CNseg promove evento que foca em novas tecnologias para o setor de seguros 631

Insurance Meeting CNseg

12º Insurance Service Meeting e o 3º Encontro de Inteligência de Mercado foram marcados pelo debate sobre o setor de seguros na era digital

Nos dias 7 e 8 de novembro, São Paulo foi palco de um dos maiores encontros para debater o futuro do mercado segurador do país. Sediado no Transamérica Expo Center, o 12º Insurance Service Meeting e o 3º Encontro de Inteligência de Mercado reuniram mais de 400 profissionais interessados nos temas abordados.

JRS no 12º Insurance Service Meeting

O presidente da Confederação Nacional de Seguros (CNseg), Marcio Coriolano, destacou em vídeo na abertura do evento a importância dessa discussão. “A era digital, sucedendo outras eras disruptivas – como a fabril, a mecânica e a eletrônica -, já é uma realidade e alcança o mercado segurador de forma absolutamente impactante. O Insurance Service Meeting já se firmou com um dos mais importantes fóruns do mercado segurador. Mais do que um resultado de tecnologia, o momento da sociedade contemporânea é fruto da vontade do novo consumidor”, declarou.

A palestra de abertura foi apresentada por Renato de Castro, expert em cidades inteligentes da SmartUp Consulting Firm, embaixador de Smart Cities do TM Fórum de Londres e membro do conselho de administração da ONG Leading Cities de Boston. Castro salientou a importância e a urgência da utilização de Inteligência Artificial nas operações de seguro com base em quatro pilares: “Estudo com foco no cliente, para que o resultado seja mais assertivo; Simplicidade, para que o consumidor tenha o empoderamento de resolver suas próprias demandas rapidamente e sem complicações; Parcerias e investimentos em Startups e Spinoffs; e, por fim, Predição, com o objetivo de diminuir os riscos e atuar ativamente na prevenção de sinistros”, ressaltou o profissional.

O evento também debateu a otimização de processos por meio do RPA (Robotic Process Automation), em que um único sistema é capaz de cruzar dados de maneira inteligente e assertiva, permitindo que os colaboradores voltem seus esforços para a parte estratégica do negócio. Marco Dearo, diretor da Delloite, apontou a ferramenta como uma das saídas mais acessíveis e práticas quando se pensa em tecnologia com aplicabilidade imediata.

“O RPA tem o funcionamento a partir de sistemas já existentes, agilizando muito mais a transformação tecnológica”, afirma Dearo.

Ainda focado na disrupção do atual cenário o evento trouxe a discussão do emprego da tecnologia do blockchain no setor segurador. Gustavo Paro, diretor de Vendas da R3, debateu que essa nova transação digital irá transformar a indústria seguradora de forma ainda mais intensa que a financeira.

Em “Como Prosperar no Digital”, painel que contou com Tom King, diretor da Pegasystem, como palestrante, foi debatido o caminho digital dos mais diversos processos no mercado segurador e a importância das empresas olharem para este assunto como tema prioritário. “Uma empresa não se transforma em digital no primeiro dia. São passos que precisam ser dados continuamente para chegar a um resultado satisfatório e eficaz”, completa King.

Segundo dia

Abrindo o painel no segundo dia de evento, o palco do 12º Insurance Service Meeting sediou a palestra “Desmistificando a Inovação no Setor”. Cristiano Barbieri, diretor de Inovação Analytics e Tecnologia da SulAmérica, ressaltou que o comportamento do consumidor mudou com o surgimento das novas tecnologias nos últimos 10 anos, o tornando mais questionador. Complementando, Cibele Cardin, CIO da Chubb Seguros, pontuou que o impacto da inteligência artificial afeta o consumidor de modo geral, e como o seguro poderá ser muito mais preventivo do que reativo com o uso correto e bem aplicado das novas tecnologias. Curt Zimmermann, diretor de TI da Bradesco Seguros, acrescentou ao debate a importância das grandes empresas seguradoras apoiarem o surgimento de novas tecnologias para suprir a alta demanda do mercado.

