Familiares e executivos da HDI Seguros participam do Verão Super Seguro 582

Familiares e executivos da HDI Seguros participam do Verão Super Seguro

QG do JRS segue com encontros especiais aos finais de semana, no Rio Grande do Sul

A ação especial Verão Super Seguro está com tudo. Acompanhados de familiares, Rubens Oliboni, Diretor Regional da HDI Seguros, e os executivos Giovani Menger e Edson Oliveira, participaram das gravações dos programas de litoral do Seguro Sem Mistério. O programa é apresentado diariamente no Bah!TV, com edição inédita aos domingos, a partir das 11h30min.

Não poderia faltar o tradicional churrasco à moda gaúcha para abrilhantar uma conversa diferenciada sobre política, economia e o futuro do Brasil e seu contexto na América Latina. Os importantes avanços da HDI Seguros e seus processos digitais também foram enfatizados pelos convidados ao anfitrião e apresentador Jota Carvalho.

Renault Kwid é o carro com menor preço de seguro auto 403

Renault Kwid é o carro com menor preço de seguro auto

De acordo com Relatório Bidu, o seguro para este modelo tem preço médio de R$ 1.489 para homens e R$ 1.377 para mulheres

Bidu, plataforma online de recomendação, comparação e contratação de seguros e produtos financeiros, que faz parte do Grupo Thinkseg, divulga levantamento com valores dos seguros para as versões de entrada dos dez veículos mais vendidos em junho de 2019, de acordo com os dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). O Relatório Bidu, produzido mensalmente desde 2016, analisa o preço médio do seguro auto em cinco capitais brasileiras (Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Fortaleza) e compara o perfil de homens e mulheres de 35 anos, casados, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho e que estão contratando o seguro pela primeira vez. As cotações desta edição foram feitas no dia 3 de julho.

Dentre os modelos avaliados, o Jeep Compass é o que apresentou o maior valor de seguro, custando, em média, R$ 4.399 para mulheres e R$ 4.870. A tendência de um preço maior cobrado para condutores do sexo masculino se repete no caso do restante dos veículos avaliados, exceto para o Jeep Renegade, que apresenta um valor de R$ 2.769 para as mulheres – diferença de, aproximadamente, 1,7% perante o que os homens devem desembolsar (R$ 2.722).

Nesta análise, quem também se destaca é o Renault Kwid, que possui o seguro mais econômico dos compactos de entrada. As condutoras do sexo feminino precisam desembolsar um valor médio de R$ 1.377, enquanto os homens pagam R$ 1.489.

*Preço do seguro por modelo, média julho (vermelho: mulheres; azul: homens)
*Preço do seguro por modelo, média julho (vermelho: mulheres; azul: homens)

O melhor custo-benefício

No Relatório Bidu deste mês, o Jeep Renegade aparece como o veículo que apresenta o melhor custo-benefício, ou seja, a melhor relação entre o preço médio do seguro e o valor de mercado do veículo (price ratio), para ambos os perfis. Para as mulheres, o price ratio é de 3,5% e para os homens é de 3,4%.

*Variação por preço de seguro (price ratio) (vermelho: mulheres; azul: homens)
*Variação por preço de seguro (price ratio) (vermelho: mulheres; azul: homens)

Variação entre as cidades

Dentre as cinco cidades avaliadas no Relatório Bidu, Brasília foi a que se destacou com o seguro mais barato: a média geral do preço do seguro dos dez modelos do ranking, para homens e mulheres, ficou em R$ 1.763. Por outro lado, o município que apresentou o mais alto valor médio foi Rio de Janeiro, com R$ 2.744,50.

*Variação do preço médio do seguro por cidade (vermelho: mulheres; azul: homens)
*Variação do preço médio do seguro por cidade (vermelho: mulheres; azul: homens)

Modelo mais vendido

De acordo com o relatório da Fenabrave, em junho, foram emplacados 80.611 automóveis.

*Ranking dos 10 veículos mais emplacados em junho, de acordo com a Fenabrave
*Ranking dos 10 veículos mais emplacados em junho, de acordo com a Fenabrave

O Chevrolet Onix foi o carro mais emplacado no Brasil durante esse período, com 19.500 unidades em junho ante 8.398 registradas para o segundo colocado, o Ford Ka. O preço médio do seguro do modelo de entrada do Onix para o sexo masculino custa atualmente R$ 1.653, enquanto, para o perfil feminino, o valor médio atual é de R$ 1.544.

