Avanço Tecnológico: passado, presente e futuro 371

Avanço Tecnológico: passado, presente e futuro

Confira o artigo de Lucas Cordeiro, Head de Vendas da Pipefy

Os seres humanos estão no planeta Terra há aproximadamente 300 mil anos. Em todo esse tempo neste planeta maravilhoso e cheio de recursos, os humanos nunca viveram esse boom de avanço tecnológico que está sendo vivenciado hoje. Existem várias razões do motivo disso estar acontecendo, mas eu sempre gosto de reforçar duas: conforme o tempo passa, o conhecimento está cada vez mais acessível, e evolução e avanço geram mais evolução e avanço.

Em eras passadas, era extremamente difícil passar conhecimento de geração para geração, muito porque não haviam línguas evoluídas, apenas sinais e gestos. A primeira língua foi criada pelos Sumérios, por volta de 3 mil a.C. Se colocarmos isso em um gráfico de linha do tempo, vai lhe causar a seguinte reação: “Uau, isso é muito novo!”.

Sim, é muito novo e o seu desenvolvimento é empolgante. É muito mais fácil fazer-se entender quando você fala com alguém que fala sua língua nativa, certo? Mas o que realmente mudou o jogo foi a invenção da imprensa, pelo alemão Gutenberg, em 1.440 d.C. Antes disso, impressões eram feitas praticamente apenas em madeira, o que não era nada escalável. A imprensa fez com que o conhecimento se espalhasse muito mais rápido por meio de livros e, como você bem sabe, ler faz as pessoas ficarem mais espertas. E se você pensa que a língua era relativamente nova, a imprensa foi inventada praticamente “ontem”.

Com o boom do conhecimento, veio a Revolução Industrial, e a imprensa, que era operada manualmente, foi substituída por uma prensa mais automatizada, permitindo a impressão em escala industrial. As pessoas poderiam pensar que a evolução humana estava quase no seu pico neste momento, mas foi no século XX que as coisas realmente decolaram. Carros por todos os lados, aviões voando nos céus, os computadores começaram a mostrar suas supremas capacidades de cálculo, o homem pisa na Lua e, no meio dos anos 90, a internet popularizou-se…

Livros impressos eram rápidos de se passar conhecimento. Mas a internet? Ah, a internet é muito mais rápida. Na verdade, com a internet é possível passar conhecimento, ao vivo, para uma pessoa fisicamente localizada do outro lado do mundo. Nesse momento, por exemplo, você está adquirindo conhecimento de um artigo que está lendo na internet. As coisas evoluíram muito rapidamente!

Por exemplo, imagine levar um homem do ano 1.700 d.C. para os dias de hoje. Ele realmente ficaria em choque com o que veria. O mundo que ele estava acostumado a viver teria mudado insanamente: carros, aviões, celulares, internet. Mas aqui vai o fun fact: para esse cara de 1.700 d.C. causar em outro ser humano o mesmo nível de choque, ele teria que trazer uma pessoa do ano 12.000 a.C. para o ano de 1.700 d.C. Sim, você leu corretamente. E para uma pessoa do ano 12.000 a.C. chocar alguém da mesma forma, ele teria que trazer alguém do ano 120.000 a.C.

Isso tudo ocorre por conta de uma regra simples: se aprendermos e passarmos o conhecimento rapidamente, a evolução é impulsionada. E, conforme o tempo passa, isso parece acontecer cada vez mais rápido. Então, o que nos espera? Eu imagino algo como isso:

É bem importante que você entenda a exponencialidade da evolução. Se você entender isso, vai ficar impressionado com o que as mentes mais brilhantes do mundo estão trabalhando em relação à Inteligência Artificial, que, na minha opinião, pode ser a nova grande revolução da humanidade.

Vou me usar como exemplo. Se eu pudesse voltar no tempo e falar para o meu “eu do passado” como o mundo é hoje, eu provavelmente não acreditaria em mim mesmo. Quando eu nasci, em 1988, computadores estavam começando a ser “algo”, assim como a Internet. Não haviam smartphones. O conhecimento era basicamente compartilhado por meio de livros e enciclopédias. Hoje eu posso perguntar ao Google “quem inventou a escrita?” e receber uma resposta instantânea. Eu posso ouvir as músicas que eu gosto sem ter que comprar CDs ou vinis.

Agora vamos usar nossa máquina do tempo de novo: se você pudesse trazer o seu “eu do futuro” para os dias de hoje, o que você acha que ele diria? Quem pode adivinhar o que os próximos 30, 50, 70 anos vão parecer? Eu realmente acredito que tem muito a ver com Inteligência Artificial.

