“Petrobras mente”, diz CNT ao criticar política de preços dos combustíveis 2944

Litro da gasolina ultrapassa R$ 7 se compra for no cartão de débito, em Recife (PE)

A desastrosa política de preços dos combustíveis colocada em prática pelo governo de Michel Temer tem chamado a atenção de todos os brasileiros. O aumento da gasolina nas refinarias teve aumento de 42,25% entre julho de 2017 e maio de 2018, segundo a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis).

Arthur Mota/Folha de Pernambuco
Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Para se ter uma ideia do problema, a Folha de Pernambuco destacou que a gasolina ultrapassou os R$ 7 para compras feitas no cartão de débito, na Zona Oeste de Recife (PE). Se para o motorista particular o preço pesa no bolso, imagine para os caminhoneiros. Há dias os profissionais questionam o preço do diesel e realizam protestos em diversas rodovias do Brasil.

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) critica duramente a atual política e afirma que a carga tributária e preços internacionais para óleo diesel não podem sufocar os transportadores. “A política de preços adotada pela Petrobras em suas refinarias, que acompanha a alta das cotações internacionais do petróleo, é uma medida desproporcional pois ela tem custos internos e não internacionais. Os transportadores não podem responder pela ineficiência da Petrobras e pela corrupção que ocorreu na estatal”, diz nota enviada à redação de JRS.

A CNT ainda questiona que países autossuficientes na produção de petróleo praticam preços do óleo diesel mais baratos. “Em comparação a outros países que possuem perfil similar ao desenvolvimento econômico brasileiro, como Rússia e México, o preço do óleo diesel no Brasil é superior. O óleo diesel cobrado no Brasil é, em média, 15% superior ao cobrado nos Estados Unidos, sendo que a renda média neste país é 6 vezes maior que a do brasileiro”, compara a entidade ao lembrar que a política de preços dos combustíveis deve considerar as condições econômicas do Brasil.

O governo anunciou um acordo para zerar a Cide do diesel. No entanto, o impacto da medida será imperceptível nos preços na bomba. “Esta política equivocada e desastrosa não poderia ter sido implantada em pior momento para o setor transportador, que ainda luta para superar as perdas da forte recessão econômica. Os sucessivos aumentos do óleo diesel comprometem com mais intensidade o transporte rodoviário, que responde pelo tráfego de 90% dos passageiros e por mais de 60% da movimentação de bens e produtos no Brasil”, finaliza a Confederação Nacional do Transporte ao destacar que as medidas apresentadas pelo governo em nada contribuem para uma solução da questão.

Bradesco Seguros inaugura Sucursal em Chapecó (SC) 428

Bradesco Seguros Chapecó

Executivos da companhia prestigiam volume de negócios na região

Com a presença de Marco Antonio Gonçalves, Diretor-Geral da Organização de Vendas do Grupo Bradesco Seguros, aproximadamente 80 operadores participaram da inauguração na Sucursal da Bradesco Seguros, em Chapecó (SC). O Diretor Comercial, Leonardo Pereira de Freitas; a Superintendente de Mercado, Yara Schiefler; a Corporate, Adriana dos Santos Macedo e o Superintendente Regional Corporate, Ederson Daronco, também marcaram presença neste momento ímpar para o setor de seguros na região.

Um público de funcionários internos e da área comercial, corretores e demais executivos participaram ainda de um momento de benção e unção da nova sede. “Valorizamos toda produção já conquistada e pedimos todo apoio para continuarmos com o grande volume de produção e representatividade que a Sucursal já possui”, explica Anderson Mundim, Superintendente Região Sul da seguradora.

Confira imagens – Inauguração da Sucursal Bradesco Seguros em Chapecó (SC)

317 empresas são autuadas por operar no mercado de seguros sem autorização 650

Empresas

Divulgação da lista é iniciativa inédita da Superintendência de Seguros Privados (Susep)

Em uma ação inédita, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) passa a divulgar uma listagem de empresas e entidades, nacionais e estrangeiras, identificadas e autuadas por não possuírem autorização da autarquia para operar com produtos de seguro. A lista será atualizada periodicamente e abrange o chamado “mercado marginal” como um todo, não apenas a intitulada “proteção veicular”, pois foram identificadas também operações indevidas em relação aos ramos de seguros de vida, funeral, entre outros.

Para o superintendente da Susep, Joaquim Mendanha de Ataídes, um órgão supervisor forte preza pela eficiência do setor, de forma transparente, atuando como agente de proteção ao consumidor e combate ao chamado “mercado marginal”. “Estamos falando de empresas e entidades que foram identificadas pela área de fiscalização comercializando, de forma irregular, produtos similares aos de seguro. Além disso, há também outras empresas que são constituídas fora do Brasil e não possuem autorização para comercializar serviços no mercado brasileiro”, enfatiza.

Entre as regras e os critérios preestabelecidos pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) para a constituição de sociedades seguradoras, estão: as de solvência – que atestam a condição que uma companhia possui, entre ativos e passivos, para arcar com seus compromissos financeiros; bases técnicas atuariais que visam a estabelecer probabilidades de riscos; e a fiscalização em relação às condições legais para eleição dos seus administradores.

