Seguro Digital: não é se, mas quando 1065

Seguro Digital: não é se, mas quando

Confira o primeiro artigo de Andre Gregori para a Revista JRS

A transformação digital vem acontecendo em todos os setores há muito tempo, mas em velocidades diferentes. Me lembro como se fosse ontem do meu primeiro telefone celular. Na época “super moderno, última geração”, e hoje poderia imaginá-lo num museu da tecnologia – uma relíquia! Impressionante a evolução nesse campo, especialmente com o lançamento do iPhone, pela Apple, há mais de 10 anos e a transformação de aparelho de comunicação para micro-computador de bolso / câmera fotográfica / dispositivo de entretenimento / agenda / GPS / etc. Hoje é impossível imaginar a vida sem essas inovações!

E o comércio eletrônico? Quem se atrevia a colocar os dados do cartão de crédito na tela do computador para efetuar uma compra online no final dos anos 90? Hoje, cada vez mais, compramos tudo pela internet – e mais que e-commerce, agora se fala em mobile commerce. Com apenas alguns cliques, a qualquer hora e de qualquer lugar, você pode pedir comida, pedir um motoboy ou até mesmo um motorista pelo celular.

O setor financeiro, altamente regulamentado, percebeu essa tendência. Ficar na fila da agência bancária para fazer uma transferência já é coisa do passado. O número de transações bancárias feitas pelo celular cresceu 70% ao longo do ano passado, representando 35% do total de 71,8 bilhões de operações realizadas no ano, segundo a Febraban. Primeiro a novidade era o Internet Banking, depois o Mobile Banking, as Fintechs, as Criptomoedas, o Open Banking, e por aí vai. As inovações não param. O uso de tecnologia para melhorar continuamente a experiência do consumidor em todos os ramos é inevitável.

Existem aqueles que tentam resistir às mudanças, e outros que as procuram, as abraçam. Em 1994, a Amazon foi lançada nos Estados Unidos como um e-commerce de livros de papel. Em 2007, foi a própria Amazon que lançou o Kindle, um substituto digital para o livro tradicional, sem medo de ameaçar seu próprio negócio original. Isso obviamente foi só o início da história desta gigante, que mesmo com todo seu tamanho atual, continua inovando e evoluindo rapidamente em diversos setores. Se alguém for ameaçar ou substituir o seu produto, que seja você mesmo!

Já a Enciclopédia Britânica não teve a mesma visão. Quem diria que uma empresa de mais de 200 anos de história seria substituída por uma enciclopédia digital, gratuita, e ainda escrita pelos próprios usuários!?

O mesmo erro foi cometido pela Blockbuster, que teve a oportunidade de comprar a Netflix em 2000 e a rejeitou por subestimar o potencial da startup em reinventar o tão “consolidado” modelo de negócios na época. Em seu início, a Netflix apostou na entrega de DVDs em domicílio, isentando os consumidores da taxa de atraso, justamente uma das maiores fontes de receita da “toda-poderosa” Blockbuster. Mas apesar de todos os narizes tortos e o ceticismo do mercado, eles acreditavam que uma melhor experiência para o cliente se traduziria em maior volume e recorrência e viabilizaria uma operação escalável, e assim aconteceu. Depois, ao contrário da Blockbuster, quando chegou a hora de trazer disrupção novamente para este mercado, foram eles mesmos que o fizeram. Para não depender das grandes produtoras, que cobravam preços muito altos por dominarem totalmente o mercado, a Netflix começou a produzir seu próprio conteúdo. Levou um bom tempo até que as produtoras começaram a prestar atenção ao novo entrante, e quando finalmente acordaram, a Netflix já estava na liderança da distribuição de conteúdo via streaming e se consolidando como uma das marcas mais valiosas e inovadoras da atualidade.

Até pouco tempo ainda existia uma indústria que resistia fortemente às mudanças. Extremamente defasado em termos de tecnologia e engessado por seu próprio modelo de negócios, o setor de seguros demorou para enxergar a necessidade de se reinventar. A necessidade de se adequar às novas demandas, preferências e comportamento do consumidor de hoje.