Existem três tipos de AI (artificial intelligence):

  • Artificial Narrow Intelligence (ANI), traduzido como Inteligência Artificial Específica, que é uma forma de AI especializada em algo (Pôquer, por exemplo; ela sabe tudo sobre Pôquer, é genial jogando Pôquer, mas não faz nada além disso);
  • Artificial General Intelligence (AGI), traduzido como Inteligência Artificial Geral, muito referenciada como Inteligência de Nível Humano. AGI poderia performar qualquer coisa que um humano seria capaz de fazer. AGI ainda não existe.
  • Artificial SuperIntelligence (ASI) é, como definida pelo professor de Oxford e uma das mentes mais brilhantes relacionadas a AI, Nick Bostrom, “um intelecto muito mais inteligente que os melhores cérebros humanos em praticamente todos os campos, incluindo ciência criativa, conhecimentos gerais e técnicas sociais”.

Hoje, o mundo está cheio de ANI. Você encontra ANI em carros autônomos, quando está comprando algo online e a AI te oferece produtos similares, Siri, Google Tradutor, entre outros. Estamos perto de alcançar AGI. Os especialistas mais pessimistas acreditam que é mais provável que tenhamos AGI do que não tenhamos no ano de 2075. Os mais otimistas visualizam um mundo com AGI em 2040. Volte aos gráficos deste artigo e veja o quão perto estamos.

AGI pode mudar o jeito como vivemos hoje. Ela vai substituir muitos trabalhos humanos, então algumas mentes já estão, inclusive, pensando em distribuição global de renda, o que provavelmente será um problema no futuro. Além do mais, AGI irá ajudar vários setores, como a medicina, tecnologia, indústria e outros. Pense nas coisas incríveis que a AGI poderia trazer.

Ok, isso é legal. Mas ASI é bem mais legal. E o caminho para chegar lá é extremamente difícil, excitante e também preocupante, de algumas formas.

Como atesta Nick Bostrom, “ASI seria um intelecto muito mais inteligente que os melhores cérebros humanos”. Para um melhor entendimento deste conceito, eu gosto de usar a imagem da Escada da Inteligência, que coloca os seres humanos como criaturas superiores a formigas, galinhas e macacos. E, claro, nosso cérebro é realmente muito mais evoluído que o desses animais, então a escada se parece com isso:

O mais incrível sobre ASI, é que quanto mais esperta ela fica, mais rápido o poder dela aumenta a sua própria inteligência. Essa é a parte em que se torna excitante e preocupante ao mesmo tempo. Você consegue imaginar uma AI autoevoluindo? Ela pode encontrar conhecimento de uma maneira fora de nossa compreensão. Mesmo que a ASI quisesse tentar nos ensinar algo, seria difícil, porque provavelmente ela falaria de coisas que nós nem ao menos entendemos. Imagine esta situação como se você tentasse ensinar física quântica ao seu cachorro. Ele não entenderia e as pessoas ririam de você ao vê-lo tentar fazer isso.

Especialistas estão convencidos de que chegaremos lá. A principal preocupação e desafio que eles enxergam é como criar uma ASI que pudesse ser controlada, algo gerenciável. Uma das mentes mais brilhantes que já passou pela Terra, Stephen Hawking disse: “O desenvolvimento de uma inteligência artificial completa poderia desencadear na extinção humana”. O Professor Hawking disse que a inteligência artificial básica que já desenvolvemos mostrou-se muito útil, mas ele teme as consequências da criação de algo que poderia igualar ou até passar os humanos.

Por outro lado, Ray Kurzweil, autor norte-americano, cientista da computação, inventor, futurista e Diretor de Engenharia do Google diz para que não temamos a inteligência artificial: “AI não está em uma ou duas mãos; está em 1 ou 2 bilhões. Uma criança na África com um smartphone tem mais inteligência ao acesso de informações do que o presidente dos Estados Unidos tinha 20 anos atrás. Conforme AI continua a ficar esperta, seu uso também crescerá. Virtualmente a capacidade mental de todos será aumentada em uma década”. Basicamente o que ele diz é que, com o crescimento exponencial da AI, os humanos crescerão na mesma proporção.

Kurzweil complementa: “AI hoje está avançando nos diagnósticos de câncer, encontrando curas, desenvolvendo energias renováveis, ajudando a limpar o ambiente, provendo educação de alta qualidade para pessoas do mundo todo, ajudando os deficientes e contribuindo em uma série de outras forma. Temos a oportunidade nas próximas décadas de dar grandes passos para enfrentar os grandes desafios da humanidade. AI vai ser a tecnologia pivô em alcançar esse progresso. Temos um imperativo moral para realizar essa promessa enquanto controlamos o perigo. Não será a primeira vez que conseguimos fazer isso”.

Eu concordo com o Ray. E estou ansioso para viver este futuro.

Bons tempos estão chegando!

