O papel do corretor na hora de contratar um plano de saúde 1267

Saúde suplementar

Setor debate coparticipação e franquias; Corretor estimula troca de informações e consultoria ao beneficiário

Recentemente a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) defendeu o fomento de iniciativas que fortaleçam os planos de saúde suplementar. Entre as medidas, a Federação defende atenção primária à saúde. “O modelo atual de atenção à saúde é caro, ineficiente, gerador de desperdícios e não promove a saúde, operando apenas como um meio de tratamento de doenças”, disse a entidade em recente comunicado sobre o assunto.

Entre outros pontos defendidos pela FenaSaúde está a regulação de prestadores e fornecedores, o desenvolvimento de novas regras para reajuste de planos individuais, mudança nas regras para incorporação de novas tecnologias, combate às fraudes e a tipificação de crimes contra o sistema de saúde suplementar, além de mudanças no modelo de remuneração e da análise de impacto regulatório e de revisões sistemáticas de regras. A ideia da Federação Nacional de Saúde Suplementar é promover uma governança regulatória que permita, inclusive, a admissão de hospitais públicos à rede credenciada, bem como o desenvolvimento de novos produtos de Previdência e Poupança vinculados à saúde.

Um dos pontos mais polêmicos das mudanças no ramo de saúde suplementar dá-se pela atualização das regras para coparticipação e franquia. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), promoveu uma série de discussões ao longo do ano que ainda não culminaram em um consenso entre os stakeholders envolvidos em um dos principais nichos do mercado brasileiro de seguros.

“Coparticipação e franquia são fatores de moderação. Ou seja, visam impedir o uso abusivo dos planos, mas não podem caracterizar-se como um aumento indireto de preços”, explica o advogado Sandro Raymundo, presidente do Instituto Segurado Seguro.

O presidente do Instituto Segurado Seguro, Sandro Raymundo / Divulgação
O presidente do Instituto Segurado Seguro, Sandro Raymundo / Divulgação

O especialista explica que “ninguém espontaneamente vai solicitar uma internação ou fazer vários exames se não houver, da fato, uma necessidade. O valor de coparticipação e franquia devem ser fixados de maneira a impedir a solicitação de procedimentos desnecessários, mas não deve inibir que sejam feitos exames e procedimentos realmente necessários”. “Não é possível estabelecer valores extremamente exorbitantes e que impeçam o acesso aos planos de saúde. Queremos evitar isso”, complementa.

Na visão do corretor de seguros Neto Menezes, de Aracaju (SE), é fundamental que o profissional da corretagem ocupe o papel de consultor do consumidor na hora da contratação de um plano de saúde. “Vivemos uma crise total em nosso País e isso atinge, inclusive, o setor de saúde suplementar. As pessoas estão preocupadas, pois não podem depender do sistema público. Neste sentido, cresce a adesão aos produtos de saúde, pois todos buscam uma maior qualidade de vida nos dias de hoje”, revela ao evidenciar a necessidade de orientar os beneficiários de acordo com seus hábitos e necessidade.

“Existem planos que abrangem de acordo com a localidade ou procedimentos, por exemplo. Isso é muito importante, bem como a divulgação clara e transparente de informações como carência e prazos definidos pela agência reguladora”, afirma Menezes.

“As pessoas ainda estão desenvolvendo o conhecimento da importância de estarem seguradas. Muitos ainda não pensam no amanhã, bem como no futuro de sua própria família. É importante instigar esse consumidor para que questione e aproveite o trabalho que só pode ser desenvolvido por um profissional devidamente habilitado e preparado para atuar no setor”, prossegue o corretor de seguros Neto Menezes.

Ainda para o presidente do Instituto Segurado Seguro, Sandro Raymundo, a ANS e as seguradoras podem resolver a questão, uma vez que possuem todo conhecimento técnico sobre o setor. “As companhias é que desenvolvem o relacionamento com hospitais e funcionários do setor de saúde. As empresas é que sabem onde são praticados os desperdícios e de que forma eles podem ser combatidos. Muitas companhias estão unicamente apostando no ramo de saúde, por ser muito lucrativo e que precisa ser adequado para evitar uma situação difícil para o consumidor”, ressalta ao também destacar a importância da transparência nos contratos de seguro.

