‘Oito pilha é um real’ e a força do roubo de carga no comércio ilegal 667

Metro

Comprar de ambulantes é reforçar a cadeia originada pelo roubo de cargas

Carlos Guimar é sócio-diretor da ICTS Security, consultoria e gerenciamento de operações em segurança, de origem israelense.
Carlos Guimar é sócio-diretor da ICTS Security, consultoria e gerenciamento de operações em segurança, de origem israelense.

A cena do vendedor ambulante que entra no metrô para vender gadgets tecnológicos traz muitas situações à tona. Pode-se dizer da opção de trabalho de uma classe com menos oportunidades ou de pessoas economicamente menos abastadas, herdeiros de uma crise monetária assolada no País há pelo menos 04 anos. Essas são algumas conotações vista num primeiro momento.

Mas indo além dos olhos comum da população, o moço que vende “oito pilha a um real” é um filho passivo do roubo de carga, algumas vezes sem saber que faz parte de um esquema fraudulento. O comércio ilegal de produtos é um dos fatores ligados ao oceano de situações originadas pelo roubo de cargas, um crime que permanece sem controle nas principais regiões brasileiras.

Recentemente foi demonstrado em um conceituado fórum sobre o tema que o Rio de Janeiro, reconhecido pelo seu poder bélico, e São Paulo, onde há um caso de roubo de carga por hora, permanecem na liderança deste grave problema, que já afeta modais de todo o País. Alimentos frigorificados, eletroeletrônicos (olha os vendedores ambulantes aí) e bebidas estão no topo das cargas mais furtadas.

O problema é mais embaixo e traz duas constatações para motivar os índices periclitantes do roubo de carga no Brasil. A primeira está ligada ao ambiente sócio econômico. A população desempregada gera um forte mercado paralelo, que está associado à crise moral e ética pela qual o brasileiro passa. As feiras conhecidas como “robautos”, os tais mercados a céu aberto, onde produtos roubados são expostos e vendidos, crescem dentro e fora das comunidades, expandindo para o comércio ilegal nos trens, metrôs e ônibus.

A segunda constatação é a segurança pública, que é afetada com o total desinvestimento do Estado, com a falta de investigações e a de prisões dos receptadores. Diante de olhos tapados das autoridades, o crime organizado se estrutura cada vez mais e as cargas roubadas viram uma parte importante da receita das facções.

Não perdendo nada para grandes holdings, a logística dos interceptadores é uma aula de escoamento estratégico a parte. Caminhões são abordados em vias na entrada de comunidades e levados para pontos não alcançados pela polícia. É praticamente uma entrega expressa na porta de casa dos marginais, sem o menor esforço logístico. Para se TER ideia, no mercado bélico ilegal, as armas, e também as drogas, precisam de um esforço maior desde a compra, passando pelo transporte, chegando na estocagem até a venda.

Assim como em empresas, sob a máxima do tudo que é muito bem planejado alcança resultados super satisfatórios, no mercado de roubo de cargas não é diferente. Contas feitas por institutos especializados em segurança pública mostraram que os criminosos lucram com o roubo de cargas em um único dia, só no Rio de Janeiro mais de um milhão de reais, na qual esta mesma quantia seria arrecadada em mais de uma semana vendendo drogas.

É preciso tratar com urgência. As empresas e a população são impactadas demais pelo roubo de carga. Existe uma miopia do governo neste entendimento, que deixa de arrecadar milhões por mês devido a este crime. Atualmente, o que se tem como combate efetivo são ações no campo político, de intenções, capitaneado por políticos diversos, por associações, dentre outras entidades que trafegam com cartas e ofícios de solicitações com macro ideias, porém sem prazos definidos. E só! Nada de concreto.

Neste cenário, resta ter a maturidade para entender, decidir, investir e realizar uma gestão de mudanças, demonstrar inteligência e visão. Resta a proatividade da iniciativa privada. Enquanto não vem, as empresas especializadas em segurança têm se tornado uma opção para as companhias que desejam mitigar o roubo de carga e todos os seus desdobramentos corporativos/sociais.

Seja no uso de tecnologias para gerenciar riscos ou em procedimento para analisar possíveis gargalos ligados à falha humana, o esforço das empresas já um grande passo no âmbito social para evitar a proliferação de mais filhos indiretos do roubo de carga.