Mongeral Aegon promove encontro com Sincor-SP 771

Encontro Mongeral Aegon e Sincor-SP / Divulgação

Companhia completa 185 anos em janeiro

A seguradora multinacional Mongeral Aegon recebeu na sua sede, na cidade do Rio de Janeiro, as diretorias executiva e regional do Sincor-SP. O encontro aconteceu nos últimos dias 8 e 9 de agosto. Na ocasião, os participantes puderam conhecer um pouco das instalações da companhia, que completa 185 anos em janeiro, além de participar de reuniões e palestras com a diretoria e lideranças da seguradora. Foram apresentados temas como as oportunidades do mercado de vida e previdência e as ações de valorização realizadas pela companhia para os corretores.

“Este encontro foi muito importante para, além de conhecer as instalações da Mongeral Aegon no Rio de Janeiro, estreitarmos ainda mais os laços enquanto distribuidores deste mercado. O convite certamente é uma demonstração de prestígio que será recompensada com muita parceria e produção”, comentou Alexandre Camillo, presidente do Sincor-SP.

Para Marco Antônio Gonçalves, vice-presidente do Conselho Consultivo da Mongeral Aegon, é fundamental realizar estas ações juntamente com o mercado. “Neste ano, já realizamos um encontro nacional com os presidentes dos sindicatos e com a diretoria da Fenacor, que foi muito proveitoso. Agora, estamos nos aproximando cada vez mais das iniciativas locais, e o encontro com o Sincor-SP foi o que deu início a estas iniciativas da companhia. Tenho certeza de que todos saíram do encontro com ideias para estreitar ainda mais a aliança com a seguradora e com o mercado de vida”, comentou o executivo.

Previsul Seguradora apoia o Risorama 2019 616

Previsul Seguradora apoia o Risorama 2019

Até novembro, serão 16 apresentações em oito diferentes cidades

A Previsul e a Caixa Seguradora são apoiadoras do Risorama 2019, pioneiro e um dos maiores festivais de humor do Brasil. Até novembro, serão 16 apresentações em oito diferentes cidades como Londrina, Maringá, Joinville, Porto Alegre, Campinas, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Chapecó. O apoio se dá via Lei de Incentivo Fiscal.

“A expertise da Previsul é cuidar das pessoas. Somos uma seguradora que tem como carro-chefe a comercialização de seguros de pessoas, garantindo tranquilidade e bem-estar aos segurados. Acreditamos que sorrir, dar risada e estar alegre é algo muito importante para o bem-estar de todos. E o Risorama proporciona exatamente isso: momentos de descontração que trazem bem-estar às pessoas”, afirma o presidente Renato Pedroso.

“O corretor de seguros, principal parceiro da Previsul, não poderia ficar fora disso. Por isso, estamos realizando ações, conforme as praças das apresentações, para presenteá-lo com pares de ingresso, proporcionando momentos de bem-estar”, diz Andréia Araújo, diretora de Negócios e Marketing.

Nomes como Hallorino Jr, Marcus Cirillo, Patrick Maia, Criss Paiva, Giovanna Fagundes, Guri de Uruguaiana, Diogo Portugal e Rafael Cortez se apresentarão no Risorama, que tem como principal diferencial o seu formato. Considerada a “balada do humor”, o evento é produzido em espaços que se transformam em um grande bar, como um verdadeiro e amplo comedy club itinerante, com cadeiras e mesas compartilhadas, serviço de garçom e venda de bebidas e comidas de boteco. “O Risorama foi pioneiro em seu formato no Brasil. O público pode dar boas risadas, comer umas comidinhas de boteco, tomar uma boa cerveja com os amigos e aproveitar o show dentro desse clima”, completa Diogo Portugal, humorista paranaense que faz a curadoria do evento. A programação e venda de ingressos está disponível neste site,

Com 113 anos de atuação, a Previsul Seguradora é referência em seguro de pessoas no Brasil. Está presente em 12 estados brasileiros, com aproximadamente 30 pontos de atendimento em todo o país, que oferecem todo o suporte para o corretor, principal parceiro da Previsul.

Grande maioria dos beneficiários de planos de saúde está satisfeita com serviços 660

Grande maioria dos beneficiários de planos de saúde está satisfeita com serviços

Pesquisa do Ibope realizada em parceria com o IESS mostra ainda que a oferta do benefício influencia a escolha do emprego

Cerca de 80% dos beneficiários estão satisfeitos com os serviços oferecidos pelos planos de saúde no País. Esse é um dos principais resultados de pesquisa realizada pelo IBOPE em parceria com o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), divulgada esta semana. O levantamento ouviu 3,2 mil pessoas entre os dias 29 de abril e 17 de maio de 2019. Essa é a terceira edição do estudo, realizado desde 2015. O índice de satisfação com os serviços é o mesmo registrado no levantamento de 2017 e superior ao de quatro anos atrás.

