Mais de 1.300 operadores participam do Insurance Day 2018 1530

Andre Gregori, Fundador e CEO do Grupo Thinkseg

Inovação e tecnologia rechearam programação do meeting, realizado em São Paulo (SP)

O mercado de seguros está em franca e acelerada transformação. O boom das insurtechs deu o impulso necessário para que a tecnologia fosse adotada como solução mais eficaz para os questões do setor de seguros no dia a dia. Por isso, mais de 1.300 pessoas reuniram-se, em São Paulo (SP), para participar do Insurance Day 2018. O evento foi organizado pela StartSe em parceria com o Grupo Thinkseg.

O Fundador e CEO do Grupo Thinkseg, Andre Gregori, ressalta que o lançamento do primeiro seguro Pay-Per-Use do Brasil representa a concretização de um sonho. “A Thinkseg nasceu para ser uma empresa que vende seguro por comportamento. Além disso, esse evento traz uma nova dinâmica ao setor de seguros com forte participação do setor”, afirma.

“Este foi um ano de amadurecimento do que está acontecendo. A introdução da tecnologia ao setor vem desde 2011, com a Bidu. Agora o mercado está muito mais aberto e aderindo às novas ideias. Tudo isso faz parte dessa evolução de processos”, explica Gregori, que a partir de dezembro será o novo colunista da Revista JRS.

O Grupo Thinkseg utiliza telemetria e inteligência artificial para oferecer soluções exclusivas ao consumidor. Neste sentido, o CEO da empresa reitera que não basta apenas a tecnologia para oferecer a excelência em serviços. “A mensagem que temos para passar é que a inovação tem de fazer parte da vida das pessoas e dos operadores do mercado. Inovação envolve uma série de fatores. É preciso estudar e atualizar-se. Cito como exemplo o marketing digital, hoje em dia se você não dominar essas ferramentas você ainda sobrevive, brevemente não será mais assim”, finaliza.

Entre os palestrantes do meeting figuraram representantes da Tokio Marine, Minuto Seguros, MDS, Mutual Life, Porto Seguro, 88 Insurtech, Sompo, Icatu e outros. O momento ainda contou com a realização de pitches, que fomentaram conhecimento ao público presente.

Giandra Borges é Coordenadora de Marketing da Previsul Seguradora
Giandra Borges é Coordenadora de Marketing da Previsul Seguradora

A Previsul Seguradora também marcou presença no Insurance Day 2018. “A inovação acontece de dentro para fora. Toda nossa equipe comercial esteve, hoje mesmo, aprimorando treinamentos em produtos e ferramentas, visando a excelência na prestação de serviços aos nossos clientes. Outra parte está aqui, acompanhando as mudanças do mercado, tendências e buscando sempre trazer as melhores soluções para os corretores de seguros, nossos principais parceiros”,

Eduardo Della Giustina (E) é CEO da ExperMed Perícias Médicas
Eduardo Della Giustina (E) é CEO da ExperMed Perícias Médicas

explica Giandra Borges, Coordenadora de Marketing da companhia.

“Nossas duas grandes frentes são inovação e tecnologia, que servem como base para o atendimento pessoal que damos ao corretor. Oferecemos tecnologia para facilitar o dia a dia e tornar o atendimento muito mais eficiente e eficaz”, reitera Giandra ao evidenciar que uma série de novidades está em fase de preparação pela companhia para o ano de 2019.

O CEO da ExperMed Perícias Médicas, Eduardo Della Giustina, também acompanhou de perto a intensa programação, recheada de palestras dinâmicas e ricas em conteúdo. “Estamos sempre acompanhando as inovações do mercado e antenados às novidades do setor. Isso não apenas para atender as seguradoras, como também, para garantir eficiência operacional. Aqui conseguimos ver algumas tecnologias para a parte de perícias médicas que certamente terão impacto nos negócios das companhias de seguros”, explica.