Segundo a consultoria CB Insights, apenas 4% das pessoas estão satisfeitas com suas empresas de seguros. E isso que a penetração ainda é muito baixa, especialmente no Brasil, segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), apenas 10% da população brasileira possui algum tipo de seguro.

Mas esse cenário está mudando. Estudos da Aon de novembro de 2017 mostram que 550 insurtechs pelo mundo já movimentaram mais de US$ 14 bilhões em investimento. O mercado está de olho em novas tecnologias, novos produtos, novos modelos de negócio… A oportunidade é indiscutível.

Depois de mais de 15 anos no mercado de seguros e outros tantos no mercado financeiro, tendo iniciado as operações da Fator Seguradora e do BTG Pactual Seguridade, como sócio do grupo, além de ter adquirido, antes disso, as operações da Cigna no Brasil, eu comecei a alimentar cada vez mais um sonho grande que eu tinha. Queria trazer tecnologia e inovação para o tão tradicional mercado, pensando no cliente em primeiro lugar. Queria repensar totalmente a cadeia produtiva e a experiência do consumidor para revolucionar e ampliar o mercado de seguros. Pensando em digitalização, personalização, preços justos e ganhos de eficiência…. foi neste contexto que lancei a Thinkseg, a primeira startup de seguros totalmente digital.

Mas não basta ter uma grande ideia. É preciso execução, persistência e também “timing de mercado”. Hoje estou cada vez mais confiante sobre a minha visão ao lançar a Thinkseg em 2016. A grande diferença é que antes eu acreditava que o mercado de seguros se reinventaria, “não era se, mas quando”. Hoje falo com toda convicção: esse quando chegou. O “quando” é agora!

Austral Re e Terra Brasis Re anunciam fusão 955

Austral Re e Terra Brasis Re anunciam fusão

Movimento resulta na segunda maior resseguradora do País

Bruno Freire será o CEO da nova companhia / Divulgação
Bruno Freire será o CEO da nova companhia / Divulgação

A Austral Re e a Terra Brasis Re acabam de anunciar ao mercado a assinatura de um acordo de investimento para fusão de suas atividades. Da união, resultará a segunda maior resseguradora nacional em prêmios de resseguros emitidos (R$ 672 milhões em prêmios emitidos bruto combinados em 2018) e a quarta maior resseguradora local em patrimônio líquido (R$ 387 milhões em patrimônio líquido combinado em 2018).

O bloco de controle da operação caberá à Vinci Partners, tendo como sócios o grupo Brasil Plural e o International Finance Corporation (IFC), braço financeiro do Banco Mundial, que já detém participação nas duas companhias.

O posicionamento competitivo da nova resseguradora será fortalecido pela complementaridade dos portfólios de negócio e pela ampliação da cobertura geográfica no Brasil e no exterior, com escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo, Colômbia e Guernsey, além de autorizações para operar em diversos países latino americanos.

Bruno Freire será o CEO da nova companhia e Rodrigo Botti será o CFO. A resseguradora manterá sua estratégia focada no atendimento à indústria de seguros em todas as linhas de negócio com soluções inovadoras, atendimento qualificado, responsabilidade na gestão de riscos e os mais altos padrões de governança corporativa.

“A fusão oferece uma expressiva criação de valor a longo prazo. Esperamos que a combinação dos negócios capture significativas sinergias operacionais, administrativas e econômico-financeiras. Trata-se de um parceiro que conhece amplamente o setor e que proporcionará uma capacidade renovada de expansão e internacionalização de atividades”, destaca Bruno Freire.

“A oportunidade é única para acelerar as estratégias de expansão com nova força e dimensão. Estamos entusiasmados com a oportunidade de ganho de escala, com o portfólio de produtos e o compromisso dos nossos times”, pontua Rodrigo Botti.

A associação não terá qualquer interferência na composição da Austral Seguradora, controlada pela Vinci Partners.

