Confiança americana no potencial brasileiro 25473

Edição 215 mostra como a Travelers colhe bons frutos de seus investimentos no Brasil

A edição 215 da Revista JRS apresenta como a Travelers acreditou no potencial do Brasil para resultados surpreendentes. A companhia é especialista em infraestrutura e energias renováveis, além de trabalhar com soluções para PMEs. Tudo isso em uma entrevista exclusiva com Leonardo Semenovitch.

E MAIS: “O Espírito Fenacor” é revelado nos 50 anos da Federação Nacional dos Corretores de Seguros em uma reportagem especial, que homenageia o eterno colunista Sérgio Alfredo Petzhold (in memorian).

Você ainda fica sabendo como funciona o seguro all risks para obras de artes da AXA, tudo sobre o novo livro de Alberto Jr., a inauguração da Neo Executiva Corretora de Seguros em Florianópolis (SC) e muitos outros conteúdos do universo do seguro.

Great Place to Work: Icatu Seguros é eleita uma das melhores empresas para trabalhar no Brasil pelo quinto ano consecutivo 473

Divulgação

Premiação foi realizada na segunda-feira, 12 de agosto

Considerada a seguradora líder entre as independentes em Vida, Previdência e Capitalização, a Icatu Seguros foi reconhecida pelo quinto ano consecutivo como uma das Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil, segundo o ranking Great Place to Work, em premiação realizada nesta segunda-feira, 12 de agosto.

Presente em todo o Brasil, com um quadro de 1.650 funcionários, a seguradora acredita na retenção de talentos através do desenvolvimento de suas equipes, oferecendo um ambiente repleto de desafios profissionais e possibilidade de crescimento. Além disso, a Icatu aposta em um ambiente de trabalho inclusivo, que estimula a diversidade e a criatividade, apoiando atitudes inovadoras e empreendedoras. Um dos propósitos da companhia é atuar na construção de sociedades mais equilibradas, humanas e sustentáveis.

“O sucesso do nosso negócio é, em grande parte, resultado da dedicação e excelência dos nossos funcionários, que trabalham para entregar os melhores serviços e resultados aos clientes. A Icatu desenvolve carreiras e nossas equipes são nosso maior ativo”, afirma Luciano Snel, presidente da Icatu Seguros.

“Cuidar das pessoas está entre os nossos propósitos, então um reconhecimento como esse pelo quinto ano consecutivo mostra a consistência do trabalho que vem sendo desenvolvido ao longo dos anos. Seguimos em constante evolução”, comemora Luciana Chagastelles, diretora de Pessoas da Icatu Seguros.

Sancor Seguros participa da 17ª edição do Troféu JRS, em Porto Alegre (RS) 495

Sancor Seguros participa da 17ª edição do Troféu JRS, em Porto Alegre (RS)

Noite especial reúne mais de 1 mil convidados, no Centro de Eventos Casa do Gaúcho

A Sancor Seguros, grupo segurador com mais de 70 anos de atuação na América Latina, participa da 17ª edição do Troféu JRS. A noite especial do mercado segurador reúne mais de 1 mil convidados, no Centro de Eventos Casa do Gaúcho, em Porto Alegre (RS). Tudo acontece a partir das 20h30min do dia 25 de outubro de 2019.

Além de tratar-se de uma noite de comemoração aos resultados de mais um ano de trabalho dos profissionais de setores que crescem acima da média nacional, como os mercados de seguros, previdência e capitalização, ressalta os destaques, projetos, profissionais, empresas e entidades deste importante segmento da economia brasileira.

Deste modo a Sancor Seguros não poderia ficar de fora. O Troféu JRS recebe convidados especiais, como corretores de seguros, agentes de negócios, executivos das companhias de seguros e demais nomes de destaque do setor. A companhia de seguros preza por levar experiência e valores como a maior e mais importante seguradora da Argentina para toda a América.

Saiba absolutamente todos os detalhes do Troféu JRS 2019 no hotsite especial.

Seguradoras podem não comercializar seguros para barragens 750

Seguradoras podem não comercializar seguros para barragens

Confira o posicionamento da ABGR em relação aos Projetos de Leis que propõe a obrigatoriedade da contratação do seguro de barragens

Diante dos últimos desastres envolvendo o rompimento de barragens no Brasil, estão em trâmite no Congresso Nacional alguns Projetos de Leis que propõem a oferta de garantias financeiras em razão da existência de barragens. No último dia 25 de junho, por exemplo, o Plenário da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 2791/19, que muda algumas normas da Política Nacional de Barragens (Lei 12.334/10) e do Código de Mineração (Decreto-Lei 227/67) afim de tornar mais seguros os empreendimentos de mineração, aumentar multas, especificar obrigações dos empreendedores e proibir o tipo de barragem que ocasionou o desastre de Brumadinho (MG). A Associação Brasileira de Gerência de Riscos (ABGR) se posicionou institucionalmente acerca do assunto.

