O futuro da mobilidade depende da bateria 557

O futuro da mobilidade depende da bateria

Frota contará também com substituição gradativa dos motores

A indústria automotiva vivencia grandes transformações, com ênfase em tecnologias de conectividade no Brasil, afinal cada vez mais os veículos interagem com o usuário e o ambiente. Muitas funções que eram realizadas pelo motorista agora já podem ser feitas pelo veículo, como frear, estacionar ou acionar sistema de socorro em caso de acidentes.

Com a entrada dos veículos elétricos, a frota também contará com a substituição gradativa dos motores a combustão pelos elétricos. Esse movimento inclui também o veículo híbrido, que deve representar um passo relevante no País para alcance de volume de produção, com diversas possibilidades de tecnologias.

Diante deste cenário, marcado pela crescente entrada de componentes eletroeletrônicos nos veículos, sejam de hardware ou software, para a realização de funções inteligentes, as baterias precisam ser cada vez mais confiáveis porque o funcionamento dos sistemas dependerá integralmente da saúde do sistema de alimentação elétrica.

É fato que o futuro do setor automotivo depende do aprimoramento constante em diversos setores da tecnologia, mas em particular a bateria é, sem dúvida, um dos setores que mais tem se desenvolvido e, provavelmente, o que mais se desenvolverá nos próximos anos.

Hoje os veículos elétricos já apresentam desempenho e autonomia em níveis quase comparados aos veículos com motores a combustão. Alguns desafios ainda precisam ser atingidos, como a redução no tempo de abastecimento dos veículos elétricos. Talvez a melhoria de eficiência em carregamento seja o maior dos desafios a serem conquistados.

Com o foco de acompanhar tendências e dar suporte à indústria no desenvolvimento, o IQA começa a oferecer serviços de ensaios químicos para baterias, de acordo com a resolução Conama nº 401, que determina os limites de chumbo, cádmio e mercúrio nos produtos, uma iniciativa que também contribui para a proteção ao meio ambiente.

Esse novo passo do IQA representa uma abertura para o caminho que será trilhado no futuro com a expansão dos veículos elétricos, cujo ponto-chave é a bateria. Quando a questão da bateria estiver solucionada, o desafio da mobilidade elétrica também estará sendo superado.

Esses e outros temas serão abordados no 7º Fórum IQA da Qualidade Automotiva, que receberá lideranças de diferentes segmentos da indústria – como montadoras, autopeças, concessionárias, distribuidores, oficinas, entidades setoriais, consultorias e governo – dia 16 de setembro, no Centro de Convenções Milenium, em São Paulo. Participe!

*Artigo de Sérgio Kina, gerente técnico do Instituto da Qualidade Automotiva (IQA).

Previc aprova convênio de Guarulhos com a Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo 483

Previc aprova convênio de Guarulhos com a Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo

Município altera vinculação de cerca de 14 mil servidores e implanta o benefício da previdência complementar

A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) aprovou o convênio de adesão de Guarulhos à Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo (Prevcom). A Portaria nº 489 do órgão federal publicada no Diário Oficial da União (DOU) de 18/6 autorizou a Prefeitura a integrar o plano PREVCOM MULTI gerenciado pela entidade.

Guarulhos será o 5º integrante do plano multipatrocinado da Prevcom que já conta com Jales, Ribeirão Preto, Birigui e Santa Fé do Sul. Segundo Carlos Henrique Flory, presidente da Fundação, a parceria com a cidade é importante por seu porte. Com 1,3 milhão de habitantes, é a segunda maior do Estado. No ranking nacional, ocupa a 13ª posição no País, sendo a maior entre as não capitais.

A implantação do novo regime vem também acompanhada de uma iniciativa arrojada da administração municipal. A Prefeitura aprovou a Lei nº 7696 que promove a transposição de cerca de 14 mil funcionários públicos vinculados à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para o Estatuto Municipal, alterando seu Regime Previdenciário ligado ao INSS que passa, após a homologação do texto legal, a integrar o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) com o benefício da previdência complementar e aposentadoria fixada pelo teto do INSS, de R$ 5.839,45.