“Essa comunicação entre o mercado, prestadores e tecnologia é incrível. O segundo semestre foi basicamente pautado em projetos de tecnologia, estamos vindo com uma pegada de atendimento por telemedicina, vamos investir em realidade virtual e realidade aumentada. Nossa intenção é, mais uma vez, revolucionar o setor de perícias médicas”, evidencia ao posicionar-se como parceiro das empresas do setor de seguros. “Visamos um processo de sinistro cada vez mais qualificado”, complementa Della Giustina.

O corretor de seguros Vicente Glitz também participou do Insurance Day 2018. “Esse é um dos principais eventos de tecnologia do setor. Essa é nossa nova realidade. As novas tecnologias trazem disrupção ao mercado como um todo. Se o corretor não ficar atento ficará para traz e o consumidor passa a demandar por mais produtos que tenham a ver com o perfil dele como pessoa, como consumidor. Muitas coisas novas estão sendo discutidas e participar e ficar inteirado de tudo isso é muito bom”, diz.

Glitz ainda demonstra entusiasmo com a tendência de fôlego para a economia em 2019. “Isso fomenta todos os tipos de seguros, sem dúvida, as expectativas de crescimento para o setor são muito boas. Acredito que cresceremos mais de dois dígitos no próximo ano”, finaliza.

Insurance Day 2018 – Galeria de imagens:

AXA recebe assessorias de todo o Brasil em São Paulo 334

AXA recebe assessorias de todo o Brasil em São Paulo

Evento aconteceu na sede da seguradora e reuniu 28 assessorias

A AXA reuniu assessorias de todo o Brasil para um encontro de aproximação e troca de experiências, com a participação de executivos das áreas Comercial, Técnica, Produtos, Marketing e Atendimento. O evento foi realizado na sede da empresa em São Paulo com a presença de 57 pessoas, com representantes de 23 assessorias

A vice-presidente Comercial e Marketing, Erika Medici, abriu o evento falando sobre o momento da companhia e os desafios para atingir a meta de R$ 1,5 bilhão em prêmios em 2019, um crescimento de cerca de 40% sobre o ano passado. “Estamos vivendo um processo intenso de mudanças, iniciando o segundo capítulo da AXA no Brasil e as assessorias são parceiras fundamentais nesse projeto. Vocês fazem parte da nossa equipe comercial e as portas da AXA estão abertas para vocês”, afirmou com firmeza para a plateia formada por parceiros de todo o Brasil.

As assessorias conheceram a nova estrutura da Filial Digital, responsável pela governança destes parceiros, e tem foco em corretores que querem iniciar ou ampliar o relacionamento com a companhia. “Nessa estrutura, os corretores vão encontrar suporte às vendas, treinamentos, e-learnings e ferramentas de marketing. Costumo dizer que esse é a porta de entrada para o mundo AXA e as possibilidades que temos. Nosso objetivo é levar o corretor para um novo patamar dentro do negócio”, explica Karine Brandão, Diretora Comercial RJ, ES e Filial Digital.

A programação contou ainda com uma sessão de discussão e debates para que as assessorias pudessem expor os desafios que enfrentam no corpo a corpo com os corretores e o que esperam desse novo momento da parceria com a AXA.

Arrecadação do mercado de seguros avança dois dígitos até fevereiro 253

Arrecadação do mercado de seguros avança dois dígitos até fevereiro

Receita atinge R$ 39,4 bilhões e sobe 12,7% no período

A arrecadação do mercado de seguros manteve a trajetória positiva no acumulado do ano até fevereiro. No primeiro bimestre, a alta foi na casa de dois dígitos – de 12,7% (sem DPVAT e sem saúde suplementar) – sobre o mesmo período do ano passado, alcançando a cifra de R$ 39,4 bilhões (ou R$ 40,1 bilhões com DPVAT), informa a nova edição da publicação Conjuntura CNseg. “O comportamento positivo de todos os ramos contribuiu para fevereiro apresentar uma taxa de crescimento bastante promissora, na comparação com o acumulado no mesmo período do ano passado”, destacou Marcio Coriolano, presidente da CNseg, a Confederação das Seguradoras.