*Por Carlos Guimar, sócio-diretor da ICTS Security, consultoria e gerenciamento de operações em segurança, de origem israelense.

Recife (PE) recebe o Circuito da Longevidade Bradesco Seguros 288

Circuito da Longevidade

Etapa acontece no dia 2 de dezembro, no Forte do Brum

A cidade de Recife receberá, em 2 de dezembro, mais uma etapa da temporada 2018/19 do Circuito da Longevidade Bradesco Seguros. O evento, realizado pelo segundo ano consecutivo na capital de Pernambuco, acontecerá num dos pontos turísticos mais visitados do município: o Forte do Brum e reunirá quatro mil pessoas nas provas de corrida (6 km) e caminhada (3 km). As inscrições poderão ser realizadas a partir de 12 de novembro pelo site.

Criado em 2007 com o objetivo de sensibilizar a população brasileira sobre a importância da atividade física para um futuro saudável, com qualidade de vida e bem-estar, o Circuito da Longevidade também passará por São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Campinas, Salvador, Porto Alegre e Brasília. A expectativa é reunir mais de 40 mil pessoas nesta temporada.

O valor equivalente ao da renda obtida com as inscrições será destinado a uma entidade de caráter assistencial da cidade. A ação se repete em todas as cidades por onde o Circuito da Longevidade é realizado. Desde que foi criado, mais de R$ 3 milhões já foram distribuídos.

Saiba mais sobre as provas de corrida e caminhada

Com participação da elite do atletismo brasileiro e mundial, a prova de corrida do Circuito da Longevidade Bradesco Seguros reunirá dois mil atletas, entre profissionais e amadores. Os cinco primeiros colocados, nos pelotões masculino e feminino de elite, recebem R$ 23 mil em prêmios, divididos da seguinte forma: R$ 5 mil (1º colocado), R$ 3 mil (2º colocado), R$ 2 mil (3º colocado), R$ 1 mil (quarto colocado) e R$ 500 (5º colocado), livres de impostos, além de troféus e medalhas. Desde o início do projeto, foi pago mais de R$ 1,8 milhão em premiações.

Já a caminhada contará com 1 mil participantes, sendo indicada às pessoas que ainda não praticam atividades físicas com regularidade. A prova mais democrática do Circuito, que reúne desde crianças a idosos, tem como objetivo ser o “pontapé” inicial na jornada no esporte, estimulando que todos possam correr em uma próxima oportunidade. Além disso, os longevos têm destaque especial na cerimônia de premiação: os cinco primeiros colocados são homenageados no pódio, com troféus e medalhas. Com essa ação, o Grupo Bradesco Seguros destaca e reconhece a jornada desses participantes que, por meio do exercício físico, conquistaram uma vida saudável.

O Circuito da Longevidade conta também com a participação de pessoas com deficiência, que marcam presença nas pistas com frequência. A elas, é reservada uma largada diferenciada, que acontece antes da oficial.

Kits de participação podem ser retirados um dia antes das provas

Todos os participantes inscritos na etapa Recife (PE) do Circuito da Longevidade poderão retirar os kits de participação na véspera das provas, no local do evento, das 9h às 17h. Na ocasião, e também na data da prova, os inscritos poderão realizar, gratuitamente, avaliação física e teste de pisada. Por meio de um equipamento de última geração, os interessados têm acesso a uma série de dados sobre sua condição física e recebem orientações de profissionais especializados para potencializar o treino e ganhar mais qualidade de vida. Já no teste da pisada, o participante é orientado a utilizar o tênis mais adequado ao seu passo. 

Todas as etapas do Circuito contam também com um bicicletário especial do “Movimento Conviva”, iniciativa do Grupo Bradesco Seguros para incentivar a convivência harmoniosa entre ciclistas, motoristas, motociclistas e pedestres. Os participantes que desejarem utilizar a bicicleta no deslocamento ao Forte do Brum poderão utilizar o equipamento.

Serviço:

Circuito da Longevidade Bradesco Seguros – etapa Recife (PE)
Data: 2 de dezembro de 2018.
Local: Forte do Brum.
Horário da largada: 8h (corrida) e 9h30 (caminhada).
Valores das inscrições: de R$30,00 (corrida) a R$7,50 (caminhada, meia). Confira os valores para cada faixa etária neste site.

