Obras públicas e a política de custos que derruba pontes 547

Obras públicas e a política de custos que derruba pontes

Confira artigo do engenheiro civil Marcus Granadeiro

A ruptura ocorrida na ponte da Marginal Pinheiros, uma das principais vias de acesso da maior metrópole brasileira, levantou precedentes para questionarmos a importância do armazenamento e da gestão de documentos, procedimentos que possibilitam dar o diagnóstico completo e mais rápido do incidente para que a obra de reparo fosse iniciada.

Porém, é sabido que a guarda e a gestão de documentos são vistas como custos e não são preocupações valorizadas pela Engenharia, principalmente quando falamos de obras públicas. O fato é que os dados só são procurados quando problemas e conflitos começam a florescer, na maioria das vezes, quando o cenário já é caótico.

Se durante as fases de projeto e obra já é assim, imagina após a sua entrega. É raro encontrar empreendimentos com orçamento para manter os dados e informações ao longo do tempo. O comum é receber o databook, que é colocado em algum armário e, infelizmente, nunca é usado. Não é incomum que ele se perca ao longo do tempo ou, até mesmo, que nunca tenha existido de forma plena, pois não são todos que conferem a documentação que recebem.

A informação e os documentos são bases para qualquer operação de facilidades ou sistema de manutenção. São organismos vivos, que precisam ser mantidos e atualizados dentro de processos e de mecanismos de governança que garantam sua integridade. Qualquer obra demanda manutenção e qualquer manutenção demanda informação e documentos.

E então o mercado segue muito agitado em relação ao BIM (Business Information Model) por se tratar de um viaduto importante que se rompe e não se tem os projetos para estudar a solução de correção. Será que não estamos querendo correr antes de aprendermos a andar?

Não quero com isso condenar a iniciativa de BIM que vem sendo, de alguma forma, incentivada ao uso nos projetos de obras públicas, mas alertar da importância de nos preocuparmos com processos e investimentos básicos que ainda não estão sendo feitos. Pontes erguidas são um problema atual e estão em alerta. É hora de revermos, com urgência, o que deve ser feito de básico antes de ampliarmos as capacidades de controle para aquele que é o mundo perfeito.

*Marcus Granadeiro é engenheiro civil formado pela Escola Politécnica da USP, presidente do Construtivo, empresa de tecnologia com DNA de engenharia e membro da ADN (Autodesk Development Network) e ​ do RICS (Royal Institution of Chartered Surveyours).

Perdeu o Seguro Sem Mistério da semana? Não tem problema! 114

Perdeu o Seguro Sem Mistério da semana? Não tem problema!

Confira os horários das reprises diárias

O programa Seguro Sem Mistério dessa semana trouxe entrevistas exclusivas do Encontro de Gestores, promovido pela Icatu Seguros. As edições inéditas vão ar sempre aos domingos às 11h30 pelo Canal Bah! TV (20 da Net-RS).

No YouTube da Revista JRS é possível acompanhar várias das reportagens e entrevistas que foram exibidas no Seguro Sem Mistério. No entanto, é possível acompanhar pelo Bah! TV as reprises diárias:

Segunda-Feira 13h30
Terça-Feira 13h30
Quarta-Feira 19h30
Quinta-Feira 16h30
Sexta-Feira 9h
Sábado 14h
Domingo 11h30 (inéditos)

Previdência privada: remuneração ou investimento? 314

Previdência privada: remuneração ou investimento?

Especialista esclarece vantagens e desvantagens da aplicação

Diante das incertezas que rondam a aprovação da Reforma da Previdência é de se esperar que muitas pessoas comecem a pensar na previdência privada como alternativa de remuneração futura. Mas afinal, o que significa esse tipo de aplicação? No dicionário, previdência significa “a habilidade de se ver antecipadamente, uma espécie de previsão do futuro”. Se adaptarmos o termo para as Finanças, podemos dizer que a previdência é, literalmente, cuidar do próprio futuro.

Em geral, quanto antes se começa a pensar nisso, melhor é o resultado. Mas nunca é tarde. “Enquanto os mais jovens têm o tempo ao seu favor, quem já tem mais idade tem a vantagem de ter mais poder aquisitivo e uma visão de mundo mais tranquila, paciente, o que é sempre favorável quando se fala em investimentos”, comenta Helen Vogt, líder da área de Previdência da Messem Investimentos, principal escritório vinculado à XP.

Segundo ela, estamos muito acostumados a ouvir o termo previdência para se referir à previdência pública, que faz parte da chamada Seguridade Social. Essa trata-se de um conjunto de medidas públicas que tentam garantir o poder de compra da população mesmo quando ela não pode mais contribuir socialmente com o seu próprio trabalho.

