Generali recebe mais de 100 parceiros de negócios no Acampamento Farroupilha 5718

Head para a América Latina e diretores da companhia prestigiaram momento

O Piquete Adesbam no Acampamento Farroupilha foi o palco para a Generali receber mais de uma centena de corretores de seguros nas festividades da Capital gaúcha na quarta-feira (12). Os parceiros de negócios foram recebidos pelo Head para a América Latina da companhia Nery Silva, pelo Diretor de Canais Tradicionais João Bosco Medeiros, o Diretor Comercial Rafael Alquati e o executivo principal no Rio Grande do Sul Fabricio Porto.

Churrasco, chimarrão e muita música foram preparados para os convidados. Para Nery Silva, a importância do encontro de confraternização e a adesão plena de corretores das mais longevas cidades é sinal do prestígio da Generali, que tem uma história muita fraterna com os gaúchos, tendo sido, inclusive, a primeira seguradora com expertise internacional a investir no Brasil. Ele também destacou a interlocução efetiva em forma de atendimento do staff da seguradora, citando os diretores e a presença dos presidentes do Sindicato das Seguradoras do Estado Guacir Bueno, e do Sindicato dos Corretores do mesmo, Ricardo Pansera.

Fotos: Filipe Tedesco/JRS

Energia solar cresce 198% entre moradores do Rio Grande do Sul em 2018 303

Energia solar cresce 198% entre moradores do Rio Grande do Sul em 2018

Número de consumidores que instalaram placas para geração elétrica mais que dobrou em relação a 2017

Depois de anos sofrendo com os constantes aumentos na conta de luz, tudo indica que 2018 foi, finalmente, o ano em que os brasileiros acordaram para a solução do problema: energia solar.

O número de consumidores que instalaram placas solares para geração elétrica mais que dobrou em relação a 2017 e cresceu 18 vezes em relação a 2012, ano em que a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) criou as regras da geração distribuída.

Através do uso das placas solares, inversor e demais equipamentos dos sistemas fotovoltaicos, esses consumidores conseguem gerar sua própria energia pela luz do sol e, assim, economizar até 95% na conta de luz por 25 anos, vida útil das placas.

A tecnologia é, segundo uma pesquisa do Ibope, o sonho de consumo de 89% dos brasileiros. É grande a procura por tudo sobre energia solar e, segundo a projeção oficial da ANEEL, até 2024 a luz solar será a fonte elétrica de 886.700 brasileiros.

No Rio Grande do Sul, terceiro estado com mais sistemas instalados, a história não foi diferente. O crescimento foi de impressionantes 198,58% em relação ao número de 2017, saltando de 2.470 sistemas para 7.375 conectados à rede ao final de 2018.

São vários fatores favoráveis para essa expansão da tecnologia, começando pela consecutiva queda dos preços dos equipamentos e mão de obra, até a oferta de linhas de financiamento que permitem, em alguns casos, pagar o valor da parcela com a economia obtida na conta de luz.

Com milhões de consumidores de energia elétrica e um ótimo potencial para a geração solar, como indicou o Atlas Solar lançado no final de 2018 pelo Governo do Estado, o Rio Grande do Sul deverá continuar como um dos líderes do segmento pelos próximos anos.

PEGN destaca Alberto Júnior por faturar R$ 30 milhões com a venda de seguros de vida 712

PEGN destaca Alberto Júnior por faturar R$ 30 milhões com a venda de seguros de vida

CEO do Grupo Life Brasil chegou a trabalhar 16 horas por dia

A história de Alberto Júnior, que começou a empreender aos 15 anos, foi destaque pela Pequenas Empresas, Grande Negócios. O empresário é dono do Grupo Life Brasil, uma holding de diversas empresas que fatura R$ 30 milhões com seguros e outros serviços do setor.

“Alberto abraçou de vez as vendas porta a porta, função que exerceu até 2007. E não só vendendo seguros: o empresário foi vendedor de itens que foram desde enciclopédias a purificadores de água”, destaca a publicação.

O CEO do Grupo Life Brasil conta que chegou a trabalhar 16 horas por dia. Foram ao todo mais de oito mil visitas a potenciais clientes.

Atualmente todas as empresas da holding utilizam uma metodologia desenvolvida por Alberto, que oferece treinamento para colaboradores e franqueados. A taxa de conversão chegou a 54% em 2017, ante uma média de 21% no mercado segurador.

Lançado por Alberto em 2012, o livro “A Lógica – Como ganhar milhões com seguro de vida na prática”, que virou um best-seller do setor e foi lançado no exterior, foi validado pela Million Dollar Round Table (MDRT). Trata-se de uma associação comercial fundada em 1927, que agrega corretores de seguro de todo o mundo e é reconhecida internacionalmente.

O Grupo Life Brasil também chegou a figurar entre as 0,2% melhores do setor na lista da própria MDRT.

