Tempo de festas, tempo de preocupações? 545

Tempo de festas, tempo de preocupações?

Estudo da AirHelp mostra que nos últimos cinco anos dois em cada dez voos de Santos Dumont e Guarulhos saíram atrasados durante Carnaval

A época do carnaval é uma alegria. Os blocos, desfiles, músicas e festas deixam todo mundo animado para viajar e curtir a festa pelo Brasil inteiro. Mas, para muitas pessoas, esse momento de felicidade pode se tornar um inferno quando seus planos de viagem são interrompidos. Problemas no aeroporto são frequentes e podem estragar a vida de qualquer pessoa que deseja passar seu carnaval dos sonhos. Para quem pensa em se divertir muito no carnaval, o Ministério do Turismo brasileiro ranqueou os destinos mais populares do país.

1 – Rio de Janeiro
2 – São Paulo
3 – Recife
4 – Florianópolis
5 – Manaus
6 – Belo Horizonte
7 – Porto Alegre
8 – Porto Seguro

Mas essa lista é muito diferente para os viajantes, quando se trata de atrasos e cancelamentos em viagens.

Um estudo da AirHelp monitorou o desempenho de decolagens dos 10 aeroportos mais próximos dessas grandes festas de carnaval durante os últimos cinco anos, para revelar quais aeroportos tem as melhores e piores performances. O estudo, conforme mostrado na tabela abaixo, mostra que quem vai sair de dois dos principais aeroportos do país, o Santos Dumont, no Rio de Janeiro e o de Guarulhos, em São Paulo devem se preparar antecipadamente para qualquer imprevisto, pois dois em cada dez voos não decolam no horário marcado. Além disso, existe 17% de chance de viagens partindo de Florianópolis e Manaus terem problemas, assim como 16% em Recife. Então na hora de voltar de seu destino de carnaval favorito, uma maior atenção também é necessária.

Divulgação
Divulgação

O gráfico também mostra os campeões de pontualidade, com Porto Seguro e Porto Alegre com uma média de 10% de atraso, 50% menor que os aeroportos líderes em atraso.

“O carnaval é uma das maiores festas populares do mundo e a maior festa do Brasil, com seus desfiles e blocos em todo o país. Alguns deles são famosos globalmente e, por isso, muitas pessoas escolhem cidades como Rio de Janeiro, Recife e Salvador como seu destino de festa. Mas é bom ficar atento aos dias de viagem e talvez antecipar ou adiar um pouco seu vôo para não passar por imprevistos no aeroporto que podem acabar prejudicando sua viagem”, afirma Paloma Salmeron, diretora de comunicação da AirHelp.

Quando viajar

Além disso, a pesquisa também mostra que geralmente e previsivelmente, a sexta-feira de carnaval é o dia mais movimentado, com aproximadamente 350.000 pessoas saindo, em média, dos aeroportos brasileiros, contra aproximadamente 335.000 da sexta-feira anterior, um aumento de mais de 4% no número de viajantes. As pessoas que escolherem voar de madrugada e de manhã vão se dar melhor, com esses horários sendo os mais pontuais durante esse feriado.

“As companhias aéreas tem que ficar muito atentas quando se trata de horários, atrasos e de sua qualidade do serviço. Cada vez mais temos visto um grande aumento nas consultas com a AirHelp, e há claramente a necessidade de lutarmos para fornecer informações aos passageiros e ajudá-los a obter sua compensação, de acordo com as regras estabelecidas internacionalmente”, afirma Salmeron.

Saiba seus direitos

De acordo com a EC261, cancelamentos de voo, atrasos superiores a três horas e recusas de embarque podem permitir aos passageiros uma compensação de até aproximadamente R$ 2.500,00 (US$ 700,00) por pessoa. Isto abrange todos os voos que partem da União Europeia, bem como aqueles que chegam a um aeroporto da UE, ou ainda operados por uma transportadora europeia. Os passageiros têm direito legítimo a compensação se a interrupção for considerada de responsabilidade da companhia aérea. O montante da compensação devida é calculado a partir da distância. Passageiros afetados podem reivindicar compensação até três anos após o vôo.

