Previdência privada: remuneração ou investimento? 648

Previdência privada: remuneração ou investimento?

Especialista esclarece vantagens e desvantagens da aplicação

Diante das incertezas que rondam a aprovação da Reforma da Previdência é de se esperar que muitas pessoas comecem a pensar na previdência privada como alternativa de remuneração futura. Mas afinal, o que significa esse tipo de aplicação? No dicionário, previdência significa “a habilidade de se ver antecipadamente, uma espécie de previsão do futuro”. Se adaptarmos o termo para as Finanças, podemos dizer que a previdência é, literalmente, cuidar do próprio futuro.

Em geral, quanto antes se começa a pensar nisso, melhor é o resultado. Mas nunca é tarde. “Enquanto os mais jovens têm o tempo ao seu favor, quem já tem mais idade tem a vantagem de ter mais poder aquisitivo e uma visão de mundo mais tranquila, paciente, o que é sempre favorável quando se fala em investimentos”, comenta Helen Vogt, líder da área de Previdência da Messem Investimentos, principal escritório vinculado à XP.

Segundo ela, estamos muito acostumados a ouvir o termo previdência para se referir à previdência pública, que faz parte da chamada Seguridade Social. Essa trata-se de um conjunto de medidas públicas que tentam garantir o poder de compra da população mesmo quando ela não pode mais contribuir socialmente com o seu próprio trabalho.

Apesar do objetivo, sabemos que a previdência pública é em muitos aspectos minimamente questionável e que os valores pagos pela aposentadoria pública mal garantem a subsistência de quem se aposenta. “Quem não criar o seu próprio plano, com uma aposentadoria complementar, está fadado a ter seus anos de velhice com dificuldades financeiras”, opina a especialista. Por esse motivo, ele reforça a importância de que cada um faça seu próprio plano, prevendo como vai ser sua própria aposentadoria no futuro.

Helen cita os dois tipos mais conhecidos no mercado: o PGBL e o VGBL. O primeiro é mais indicado para aqueles que fazem a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) completo. Com ele, poderá ser feita a dedução de até 12% da base tributável e paga-se menos imposto a curto prazo. O segundo é mais indicado para quem pensa no longo prazo já que ao final do plano existe a necessidade de pagamento de IRPF sobre o valor auferido, diferente do PGBL, que paga o imposto sobre o montante total investido. Em geral, a diferença entre as duas é a tributação.

Entre os benefícios da previdência privada Helen cita a menor alíquota possível para qualquer fundo de investimento, uma ampla gama de instituições, gestores e estratégias disponíveis no mercado e a possibilidade de portabilidade de plano, sem cobrança do imposto de renda. “Uma previdência privada é, sim, um investimento e deve ser encarada como tal. O ideal é nunca esquecer de que se trata de um dinheiro que você está guardando com a expectativa de que ele tenha bons rendimentos e que será resgatado no futuro”, completa.

Prós e contras da prorrogação da LGPD em meio ao cenário de pandemia 5754

Artigo é do advogado Sahil Bhambhani, da Agrifoglio Vianna Advogados Associados

Em abril do presente ano, o Senado Federal aprovou a prorrogação do início da vigência da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) para janeiro de 2021, sendo que a eficácia das disposições que versam sobre as penalidades foi postergada para agosto de 2021.

É de se entender e apoiar que todos os esforços do país, no momento, sejam destinados a mitigar os efeitos nefastos da pandemia, mas a justificativa dada não possui correlação com elemento essencial à vigência efetiva da LGPD: a implementação da Agência Nacional de Proteção de Dados (ANPD), que ainda não ocorreu. Trata-se do órgão regulamentador da Lei, responsável pela elaboração de estudos e diretrizes da proteção de dados, que funcionará como um elo entre a sociedade e o governo.

A instabilidade regulatória constitui grande óbice ao avanço do país no tema, pois pode implicar em tutela difusa por outros órgãos fiscalizadores, causando insegurança jurídica. Importante denotar, também, que diante da necessidade de isolamento domiciliar de grande parte da população, houve crescimento da utilização das plataformas de teletrabalho e vídeo-chamadas, entre outros, o que ensejou no aumento da circulação de dados pessoais nas plataformas digitais. São informações que continuam a circular sem o tratamento necessário, com possíveis consequências nebulosas para seus titulares.