Fabio Luis Marras, CTO & Distinghished Engineer da IBM, liderou o painel sobre “IA: você sabe com quem está falando?” e apontou que num futuro próximo teremos a IA em todas as partes, insights mais profundos com o cliente e a personalização em escala. “Minha visão é que as seguradoras no Brasil passaram por uma evolução nos últimos anos e vêm buscando melhorias contínuas no sentido de adoção de novas tecnologias”.

O vice-presidente de Pesquisa da Gartner, Cassio Dreyfuss, destacou no painel “Transformação Digital: O Desafio não é apenas tecnológico”, que a “transformação digital é uma jornada que tem como pilares a mudança de cultura das pessoas, nos padrões de trabalho e no modelo de negócios”. O diretor de Supervisão de Conduta da Susep também participou do debate e declarou que hoje o órgão trabalha em frentes como o “alinhamento com representantes da indústria de seguros, com as autoridades que permeiam o setor e na aproximação de insurtechs”, concluiu.

A palestra de encerramento do evento contou com a participação de Cezar Taution, head Digital Transformation da Kick Ventures, que pontou sobre as novas fronteiras do seguro e da era digital. “Hoje temos alguma dificuldade em perceber que não é apenas uma tecnologia que causa a disrupção e sim a convergência de diversas tecnologias”.

Taution ressaltou que “hoje a inteligência artificial é um guarda-chuva com um conjunto de ciências que impacta a sociedade e os modelos de negócio. No setor de seguros é necessário olhar atentamente para a importância da solidificação das parcerias entre essas empresas e as insurtechs que podem alavancar o avanço tecnológico deste mercado”.

3º Encontro de Inteligência de Mercado

Paralelamente ao 12º Insurance Service Meeting, também foi realizado, no Transamérica Expo Center, em São Paulo, o 3º Encontro de Inteligência de Mercado.

JRS no 3º Encontro de Inteligência de Mercado

Para o debate “Análise de Impacto Regulatório”, Patrícia Pessôa Valente, sócia da PVMP Advogados, lembrou que esse já é um tema antigo de discussão no mundo mas novo ainda no Brasil devido a questões econômicas, históricas e culturais que impediram seu avanço na mesma velocidade por aqui. Por ser um assunto recente, ainda há dificuldade de entendimento sobre sua finalidade. Mas essa é uma ferramenta de melhoria de eficiência da gestão pública e Patrícia acredita que “devemos dar uma mais atenção aos impactos sociais e não olharmos apenas aos econômicos que podem decorrer da regulação”.

Flávio Abdenur, fundador da SLQ Soluções Quantitativas, discutiu o tema “Inteligência Artificial e o Futuro do Trabalho”. Nessa palestra, foi traçado um panorama sobre a evolução das tecnologias ao longo dos anos e identificado que o tempo dessa evolução é cada vez menor enquanto a dependência gerada aumenta em grande escala.

O painel “As novas gerações e o seguro”, liderado por Luis Rasquilha, CEO da Inova Consulting, debateu a rapidez da transformação tecnológica nas últimas duas décadas, o relacionamento das diversas gerações com tais transformações e oportunidades e desafios para as seguradoras nesse cenário. Rasquilha salientou que o mercado segurador necessita manter o foco na análise profunda das preferências dos clientes e do seu momento de vida para oferecer produtos e serviços mais assertivos.

Segundo dia

O encontro realizou a mesa redonda “O Desafio da Retomada do Crescimento da Economia e o Mercado Segurador”. O economista e professor da PUC-Rio, Luiz Roberto Cunha, alertou que o mercado precisar ter um olhar atento para o presente com o objetivo de entender o futuro. Alexandre Leal, diretor técnico da CNseg, salientou que a Confederação tem como um de seus projetos o Programa de Educação em Seguro, implementado em diferentes canais da instituição, cujo objetivo principal é informar e educar diversos públicos. O superintendente de produtos de seguros do Banco Santander e presidente da Comissão de Inteligência de Mercado da CNSeg, Alex Körner, destacou que os desafios como novas formas de pagamento e adequação de modelos de produtos às novas realidades dos consumidores fazem parte de um movimento a ser discutido pelo setor.

