Aumento nas vendas de consórcio impulsiona setor de veículos leves 2065

Carros

Volume de crédito para aquisição de automóveis ou utilitários cresce 7,3% e atinge R$ 9,6 bilhões nos cinco primeiros meses do ano

O crescimento nas adesões e contemplações dos consórcios de veículos leves podem contribuir com o impulso do mercado automotivo neste ano. Nos cinco primeiros meses de 2018, mais de 235,3 mil pessoas foram contempladas e tiveram a oportunidade de utilizar R$ 9,6 bilhões em crédito para comprar um veículo leve (automóveis, camionetas ou utilitários), segundo dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC). Esse número é 7,3% superior ao registrado em igual período de 2017, quando 219,5 mil pessoas contempladas nessa categoria se valeram de R$ 8,95 bilhões para a aquisição de veículos dessa categoria.

“Como o consumidor tem adotado a medida de planejar com antecedência a compra de um veículo, o consórcio tem se mostrado uma ótima solução. Prova disso é que o número de adesões está em crescimento”, destaca Rogério Pereira, Diretor Comercial da Embracon, administradora de consórcios há 29 anos no mercado. “Além disso, o crédito disponibilizado no mercado constituiu um fator importante para a cadeia produtiva do segmento automobilístico, que é beneficiada com a venda de veículos nos meses subsequentes, quando o consorciado se vale da carta de crédito para concretizar a compra”, considera.

Rogério Pereira é Diretor Comercial da Embracon
Rogério Pereira é Diretor Comercial da Embracon

O segmento de Veículos Leves representa cerca de 51% do mercado de consórcios. Até maio deste ano, esse segmento registrou 3,57 milhões de participantes ativos, o que significa 4,1% a mais do que os 3,43 milhões até maio de 2017. Outro ponto é que as adesões aumentam mês a mês. Mais de 467 mil novas cotas de consórcio de Veículos Leves foram comercializadas entre janeiro e maio deste ano, volume 8,5% superior às 430,6 mil novas cotas registradas em igual período do ano passado.

Dados da ABAC indicam que, na média nacional, cerca e 31% dos veículos leves são comercializados no Brasil por meio de consórcio.Isso significa que um a cada três veículos leves são adquiridos no país por meio desse sistema. Esse índice é quatro vezes o observado em 2009, quando apenas 7,8% dos veículos leves eram adquiridos por consórcio.Na região Nordeste, esse índice chega a 40,8%, seguida das regiões Centro Oeste (34,9%) e Norte (32,7%). Os Estados que lideram a utilização de consórcio para a compra de veículos leves são a Bahia (62,3%), Mato Grosso (52,5%) e Tocantins (45,4%).

Mercado Automobilístico

Os reflexos da contribuição do segmento de consórcio para as vendas de veículos podem ser observados nos dados do mercado. Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), os licenciamentos de veículos leves registraram aumento de 13,7% e passaram de 993,1 mil no primeiro semestre de 2017 para 1,1 milhão no mesmo período de 2018.

Os resultados apresentados pela Federação Nacional de Distribuição de Veículos (Fenabrave), entidade que representa os concessionários, confirmam a tendência, uma vez que foram emplacados 1,1 milhão de veículos leves no primeiro semestre de 2018, número 13,7% superior aos 991,3 mil emplacados no primeiro semestre de 2017.

“Adquirir um veículo por meio de consórcio é extremamente vantajoso. Além não incorrer juros, é uma modalidade bastante flexível. Outro ponto é que a carta de crédito é vantajosa para ambos os lados porque garante mais poder de negociação para o comprador e representa dinheiro em caixa para o vendedor”, complementa Pereira.

Vantagens do Sistema de Consórcios:

A flexibilidade e possibilidade de crédito acessível, sem incidência dos juros praticados pelo financiamento bancário, tem atraído cada vez mais o consumidor. Veja algumas das vantagens do Sistema de Consórcios:

  • O sistema conta com várias opções de crédito, prazos e parcelas que cabem no orçamento do consorciado;
  • Para participar não é necessário avalista e nem comprovação de renda;
  • A carta de crédito dá ao consorciado o poder de negociar a aquisição do bem à vista, o que lhe confere mais poder na hora de negociar;
  • Após a contemplação no consórcio de automóvel, a carta de crédito pode ser utilizada para quitar um financiamento ou consórcio de outra administradora em nome do próprio consorciado;
  • O consorciado pode utilizaro carro usado como lance na comprade um novo;
  • O sistema de consórcio conta com legislação específica e a administradora deve ser autorizada e fiscalizada pelo Banco Central, o que traz mais segurança ao consumidor.

