Allianz entrega o prometido com lucro operacional mais alto da história 656

Allianz entrega o prometido com lucro operacional mais alto da história

Lucro operacional de 11,5 bilhões de euros em 2018 está na faixa superior da meta para o ano

O Grupo Allianz teve um ano muito bem-sucedido em 2018, cumprindo as metas de desempenho em todos os segmentos e mantendo a força de capital em patamar elevado. A concretização dos objetivos da nossa “Agenda de Renovação” preparou o terreno para esse excelente desempenho. Baseado nos números preliminares, o crescimento da receita interna, corrigidos os efeitos da transposição cambial e de consolidação, totalizou 6,1% e teve a contribuição de todos os segmentos operacionais da empresa. A receita total cresceu 3,5% e atingiu a marca de 130,6 bilhões de euros (contra 126,1 bilhões em 2017).

Com aumento de 3,7%, o lucro operacional de 11,5 (contra 11,1) bilhões de euros se situa na porção superior da faixa visada que foi anunciada pelo Grupo, de 10,6 a 11,6 bilhões de euros, e é a mais alta na história da Allianz. O crescimento do lucro operacional pode ser atribuído majoritariamente ao nosso segmento de P&C que registrou forte alta de 13,3% no lucro operacional. Isso se deu por conta de um coeficiente de despesas otimizado, menor sinistralidade por catástrofes naturais e crescimento do prêmio.

O segmento de Gestão de Ativos também registrou alta no lucro operacional devido à elevação da receita referente aos ativos sob gestão (AuM). Como consequência de uma margem de investimento mais baixa em meio à volatilidade do mercado financeiro, o lucro operacional do nosso negócio de Vida/Saúde declinou.

lucro líquido atribuível aos acionistas cresceu 9,7% e ficou em 7,5 (6,8) bilhões de euros. Esse lucro operacional majorado e a menor tributação sobre os rendimentos compensaram com vantagem o declínio no resultado não operacional.

Lucro Básico por Ação (EPS) subiu 14,4%, passando a 17,43 (contra 15,24) euros para o ano de 2018. ORetorno sobre o Patrimônio Líquido (RoE) totalizou 13,2% (contra 11,8%).

Coeficiente de capitalização Solvency II totalizou 229% no final de 2018, permanecendo inalterado em relação ao final de 2017. O Conselho de Administração proporá dividendos de 9 euros por ação em 2018 –  uma alta de 1,5% em relação a 2017.

A Allianz continuou promovendo a experiência do cliente em 2018. No mundo inteiro 74% dos negócios atingiramum Net Promoter Score (NPS) acima da média do mercado, comparado aos 60% no ano anterior. O Índice de meritocracia inclusiva (IMIX), que mede a liderança e a cultura do desempenho, cravou 71% em 2018, muito próximo do nosso nível almejado de 72%. Tais números refletem o esforço da Allianz em atender os clientes e envolver os colaboradores da melhor forma possível. A Allianz concluiu dois programas de buy-back de ações, num volume total de 3 bilhões de euros. Todas as ações recompradas foram canceladas. Um novo programa de buy-back de até 1,5 bilhão de euros foi anunciado em 14 de fevereiro de 2019.

“Tenho muito orgulho da família Allianz ao redor do mundo por entregar um conjunto de resultados tão bom. Nós atingimos o maior lucro líquido dos últimos dez anos, apesar da forte volatilidade do mercado, especialmente no quarto trimestre do ano“, declarou Oliver Bäte, CEO do Grupo Allianz. “Nossos cientes continuam confiando em nós. Tendo isso em mente, nós estamos focando na simplicidade como o próximo passo para reiterar a nossa estratégia”.

No 4º trimestre de 2018, o lucro operacional permaneceu em 2,8 (contra 2,8) bilhões de euros: um lucro operacional maior proveniente do nosso negócio de P&C foi compensado, principalmente, por um declínio dos negócios nos nossos segmentos de Vida e Saúde e na Gestão e Ativos Patrimoniais.  O aumento no lucro operacional do nosso negócio de Property & Casualty (P&C) se deveu, em grande parte, a um resultado mais elevado do investimento. O lucro operacional do nosso negócio de Vida/Saúde declinou devido, principalmente, a uma margem técnica menor na França. O decréscimo no lucro operacional do segmento de Gestão de Ativos foi motivado, sobretudo, por menores taxas de desempenho. O lucro líquido atribuível aos acionistas subiu 18,9% e foi para 1,7 (contra 1,4) bilhão de euros no quarto trimestre de 2018, devido a um melhor resultado não-operacional e à menor tributação sobre os rendimentos.