Apesar do objetivo, sabemos que a previdência pública é em muitos aspectos minimamente questionável e que os valores pagos pela aposentadoria pública mal garantem a subsistência de quem se aposenta. “Quem não criar o seu próprio plano, com uma aposentadoria complementar, está fadado a ter seus anos de velhice com dificuldades financeiras”, opina a especialista. Por esse motivo, ele reforça a importância de que cada um faça seu próprio plano, prevendo como vai ser sua própria aposentadoria no futuro.

Helen cita os dois tipos mais conhecidos no mercado: o PGBL e o VGBL. O primeiro é mais indicado para aqueles que fazem a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) completo. Com ele, poderá ser feita a dedução de até 12% da base tributável e paga-se menos imposto a curto prazo. O segundo é mais indicado para quem pensa no longo prazo já que ao final do plano existe a necessidade de pagamento de IRPF sobre o valor auferido, diferente do PGBL, que paga o imposto sobre o montante total investido. Em geral, a diferença entre as duas é a tributação.

Entre os benefícios da previdência privada Helen cita a menor alíquota possível para qualquer fundo de investimento, uma ampla gama de instituições, gestores e estratégias disponíveis no mercado e a possibilidade de portabilidade de plano, sem cobrança do imposto de renda. “Uma previdência privada é, sim, um investimento e deve ser encarada como tal. O ideal é nunca esquecer de que se trata de um dinheiro que você está guardando com a expectativa de que ele tenha bons rendimentos e que será resgatado no futuro”, completa.

Tokio Marine amplia oferta do Seguro Auto Popular para veículos 0 km e usados até 25 anos 438

Tokio Marine amplia oferta do Seguro Auto Popular para veículos 0 km e usados até 25 anos

Seguradora é a primeira a operar o produto nesse novo modelo, que pode ser até 30% mais barato que os seguros tradicionais

A Tokio Marine, uma das maiores seguradoras do País, é a primeira do mercado a oferecer o Auto Popular para automóveis novos (zero-quilômetro) ou com até 25 anos de uso. Com a mudança, a companhia passa a ter 126 modelos elegíveis e mais de 3 mil versões, incluindo novos caminhões e utilitários de carga. O produto, lançado em 2017 pela seguradora para compor o portfólio de produtos e fortalecer a presença da empresa no segmento, pode ser até 30% mais barato que os seguros tradicionais.

“No primeiro ano de comercialização do produto, 90% das contratações foram feitas por clientes que, antes, não haviam tido a oportunidade de adquirir um seguro. Isso mostra o potencial e as oportunidades para continuarmos crescendo e investindo nessa categoria”, explica Luiz Padial, Diretor de Automóvel da Tokio Marine. A seguradora é líder de mercado nesse segmento, com 84,3% de market share em 2019, e é a única que oferece essa modalidade de seguro em todo o território nacional.

“Em 2018, o ramo de Automóvel da Tokio Marine registrou alta de 8,4%, ante uma expansão de 3,2% do segmento, o que manteve o nosso histórico de crescer mais que a média de mercado. Trabalhamos constantemente para oferecer novos produtos que atendam às necessidades de nossos clientes, como no caso do Auto Popular. Com esta ampliação de veículos temos expectativa de dobrar a carteira”, completa Padial.

O Tokio Marine Auto Popular inclui cobertura de colisão, incêndio, roubo e furto com opção de contratar apenas colisão e incêndio, e assistência 24 horas completa. O diferencial do Tokio Marine Auto Popular é a possibilidade de reparos com peças novas compatíveis para itens que não sejam de segurança, o que viabiliza um preço significativamente mais competitivo. Para o caso de inexistência de uma peça nova compatível, o conserto será feito com as mesmas utilizadas no seguro tradicional, assim como é feito com os itens de segurança. Outro ponto importante é que, apesar de ser permitido o conserto com peças usadas, a Tokio Marine optou em não as utilizar.

A seguradora ainda oferece adicionais de cobertura de danos a terceiros e acidentes pessoais de passageiros, além de serviços de carro reserva e vidros, entre outros benefícios. Outro grande diferencial do produto é que os clientes do Auto Popular podem escolher entre oficina livre e referenciada – esta com franquia menor. A opção do tipo de oficina será feita pelo cliente no momento do sinistro.

A modalidade é uma das quatro que a seguradora oferece para veículos de passeio na mesma base de cálculo, mais um dos diferenciais dos produtos da carteira de Auto. O Auto Popular, assim como os principais produtos da Carteira, como Tokio Marine Auto, Tokio Marine Auto Clássico, Auto Roubo + Rastreador, Tokio Marine Auto Popular, Tokio Marine Caminhão e Auto Frota, possui uma nova facilidade de pagamento. Os clientes podem realizar o pagamento em 12 vezes sem juros no cartão de crédito em todo o portfólio. A intenção é criar um conceito de mensalidade, para que o consumidor possa encaixar mais facilmente o valor do seguro em seu orçamento.

