América Latina está atrasada para Transição Global de Energia 4826

Relatório revela que o mundo parou de avançar em direção à sustentabilidade ambiental e os preços de energia tiveram aumento real em mais da metade dos países pesquisados

O World Economic Forum divulga hoje um novo relatório, Promoção de uma Transição Energética Efetiva, onde apresenta sua Índice de Transição 2018 e avalia a atual condição dos sistemas de energia de 114 países, além de sua preparação estrutural para atender às necessidades energéticas no futuro.

O relatório criou um ranking destes países de acordo com o desempenho de seus atuais sistemas energéticos, medindo três dimensões – segurança energética e acesso à energia, a sustentabilidade ambiental do sistema e o potencial para crescimento e desenvolvimento econômico sustentável – e avalia a presença de condições que poderiam viabilizar a transição para uma economia de baixo carbono.

“Dentro desta análise dos fatos, conseguimos construir uma visão do desempenho atual de cada sistema nacional de energia e uma perspectiva do que ainda precisa ser feito para garantir seu sucesso no futuro”, disse Roberto Bocca, Chefe de Setores Básicos e de Energia, do World Economic Forum.

O principal resultado desta edição do Índice revela que o mundo parou de avançar em direção à sustentabilidade ambiental. O relatório mostra praticamente nenhuma redução da intensidade do uso de carbono: foram registrados uma melhoria de apenas 1,8% por ano durante nos últimos cinco anos, comparado com a meta de 3% exigida pelos objetivos para o clima no Acordo de Paris. Falando sobre acessibilidade, desde 2013 os preços da energia doméstica tiveram aumento real em mais da metade dos países, apesar de uma queda generalizada dos preços dos combustíveis.

Um dado positivo, de acordo com as últimas tendências globais, mais de 80% dos países registraram um aprimoramento de seus sistemas energéticos nos últimos cinco anos. No entanto, o relatório concluiu que precisamos de uma nova estratégia para ajudar mais de um bilhão de pessoas que ainda não tenham acesso a eletricidade.

O Índice de Transição Energética (ITE) de 2018

De acordo com os resultados, os países da Escandinávia e Europa Ocidental lideram o ranking geral, com a Suécia, a Noruega e a Suíça assumindo os três primeiros lugares. O Reino Unido (7) e a França (9) são as únicas economias do G7 entre os 10 primeiros do ranking.

Outras grandes economias possuem performance mistas. A Alemanha (16) enfrenta preços altos e emissões crescente, embora apresente um alto nível de preparo (11), atribuído às instituições e os regulamentos fortes do país. Os Estados Unidos (25) receberam uma pontuação baixa em relação a sustentabilidade ambiental, embora mantenha uma estrutura institucional forte e um mercado de capitais vibrante, que elevou seu nível de preparo (22).

A Colômbia (32), o Brasil (38) e a Rússia (70) possuem sistemas energéticos robustos devido à fartura de seus recursos naturais, mas apresentam um baixo nível de preparo como resultado da falta de capital humano e os desafios apresentados por suas instituições e estruturas regulatórias.

Entre os países da América Latina, Uruguai (13), Costa Rica (20), Chile (24) e México (28) registraram o melhor desempenho. Embora a região esteja em linha com a média global, considerando a contribuição do sistema energético para o crescimento econômico, segurança e acessibilidade, e pontuar acima da média em sustentabilidade ambiental, muitos países estão atrasados para iniciar o processo de transição. As principais áreas que precisam de melhoria são a inovação, o capital humano, a segurança de investimentos e as estruturas institucionais efetivas.

O relatório identifica os países como a República da Coréia (49), Jordão (65) e Quênia (71), que demonstram níveis de preparo acima da média, apesar das classificações mais baixas no seu desempenho atual, sugerindo o potencial de atingir um “ponto de inflexão” e rapidamente desenvolver sistemas energéticos mais avançados. Nesses países, o aumento do investimento em energias renováveis e eficiência energética nos últimos tempos, por exemplo, levou a uma expansão significativa no acesso à energia.

A China (76) também tem o potencial de avançar rapidamente com sua decisão recente de apoiar o desenvolvimento de veículos elétricos e o seu compromisso político de enfrentar seus desafios ambientais, que inclui medidas para criar um mercado de carbono. Seu desempenho ficou reduzido devido à pontuação baixa em sustentabilidade ambiental.