Vale lembrar que o desempenho positivo do setor segurador é importante no plano macroeconômico, não só pela sua participação de mercado – de 6,5% do PIB-, mas também pela sua condição de grande investidor institucional – as seguradoras mantêm mais de R$1,2 trilhão em ativos, ou seja, 25% da dívida pública.

O resultado deveu-se ao crescimento de todos os ramos de seguros no período. Destaque para os Planos de Acumulação VGBL, que subiram 17,8% nos dois meses primeiros meses do ano. Outras contribuições importantes, no acumulado do ano, partiram dos seguros Patrimoniais (19,5%), do Seguro Rural (13,1%), dos seguros de Crédito e Garantias (10%) e dos títulos de Capitalização (9,6%). Já os seguros de Automóveis tiveram discreto aumento de arrecadação, de 1,3% no bimestre.

Na série de dados anualizada (março/18 a fev/19 – sem Saúde Suplementar), o crescimento é mais discreto- 2%-, indicando, porém, uma recuperação paulatina, já que houve uma sequência de quatro períodos anualizados de taxas negativas (considerando-se as séries de 12 meses móveis de setembro, outubro, novembro e dezembro de 2018).

‘Vida é o ramo que mais irá crescer pelos próximos 20 anos’, traça Nilton Molina 1108

'Vida é o ramo que mais irá crescer pelos próximos 20 anos', traça Nilton Molina

Presidente do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon também destacou importância de uma reforma estrutural no sistema previdenciário brasileiro

Nilton Molina é um dos grandes nomes do Seguro de Vida e Previdência no Brasil / Foto: Antranik Photos
Nilton Molina é um dos grandes nomes do Seguro de Vida e Previdência no Brasil / Foto: Antranik Photos

Nilton Molina, um dos maiores especialistas em seguros de Vida e Previdência no Brasil, participou de almoço promovido pelo Clube Vida em Grupo de São Paulo (CVG-SP), na última quinta-feira (11), na capital paulista. Tudo aconteceu no Terraço Itália, onde os participantes desfrutaram de uma das mais belas vistas da cidade de São Paulo.

Durante o encontro, Molina fundamentou a estruturação dos setores público e privado de previdência Outro ponto de destaque pelo especialista é a transformação da estimativa de vida do brasileiro, além de questões sobre longevidade. Outra abordagem de Nilton Molina foi sobre a tipificação de riscos ao longo da vida. O especialista elenca a vasta população brasileira como um grande ativo para o País. “O PIB per capta mensal do brasileiro é R$ 2.809 (a divisão da população pelo PIB), isso mede a riqueza das pessoas. O salário médio do brasileiro, tem a ver na veia, com a previdência, é a fortuna de R$ 2.270. Olhando para baixo da pirâmide social, quando se fala em previdência, falamos desse valor médio. A média mensal de empregados qualificados é R$ 4.750 reais, já na indústria, o valor médio é de R$ 2.600, entre os pouco qualificados o valor é de R$ 1.440. Isso justifica a necessidade da reforma, não faz sentido que brasileiros tenham R$ 30 ou R$ 50 mil reais de aposentadoria do Estado. Essa disparidade entre salários maiores e menores é Robin Hood ao contrário”, justifica.

