O seguro garantia e a retomada do desenvolvimento 730

O atual presidente da CNseg, Marcio Serôa de Araujo Coriolano

Confira artigo de Marcio Serôa de Araujo Coriolano, economista e presidente da CNseg

Nos últimos 30 anos, o Brasil enfrentou – e venceu – desafios imensos. Nos anos 1990 derrotou a hiperinflação e, nas décadas seguintes, superou os efeitos de grandes terremotos financeiros internacionais. Agora, recém-saído da pior recessão desde os anos 1930 e com o início do novo governo, o País tem pela frente mais um grande desafio: avançar nas reformas necessárias ao inadiável ajuste fiscal – com destaque para a reforma da Previdência, – sem abrir mão de uma agenda de retomada do crescimento econômico com justiça social.

A infraestrutura ocupa lugar central nessa agenda.  Investimentos no setor significam melhoria da qualidade de vida dos brasileiros em áreas fundamentais como saneamento e mobilidade urbana, geração de empregos e a ampliação da presença competitiva do Brasil na economia global, com mais e melhores ferrovias, rodovias, aeroportos, portos e bons serviços de energia elétrica, telefonia e outros. Em um momento no qual o País decidiu abandonar modelos que derrubaram o emprego e a renda média, viabilizar investimentos em infraestrutura é algo estratégico para a reconstrução, modernização e reconstrução da vida nacional.

Nesse cenário, a Confederação das Seguradoras (CNseg) considera que a inserção do seguro garantia obrigatório para grandes obras públicas é tema prioritário. Trata-se de uma modalidade de seguro que reforça o arcabouço para a estruturação de financiamento e garante o cumprimento das obrigações assumidas pelo contratado, eliminando a necessidade de recorrer a garantias como o patrimônio das empresas (o que frequentemente põe em risco sua sobrevivência) ou fianças bancárias (que já se demonstraram ineficazes para as amortizações de longo prazo características dos empreendimentos de infraestrutura). O objetivo é garantir que a obra seguirá no ritmo esperado, e que a construtora contratada será rapidamente substituída por outra se abandonar os trabalhos.

O seguro garantia é instrumento crucial para melhorar a qualidade, a transparência e a execução de projetos governamentais, em parceria com a iniciativa privada, e deixar para trás um modelo que resultou na paralisação de milhares de empreendimentos. Estudos recentes dão conta de que existiam em 2016 mais de 2.500 obras paralisadas no Brasil, sendo pouco mais de 500 delas de infraestrutura.  Ainda que muitas tenham sido retomadas, esses são números preocupantes. Obras paradas significam população privada de serviços, e dinheiro do contribuinte escorrendo pelo ralo – além de configurar sinal negativo para potenciais investidores. De acordo com o Ministério do Planejamento, a maior parte das paralisações acontece por problemas técnicos, abandono da obra pela empresa responsável e dificuldades financeiras.

São informações que reforçam a importância do seguro garantia, figura que já existia nos Estados Unidos do século XIX para apoiar obras voltadas ao desenvolvimento do país e dar bom destino aos impostos pagos pelos cidadãos. Em 1893, o Congresso americano aprovou o “Heard Act”, estabelecendo a obrigatoriedade das garantias em todos os contratos governamentais, dando mais segurança à aplicação dos recursos públicos. A primeira seguradora especializada nessa modalidade de seguro surgiu em 1895, na Filadélfia.

No Brasil, o tema precisa de mais atenção. Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 6814/2017 (apensado ao PL 1292/1995), que prevê alterações na Lei de Licitações, com a adoção de seguro garantia obrigatório para obras acima de R$ 100 milhões, e ampliação da garantia para 30% do valor do empreendimento. A lei atual já permite (mas não obriga) a contratação de seguros, que podem variar de 5% a 10% do valor da obra. Hoje, a maioria dos seguros é de 5%.  Nossa proposta para o novo seguro garantia tem como parâmetros práticas do mercado internacional.

Existe um largo atraso a superar. Os investimentos nesse setor não passam de 1,67% do PIB, quando o ideal seria uma taxa de 4% a 5%, ou algo em torno de R$ 300 bilhões por ano ao longo de uma década. O desafio é grande, mas entendemos que há motivos para estarmos otimistas. Apesar de persistirem incertezas no horizonte, a confiança começa a retornar. A Fundação Getúlio Vargas registrou, em janeiro, o primeiro resultado positivo no Índice de Clima Econômico depois de três trimestres consecutivos de níveis negativos, o que significa expectativa de retomada de investimentos e contratações. E os movimentos iniciais do governo federal são alentadores.