A Índia (78) melhorou seu desempenho com medidas para garantir maior acesso a eletricidade e reduzir subsídios para o setor de energia. A Índia tomou várias medidas corajosas, especialmente na implementação de energias renováveis e eficiência energética, e foi ranqueado como o “País Emergente” que está rapidamente se aproximando do ponto de inflexão.

O relatório Promoção de uma Transição Energética Efetiva foi produzido com apoio analítico da McKinsey & Company, e apresenta várias medidas para uma transição energética efetiva, ilustrando experiências bem sucedidas e estruturas comprovadas que podem servir de exemplo para outros países. Planos estratégicos de longo prazo com princípios, metas e marcos claramente definidos – e a criação dos habilitadores identificados dentro desta estrutura – são essenciais para acelerar a transição energética.

“A disrupção no sistema energético está se aproximando de um ponto de inflexão e os decisores políticos, os empresários e a sociedade devem se preparar para se beneficiar das oportunidades que as transições de energia vão oferecer. Estratégias energéticas previsíveis e flexíveis serão uma peça chave para garantir uma transição efetiva dos países, agregan valor para as empresas e a sociedade”, disse Thomas Seitz, Associado Sênior da McKinsey & Company.

“Precisamos acelerar a transição para um sistema de uso e a produção da energia mais sustentável, e precisamos reduzir emissões dos gases de efeito estufa, aumentar o acesso a energia e melhorar a qualidade do ar. Para fazer isso, devemos aproveitar uma série de tecnologias do setor de energia e aumentar a cooperação entre governos, o setor e a sociedade civil”, disse Fatih Birol, Diretor Executivo, da Agência Internacional de Energia e Presidente Conjunto do Conselho de Coordenação, da Iniciativa para Moldar o Futuro do Sistema Energético, do World Economic Forum.

ANSP firma parceria com a Escola Nacional de Seguros 259

Parceria ANSP e ENS

Termo de cooperação disponibiliza desconto em diversos cursos

A fim de continuar contribuindo para o aperfeiçoamento do mercado de seguros, a Academia Nacional de Seguros e Previdência (ANSP) acaba de firmar parceria de cooperação educacional com a Escola Nacional de Seguros (ENS), principal instituição de ensino de seguros do Brasil.

Pelo acordo, a Escola passa a oferecer, para os Acadêmicos e seus dependentes, desconto de 20% sobre o valor da mensalidade nos cursos de Graduação, MBA e Pós-Graduação, e de 10% nos cursos de extensão. O desconto é válido para todas as unidades da ENS no país.

Com mais de 47 anos difundindo o ensino e a pesquisa em seguros, a Escola ministra cursos como: Tecnólogo em Gestão de Seguros, Bacharelado em Administração com Linha de Formação em Seguros e Previdência, Pós-Graduação em Gestão Comercial do Seguro, Pós-Graduação em Compliance e Governança Corporativa, MBA Executivo em Negócios de Seguros, MBA Gestão de Seguros e Resseguro, entre outros.

“Com essa parceria, a ANSP passa a oferecer aos nossos Acadêmicos e a seus dependentes mais uma ótima oportunidade de formação profissional por meio da principal instituição de ensino e formação securitária no Brasil”, afirma João Marcelo, presidente da ANSP.

Outros detalhes no site da Academia Nacional de Seguros e Previdência.

Confiança divulga aviso sobre quadro geral de credores 771

Confiança

Divulgação foi realizada no Diário Oficial da União

A disponibilização do Quadro Geral de Credores e do Balanço Patrimonial da Confiança Seguros, com data base em 31 de agosto de 2018, foi divulgada através de publicação no Diário Oficial da União (DOU), nos dias 10 e 11 de outubro de 2018.

Conforme parágrafo único do art. 25 da Lei 6.024/77, aplicado conforme o disposto no art. 3º da Lei 10.190/2001, qualquer interessado poderá impugnar a legitimidade, o valor ou a classificação dos créditos constantes do referido quadro.