Confira o calendário da temporada 2018/19 do Circuito da Longevidade Bradesco Seguros:

Cidade Data Local
Marília (SP) 21/10 Avenida das Esmeraldas
Ribeirão Preto (SP) 11/11 Parque Olhos D’Água
Recife (PE) 2/12 Forte do Brum
São Paulo (SP) 27/1 Parque da Independência
Curitiba (PR) a definir a definir
Rio de Janeiro (RJ) a definir a definir
Campinas (SP) a definir a definir
Salvador (BA) a definir a definir
Porto Alegre (RS) a definir a definir
Brasília (DF) a definir a definir

Ouvidoria da Icatu Seguros recebe homenagem ao completar 20 anos 332

A ombudsman do grupo Icatu Seguros, Maria Helena Darcy, recebeu a homenagem

Associação Brasileira das Relações Empresa Cliente (Abrarec) homenageou empresa

A Associação Brasileira das Relações Empresa Cliente (Abrarec) aproveitou seu II Fórum Nacional de Ouvidorias e a entrega do prêmio Ouvidorias Brasil 2018 para homenagear o Grupo Icatu Seguros. A Ouvidoria da seguradora foi pioneira no mercado. Há 20 anos funciona como um espaço de confiança e de credibilidade no relacionamento da empresa com o cliente.

O evento aconteceu no último dia 7 de novembro, em São Paulo (SP). A ombudsman do grupo Icatu Seguros, Maria Helena Darcy, e o vice-presidente Comercial São Paulo da companhia, Guilherme Hinrichsen, receberam a homenagem.

Segundo Maria Helena, o setor privado foi, de alguma forma, surpreendido, nos anos 90, pela consolidação do Código de Defesa do Consumidor e precisou oferecer aos clientes canais de atendimento rápidos e eficientes. O consumidor ganhava voz, mas, esbarrava em alguns entraves operacionais dos call centers e, por isso, acabava expressando seu descontentamento em canais como órgãos de defesa do consumidor, juizados de pequenas causas e colunas de jornais especializadas em relações de consumo.

“Conhecendo a cadeia de valor e o percurso do cliente dentro da companhia, a Ouvidoria pode prever movimentos e antecipar soluções. Analisando os erros, pode propor modificação de rotinas e novas modelagens para o atendimento e a qualidade da operação. Ter uma Ouvidoria e um Ouvidor atuantes é uma questão de ética e, ainda, 20 anos depois, de modernidade. Preservar a integridade de valores é garantia, para todos, de uma instituição justa e transparente”, afirma Maria Helena.

Seguro agrícola ameniza perdas da 2ª safra de milho e indeniza produtores rurais do Paraná (PR) 390

Seguro Agrícola

Mais de 1.180 produtores do estado foram prejudicados; Indenizações superam R$ 56 milhões

As perdas na safra 2017/2018 causadas pela seca prolongada que castigou lavouras inteiras no sul do país estão sendo reparadas aos produtores que adquiriram o seguro agrícola.

Segundo o Grupo Segurador Banco do Brasil e MAPFRE, que detém 70% do mercado de seguros rurais do país, a produção de milho safrinha no estado do Paraná foi uma das mais prejudicadas, representando 42% dos sinistros comunicados e 26% dos prejuízos apurados até o momento.

“O cultivo de milho de segunda safra já estava menor em relação ao ano anterior e a falta de chuva afetou o desenvolvimento do cereal, o que comprometeu o processo de produção. Mais de 92% dos produtores rurais que tiveram perdas em suas plantações foram impactados pela estiagem, muito mais severa este ano”, explica Paulo Hora, diretor técnico de seguros rurais do Grupo.

A área indenizada chegou a 111 mil hectares e mais de R$ 56 milhões serão pagos aos produtores afetados no estado.

A segunda safra de milho é a principal do país, uma vez que produtores têm apostado mais na soja na primeira safra.

“Muitos agricultores têm acionado o seguro, uma vez que, em algumas propriedades, os prejuízos chegam a 100%. As vistorias já foram realizadas, os prejuízos apurados e estamos finalizando o pagamento dos sinistros aos produtores”, explica o diretor.

Atualmente, o Grupo disponibiliza aos produtores o produto BB Seguro Agrícola, que protege a lavoura de problemas com o clima como chuvas excessivas, incêndio, queda de raio, tromba d’água, ventos fortes, friagem, granizo, seca, geada e variações excessivas de temperatura.

