Um novo desafio para o segmento de planos odontológicos 295

Planos Odontológicos

Confira artigo de Geraldo Almeida Lima, presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo – SINOG

Como venho expondo há algum tempo por meio de artigos de opinião e entrevistas à imprensa, é inegável que esteja havendo uma mudança de comportamento em relação à saúde bucal. Ainda tímida, pois apenas 11% da população brasileira (23,5 milhões de pessoas) possui um plano odontológico, mas com sinais de que esse número tende a continuar aumentando, como verificado nos últimos cinco anos. O departamento de Economia do SINOG estima que até 2020 o mercado deve alcançar 26,1 milhões de beneficiários. Um cenário positivo e promissor, que mostra o amadurecimento do segmento, bem como, o comprometimento de toda a cadeia.

Porém, em contrapartida, a taxa de cancelamento, também conhecida por economistas como churn rate, dos planos individuais vem apresentando elevado índice. Pelo último levantamento realizado, cerca de 2,9% dos planos são cancelados ao mês, destacando-se entre as outras modalidades: coletivo empresarial, 2,4% e coletivo por adesão com 2,0%, que também estão altos. Esses números estão intimamente ligados à cultura do brasileiro, que contrata um plano odontológico para tratar algum problema pontual e depois do tratamento cancela o contrato, sem considerar que ele pode vir a precisar dos serviços de um cirurgião-dentista em outra ocasião.

Esse comportamento imediatista em nada colabora para manter a saúde bucal e, principalmente, quanto ao entendimento da importância de tal necessidade. Com um ticket médio acessível à população, o plano odontológico é um benefício que deve ser mantido por toda a vida, desde a infância, porque qualquer pessoa pode apresentar algum problema bucal durante sua vida. Além disso, o cancelamento poderá implicar, posteriormente, no aumento da sinistralidade, prejudicando beneficiários e operadoras.

O churn rate pode e deve ser administrado com uma mudança de cultura. O que leva tempo e esforço, pois nosso imediatismo é inerente. Queremos resolver tudo para ontem e sempre estamos em busca da resolução mais simples e rápida, mesmo sabendo que existem questões que só podem ser resolvidas em médio e longo prazos. Contratar um plano odontológico só para um tratamento imediato e depois cancelar não resolve uma necessidade e, pior, pode criar um problema.

Avançamos em muitos aspectos graças à maturidade do segmento, que vem aprendendo com seus acertos e erros. Mas, agora temos um novo desafio. Além de colaborar na conscientização da importância da saúde bucal e desta forma reforçar a odontologia suplementar como parceira ideal na busca por este objetivo, temos que trabalhar para conscientizar os beneficiários sobre a necessidade de poder contar sempre com a segurança e previsibilidade de um plano odontológico. Seguimos juntos nessa empreitada, porque os desafios, assim como as doenças bucais, não param de surgir.

Cave di Pozza e JRS sorteiam kit de espumantes 529

Renata Oliveira Silva foi a grande vencedora da promoção

O público já sabe. O verão é muito mais seguro e premiado com a super promoções que o JRS realiza com seus parceiros de negócios. Dessa vez, a Cave di Pozza proporcionou o sorteio de um super kit de espumantes. Renata Oliveira Silva interagiu com a publicação e foi sorteada na roleta premiada, em transmissão ao vivo.

O sorteio de outros kits já está garantido, bem como um cooler especial da Previsul Seguradora. Demais brindes serão anunciados ao longo das próximas semanas.

Liberty Seguros é a primeira seguradora do Brasil a oferecer seguro de carros compartilhados à microempresários 270

Liberty Seguros é a primeira seguradora do Brasil a oferecer seguro de carros compartilhados à microempresários

Seguradora será responsável pela proteção dos carros disponíveis no catálogo da moObie

A Liberty Seguros ingressa no mercado de compartilhamento de carros peer to peer (aluguel de pessoa para pessoa), oferecendo uma nova modalidade de seguro para proprietários de automóveis disponíveis na moObie, plataforma referência em mobilidade no Brasil. A parceria entre as companhias tem o objetivo de expandir as oportunidades de quem procura fazer renda extra com o compartilhamento de carros.