A impugnação deve ser apresentada por escrito, devidamente justificada, instruída com os documentos julgados convenientes, em 10 dias contados a partir da data da publicação do aviso (até a data limite de 22/10/2018). No documento de impugnação, o impugnante deverá apresentar seus meios de contato: endereço, telefone e e-mail. A impugnação poderá ser protocolada na sede da massa liquidanda (Rua Sete de Setembro, 627, 9º andar, Centro Histórico, Porto Alegre, RS, CEP 90010-190, no horário de 8:00 às 12:00 e das 13:00 às 17:00, de segunda à sexta-feira, encaminhada via correspondência ou por meio do e-mail liquidante@confiancaseguros.com.br. O titular do crédito impugnado será notificado pelo liquidante (caso não seja ele quem estiver impugnando o crédito) e, a contar da data do recebimento da notificação, terá o prazo de cinco dias para oferecer as alegações e provas convenientes à defesa de seus direitos. Caberá à Susep a decisão sobre as impugnações.

Somente são passíveis de habilitação os créditos para os quais há certeza de sua existência e de seu valor. Dessa forma, somente processos judiciais com o trânsito em julgado foram habilitados. Para processos judiciais sem o trânsito em julgado, a massa liquidanda, oportunamente, procederá à reserva de crédito. No entanto, em dois casos houve a determinação judicial para que se procedesse a reserva de fundos. Quando da publicação do QGC definitivo, será disponibilizada conjuntamente a relação de reservas de crédito. A habilitação de créditos não cessou com a publicação do aviso. Assim, créditos pendentes de documentação, assim como créditos oriundos de processos judiciais serão habilitados tão logo as pendências sejam sanadas. No arquivo QGC relatório analítico, os créditos são apresentados por classificação e com o nome do (a) credor (a), número do CPF/CNPJ, valor do crédito e número do processo de habilitação.

Dúvidas poderão ser sanadas no mesmo endereço e, alternativamente pelo e-mail ouvidoria@confiancaseguros.com.br ou pelo fone (51) 3215-8301, respeitado o prazo aberto para impugnação.

O despacho no DOU é assinado pelo liquidante, Jesus Cláudio da Silveira.

Roubo de veículos cai 17,3% no 3º trimestre, no RJ 791

Caem roubos de veículos no Rio de Janeiro

Presidente da Aconseg-RJ está confiante na consolidação desse índice

O presidente da Associação das Assessorias de Seguros do Rio de Janeiro (Aconseg-RJ), Luiz Philipe Baeta Neves, está bastante confiante na consolidação da tendência de queda dos percentuais de roubos e furtos de veículos e cargas no Rio de Janeiro. Ele atribui à intervenção militar no Estado os bons resultados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), segundo o qual os de roubos de carros apresentaram queda da ordem de 17,3% no terceiro trimestre, comparado ao mesmo período do ano passado.

Baeta lembra que, inicialmente, o comando da intervenção enfrentou problemas em razão da falta de verbas. “O dinheiro demorou a chegar e, quando chegou, era preciso cumprir vários procedimentos no processo de compras para não infringir a lei. Isso demandou tempo, mas, agora, estão aprimorando. Então, os resultados apurados são reflexos da intervenção no estado”, observa.

Para o presidente da Aconseg-RJ, o resultado do segundo turno das eleições presidenciais também podem influir no processo de melhoria dos índices de roubos de carros, de cargas e de transportes.Na opinião do executivo, se for mantida a perspectiva apontada pelos instituto de pesquisa em relação a eleição presidencial, possivelmente será mantida a intervenção no RJ e “a melhoria naqueles índices será maior ainda”. Por essa razão, Luiz Philipe Baeta Neves afirma que a Aconseg vê esse momento com perspectivas de mais realizações e de um futuro “muito bom” pela frente.

Thinkseg Group está entre as 100 insurtechs mais inovadoras do mundo 513

Thinkseg

A lista foi criada pela FinTech Global para destacar as empresas que todos os líderes do mercado devem conhecer em 2019

O Thinkseg Group acaba de ser inserido na seleta lista InsurTech 100, produzida pela FinTech Global, empresa especialista em pesquisas e levantamento de dados, que denomina as 100 insurtechs mais inovadoras do mundo. O ranking, divulgado na última quinta-feira, dia 11 de outubro, usou como um dos principais critérios as soluções tecnológicas oferecidas pelas empresas selecionadas ao mercado de seguros e resseguros.

A lista é composta por insurtechs de diversos países do mundo, com destaque para os Estados Unidos, onde opera a maioria delas. O Thinkseg Group está entre as únicas duas empresas brasileiras selecionadas.

Fundado em 2016, o Thinkseg Group foi criado para revolucionar o mercado de seguros brasileiro ao oferecer uma experiência totalmente digital ao consumidor, com produtos construídos e precificados de forma inédita. Em parceria com as principais seguradoras, uma de suas verticais, a Thinkseg, utiliza telemetria e inteligência artificial para oferecer produtos customizados, pensando não apenas no perfil, mas também no comportamento de cada cliente.