Na segunda palestra do evento, “Ciência de dados Oportunidades no Mercado Segurador”, os professores da PUC-Rio, Gustavo Robichez, Rafael Nasser e Hélio Lopes traçaram um panorama da ciência do comportamento e da psicologia do consumo. Para Lopes o projeto de ciência de dados é um ciclo onde a definição de tarefas é a parte mais importante para que haja uma entrega consistente. Nasser complementou que informações são úteis para mapear e predizer riscos, mas é necessário ler, traduzi-las e aplicá-las de forma inteligente com o objetivo de ajuda na tomada de decisão. Robichez concluiu o debate dizendo que “é importante refletir quais as indagações sob a perspectiva do atual cenário do seguro e que dados são o novo petróleo”.

Com sala exclusiva de treinamento, SulAmérica inaugura novo espaço da filial Lapa 310

Novidades permitem à companhia fortalecer relacionamento com parceiros de negócios em espaço ainda maior

SulAmérica Seguros inaugura nova filial na Lapa
SulAmérica Seguros inaugura nova filial na Lapa

A SulAmérica, maior seguradora independente do País, inaugura um novo espaço para as atividades de sua filial no distrito da Lapa, em São Paulo. O estabelecimento tem mais de 100 metros quadrados e conta com uma sala exclusiva de treinamento, o que deverá preparar ainda mais os corretores no ambiente de geração de novas oportunidades de negócios.

“Esta inauguração reflete os nossos investimentos para aprofundar cada vez mais o nosso relacionamento com os corretores e expandir as iniciativas de treinamento, de modo a entregarmos para nossos parceiros todo o suporte de que precisam para atuarem neste mundo cada vez mais dinâmico, digital e inovador. Os corretores da região merecem este novo espaço”, celebra o diretor regional da SulAmérica para São Paulo (Capital), Luciano Lima.

A unidade da SulAmérica na Lapa conta, atualmente, com mais de 500 corretores ativos. O gerente da unidade é Wilson Dedonio – o time também é formado por dois gestores e um colaborador da equipe de apoio. O novo espaço está localizado na Rua Tito, 678 – loja 1, Vila Romana. O telefone para contato com a unidade é (11) 2679-9320.

BB Seguros patrocina exposição na Pinacoteca de São Paulo 193

Reprodução

“Trabalho de artista: imagem e autoimagem”, investiga a importância da representação do artista e de seu trabalho na arte brasileira

Divulgação
Divulgação

Até o dia 25 de fevereiro, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, apresenta a exposição “Trabalho de artista: imagem e autoimagem” (1826-1929), que ocupa quatro salas do 1º andar da Pina Luz.

Com patrocínio da BB Seguros, concepção curatorial de Fernanda Pitta, da Pinacoteca de São Paulo, e cocuradoria de Ana Cavalcanti (UFRJ) e de Laura Abreu (MNBA), a exposição apresenta um conjunto com cerca de 120 obras – pinturas, esculturas, gravuras e desenhos. No total, 33 autores, mulheres e homens, representaram seu trabalho e suas figuras de artista entre o século 19 e início do século 20, período em que se constitui o sistema artístico moderno no Brasil.

Mais do que o simples exercício da representação de retratos e autorretratos, ou de cenas pitorescas de ateliê, as obras da mostra sintetizam o esforço de gerações de artistas para apresentar ao público sua imagem e seu trabalho, sua persona e seu universo de criação, legitimando sua presença na cultura brasileira.

Poderão ser vistas obras como Longe do lar (1884), de Benedito Calixto, e O importuno (1898), de Almeida Júnior, ambas pertencentes à coleção da Pinacoteca, testemunhos da autoconsciência dos artistas em construir uma imagem pública de si e de seu ofício.

Também integram a mostra obras provenientes de 25 coleções privadas e públicas, incluindo o Museu D. João VI (Rio de Janeiro), Museu de Arte de Belém e o Museu de Arte de São Paulo. Estarão expostos fotografias de ateliês, revistas ilustradas com reportagens sobre a vida de pintores e escultores brasileiros, álbuns de artistas e os primeiros livros dedicados à história da arte e dos artistas no Brasil, como Belas Artes: estudos e apreciações (1885), de Felix Ferreira, A arte brasileira: pintura e escultura (1888), de Gonzaga Duque, e a primeira edição da biografia de Antonio Parreiras, História de um pintor contadas por ele mesmo (1881-1926), de 1926.