Aon Brasil adere ao Women’s International Network 348

Aon Brasil adere ao Women's International Network

Iniciativa apoia o crescimento pessoal e profissional das mulheres dentro do ambiente corporativo

A Aon, empresa global líder de serviços profissionais, que oferece ampla gama de soluções em riscos, previdência e saúde, anuncia sua adesão ao movimento WIN (Women´s International Network). O objetivo é fortalecer o crescimento pessoal e profissional de todas as colaboradoras da companhia no Brasil. O WIN tem sido essencial para intensificar o empoderamento feminino dentro das organizações, além de ser a principal referência em programas que apoiam a diversidade, inclusão e a mulher em posições de liderança.

A iniciativa foi implementada pela Aon desde outubro de 2018, reconhecendo os esforços das mulheres que colaboram para o desenvolvimento da organização. Atualmente, 50% da sua força de trabalho da Aon é composta por mulheres, inclusive representantes em cargos de liderança.

“O empoderamento das mulheres é essencial para o crescimento econômico e o desenvolvimento social. Por isso, a Aon adotou ao movimento WIN, para mostrar que podemos fazer a diferença desempenhando nossos cargos, valorizando a inclusão e fomentando a presença feminina no ambiente corporativo”, comenta Adriana Zanni, Diretora de Recursos Humanos da Aon Brasil.

Embora haja o constante apoio e ações de conscientização para promover a igualdade de gêneros nas empresas, o Fórum Econômico Mundial aponta que só será possível alcançar a igualdade de gêneros, em uma escala global, nas questões de saúde, educação e salários em 2186. A partir deste cenário, a ONU Mulheres criou o movimento HeforShe para diminuir as barreiras sociais que impedem grande parte das mulheres de conquistar seus objetivos em uma sociedade igualitária entre homens e mulheres.

A Aon também valoriza as profissionais, ou cônjuges dos seus colaboradores, que escolhem ser mães. Após a descoberta da gestação, as mulheres passam a ter 100% dos custos médicos oferecidos pela Aon. Essa ação é um reconhecimento ao direito da mulher em ser mãe no momento em que ela escolher.

Além disso, a Aon assinou recentemente uma carta de princípios de empoderamento das mulheres – WEP’s’. Por meio dela, a Aon assume publicamente o compromisso com a agenda e diretrizes sobre os temas, integrando uma rede global das Nações Unidas, que compartilha informações, publica cartilhas, promove fóruns, eventos e webinars sobre a valorização da mulher no ambiente de trabalho.

Lideranças da Zurich reúnem-se com corretores locais e internacionais em SP 462

Lideranças da Zurich reúnem-se com corretores locais e internacionais em SP

Encontro de relacionamento acontece na próxima segunda-feira, 27 de maio, com a presença de Edson Franco (CEO Brasil), Claudia Dill (CEO LatAm) e James Shea (CEO Commercial Insurance)

A Zurich Seguros promove na próxima segunda-feira, 27 de maio, evento de relacionamento com a presença dos seus principais líderes, incluindo Edson Franco (CEO Brasil), Claudia Dill (CEO LatAm) e James Shea (CEO Commercial Insurance), além de outros altos executivos. Com objetivo de celebrar as parcerias, o encontro vai acontecer no restaurante Attimo, na Vila Nova Conceição, Zona Sul da capital paulista, e reunir os principais brokers de Commercial Insurance, tanto globais quanto locais.

“Tivemos um 2018 muito bom e os primeiros meses de 2019 foram excelentes. Neste evento, queremos celebrar as parcerias e a confiança que tanto fortalecem nossos negócios. A ideia é estreitar relacionamento com as corretoras e conversar sobre temas de alta relevância para o dia a dia do mercado segurador”, conta Glaucia Smithson, Head de Commercial Insurance para o Brasil. Commercial Insurance é o segmento do grupo Zurich responsável por Seguros Empresariais, Vida em Grupo, Previdência e também pela Zurich Resseguros.

Cofins para corretoras de seguros deve ser 3%, ao invés de 4% 262

Cofins para corretoras de seguros deve ser 3%, ao invés de 4%

Com medida judicial, há como pedir devolução do que foi recolhido a mais nos últimos cinco anos

Andrea Giugliani é sócia-diretora da Giugliani Advogados / Reprodução

O Superior Tribunal de Justiça, em recentíssima decisão, firmou entendimento de que as empresas corretoras de seguro não devem ser equiparadas a sociedades corretoras ou a agentes autônomos de seguros privados e, desse modo, devem recolher a COFINS apenas sob alíquota de 3%, e não de 4% conforme vem sendo praticado por inúmeras instituições.