Feriado requer atenção dobrada com velocidade e ultrapassagens nas estradas 335

Feriado requer atenção dobrada com velocidade e ultrapassagens nas estradas

Especialista indica que educação, fiscalização e calendário de campanhas e ações podem contribuir com diminuição de acidentes e óbitos no trânsito

Com a chegada da Páscoa, muitos brasileiros já estão planejando viagens e passeios em família. Neste período, porém, são recorrentes os flagrantes de condutores que extrapolam o consumo de bebidas alcoólicas, realizam ultrapassagens incorretas ou deixam de utilizar equipamentos de segurança, o que intensifica os riscos de acidentes e mortes no trânsito. No ano passado, entre 29 de março e 1º de abril, a Polícia Rodoviária Federal registrou leve queda em óbitos nas rodovias federais do país: de 83, em 2017; o número caiu para 70, em 2018.

Mesmo com queda no número de fatalidades, o número de infrações por conduta perigosa continua alto. Excesso de velocidade e ultrapassagem irregular foram, assim como nos últimos feriados, as condutas mais registradas pela PRF. Foram 59.673 imagens capturadas pelos radares fotográficos por velocidade acima do limite – somadas às 68 mil autuações deste tipo em 2017, a média é de 63,8 mil nos últimos dois anos.

Já o índice de ultrapassagens irregulares foi de 5.198 no período de Páscoa passado. O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê multa para ultrapassagem indevida em dois casos: quando é feita em faixa contínua ou em manobra perigosa, como em curvas, aclives, acostamentos, disputas de corridas, entre outros. Essas são as condutas mais lesivas quando resultam em acidentes. Ainda no feriado da Semana Santa do último ano, também foram multados 760 condutores por associação de álcool e direção e 460 por falta do uso de cadeirinha.

A especialista em educação digital e diretora da Procondutor, empresa especializada em formação e capacitação de condutores, Claudia de Moraes, defende o uso de equipamentos de segurança para crianças e animais. “Os itens obrigatórios para crianças e pets são tão imprescindíveis para a segurança deles quanto o uso do cinto é para os adultos”, afirma.

Para ela, a fiscalização deve ser aliada a outros dois fatores. “Além do aumento da fiscalização, a educação é o melhor caminho para a diminuição de acidentes. No entanto, paralelamente a ela, é fundamental que haja um calendário de campanhas e ações efetivas em relação a esses temas”, sugere Claudia.

O Brasil é o 5º país no ranking com mais mortes de trânsito no mundo, totalizando 47 mil por ano, o equivalente a um óbito a cada 12 minutos. A fiscalização tem ajudado a inibir os motoristas quando o assunto é condução perigosa, mas o caminho é longo para que a população se conscientize totalmente sobre o seu papel no trânsito. “A primeira ação para uma mudança de cenário é a educação, que, inclusive, deve ser prioridade. Isso faria com que os condutores respeitassem mais as leis de forma consciente, ao invés de acharem que o único prejuízo ao cometerem imprudências é somente no próprio bolso”, conclui Claudia.

Fidelização exige conhecer de perto todas as necessidades do cliente 323

Fidelização exige conhecer de perto todas as necessidades do cliente

Confira artigo de Robson Tricarico, diretor comercial da Suhai Seguradora

Para as empresas de todos os setores, seria cômodo se os clientes retornassem as compras ou renovassem os seus contratos ao longo dos anos sem esforços de fidelização. Contudo, dada a concorrência na grande maioria dos mercados, além da alta qualidade do produto ou serviço oferecido e de conhecer muito bem as necessidades do cliente, uma das chaves para o sucesso é inovação. Mas esse fator é algo muito mais complexo do que simplesmente disponibilizar ferramentas tecnológicas na operação ou no processo.

No mercado de seguros, por exemplo, oferecer múltiplos canais para facilitar a comunicação entre o cliente e a seguradora, apesar de não ser mais novidade, nunca foi tão importante. Saber quem é o cliente, como ele quer se comunicar e em qual momento ajuda a estreitar os laços e fortalecer a parceria, contribuindo para que ele enxergue (e se interesse) pela geração de valor que está disponível nas apólices. Ao oferecer vantagens e mostrar os diferenciais competitivos do que está em oferta para o cliente, é importante ter a certeza que ele receba a mensagem e enxergue esse valor para que, portanto, a relação seja fortalecida e tenha muito mais perspectiva de longo prazo.

Nesse contexto, a figura do corretor não pode ser esquecida. Trata-se de um pilar extremamente importante na mediação entre a seguradora e o cliente, sendo eles quem passam as explicações a respeito dos diferencias que são oferecidos e das inovações.

Com a cadeia completa e com todos os elos operando com foco no cliente, o setor ganha com a democratização do seguro, com respeito às escolhas dos clientes. No caso do seguro automotivo, por exemplo, ganham aquelas que reforçam a sua reputação de respeito ao cliente não apenas no momento da venda do seguro, mas na relação diária com o segurado, com foco em expertise de atuação em todos os tipos de veículos, sobretudo naqueles que têm maior risco de exposição a roubos e furtos, ou motos.