A medida reconhece os direitos de todos os funcionários municipais, unifica a condição dos servidores, garantindo a irredutibilidade salarial, o cômputo do tempo de serviço como celetista para fins de concessão dos benefícios como estatutário e realiza no mesmo movimento a reforma de seu sistema previdenciário, organizando assim um sistema mais sustentável para o pagamento das aposentadorias dos servidores.

A parceria com um dos maiores municípios do País traz um potencial de crescimento significativo para o plano multipatrocinado da Prevcom. Do total de pessoal envolvido na transposição, cerca de 1,5 mil ganham salários acima do teto do INSS. Este passa a ser o primeiro grupo de inscritos no plano da entidade.

O regime de previdência complementar se aplica a todos os servidores dos poderes Legislativo, Executivo, autarquias, fundações vinculados ao Regime Próprio e comissionados. A adesão será automática para os novos servidores desde a entrada em efetivo exercício e para os funcionários ativos com salários acima do teto do INSS, a partir da transposição que ocorre neste mês de junho.

De acordo com o novo sistema, o participante ligado ao regime estatutário contribui com o percentual de 7,5% para o plano multipatrocinado podendo optar por outra alíquota se assim desejar. A prefeitura, como patrocinadora, participa da construção de seu patrimônio com um percentual equivalente, aplicado sobre a parcela do salário que exceder o teto, respeitando o limite de 7,5%. Os servidores não enquadrados nas novas regras também podem aderir ao benefício, sem a contrapartida do patrocinador.

Thinkseg aborda o futuro do mercado de trabalho em webinar 311

Thinkseg aborda o futuro do mercado de trabalho em webinar

Fundador da Teya, rede de iniciativas de aprendizagem, é o convidado da próxima edição

O mundo está mudando tão rápido que um profissional que antes estava preparado para exercer sua função aos 25 anos não está mais aos 45. Esta é apenas uma das ideias defendidas por Conrado Schlochauer, fundador da Teya, rede de iniciativas inovadoras em aprendizagem, e o convidado para a sexta edição do Webinar do Grupo Thinkseg, que será realizado amanhã, às 16h.

Ao lado de Andre Gregori, ex-BTG Pactual e CEO do Grupo Thinkseg, o especialista em learning tech abordará o futuro do mercado de trabalho e a crescente necessidade dos profissionais aprenderem continuamente para não ficarem para trás. Além de fundador da Teya, Schlochauer foi um dos criadores da Afferolab, considerada a maior empresa de Aprendizagem Corporativa do Brasil. Nos últimos 20 anos, auxiliou em pesquisas, inovação e desenvolvimento de programas de Liderança, Jovens Talentos e Transformação Digital para mais de 300 das mais renomadas empresas no Brasil.

Com inscrições gratuitas, o Webinar Thinkseg é realizado mensalmente com o objetivo de promover a troca de ideias e experiências sobre diferentes assuntos, que vão desde inovação e tecnologia até empreendedorismo e o mercado de seguros. Toda edição conta com a presença de convidados especiais que possam contribuir com as temáticas discutidas.

Serviço

Webinar: Prepare-se para o futuro do mercado de trabalho
Data: 25 de junho de 2019
Horário: 16h
Inscrições gratuitas: neste endereço.

Licitações públicas para micro e pequenas empresas: confira principais benefícios 863

Licitações públicas para micro e pequenas empresas: confira principais benefícios

Existem diversas vantagens para empresas que desejam firmar contratos com a Administração Pública

Em 2018 o Governo Federal abriu cerca de 39 mil processos de licitação, desse total, pelo menos 19 mil contaram com a participação de pequenas e médias empresas (PME´s). Segundo o Portal do Empreendedor, no Brasil, existem mais de 6 milhões de ME´s (Microempresas) e EPP´s (Empresas de Pequeno Porte). As micro e pequenas empresas possuem preferência em relação aos processos licitatórios, porém, ainda são minoria na hora de garantir o contrato com a Administração Pública. Em 2018, por exemplo, apenas pouco mais de 5 mil micro e pequenas empresas venceram licitações com a Administração Pública.