“A Allianz obteve resultados excelentes em 2018, com lucro operacional de 11,5 bilhões de euros, atingindo o patamar superior da meta visada anunciada pelo Grupo entre 10,6 e 11,6 bilhões de euros”, declarou Giulio Terzariol, diretor Financeiro do Grupo Allianz.  “Nossa atividade sadia e bem diversificada nos deixa confiantes de que iremos continuar entregando um desempenho financeiro robusto novamente este ano. O Grupo almeja gerar um lucro operacional de 11,5 bilhões de euros em 2019, com margem de mais ou menos 500 milhões de euros, salvo imprevistos.”.

Property-Casualty (P&C): forte crescimento interno e boa performance operacional

Os prêmios brutos subscritos chegaram a 53,6 (52,3) bilhões de euros em 2018. Ajustados os efeitos de transposição cambial e de consolidação, o crescimento interno totalizou 5,7%. Os efeitos de preço e volume contribuíram com 4% e 1,7%, respectivamente. Quanto ao crescimento interno, AGCS, Alemanha e AllianzPartners foram seus principais impulsionadores.

  • Lucro operacional aumentou 13,3% e foi a 5,7 bilhões de euros em 2018, comparado ao ano anterior. Tal aumento se deveu, principalmente, a um forte resultado na subscrição, impulsionado por um menor coeficiente de despesa, ausência de perdas de peso decorrentes de catástrofes naturais e em menor grau, devido ao crescimento dos prêmios. Nosso resultado do investimento operacional também contribuiu positivamente.
  • O índice combinado teve aumento de 1,2 ponto percentual e chegou a 94%.

“Estou satisfeito com nosso forte crescimento interno e o bom desempenho operacional do negócio no segmento P&C, ” afirmou Giulio Terzariol. “Atingimos a nossa meta de 94% do índice combinado devido à nossa subscrição sistematicamente disciplinada e, sobretudo, ao coeficiente de despesa substancialmente melhorado. ”

No quarto trimestre de 2018, os prêmios brutos subscritos aumentaram para 11,7 (11,3) bilhões de euros. Corrigidos os efeitos de transposição cambial e de consolidação, o crescimento interno chegou a 5,1%, com efeitos de volume e preço contribuindo com 2,8% e 2,3%, respectivamente. O lucro operacional aumentou14% e foi para 1,5 bilhão de euros comparado ao mesmo período do ano anterior, devido a um maior investimento e ao resultado melhor da subscrição. O índice combinado para o quarto trimestre de 2018 cresceu 0,4 ponto percentual e foi para 94,1%.

Vida e Saúde: crescimento rentável continuado no novo negócio

  • O PVNBP¹, o valor atual dos prêmios dos novos negócios, subiu para 58,5 (55,5) bilhões de euros em 2018. Isso se deveu, principalmente, às vendas maiores de produtos eficientes em termos de capital no ramo alemão de seguro Vida, no negócio de anuidades indexadas fixas nos EUA, bem como na maioria das linhas de negócio na Itália.
  • A margem de novos negócios (NBM) se fortaleceu em 2018 passando a 3,6% (3,4%) com o apoio das condições de mercado favoráveis. O valor dos novos negócios (VNB) cresceu para 2,1 (1,9) bilhões de euros em 2018, impulsionado pelo crescimento nas vendas e pela continuidade da mudança para produtos eficientes em termos de capital.
  • lucro operacional recuou para 4,2 (4,4) bilhões de euros, situando-se no ponto médio da faixa prevista, o que mostra a resiliência dos nossos negócios em meio à volatilidade crescente do mercado financeiro. Esta última provocou um declínio da nossa margem de investimento, por meio de uma combinação de deficiências maiores, realizações menores e um resultado comercial em declínio nos nossos ramos de Vida na Alemanha e EUA.