Sob o prisma econômico, acredita-se que a prorrogação ajudará as empresas, inegavelmente afetadas pela crise, a ganharem tempo para se adequar às diretrizes da Lei. Entretanto, analisando-se a questão sob outro ângulo, o atendimento às disposições legais da LGPD pode constituir um diferencial competitivo para as empresas. Outro ponto importante é a necessidade do Brasil possuir legislação vigente acerca do tema para as empresas locais estarem de acordo com as disposições de outros países – a União Europeia, importante parceira econômica do país, através do General Data Protection Regulation (GDPR), exige que para a troca de dados internacionais entre empresas, o parceiro deve possuir legislação de proteção de dados igual ou superior ao seu nível de proteção. Há o temor, portanto, que as empresas locais sejam prejudicadas no cenário internacional, o que dificultaria ainda mais a retomada do crescimento econômico.

Como se sabe, países como Itália e Espanha, entre outros, sofreram gravemente com o Coronavírus nos meses de março e abril – e foi reforçada a necessidade pela União Europeia (UE) de utilização de dados pessoais anonimizados em meio digital para prever o avanço da doença, avaliar a efetividade das políticas de saúde e ajudar os serviços mais importantes naquele momento. Tudo isto com a atuação do órgão fiscalizador, para que os procedimentos estivessem de pleno acordo com a regulamentação da UE acerca do tratamento destes dados.

A partir do momento em que fosse implementada a ANPD, o Brasil poderia trabalhar da mesma forma, aliando as benesses da tecnologia com o tratamento correto de dados pessoais de seus cidadãos, especialmente os relacionados à saúde, ao passo que são considerados dados sensíveis. Este é o ponto central da questão – a vigência plena da LGPD, com órgão fiscalizador atuante, poderia auxiliar, primordialmente, no combate à pandemia, ao mesmo tempo em que, indiretamente, traria um diferencial para as empresas brasileiras no mercado global.

Não se pretende ingressar em uma dicotomia, com a necessidade de escolha entre a proteção dos dados ou a saúde, mas sim garantir que ambos sejam priorizados e se complementem, afim de mitigar todos os danos causados pela pandemia.

Instituições de crédito e investimentos realizam evento digital 474

Ação conta com a presença do Banco Central, ACREFI e Serasa Experian 

Em decorrência do momento desafiador, a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (ACREFI) e Serasa Experian realizam, na próxima segunda-feira (25/05), um evento digital sobre o “Cadastro Positivo”. Junto com as medidas recomendadas por autoridades de saúde pública – também se faz necessário pensar em soluções que possam agregar no momento atual e na continuidade dos negócios. O evento começa às 15h e para participar basta fazer sua inscrição aqui: https://acrefi.zoom.us/webinar/register/WN_sUCiwE9mSteWranpe3t_YQ

Participarão do evento Otávio Damaso, Diretor de Regulação do Banco Central do Brasil, Hilgo Gonçalves, Presidente da Acrefi, Isaac Sidney, Presidente da FEBRABAN, Elias Sfeir, Presidente Executivo-ANBC, Joaquim Kavakama, Superintendente Geral da CIP, Leila Martins, Chief Data Officer (CDO) da Serasa Experian, Fernando Galbiatti, Diretor de Credit Services da Serasa Experian e mediação de Cleber Martins, Consultor de Operações/Comissões Técnicas da Acrefi.

De acordo com o presidente da ACREFI, Hilgo Gonçalves, o cadastro positivo é benéfico para todos os envolvidos, principalmente neste momento – uma vez que considera o histórico positivo de crédito. “Analisando a experiência dos países que adotaram o cadastro positivo há mais tempo notou-se uma inclusão maior da população desbancarizada, uma redução da inadimplência e das taxas de juros, aumento da taxa da aprovação e, consequentemente, uma expansão da relação crédito/PIB. Prevemos que haverá crescimento futuro desse indicador: em países como o Chile, por exemplo, que implementaram o Cadastro Positivo, essa relação é superior a 100% – e no Brasil estamos abaixo de 50%. A expansão do crédito, de forma consciente, colabora para o crescimento da economia no Brasil”.

Atualmente, o banco de dados conta com informações sobre o comportamento de pagamento no mercado financeiro, mas a lei aprovada do CP prevê a inclusão de informações também das utilities (telefonia, energia, água etc.) e do varejo, compondo um grande banco de dados em benefício dos usuários do sistema de crédito”, explicou.

