Seguro auto para mulher é mais barato? Nem sempre! 371

Seguro auto para mulher é mais barato? Nem sempre!

Levantamento feito pela ComparaOnline aponta diferença de até 22,35% no valor do seguro para mulheres de faixas etárias diferentes

Muito se fala sobre o valor do seguro auto para mulheres ser mais barato. Porém, essa tendência não é válida para as que estão no considerado perfil de risco, até 25 anos. De acordo com a ComparaOnline, marketplace de seguros e produtos financeiros, na comparação dos valores para as faixas etárias dos 23 e 39 anos para o sexo feminino, a variação chega a 22,35% para o mesmo veículo em São Paulo.

“Para o cálculo do valor de um seguro auto são considerados alguns fatores que determinam o risco do veículo ser roubado ou de haver um acidente com colisão. Dentre as variáveis a faixa etária, 18 a 25 anos, é uma das que pesa bastante na determinação do valor, pois a seguradora avalia a experiência no volante do condutor. Assim, quanto mais jovem o condutor, mais ele paga pelo seguro, mesmo que seja para mulheres”, explica Paulo Marchetti, CEO da ComparaOnline no Brasil.

Essa falta de experiência acaba por causar altos índices de sinistros com acidentes, resultando na maior necessidade de troca de peças ou veículos. Em pesquisa feita entre quatro seguradoras para o Renault Kwid 1.0 na cidade de São Paulo, obteve-se valores como R$ 2.151 para seguradas de 39 anos e R$ 7.681 para mulheres de 23 anos.

“Mulheres mais velhas possuem mais experiência na direção, isso as diferencia das mais novas. Se fizermos uma comparação com o sexo masculino, a faixa etária dos 39 anos também é mais barata, apesar de ambos possuírem experiência, as mulheres costumam conduzir com mais segurança e prudência no trânsito e, na maioria dos casos, se envolvem colisões leves que não valem o custo da franquia para acionar o seguro para o conserto do carro, homens registram acidentes mais graves, que levam abertura de sinistros para perda parcial ou total do veículo nas seguradoras”, finaliza Marchetti.

Varejo digital no Brasil fatura mais de R$ 32 bilhões no 1º semestre de 2019 358

Varejo digital no Brasil fatura mais de R$ 32 bilhões no 1º semestre de 2019

E-commerce nacional tem alta de 16,3% de faturamento na primeira metade do ano

O mercado digital brasileiro gerou R$32,1 bilhões no 1º semestre deste ano, o que representa um crescimento de 16,3% sobre o mesmo período do ano anterior. Os dados são do relatório NeoTrust, elaborado pelo Compre&Confie, empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce, em parceria com o E-commerce brasil.

O relatório traz uma visão 360° do varejo online, com intuito de oferecer ao mercado compreensão e clareza no segmento do e-commerce. Traduzindo em números, no 1º semestre de 2019 houve um total de 76,5 milhões de pedidos, contra 66 milhões no período do ano passado.

Já o tíquete médio teve leve aumento de 0,3%, com uma média de R$420,3 gastos na primeira metade de 2019, ante R$419 reais por pedido no mesmo período do ano anterior.

No Brasil, cerca de 19,7 milhões de consumidores fizeram pelo menos uma compra virtual no 1º semestre de 2019, o que representa um aumento de 35,8% em relação ao primeiro semestre de 2018.

A partir do dia 18/07, o relatório NeoTrust estará disponível no site do Compre&Confie e no aplicativo da companhia. Com a maior abrangência no monitoramento de dados reais de vendas do mercado brasileiro, o NeoTrust é o censo no mercado de e-commerce do país.

Clube da Bolinha recebe novo confrade 140

Encontro aconteceu no Centro do Rio

Clube da Bolinha recebe novo confrade
Clube da Bolinha recebe novo confrade / Divulgação

Aconteceu ontem, dia 16 de julho, mais um jantar do Clube da Bolinha, no Restaurante Aspargus, no Centro do Rio. Neste mês, o encontro foi realizado, excepcionalmente, na terceira terça-feira do mês.

Mesmo com a chuva e ventania na cidade, o encontro contou com a presença de 15 confrades. Alexandre Leal, o mais novo Bolinha, recebeu o pin de seu padrinho, Danilo Silveira, que aproveitou a ocasião para ressaltar que, apesar do seu recente convívio com Alexandre, nutre profunda admiração pelo seu trabalho à frente da Diretoria Técnica da CNseg, bem como pela sua forma de relacionar com todos.

No sorteio do aniversariante do mês, o contemplado com a tradicional caneta foi o confrade Marcello Hollanda.

O Clube da Bolinha do Rio de Janeiro é uma confraria criada por membros do mercado segurador que se reúne mensalmente para trocar ideias, estreitar o networking e ter um momento de lazer. A Reitoria 2018/2020 é composta por Neival Fritas, Gloria Faria e Gilberto Villela.

Mongeral Aegon tem nova superintendente de Comunicação 390

Mongeral Aegon tem nova superintendente de Comunicação

Mirella Lavrini é formada em Relações Públicas pela Faculdade Cásper Líbero e tem MBA em Finanças pelo Insper

A seguradora Mongeral Aegon tem nova superintendente de Comunicação. Mirella Lavrini é formada em Relações Públicas pela Faculdade Cásper Líbero e tem MBA em Finanças pelo Insper. A executiva acumula mais de quinze anos de experiência em áreas de comunicação e marketing, com passagem de grandes empresas como Netshoes, Pernambucanas, Vivo e Wal-Mart Brasil.