“O crescimento continuado do novo negócio no segmento Vida e Saúde reflete o sucesso dos nossos produtos concebidos também para o ambiente de baixas taxas de juros”, aponta Giulio Terzariol. “Isso mostra que nossos clientes querem a qualidade e a estabilidade que a Allianz pode oferecer. ”

No quarto trimestre de 2018, o PVNBP saltou para 16,1 (15,2) bilhões de euros, impulsionado pelas vendas ampliadas de anuidades indexadas fixas nos EUA. O lucro operacional caiu para 1,0 (1,1) bilhão de euros devido, principalmente, à margem técnica menor na França. A margem de novos negócios (NBM) se fortaleceu e foi para 3,9 (contra 3,6) % fazendo com que o valor de novos negócios (VNB) crescesse para 631 (550) milhões de euros.

Gestão de Ativos: lucro operacional cresce 4% apesar dos mercados difíceis

  • Os ativos de terceiros sob gestão (AuM) caíram 12 bilhões de euros ficando em 1,436 trilhão de euros,comparado ao final de 2017. Com isso, os efeitos positivos da transposição cambial não puderam compensar os efeitos negativos do mercado atribuíveis sobretudo à retração do mercado no último trimestre do ano.  Saídas líquidas de 3 bilhões de euros também contribuíram para esse declínio. Os ativos totais sob gestão permaneceram estáveis no patamar de 1,961 trilhão de euros.
  • relação custo-rendimento (CIR) subiu 0,5 ponto percentual e foi para 62,4% em 2018. O aumento do coeficiente foi devido à inclusão dos investimentos da Allianz Capital Partners no crescimento do negócio.
  • Lucro operacional aumentou 3,7%, passando a 2,5 (2,4) bilhões de euros. O aumento se deu por conta do crescimento nos rendimentos operacionais, impulsionado, sobretudo, por uma média mais alta de ativos de terceiros sob gestão (AuM) e por um aumento nas margens impulsionadas por AuM de terceiros, tanto na PIMCO como na Allianz Global Investors. Esse avanço positivo só foi parcialmente compensado pelo aumento das despesas.

“Os rendimentos da Gestão de Ativos e o lucro operacional cresceram em um ambiente desafiador no ano de 2019”, sinaliza Terzariol. “A volatilidade nos mercados financeiros, particularmente no 4º trimestre, levou a saídas líquidas. No entanto, a expansão das nossas margens mostra claramente a saúde do nosso negócio”.

No quarto trimestre de 2018, o lucro operacional baixou 9,1% para 633 milhões de euros, devido, principalmente, às menores taxas de performance e despesas mais elevadas. O coeficiente custo-rendimento subiu 3,4 pontos percentuais passando a 63,6%. Os ativos de terceiros sob gestão tiveram redução de 51 bilhões de euros: os efeitos negativos do mercado de 40 bilhões de euros e as saídas líquidas de terceiros de 31 bilhões de euros não puderam ser compensadas pelos efeitos favoráveis da transposição cambial da ordem de 19 bilhões de euros.

Divulgação
Divulgação

Qualicorp anuncia novo superintendente comercial 600

Administradora também apresentou mudanças na estrutura de vendas

A Qualicorp, administradora de planos de saúde coletivos, anunciou na última semana a chegada de Alessandro Courbassier para o comando da superintendência comercial no Estado do Rio de Janeiro e na região Sul. O executivo, que possui quase 30 anos de experiência no setor de saúde suplementar, vai inaugurar uma nova etapa da estratégia de descentralização das operações comerciais da Qualicorp.

A regionalização das atividades de vendas da empresa tem como base o respeito e o foco nas características de cada mercado, a valorização dos seus corretores e a ampliação dos laços de parceria com as operadoras de atuação nacional e também regional.

Com uma vasta bagagem profissional, Courbassier é formado em administração e possui especialização em corretagem de seguros. O executivo acumula passagens por grandes empresas do setor de saúde suplementar, incluindo a Assim Saúde, em que ocupou a posição de Diretor Comercial, e a Administradora de Benefícios Clube Care, atuando como CEO da empresa. Esta é a segunda passagem de Alessandro Courbassier pela Qualicorp. Entre 2011 e 2017, o profissional ocupou a posição de superintendente comercial e alcançou expressivos resultados.