Corretor, você está preparado para o futuro? 4806

Corretor, você está preparado para o futuro?

Evento no RJ aborda novas tendências e mudanças no mercado da corretagem de seguros

O corretor precisa estar atento aos movimentos do setor como um todo. O profissional que não atualizar-se certamente enfrentará grandes obstáculos diante do novo cenário econômico do Brasil e com o aumento na disputa entre os diversos players existentes no segmento. Pensando nisso, a Kuantta Consultoria promove nesta terça-feira (12), o 3º Workshop Corretor do Futuro. Com o tema “A Fórmula do Sucesso”, o encontro acontece no Clube de Engenharia, na capital do Rio de Janeiro.

O evento conta com apoio de diversas companhias, como as patrocinadoras ouro: Allianz, Porto Seguro, Liberty Seguros, Bradesco Seguros, HDI, MAPFRE, Tokio Marine e AXA. O patrocínio prata conta com a Megaluzz, Dino Marketing Digital e Resolve Sinistros. O bronze tem o Portal Panorama Seguro, a Rede Parcerias e a Peq Contábil. O encontro também conta com apoio do Sindicato dos Corretores do Rio de Janeiro (Sincor-RJ), Cliente Agente, Segurolink, Setup Solutions, Affinity Seguro Viagens e da VitalCard Assistência em Viagens.

Você acredita que está pronto para 2020? Está atento às tendências do setor? Qual será o impacto da transformação digital? Essas e outras perguntas serão o norte dos debates que permeiam um dia inteiro de programação de altíssimo nível. A expectativa, segundo o idealizador da Kuantta Consultoria e também Diretor de Ensino Técnico do Rio de Janeiro, Arley Boullousa, é de que mais de 400 corretores de seguros participem da congregação. Boullosa acredita que, sem investimento em qualificação, o corretor de seguros não vai conseguir acompanhar as estratégias que serão implantadas no futuro.

Arley Boullosa é Diretor da Kuantta Consultoria e de Ensino Técnico do Sincor-RJ
Arley Boullosa é Diretor da Kuantta Consultoria e de Ensino Técnico do Sincor-RJ

Confira a programação – Evento Corretor do Futuro:

8:30 – Coffee
9h – Abertura – Arley Boullosa – Kuantta
9:10 – Kleber de Paula – Cliente Agente
9:50 – Jesse Teixeira – Globus Corretora
10:30 – Painel 1 – Inovação e Tecnologia: Participantes: André Lewkovicht (Liberty), Karine Brandão (AXA), Flavio Rewa (Allianz)
11:10 – Gustavo Mello – Correcta Corretora
11:50 – Jader Bastos – Projacseg Corretora
12:30h – Painel 2 – Economia e Seguros: Participantes: Pablo Guimarães (Bradesco Seguros), William Anthony (JRS), Thiago Rosina (Icatu)
13:00h – Almoço
14:00h – Retorno
14:10h – Marcio Raggi – Tatu do Seguro Corretora
14:50h – Arley Boullosa – Moby Corretora
15:20 – Painel – Gestão de Pessoas; Participantes: Bruna Garcia (Megaluzz), Marcelo Gonzalez (Porto Seguro), Paulo Ricardo (HDI)
16:00 – Henrique Volpi – Kakau Seguros
16:40 – Painel 4 – A nova SUSEP: Participantes: Randolpho Souza (Monitor Mercantil), Henrique Brandão (Sincor RJ), Fernando Vieira (Vieira Corretora), Gustavo Mello (Correcta Corretora)
17:20 – Marcus Vinícius – CEO Iconeseg

Henrique Brandão, presidente do Sincor-RJ, ressalta a influência da economia brasileira ao analisar a conjuntura do setor de seguros. “Todo empresário, independente de ser de pequeno ou grande porte, precisa ficar atento às mudanças econômicas do país, pois esse acompanhamento é vital na tomada de decisões. Nesse painel, vou atuar como mediador, dando suporte em relação às particularidades do tema abordado, no que diz respeito a como conduzir todo processo administrativo de uma corretora de seguros com as tendências da economia brasileira”, afirma.