Mirella será responsável pela gestão da marca do grupo Mongeral Aegon e pelas equipes de Comunicação e TV Corporativa. A superintendente reporta diretamente ao diretor de Marketing e Afinidades, Nuno Pedro David.

Reservas dos planos de previdência privada batem a marca de R$ 873,1 bilhões em maio 484

Reservas dos planos de previdência privada batem a marca de R$ 873,1 bilhões em maio

Valor é 11,0% maior que registrado no mesmo período do ano anterior, aponta FenaPrevi

Os planos de previdência privada aberta fecharam o mês de maio com R$ 873,1 bilhões em reservas, volume 11,0% superior registrado no mesmo período do ano anterior, segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), entidade que representa 67 seguradoras e entidades abertas de previdência complementar no país.

De janeiro a maio, as contribuições somaram R$ 45,7 bilhões, resultado 3,7% superior aos cinco primeiros meses de 2018, quando totalizaram R$ 44,0 bilhões. A captação líquida seguiu com saldo positivo de R$ 15,5 bilhões.

Na análise por tipo de contratação de planos, a modalidade individual respondeu por R$ 40,1 bilhões das novas contribuições, os planos para menores por R$ 740 milhões, e os planos coletivos registram R$ 4,8 bilhões em novas contribuições. Em relação às famílias de produtos, segundo a FenaPrevi, o VGBL recebeu R$ 41,6 bilhões e o PGBL R$ 3,7 bilhões dos aportes. Já nos planos tradicionais, as contribuições foram de R$ 300 milhões.

Diversificação de portfólio

Segundo a FenaPrevi, os participantes estão se deslocando gradativamente para fundos multimercado em busca de maior rentabilidade. Até maio deste ano, 11,6% dos recursos foram alocados nesta modalidade. O índice era de 10,2% em 2018; 8,1% em 2017; e 5,7% em 2016. “A trajetória de juros baixos tem exercido forte influência na estratégia de alocação das reservas dos planos de previdência privada pelos participantes, que estão buscando fundos de maior risco e rentabilidade”, avalia Jorge Nasser, presidente da FenaPrevi.

Os dados da federação mostram que de janeiro a maio foram contabilizados 13,2 milhões de pessoas com planos de previdência, sendo 10,1 milhões de participantes com planos individuais e 3,1 milhões com planos coletivos (oferecidos em forma de benefícios aos colaboradores, e planos contratados por sindicatos e associações de classes para adesão de seus associados). O total de 13,1 milhões de participantes representa hoje 6,27% da população.

Seguradora corporativa do Grupo Allianz apresenta nova líder na América do Sul 366

Glaucia Smithson é a nova CEO da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) na América do Sul / Divulgação

Glaucia Smithson junta-se ao time da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) como CEO América do Sul

Allianz Global Corporate & Specialty SE (AGCS), a seguradora corporativa do Grupo Allianz, aponta nova líder regional para seus negócios na América do Sul: em 12 de agosto, Glaucia Smithson assume o posto de CEO América do Sul, sucedendo Angelo Colombo, que deixa a AGCS em alguns meses. Em seu novo papel, ela se reportará a Sinéad Browne – Chief Regions and Markets Officer. A partir do escritório em São Paulo, Glaucia irá liderar a estratégia da companhia como resseguradora Allianz Global Corporate & Specialty Resseguros Brasil S.A. (AGCS Brasil), cujo foco é o crescimento sustentável no Brasil e em outros mercados sulamericanos como Chile, Argentina e Colômbia. Este anúncio está sujeito a aprovações regulatórias.

Glaucia chega a AGCS vinda da Zurich Brazil, onde era Diretora de Seguros Empresariais, Vida, Corporativo e Previdência, bem como CEO da Zurich Resseguros Brasil. Como parte deste duplo enfoque ela liderou a estratégia da empresa, visando o crescimento rentável e gerenciando relacionamentos importantes com grandes clientes e corretores, bem como apoiando as operações de seguros da Zurich Brasil. Em mais de 10 anos na Zurich, trabalhando no Reino Unido e Brasil, ela assumiu papeis cada vez mais seniores dentro da subscrição, incluindo Diretora de Linhas Empresariais e Chief Underwriting Officer.

Chief Regions and Markets Officer Sinéad Browne comenta “ Estou muito feliz porque teremos Glaucia liderando nosso time América do Sul, um de nossos mercado-chave em crescimento. Ela traz consigo mais de 20 anos de experiência em seguros, tanto em nível Brasil quando globalmente, e possui a perspectiva estratégica e a abordagem focada no crescimento que nos ajudarão a aumentar o sucesso que temos na América do Sul. Aproveito para agradecer ao Angelo pela liderança da companhia nos últimos anos. Seu papel foi fundamental para lançarmos e expandirmos nossa presença na América do Sul e construirmos o forte time que temos ali”.

AGCS Brasil começou em 2013 e está sediada em São Paulo. Atendendo a clientes de toda a América do Sul e também seguradoras locais, oferece subscrição especializada e experiência no resseguro de apólices individuais ou como parte de um programa global. Suas soluções abrangem uma ampla gama de riscos corporativos como patrimonial, responsabilidade civil, engenharia, transportes, linhas financeiras, energia e aviação. A unidade de negócios América do Sul, que emprega cerca de 50 colaboradores, contribuiu com aproximadamente EUR 100 millhões em prêmios brutos do volume total subscrito pela AGCS globalmente em 2018 (EUR 8.2 bilhões).

Divulgação
Divulgação