O principal diferencial da apólice desenvolvida pela seguradora é o fato de garantir cobertura por dia para o público microempreendedor que tem documentação via CNPJ (pessoa jurídica), serviço que antes era disponível somente para pessoas físicas.

Mario Cavalcante é Diretor de Massificados da Liberty Seguros / Divulgação
Mario Cavalcante é Diretor de Massificados da Liberty Seguros / Divulgação

“Um dos pilares da Liberty Seguros é o fomento à inovação, seja para trazer ao consumidor novas tecnologias para facilitar seu dia a dia, seja para criar novos produtos que atendam às necessidades do mercado e da nova economia. Poder desenvolver esse produto para a moObie é uma grande oportunidade de mostrar mais uma vez que estamos pensando no futuro” explica Mario Cavalcante, Diretor de Massificados da Liberty Seguros.

“O produto que a Liberty desenvolveu permitirá que o microempreendedor individual (MEI), que possui um carro registrado em um CNPJ, passe a contar com a possibilidade de locar o veículo pela nossa plataforma da mesma maneira que já acontece com a pessoa física, garantindo dessa forma, uma oportunidade de renda extra”, explica Tamy Lin, CEO da moObie.

Como funciona

A locação acontece de Pessoa para Pessoa (P2P) por meio de app intuitivo e prático da moObie. O proprietário cadastra seu carro, que passa por uma validação na qual serão verificados a situação do veículo junto ao Detran/Denatran, vigência do seguro e critérios de elegibilidade (modelos de 2008 em diante e com menos de 100mil km rodados), com outros critérios também sendo avaliados pela equipe da moObie.

Por parte dos locatários, após aprovação do cadastro, o interessado acessa o app para buscar o veículo disponível mais indicado à sua necessidade em um mapa de localização, verifica preço e solicita a reserva. Do outro lado, o dono visualiza o pedido e tem autonomia para aceitar ou não a solicitação na data especificada, de acordo com sua disponibilidade. O pagamento é feito no ato da confirmação da reserva via cartão de crédito do condutor e entra na conta do proprietário do carro cadastrada na moObie em datas pré-definidas.

No ato da entrega das chaves, é realizado um check-in no próprio app e na devolução é feito checkout via celular. O carro deve ser devolvido nas mesmas condições em que foi entregue, limpo e abastecido. Caso haja infração ou acidente durante a locação, há processos preestabelecidos. O número da habilitação do usuário fica registrado e o carro está segurado durante todo período de locação. Se houver sinistro, a seguradora da moObie é a responsável e não a do proprietário. E se houver infração, os pontos vão para o usuário, não para o dono do carro.

A Liberty Seguros atua no mercado brasileiro desde 1996 e está entre os maiores grupos seguradores do país. Com prêmios de R$ 3,2 bilhões e uma carteira com mais de 1,9 milhão de apólices, tem cerca de 1.8 mil funcionários e possui filiais em todo Brasil. Com mais de 15 mil corretores em todo o território nacional, a Liberty Seguros possui um portfólio com soluções de seguros para pessoas físicas, empresas e grandes riscos e está presente em diversos canais de venda. É pioneira em seguros personalizados para funcionários de empresas, o seguro de afinidade (Affinity) e é especialista na venda no canal Concessionária, por meio da marca Indiana Seguros.

A moObie é uma comunidade criada para promover a economia criativa e incentivar novas soluções de mobilidade como o carsharing (compartilhamento de veículos), que visa contribuir para cidades mais sustentáveis. Com um app intuitivo e prático, a empresa aproxima pessoas interessadas em otimizar o investimento feito em um carro e obter uma renda extra (o proprietário) de pessoas que procuram um meio de transporte seguro e acessível (o usuário).

