Santa Maria ganha novo Centro Automotivo da Porto Seguro 10199

Unidade oferece serviços para segurados e público em geral

Os Centros Automotivos Porto Seguro ampliam sua presença no Rio Grande do Sul com a inauguração de sua primeira unidade na região Central do Estado, na cidade de Santa Maria. No local, localizado na Rua Marechal Deodoro, 58, no bairro Itararé, tanto segurados quanto não segurados podem realizar serviços de qualidade de mecânica, elétrica e eletrônica com profissionais de confiança. A inauguração do CAPS aconteceu nesta terça-feira (26) e contou com cobertura especial do JRS.

Este é o 13º Centro Automotivo Porto Seguro do Rio Grande do Sul. Em todo o país são mais de 300 unidades. Aos segurados, os locais oferecem gratuitamente reparo de furo do pneu, troca de lâmpadas externas, regulagem do foco dos faróis, cristalização do para-brisa e rodízio dos pneus. Para quem não é segurado, o espaço disponibiliza diversos serviços e peças com valores diferenciados, além de diagnósticos completos de injeção eletrônica, bateria e alternador, amortecedor e molas, suspensão e direção, sistema de arrefecimento e de freios, além de troca de óleo do motor e filtros.

Para o gerente da Porto Seguro no Rio Grande do Sul, Edgar Anuseck, há tempos a companhia gostaria de oferecer esse serviço aos clientes da região. “É uma satisfação poder levar esse centro completo de serviços aos nossos clientes de Santa Maria. Eles passam a contar com esse serviço de excelência, que já é oferecido em outras regiões do Estado. Com isto, reafirmamos o compromisso da Porto Seguro com seus segurados de entregar a qualidade e atenção que diferenciam a nossa cobertura. Os não segurados também estão convidados a conhecer e aproveitar todos os serviços que prestamos por lá”, destaca o executivo.

Centro Automotivo Porto Seguro em Santa Maria – Todas as imagens:

*Com informações de Martha Becker Comunicação.

Chubb estimula seguros para Festas Juninas em todo o Brasil 325

Chubb estimula seguros para Festas Juninas em todo o Brasil

Apólices disponibilizam coberturas para diversos imprevistos que podem acontecer

A Chubb, uma das maiores seguradoras do mundo, diz que, a exemplo do carnaval, as festas juninas estão demandando proteções securitárias de modo crescente em todo o Brasil. As apólices cobrem riscos como ferimentos por fogos de artifício, quedas de estruturas retráteis, choques elétricos, danos corporais por conta de tumultos, intoxicação com alimentos e bebidas, danos a equipamentos, incêndio e vários outros episódios que podem ocorrer ao longo de eventos organizados em recintos abertos e fechados.

“As ameaças presentes nas festas juninas não são menores em relação ao carnaval, pois as festividades hoje chegam a durar mais de 30 dias, dentro de uma programação bastante intensa de brincadeiras com diferentes graus de risco”, diz Juliana Santos, Responsável pela área de seguros de Entretenimento da Chubb. De acordo com a executiva, as festas são tradicionalmente organizadas por milhares de instituições de todo o Brasil, considerando entidades públicas, associações, empresas, escolas, igrejas e outras.

Juliana Santos observa que, nos últimos anos, diversas prefeituras do país assumiram a realização dos eventos. “Em algumas localidades, a festa evoluiu muito com o passar dos anos e hoje já atrai um grande fluxo de pessoas de cidades vizinhas e outros estados, além de turistas estrangeiros”, observa. Segundo ela, na região nordeste, em especial, os eventos do período junino passaram a movimentar de forma expressiva a economia de várias cidades pequenas, médias e grandes.

Conforme Juliana, o investimento de um pequeno valor em uma apólice de seguros pode evitar prejuízos que poderiam significar o fechamento do negócio do promotor de um evento junino, tais como perdas ocasionadas por incêndios, cancelamentos e acidentes com vítimas fatais. “O mercado se encontra cada vez mais consciente disso e, por essa razão, a Chubb está estimulando os corretores de seguros a contatarem o quanto antes os organizadores dessas festas”, conta. Como as oportunidades vão surgir até a véspera do período junino, ela destaca que a seguradora dispõe de um sistema que emite boleto, certificado e apólice em até 24 horas antes do inicio da montagem do evento.

“Estamos levando para nossos parceiros uma experiência de mais de 50 anos em seguros de Entretenimento no mundo, bem como os conhecimentos adquiridos a partir de uma atuação pioneira no Brasil”, conclui.

Como soluções de seguros podem alavancar o crédito corporativo? 276

Como soluções de seguros podem alavancar o crédito corporativo?

Palestra do economista Ricardo Amorim sobre as expectativas da economia brasileira contribuirá para o debate a respeito da importância do mercado de seguros na criação de ferramentas alternativas para alavancagem de crédito corporativo

A Lockton, uma das maiores corretoras de seguros do mundo, promoverá no próximo dia 23, quinta-feira, no Hotel Grand Hyatt São Paulo, o Lockton Financial Lines Day. O evento mediado pela jornalista Carla Vilhena, debaterá o uso de ferramentas disponíveis no mercado de seguros para alavancagem de crédito corporativo, aumento de financiabilidade e operações estruturadas.