Na infraestrutura, que voltou a merecer um ministério, o plano é realizar leilões de 23 concessões de aeroportos, ferrovias e terminais portuários dentro dos primeiros cem dias de governo. Já se percebe também movimentação de investidores interessados em explorar as possibilidades de parceria em obras públicas. Os empreendimentos necessários a dotar o país de infraestrutura compatível com seu tamanho e importância na geopolítica mundial envolve desafios logísticos relevantes e exige atualização de marcos regulatórios, o que confere ao seguro garantia importância ainda maior.

No mundo inteiro, o setor de seguros passou a fazer parte da pauta de mudanças de políticas macroeconômicas pelas quais, em maior ou menor grau, todos os países passam hoje, com menor participação dos governos em setores como saúde, previdência e infraestrutura.  No Brasil, queremos estar no centro das políticas públicas, junto com o setor de resseguros em coberturas de grande valor, fundamental para o equilíbrio do sistema, como garantidor da atividade seguradora. O apoio ao desenvolvimento brasileiro será o tema do 8º Encontro de Resseguro, que se realiza em abril, no Rio de Janeiro.

No Brasil, o setor de seguros dispõe de ativos para garantir riscos assumidos da ordem de R$ 1,2 trilhão, equivalentes a 25% da dívida pública brasileira, montante que o posiciona entre os grandes investidores institucionais do país.

As seguradoras estão preparadas e confiantes na recuperação, apostando que é possível devolver ao Brasil o desenvolvimento frustrado, a melhoria da infraestrutura, a competitividade, a liberdade de empreender e a reconquista do emprego.

4 cuidados com a saúde bucal em tempos de pandemia 415

4 cuidados com a saúde bucal em tempos de pandemia

É essencial manter alguns cuidados

O novo coronavírus acabou transformando a vida de pessoas de todo o mundo. Uma situação atípica se instalou e a rotina acabou se transformando completamente. Contudo, é essencial manter alguns cuidados, como a prática de exercícios, além de manter a saúde bucal em tempos de pandemia.

Sabemos que muitas pessoas tiveram uma grande impacto em suas tarefas e, por isso, acabam passando por situações estressantes e até atípicas com o trabalho remoto e outras atividades sendo feitas dentro de casa.

Por isso, o nosso organismo acaba sendo afetado com algumas doenças cardíacas, mentais e até mesmo bucais. 

Neste artigo, vamos te auxiliar com 4 cuidados essenciais que toda pessoa deve ter em tempos de pandemia. Continue lendo e descubra quais são. 

Qual a importância de uma boa saúde bucal?

O nosso corpo funciona como uma grande máquina. Logo, quando uma única peça se desgasta, há uma pane total.

Do mesmo modo acontece com o nosso organismo, se existe algum problema ( independentemente do órgão), todo o restante fica prejudicado. 

Na pandemia, maus cuidados alimentares e a falta de atividade física podem causar algumas doenças bucais como:

  • Bruxismo;
  • Gengivite;
  • Cárie;
  • Halitose.

É justamente por isso que é essencial ter um bom cuidado com a sua cavidade bucal e procurar meios de estar sempre protegido, estando em contato contínuo com o seu convênio dental ou com o seu dentista particular. 

Os 4 principais cuidados com a saúde bucal na pandemia

A fim de prevenir as doenças bucais que citamos anteriormente, separamos esta lista com os cuidados fundamentais que você deve ter, principalmente durante a quarentena.

Eles são:

  • Evite colocar as mãos na boca

Sabemos que muitas pessoas possuem o hábito de roer as unhas e, repetidas vezes ao dia, se pegam com a mão na boca. 

Esta prática, além de já ser bastante prejudicial para a saúde pois existem diversos germes e bactérias que se acumulam debaixo das unhas, durante a pandemia se torna ainda mais grave.

Isso porque há o risco de ter contato com o coronavírus e, consequentemente, fazer com que haja a contaminação por via oral. 

Portanto, é importante fazer o uso de álcool gel sempre que estiver fora de casa e de forma alguma coloque suas mãos na boca ou nos olhos. 