Diferentes opções de seguro viagem trazem mais tranquilidade e proteção na hora de viajar 340

Diferentes opções de seguro viagem trazem mais tranquilidade na hora de viajar

Por terra, por água ou por mar. Para cada tipo de viagem existe um seguro específico

Viajar é uma das melhores maneiras de cuidar do bem-estar, de relaxar o corpo e a mente. E para aproveitar todos esses momentos sem preocupações, escolher o seguro viagem ideal é a solução para se proteger caso haja algum imprevisto. Antes de embarcar, é preciso saber que existem diferentes opções e limites de coberturas para destinos e meios de transporte distintos.

Para auxiliar nessa tarefa, Renato Rotta, gerente de Marketing da Allianz Travel, líder global em oferta de seguro viagem, atuando no Brasil como representante da Allianz Seguros no segmento viagem, diferencia os tipos de seguro viagem ofertados pela Allianz Travel e explica como contratar cada um deles. “Os clientes possuem necessidades diferentes e buscamos ajustar as coberturas para atender tais necessidades. Proporcionar uma viagem segura é um dos principais passos para o planejamento, por isso, é fundamental conhecer os planos disponíveis, a empresa que os oferece e escolher aquele que mais se adapta à sua necessidade”.

Renato afirma que é importante considerar o meio de transporte que será utilizado durante a viagem: “Os turistas contam com três opções de embarque: avião, ônibus ou meios marítimos. Além disso, ter uma apólice feita especialmente para a sua viagem, seja de lazer ou de negócios, de ônibus pela América do Sul ou de cruzeiro até a Europa, por exemplo, é de suma importância para ter mais tranquilidade enquanto passeia”.

Seguro Viagem Aéreo

Este plano é indicado para quem vai viajar de avião com objetivo de lazer e turismo ou negócios. Renato comenta que este seguro é para aquele cliente que deseja aproveitar a viagem sem preocupações e imprevistos, e vale para voos nacionais e internacionais.

Seguro Viagem Terrestre

O Seguro Viagem Terrestre é ofertado para qualquer pessoa que irá viajar de ônibus e deseja ter assistência em caso de necessidades médicas e odontológicas, acidentes pessoais e extravio de bagagem. “O produto tem vigência mínima de sete dias e máxima de trinta dias e abrange viagens rodoviárias nacionais e para os países da América do Sul (Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai), sempre com destinos superiores a 100 km da cidade de origem”, destaca Rotta.

Seguro Viagem Marítimo

Com as opções do Seguro Viagem Marítimo, planos Europa, Internacional e Nacional, este seguro oferece coberturas especializadas para viagens marítimas.

Renato comenta que cada país possui diferentes restrições e exigências, para isso, é preciso estar preparado de acordo com cada especificidade. “Existe uma modalidade especial para quem irá curtir um cruzeiro, que é o Seguro Viagem Marítimo. Com ele, o passageiro pode aproveitar seus dias em alto mar de maneira mais tranquila, sabendo que, caso haja alguma emergência, contará com a cobertura de reembolso, nos termos da apólice”.

Contrate para todo o período e com antecedência

Atualmente, o seguro viagem pode ser contratado por telefone ou por meio de websites. Segundo Renato Rotta, “os passageiros devem contratar o seguro com vigência desde a data programada para embarque até o dia de retorno ao seu local de origem, estando assim protegidos de diversos imprevistos, como a necessidade de cancelar a viagem por algum motivo ou o extravio da bagagem”.

Bradesco Auto/RE amplia atendimento digital para usuários do seguro residencial 590

Bradesco Auto/RE amplia atendimento digital para usuários do seguro residencial

Solicitação de serviços emergenciais e agendamentos de assistências já podem ser feitos pelo aplicativo

A Bradesco Auto/RE amplia as funcionalidades do aplicativo Bradesco Assistência Dia & Noite e passa a ter funções exclusivas para usuários do seguro residencial, carteira que já totaliza 1,5 milhão de residências seguradas em todo o país. Por meio da nova versão, serviços de assistência para tratar situações como vazamentos, entupimentos ou quando houver a necessidade de um eletricista ou chaveiro, podem ser solicitados pelo aplicativo. O usuário também pode acompanhar a chegada do prestador de serviços de forma digital e enviar as fotos do dano pelo próprio aplicativo, tornando a experiência mais rápida e eficiente.