Para que a empresa possa se beneficiar e volte a contribuir com 3%, torna-se necessário o ajuizamento de uma medida judicial — eis que não se aplica de imediato referida decisão —, podendo até mesmo pedir a devolução do que foi recolhido a mais nos últimos cinco anos.

CSLL das corretoras de seguros deve ser 9%, e não 15%

As corretoras de seguros, meras intermediárias da captação de eventuais segurados, não podem ser equiparadas às sociedades corretoras e distribuidoras de títulos e valores. Foi nesse sentido que o Superior Tribunal de Justiça concluiu decidindo pela impossibilidade da majoração da alíquota da CSLL, ou seja, a cobrança da CSLL das sociedades corretoras de seguro deve ser 9%, e não a alíquota de 15%, porque esta deve ser aplicável somente às instituições financeiras, aos estabelecimentos a elas equiparados e aos agentes autônomos de seguros privados.

Caso a empresa venha recolhendo a CSLL com aplicação da alíquota de 15%, para que possa voltar a recolher com a alíquota de 9%, torna-se necessário o ajuizamento de uma medida judicial — eis que não se aplica de imediato referida decisão —, podendo até mesmo pedir a devolução do que foi recolhido a mais nos últimos cinco anos.

INSS das corretoras de seguros deve ser 20%, e não 22,5%

As corretoras de seguros, meras intermediárias da captação de eventuais segurados, não podem ser equiparadas às sociedades corretoras e distribuidoras de títulos e valores.

Com a decisão judicial pacificada dos tribunais superiores e administrativos a respeito da forma de apuração da COFINS de sociedade corretora de seguros (diminuição da alíquota de 4% para 3%), além do julgamento da matéria em si, também fora analisada a questão da inclusão ou não de corretoras de seguros para fins de outros tratamentos tributários e previdenciários, entre os quais a alíquota adicional de 2,5% destinada ao INSS.

Isso porque as corretoras de seguros possuem uma cota patronal de 22,5%, ao passo que as demais empresas comerciais possuem uma alíquota de 20%, ambos incidentes sobre folha de salários e valores pagos a contribuintes individuais.

Em razão desse julgamento, é importante destacar que não só aos olhos dos tribunais superiores, mas também da própria Procuradoria, as sociedades corretoras de seguros não deveriam ter pago este adicional de 2,5% por não estarem enquadradas no conceito de “sociedades corretoras” — termo válido para corretoras de valores e títulos e instituições financeiras —, tampouco no conceito de “agentes autônomos de seguros”.

Em virtude disso, é possível ingressar com medidas para que as corretoras de seguros tenham a devolução dos valores pagos a esse título (2,5% a mais de cota patronal) nos últimos cinco anos, corrigidos pela taxa SELIC.

*Por Andrea Giugliani, sócia-diretora da Giugliani Advogados

Marsh & McLennan Companies celebra Mês Global do Voluntariado 313

Marsh & McLennan Companies celebra Mês Global do Voluntariado

Colaboradores participarão de ações voluntárias em nove cidades brasileiras

Maio é o mês de celebrar a importância do voluntariado na Marsh & McLennan Companies. Escritórios da empresa em todo o mundo organizam atividades em instituições parceiras e estimulam os colegas a participarem de forma solidária. Neste ano no Brasil, as ações começaram no início do mês com a Campanha do Agasalho e envolvem as cidades de Araçatuba, Bauru, Brasília, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, Campinas, Ribeirão Preto, Porto Alegre e São Paulo.

Nos últimos dois anos, a empresa recebeu o reconhecimento por ser uma das sedes que teve maior evolução na participação de voluntários, com cerca de 56% de aumento. “O voluntariado é visto como um grande orgulho para nós da Marsh & McLennan Companies e o nosso objetivo é causar um impacto cada vez mais positivo nas comunidades em que estamos inseridos”, afirma Isabel Cardim, Líder para Responsabilidade Social no Brasil.

Em 2018, na América Latina, o número de funcionários realizando trabalhos voluntários aumentou 19%, o que resultou em um aumento de mais de24% de horas doadas. Uma das ações deste ano envolve colegas de todo o continente e é realizada em parceria com a Missing Maps, uma organização que atua no mapeamento de residências e construções em áreas de risco, para ajudar o trabalho da Cruz Vermelha. Por meio de imagens de satélite do Google, os funcionários poderão apoiar o trabalho de ajuda humanitária nos locais em casos de desastres naturais.