Vale ressaltar que esta prática também pode ocasionar outros problemas como a gengivite. Afinal, as bactérias presentes nas mãos podem se instalar entre os dentes e a gengiva causando uma inflamação.

  • Tenha uma dieta balanceada

Devido a drástica mudança de rotina, muitas pessoas acabam desenvolvendo maus hábitos alimentares.

Pela praticidade e rapidez, a procura por delivery e alimentos industrializados cresceu significativamente.

Entretanto, esta prática pode fazer com que haja o aparecimento de cáries e até mesmo o amarelamento dos dentes, devido a presença de corantes.

Por isso, prefira alimentos saudáveis, ricos em vitaminas e proteínas. Dessa forma, os seus dentes estarão fortes e resistentes. 

Além do mais, ter uma dieta equilibrada auxilia no aumento de sua imunidade, fazendo com que todo o seu organismo esteja mais protegido.

  • Hidrate o seu corpo

Ingerir ao menos 2 litros de água por dia pode fazer com que a sua saúde bucal seja de qualidade.

Manter o corpo hidratado, além de liberar toxinas presentes no corpo, pode fazer com que haja maior produção de saliva e aconteça a limpeza dos dentes com mais frequência. 

Sabemos que durante a pandemia muitas pessoas acabam se esquecendo de tomar a quantidade correta de água, porém, é possível criar alguns métodos para se lembrar. 

Utilizar garrafinhas de água, colocar alarmes no celular e fazer uso de aplicativos personalizados justamente com essa finalidade podem ser excelentes formas de aumentar o seu consumo de água. 

Converse com o seu dentista regularmente

Não há dúvidas, o dentista é a pessoa mais adequada para cuidar de sua saúde bucal. 

Devido ao direcionamento do Conselho Federal de Odontologia, as consultas presenciais serão feitas a partir da detecção de alguma emergência.

Portanto, caso você queira usar o seu convênio dentário com fins estéticos, o mais indicado é esperar até o fim da pandemia.

A fim de auxiliar nesta filtragem, os profissionais da odontologia foram aconselhados a realizarem um tipo de triagem à distância, podendo ser via online ou ligação telefônica. 

Dessa forma, é possível garantir que não haverão pacientes expostos sem necessidade.

Porque ter um plano odontológico?

Fazer uso de um convênio odontológico pode fazer com que os cuidados com a sua saúde bucal sejam ainda mais fáceis. 

Isso porque ao invés de gastar a cada consulta e exame realizado, é possível pagar apenas uma taxa fixa mensal e conseguir usufruir de uma ampla rede credenciada. 

Dessa forma, é possível realizar consultas preventivas, acompanhamento especializado e um atendimento sempre que precisar. 

Afinal, existe plano odontológico que permite um atendimento 24 horas a fim de te auxiliar a qualquer hora do dia, principalmente na pandemia

Enfim, coloque estas dicas em prática e não se esqueça de uma boa higienização. Afinal, a prevenção sempre será o melhor remédio! 

*Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe da Ideal Odonto, empresa especializada em planos odontológicos com atendimento acessível para devolver o sorriso dos pacientes.

Rogério Spezia é escolhido Executivo do Ano em premiação do CVG-RS 394

Rogério Spezia é Diretor Comercial Varejo Sul da Tokio Marine / Divulgação

Reconhecimento destaca o trabalho contínuo em prol da disseminação da cultura do seguro no País

A Tokio Marine, uma das maiores Seguradoras do País, foi reconhecida no Prêmio Destaques CVG-RS 2020, promovido pelo Clube de Seguros de Vida e Benefícios do Rio Grande Do Sul (CVG-RS), por meio de seu Diretor Comercial Sul, Rogério Spezia. Vencedor da categoria Executivo do Ano, Spezia atribuiu a premiação ao incansável trabalho de toda a equipe da Seguradora para promover o aculturamento e conscientização da sociedade para proteger o seu maior bem, que não é material e sim pessoal. A Tokio Marine também foi destaque da premiação, ficando entre as três Melhores Seguradoras no ranking, e Marcio Casagrande foi eleito o Melhor Comercial de Seguradora da Região Grande Porto Alegre.

“Essa conquista é fruto de um esforço coletivo dos colegas da Tokio Marine que se dedicam incansavelmente para entregar produtos e serviços de extrema qualidade”, afirma o executivo. Ainda segundo Spezia, de maneira geral, o Seguro de Vida vem crescendo muito no Brasil, se destacando, inclusive, diante de outras carteiras já tradicionalmente consolidadas no País.