Foto de Patrick Zeiger

“É com muito orgulho e satisfação que chego para fazer parte desse projeto da Qualicorp e do novo jeito Quali de ser. A Companhia sabe da importância do corretor para o setor de saúde e nosso foco é ter uma proximidade muito grande com esse profissional. Nosso trabalho terá como objetivo oferecer ao corretor cada vez mais oportunidades de vender, com novos produtos, mais customizados e acessíveis para a população de diferentes regiões brasileiras. Vamos ampliar muito o leque de opções para o cliente e trazer inúmeras novidades para os corretores”, destaca Alessandro Courbassier.

Com a chegada do executivo, a estrutura da superintendência de vendas da Companhia fica estabelecida da seguinte forma: Cláudio José Pardal segue comandando a área comercial em São Paulo. Alessandro Courbassier passa a liderar a equipe de vendas no Estado do Rio de Janeiro e na região Sul. Wilson Nunes Vieira é o responsável comercial em Minas Gerais e na região Centro-Oeste, enquanto Emerson Rogério dos Santos lidera a operação de vendas nas regiões Norte e Nordeste. A superintendência comercial passa a se reportar para Elton Hugo Carluci, vice-presidente Comercial, de Inovação e Novos Negócios.

“O corretor de planos de saúde é essencial para que a população tenha acesso à medicina privada de qualidade. Ele conhece como ninguém as características dos clientes de cada região e de cada nicho de mercado. Por tudo isso, resolvemos ajustar a estrutura Comercial para que possamos estar ainda mais próximos ao corretor e, consequentemente, do nosso cliente. Aqui na Quali, esse é o nosso jeito de pensar e trabalhar com o corretor”, afirma Carluci.

Assista à apresentação de Alessandro Courbassier: https://youtu.be/ku1ZDVDy2tc

Perfil de Alessandro Courbassier

Alessandro Courbassier Santos, 49 anos, é formado em administração e possui especialização em corretagem de seguros. O executivo atua na área de saúde suplementar há quase 30 anos, com foco no planejamento estratégico e comercial. Com uma vasta bagagem profissional, Courbassier acumula passagens por grandes empresas do setor de saúde suplementar, incluindo a Assim Saúde, em que ocupou a posição de Diretor Comercial, e a Administradora de Benefícios Clube Care, atuando como CEO da empresa. Anteriormente, o executivo fundou e liderou uma grande corretora de saúde, além de atuar como consultor em seguradoras e empresas do segmento.

Esta é a segunda passagem de Alessandro Courbassier pela Qualicorp. Entre 2011 e 2017, o profissional ocupou a posição de superintendente comercial e alcançou expressivos resultados. O executivo ganhou notoriedade em todas as empresas em que passou e se destacou por constantemente bater recordes de vendas, além de ter um estreito relacionamento com corretores e lideranças, sobretudo no Estado do Rio de Janeiro na região Sul.

 

107 anos do GBOEX: momentos históricos reafirmam seriedade e comprometimento 1263

Empresa centenária é capa da edição 236 da Revista JRS; Confira também outros destaques exclusivos

Desde a sua fundação, em 24 de maio de 1913, o GBOEX já vivenciou os mais variados acontecimentos mundiais. E mais do que isso: se consolidou como uma empresa sólida e confiável, atravessando muitos momentos de transformações, chegando a 2019 com 69% de market share entre as Entidades Abertas de Previdência Complementar sem fins lucrativos. Essa história de trabalho, que se traduz em mais famílias protegidas, é a capa da Revista JRS deste mês.

A edição 236 da publicação mensal do JRS ainda traz matérias especiais sobre previsões do mercado de seguros no período pós-pandemia, o adiamento do Brasesul para 2021 e as contínuas melhorias da Casa do Corretor, da Icatu Seguros. Além disso, o advogado Sahil Bhambhani escreve sobre a prorrogação da Lei Geral de Proteção da Dados (LGPD) em artigo exclusivo. Os destaques do mercado de seguros recheiam as 52 páginas da Revista JRS – tenha uma excelente leitura!

ANS se posiciona contra a fila única na saúde 625

Agência não concorda com a incorporação dos leitos privados à rede pública

O Ministério da Saúde consultou a ANS sobre a possibilidade de vir a adotar no Brasil a fila única para o atendimento de doentes infectados pelo novo coronavírus. Em nota técnica preliminar, a agência se posicionou contra a incorporação dos leitos privados à rede pública.