A digitalização do atendimento faz parte da estratégia de crescimento da companhia para 2019, com bons números já conquistados. Segundo dados da SUSEP (Superintendência de Seguros Privados), o mercado de seguro residencial cresceu 8,3%, enquanto a Bradesco Auto/RE teve crescimento de 12,2%. “A cultura do seguro residencial sempre foi muito forte no Sul do país, devido às fortes chuvas e vendavais que acontecem com frequência. Com a conscientização sobre os benefícios desta modalidade de seguro, este crescimento já pode ser sentido em outras regiões. Recentemente, tivemos um crescimento de 27% no número total de contratações em todo o país”, comenta Saint’Clair Lima, diretor técnico da Bradesco Auto/RE. O download do aplicativo Bradesco Assistência Dia & Noite pode ser realizado pela App Store (iOS) e Play Store (Android).

Presidente da Porto Seguro analisa oportunidades do mercado nacional 1629

Roberto Santos esteve em Porto Alegre recebendo corretores

Para o presidente da Porto Seguro, Roberto Santos, a proteção veicular pode ser vista sob duas óticas para o mercado de seguros: pela ameaça e pela oportunidade. “Nós sabemos de uma iniciativa chamada proteção veicular, que não é seguro, é outra coisa”, destacou o executivo durante encontro promovido pela companhia nesta sexta-feira (19), em Porto Alegre, com a presença de 200 corretores de seguros.

Sob o ponto de vista da ameaça à instituição do seguro, a proteção veicular não conta atualmente com um esclarecimento de que não se trata do mesmo produto que um seguro, uma vez que não conta com uma regulamentação específica. “Isso não é bem comunicado, o cidadão que compra uma proteção veicular compra muitas vezes achando que é seguro e não é seguro porque não existem provisões técnicas, reservas e isso significa dizer que a probabilidade da empresa ficar insolvente e deixar o cliente na mão é enorme. Depois ele [o cidadão] acha que comprou um seguro e o seguro não pagou e isso é um problema”, afirmou o presidente da seguradora que conta com 28% de marketshare entre as companhias nacionais que operam com seguro auto.

Apesar da crise econômica e mesmo com a mudança de comportamento do consumidor em relação ao automóvel, a carteira  da Porto Seguro continua crescendo. A penetração do mercado de seguros como um todo na frota circulante chega aos 30%. “Esse mercado tem conseguido trazer para essa operação pessoas que não faziam parte do mercado de seguros, ou seja, a proteção veicular está atacando muito nesse 70% que não faz seguro”, analisou.

Contudo, ele ainda comentou que há oportunidades nesse acontecimento. “Por não serem regulados, eles conseguem ter mais flexibilidade de regras, de atender anseios do cidadão. Por exemplo, uma seguradora não pode parcelar o seguro por mais de 11 parcelas, a Superintendência de Seguros Privados não permite porque a última parcela não pode vencer depois do final de vigência da apólice. Então, já se mostra que a seguradora não pode fazer qualquer coisa”, afirmou. Ele enxerga o atual Governo, mais liberal, e o comando da Susep como uma maneira de avançar nesse sentido. “Um discurso na linha de dar mais flexibilidade para o mercado de seguros para que o seguro no Brasil passe a ter índices de países desenvolvidos, porque nós temos muito potencial de crescimento”, disse. “Nós temos que tirar essas amarras de regras desnecessárias que só nos impedem de atender os anseios do consumidor e por isso o advento da proteção veicular nos dá argumentos para a discussão com a Susep de flexibilização de regras”, complementou.