Especificamente sobre o Seguro de Vida, Rogério Spezia enfatiza que “falamos constantemente de proteção pessoal, proteção familiar e proteção financeira. De uma forma ou outra, levamos isso como propósito para que as pessoas mudem a sua forma de pensar. Trabalhamos nesse processo de conscientização do mercado como um todo e com o Corretor fazemos o trabalho de capacitação, que não é um treinamento simples de produto, mas sim uma jornada”.

Outro marco importante para a Companhia é o aumento expressivo do número de Corretores que passaram a ofertar o produto. Em 2014 a Tokio Marine contava com aproximadamente 3.500 Corretores com pelo menos uma apólice de Vida ativa. Hoje, esse número ultrapassa os 14 mil Corretores, o que inclui Parceiros de outros segmentos que passaram a trabalhar também com Seguro de Vida. Números estes que refletem um importante esforço da Companhia.

O CVG-RS tem por iniciativa aculturar o mercado de seguros. O objetivo da instituição é integrar os profissionais que atuam com Seguros de Pessoas, promovendo o ramo por meio de cursos, formação e atualização de profissionais, bem como proporcionar um maior conhecimento técnico aos Corretores que operam no segmento. O Prêmio Destaques CVG-RS 2020 está em sua 24ª edição e tradicionalmente reconhece as principais iniciativas e executivos do setor, em votação aberta de integrantes do próprio mercado segurador.

Zurich no Brasil anuncia novo diretor de Personal Lines 427

Zurich no Brasil anuncia novo diretor de Personal Lines

Área é especializada em seguros de auto, residencial e condomínio, além de produtos para PMEs

Rafael Ramalho é o novo diretor de Personal Lines da Zurich no Brasil / Divulgação
Rafael Ramalho é o novo diretor de Personal Lines da Zurich no Brasil / Divulgação

O executivo Rafael Ramalho é o novo diretor de Personal Lines da Zurich no Brasil, área de negócios da companhia especializada em seguros de auto, residencial e condomínio, além de produtos para pequenas e médias empresas. Rafael Ramalho sucede Peter Rebrin, que passou a se dedicar exclusivamente à gestão da AFP Futuro da Bolívia, administradora de fundos de pensão gerenciada pela Zurich.

Com passagens por grandes seguradoras e consultorias internacionais, Rafael atuou nas áreas de precificação, subscrição e finanças destas companhias, bem como desenvolveu projetos de estratégia para grandes empresas do setor financeiro. Sua experiência contribuirá para a expansão dos negócios da Zurich no segmento de Personal Lines.

Rafael Ramalho é formado em engenharia de produção pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e possui um MBA em estratégia, finanças e marketing pela Northwestern University – Kellogg School of Management, dos Estados Unidos.

Sicredi inaugura agência em Poá nesta terça-feira 432

Sicredi inaugura agência em Poá nesta terça-feira / Divulgação

Mais nova unidade da instituição financeira cooperativa está localizada no centro da cidade

A Sicredi Progresso PR/SP abre, nesta terça-feira (24), as portas da sua sexta agência no Alto Tiete. A nova unidade está localizada na área central de Poá e conta com um ambiente diferenciado, prático e funcional. A solenidade de abertura será às 9 horas e seguirá todos os protocolos necessários diante da pandemia.

O grande diferencial é que a agência de Poá disponibiliza um local para coworking exclusivo para colaboradores e associados. Com estrutura moderna e digitalizada, o escritório compartilhado poderá ser usado para reuniões, trabalhos remotos e não terá custo algum para os usuários.

De acordo com o presidente da Sicredi Progresso PR/SP, Cirio Kunzler, as mudanças e adequações nos espaços físicos do Sicredi surgem conforme as necessidades de cada cidade e seus associados, mas os valores da cooperativa seguem os mesmos. “Nosso modelo de negócio cooperativo tem por finalidade ser sempre mais próximo e humano, focado nas reais necessidades financeiras da comunidade onde estamos inseridos. Esse é o nosso diferencial. Estamos muito felizes ao entregar mais uma agência do Sicredi no Alto Tietê. É um privilégio ver o Sicredi chegar em Poá com o propósito de somar e ofertar um jeito diferente de cuidar da vida financeira das pessoas”, destaca.