“O conjunto propõe demonstrar que a estratégia usada pelos artistas da época, de construir uma imagem de si mesmos e de seu trabalho, significava elevar seu próprio status na sociedade brasileira, tradicionalmente marcada pela desvalorização de todos os ofícios ligados ao artesanato e ao esforço manual. Evidencia também as exigências contraditórias de uma formação artística oferecida pelo sistema acadêmico, dirigida para a pintura de história ou para o monumento público, que ao mesmo tempo requisitava ao artista que se afirmasse como profissional ’em exposição’, que deveria construir sua imagem e reputação para concorrer num mercado pouco a pouco em expansão”, explica Paulo Vicelli, Diretor de Relações Institucionais da Pinacoteca.

“Todos os investimentos da BB Seguros em arte e cultura são norteados por critérios de espírito público e ampliação do acesso às artes, além da preservação e difusão do patrimônio cultural e artístico do Brasil. O apoio à mostra é mais uma demonstração da importância e relevância que a cultura tem para a companhia e do nosso compromisso com a sociedade”, afirma Camilo Buzzi, diretor Comercial, Marketing e Clientes da Brasilseg, uma empresa BB Seguros.

A mostra tem entrada gratuita aos sábados para o público de todas as idades.

Serviço:

Trabalho de artista: imagem e autoimagem (1826-1929).
Curadoria de Fernanda Pitta (Pinacoteca), Ana Cavalcanti (Escola de Belas Artes, UFRJ) e Laura Abreu (Museu Nacional de Belas Artes), assistência de curadoria de Khadyg Fares.
Visitação: Até 25 de fevereiro de 2019.
De quarta a segunda, das 10h às 17h30min – com permanência até as 18h.
Pinacoteca: Praça da Luz 2, São Paulo, SP.
Ingressos: R$ 6,00 (entrada); R$ 3,00 (meia-entrada para estudantes com carteirinha).
Menores de 10 anos e maiores de 60 são isentos de pagamento.*
Aos sábados, a entrada da Pina é gratuita para todos.
A Pina Estação é gratuita todos os dias.
Amigo da Pina tem acesso ilimitado, além de desconto na loja e no café. Também pode participar de visitas guiadas e outros eventos com a equipe da Pinacoteca. Para saber mais sobre o programa, acesse este endereço.

Setor de seguros promove agenda plural, dinâmica e acolhedora 1019

Dra. Angelica Carlini é docente e advogada

Instituto da Diversidade e Inclusão no setor de Seguros (IDIS) é lançado em São Paulo

Inclusão e diversidade fomentam um mercado dinâmico como o de seguros. Com o intuito de promover uma agenda à respeito das causas humanas, o Instituto da Diversidade e Inclusão no setor de Seguros foi lançado na última terça-feira, 12, em São Paulo (SP). O evento aconteceu na sede paulistana da Escola Nacional de Seguros, na Rua Augusta. O Instituto tem como presidente Valéria Schmitke, Diretora Regional de Legal & Compliance da Zurich para a América Latina.

“Estamos envolvendo todos os agentes do mercado, sejam eles seguradores, resseguradores, provedores de serviços, corretores de seguros, operadores de planos de saúde, educadores, imprensa. Inicialmente, trabalharemos três pilares: gênero, LGBT+ e raça/etnia. Consideramos que estas são as áreas mais urgentes e, no futuro, devemos atuar também com os pilares PCDs, gerações e outros”, conta Valéria.

Com a participação de diversos executivos, representantes de entidades do setor, convidados especiais e demais agentes do mercado de seguros, o evento contou com uma programação recheada de conteúdos especiais. A Profª Drª Angelica Carlini falou sobre diversidade abordando sua construção histórica. “É preciso criar uma agenda plural, profundamente solidária e dinâmica para os próximos anos. Não vejo ninguém melhor que os integrantes do setor de seguros. Nós somos, preferencialmente, habilitados a trabalhar com a promoção humana”, explica Angelica.

A docente e advogada ainda demonstrou satisfação em fazer parte da iniciativa. “Esse é um setor econômico, financeiro acostumado a ter regras rígidas, e precisa ter, para manter a solidez e credibilidade de suas atividades. Esse conservadorismo que nos trouxe até aqui, como setor respeitado, precisa ser oxigenado com essas ideias de diversidade e de inclusão. O setor vai mostrando maturidade à medida que vamos provocando a abertura de espaços, promovida com o diálogo franco, fraterno e gostoso que promovemos nesse dia tão especial”, reitera Angelica Carlini, homenageada pelo instituto em honraria entregue por Vera Carvalho Pinto, da Chubb Seguros.