Alberto acredita que, uma das razões para o sucesso é fazer o que “ninguém tem coragem e fugir do óbvio”. Sua própria trajetória dá outro exemplo de como ele aplica essa filosofia: o empresário conta que, “quando não tinha onde vender, chegou até a vender dentro de presídios para os carcereiros, durante a madrugada”.

“Quem consome seguro de vida? Quem está vivo”, Alberto Júnior.

RS: Roubos de veículos caem 31% em Porto Alegre e 25% no Estado 310

RS: Roubos de veículos caem 31% em Porto Alegre e 25% no Estado

Dados de janeiro foram divulgados ontem pela Secretaria de Segurança Pública

A capital gaúcha registrou 550 roubos de veículos em janeiro, o número é 31% que os 796 registrados em 2018. No Rio Grande do Sul a queda foi de 25%, 1.183 casos ante 1.580 no ano passado.

A Brigada Militar lançou a Operação Avante em janeiro do ano passado, visando combater esse tipo de crime. A inteligência passou a utilizar os dados estatísticos para o direcionamento de policiais para locais com maiores índices de roubos e outros crimes.

Em 2016 o Rio Grande do Sul era o quarto Estado do País no número de veículos roubados. Em 2014, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Porto Alegre foi a capital que liderou o ranking.

Aulas em escolas públicas são suspensas após forte chuva no RJ 201

Aulas em escolas públicas são suspensas após forte chuva no RJ

Rede pública de ensino não vai funcionar; Algumas escolas particulares também não abrem

Uma frente fria provoca chuva de moderada a forte no Estado do Rio de Janeiro desde o começo da manhã desta quarta-feira (13). Segundo a Rádio Jovem Pan, a situação coloca o RJ em estado de alerta. Aulas na rede pública e parte da particular foram suspensas. A recomendação é para que os fluminenses evitem colocar lixo para fora de casa.

O maior volume de chuvas aconteceu nos bairros localizados na Zona Norte e no Centro da capital carioca. Em São Cristóvão o volume chegou a 85,2mm. Na Zona Sul, o Jardim Botânico registrou 65,2mm.

Na semana passada as chuvas mataram sete pessoas. Naquela ocasião, a chuva chegou a 165,6mm na Rocinha. As fatalidades foram causadas por deslizamentos e também foram registradas na comunidade do Vidigal.

Setor de seguros consolida diversificação dos seus segmentos 327

As Coberturas de Pessoas também foram decisivas para o comportamento diversificado do mercado no ano.

Destaques são os ramos com crescimento acima de dois dígitos

O setor de seguros fecha 2018 com arrecadação de R$ 245,6 bilhões em prêmios, informa a nova edição da Conjuntura CNseg que acaba de ser publicada pela Confederação das Seguradoras. “O ano que passou consolidou a visão de um mercado de seguros em franca diferenciação entre os seus segmentos. Há o que se comemorar no desempenho de um setor segurador maduro”, afirma Marcio Coriolano, presidente da CNseg.

Exemplo disso é o segmento de Danos e Responsabilidades com arrecadação de prêmios – sem DPVAT- de R$ 70,1 bilhões, alta de 8,1% (nominal). Com crescimento acima de dois dígitos, vale destacar a evolução dos ramos de Transportes (16,1%), Rural (11,4%), Crédito e Garantias (10,6%), Responsabilidade Civil (10,3%) e Patrimonial (10%).

“Foram os novos protagonistas da procura por proteção pela sociedade”, assinala Coriolano.

As Coberturas de Pessoas também foram decisivas para o comportamento diversificado do mercado no ano. “Com receitas de R$ 41,5 bilhões, os Planos de Risco do Segmento de Pessoas, alcançaram crescimento de 9,4%, com forte contribuição do Seguro Prestamista, na esteira da alavanca do crédito pessoal e de empresas”, explica o presidente.

Para 2019, a perspectiva de desempenho do setor é positiva. “A taxa projetada de crescimento do PIB de 2,5%, após uma sequência de fraca evolução da economia, ao lado de medidas liberalizantes (reformas estruturais, a começar a da Previdência, privatizações, concessões, desregulamentação etc.), abre caminho para incorporar – democrática e produtivamente – amplas camadas da população aos mercados de consumo, da prevenção de riscos e da proteção de patrimônios, rendas, vida e saúde”, sublinha Coriolano.

Para ele, “abrem-se, portanto, possibilidades de um novo protagonismo do setor segurador, na sequência das reformas estruturais, tornando o setor mais efetivo em proteger negócios e pessoas e retroalimentar o crescimento por meio da aplicação de seus ativos garantidores, que já alcançam R$ 965 bilhões, ou ativos de mais de R$ 1,3 trilhão, quando consideradas as reservas não vinculadas”.