Instituições parceiras

A MMC possui parceria com uma série de instituições que recebem ações realizadas por parte dos colegas durante todo o ano. Neste mês de maio as atividades se concentram na: APAE (Araçatuba), Creche Monteiro Lobato (Bauru), Creche Esperança (Brasília), Unidade Reinserção Ziraldo (Rio de Janeiro), Centro de Reabilitação, Educação e Integração Social (Rio de Janeiro), Casa do Pai (Curitiba), Creche das Rosinhas (Belo Horizonte), Cantinho de Luz (Campinas), CEI Vila Cisper II (São Paulo), Comitê Juvenil – FMUSP (São Paulo), Ritmos do Coração (São Paulo) e entrega de doações em Ribeirão Preto.

Em São Paulo, o Centro de Educação Infantil (CEI) Vila Cisper II é uma das instituições com maior apoio da companhia Fundada em 2001 pela Associação dos Funcionários do Grupo MMC, responsável atualmente pela administração da entidade, o Centro de Educação Infantil conta com profissionais qualificados que oferecem diariamente a cerca de 150 crianças, com idade de 0 a 4 anos, orientação e educação por meio de atividades pedagógicas e educacionais. “A MMC acredita que através de atividades pedagógicas e educacionais é possível proporcionar um amadurecimento cognitivo das crianças e auxiliar na construção de sua identidade social”, explica Luiz Medeiros, Presidente para Associação dos Funcionários MMC junto ao CEI Vila Cisper II.

GBOEX completa 106 anos com credibilidade, comprometimento e dedicação 329

Expectativas do GBOEX para 2019

Fundada em 1913, empresa mantém tradição e solidez

Ultrapassar a barreira centenária e permanecer próspera exige mais que ótimas práticas de administração. Passa pela construção de uma marca forte, pelo trabalho e envolvimento de pessoas comprometidas e também por oferecer serviços e produtos de qualidade. Assim é a história do GBOEX, que se mantém a cada ano entre as maiores Entidades Abertas de Previdência Complementar Sem Fins Lucrativos (EAPP’s).

Neste segmento, o mercado obteve R$ 442,8 milhões de receita bruta de contribuições em 2018, aproximadamente 63% foram auferidos pelo GBOEX.

Para a Empresa, o sucesso depende da valorização de todos os envolvidos no seu dia a dia. A diretoria do GBOEX salienta que o capital humano, um dos ativos mais estratégicos de qualquer instituição, é o que faz com que se destaque, além de números e posição de mercado. São eles que multiplicam os valores da empresa.

Inicialmente a operação era restrita ao público militar e suas famílias. No entanto, na década de 60, a empresa ampliou a oferta de seus serviços e produtos para a população em geral, mantendo a missão idealizada na sua fundação, de proteger as famílias brasileiras.

Essa evolução engrandeceu mais ainda o trabalho da Entidade e, para multiplicar a ação, o papel dos corretores de seguros foi e tem sido essencial, ampliando cada vez mais o números de pessoas amparadas e protegidas. Esse é o papel do GBOEX, cuidar e proteger o futuros das pessoas.

Especialista em previdência de risco, o GBOEX oferece uma vasta cobertura de planos de caráter previdenciário, combinados com seguros de pessoas e serviços de assistências, por meio de parcerias estratégicas. A preocupação da empresa é sempre fortalecer e proporcionar relações saudáveis com seus associados, corretores, colaboradores, e outros tantos com que se relaciona na operação.

Para permanecer como uma empresa forte e ativa, são necessários constantes investimentos no desenvolvimento de produtos e serviços que atendam as necessidades dos seus clientes e parceiros. Por isso, investir mais em inovação, aprimorando processos, é o foco para este ano. Em 2019, a companhia lançará a sua plataforma para venda digital de produtos, entre outras novidades.

O GBOEX é uma empresa moderna, mas com valores que datam de 1913. Chegar aos 106 anos com solidez é um marco a ser celebrado não só pela instituição, mas pelo empreendedorismo brasileiro como uma demonstração de que é possível driblar as dificuldades e somar conquistas e credibilidade.

GBOEX – 106 anos de tradição, solidez e segurança.