Henrique Brandão é presidente do Sincor-RJ / Divulgação
Henrique Brandão é presidente do Sincor-RJ / Divulgação
Bruna Garcia é fundadora da Megaluzz / Divulgação
Bruna Garcia é fundadora da Megaluzz / Divulgação

Mediadora de um dos painéis, a fundadora da Megaluzz, Bruna Garcia, deve compartilhar experiências em inteligência comportamental. “Participei do evento Corretor do Futuro no mês de maio e percebi o quanto o corretor de seguros do Rio de Janeiro deseja se atualizar e desenvolver. O mercado está em transformação digital e muitos querem mudar, mas poucos sabem por onde começar. Esse tipo de ação é importante para que o profissional fique por dentro e tenha acesso a informações e ferramentas que apoiem o alcance dos seus objetivos. E quando falamos de alcance de objetivos e desenvolvimento do Corretor de Seguros a Megaluzz está por perto, esse é o meu assunto preferido e a razão da existência da empresa. Não é à toa que temos participado dos principais eventos do mercado aqui em São Paulo e estaremos pela 2° vez no Corretor do Futuro. Os temas abordam necessidades reais, além de unir pessoas diferentes com o mesmo propósito e que falam a mesma língua do corretor”, explicou.

Já Kleber de Paula, fundador da startup Cliente Agente, vai detalhar toda operação e particularidades de uma ferramenta que promete engajar a carteira de clientes e ampliar a divulgação no pós-venda. “O momento é propicio para debates como este proposto pela Kuantta no evento Corretor do Futuro. Como corretor, pretendo levar aos colegas a minha visão de construção de comunidades em favor da nossa profissão, através do engajamento dos clientes satisfeitos e portanto, promotores. Nosso grande desafio é estabelecer conexão”, completou.

Os detalhes completos da terceira edição do Corretor do Futuro estarão em cobertura especial realizada pelo JRS.

Seguradoras comentam medida que desregulamenta corretor de seguros 3863

Seguradoras comentam medida que desregulamenta corretor de seguros

Companhias informam que nada deve mudar na relação com os profissionais

Apesar de todo receio com as mudanças impetradas pela Medida Provisória 905/19, que desregulamenta corretores de seguros, as companhias seguradoras têm sinalizado que nada mudará na relação com os profissionais. O presidente da SulAmérica, Gabriel Portella, por exemplo, sinalizou em recente encontro com jornalistas da imprensa especializada que a companhia “seguirá no mesmo caminho”, em relação a parceria de sucesso com os corretores.

Já o presidente da HDI Seguros, Murilo Riedel, afirmou em recente entrevista que “nossos corretores de seguros são nosso maior ativo”. Riedel contou que a companhia investe nessa relação de confiança, construída ao longo dos anos.

O presidente da Tokio Marine, José Adalberto Ferrara, tranquiliza os operadores do segmento. “Graças aos mais de 30 mil corretores a nossa companhia mais do que quintuplicou de tamanho nos últimos 7 anos”, justificou.

O CEO da Liberty Seguros no Brasil também comentou as mudanças no processo de regulamentação do profissional da corretagem. “(Os corretores) são nossa ponte com os nossos clientes. Contamos com vocês para melhorar ainda mais nossos serviços. Continuaremos investindo fortemente para te ajudar a crescer e alavancar negócios”, disse Carlos Magnarelli.

No mesmo sentido, o presidente da Porto Seguro, Roberto Santos, informou que “o corretor de seguros continua sendo nosso principal parceiro de negócios”.

O presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros do Paraná (Sincor-PR), Wilsinho Pereira, disse que a situação “foi bastante preocupante em um primeiro momento”, mas que – em contato com os dirigentes da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor) – alternativas e soluções são buscadas. Pereira reforça todo engajamento dos profissionais da corretagem de seguros, “para vencermos as dificuldades que estamos enfrentando”.

Livonius MGA promove 9º Encontro Nacional 736

Livonius MGA promove 9º Encontro Nacional

Evento acontece nesta quinta-feira, no Hotel Intercity Cidade Baixa, em Porto Alegre (RS)

O Centro de Eventos do Hotel Intercity Cidade Baixa recebe, nesta quinta-feira (05), das 9h às 18h, o 9º Encontro Nacional Livonius. A conferência anual reúne representantes dos 17 escritórios de negócios da empresa para troca de experiências e conhecimento, integração da equipe e planejamento das metas e ações do próximo ano.