“É importante que o consumidor saiba que precisa constituir uma reserva, caso o plano de saúde possua alguma coparticipação. Por outro lado, a ANS precisa promover uma regulamentação que permita acesso aos planos de saúde. A introdução de coparticipação e franquia nesse nicho é muito diferente de outros segmentos”, conclui Raymundo.

Tecnologia como aliada do profissional da corretagem de seguros

O corretor de seguros especialista, Neto Menezes / Divulgação
O corretor de seguros especialista, Neto Menezes / Divulgação

Para o corretor Neto Menezes, entusiasta no desenvolvimento de marketing social, as novas possibilidades de imersão que as tecnologias proporcionam aos profissionais do setor são fundamentais para uma nova fase no ramo. “O corretor é um consultor e precisa fidelizar seus clientes. É preciso fortalecer a relação de confiança com a carteira de clientes, além de contemplar diversos ramos, de acordo com a necessidade do segurado ou de seus familiares”, acrescenta.

O especialista acredita que o corretor de seguros é o profissional devidamente habilitado para fazer o elo entre as companhias de seguros e os segurados. “Apesar da velocidade que uma corretora online pode proporcionar, por exemplo, é fundamental a análise consultiva dos anseios desse cliente, de acordo com seu perfil. Isso é fundamental inclusive para resguardar a imagem do setor como um todo. Os profissionais devem trocar experiências e estar em união. O mercado é muito amplo e parcerias são fundamentais nesse ramo. É uma questão até mesmo de ética”, completa Menezes.

O corretor de seguros lembra do empenho dos profissionais do setor que concluem a formação através da Escola Nacional de Seguros (ENS). “De centenas de alunos que começam o curso são poucos que concluem. Esses estão com foco e gás para promover a expansão desse setor. Se cada um solidarizar-se com o outro colega estaremos propiciando o desenvolvimento de novos mercados em ramos distintos. Pensando assim, espero um 2019 muito próspero”, finaliza.

Sompo debate inovação e tecnologia no mercado de seguros 160

Sompo debate inovação e tecnologia no mercado de seguros

Apresentação acontece durante a 6ª Convenção Nacional Lojacorr

Fernando Grossi é diretor comercial da Sompo Seguros / Divulgação
Fernando Grossi é diretor comercial da Sompo Seguros / Divulgação

A Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, marca presença na 6ª Convenção Nacional Rede Lojacorr, que acontece nos dias 21 e 22 de março, no Expo Unimed Curitiba (R. Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 – Campo Comprido), em Curitiba (PR). “A Sompo participa anualmente do evento, que é uma oportunidade para apresentarmos as diversas soluções desenvolvidas nos mais variados ramos de seguros aos corretores parceiros que integram uma das mais expressivas redes independentes do País”, afirma Fernando Grossi, diretor comercial da Sompo Seguros.

Na ocasião, Grossi será um dos participantes do talk show Inovação e Tecnologia no Mundo dos Negócios, que acontece às 12h00 do dia 22 e deve abordar a influência das novas tecnologias no mercado de seguros. “A Sompo investe significativamente em tecnologia para tornar a jornada do cliente mais aprazível, para facilitar o dia-a-dia e contribuir para que os corretores de seguros possam ter recursos para explorar formas de desenvolver mais oportunidades de negócios”, observa Grossi.

Além disso, a Sompo vai contar com mais de 20 executivos no evento, que vão atuar na área de relacionamento nos lounges. Outro destaque será a participação da companhia nas mesas de negócios, quando os corretores de seguros vão poder estar frente a frente com os especialistas da companhia em rodadas de negociações. Entre os destaques desse ano estão os ramos de Transporte, no qual a Sompo é líder de mercado, Vida e Seguros Empresariais. “A Sompo é uma seguradora multiproduto, que conta com soluções flexíveis para que o corretor de seguros possa atender a diferentes perfis de segurados. Isso permite também contratar modalidades diferentes de seguros para cada perfil, o que pode ser financeiramente mais vantajoso para o segurado e mais fácil e prático para se administrar pelo corretor de seguros”, completa Alberto Muller, Diretor Comercial da Sompo nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

Escola Nacional de Seguros promove Curso Megavendas 250

Escola Nacional de Seguros promove Curso Megavendas

Treinamento apresenta como o funil de vendas e a metodologia spin podem incrementar resultados

A Unidade Rio Grande do Sul da Escola Nacional de Seguros apresenta seu novo curso de vendas. Com o Megavendas, os profissionais de seguros vão aprender como o funil de vendas e a metodologia spin podem incrementar resultados.