A Porto Seguro trabalha com três linhas de negócios: seguros, produtos financeiros e serviços. E além disso, também é pioneira em inovação. “Hoje todo carro que sai de fábrica vem com uma luz na parte traseira no para-brisa que é o break light, que foi inventado pela Porto Seguro, não foi pelas montadoras, para reduzir a quantidade de colisões na traseira, já que a luz do freio fica embaixo, e nós tivemos essa sacada há 20 anos atrás nos nossos postos de vistoria”, exemplificou. “Uma iniciativa que tinha por objetivo diminuir o número de batidas, na verdade virou um objeto de desejo do consumidor, vendemos muito seguro porque tinham pessoas que queriam ter aquilo no carro e tal. E isso foi incorporado pelas montadoras”, acrescentou.

Para os corretores de seguros, o presidente defendeu que a sua história “se confunde com a desses profissionais”. “Eu costumo dizer que na companhia temos um leque de mais de 50 produtos, mas nunca criamos um produto que não possa ser comercializado pelo corretor de seguros, pois tudo que nós fazemos precisa ser distribuído por eles”, ressaltou.

O gerente regional Rio Grande do Sul Porto Seguro, Edgar Anuseck Neto.

O encontro na Capital gaúcha, que é a segunda maior em produção, marcou a presença da seguradora no dia a dia dos corretores. “Fazemos questão de estar junto dos corretores de seguros e para nós é um marco muito importante ter Roberto Santos junto não só para falar das novidades e como deixamos a companhia mais leve para o corretor, mas também para escutar esse profissionais”, reafirma o gerente regional Rio Grande do Sul Porto Seguro, Edgar Anuseck Neto. “Sempre crescemos ouvindo o corretor para fazer as melhorias devidas e ver de que maneira podemos contribuir juntos para continuarmos melhorando”, conclui o gerente ao lembrar que o balanço é positivo do um ano e meio que está como responsável da companhia na região.

Fotos: Filipe Tedesco/JRS

Baixas temperaturas podem danificar meu carro? 661

Baixas temperaturas podem danificar meu carro?

ComparaOnline lista problemas veiculares ocorridos no inverno, como mal funcionamento da bateria, e explica quando o seguro auto pode ajudar

Os invernos têm sido cada vez mais rigorosos no Brasil, principalmente nas regiões sudeste, centro-oeste e sul. Recentemente massas de ar polar derrubaram as temperaturas e deixaram a sensação térmica em -10º C, com geada e neve em alguns lugares do extremo sul do país.

Com um pouco de roupa conseguimos nos livrar do frio, mas o que acontece com os veículos? Nesta época do ano os acidentes em consequência de pistas escorregadias e os problemas elétricos ao dar a partida do carro aumentam bastante. O que deixa muita gente com dúvidas é sobre a possibilidade de acionar ou não o seguro auto nesses casos. Pensando nisso, a ComparaOnline, marketplace de produtos e serviços financeiros, reuniu algumas informações sobre o assunto.

As baixas temperaturas ocasionam a falta de utilização de alguns equipamentos como o ar-condicionado, causando ressecamento e possíveis vazamentos nas mangueiras. O que também pode ficar ressecada com o frio é a palheta do para-brisa. Porém, esses itens são considerados como serviços de manutenção do carro e não interferem na locomoção do veículo, sendo assim, não há cobertura do seguro.

O inverno também traz outros tipo de problemas, como geada, neblina e granizo. Eventos naturais que podem causar danos ao veículo, seja um amassado ou até mesmo um acidente em decorrência de pista escorregadia. “Nesses casos, é muito importante ficar atento à sinalização. Caso a via transitada tenha avisos sobre a possibilidade de intempéries, deve-se evitar esses trajetos, pois a seguradora poderá entender como um agravamento do risco por parte do segurado e negar o sinistro”, explica Paulo Marchetti, CEO da ComparaOnline no Brasil.

Problemas com a bateria são mais comuns no frio, já que a temperatura diminui e reduz a reação química interna, além de deixar o óleo mais viscoso. Isso pode trazer problemas para dar a partida após uma noite fria, por exemplo. “Desde que seja contratada a cláusula de assistência 24 horas, o segurado terá direito ao serviço de auto socorro nessas situações. Algumas seguradoras enviam, além do guincho, um técnico para avaliar o veículo no próprio local, a fim de resolver o quanto antes o problema do cliente”, finaliza Marchetti.