Por fim, Hilgo ressalta que informações do histórico de crédito facilitam a análise mais precisa possibilitando que o crédito atinja sua finalidade. “Estima-se a inclusão de mais de 20 milhões de cidadãos e também que os Micros, Pequenos e Médios Empresários – grandes geradores de emprego – serão diretamente beneficiados com o Cadastro Positivo”, finaliza Hilgo.

Artigo: Crise na saúde mostra que prevenção é fundamental 501

“Kit básico de precaução é composto pelos seguros de vida e de saúde e os planos de previdência”

Seguro de vida. Seguro saúde. Seguro-fiança. Previdência privada. Indenização por morte pela Covid-19; despesas médicas dos infectados; cobertura de aluguel para quem está em dificuldade financeira; renda complementar ou dinheiro para emergência em situações-limite. Exemplos não faltam de indivíduos e empresas que, por terem investido previamente em determinadas proteções, agora conseguem minimizar, ao menos financeiramente, prejuízos causados pela violenta pandemia do novo coronavírus. Neste momento, há os que encontram algum conforto por saber que estão “cobertos” e outros que pretendem (ou ao menos consideram a possibilidade de) adquirir seguros. Por precaução.

Três das coberturas mais importantes agora são as de morte, invalidez e sobrevivência. O seguro de vida cobre o risco de morte – quando há uma indenização para os dependentes daquele que morreu – e o risco de invalidez, que se concretiza em uma renda, caso a pessoa não possa mais trabalhar. O risco de sobrevivência é suprido pela previdência, que servirá para complementar a renda do titular da apólice.

Seguro de vida

Cobertura financeira caso ocorram imprevistos com o titular da apólice. O seguro de vida cobre assistência funerária, doenças graves, invalidez, morte natural ou acidental e incapacidade temporária. Ao contratar o seguro, é preciso escolher o valor, as condições de indenização e as pessoas que irão recebê-la em caso de morte do segurado.

Previdência

Por meio de contribuições periódicas, o titular acumula recursos para que, ao se aposentar, ele tenha uma renda extra. Ao fim do período, é possível resgatar o valor integral (se o plano for estruturado no regime financeiro de capitalização) ou receber a renda mensal equivalente ao que contribuiu. No benefício de sobrevivência, se o segurado desistir do plano, ele também pode fazer o resgate.

Seguro-Saúde

A função desse plano é oferecer assistência médica e hospitalar em um momento de necessidade. Alternativa à rede pública de saúde, permite que o titular faça exames laboratoriais e consultas médicas onde e com quem escolher – ou seja, não é preciso recorrer a uma rede credenciada. A condição é que o cliente pague pelo atendimento na hora, para ser reembolsado depois pela seguradora. O valor a restituir depende do prêmio contratado pelo segurado – ele é fixo e as condições estão estabelecidas na apólice.

Plano de saúde é o mesmo que seguro-saúde?

Não. As duas modalidades de proteção oferecem assistência médica e hospitalar. A diferença é que o plano de saúde determina que o atendimento seja realizado em uma rede de estabelecimentos credenciados à operadora – ou seja, ao usar o plano, o titular não é livre para escolher médico, hospital ou laboratório. Na consulta ou no exame, não é necessário desembolsar nenhum valor. A tempo: atualmente, muitos planos autorizam o cliente a usar serviços fora da rede credenciada, mediante reembolso. Mas isso é caso a caso. Consulte o corretor.

Cuidados ao contratar

As questões devem ser cuidadosamente analisadas no momento da contratação de um seguro de qualquer modalidade

1. Preencha o questionário de perfil e a declaração de saúde de forma correta, sem omitir nenhuma informação.

2. Confira se as coberturas, franquias e assistências estão de acordo com sua necessidade. Antes de assinar, leia atentamente até as letras mais miúdas.

3. Ao contratar, procure por valor e não somente o menor preço – ainda que seja fundamental lidar com a realidade de seu orçamento.

4. É importante que o corretor conheça no detalhe os produtos que oferece. Ele precisa explicar todas as condições da apólice com máxima clareza. A contratação de um produto deve ser proveitosa para os dois lados, e uma relação de confiança entre cliente e corretor ajuda a obter produtos mais adequados.