Ele reforça que o crescimento do Sicredi na região representa o desenvolvimento do sistema financeiro cooperativo, o que também está diretamente ligado aos avanços econômicos dos municípios. “Cada agência inaugurada significa mais um importante passo na consolidação do cooperativismo de crédito, seja no Alto Tietê ou em qualquer outra região do Brasil”.

O gerente de Poá, Maurício Mattos da Silva, está otimista quanto à abertura da nova agência, pois sabe o quanto o Sistema Sicredi pode contribuir com o município e trazer benefícios reais para os associados. “As expectativas são muito boas. Nós somos uma instituição financeira cooperativa que valoriza e faz negócios pensando nas pessoas. Não tenho dúvidas que iremos contribuir muito para o desenvolvimento da cidade”.

A agência de Poá será inaugurada no dia 24 de novembro (terça-feira), às 9 horas, na avenida Antônio Massa, 337, no Centro.

Vice-presidente do Seguro PASI integra livro “Mulheres no Seguro” 424

Serão histórias de 30 grandes executivas do segmento

Buscando mostrar a magnitude e a grandeza do mercado de seguros no país, a Editora Leader irá lançar, no próximo dia 25 de Novembro, o livro “Mulheres no Seguro”. A obra contará a história de 30 grandes executivas que atuam nos principais centros econômicos brasileiros, entre elas, a vice-presidente Executiva do Seguro PASI, Fabiana Resende.

Fabiana ressalta que é uma grande honra estar entre este seleto grupo de profissionais do setor. “É um livro sem precedentes no mercado segurador, que destaca de forma muito particularizada as histórias por trás de mulheres que conseguiram êxito em suas carreiras. Acredito que servirá de inspiração para muitas mulheres que estão começando no mercado ou que ainda não obtiveram o sucesso desejado profissionalmente”, disse a executiva.

Fabiana também pontuou que os leitores podem esperar um livro que vai bem além do mercado. “Por trás de cada história há inúmeros aprendizados e lições que certamente agregarão valor para todos os leitores e vão bem além dos aspectos profissionais. Gosto muito da diversidade de perfis das mulheres do livro, pois podemos ter uma visão quase 360° das diversas áreas do mercado segurador. Sem dúvida é um livro não só para as mulheres”.

“Inicialmente foram quase 200 mulheres indicadas e contatadas para o projeto, que resultou nessas 30 das quais me incluo. Tenho apenas 37 anos de idade e sou uma das mais novas do grupo, então especialmente por isso acabou sendo ainda mais gratificante o convite, pois apenas com 15 anos de trajetória em minha carreira profissional consegui alcançar feitos marcantes que chamaram a atenção do nosso tão competitivo mercado segurador”, destaca Fabiana.

A curadoria ficou por conta de Regina Lacerda, coordenadora convidada do livro e CEO da Rainha Seguros. “Mulheres no Seguro entra na história porque chama a atenção de gestores e influenciadores para que diminuam, na seguridade, os limites de crescimento ainda impostos às mulheres do setor. As mulheres podem chegar aonde elas quiserem, mesmo num mercado com tradição masculina. É preciso acreditar para conquistar uma posição”, disse a CEO.

“As mulheres estão ocupando os mais destacados ambientes sociais e profissionais. Isso enche o nosso coração de alegria. Quando há restrições femininas para ocupar cargos e outros espaços, o mundo perde oportunidades de crescimento e desenvolvimento. Nosso projeto busca mostrar, justamente, como a presença da mulher é importante em diferentes aspectos”, conta Andréia Roma, coordenadora geral do projeto e CEO da Editora Leader.

Divulgação
Divulgação

Confira quais são as executivas que estarão presentes no livro:

Regina Lacerda, Alessandra Monteiro, Andrea Mathias, Camila Davoglio, Carolina Vieira, Daniela Paschoal, Ellen Oliveira, Enir Junker, Eva Vazquez, Fabiana Resende, Francesca Bianco, Gisele Christo, Graziella Castilho, Guadalupe de Andrade, Isabel Alves Azevedo, Isabel Barbosa, Liliana Caldeira, Linda Bessa, Margo Black, Patrícia Campos, Paula Lopes, Rosana Techima, Rossana Costa, Simone Cristina Fávaro, Simone Ramos, Simone Vizani, Solange Guimarães, Stephanie Zalcman, Vanessa Capua e Vanessa Rocha.

New Report

Close