Criado por um único investidor com modelo de partnership, o Thinkseg Group não tem participação de grandes bancos, seguradoras ou fundos de investimentos. O resultado disso é total transparência, flexibilidade e agilidade para oferecer serviços e soluções em parceria com diferentes agentes do mercado, pensando sempre no consumidor em primeiro lugar.

Na primeira operação de aquisição entre insurtechs no Brasil, em junho deste ano, o Thinkseg Group multiplicou sua carteira de clientes ao adquirir a Bidu Corretora, uma veterana no ambiente digital e uma das primeiras corretoras de seguro online do país que, hoje, é líder isolada na geração de tráfego orgânico e na consequente aquisição de clientes para diversos tipos de seguros.

De acordo com Andre Gregori, CEO e fundador do grupo, ter esse reconhecimento mostra que estão no caminho certo, ao oferecer aos clientes uma forma totalmente digital e inovadora de contratar seguros, trazendo real disrupção e melhorias para todos do mercado. “O nosso principal objetivo é inovar no mercado, utilizando a tecnologia para oferecer produtos personalizados, além de desburocratizar o acesso aos seguros no Brasil. Por isso, fazer parte desta lista é um reflexo de que estamos realmente atendendo aos anseios do consumidor moderno, que está cada vez mais digitalizado e procurando por novas formas de adquirir os seus produtos”, afirma Gregori.

A pesquisa começou a ser realizada em junho deste ano, com a identificação dos principais players do mercado de seguros e resseguros. Assim, a FinTech Global iniciou um processo de seleção das melhores companhias, por meio da realização de entrevistas detalhadas, para levantamento de informações e análises de cases. Com a definição dos melhores projetos e soluções apresentadas, a startup global definiu as 100 finalistas que compõem a lista.

As empresas de destaque foram escolhidas por um painel de experts da indústria de seguros, que revisaram as análises de 637 insurtechs identificadas pela FinTech Global. As insurtechs finalistas foram reconhecidas por seus usos inovadores de tecnologia para resolver algum problema significativo do mercado, crescimento em termos de capital e potencial para gerar economias de custos ou melhorias de eficiência em toda a cadeia de valor dos seguros.

Mercado em ascensão

Segundo a FinTech Global, o setor de insurtechs é um dos mais importantes dentro do mercado de fintech. Desde 2015, mais de 7 bilhões de dólares foram investidos por essas startups em soluções de seguro e resseguro no mundo, fazendo com que os investidores percebessem o No Brasil, o mercado de insurtechs cresce continuamente, contando atualmente com 78 empresas, conforme o último levantamento do Comitê de Insurtechs da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net).

A FinTech Global identifica que há muita especulação sobre as insurtechs no mercado, porém as informações ainda são muito superficiais, incoerentes e não satisfazem às principais necessidades de dados requeridos pelos tomadores de decisões de incubadoras. Por isso, a criação da lista InsurTech 100 ajuda os líderes do mercado de seguros na identificação de negócios de sucesso, oferecendo análises aprofundadas sobre as melhores iniciativas dentro do setor de insurtechs.

Bradesco Seguros inaugura Sucursal em Chapecó (SC) 632

Bradesco Seguros Chapecó

Executivos da companhia prestigiam volume de negócios na região

Com a presença de Marco Antonio Gonçalves, Diretor-Geral da Organização de Vendas do Grupo Bradesco Seguros, aproximadamente 80 operadores participaram da inauguração na Sucursal da Bradesco Seguros, em Chapecó (SC). O Diretor Comercial, Leonardo Pereira de Freitas; a Superintendente de Mercado, Yara Schiefler; a Corporate, Adriana dos Santos Macedo e o Superintendente Regional Corporate, Ederson Daronco, também marcaram presença neste momento ímpar para o setor de seguros na região.

Um público de funcionários internos e da área comercial, corretores e demais executivos participaram ainda de um momento de benção e unção da nova sede. “Valorizamos toda produção já conquistada e pedimos todo apoio para continuarmos com o grande volume de produção e representatividade que a Sucursal já possui”, explica Anderson Mundim, Superintendente Região Sul da seguradora.

Confira imagens – Inauguração da Sucursal Bradesco Seguros em Chapecó (SC)