Maria Helena Monteiro, Diretora de Ensino Técnico da Escola Nacional de Seguros, considera que essa questão atende não apenas ao anseio da sociedade, como também fica evidenciada como uma necessidade de mercado. “Atendemos um público variado. Por isso, precisamos trazer pessoas que pensem de forma diferente para podermos aprimorar continuamente o setor de seguros”, diz ao demonstrar otimismo com a economia brasileira para o ano que vem.

Maria Helena Monteiro é Diretora de Ensino Técnico da Escola Nacional de Seguros
Maria Helena Monteiro é Diretora de Ensino Técnico da Escola Nacional de Seguros

Na oportunidade ainda foram apresentados cases de sucesso do mercado segurador. O painel contou com mediação de Flavia Bianco, professora da Escola Nacional de Seguros, e exposições de Fábio Oliveira, CEO da AIG Seguros, também de Gabriela Dona, Diretora de Marketing da Ikê Assistência, de Raphael Carvalho, CEO da MetLife, além de Juliana Zan, Superintendente RH da Tokio Marine e de Edson Franco, CEO da Zurich Seguros. A exposição que encerrou o evento foi de Ana Paula de Almeida Santos, da Care Plus.

Reconhecida pelo segundo ano consecutivo como uma das Melhores Empresas para a Mulher Trabalhar pelo Great Place to Work® Brasil, a Tokio Marine destacou, através da Superintendente de Recursos Humanos da Tokio Marine, Juliana Zan, suas ações que visam promover o bem estar das pessoas que trabalham no mercado de seguros.

Juliana Zan é Superintendente de Recursos Humanos da Tokio Marine
Juliana Zan é Superintendente de Recursos Humanos da Tokio Marine / Divulgação

“Para nós é fundamental participar de iniciativas como a do IDIS, que fomentam o diálogo sobre temas tão relevantes para o segmento de seguros. O reconhecimento que temos obtido nos últimos anos, tanto dos Colaboradores quanto do mercado, demonstra a consistência de nossas ações cujo objetivo é promover um ambiente motivador, com diversidade de ideias, no qual as pessoas se sintam bem em trabalhar”, evidencia Zan.

O compromisso da Tokio Marine com práticas de equidade de gênero se traduz também no quadro de funcionários, que atualmente é formado por 53% de mulheres. O mesmo se repete em cargos de alta liderança, cujo quadro é 40% feminino. “Levaremos esse case ao lançamento do IDIS, bem como todo o nosso trabalho e os resultados alcançados neste ano, de forma a contribuir para que o mercado de seguros seja cada vez mais inclusivo e diverso”, reforça a Superintendente de Recursos Humanos da companhia.

Para a Zurich, as condições de igualdade e diversidade acontecem quando todos os funcionários de uma empresa podem aproveitar das mesmas recompensas, recursos e oportunidades independente do seu gênero, etnia e orientação sexual. Seguradora global com mais de 80 anos de atuação no mercado brasileiro, a companhia vem desenvolvendo ações e programas, por meio de grupos dentro da empresa, mais inclusivas.

Um exemplo desse movimento é que a Zurich subiu de categoria na certificação empresarial EDGE (Economic Dividend for Gender Equality), voltada à equidade de gêneros. Com metodologia própria, é responsável pela mensuração do equilíbrio entre homens e mulheres do que diz respeito a oportunidades, salários, políticas de inclusão, assim como as suas práticas na rotina diária cultural das empresas.

A companhia, que já detinha a certificação desde 2016, saiu do primeiro nível EDGE ASSESS e atingiu em 2018 o segundo de três patamares, EDGE MOVE. Isso significa que a empresa não somente já adotou medidas para uma mudança estrutural no sentido de um ambiente mais igualitário, como também já está colhendo bons frutos dessas mudanças, com altos níveis de engajamento de funcionários de ambos os sexos em suas políticas de equilíbrio de gênero. Somente duas empresas brasileiras possuem a patente EDGE MOVE, sendo a Zurich a única seguradora.