“Será uma grande satisfação para a Lockton reunir os principais especialistas do mercado para debater soluções customizadas de seguros de crédito e garantia, tendo como foco a otimização do capital e fluxo de caixa de nossos clientes”, exalta Marcelo Elias, Diretor Executivo de Risk Solutions da empresa.

A agenda será marcada por três painéis, sendo o primeiro pautado pelo tema “O mercado de seguros como ferramenta para operações estruturadas, financiamentos e alavancagem de crédito corporativo”. Este debate trará diferentes visões a respeito do atual cenário de crédito do mercado e como a utilização estratégica de seguros pode auxiliar as empresas na melhoria de seu perfil de risco. Representando a Lockton, Franklin Nogueira, Head de Seguro de Crédito e Riscos Políticos, e Thais Ferreira, Head de Seguro Garantia, dividirão o palco com Daniel Nobre, CEO da Atradius, Roque Mello, Vice-Presidente da Junto Seguros, e Fabricio Bonadio, Superintendente da Fator Seguradora.

O tema “Evolução do seguro garantia judicial no Brasil e perspectivas de mercado” será abordado por João Di Girolamo, Diretor da Swiss Re Corporate Solutions, Fernanda Felício, advogada da Pottencial Seguradora, Cassio Amaral, sócio da Mattos Filho Advogados, e Cristina Tseimatzidis, Head de Financial Lines da Lockton. Este painel promete debater as tendências do mercado de Seguro Garantia, traçando um paralelo entre o desenvolvimento do produto como principal proteção de passivos judiciais das empresas, as mudanças do ambiente legislativo do país e a disponibilidade de capacidade do mercado.

O encerramento do evento ficará a cargo do economista e consultor, Ricardo Amorim. Sua palestra será norteada por dois temas centrais, que abordarão as perspectivas e oportunidades da economia brasileira: “Compreendendo os ciclos econômicos: a chave para o sucesso dos negócios e dos investimentos financeiros.”; e “Por que a economia deve melhorar e crescer mais do que você imagina nos próximos anos? Como aproveitar as oportunidades?”.

Lockton Financial Lines Day tem vagas limitadas e é direcionado principalmente aos executivos das áreas Financeira,  Jurídica, e Riscos. As inscrições podem ser feitas neste link.

Serviço: 

Evento: Lockton Financial Lines Day
Data: 23 de maio de 2019, das 08h30 às 13h.
Local: Hotel Grand Hyatt São Paulo
Inscrições: http://evento.lockton.com.br/evento-lockton-global-de-linhas-financeiras

Omnichannel: empodere o seu cliente e aumente as vendas 282

Omnichannel: empodere o seu cliente e aumente as vendas

Confira artigo de Rafael Reolon, diretor de expansão da SetaDigital

No final de abril, o Magazine Luiza, conhecido também por Magalu, anunciou a compra da Netshoes em uma negociação estimada em 62 milhões de dólares. É fato que a gigante do comércio eletrônico de esportes e moda acumula anos de prejuízos, dificuldades para controlar seus custos e nenhum sinal de reação a partir do seu único canal de vendas, o site de suas marcas. Em contrapartida, nos últimos três anos, o Magazine Luiza apresentou uma valorização de quase 17.000% no valor de suas ações, crescimento esse que pode ser creditado ao sucesso obtido em sua missão de criar um varejo no modelo omnichannel, com uma forte presença por meio de sua rede de 900 lojas aliada à eficiência logística e uma estratégia digital inovadora, que é aplicada a partir de seu e-commerce e de outros canais tecnológicos.

Há alguns anos, muito especula-se sobre o fim do varejo tradicional como conhecíamos antes do advento das conexões de internet velozes e dos smartphones. Gurus mais apocalípticos arriscaram até um palpite sobre o fim das lojas físicas. Porém, esse movimento da Magalu acaba por decretar, de uma vez por todas, que presença local e relacionamento continuam sendo fatores de sucesso, inclusive, passamos por um momento em que se coloca em xeque a viabilidade de varejos exclusivamente digitais, que dificultam o contato e a experiência do cliente.

O cliente já é omnichannel. Esta frase tem sido repetida como um mantra nas reuniões estratégicas de todas as empresas que discutem o futuro dos seus negócios. Para simplificar, o termo em inglês poderia ser facilmente substituído, resumindo a sentença em: o cliente quer ter o poder de decidir o que é melhor para ele.

Nos últimos anos, o varejo vem enfrentando uma série de mudanças significativas, entre elas, a redução de fluxo de clientes nas lojas, o maior acesso à informação pelo consumidor para tomada de decisão da compra, o aumento da exigência de nível de serviço, o crescimento da disponibilidade de marcas e produtos e a competição entre canais de venda físicos e digitais.

Tudo indica que a melhor solução para as empresas enfrentarem este cenário é otimizar o aproveitamento dos seus canais, utilizando o que cada um oferece de melhor. O acesso à informação e a disponibilidade entregues pelos canais digitais podem caminhar de mãos dadas com o relacionamento e experiência presencial proporcionados pelos canais físicos.

