MAPFRE Investimentos: Atividade econômica e o Ibovespa 460

MAPFRE Investimentos: Atividade econômica e o Ibovespa

Cenário aponta necessidade de atenção para relação entre desempenho da renda variável e do IBC-BR

Nesta semana, serão divulgadas informações de atividade econômica e eventos de política monetária no Brasil e no exterior. Serão apresentados dados de confiança do consumidor da União Europeia e os índices de gerentes de compras nos Estados Unidos nos dias 19 e 22, respectivamente. Nos dias 20 e 21, acontecerão as reuniões dos comitês de política monetária dos EUA e da Inglaterra, respectivamente. No Brasil, além da reunião do Copom, contamos com o IBC-Br, em queda de 0,4% na margem, e o Índice de Confiança do Empresário Industrial, da CNI.

Vale atentar para essas divulgações no Brasil. O senso comum indica que há uma correlação positiva entre indicadores de atividade econômica e de renda variável, notadamente o Ibovespa. É verdade que outras variáveis também impactam a evolução do índice no curto prazo. De qualquer modo, segundo o senso comum, o índice, por conta do resultado das empresas de capital aberto, deveria guardar relação positiva com a atividade econômica no longo prazo.

Diante de indicadores anêmicos de atividade econômica no Brasil e da evolução positiva do Ibovespa nos últimos meses, a pergunta que nos fazemos é se essa correlação de fato existe. Quando relacionamos variações do IBC-Br e do Ibovespa (gráfico abaixo), esse senso comum se confirma. Em nosso exercício estatístico, essa correlação supera 0,77 nos últimos 15 anos. Interessante verificar na mesma figura que o Ibovespa parece antecipar o IBC-Br, o que também confirma o senso comum.

IBC-Br e Ibovespa (mm12m – %)
Fonte: BCB,BOVESPA. Elaboração: MAPFRE Investimentos

Se essa relação é comprovada no passado, o que dizer da atual divergência entre o IBC-Br e o Ibovespa? Há 3 hipóteses para essa segunda pergunta. A primeira é a de que essa correlação deixou de existir em 2019; a segunda é a de que o IBC-Br assumirá trajetória positiva, compatível com a do Ibovespa; a terceira é a de que o Ibovespa assumirá trajetória negativa, compatível com a do IBC-Br. Atribuímos baixa probabilidade à primeira hipótese. Indicadores antecedentes ainda não confirmam a segunda hipótese. Por exclusão, vale ficar atento às perspectivas do Ibovespa.

Empresas e Setores: Turnaraound na Direcional

Em 11 de março, a Direcional Engenharia divulgou seu resultado referente ao quarto trimestre de 2018 e o consolidado do ano passado. Os números divulgados validam o sucesso na estratégia de turnaround da empresa.

Fonte: Direcional Engenharia

O foco do turnaraound foi concentrar esforços no segmento em que a empresa tinha menor participação em termos de percentual da receita e que apresentava margens crescentes: MCMV faixas 2 e 3. Os executivos olhavam para os resultados obtidos pela MRV e acreditavam que poderiam fazer tão bem quanto, ou ainda melhor.

Ao mesmo tempo, construção no Minha Casa Minha Vida faixa 1 perdia relevância, após a redução do programa por parte do Governo federal. A empresa também optou por suspender os lançamentos no segmento média e alta renda (MAC), devido às condições de mercado, problemas com distratos e operações mal-sucedidas em regiões distantes.

Em 2018, a Direcional também contou com sorte e competência. Conseguiu realizar a venda de imóveis do MAC para o Fundo de Investimento Imobiliário DMAC11 por R$ 246 milhões. Este evento possibilitou o pagamento de dividendos equivalentes a um yield de 9% aos acionistas na data do recebimento.

Uma das características do investidor de valor (value investor) é ser paciente. Enquanto a empresa organizava sua estratégia, as ações estavam “esquecidas” pelo mercado. Os resultados contábeis eram fracos e deixaram o preço da ação sem tendência de alta ou de baixa por mais de um ano. Aos nossos olhos, se a estratégia de turnaround desse certo, a Direcional seria reprecificada e poderia ter uma forte alta.