Nesta edição, os diretores farão uma apresentação institucional na abertura. A partir do final da manhã, estarão disponíveis aos licenciados salas de conversação com quatro temas: Sinistro, RC Ônibus (sobre a operação comercial do seguro), Coaching Empresarial (a respeito de como a ferramenta pode contribuir para humanização e desenvolvimento das relações profissionais) e Corporate (acerca das novas áreas de atuação e produtos da firma).

“A Livonius evoluiu muito em 2019 e o objetivo é evoluir ainda mais em 2020. Investimos em tecnologia e na diversificação e distribuição estratégica dos nossos produtos”, afirma o Diretor Operacional e Técnico, Andreas Rafael Mayer. A empresa se destaca no mercado como uma MGA (Managing General Agent) especialista em seguros de nicho e em prestar consultoria e atendimento ao Corretor de seguros em todas as regiões do Brasil.

CCG inaugura primeira unidade de saúde modelo, na Zona Sul de Porto Alegre 1056

Aposta da empresa é na satisfação dos pacientes através da qualidade

O Centro Clínico Gaúcho inaugurou uma nova unidade na Zona Sul de Porto Alegre no dia 26 de novembro. A clínica, localizada na Avenida Juca Batista – 4425, apresentou o novo padrão adotado pela empresa, que aposta na satisfação dos pacientes através da qualidade.

De acordo com o diretor executivo de operações Mauro Medeiros Borges, o CCG busca oferecer hospitalidade aos pacientes. “Trabalhamos para atender sempre melhor e dar mais conforto aos pacientes. Essa é uma característica nossa, fazer com que as pessoas se sintam mais tranquilas e à vontade, com todos os recursos e suporte médico e assistencial que precisam na Unidade”, destacou. O CCG embasa duas operações na medicina de valor. “Apostamos em muita qualidade, resultando num cliente muito satisfeito, aliada a um custo adequado. Consideramos que essa é uma equação muito boa e por isso sempre colocamos como importante em ambientes como esse, completos e bonitos”, definiu.

A Zona Sul da Capital dos gaúchos foi a escolhida após um minucioso estudo que mostrou que a empresa conta com muitos clientes na região e por ser uma localidade que contava com poucos modelos de saúde como o do CCG, resultando numa alta demanda. “Temos visto dois movimentos. O primeiro é o movimento de crescimento de fato, seja orgânico ou inorgânico, olhando para o Estado inteiro, e também vendo a massa de clientes atual, principalmente nos clientes de transporte, seja público ou privado, com um contingente de clientes espalhados pela cidade toda. E a Zona Sul é um foco, com quatro ou cinco empresas de transporte coletivo que estão nessa região. Por isso que aqui temos uma massa de vidas importantes, que antes não atendíamos”, comentou o diretor financeiro Fábio Rosseto.

Antes de 2019 acabar, o Centro Clínico Gaúcho ainda estará implantando e aprimorando seu sistema de gestão, saúde e tecnologia. Em 2020, o foco ficará a cargo da expansão de novas unidades, como em Bagé, Santa Maria e no Vale do Sinos, além da concretização da hospital próprio, que já está em estudo pela equipe.

Confira todas as imagens da inauguração:

Bolsa de São Paulo fecha acima de 110 mil pontos pela primeira vez 1023

Bolsa de São Paulo fecha acima de 110 mil pontos pela primeira vez

Dólar fecha com pequena queda de 0,09%

Depois de quase um mês de turbulências e oscilações, a Bolsa de São Paulo encerrou acima de 110 mil pontos pela primeira vez na história. O índice Ibovespa, da B3, fechou esta quarta-feira (4) aos 110.063 pontos, com alta de 1,02%. A última vez que o indicador tinha fechado em nível recorde tinha sido em 7 de novembro, quando atingiu 109.581 pontos.

Desde o leilão do excedente da cessão onerosa da Petrobras, no qual o governo não conseguiu vender dois campos, o Ibovespa passou a acumular quedas. Em 19 de novembro, o índice fechou em 105.864 pontos. Na semana passada, o indicador voltou a subir, com alguns dias de pequenas quedas.

No mercado de câmbio, o dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 4,202, com queda de R$ 0,004 (-0,09%). Esse foi o terceiro dia seguido de queda da moeda norte-americana, que acumula baixas depois de fechar em R$ 4,241 na última sexta-feira (29).