Entre os conteúdos, estão as mudanças nas relações comerciais e o que pode-se esperar da próxima década, além de Comunicação persuasiva em vendas. As etapas, desde prospecção até à fidelização para vender mais também serão apresentadas, de forma a transformar o aprendizado em resultados.

O curso é ministrado por Rodrigo Maia, graduado em Comunicação e com especialização em Gestão Empresarial e Recursos Humanos pela PUC do Rio de Janeiro. Com quase 20 anos de experiência em Gestão Estratégica de Recursos Humanos e desenvolvimento de pessoas com foco em competências relacionadas à estratégia do negócio, o especialista ocupou cargos de gestão em grandes empresas, inclusive no exterior.

As aulas acontecem nos dias 12 e 13 de abril. No dia 12, das 16h às 22h, e no sábado, das 8h às 17h. O investimento é de R$ 700 a vista. As aulas serão ministradas na sede da Escola Nacional de Seguros no RS, na Av. Otávio Rocha, 115 – 1º andar – Porto Alegre (RS).

Saiba mais informações pelos telefones: (51) 3224-1965 / 5267 / 6661 ou no e-mail unidaders@ens.edu.br.

JLT completa 30 anos no Brasil e anuncia resultado global 262

JLT completa 30 anos no Brasil e anuncia resultado global

Lucro da companhia é fruto do resultado da operação da companhia em mais de 135 países

A JLT – Jardine Lloyd Thompson – companhia inglesa integrante do Grupo Jardine Matheson – anunciou seu resultado global referente ano de 2018. Uma das maiores empresas especializadas em gestão de riscos, corretagem de seguros e resseguros e consultoria em benefícios em todo mundo, a JLT obteve um resultado de £ 1,4 bilhão no ano passado, o que representa uma alta de 5% em relação ao ano anterior, com igual crescimento orgânico de 5%. O lucro da companhia é fruto do resultado da operação da JLT em mais de 135 países, entre eles o Brasil. A empresa está presente no país desde 1989 e completa 30 anos no mercado brasileiro nesta quinta-feira, 14.

Em 2018, o lucro da empresa antes de impostos foi de £ 233,6 milhões, número 25% maior do que o registrado em 2017. As unidades que mais se destacaram foram Global Specialty e Employee Benefit UK, ambas entregaram 7% de crescimento orgânico em receita. O lucro nos negócios aumentou 25% na Global Specialty, 10% na Global Reinsurance e 8% na Global Employee Benefits

30 anos no Brasil

No Brasil, a JLT abriu seu primeiro escritório em São Paulo. Desde então, a empresa cresceu dentro do mercado brasileiro, acompanhando o amadurecimento do setor de seguros e a abertura do negócio de resseguros no país. Atualmente, a JLT está presente nas principais capitais do país e conta com mais de 450 colaboradores.

“A JLT passou por várias fases de desenvolvimento do mercado segurador no Brasil, sempre buscando inovar e oferecer o melhor serviço para os clientes”, afirma o CEO da JLT, Nicolau Daudt.

Controller da JLT Brasil, Valmir Moço, presenciou como o mercado de seguros evoluiu desde a sua chegada à empresa, em 1989, como contador. “Acompanhei como a mudança na tarifa da comissão estimulou a concorrência e modernizou a prestação de serviço. Já com a abertura do mercado ressegurador, houve uma valorização da consultoria”, diz Moço. “Hoje as apólices já não bastam mais e os clientes querem saber detalhes do que é importante em cada caso”, explica o controller, um dos mais antigos funcionários da JLT Brasil.

Tokio Marine facilita pagamento de Seguros de Automóvel 196

Luiz Padial é Diretor de Automóvel da Tokio Marine / Divulgação

Clientes podem, agora, optar pelo parcelamento em 12 vezes sem juros no cartão de crédito

A Tokio Marine, uma das maiores seguradoras do País, amplia as formas de pagamento para a carteira de automóvel, que contempla entre os principais produtos: Tokio Marine Auto, Tokio Marine Auto Clássico, Auto Roubo+Rastreador, Tokio Marine Auto Popular, Tokio Marine Caminhão e Auto Frota. A partir de agora, os clientes da seguradora poderão realizar o pagamento em 12 vezes sem juros no cartão de crédito em todo portfólio.