Conforme a empresa apresentou melhores resultados, o mercado foi reconhecendo os esforços. Desde o começo do ano até o 15 de março, as ações acumulam alta de 26%. Valorização bastante superior ao do índice Bovespa (12,8%). Devemos ver boa entrega de resultados ao longo de 2019. Esperamos que o preço das ações reflita tal melhora.

Gestão: No-Brexit e cenário dovish generalizado impulsionam mercados

Numa semana, temores sobre o crash landing chinês; noutra, arroubos altistas capitaneados por avanços nas reformas, recuos no Brexit e novos estímulos na China.

Com efeito, o mercado é para os fortes e balança ao sabor de circunstâncias que variam em horizontes de minutos, de modo que mudanças abruptas de estratégia nestes interstícios podem muitas vezes ser fatais. Com definições importantes na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, que analisará a admissibilidade da PEC da Previdência, providenciais palestras do ministro Guedes sobre um novo pacto federativo no estilo “mais Brasil, menos Brasília” e uma cereja do bolo com o excepcionalmente bem-sucedido leilão de aeroportos no último dia da semana, o Ibovespa voltou a subir, flertando com os 100 mil pontos, fechando a semana com ganhos de 4%. Há três semanas, porém, havia quem atribuísse elevadas chances de um retorno aos 90 mil pontos.

Após três anos de um plebiscito dividido e um processo altamente atabalhoado, na semana anterior, os defensores do Brexit sofreram nova derrota com a rejeição, pelo Parlamento, do no-deal Brexit. Há inclusive entre os frustrados partidários originais da separação recém-tornados eurocentristas. Enquanto isso, nos bastidores, a Europa clama em uníssono pelo retorno da Grã-Bretanha ao bloco. Com possibilidades de separação cada vez menores e, portanto, menores impactos econômicos tanto para um (UK) como para o outro (EU), o micro-rally da libra e do euro dominou a semana, avançando sobre o dólar, que por aqui recuou cerca de 1,5%, com efeitos inclusive sobre os DIs, que devolveram prêmios e chegaram a cair mais de 20 pontos-base nos vértices mais longos, beneficiados pelos pequenos avanços nas reformas.

Tokio Marine leva seguro-aluguel para Summit Imobiliário Brasil 2019 220

Tokio Marine leva seguro-aluguel para Summit Imobiliário Brasil 2019

Principal evento do segmento reuniu líderes de mercado em São Paulo para discutir as tendências do setor imobiliário

A Tokio Marine, uma das maiores seguradoras do País, esteve presente no Summit Imobiliário Brasil 2019 nesta terça-feira (16), para apresentar sua nova solução para o mercado de locação de imóveis. Organizado pelo Secovi-SP e pelo Estadão, o encontro reuniu em São Paulo líderes de mercado para discutir as perspectivas e oportunidades de crescimento do segmento.

A seguradora foi representada por Marcelo Goldman, Diretor Executivo de Produtos Massificados da Tokio Marine, que falou na abertura do evento sobre os diferenciais do Tokio Marine Aluguel. “O seguro é a única forma de proteção que garante o pagamento integral ao proprietário durante toda a vigência do contrato em caso de inadimplência, ao mesmo tempo em que dispensa o inquilino da necessidade de encontrar um fiador. Nós ainda facilitamos a contratação, com emissão online da apólice e envio eletrônico de documentos, o que agiliza o processo também para as imobiliárias”, comenta Goldman.

A expectativa de crescimento do setor imobiliário reforça o potencial de expansão desse seguro, nicho que cresceu cerca de 12% em 2018. De acordo com um levantamento do Secovi-SP, na cidade de São Paulo, um dos maiores mercados imobiliários do País, apenas 17% dos contratos de aluguel são fechados com seguro-aluguel. Esses números reforçam a estratégia da companhia de diversificar seu portfólio, pensando em soluções que atendam às diversas necessidades do clientes.

75% das empresas familiares no Brasil fecham após sucessão por herdeiros 242

Por isso, especialista lança obra que ensina a reverter este quadro

Segundo pesquisa da consultoria PwC, 75% das empresas familiares no Brasil fecham após serem sucedidas pelos herdeiros, um dado preocupante em um universo em que 9 em cada 10 empresas no país são familiares, como mostra o IBGE. Este alto índice de mortalidade do segmento mostra que apenas 7 em cada 100 empresas chegam a terceira geração.