Dentro deste contexto, as lojas físicas deixam de cumprir apenas com o papel de ser um ponto de venda, mas recebem as atribuições de ponto de logística, compartilhando seus estoques com a rede e disponibilizando espaços para troca e retirada de produtos. Tornam-se também o ponto de relacionamento, onde o cliente pode tirar dúvidas, experimentar e ter contato com produtos e serviços que poderão ser entregues pelo e-commerce ou, até mesmo, por outras lojas.

Além dos benefícios relacionados à melhoria da experiência do cliente, as empresas que obtiverem sucesso ao desenvolver uma sinergia entre seus canais, consequentemente se beneficiarão também de uma melhoria no giro de seus estoques, assim como do aumento nas vendas e da otimização da utilização dos recursos de marketing e logística.

Para obter sucesso nesse desafio, é importante observar cuidadosamente as peculiaridades relacionadas aos pilares que envolvem pessoas, processos e tecnologias existentes em cada um dos canais. As lojas físicas, provavelmente, terão dificuldades ao encarar os desafios de marketing digital e termos como SEO, inbound marketing, rede de display, SAC, entre outros. Em contrapartida, para as lojas virtuais, gerenciar PDV, TEF, visual merchandising, aluguel percentual de shopping e metas de vendas poderão ser novidades difíceis de digerir inicialmente.

Além disso, ainda existe a dificuldade tecnológica de integrar os diversos sistemas que as empresas utilizam com a finalidade de automatizar os processos entre os canais e promover consistência na experiência do consumidor.

O futuro do varejo está nas mãos das empresas que conseguirem encontrar o equilíbrio e serem mais eficientes com os seus canais, pois nesta nova realidade de mercado, o cliente ganha, e muito. E com o leque de possibilidades que se abre, as lojas também ganham.

*Rafael Reolon é diretor de expansão da SetaDigital, empresa desenvolvedora de sistemas especialistas em lojas de calçados. O executivo apresenta, no dia 22 de maio, a partir das 13h, uma palestra sobre o tema durante a SICC (Salão Internacional do Couro e do Calçado), evento do setor de calçados que acontece em Gramado, no Rio Grande do Sul.

Salão Internacional do Couro e do Calçado (SICC)

Quando: De 20 a 22 de maio de 2018.
Horário: das 9h às 19h.
Local: Serra Park.
Endereço: Rua Viação Férrea, 100 – Três Pinheiros, Gramado – RS.
Mais informações: neste endereço.

Diretor comercial do Grupo MBM assume mandato na FenaPrevi 218

Diretor comercial do Grupo MBM assume mandato na FenaPrevi

Luiz Eduardo Dilli Gonçalves integra o Conselho Fiscal até 2022

O diretor comercial do Grupo MBM, Luiz Eduardo Dilli Gonçalves, integra o Conselho Fiscal da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), entidade que reúne 67 seguradoras e entidades abertas de previdência complementar no País.

O evento de posse da CNseg e Federações (Fenseg, FenaPrevi, FenaSaúde e FenaCap) para o triênio 2019-2022 reuniu cerca de 400 participantes em confraternização do setor, em São Paulo, no dia 09 de maio. “Posso afirmar que estou muito feliz com essa oportunidade e garanto que eu, juntamente com o MBM, contribuirei para que o setor se fortaleça ainda nos próximos anos”, comenta Dilli.

A FenaPrevi é uma associação civil sem fins lucrativos, afiliada à Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg).

Zurich Seguros participa do Cyber Security View 2019 231

Zurich Seguros participa do Cyber Security View 2019

Painel de Seguros Cyber contou com a participação de Hellen Deungaro Fernandes, gerente de Linhas Financeiras da Zurich

A Zurich Seguros participou do Cyber Security View 2019, promovido pela corretora Marsh/JLT, nesta quinta-feira, 16 de maio, em São Paulo. Além de patrocinar o seminário, a corretora participou do painel sobre “Seguro Cyber – Mitigando os prejuízos em respostas a incidentes digitais”, às 16h35min, que contou com Hellen Deungaro Fernandes, gerente de Linhas Financeiras da Zurich Seguros, como uma das debatedoras. A moderação foi feita pelo jornalista Pedro Doria.

“Será uma conversa bastante produtiva, onde vamos falar de temas como cobertura de extorsão cibernética, qual tipo de empresa tem mais risco de ataque de hackers e o que pesa na avaliação da seguradora para definição do valor prêmio do seguro, entre outros”, conta Hellen.

A executiva conta também que o potencial de ataques cibernéticos está aumentando em todos os setores e indústrias à medida que a tecnologia se torna mais complexa e sofisticada. “Por isso, as empresas e organizações, independente do tamanho o ramo de atuação, precisam estar preparadas com um seguro de riscos cibernéticos. Recentemente, por exemplo, lançamos o Zurich Proteção Digital específico para PMEs”, acrescenta.

O evento vai acontecer no restaurante Iulia, localizado dentro do Jockey Club, na Zona Sul da capital paulista, com quatro horas de conteúdo e aproximadamente 150 participantes.