“As indenizações reforçam a importância do seguro, que é uma ferramenta estratégica para quem produz no campo. É um aliado do produtor, permitindo que ele recupere parte do capital investido em caso de intempéries climáticas”, ressalta.

Sompo lança Black Week com descontos especiais para Seguros Empresariais 293

Companhia concede descontos de até 15% nas cotações de atividades selecionadas nos produtos Simplificado, Super Empresarial e Segmentados

A Sompo Seguros, empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, vai se valer da onda de descontos que envolve o período da Black Friday para lançar uma iniciativa com objetivo de trazer ainda mais vantagens para corretores de seguros, empreendedores e executivos de empresas de todos os portes. A companhia acaba de lançar a Black Week Seguros Empresariais, na qual, por uma semana inteira, serão concedidos descontos de até 15% nas cotações dos seguros Empresarial Simplificado, Empresarial Super e Segmentados.

Divulgação
Divulgação

A iniciativa ocorre no período de 19 a 23 desse mês. “Os seguros empresariais da Sompo já são produtos consolidados e amplamente contratados pelo mercado. Porém, esse é um ramo com muito potencial de crescimento, já que o índice de empresas que contratam seguro patrimonial ainda é baixo, sobretudo entre as pequenas e médias empresas (PMEs)”, analisa Fabiana Medina, superintendente técnica de RE Massificados da Sompo Seguros. “Nossa expectativa é de aumentar em 20% as cotações dos seguros empresarias durante esse período. Recomendo aos interessados que procurem o corretor de seguros de sua confiança para que ele possa prestar a devida orientação sobre a melhor forma de contratação do seguro”, avalia.

Seguro Empresarial Simplificado

O Seguro Empresarial Simplificado foi desenvolvido para atender empresas de micro, pequeno e médio porte, nas áreas de prestação de serviço, comércio e indústria, com patrimônios de até R$ 3 milhões. É um seguro descomplicado, de fácil contratação e que conta com uma ampla quantidade de coberturas que podem ser consideradas de acordo com a necessidade do segurado. O Seguro Empresarial Simplificado contempla Cobertura Básica contra Incêndio de qualquer causa, exceto dolo; Queda de raio e Explosão de qualquer natureza e origem. Além disso, podem ser contratadas coberturas adicionais desde as tradicionais voltadas à Danos Elétricos; Vendaval e Impacto de Veículos; até Roubo; Perda/Pagamento de Aluguel; Vazamento de Chuveiros Automáticos (Sprinklers), Recomposição de Registros e Documentos e Lucros Cessantes.

Outra vantagem é que o Seguro Empresarial Simplificado conta com três planos de Assistência 24 Horas, nos quais estão contemplados desde os serviços de chaveiro, cobertura provisória de telhados, reparos de elétrica e hidráulica, segurança e vigilância e locação e limpeza de computadores (Plano Essencial), passando por troca de segredos de fechaduras, reparo em linha branca e condicionador de ar, reparos em porta de aço ondulado, desentupimento e check-up Informática (Plano Intermediário) ou ainda, Reparos em Central Telefônica, Interfone e Porteiro Eletrônico (Plano Superior).

Seguro Empresarial Super

O Seguro Empresarial Super foi desenvolvido para atender empresas de médio e grande porte nos segmentos de indústria, comércio e serviços, com patrimônio acima de R$ 3 milhões. A Cobertura Básica desse produto inclui indenização em caso de Incêndio de qualquer causa, exceto dolo, Queda de Raio e Explosão de qualquer natureza e origem. Além disso, o segurado pode contratar um amplo leque de coberturas adicionais, entre as quais estão: Danos Elétricos, Eletrônicos e Curto-circuito; Vendaval, Granizo, Furacão, Ciclone, Tornado e Fumaça, Impacto de Veículos; Quebra de Vidros, Painéis, Anúncios Luminosos e Letreiros; Desmoronamento total ou parcial; Tumultos, Greves, Lock-out (inclusive incêndio); Roubo ou Furto Qualificado; Responsabilidade Civil de Operações, Empregador ou Danos Morais; Perda/Pagamento de Aluguel; Equipamentos Eletrônicos, Móveis ou Estacionários; Despesas Fixas; Vazamento de Chuveiros Automáticos (Sprinklers); Recomposição de Registros e Documentos e Lucros Cessantes, entre outros.