Reprodução
Reprodução

Nilton Molina ainda lembrou que o Brasil já atravessou diversas reformas previdenciárias ao longo dos últimos governos. “Outro ponto importante é a relação do percentual do PIB gasto com o pagamento dos 35 milhões de beneficiários, que recebem uma média de R$ 1.371,43. A receita do Regime Geral de Previdência Social é de R$ 390 bilhões, com despesas de R$ 576 bilhões, o que gera um déficit de R$ 186 milhões. Isso representa um custo de 8,21% sobre o PIB. Já os Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) custaram 1,75% ao PIB (engloba 1.053.972 beneficiários, com média de R$ 9.725,00 mensais). São os aposentados, pensionistas e funcionários da esfera federal, com uma receita de R$ 37 bilhões, despesa de R$ 123 bilhões e um déficit de R$ 86 milhões. O dramático não é nem a média. São as discrepâncias geradas pela política”, classifica.

“A desinformação chegou ao ponto que os aposentados são contra a reforma que irá garantir o pagamento dos benefícios. É preciso demonstrar a necessidade de fazê-la”, apresenta Nilton Molina.

Os gastos de quase 12% do PIB com previdência são um dos mais altos entre os países considerados jovens. “A atual reforma proposta pelo governo prevê aumento das idades de aposentadoria: 65 anos para homens e 62 anos para mulheres. Outra base de sustentação do projeto é o aumento para 20 anos de contribuição para alcançar diretos, além da volta do fator previdenciário para cálculo dos benefícios. As medidas visam uma diminuição do déficit em curto prazo, para futura estabilização. Em 10 anos, o projeto estabiliza o custo dos sistemas em 10% sobre PIB. Esse valor é muito alto para um país ainda considerado jovem”, analisa.

Molina ainda lembra que existem dois tipos de reforma. A paramétrica, que está no Congresso Nacional, e a estruturante, que cria um novo sistema – o que seria ideal, na visão do especialista. “A atual proposta mantém privilégios entre trabalhadores privados e públicos e também não tem uma visão clara das questões sociais dos mais pobres”, reitera. “Uma reforma estruturante cria um novo sistema para os novos trabalhadores”, disse Molina ao apresentar um modelo alternativo, desenvolvido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) e baseada em quatro pilares: “renda básica, regime de repartição entre empregado e empregador, capitalização (opcional) com aproveitamento de parte do FGTS e ainda na previdência complementar”, classificou.

Reprodução
Reprodução

“Existe um artigo na atual PEC que enseja a discussão a cerca do regime de capitalização, mas isso em momento futuro”, conta o especialista que também faz parte da diretoria da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg). Na visão de Nilton Molina teria sido melhor começar pela reforma que impacta os jovens, os novos trabalhadores, ou seja, a reforma estruturante. “O caixa do Estado Brasileiro não permitiu que assim fosse”, lamenta.

“Um programa como o proposto pela FIPE visa diminuir o custo sobre folha dos 32% atuais para 10%, criando condições do aumento dos empregos formais. Outro ponto é que esse projeto quer tratar todos os brasileiros de forma igual perante os sistemas previdenciários mantidos pelo Estado, sem privilégios. Com isso, o custo do sistema em regime será de mais ou menos 4% sobre o PIB, em comparação aos atuais 12%”, projeta Nilton Molina. Na visão do segurador, a discussão sobre a reforma promove a cultura previdenciária e evidencia a inviabilidade da manutenção de privilégios financiados pela sociedade, além de provocar o aumento da poupança individual. “Outro ponto relevante é que ela diminui os custos das empresas sobre folha e, principalmente, estimula os brasileiros com renda superior à média (R$ 2.270,00) a entenderem que dependerão das próprias poupanças para a manutenção da segurança previdenciária de si mesmo e de suas famílias”, prossegue.

Um bom exemplo, citado pelo especialista, trata-se do regime complementar de previdência do Estado de São Paulo, a SP-PrevCom, que conta com gestão da Mongeral Aegon. “O Brasil errou tanto em Previdência que a aplicação de ambas as reformas demoraria 50 anos para que se atinja esse valor de 4% do PIB (tal qual é em países como Chile e Coreia do Sul, por exemplo)”, evidenciou.