“Ver um número tão alarmante assim sempre me incomodou”, conta Tiago Melo, autor de “Xeque-mate: Descomplicando a Sucessão Empresarial e Proteção Patrimonial por meio do Seguro de Vida” que será lançado na próxima segunda-feira, 22 de abril de 2019, das 19h às 22h, na sede da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), localizada na Rua Amália de Noronha, n° 151, 6° andar, em Pinheiros.

Com 12 anos de atuação no mercado, Tiago Melo se deparou muitas vezes com situações em que a falta de conhecimento mais aprofundado, a inexistência de diretrizes claras e a não utilização das ferramentas adequadas levava empresas familiares a enfrentar desafios que as colocavam em uma posição de alto risco e a casos de falência que o autor considera que poderiam ser evitados com a estratégia correta. “As pessoas física e jurídica de um empreendedor têm a vida umbilicalmente interligada, assim como o patrimônio dele. Isso demanda estratégias para que possam preservar essa dualidade, sem que o patrimônio construído e a continuidade do negócio sejam afetados por alguma intercorrência não controlada”, explica Melo que condensou sua experiência no mercado securitário e seus cases de consultoria em blindagem patrimonial no livro que apresenta um conceito próprio, o princípio da continuidade de um negócio.

Utilizando exemplos cotidianos, o autor leva o leitor por meio do direito, da contabilidade e da economia para o altruísmo da ferramenta que é o seguro de vida na proteção do legado construído, um recurso empregado pelo homem desde 1300 e que Tiago Melo considera como uma espécie de “última carta de amor” que uma pessoa pode deixar a seus herdeiros. Segundo Tiago, o instrumento é muito utilizado pelas empresas americanas que, diferente das brasileiras, tem sua linha sucessória chegando até a quinta geração.

Além disso, no livro, o especialista utiliza a metáfora do jogo de xadrez para tratar o tema, alusão que dá o nome a publicação. “No xadrez, precisamos de uma peça forte, aquela que dirá o andamento do jogo, aquela que pode ir a todas as direções, atendendo as mais diversas necessidades, nos mais valiosos contextos. No jogo da sucessão empresarial e resguardo patrimonial também tem uma ‘rainha’ que eu conto detalhadamente no livro”, revela.

Aliás, a linguagem metafórica foi a forma que Tiago Melo encontrou para que o conteúdo técnico se tornasse mais palatável e cumprisse o objetivo maior de ser uma fonte de conhecimento e informação relevante para empresários de qualquer segmento que tem a responsabilidade de pensar o planejamento sucessório. “Sei que a falta de capacitação é um dos grandes empecilhos para a preservação do patrimônio. O livro foi escrito numa linguagem próxima, com conteúdo de valor e aplicável que faz o leitor se sentir sentado no sofá batendo um papo com o consultor, tomando café, enquanto tira suas dúvidas.Espero, assim, ajudar a transformar os dados negativos do setor e contribuir com o avanço da jornada das empresas”, conta o autor que completa: “O que realmente quero com a publicação é que os empresários possam se prevenir dos futuros incertos e estarem prontos agora para tomar decisões assertivas que reflitam num futuro próspero para seus negócios”, finaliza.

“Xeque-mate: Descomplicando a Sucessão Empresarial e Proteção Patrimonial por meio do Seguro de Vida” de Tiago Melo é uma obra independente e conta com 128 páginas, dividida em 7 capítulos, disponibilizada neste site e nas redes sociais do autor por R$ 150,00.

Tiago Melo é fundador da TCBM Gestão de Riscos e há 12 anos atua como consultor e assessor no mercado financeiro, dentro e fora do país; e há 9 anos se dedica de forma intensa ao mercado securitário, com vários reconhecimentos nacionais e internacionais. Especialista em sucessão empresarial, proteção patrimonial e financeira e gestão de riscos, utiliza ativos securitários como ferramenta principal de atividade.

O especialista ainda é membro da Million Dollar Round Table (MDRT), com a graduação Court of The Table. A MDRT é a maior e mais conceituada associação internacional dos profissionais do mercado securitário e financeiro, que congrega no Brasil menos de 2% dos melhores especialistas do ramo com essa certificação. É Country Chair Brazil do Membership Communications Committee Brazil, representando todos os membros brasileiros da MDRT. É inclusive, o presidente m! ais novo da associação que já tem 92 anos de trajetória. Faz parte do Board do LP Experience, que tem o intuito de aperfeiçoar, desenvolver e fomentar intelectualmente o mercado securitário e financeiro brasileiro.