A consumação da operação está condicionada à aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP).

Bradesco Auto/RE recebe selo “Melhor do Teste” para Seguro Residencial 659

Bradesco Auto/RE recebe selo “Melhor do Teste” para Seguro Residencial

Com mais de 124 contratos avaliados de 10 seguradoras, a Bradesco Auto/Re teve destaque como melhor seguro residencial, em teste realizado pela Proteste

A Bradesco Auto/RE recebeu o selo de “Melhor do Teste” com o seguro residencial pela Proteste – Associação Brasileira de Defesa do Consumidor. O seguro Residencial Sob Medida foi considerado o mais completo entre as principais seguradoras do mercado avaliadas.

Na ocasião, foram avaliadas 124 apólices de 10 seguradoras, levando em consideração seis cenários e três perfis distintos de consumidores. Entre os itens analisados, a Bradesco Auto/RE se destacou não apenas na cobertura básica, que garante indenização dos prejuízos causados por incêndio, raio e explosão (IRE), como também em coberturas adicionais, que cobrem prejuízos causados por roubo ou furto, alagamento, vendaval e danos elétricos. Além de não cobrar franquia, nem limite mínimo de indenização, para cobertura básica, a Bradesco Auto/RE foi melhor avaliada na cobertura de desmoronamento e responsabilidade civil, quando há indenização de itens listados previamente.

Os cenários pesquisados pela Proteste consideraram a cobertura tanto do prédio (estrutura da casa ou edifício), quanto dos bens no interior do imóvel nas principais capitais do país, como Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife. O levantamento também incluiu contratos para casas de veraneio em Guarujá (São Paulo) e Boa Viagem (Pernambuco).

“O reconhecimento como este estimula a cultura do seguro residencial, ainda pouco conhecido entre os brasileiros. O teste é uma importante ferramenta para auxiliar o consumidor na hora de decidir qual seguro irá contratar. Ao comparar a qualidade do serviço, suas coberturas e quais os itens estão incluídos na apólice, o consumidor conhece melhor os produtos e quais respondem às suas necessidades”, afirma Saint´Clair Lima, diretor técnico da Bradesco Auto/RE.

A Bradesco Auto/RE participa há nove anos da avaliação que escolhe os melhores produtos e serviços do mercado pela associação Proteste. Em mais um ano, a seguradora apresentou os melhores resultados, o que comprova a excelência de seus produtos, fortalecendo sua marca no mercado de seguros.

Renato Pedroso: “Corretor de Seguros é o Futuro da Proteção” 1207

Renato Pedroso: "Corretor de Seguros é o Futuro da Proteção"

Executivo integrou painel em evento sobre insurtechs e inovação

Na tarde desta quarta-feira, o presidente da Previsul Seguradora, Renato Pedroso, participou do CQCS Insutech & Inovação. O executivo integrou o painel “Porque o Corretor é o Futuro da Proteção”.

De forma interativa, Pedroso cativou os presentes e comentou sobre a importância do profissional da corretagem seja um agente de prospecção para o setor de seguros.

“O corretor de seguros tem um papel consultivo fundamental junto ao segurado. Cada vez mais as pessoas buscam por seguros e, com a variedade de planos e coberturas, elas precisam de alguém que busque a melhor proposta para suas necessidades. Esse alguém é o corretor. O papel da Previsul, como seguradora, é oferecer soluções cada vez mais completas em portfólio de produtos e em ferramentas digitais que facilitem o dia a dia do corretor”, diz Pedroso, lembrando que ele e mais dez corretores estiveram mês passado em São Francisco, nos Estados Unidos, como premiação da Campanha de Incentivo de Vendas 2018, “Sou + Previsul – É você corretor, no centro da inovação”. “Estivemos no Vale do Silício e visitamos empresas como o Google e Tesla. Será ótimo reforçar aos corretores que visitarem nosso estande os contextos da tecnologia que vimos lá e compartilhar as experiências que podem ser aplicadas ao nosso mercado”, destaca.