Hoje, existe mais de um PL no Congresso Nacional que propõe a compulsoriedade da contratação do seguro ou de outra garantia financeira pelo empreendedor possuidor da barragem. Para Walter Polido, diretor Jurídico da ABGR, a obrigatoriedade apenas do seguro é algo impraticável, na medida em que as Seguradoras podem não oferecer o produto. “A melhor alternativa é a lei prever a oferta de garantias financeiras, ficando a critério de cada empreendedor escolher aquela que melhor lhe convier: seguro, fiança bancária, constituição de fundo especial, bens reais ou um mix de algumas delas”, explica.

Para a entidade, entre todas as resoluções existentes, as mais adequadas a se apoiar são as garantias financeiras múltiplas – de livre opção dos empreendedores, assim conclamando ao diálogo proativo todas as partes envolvidas: Relatores dos Projetos de Leis, Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), Federação Brasileira de Brancos (FEBRABAN), Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), entre outros. “Simplesmente aguardar o Congresso Nacional definir a base legal sem diálogo e participação ativa de todos os interessados, não será nada positivo, pois se o resultado for o seguro como condição única de garantia obrigatória, não equivalerá afirmar que logrará êxito. As Seguradoras não estão obrigadas a comercializar seguros de barragens e de riscos ambientais, ainda que eles tenham natureza obrigatória. Essa questão é crucial na discussão ampla desse tema”, conclui Polido.

Cartão Porto Seguro apresenta novidades na contratação do Porto Seguro Auto e Azul Seguro Auto 555

Cartão Porto Seguro apresenta novidades na contratação do Porto Seguro Auto e Azul Seguro Auto

São 10% de desconto e a possibilidade de parcelar em até 10 vezes sem juros

De agosto até 31 de outubro de 2019, o cliente que adquirir o Cartão de Crédito Porto Seguro na contratação ou renovação do seguro de auto recebe 10% de desconto e poderá parcelar em até 10 vezes sem juros, esse parcelamento é válido também para quem já é cliente do Cartão Porto Seguro que também conta com 5% de desconto – válido para renovação e contratação do Porto Seguro Auto e dos produtos da Azul Seguros.

Além dos benefícios citados acima, igualamos a tabela de pontos do Programa de Relacionamento, a cada 6.500 pontos desconto de R$ 150,00 no valor do Azul Seguro Auto.

Segundo o diretor da Porto Seguro Cartões, Marcos Loução, o objetivo deste pacote de condições promocionais é potencializar novos negócios para os Corretores. “Com estas condições o Corretor ganha mais argumentos no momento da negociação e por meio do Cartão de Crédito Porto Seguro ajuda na fidelização do seu cliente, aumentando o índice de renovação do seguro. Além disso nossos Corretores contam com o pagamento antecipado da comissão para todas as apólices do Azul Auto Leve e do Porto Seguro Auto fechados com o Cartão de Crédito Porto Seguro” explica o executivo.
Para Loução, iniciativas como esta movimentam o mercado de seguros e são fundamentais para levar as melhores soluções aos clientes do Cartão Porto Seguro. “Trabalhamos sempre com o objetivo de conceder facilidades e benefícios para os Corretores e mais comodidade aos nossos clientes”, complementa o diretor da Porto Seguro Cartões.

Seguradoras podem entrar no mercado de benefícios de risco não programados 1604

Reprodução/Agência Brasil

Governo quer o fim do monopólio do INSS

Um Projeto de Lei para acabar com o monopólio do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) deve ser encaminhado ao Congresso pelo governo. O intuito é abrir a cobertura de benefícios de risco não programados, como auxílio-doença, acidente de trabalho e salário-maternidade, ao mercado segurador. A INSS gasta R$ 130 bilhões por ano, o que equivale a 22% da despesa anual do Instituto, com este tipo de benefício.

As informações são do jornal O Globo. A concorrência para gestão destes benefícios está prevista na reforma da Previdência, encaminhada ao Senado na semana passada. A medida não enfrentou resistência dos deputados nas votações de primeiro e segundo turnos. O INSS fica com a exclusividade apenas sobre aposentadorias e parte das pensões. Casos como a morte de um trabalhador por evento inesperado, como doença grave ou acidente de trabalho, podem ser enquadrados como riscos não programados.