Como as startups estão transformando as empresas tradicionais? 475

Confira artigo de Henrique Maziero, fundador e CEO do Grupo Planetun

Confira artigo de Henrique Maziero, fundador e CEO do Grupo Planetun

Que as startups são modelos de negócios escaláveis tentando inovar com o desenvolvimento de soluções em um cenário de incertezas não é novidade. A reflexão da vez é que, esses empreendedores disruptivos vem transformando não só o nicho em que atuam, mas também todo um setor de mercado anteriormente tradicional e dotado de velhas práticas.

Com o avanço da tecnologia, a chegada da geração millennials ao mercado de trabalho e a mudança na forma como as pessoas consomem os mais diferentes tipos de produtos, as corporações tradicionais tiveram que se adaptar para continuarem competitivas. O novo consumidor demanda um conjunto de agilidade, mobilidade e conveniência, que não pode passar despercebido e deve ser cada vez mais incorporado pelos negócios.

No entanto, implementar mudanças e transformar o legado de uma instituição tradicional não é tarefa das mais simples, por isso um movimento que passou a acontecer foi as grandes empresas buscarem as novatas, que já nasceram com essa veia de inovação e tecnologia, para adotar novas soluções e aprimorar seus processos. Prova disso é que, hoje, já existe uma ampla gama de startups que atuam exclusivamente no segmento B2B, oferecendo recursos para modernizar setores até então mais enraizados.

Uma pesquisa feito pela GE Global Innovation Barometer com executivos seniores de 23 países demonstra essa transformação: 81% reconheceram o crescimento da cultura de startups e concordaram que essa é uma forma de estabelecer sistemas inovadores dentro das organizações. Outro estudo, realizado pelo Harvard Business Review, apontou que 43% das empresas pesquisadas, de diversos setores, estão conseguindo resultados positivos em seus negócios com investimentos em transformação digital.

Uma das principais aplicações tecnológicas que vem sendo inserida nos negócios das grandes companhias é a Inteligência Artificial (IA), tecnologia que se expandiu e fortaleceu em paralelo ao movimento de crescimento das startups no mercado. O objetivo é aprimorar a relação entre empresas e clientes.

Cada vez mais conectado e atento as mudanças ocorridas no comportamento do consumidor, o setor tradicional de seguros é um dos que está apostando nas soluções digitais para atender as novas demandas e se manter competitivo. No caso da Inteligência Artificial, a ideia é levar mais qualidade, segurança e agilidade para os processos, inovando em um ambiente complexo de sistemas, nos quais as seguradoras estão inseridas.

A IA é capaz de substituir esforços repetitivos e manuais, que consomem tempo e recursos deixando de agregar valor ao negócio, por processos automatizados, o que aprimora os serviços das seguradoras de diferentes formas. Entre as vantagens estão um processo mais rápido, melhor experiência do usuário, redução de custos, maior competitividade no mercado e estímulo à inovação.

Visto que o cenário é de transformações, o que percebemos é que não só as startups têm muito a aprender com a experiência das já bem-sucedidas e consolidadas organizações, como as empresas tradicionais também estão cada vez mais engajadas em se inspirar na dinâmica de inovação dessas pequenas disruptivas.

*Por Henrique Mazieiro, fundador e CEO da Planetun, insurtech que desenvolve soluções disruptivas para o mercado de seguros e automotivo.

Capemisa promove melhorias no cotador para PMEs visando atender corretores parceiros 472

Ação visou tornar solução mais prática, clara e objetiva

O cotador de seguros de vida da Capemisa Seguradora para pequenas e médias empresas foi ajustado para se tornar mais prático, claro e objetivo na formalização das propostas e conclusão das apólices. Lançado em abril, ele passou a ser uma das principais ferramentas de otimização da rotina de corretores parceiros, que puderam avaliar o funcionamento e contribuir com sugestões de melhorias. O produto também foi avaliado e traz novidades com a ampliação do capital segurado para as coberturas de Doenças Graves e Diária de Incapacidade Temporária.

