de empresas constituídas e em funcionamento há menos de um ano, cuja garantia pessoal poderá alcançar até 150% do valor contratado, mais acréscimos.

As empresas que contratarem as linhas de crédito no âmbito do Pronampe assumirão contratualmente a obrigação de fornecer informações verídicas e de preservar o quantitativo de empregados em número igual ou superior ao verificado na data da publicação da Lei nº 13.999/20, no período compreendido entre a data da contratação da linha de crédito e o 60º dia após o recebimento da última parcela da linha de crédito.

A Lei nº 13.999/20 veda a celebração do contrato de empréstimo com empresas que possuam condenação relacionada a trabalho em condições análogas às de escravo ou a trabalho infantil.

Caso haja autorização por parte das pessoas que contratarem as linhas de crédito no âmbito do Pronampe, o SEBRAE receberá os dados cadastrais relativos às operações concedidas, para ofertar a provisão de assistência e ferramentas de gestão às microempresas destinatárias da linha de crédito.

Poderão aderir ao Pronampe e requerer a garantia do Fundo Garantidor de Operações (FGO) as seguintes instituições: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste do Brasil e o Banco da Amazônia, além dos bancos e as agências de fomento estaduais, as cooperativas de crédito, bancos cooperados, as instituições integrantes do sistema de pagamentos brasileiro, as plataformas tecnológicas de serviços financeiros (fintechs), as organizações da sociedade civil de interesse público de crédito, e as demais instituições financeiras públicas e privadas autorizadas a funcionar pelo Banco Central, atendida a disciplina do Conselho Monetário Nacional e do Banco Central do Brasil a elas aplicável.

A União aumentará sua participação no FGO em R$ 15,9 bilhões, exclusivamente para cobertura das operações contratadas no âmbito do Pronampe.
As instituições financeiras participantes do Pronampe operarão com recursos próprios e poderão contar com garantia a ser prestada pelo FGO, limitada a 85% do valor de cada operação garantida, com as primeiras perdas da carteira de responsabilidade do FGO.

Na hipótese de inadimplemento do contratante, as instituições financeiras participantes do Pronampe farão a cobrança da dívida em nome próprio, em conformidade com as suas políticas de crédito, e recolherão os valores recuperados ao FGO, relativos a cada operação, na proporção do saldo devedor honrado pelo Fundo.

Corretores devem aguardar orientação para recadastramento 784

De acordo com o Sincor-GO, sistema proposto pela Susep não atende aos requisitos básicos exigidos por lei

O Sindicato dos Corretores de Goiás (Sincor-GO), emitiu um comunicado onde pede que os corretores de seguros aguardem orientações do Sindicato para a realização do recadastramento. As instruções do Sindicato e dos outros Sincor’s seguem o posicionamento da Fenacor.

A Federação afirma que a utilização do sistema de recadastramento proposto pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) não atende aos requisitos básicos exigidos por lei, coloca em risco e pode trazer prejuízos consideráveis para os corretores de seguros e para as empresas corretoras.

Além disso, o texto reforça que comissões dos corretores de seguro continuarão sendo pagas normalmente até o fim do prazo do recadastramento, que vai até o dia 31 de julho deste ano.

Confira na íntegra o comunicado do Sincor-GO:

O Sincor-GO orienta os corretores de seguros a continuarem aguardando manifestação do sindicato antes de efetuarem o recadastramento junto à Susep, cujo prazo só se encerra em 31 de julho. A entidade esclarece, ainda, que as comissões continuam sendo pagas normalmente e que não procede qualquer dúvida que vincule este direito ao recadastramento.

As orientações do Sincor-GO e dos outros Sincor´s seguem posicionamento da Fenacor. A Federação e os sindicatos da categoria reforçam que a utilização do sistema de recadastramento proposto pela Susep não atende aos requisitos básicos exigidos por lei, coloca em risco e pode trazer prejuízos consideráveis para milhares de profissionais corretores de seguros e para as empresas corretoras de seguros.

Não há nenhum regramento legal que coloque em risco o recebimento das comissões pelos corretores. As comissões continuarão sendo pagas normalmente até o fim do prazo do recadastramento.