Equipe da Previsul Seguradora / William Anthony

JRS participa do evento e conta com apoio da Previsul Seguradora, em cobertura especial, com os principais detalhes de dois dias de uma programação recheada de grandes conteúdos. A companhia é digital, orientada para o futuro, que facilita a vida do corretor. Sempre atenta às demandas de mercado e buscando oferecer mais vantagens, tecnologias e benefícios para corretores, segurados e estipulantes, a Previsul Seguradora está sempre inovando para facilitar o dia a dia. São exemplos as ferramentas digitais Portal do Corretor, o Cota+, cotador online da seguradora, o Portal do Estipulante, o aplicativo; além do primeiro produto lançado no projeto de ampliação de portfólio: o produto Empresarial. Todas essas novidades serão apresentadas no estante.

Com 112 anos de atuação, a Previsul Seguradora é referência em seguro de pessoas no Brasil. Está presente em 12 estados brasileiros, com aproximadamente 30 pontos de atendimento em todo o país, que oferecem todo o suporte para o corretor, principal parceiro da Previsul.

*Com informações de Literal Link.

Operadores do setor reúnem-se em evento sobre insurtechs e inovação 1186

Operadores do setor reúnem-se em evento sobre insurtechs e inovação

São Paulo é o cenário deste encontro, que acontece entre hoje e amanhã

A partir desta quarta-feira, dia 12, São Paulo é palco de grande evento sobre insurtechs e inovação. Promovido pelo Centro de Qualificação de Corretores de Seguros. As seguradoras, por exemplo, expõem suas novidades aos parceiros de negócios. É o caso da Tokio Marine, por exemplo. A companhia apresentará as ferramentas que foram inseridas na Brokertech, plataforma desenvolvida para capacitar os Parceiros de Negócios em um ambiente cada vez mais digital, além de iniciativas para fomentar negócios e agilizar o atendimento. Entre elas estão o Portal Imobiliária, já com o novo produto Tokio Marine Aluguel; APP Corretor com novos Produtos Empresariais; e canais de atendimento via WhatsApp, Messenger e Portal do Corretor.

A Tokio Marine ainda participa de dois painéis de discussão sobre inovação e o futuro do corretor de seguros durante o evento. Adílson Lavrador é um dos debatedores da discussão sobre “Inovação em Velocidade Recorde”, enquanto José Luís Ferreira da Silva, Diretor Comercial Varejo II participa do debate “Por que o Corretor é o Futuro da Proteção”. Ambas as apresentações acontecem nesta quarta-feira.

Denise Ciavatta, Diretora de TI da HDI Seguros, vai debater como as seguradoras podem incorporar as novas tecnologias disponíveis, em um painel às 14h30min, na quinta-feira. Ao lado de players relevantes do mercado, a executiva irá discutir o ritmo da integração do novo no setor de seguros, frente a quantidade de novas possibilidades tecnológicas.

Denise Ciavatta é Diretora de TI da HDI Seguros / Divulgação
Denise Ciavatta é Diretora de TI da HDI Seguros / Divulgação

A executiva deve detalhar os produtos e serviços inovadores recentemente desenvolvidos e disponibilizados aos segurados pela companhia. Os destaques são o Portal de Terceiros, que digitaliza o processo de atendimento ao terceiro envolvido em um sinistro; e o Atendimento de Assistência 24h via canais digitais e redes sociais como WhatsApp e Facebook, por meio do uso de Natural Language Process (NPL), via bot.

Grandes prestadores de serviço também marcam presença no evento, que acontece no Pro Magno Centro de Eventos, na Zona Oeste da Capital Paulista. A Velox Contact Center traz seu foco na experiência e satisfação do cliente em três painéis da programação. Especialistas de diversos setores debaterão “User Experience (UX)”, onde o Gerente Comercial da Velox, Gilson Silva aborda o relacionamento com o consumidor através dos meios digitais.