Fabio Lessa é Diretor Comercial da Capemisa Seguradora / Divulgação
Fabio Lessa é Diretor Comercial da Capemisa Seguradora / Divulgação

No que diz respeito à parte tecnológica, o sistema ficou mais intuitivo e fácil de usar. Ganhou pop-ups que alertam sobre regras do produto, como adesão compulsória, limites de idade e necessidade de atualização do endereço do segurado, que pode ser preenchido manualmente ou importado de abas anteriores do próprio sistema.

“As considerações de corretores sobre o novo PME foram levadas em conta, o que mostra como a Capemisa valoriza o relacionamento com esses profissionais e está sempre atenta às demandas do mercado. A partir das avaliações, promovemos melhorias para o produto e o cotador de forma a atender às expectativas do cliente e às necessidades do corretor”, afirma o diretor Comercial, Fabio Lessa.

O cotador também preenche automaticamente valores mínimos e máximos para cada cobertura, dependendo da escolha do usuário. Foram incluídas ainda caixas de texto, mensagens de alerta e funcionalidades que demonstram as especificidades de cada cobertura. Para o caso de pendências, o corretor será alertado por e-mail, após validação das propostas. Algumas cláusulas de contratação também foram reformuladas para facilitar o entendimento.

Rafael Amaral é Diretor Técnico da Capemisa Seguradora / Divulgação
Rafael Amaral é Diretor Técnico da Capemisa Seguradora / Divulgação

“Os processos são constantemente revistos para garantir a satisfação dos nossos corretores parceiros e contribuir para o aumento de sua produtividade. As melhorias adotadas no cotador do PME certamente vão otimizar o trabalho e reduzir o tempo de resposta para aceitação das apólices”, explica o diretor Técnico da Capemisa, Rafael Amaral.

Andre Gregori e Cadu Sarkovas falam sobre a digitalização do mercado de seguros 704

Thinkseg

Tema será abordado em webinar, nesta quarta-feira, a partir das 14h30min

Os desafios de enfrentar um mercado conservador para levar inovação e produtos mais exclusivos e diferenciados ao consumidor. Esse será o tema abordado no segundo Webinar do Grupo Thinkseg, que será realizado amanhã, 12, quarta-feira, às 14h30min. O ex-sócio do BTG Pactual Andre Gregori, CEO e fundador do Grupo Thinkseg, e o seu sócio e co-fundador Carlos Eduardo (Cadu) Sarkovas, irão contar sobre a trajetória e os planos da primeira insurtech totalmente digital do Brasil, a Thinkseg.

Em 2016, Gregori decidiu mergulhar no mundo do empreendedorismo para criar a Thinkseg, movido pelo anseio de levar disrupções ao mercado de seguros, que era resistente a mudanças e investimentos em tecnologia. Para isso trouxe ao seu time o ex-diretor da área corporativa da Bradesco Seguros, Cadu Sarkovas, para juntos enfrentarem diversos desafios ao revolucionarem a forma como os consumidores contratam seguros no Brasil.

Em parceria com as principais seguradoras, a Thinkseg oferece produtos construídos e precificados de forma justa e inédita no mercado, pensando não apenas no perfil, mas também no comportamento de cada cliente. No último dia 5, durante o evento Insurance Day, a empresa anunciou o lançamento de um produto totalmente inovador, que utilizará telemetria e inteligência artificial para precificar o seguro de forma dinâmica.

Este é o segundo webinar realizado pelo Grupo Thinkseg, que promoverá uma série na qual tornará esses bate-papos em encontros mensais. Cada edição abordará um assunto diferente, contando inclusive com a participação de convidados especiais, entre eles empreendedores, agentes do mercado e usuários para discutir cases, tendências e desafios de forma inusitada.

Quer saber mais sobre essa história de sucesso? Então inscreva-se no Webinar aqui neste link.

Serviço:

Webinar: Digitalização do Mercado de Seguros, com Andre Gregori e Cadu Sarkovas
Data: 12/12/2018
Horário: 14h30min.
Inscrições gratuitas: neste endereço.