Nessa mesma linha, o diretor de Supervisão de Conduta da Susep, Carlos de Paula, reitera que todas as empresas que comercializam produtos de seguro precisam ser autorizadas pela Susep. “A autarquia mantém uma força-tarefa constante no sentido de coibir e enfrentar a realização de operações de seguros por empresas sem autorização”, afirma, ressaltando que a Susep vê o chamado “mercado marginal” com preocupação. “A prática ilegal (sem autorização) causa prejuízos à população porque não há proteção para o consumidor. O consumidor precisa estar bem informado.”, orienta.

Orientações ao consumidor

A lista de empresas e entidades nacionais e internacionais divulgada pela Susep leva em consideração os processos administrativos sancionadores julgados em primeira instância no âmbito da autarquia, tendo caráter informativo e não exaustivo. Confira a lista na íntegra.

Em relação às empresas estrangeiras, a autarquia alerta que há denúncias sobre a comercialização de produtos de seguro de forma irregular no Brasil – sem a autorização da Susep -, e que tal prática vai de encontro à legislação brasileira.

A Susep orienta que, antes da contratação de qualquer produto de seguro, seja realizada uma pesquisa sobre a empresa para certificar que ela é autorizada pela autarquia neste link.

Agora o JRS ficou ainda mais digital 545

Portal JRS

Empresa especialista em informação segura muda endereço principal na internet

O JRS, há 18 anos informando o Brasil sobre seguros, conta com novo diretório principal na internet. Agora ficou muito mais fácil localizar os conteúdos de um dos maiores portais do segmento no País: basta acessar JRS.digital. No navegador Google Chrome é possível realizar pesquisas no portal direto na barra de endereços, basta pressionar a tecla “tab”.

Com mais de 5 mil páginas de conteúdo aprofundado, o site é referência para profissionais do setor, acadêmicos e demais operadores de um dos nichos que mais cresce na economia brasileira.

A mudança não foi apenas no endereço do portal, como também em sua estrutura. Contamos agora com novos parceiros que disponibilizam ainda mais qualidade e velocidade para a distribuição de nossos conteúdos 24 horas por dia, 7 dias por semana, onde nossos espectadores estiverem.

E você também pode fazer parte dessa história. Sugestões de pautas e artigos podem ser enviados para redacao@jrscomunicacao.com.br. Para saber tudo em primeira mão é só seguir @revistajrs nas principais redes sociais.

Corretor de seguros: sinônimo de proteção 722

Corretor de Seguros

GBOEX reforça parceria que reflete em laços de amizades fortalecidos

Já destacada inúmeras vezes pelos meios de comunicação, pelas empresas do segmento, a figura do corretor de seguros é fundamental para a sociedade. “A profissão é essencial para assegurar a proteção das famílias em todos os momentos”, afirma Ilton Oliveira, diretor-presidente da diretoria executiva do GBOEX.

No dia 12 de outubro foi comemorado o dia do corretor de seguros. Data esta que deve ser lembrada com respeito e referenciada. São eles a ligação entre as empresas do mercado de previdência e seguros e seus clientes.

Para a empresa, contar com o apoio destes profissionais é uma parceria de extrema importância para o nosso desenvolvimento. “O corretor de seguros é um parceiro de longa data da empresa. Uma parceria que dá tão certo que se reflete nos laços de amizade que são fortalecidos”, ressalta o presidente.

Divulgação/GBOEX
Divulgação/GBOEX

GBOEX – 105 anos de tradição, solidez e segurança. Valores que fazem a diferença na vida.

Número de novas empresas sobe 4,5% no 3° trimestre 575

Café

Dados são da Boa Vista SCPC; MEIs (Microempreendedor Individual) cresceram 7,1%

O número de novas empresas cresceu 4,5% no 3° trimestre em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Desta forma, os valores acumulados no ano avançaram 11,7% quando comparados ao mesmo período do ano anterior.

Fonte: Boa Vista SCPC
Fonte: Boa Vista SCPC

Forma jurídica

Na classificação por forma jurídica, a variação em relação ao 2° trimestre mostrou que as MEIs (Microempreendedor Individual) continuam com papel de destaque, crescendo 7,1%. Já os demais tipos de empresas caíram 3,4%, mantida a base de comparação.

Já em termos de composição, no resultado acumulado do ano as MEIs representam 77,8% dos casos.

Fonte: Boa Vista SCPC
Fonte: Boa Vista SCPC

Setores

Quando analisada a composição das novas empresas por setores, o levantamento da Boa Vista mostrou que o setor de Serviços atingiu 57,9% de representatividade no acumulado até o 3º trimestre, estando maior que os 55,8% observados no mesmo período de  2017. O Comércio teve queda na participação, chegando a 33,8%. O setor Industrial também perdeu espaço, passando de 8,2% para 7,4% dos casos no período.

Fonte: Boa Vista SCPC
Fonte: Boa Vista SCPC

Regiões

Ainda na análise acumulada até o 3° trimestre, apenas a região Norte registrou queda (-0,6%) em relação a 2017. As Regiões Sul (13,7%) e Sudeste (13,3%) foram as que registraram maior crescimento, como pode ser visto no gráfico 4. No mesmo sentido, houve avanço nas regiões Centro-Oeste (9,6%) e Nordeste (9,8%).

Fonte: Boa Vista SCPC
Fonte: Boa Vista SCPC

Metodologia

O levantamento é realizado trimestralmente pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) a partir das novas empresas registradas na Receita Federal, considerando todo o território nacional.