Velox Contact Center marca presença em evento sobre insurtechs e inovação
Velox Contact Center marca presença em evento sobre insurtechs e inovação
Carlos Alberto Oliveira é diretor da D'Or Consultoria / Divulgação
Carlos Alberto Oliveira é diretor da D’Or Consultoria / Divulgação

Segundo o diretor da D’Or Consultoria, Carlos Alberto Oliveira, “tecnologia e inovação são pilares extremamente importantes na estratégia da empresa, bem como do AceleraD’Or, por meio do qual tem atuado como uma aceleradora de pequenas e médias corretoras”. A empresa participa do encontro com o objetivo de conhecer as mais novas tendências do mercado e trocar experiências com os mais de mil congressistas esperados para os dois dias de atrações, seguindo a tradição de constante crescimento e atualização que está no DNA da D’Or Consultoria.

Outro destaque é a participação de Rossana Costa, fundadora e diretora da GEO, que palestra no painel “Risks & Tech: Prevenção e Proteção”, realizado nesta quarta-feira. A executiva abordará a experiência pessoal e da companhia com dados na consultoria entre seguradoras, construtoras e corretores nos seguros voltados para o segmento imobiliário, apontando diferenciais obtidos nos seguros Habitacional, Riscos de Engenharia e Garantia de Entrega de Obra no Prazo.

A cobertura completa e especial do CQCS Insurtech & Inovação 2019 é garantida pela Previsul Seguradora, que garantiu reforço na equipe que participa da cobertura dos dois dias de painéis, networking e discussões sobre o futuro do mercado segurador. Além do repórter William Anthony, do JRS São Paulo, a editora-chefe do JRS, Júlia Senna, também é presença garantida nos dois dias de evento.

*Com informações das agências RPMA, Ketchum, VTN Comunicação e SmartPR, além da colaboração de Camila de Cássia, responsável pelo Marketing da Velox.

Títulos de Capitalização arrecadam R$ 7,4 bi até abril 658

Títulos de Capitalização arrecadam R$ 7,4 bi até abril

Crescimento é de 9,8% em relação ao mesmo período do ano passado

O presidente da FenaCap, Marcelo Farinha / Divulgação
O presidente da FenaCap, Marcelo Farinha / Divulgação

Em quatro meses, a receita global do setor de Títulos de Capitalização, produtos que oferecem soluções de negócios com sorteios para pessoas físicas e jurídicas, atingiu R$ 7,4 bilhões, registrando um crescimento de 9,8% em comparação aos meses de janeiro a abril de 2018. A distribuição de prêmios também apresentou crescimento de 2,3%, em relação ao primeiro quadrimestre do ano passado, atingindo o montante de R$ 381 milhões de prêmios em dinheiro, entregues a clientes que tiveram seus títulos sorteados. O valor equivale ao pagamento de R$ 4,6 milhões por dia útil no período. Os dados foram divulgados pela Federação Nacional de Capitalização (FenaCap), que representa as empresas do setor.

Ainda de acordo com as informações divulgadas pela Federação, houve crescimento também nas reservas técnicas, que são os valores totais de títulos ativos destinados ao pagamento de resgates dos clientes, e que alcançaram, no mês de abril, R$ 29,9 bilhões, montante 2,3% maior que no ano passado. Os resgates somaram R$ 5,8 bilhões, crescimento de 2,4% se comparado a janeiro a abril de 2018.

Recentemente o setor iniciou a comercialização das modalidades Instrumento de Garantia e Filantropia Premiável. Ainda que já fossem comercializadas sob o guarda-chuva das modalidades Tradicional e Incentivo, respectivamente, essas duas linhas de produtos agora têm regras próprias, o que confere mais segurança jurídica às operações e mais transparência às relações de consumo, tornando o ambiente de negócios muito favorável. “A expectativa é de que o setor inicie um novo ciclo de crescimento, com muitos lançamentos de produtos e a retomada do crescimento da economia, recomposição da renda e do emprego, o que naturalmente beneficiará o setor”, assinala Marcelo Farinha, presidente da FenaCap.