A diretora-executiva da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), Vera Valente, destacou a importância dos planos de saúde para a população brasileira. “A pesquisa mostra, mais uma vez, que quem tem plano de saúde privado se sente satisfeito e bem atendido. O desafio é criar mecanismos, baseados na lei, que permitam que muito mais pessoas possam ter seu plano, seja individual, seja coletivo, com maior acesso à saúde de qualidade”, afirmou.

A aprovação aos serviços aumenta à medida em que são utilizados. Do total de beneficiários que precisaram de internação nos últimos 12 meses, 83% se sentiram muito satisfeitos ou satisfeitos.

A taxa de recomendação é também bastante alta, chegando a 80%. E o desejo de continuar com a contratação do serviço aumenta de acordo com a idade, saltando de 60%, para aqueles com menos de 35 anos, para 74% entre os que têm mais de 65 anos.

A percepção de qualidade do serviço vem crescendo. O atendimento é o principal motivo de satisfação com os planos de saúde para 55% dos entrevistados, ante 24% registrados na pesquisa de 2015. Em relação aos canais de atendimento, 75% consideraram que as informações obtidas foram suficientes.

A pesquisa também mostra como a oferta do benefício de um plano de saúde influencia a decisão de aceitar ou não uma nova oportunidade de trabalho. A quase totalidade dos entrevistados (97%) indicou que é muito importante que as empresas ofereçam planos de saúde aos seus colaboradores.

O desemprego é a principal razão alegada pelos entrevistados para deixar de utilizar os serviços dos planos de saúde. “O acesso a um plano de saúde privado está diretamente relacionado a emprego e renda”, disse Valente. “Como não temos perspectivas de geração expressiva de novos empregos no curto e médio prazo, é importante buscarmos caminhos de viabilidade para a volta da oferta de planos individuais”, alertou. Segundo a pesquisa, essas novas alternativas poderiam atender a 73% dos entrevistados que hoje não contam com um plano de saúde, mas gostariam de contratar o serviço.

Governo vai enviar à Câmara PEC com sistema de capitalização 586

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Confirmação foi realizada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse no sábado (10) que o governo vai enviar “nas próximas semanas” à Câmara dos Deputados proposta de emenda à Constituição (PEC) que institui o modelo de capitalização no sistema previdenciário. A capitalização é um sistema em que cada trabalhador tem uma conta individual de Previdência.

Onyx afirmou que a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, está finalizando a proposta. “Ali está o grande futuro do Brasil. Não apenas na questão previdenciária, mas preponderantemente como instrumento e alavanca de ampliar a poupança interna e trazer, assim, a libertação do Brasil do capital externo” disse Onyx, antes de participar do evento Marcha para Jesus, que teve a presença do presidente Jair Bolsonaro.

O ministro afirmou ainda que defende a contribuição patronal na capitalização, mas destacou que a equipe econômica ainda está trabalhando na proposta. “Eu defendo, por exemplo, que tenhamos optativamente ou fundo de capitalização ou poupança individual para a aposentadoria”, acrescentou. “É a Lei Áurea para o Brasil, na minha visão, do Brasil econômico a PEC da capitalização”.

O sistema de capitalização integrava a proposta de reforma da Previdência enviada pelo governo federal em fevereiro, mas o relator da PEC na Comissão Especial da Câmara, deputado Samuel Moreira (PMDB-SP), retirou esse item do seu parecer.

CVG-RJ presta homenagem ao presidente do Sincor-RJ, Henrique Brandão 714

Henrique Brandão é Presidente do Sincor-RJ / Arquivo JRS

Evento comemorativo acontece no dia 27 de agosto

A diretoria executiva e o conselho consultivo do CVG-RJ irão reunir os seus associados, beneméritas e entidades parceiras para um almoço em homenagem ao presidente do Sincor-RJ, Henrique Brandão.

“Além de ser o líder dos corretores de seguros do nosso Estado por mais de 20 anos, reeleito para mais um mandato, Henrique Brandão tem levado ao Sincor-RJ várias ações de treinamento da categoria, através de sua diretoria de ensino. Criou recentemente a Comissão das Mulheres Corretoras de Seguros, visando valorizar o contingente feminino cada vez mais numeroso e atuante. Trata-se de um parceiro de longa data que muito tem feito para dignificar o profissional da corretagem de seguros fluminense”, afirma o presidente do CVG-RJ, Octávio Perissé.

O evento comemorativo será realizado no dia 27 de agosto, ao meio-dia, no restaurante da Associação Comercial do Rio de Janeiro, Rua da Candelária, número 9, 14º andar, Centro.

Vagas limitadas a 200 convidados.