Entre outros motivos, o documento cita possíveis prejuízos aos usuários dos planos de saúde, “risco sistêmico” ao setor e a eventual ineficácia da medida, já que a demanda por UTIs devido à epidemia pode superar a oferta.

O principal argumento é que, ao se sentirem lesados por eventualmente não disporem de leitos em plena epidemia, os usuários deixariam de pagar seus planos, comprometendo a saúde financeira das operadoras. Cerca de um quarto dos brasileiros tem planos de saúde.

Assinada pela diretoria de Desenvolvimento Setorial, a nota técnica da ANS ainda precisa de aprovação da diretoria colegiada da agência. Uma reunião marcada para esta segunda (25) para tratar do tema foi adiada.

?Em uma eventual fila única unindo os setores público e privado, pacientes que precisarem de UTI entrariam em uma lista e seriam atendidos por ordem de chegada, não importando a procedência do leito disponível.

Enquanto os leitos de UTI do SUS já estão no fim em vários estados, a rede privada ainda tem vagas em muitas cidades.

A razão disso é que, além de atender cerca de 75% dos brasileiros, o SUS tem apenas 1,4 leito de UTI, em média, para cada 10 mil habitantes. No sistema privado, são 4,9 leitos por 10 mil segurados.

A disparidade é ainda maior em estados do Norte e do Nordeste, no Rio e no Distrito Federal.

Diante disso, vários hospitais privados vêm defendendo há semanas que o Ministério da Saúde, estados e municípios se antecipem à falta de leitos na rede pública para requisitar suas unidades ainda ociosas de forma organizada.

O temor é que diante do aumento dos casos de Covid-19 e da falta de leitos, haja requisições administrativas de última hora ou uma onda de judicialização que obrigue os hospitais e repassar suas UTIs sem planejamento.

Em alguns estados e municípios, como em São Paulo, o poder público já vem alugando leitos da rede privada por cerca de R$ 2.200/dia a unidade —com mais de dois terços do valor bancados pelo SUS.

O posicionamento preliminar da ANS contrário à fila única é mais um ingrediente nessa questão, que tende a ganhar força com o rápido avanço da doença e a escassez cada vez maior de leitos de UTI.

Segundo Leonardo Barberes, diretor da Associação de Hospitais do Estado do Rio de Janeiro (Aherj), que reúne 160 unidades privadas, o tema é bastante complexo se for levado em conta, por exemplo, que 48% da população da cidade do Rio de Janeiro (e 54% da de Niterói) têm planos de saúde.

Outros dados, da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), mostram que dos 430 mil leitos de internação do país, 62% estão em instituições privadas, sendo que 52% dessa infraestrutura já é disponibilizada ao setor público mediante remuneração.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 59% das internações de alta complexidade do SUS em 2017 foram realizadas por instituições privadas.

Procurado, o Ministério da Saúde não respondeu aos questionamentos sobre quais são os planos em elaboração para a questão da fila única de leitos de UTI.

Sompo Seguros apresenta novas diretorias de produtos 617

Novidade visa atender aos planos de investimentos em soluções de serviços de fomentar oportunidades de negócios para corretores de seguros

A Sompo Seguros, como parte de sua estratégia de investimentos em soluções para incrementar a experiência do segurado e fomentar o desenvolvimento de negócios para os parceiros corretores de seguros, anunciou a nova estrutura organizacional, que entra em vigor em 1 de junho. As linhas de produtos foram reorganizadas dentro de novas Diretorias Técnicas a fim de atender aos planos de lançamentos de produtos e serviços para conquistar market share em diferentes ramos do seguro.

“A Sompo Seguros tem investido fortemente na consolidação de sua estratégia nos anos recentes, alinhada à Sompo Internacional, com o objetivo de ofertar uma gama completa de produtos e serviços aos corretores e clientes. Para atender à dinâmica do mercado brasileiro, que está mais desafiadora a cada dia, estruturamos um planejamento estratégico em que nossos diretores técnicos estarão com foco em grandes áreas de negócios. Com isso, ganhamos ainda mais agilidade no desenvolvimento de novas soluções, conseguimos identificar tendências, além de estreitar ainda mais nosso relacionamento com os parceiros corretores de seguros”, ressalta Adailton Dias, diretor Executivo de Produtos e Resseguro da Sompo Seguros.