“Com mais essa opção de parcelamento, nossa intenção foi criar um conceito de mensalidade para que o consumidor possa encaixar ainda melhor o valor do seguro em seu orçamento. Vemos, portanto, de forma muito otimista as oportunidades de geração de negócios com mais esta facilidade”, explica Luiz Padial, Diretor de Automóvel da Tokio Marine.

A novidade do parcelamento é especialmente atrativa para o mercado do produto Auto Popular. Líder nesse segmento com 75% de market share, a Tokio Marine é a primeira seguradora a disponibilizar essa forma inédita de pagamento aos seus clientes e é também a única que oferece essa modalidade de seguro em todo o território nacional.

De acordo com dados da Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto), o mercado de carros seminovos e usados registrou alta nos dois primeiros meses de 2019, com crescimento de vendas de 7,1%, na comparação com o mesmo período do ano anterior. “Quando olhamos para o segmento de seminovos, o nosso crescimento foi de 12,9% no primeiro bimestre de 2019, em decorrência de nosso amplo portfólio, principalmente nos produtos cujo apelo de preço é maior, como o Auto Popular. Em 2017, por exemplo, primeiro ano de comercialização do produto, 90% das contratações foram feitas por clientes que antes não haviam tido a oportunidade de adquirir um Seguro. Isto também é reflexo da alta deste mercado”, comenta Padial.

Com foco em veículos com mais de cinco anos, o produto inclui cobertura inicial de colisão e incêndio, para danos totais ou parciais, e assistência 24 horas completa. O diferencial do Tokio Marine Auto Popular é a possibilidade de reparos com peças novas compatíveis para itens que não sejam de segurança, o que viabiliza um preço significativamente mais competitivo. Para o caso de inexistência de uma peça nova compatível, o conserto será feito com as mesmas utilizadas no seguro tradicional, assim como é feito com os itens de segurança.

O Auto Popular já contempla 107 modelos de veículos, contabilizando mais de 2 mil versões. A modalidade é uma das quatro que a seguradora oferece para veículos de passeio na mesma base de cálculo, mais um dos diferenciais dos produtos da carteira de Auto. Em 2018, o ramo de Automóvel da Tokio Marine registrou alta de 8,4%, contra uma expansão de 3,2% do segmento, mantendo o histórico da seguradora de crescer mais que a média de mercado.

Chubb protegeu mais de 5 milhões de pessoas no carnaval brasileiro 178

Chubb protegeu mais de 5 milhões de pessoas no carnaval brasileiro

Destaque foi para cidades como SP, Rio, BH, Salvador, Recife e outras

A Chubb afirma que o poder público e os promotores de eventos têm demonstrado crescente conscientização ao assegurar vários direitos de cidadania da população durante o carnaval no Brasil. “Este ano, as nossas apólices protegeram a diversão de mais de 5 milhões de pessoas, ao garantir indenização em caso de danos corporais e morais durante o período de folia”, diz Juliana Santos, responsável pela área de seguros de Entretenimento da Chubb. De acordo com ela, os seguros adquiridos cobriram blocos de rua, camarotes e eventos em recintos fechados em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife e outras.

Juliana Santos é responsável pela área de seguros de Entretenimento da Chubb
Juliana Santos é responsável pela área de seguros de Entretenimento da Chubb / Divulgação

Conforme a executiva, as apólices da Chubb também protegeram profissionais envolvidos com a organização dos eventos, da montagem à desmontagem. O seguro também englobou prejuízos por danos a equipamentos, instrumentos musicais, objetos cenográficos e estruturas temporárias. Segundo Juliana Santos, os riscos mais frequentes no carnaval têm sido quedas, desmoronamento de estruturas, atropelamentos, choques elétricos, acidentes envolvendo carros alegóricos e danos a equipamentos, entre outros.

Sobre outros riscos que podem ser cobertos pelo seguro, Juliana cita o cancelamento, adiamento e interrupção do evento em virtude de condições climáticas, queda de estrutura, grande tumulto e outras causas. Esse seguro, de acordo com ela, pode garantir ao promotor o pagamento de várias despesas tais como locação de espaço, logística, alimentação, produção e muitas outras. “Por outro lado, é também possível segurar toda a receita do evento, incluindo o lucro”, conclui.