Para ser considerada microempresa, a receita bruta anual precisa ser igual ou inferior a R$ 360 mil. No caso de empresas de pequeno porte, enquadram-se aquelas que possuem receita bruta anual superior a R$ 360 mil e igual ou inferior a R$ 3 mi e 600 mil. Existem inúmeros benefícios para empresas ao firmarem contratos com o Poder Público. Vender produtos e serviços para o Estado pode representar uma oportunidade eficiente, especialmente para ME´s e EPP´s que estão em processo de crescimento no mercado.

Na maioria das licitações, as micro e pequenas empresas concorrem com grandes empresas, que já possuem experiência no mercado. A falta de infraestrutura e de recursos pode representar outro grande problema. Com o objetivo de incentivar a abertura e bom funcionamento de micro e pequenas empresas, o Congresso Nacional aprovou a criação da Lei Complementar n° 123 de 2006, conhecida como Estatuto Nacional da Microempresa e Empresas de Pequeno Porte. No entanto, somente com a vigência do decreto 8.538 de 2015 é que os benefícios às ME´s e EPP´s foram realmente aplicados. O decreto estabeleceu certo equilíbrio durante a concorrência, e as ME´s e EPP´s tiveram suas obrigações administrativas, tributárias e previdenciárias simplificadas. Entre os principais benefícios:

  • O Estatuto define processos licitatórios exclusivos para micro e pequenas empresas. Neste caso, os valores dos contratos não podem ultrapassar o valor de R$ 80 mil;
  • É possível que médias e grandes empresas vencedoras de processos licitatórios subcontratem micro e pequenas empresas. Para esta categoria, a principal exigência é que a subcontratação não ultrapasse 30% do valor total do contrato;
  • Outra vantagem é que ME´s e EPP´s, ao participarem de licitações para o fornecimento de bens para pronta entrega ou para locação de matérias, não sejam obrigadas a apresentarem o balanço patrimonial do último exercício social;
  • Caso uma micro ou pequena empresa apresente uma proposta de 5% a 10% com valor maior que as outras empresas participantes do processo licitatório, a situação é considerada empate fictício. Se isso acontecer, é apresentado a ME ou EPP as propostas das concorrentes, o que possibilita às micro e pequenas empresas cobrirem a oferta;
  • Durante o processo licitatório, as empresas participantes devem comprovar a inexistência de débitos por meio de certidões negativas, ou seja, comprovar a regularidade fiscal, para só então serem habilitadas a participar do processo, porém, para micro e pequenas empresas, essa regularidade pode ser atestada somente após a fase da habilitação, garantindo assim mais tempo caso a ME ou EPP possua alguma irregularidade. O prazo para a regularização é de cinco dias, caso vença a licitação.

Além destes, existem outros benefícios para aquelas ME´s e EPP´s que desejam firmar contratos públicos. Apesar do Estatuto e do Decreto estarem relacionados à Administração Pública Federal, estados e municípios podem usar tal legislação para criar maneiras mais eficientes e democráticas que possam beneficiar microempresários e empresas que estão iniciando no mercado regional ou nacional. Uma forma de estimular a economia do município, além de aumentar a competitividade.

Como superar os desafios?

Para Alfredo Dezolt, diretor executivo da UGP Brasil, empresa especializada em licitações e contratos públicos, um dos principais obstáculos apontados para as ME´s e EPP´s na participação em processos licitatórios é o fato de a maioria dessas empresas não possuírem profissionais qualificados e que tenham a capacidade de interpretar os editais licitatórios. “Para que uma organização, independentemente do porte ou estrutura societária, possa executar contratos administrativos firmados com instituições públicas, a qualificação profissional dos seus funcionários é imprescindível. Haja vista que a maioria das ME´s e EPP´s não dispõe de recursos financeiros para esses fins, a terceirização desses serviços pode ser uma opção viável para uma efetiva participação em processos licitatórios”.