Por meio da iniciativa, Rogério Santos, que era responsável pelo ramo Automóvel e que, entre outras iniciativas capitaneou em 2019 o lançamento do Sompo Auto, o novo seguro Automóvel da companhia; assume a Diretoria de Massificados. Ele tem como desafio reforçar ainda mais a atuação da Sompo Seguros no segmento de massificados, abrangendo os ramos Automóvel (Individual), Empresarial/Lucros Cessantes (com Limite Máximo de Garantia até R$ 50 milhões), Residencial, Condomínio, Habitacional, Penhor Rural, Benfeitorias e RD Equipamentos.

“Venho de uma experiência de relacionamento muito próximo dos corretores de seguros por também já ter atuado na área comercial. E essa característica, no segmento de massificados, é importante porque trabalhamos com as necessidades de cobertura e assistência de uma ampla parcela de consumidores. Estar no dia-a-dia do corretor vai nos ajudar a apresentar nossas ideias e captar percepções para cada iniciativa que estivermos planejando. Nossa cumplicidade com o corretor de seguros nessa nova estrutura reforça a já consolidada política de Portas Abertas da companhia”, analisa Rogério Santos, diretor de Seguros Massificados da Sompo Seguros.

Já João Carlos França de Mendonça que, entre outras iniciativas, esteve à frente do lançamento de produtos como seguros Agrícola, Habitacional, E&O e D&O na diretoria de Commercial Lines, assume a Diretoria de Corporativos. Ele fica responsável pela supervisão dos seguros corporativos, consolidando a posição de destaque da Sompo Seguros nos ramos Riscos Nomeados e Operacionais, Riscos de Engenharia, Riscos de Petróleo, Responsabilidade Civil Geral, E&O, D&O, Garantia, Fiança Locatícia, Empresarial/Lucros Cessantes (com Limite Máximo de Garantia acima de R$ 50 milhões e negócios com resseguro facultativo), RD Compreensivo de Veículos e Agrícola.

“Contamos com um corpo técnico qualificado, experiente e multidisciplinar com conhecimento não só do segmento de seguros, mas dos setores econômicos que atendemos. Com isso, propiciamos condições para que corretores de seguros tenham mais oportunidades de negócios e os segurados tenham agilidade no atendimento, para que possam se dedicar mais tempo aos seus empreendimentos. Esse é um dos fatores que faz com que a Sompo esteja entre as empresas de melhor desempenho nos rankings em algumas de nossas linhas de produto.”, avalia João Carlos França de Mendonça, diretor de Seguros Corporativos da Sompo Seguros.

A essas duas diretorias, soma-se a Diretoria de Transporte e Frota, que continua sob comando de Adriano Yonamine; segmento em que a Sompo Seguros lançou soluções inovadoras de consultoria em gerenciamento de riscos, além de uma estrutura exclusiva de monitoramento de cargas de reconhecida eficiência. Essas iniciativas contribuíram para a Sompo Seguros alcançar a liderança do segmento de Seguro de Transportes.

Já o segmento de Pessoas também segue sob o comando da superintendente Técnica de Vida, Diana Araújo Estevão. Esse ramo é um dos que apresenta crescimento mais expressivos e a Sompo Seguros ampliou seu leque com soluções voltadas aos seguros de Vida Individual (Individual e Vida Top Mulher) e Coletivos (Empresarial e PMEs), com opções de contratação para atender diferentes realidades dos segurados. Com isso, a carteira que representava cerca de 5% do portfólio da Sompo Seguros anos atrás, atualmente alcança uma representatividade de 11%.

Oportunidade: Grupo Aspecir contrata atuário 627

Candidatos devem ser graduados em ciências atuariais

O Grupo Aspecir, empresa de origem gaúcha nos ramos de previdência privada, seguro de vida e empréstimo, oferece oportunidade profissional para a integrar sua equipe atuarial. O candidato deve ter graduação em ciências atuariais, experiência consolidada no mercado de previdência complementar aberta e domínio do pacote office.

Além disso, é desejável que possua conhecimentos em legislação do mercado segurador. A carga horária é de segunda a sexta-feira e a vaga conta com benefícios. Ficou interessado(a)? Envie seu currículo e pretensão salarial para vagas@grupoaspecir.com.br.