Mercado brasileiro de seguros alia inovação ao conhecimento de profissionais experientes 2440

Saiba mais na edição 216 da Revista JRS

O mercado brasileiro de seguros segue na contramão da macroeconomia e cresce, mesmo em um cenário de incertezas quanto ao futuro do País. Para se ter uma ideia, dados da Confederação Nacional de Seguros Gerais (CNseg) indicam crescimento de 1,7% no primeiro semestre de 2018. O percentual indica R$ 116 bilhões em prêmios de seguro e não considera números do seguro obrigatório, o DPVAT. A economia brasileira, por exemplo, cresceu apenas 0,4%. Saiba mais lendo a Revista JRS 216.

Temporais destroem empresas no Brasil 728

Temporais destroem empresas no Brasil

Situação comum em dias de chuvas pode ser amenizada com seguro empresarial

O país acumula grandes histórias de desastres naturais. Todos os anos vendavais, alagamentos e temporais, destroem patrimônios públicos, casas e empresas. Diversas pessoas sofrem algum tipo de prejuízo, entre elas, empresários que muitas vezes passaram a vida construindo seu negócio (no qual é responsável ainda pelo sustento de diversas outras famílias), tem todo o seu patrimônio aplicado nele, e acaba perdendo tudo ou se afundando em dívidas para fazer os reparos necessários.

No mercado, porém, existe o seguro empresarial, o qual, cobre essas situações e ameniza os danos e/ou prejuízos causados. Vanessa Alves, diretora comercial da San Martin Corretora de Seguros (franquia especializada no mercado de seguros), conta que existe cobertura também para vendaval, furacão, ciclone, tornado, granizo e muitas outras nesse sentido.

Ela explica que o seguro empresarial atende exatamente a necessidade do cliente. Por isso, no momento da contratação são analisados os principais riscos que o negócio pode correr. E no caso de desastres naturais, a demanda mais comum é na região sul do país, principalmente Santa Catarina, onde mais de 90% das apólices incluem cobertura contra vendaval.

“Essa região sofre muito com chuvas fortes e vendavais, por isso, é muito grande a probabilidade de um local ser afetado por essas causas, como já aconteceu no passado. Então essa cobertura é fundamental”, relata.

Cobertura abrangente

Outra situação constante por aqui são os casos de incêndios e quedas de raios. Situações que o seguro empresarial também cobre. Aliás, essas são apenas algumas. Também entram no serviço: roubo e furto qualificado, responsabilidade civil, danos elétricos, quebra de vidros, espelhos, mármores, equipamentos e despesas fixas.

Vanessa reforça que o seguro empresarial oferece soluções para estabelecimentos comerciais e/ou industriais com coberturas totalmente adequadas aos seus ramos de atuação.  “Esse seguro oferece relativa tranquilidade quanto a eventuais prejuízos que podem atingir o patrimônio de sua empresa, sejam bens materiais (equipamentos, móveis, etc) e estrutura física abrangendo em alguns casos inclusive documentos ou valores em espécie”, explica.

A diretora acrescenta que neste caso, o empresário tem a possibilidade de resguardar o patrimônio de sua empresa de forma mais ampla, unindo várias coberturas em uma única apólice. Mas, para que a escolha seja a melhor possível, é imprescindível que ele tenha informações qualificadas.

Escolha das coberturas

As coberturas do seguro se dividem em: básica e opcionais. A contratação da cobertura básica é obrigatória, acompanhada de, pelo menos, uma ou mais  coberturas opcionais – de acordo com as ofertas da seguradora. “Outras proteções contra riscos podem ou não ser contratadas, conforme o interesse do segurado. Na lista de opcionais, ele deve avaliar o grau de importância de cada uma delas para o empreendimento dele”, orienta a profissional.

Ela esclarece ainda que na hora de escolher o seguro multirrisco patrimonial, é preciso cuidado para não contratar coberturas opcionais desnecessárias. “Ou, ainda, que não levem em consideração as particularidades do negócio”, sublinha.

Em relação aos seguros convencionais, a modalidade apresenta várias vantagens. Vanessa pontua e finaliza:

  • Redução das taxas em relação aos chamados seguros convencionais;
  • Conjugação de várias coberturas em uma só apólice, com cláusulas menos restritivas e de mais fácil compreensão pelos segurados; e
  • Estruturação modular com uma ampla gama de coberturas e garantias acessórias, permitindo ao segurado a escolha, entre elas, das mais adequadas às suas necessidades, o que resulta na montagem de um seguro “personalizado”.

AIG Seguros anuncia novo CFO para o Brasil 577

Hercules Pascarelli é o novo CFO da AIG Seguros no Brasil / Divulgação

Hercules Pascarelli possui quase 20 anos de experiência profissional em diversas empresas e seguradoras

A AIG Seguros, que este ano completa 100 de presença no mundo e 70 de atuação no Brasil, acaba de contratar Hercules Pascarelli para seu time de executivos, na posição de CFO (Chief Financial Officer) da empresa no país. Com sua experiência no mercado segurador, desde 12 de agosto Hercules está liderando o time financeiro e ajudando a manter a trajetória de disciplina financeira e de subscrição da companhia.

No Brasil, a estratégia da companhia está focada em rentabilidade no segmento de riscos complexos e no mercado PME, por meio de parcerias que permitem explorar melhor as fortalezas da seguradora e aportar ao mercado brasileiro sua experiência e capacidade globais.