O Diretor Executivo explica que a falta de capacidade técnica das empresas resulta em diversas oportunidades perdidas. Ele aponta que a partir de 15 de julho, a UGP Brasil irá conduzir o curso básico sobre licitações públicas. O conteúdo foi pensado, segundo Dezolt, para suprir a falta de pessoas que sejam capacitadas para formular propostas licitatórias eficientes, especialmente num mercado que vem crescendo e que possui diversos benefícios para as empresas participantes.

Zurich é a seguradora oficial da 23ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo 1320

Zurich é a seguradora oficial da 23ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo

Ação reforça o comprometimento da seguradora com a Diversidade e respeito aos Direitos Humanos; evento deve reunir mais de 3 milhões de pessoas

A Zurich, companhia global com mais de 80 anos de atuação no mercado brasileiro, será a seguradora oficial da 23ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, considerada a maior do mundo. O evento, que acontece no próximo domingo, 23 de junho, na Av. Paulista, com expectativa de atrair mais de 3 milhões de pessoas, terá cobertura de Responsabilidade Civil Geral da Zurich.

“Para nós, da Zurich, é muito gratificante ser a seguradora da maior Parada do Orgulho LGBT do mundo. A parceria reforça o nosso comprometimento com a diversidade, respeito aos Direitos Humanos e a promoção de uma sociedade cada vez mais inclusiva”, comenta Edson Franco, CEO da companhia no Brasil.

As práticas da Zurich para os assuntos de Diversidade crescem ano após ano. “Hoje, temos dez compromissos públicos assinados em prol dessa temática, em linha com o Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, e as certificações EDGE (Economic Dividend for Gender Equality) e Stonewall Top Global Employers 2018. Buscamos promover um ambiente de trabalho mais igualitário e sem preconceitos. Somos, inclusive, reconhecidos como uma marca amiga e empregadora LGBTI+”, acrescenta John Liu, Diretor Executivo de Investimentos da seguradora e sponsor do Pride, grupo criado pela Zurich para desenvolver discussões sobre temas como respeito, aceitação e inclusão dentro do universo LGBTI+.

A Zurich também participou, como empresa amiga, de Paradas do Orgulho LGBT em outros países, nas cidades de Zurique, Chicago, Milão, Londres e Tóquio, entre outras.

19 trios e atrações diversas

A organização da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo espera um público de mais de 3 milhões de pessoas para a 23ª edição do evento. Serão 19 trios elétricos, um a mais que o ano passado, com atrações como a ex-Spice Girl Mel C, Iza, Luisa Sonza, Gloria Groove, Aretuza Love, Lexa, Mc Pocahontas e outros. O tema deste ano são os “50 anos de Stonewall”, um conflito entre a polícia e o movimento LGBTI+ que aconteceu em 1969, no bar Stonewall Inn, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, e foi um marco para o ativismo pelos direitos da comunidade.

Coriolano é o convidado do próximo Almoço do Mercado Segurador Gaúcho 1362

Coriolano é o convidado do próximo Almoço do Mercado Segurador Gaúcho

Encontro é realizado há mais de 7 décadas pelo Sindseg/RS

O Sindicato das Seguradoras do Estado do Rio Grande do Sul (Sindseg/RS) anuncia para o próximo dia 10 de julho mais uma edição do seu tradicional Almoço do Mercado Segurador Gaúcho. O encontro, realizado há mais de 7 décadas pelo Sindicato, conta com a ilustre presença de Marcio Coriolano, presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg).

Mais informações sobre a participação ainda serão divulgadas pelo Sindseg/RS. Dúvidas podem ser retiradas em margareth.souza@sindsegrs.org.br ou nos telefones (51) 3221-4433 ou (51) 3221-4960.