Em termos de Assistência 24 Horas, o Seguro Empresarial Super conta com três opções de plano. No Plano Essencial, o segurado conta com assistência para serviços de Chaveiro; Cobertura Provisória de Telhados; Limpeza; Serviços de Informações; Reparos Hidráulicos; Reparos Elétricos; Substituição de Telhas; Regresso Antecipado; Segurança e Vigilância; Locação de Computadores e Limpeza de computadores. O Plano Intermediário inclui os serviços já citados e mais Instalação de Fechadura de Chave Tetra e Troca de Segredo das Fechaduras; Reparo de Linha Branca (Geladeira, Fogões a Gás e Forno de Microondas) – Não Industrial; Reparos em Condicionador de Ar; Reparos em Porta de Aço Ondulada; Desentupimento e Check-Up Informática. Já o Plano Superior inclui todos os serviços já citados, além de Reparos em Central Telefônica, Interfone e Porteiro Eletrônico (sem imagem de vídeo).

Seguro Empresarial Segmentado

Os Seguros Sompo Segmentados, Clínicas e Consultórios e Escolas, foram desenvolvidos sob medida para atender às rotinas dessas atividades específicas e contempla coberturas diferenciadas e exclusivas para atender às particularidades de cada negócio. Entre seus diferenciais destaca-se a garantia de Recomposição de Documentos e Vazamento Acidental de Sprinklers na Cobertura Básica sem custo adicional ao segurado.

Proteção de dados é prioridade na Prudential do Brasil 408

Ciber Segurança

Seguradora conta, desde 2015, com uma área exclusiva para garantir que informações de clientes e funcionários estejam seguras

O tema proteção de dados e privacidade, recentemente, ganhou as manchetes ao redor do mundo e está mais em alta do que nunca aqui no Brasil. Desde os vários episódios de vazamentos de dados envolvendo grandes empresas até a nova diretriz da União Europeia, que impõe controles rígidos e multas altas, não há dúvidas quanto à veracidade da máxima declarada pela revista britânica The Economist em 2017 – “Data is the new Oil” (“Dados são o novo petróleo”).

Além disso, qualquer companhia com presença global está sujeita a diversos normativos e regulamentações de países diferentes, entre elas a nova diretriz de proteção de dados e privacidade da União Europeia. O Brasil segue a mesma tendência e, em 14 de agosto deste ano, foi sancionada a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que entrará em em 18 meses. O desafio de estruturar um programa que atenda a todas as operações ao redor do mundo, e, ao mesmo tempo, as regras locais, é grande, mas não impossível.

A proteção dos dados pessoais confiados à companhia sempre foi uma preocupação da Prudential do Brasil, subsidiária da multinacional americana Prudential Financial, Inc. com presença, no Brasil, há 20 anos. Desde 2015, a seguradora, especializada em seguros de vida, conta com uma área exclusiva e equipe certificada pela International Association of Privacy Professionals (IAPP) para garantir que os dados de seus clientes e funcionários estejam seguros.

Para isso, controles são implementados e monitorados em tempo real, os dados pessoais coletados pela companhia estão todos mapeados, as avaliações de impacto e risco à privacidade são conduzidas para cada novo processo, os fornecedores são requeridos a estar em conformidade com as melhores práticas em segurança da informação e proteção de dados, entre outras medidas que permitiram à Prudential do Brasil já estar bastante adiantada na conformidade com a nova lei brasileira.

Thaís Ramos é coordenadora de Privacy & Vendor Governance na Prudential do Brasil / Divulgação
Thaís Ramos é coordenadora de Privacy & Vendor Governance na Prudential do Brasil / Divulgação

Segundo Thaís Ramos, coordenadora de Privacy & Vendor Governance na Prudential do Brasil, essa adequação exige esforço e investimento, além de um forte trabalho de conscientização entre colaboradores e canais de distribuição.

“O custo de estar fora de conformidade pode ser maior do que qualquer soma empregada nessa adequação, já que mais do que pagar multas previstas na nova lei brasileira, que chegam a 2% do faturamento da companhia, ou da nova lei europeia, que pode atingir 4% do faturamento global, o risco reputacional relacionado aos danos à imagem, perda da credibilidade com os clientes, sanções regulatórias, intervenções pelo Ministério Público, entre outros, podem atingir até os preços das ações negociadas nas bolsas de valores, gerando prejuízos incomensuráveis para qualquer empresa”, acentua Thaís.