“Um trabalho exercido com excelência não escolhe gênero e, por isso, a Zurich faz questão de estar na vanguarda em tudo que diz respeito à igualdade entre nossos profissionais homens e mulheres. Foram dois anos de muito trabalho desde a última certificação, então para nós, é um motivo de muito orgulho atingir esse patamar. No entanto, ainda há muito que fazer pela frente e a Zurich do Brasil está só começando. Nosso objetivo é ser LEAD, o último patamar do EDGE”, comenta Edson Franco, CEO da Zurich no Brasil”.

Edson Franco é CEO da Zurich no Brasil
Edson Franco é CEO da Zurich no Brasil / Reprodução

Atualmente, a Zurich Brasil desenvolve três programas dentro das políticas de diversidade e inclusão, sendo dois globais e um local: o WIN – Women’s Innovation Networ, grupo de interesse com governança global, que promove a igualdade de oportunidades de carreira para mulheres e homens; @Pride, grupo com ações voltadas ao respeito aos Direitos Humanos de cada indivíduo e à consolidação de uma cultura de inclusão e pertencimento com base na orientação sexual; e o DEZ – Diversidade Étnica na Zurich, que promove a conscientização, inclusão, retenção e desenvolvimento de profissionais de diferentes etnias. Esses programas integram o case apresentado pelo CEO, Edson Franco, no lançamento do IDIS, que também é patrocinado pela Zurich.

*Colaborou: RP1 Comunicação e Race Comunicação.

Aon nomeia Violetta Ostafin como CEO de Health Solutions para América Latina 418

Reprodução

Executiva possui ampla e profunda especialização em diversos setores da indústria de saúde

A Aon plc, empresa global líder de serviços profissionais que oferece uma ampla gama de soluções de risco, previdência e saúde, anunciou a nomeação de Violetta Ostafin como CEO de Health Solutions para América Latina.

Ostafin possui ampla e profunda especialização em diversos setores da indústria de saúde. Vem do Boston Consulting Group (BCG), onde atuou como sócia e diretora administrativa, ajudando recentemente a reformular os negócios e a transformar o portfólio na América Latina. Ostafin é uma consultora líder e especialista técnica que trabalhou com negócios e líderes em todo o mundo, ajudando a resolver problemas críticos e gerar valor aos acionistas.

“Violetta possui capacidades essenciais e vasta experiência no setor de saúde. A Aon tem a sorte de recebê-la no time”, disse Fernando Pereira, CEO de Commercial Risk e Health Solutions da Aon para América Latina. “Tem profunda experiência no suporte a clientes em torno de temas como transformação, crescimento, inovação de modelos de negócios e planejamento de mercado. A forte e diversificada qualificação que ela traz é uma vantagem competitiva para a Aon. ”

Ostafin possui MBA e um bacharelado em Estudos Internacionais pela Wharton University, uma bolsa Fullbright da Warsaw School of Economics e um Ph.D. em Economia pela Cornell University.

Ostafin ficará baseada no escritório da Aon em São Paulo e se unirá à companhia em janeiro de 2019.

MAPFRE anuncia novo CEO para o Brasil 866

MAPFRE

Executivo substitui Wilson Toneto, que dedicou 31 anos à empresa

Na manhã desta quinta-feira, 13 de dezembro, a MAPFRE anuncia Fernando Pérez-Serrabona como o novo CEO da Regional Brasil. O executivo terá como missão dar continuidade à expansão da companhia no país.

Formado em Ciências Econômicas e Empresarias pela Universidad Complutense, de Madri, e em Direito, pela UNED – ambas na Espanha -, Serrabona ingressou na companhia em 1989, atuou nas áreas de seguros e serviços financeiros, foi chefe da Área Internacional e diretor geral das Américas da MAPFRE Garantias e Crédito. Desde 2013 atuava como diretor geral para Espanha e América Latina da Solunion, empresa de seguro de garantia e crédito que pertence ao Grupo MAPFRE.

Após 31 anos dedicados à seguradora, dos quais sete como CEO, Wilson Toneto deixa a empresa para trabalhar em outros projetos profissionais e pessoais que seguramente resultarão em novas conquistas.