Nilton Molina recebeu homenagem de Silas Kasahaya, presidente do CVG-SP / Foto: Antranik Photos
Nilton Molina recebeu homenagem de Silas Kasahaya, presidente do CVG-SP / Foto: Antranik Photos

Molina abordou mais os impactos e efeitos externos que estão centrados sob a reforma da previdência. “Isso também diz respeito ao Seguro de Vida. Se tem algo que vai crescer no Brasil é esse segmento”, contou a reportagem de JRS.

Na visão de Nilton Molina a não realização da reforma da Previdência significa a volta da inflação. “Isso significaria um desastre absoluto para estados e municípios. O Seguro de Vida só cresce se a renda cresce, a renda só cresce se a economia cresce, para a economia crescer é preciso fazer o ajuste fiscal e atrair novamente a confiança dos investidores”, enfatizou ao público seleto, que reuniu líderes de entidades do mercado segurador de todo o Brasil, bem como das entidades de classe do Estado de São Paulo.

Confira outras imagens – Palestra do CVG/SP:

Proseg está com nova sede em Porto Alegre e contrata executivo 416

Raul Lopardo agora integra equipe da empresa

A Proseg Administradora e Corretora de Seguros, com mais de 30 anos de especialidade no mercado de seguros brasileiro, com soluções de agilidade em propor tranquilidade aos seus clientes, através de seus produtos pessoais e patrimoniais, segue inovando em soluções. A empresa com sede em Brasília, filiais em São Paulo e Salvador, agrega novidades para a filial Porto Alegre.

O novo endereço da Proseg conta com amplo espaço para atendimento de clientes segurados e parceiros, e fica situado na Rua Felicíssimo de Azevedo, 744 – Bairro Higienópolis. Além disso, o executivo com mais de 25 anos de experiência em seguridade nacional, Raul Lopardo, soma-se à equipe da empresa para desenvolvimento de projetos inovadores.

Fidelização exige conhecer de perto todas as necessidades do cliente 311

Fidelização exige conhecer de perto todas as necessidades do cliente

Confira artigo de Robson Tricarico, diretor comercial da Suhai Seguradora

Para as empresas de todos os setores, seria cômodo se os clientes retornassem as compras ou renovassem os seus contratos ao longo dos anos sem esforços de fidelização. Contudo, dada a concorrência na grande maioria dos mercados, além da alta qualidade do produto ou serviço oferecido e de conhecer muito bem as necessidades do cliente, uma das chaves para o sucesso é inovação. Mas esse fator é algo muito mais complexo do que simplesmente disponibilizar ferramentas tecnológicas na operação ou no processo.

No mercado de seguros, por exemplo, oferecer múltiplos canais para facilitar a comunicação entre o cliente e a seguradora, apesar de não ser mais novidade, nunca foi tão importante. Saber quem é o cliente, como ele quer se comunicar e em qual momento ajuda a estreitar os laços e fortalecer a parceria, contribuindo para que ele enxergue (e se interesse) pela geração de valor que está disponível nas apólices. Ao oferecer vantagens e mostrar os diferenciais competitivos do que está em oferta para o cliente, é importante ter a certeza que ele receba a mensagem e enxergue esse valor para que, portanto, a relação seja fortalecida e tenha muito mais perspectiva de longo prazo.

Nesse contexto, a figura do corretor não pode ser esquecida. Trata-se de um pilar extremamente importante na mediação entre a seguradora e o cliente, sendo eles quem passam as explicações a respeito dos diferencias que são oferecidos e das inovações.

Com a cadeia completa e com todos os elos operando com foco no cliente, o setor ganha com a democratização do seguro, com respeito às escolhas dos clientes. No caso do seguro automotivo, por exemplo, ganham aquelas que reforçam a sua reputação de respeito ao cliente não apenas no momento da venda do seguro, mas na relação diária com o segurado, com foco em expertise de atuação em todos os tipos de veículos, sobretudo naqueles que têm maior risco de exposição a roubos e furtos, ou motos.