Por Adriana Peranovich, corretora de seguros franqueada da rede Seguralta

Veículos parados e higienização: saiba quais cuidados necessários durante pandemia 5160

Oficina RCN Autos está oferecendo serviço de busca

Rodrigo Cardoso é sócio proprietário da RCN Autos. Filipe Tedesco/JRS

O cenário de pandemia também exige cuidados por parte dos apaixonados por carros. Com a orientação de não sair de casa sem necessidade, muitos veículos ficam parados na garagem. O sócio proprietário da RCN Autos, localizada em Canoas (RS), Rodrigo Cardoso, destaca que estacionar o carro com tanque cheio, pneu calibrados, dar a partida e deixar funcionando por pelo menos 10 minutos a cada 10 dias e desconectar a bateria são medidas que evitam futuros problemas mecânicos nessa situação.

Algumas pessoas precisam conduzir seus veículos, seja para irem ao médico, supermercado e até trabalhar. Nesse caso, atitudes devem ser adotadas ao entrar e sair do interior do veículo para evitar propagação do novo coronavírus: “Manter o interior do veículo higienizado com álcool isopropílico ou outro produto específico para limpeza de interiores, já que o álcool gel pode danificar as partes plásticas do interior; manter o carpete e bancos limpos com água e sabão neutro, esvaziar e lavar a lixeira e ter disponível álcool gel para higienizar as mãos ao entrar e sair do veículo”. Ele acrescenta que motoristas que trabalham com Uber estão mais expostos a Covid-19, mas as recomendações são as mesmas. “[Eles] devem utilizar máscara sempre que estiverem dentro do veículo e manter o veículo higienizado”, afirma.

Além disso, a pane mais comum que um automóvel pode dar parado e que deve ser revisada por uma oficina é algum problema na bateria. “Neste caso, o veículo não irá dar a partida e é importante, neste momento, não tentar fazer “ponte” com outro veículo, pois este procedimento, se executado de forma errada, pode causar danos ao sistema elétrico”, explica. “Opte por chamar uma oficina ou solicitar auxílio de seu seguro, se for o caso”, complementa.

Durante o período de isolamento social, a RCN Autos está oferecendo diferenciais aos seus clientes. “Estamos trabalhando com sistema de leva e traz, tanto do veículo quanto do cliente, sempre tomando todos os cuidados de higienização e etiqueta respiratória, e estamos atendendo a domicílio nos casos de veículos que precisam de vistoria de seguro de nossas seguradoras credenciadas”, finaliza. A oficina está lozalicada na Avenida Getúlio Vargas, 4.294, no Centro de Canoas/RS, com atendimento pelo telefone 51 3463-1540 e whatsapp 51 98139-3119.

GBOEX: Ações de aniversário destacam o cuidado com a vida 4428

Campanha visa a valorização dos clientes, associados, corretores de seguros e colaboradores

“No cuidado com a vida, a nossa história encontra a sua.” Esse é o recado que o GBOEX – Previdência e Seguro de Pessoas quer passar para associados, corretores, colaboradores e outros parceiros, neste mês de aniversário. No próximo dia 24, a empresa completará 107 anos de fundação, sempre focada em proteger vidas e em preservar seus valores de tradição, solidez e segurança.

Entre as ações programadas para o mês, destaca-se uma campanha sobre a valorização dos seus clientes, dos associados, corretores de seguros e dos colaboradores, que contribuíram e construíram a trajetória de sucesso da entidade e, neste período de distanciamento social em função da pandemia do novo coronavírus, uniram-se e adaptaram-se. Em regime de home office, os colaboradores, com dedicação, entregam serviços e produtos com a qualidade já conhecida pelo mercado. Os corretores, na medida do possível, também tentam manter a sua rotina de trabalho.

Campanhas motivacionais, e-mails marketing para associados, conveniados e corretores, ações de endomarketing – como informativo on-line “GBOEX Informa”-, anúncios em revistas, portais e emissoras de televisão, além da criação de temas de aniversário para as redes sociais da empresa, são algumas das iniciativas de comunicação que visam reconhecer a importância de todos que fazem parte do dia a dia da empresa. “O objetivo é agradecer a todos que sempre estiveram ao lado da entidade ao longo dos anos e demostrar o orgulho de cuidar do futuro das pessoas, protegendo e assegurando a tranquilidade das famílias”, resume a superintendente de Marketing, Ana Maria Pinto.