Serviço

Lançamento do livro “Xeque-mate”
Autor: Tiago Melo
Data: 22 de abril de 2019, segunda-feira
Horário: Das 19h às 22h
Local: Aberje (Rua Amália de Noronha, n° 151, 6° andar, Pinheiros)
Preço do livro: R$ 150,00
Confirmação de presença no evento: neste link.

Feriado requer atenção dobrada com velocidade e ultrapassagens nas estradas 304

Feriado requer atenção dobrada com velocidade e ultrapassagens nas estradas

Especialista indica que educação, fiscalização e calendário de campanhas e ações podem contribuir com diminuição de acidentes e óbitos no trânsito

Com a chegada da Páscoa, muitos brasileiros já estão planejando viagens e passeios em família. Neste período, porém, são recorrentes os flagrantes de condutores que extrapolam o consumo de bebidas alcoólicas, realizam ultrapassagens incorretas ou deixam de utilizar equipamentos de segurança, o que intensifica os riscos de acidentes e mortes no trânsito. No ano passado, entre 29 de março e 1º de abril, a Polícia Rodoviária Federal registrou leve queda em óbitos nas rodovias federais do país: de 83, em 2017; o número caiu para 70, em 2018.

Mesmo com queda no número de fatalidades, o número de infrações por conduta perigosa continua alto. Excesso de velocidade e ultrapassagem irregular foram, assim como nos últimos feriados, as condutas mais registradas pela PRF. Foram 59.673 imagens capturadas pelos radares fotográficos por velocidade acima do limite – somadas às 68 mil autuações deste tipo em 2017, a média é de 63,8 mil nos últimos dois anos.

Já o índice de ultrapassagens irregulares foi de 5.198 no período de Páscoa passado. O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê multa para ultrapassagem indevida em dois casos: quando é feita em faixa contínua ou em manobra perigosa, como em curvas, aclives, acostamentos, disputas de corridas, entre outros. Essas são as condutas mais lesivas quando resultam em acidentes. Ainda no feriado da Semana Santa do último ano, também foram multados 760 condutores por associação de álcool e direção e 460 por falta do uso de cadeirinha.

A especialista em educação digital e diretora da Procondutor, empresa especializada em formação e capacitação de condutores, Claudia de Moraes, defende o uso de equipamentos de segurança para crianças e animais. “Os itens obrigatórios para crianças e pets são tão imprescindíveis para a segurança deles quanto o uso do cinto é para os adultos”, afirma.

Para ela, a fiscalização deve ser aliada a outros dois fatores. “Além do aumento da fiscalização, a educação é o melhor caminho para a diminuição de acidentes. No entanto, paralelamente a ela, é fundamental que haja um calendário de campanhas e ações efetivas em relação a esses temas”, sugere Claudia.

O Brasil é o 5º país no ranking com mais mortes de trânsito no mundo, totalizando 47 mil por ano, o equivalente a um óbito a cada 12 minutos. A fiscalização tem ajudado a inibir os motoristas quando o assunto é condução perigosa, mas o caminho é longo para que a população se conscientize totalmente sobre o seu papel no trânsito. “A primeira ação para uma mudança de cenário é a educação, que, inclusive, deve ser prioridade. Isso faria com que os condutores respeitassem mais as leis de forma consciente, ao invés de acharem que o único prejuízo ao cometerem imprudências é somente no próprio bolso”, conclui Claudia.

Desafios e oportunidades para saúde suplementar com a nova legislação de dados 214

Desafios e oportunidades para saúde suplementar com a nova legislação de dados

Assunto é tema de palestra que será apresentada no 10º Seminário Unidas

A Lei Geral de Proteção de Dados tem como objetivo proteger a privacidade e os dados de pessoas, principalmente no meio digital. Considerando esse contexto digital em que a sociedade está inserida, quais são os desafios, principalmente das empresas, de estar em conformidade com a lei e qual a sua importância? É essa discussão que o advogado Marcelo Crespo, doutor e mestre e direito pela Universidade de São Paulo (USP) e especialista em direito digital, pretende trazer no 10º Seminário Unidas, no dia 29 de abril, em Brasília.