Pascarelli é formado em Ciências Contábeis e Administração de Empresas pela Universidade Paulista (UNIP), possui MBA em Finanças pelo Ibmec de São Paulo e quase 20 anos de experiência profissional em diversas empresas e seguradoras.

Seminário Regional de Seguros reúne profissionais da corretagem em Londrina (PR) 459

Seminário Regional de Seguros reúne profissionais da corretagem em Londrina (PR) / Divulgação

Evento foi realizado no dia 19 de setembro e contou com aproximadamente 300 participantes

Nesta quinta-feira (19) foi realizado o Seminário Regional de Seguros em Londrina, no Paraná. O evento contou com aproximadamente 300 pessoas, entre corretores e demais operadores do mercado local de seguros. O encontro foi organizado pelo Sindicato dos Corretores de Seguros do Paraná e Mato Grosso do Sul e contou com apoio de diversas companhias de seguros, como a Bradesco Seguros, por exemplo.

Divulgação
Divulgação

“É uma alegria muito grande participar deste evento que o Sincor está organizando com os profissionais de toda região. Ficamos muito agradecidos pela oportunidade de participação e levar uma mensagem de inovar e participar para todos os corretores. Seguradores e corretores estão no mesmo barco e precisam somar forças, encontrar alternativas para um mundo de profundas mudanças, em uma sociedade que está se reorganizando em termos de seguro e consumo”, disse o Superintendente da Bradesco Seguros na Região Sul, Altevir Prado.

Prado, além de abordar temas relacionados à inovação no mercado de seguros, participou de talk-show com o tema “Produtos de Benefícios”.

Confira outras imagens:

Zurich fecha patrocínio para equipe Webmotors na Stock Car 358

Zurich fecha patrocínio para equipe Webmotors na Stock Car

Temporada de 2019 da Stock Car ainda contará com quatro etapas

A seguradora Zurich estreou no dia 15 de setembro, no Autódromo do Velopark, em Nova Santa Rita (RS), como patrocinadora da equipe Webmotors na Stock Car, a mais importante categoria do automobilismo nacional.

A Webmotors, plataforma de negócios e soluções para o setor automotivo, é atualmente patrocinadora do piloto Bruno Baptista e já conta com uma série de ações na competição. A Zurich, agora como patrocinadora da equipe, terá exposição da sua marca no carro, box, bem como ativações nas redes sociais e nas etapas restantes da categoria em 2019.

Divulgação
Divulgação

Para a Zurich, o objetivo é fortalecer a exposição da marca por meio da presença em um dos maiores eventos esportivos do país, além de poder oferecer a corretores e parceiros de negócios a oportunidade de vivenciar uma experiência única na competição. Com o patrocínio, a Webmotors se insere nas pistas do automobilismo, se aproxima do universo da Stock Car e ainda tem a oportunidade de levar a discussão sobre a mobilidade ao público.

A temporada de 2019 da Stock Car ainda contará com quatro etapas:  Cascavel (20/10), Velo Città (10/11), Goiânia (24/11) e Interlagos (15/12).

Setor segurador volta à casa de dois dígitos com crescimento de 11,3% 1254

Setor segurador volta à casa de dois dígitos com crescimento de 11,3%

Segmento de Pessoas contribui mais para o resultado no ano, alta é de 13,7%. No período, VGBL avança 14,6%;

A arrecadação do setor segurador foi de R$ 151 bilhões (sem Saúde e DPVAT) de janeiro a julho de 2019, alta de 11,3% sobre o mesmo período do ano passado. Foi a primeira vez que a taxa no ano voltou a crescer dois dígitos desde 2015, informa o presidente da Confederação das Seguradoras (CNseg), Marcio Coriolano, em editorial da publicação Conjuntura CNseg (11). Se comparado ao mês de junho de 2019, a receita evoluiu 16,8% e, em relação a julho de 2018, a expansão foi de 29,2%.

Ele ressalta ainda que, na série anualizada* de agosto de 2018 a julho de 2019, o mercado registrou avanço de 5,5%, na comparação com o mesmo período até junho, de 3,1%. “Como esta Conjuntura CNseg já vem apontando, o crescimento do setor segurador tem se mostrado desigual, com os seus segmentos e ramos respondendo diversamente ao ciclo econômico e à preferência dos clientes”, afirma.

Esse comportamento é ratificado pelo desempenho desigual dos ramos de Benefícios (Vida, Previdência etc) e de Danos e Responsabilidades. No segmento de Cobertura de Pessoas, houve alta de 13,7% no acumulado do ano. “Desta vez, além dos Planos de Risco – Vida e Prestamista terem mais uma vez se destacado, ocorreu recuperação expressiva da taxa de crescimento dos Planos de Acumulação da Família VGBL (14,6%)”, assinala Marcio Coriolano.

No segmento de Danos e Responsabilidades, a evolução foi menor, de 6%, e a contribuição mais expressiva partiu do ramo Patrimonial, de grande participação relativa no segmento com alta 12% no acumulado. Os ramos de Seguros Marítimos e Aeronáuticos, de Crédito e Garantias, de Responsabilidade Civil e o Seguro Rural também registraram avanços de dois dígitos. Outro desempenho positivo foi apresentado por títulos de capitalização, que avançaram 12,7% nos sete primeiros meses do ano.

(*) Anualização: Agosto/2018 a Julho/2019 sobre Agosto/2017 a Julho/2018

Clique aqui para conferir a Carta de Conjuntura da CNseg.