O advogado acredita que para o setor de saúde suplementar a conformidade com a legislação se faz ainda mais necessária e deve ser tratada com atenção especial pela agência reguladora e a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). “Essas empresas dependem de informações precisas e detalhadas sobre seus usuários e, portanto, coletam uma infinidade de dados pessoais, muitos deles são dados sensíveis e possuem disposições adicionais que devem ser observadas”.

Para ele, o grande desafio do setor é realizar um correto e aprofundado mapeamento de dados que gere uma matriz de uso dos dados pessoais utilizados pelas empresas, definindo quais deles são considerados sensíveis, e por fim, fazer uma adaptação documental de suas políticas de gestão e de privacidade para garantir sua conformidade com a legislação.

A palestra do especialista tem ainda o objetivo de mostrar a importância das empresas se prepararem para estar em conformidade com a Lei de Proteção, além de abordar os riscos da não conformidade, que podem acarretar sanções administrativas que vão de advertências a multas elevadas de até R$ 50 milhões, impactando diretamente o resultado financeiro das corporações.

Para Marcelo Crespo, a relevância da discussão sobre o direito digital, que tem sido feita em vários países, em especial na União Europeia e no Brasil, está relacionada principalmente com a necessidade de se manter a privacidade de dados. “Com o avanço das tecnologias e análises em Big Data, cada vez mais somos expostos em nossas atividades cotidianas, preferências gastronômicas, políticas, nossa saúde”, finaliza.

Sobre o 10º Seminário Unidas

O 10º Seminário Unidas será realizado nos dias 29 e 30 de abril, no Windsor Plaza Hotel, em Brasília, no Distrito Federal. Ao promover o seminário anual, a UNIDAS proporciona a difusão de conhecimento, a troca de informações e o debate de experiências em gestão de saúde para estimular a reflexão com todos os agentes do segmento, proporcionar relacionamento entre as filiadas, seus gestores e os representantes do mercado.

Serviço

10º Seminário UNIDAS – Gestão das informações em saúde como estratégias para tomada de decisão.
Palestra: Lei Geral de Proteção de Dados: desafios e oportunidades para a conformidade legal.
29 de abril, 11h40min às 12h30min.
Local: Windsor Plaza Hotel – Brasília-DF

Mais informações: neste endereço.

AXA recebe assessorias de todo o Brasil em São Paulo 323

AXA recebe assessorias de todo o Brasil em São Paulo

Evento aconteceu na sede da seguradora e reuniu 28 assessorias

A AXA reuniu assessorias de todo o Brasil para um encontro de aproximação e troca de experiências, com a participação de executivos das áreas Comercial, Técnica, Produtos, Marketing e Atendimento. O evento foi realizado na sede da empresa em São Paulo com a presença de 57 pessoas, com representantes de 23 assessorias

A vice-presidente Comercial e Marketing, Erika Medici, abriu o evento falando sobre o momento da companhia e os desafios para atingir a meta de R$ 1,5 bilhão em prêmios em 2019, um crescimento de cerca de 40% sobre o ano passado. “Estamos vivendo um processo intenso de mudanças, iniciando o segundo capítulo da AXA no Brasil e as assessorias são parceiras fundamentais nesse projeto. Vocês fazem parte da nossa equipe comercial e as portas da AXA estão abertas para vocês”, afirmou com firmeza para a plateia formada por parceiros de todo o Brasil.

As assessorias conheceram a nova estrutura da Filial Digital, responsável pela governança destes parceiros, e tem foco em corretores que querem iniciar ou ampliar o relacionamento com a companhia. “Nessa estrutura, os corretores vão encontrar suporte às vendas, treinamentos, e-learnings e ferramentas de marketing. Costumo dizer que esse é a porta de entrada para o mundo AXA e as possibilidades que temos. Nosso objetivo é levar o corretor para um novo patamar dentro do negócio”, explica Karine Brandão, Diretora Comercial RJ, ES e Filial Digital.

A programação contou ainda com uma sessão de discussão e debates para que as assessorias pudessem expor os desafios que enfrentam no corpo a corpo com os corretores e o que esperam desse novo momento da parceria com a AXA.