Maior evento sobre insurtechs da América Latina reúne grandes especialistas em SP 2397

Startups do setor de seguros e seguradoras compartilham conhecimento e inovação

Uma programação recheada de conhecimento, inovação e troca de experiências marcou a terceira edição do Insurtech Brasil 2019, evento promovido pela Conexão Fintech. Diversos painéis e debates fomentaram conhecimento e troca de experiências, como foi o caso da “Conversa com a Liderança”, realizado na parte da manhã da última quinta-feira, dia 25. Tudo aconteceu na sede da Amcham, em São Paulo.

A CEO da Axa no Brasil, Delphine Maisonneuve, classifica como primordial uma mudança na mentalidade das empresas. “É preciso que queriam experimentar a inovação, mas é necessário que esta transformação faça sentido para a companhia e tenha um real impacto em seus negócios, não apenas porque inovar está na moda”. O CEO da MAPFRE Seguros no Brasil, Luis Gutiérrez Mateo, também segue a mesma linha. “Colaborar, aprender e compartilhar para impactar positivamente nossos clientes, além de gerar novos negócios, promovendo crescimento sustentável. É isso que nos move a inovar”, reitera.

Para Henrique Mazieiro, CEO do Grupo Planetun, a participação da empresa no evento é indispensável. “Um evento como esse é importante para fazer network e mostrar seu desenvolvimento. Eventos como esse viabilizam as novas tecnologias e aproximam as seguradoras das insurtechs, um caminho árduo como é sabido”, explica.

Para Paolo Bonazi, diretor comercial da TEx Tecnologia, o saldo da participação no evento é totalmente positivo. “O mais importante é sempre estar com os olhos abertos, pensar fora da caixa, ver também novas tecnologias que possam agregar aos negócios do corretor. Em minha opinião, tudo que o setor de seguros demorou para evoluir nesse quesito hoje caminha a passos largos, como no caso da inteligência artificial”. O especialista lembra ainda o receio de alguns profissionais do setor em serem substituídos pela tecnologia. “Esse movimento gera uma simplificação para você vender um pouco mais. Você nunca deixará de ser corretor. Nosso modelo de seguros no Brasil é muito particular e a tecnologia está aí para agregar aos negócios deste profissional”, justifica.

Já Carlos Cortez, Diretor Market Management and Direct&Digital LATAM da Allianz Partners, considera relevante estar próximo às startups, seguradoras, corretores e os demais atores do ecossistema. “Vemos como bem relevante a questão de dados, alguns painéis abordaram questões como a privacidade e a regulamentação, pontos que tocam o mercado de uma forma geral. Foi muito importante acompanhar, ver todas as tendências e ver como podemos atender melhor em nossos serviços, com cada uma de suas características”, conta.

Um dos maiores players do setor de assistências no Brasil, a Mondial Assistance também participou do Insurtech Brasil 2019. A Gerente Comercial Sênior, Ana Claudia Calil, considera os investimentos em tecnologia e inovação como “fundamentais”. “Esse é um dos nossos grandes diferenciais: o investimento que fazemos em tecnologia. É, de fato, na prestação de serviço de assistência, tirar o cliente da situação emergencial no menor tempo possível. Só conseguimos fazer isso investindo em tecnologia. Ouvir sobre as startups e novos diferenciais trazem, ainda, a oportunidade de novos negócios. Independente da nossa liderança neste segmento é o que consolida e potencializa essa posição”.

Outra empresa que faz questão de participar de eventos de inovação e tecnologia é a EDR Inspeções e Sinistros. O diretor Mauricio Vieira reitera a importância em saber o que há de novo e o que está sendo feito pelo mercado. “Acredito na troca de experiências e nosso investimento em tecnologia concretiza uma nova insurtech, que será lançada no próximo ano”, revela.

Na opinião de Rossana Costa Schettert, CEO da GEO Big Data, este evento pode ser considerado como uma verdadeira “biblioteca da prática em seguros”. “É o novo seguro. Você vai contratar em um aplicativo ou um site a sua apólice ou a da sua empresa. Assim será com todas as apólices. Ou caminhamos para isso, de forma definitiva, ou teremos que reformular toda a estrutura de nossas empresas. A GEO quer fazer isso em prol do corretor de seguros, nosso único parceiro de negócios”, afirma.

A Coordenadora de Marketing da Previsul Seguradora, Giandra Borges, destaca a programação que reuniu excelentes profissionais. “Estamos com gerentes de projetos, UX, TI e implantação. A companhia sempre valoriza a inovação e busca no mercado mais tecnologia e o que está acontecendo para sempre poder entregar as melhores soluções aos nossos parceiros corretores de seguros”, analisa.

Participante desde a primeira edição, o CEO e Founder da Kakau Seguros, Henrique Volpi, traça um paralelo entre a evolução deste segmento nos últimos anos. “O cenário mudou bastante. Em um primeiro momento havia um distanciamento, mas hoje já existem casos de sucesso. É um trabalho em construção com as seguradoras, que torna tudo muito mais interessante”, avalia. Volpi ainda lidera a primeira entidade de representação de startups ligadas ao mercado de seguros. A Associação Brasileira de Insurtechs foi lançada justamente durante a programação do Insurtech Brasil 2019, com o intuito de aproximar o segmento das discussões em curso pela Superintendência de Seguros Privados (Susep).

Na concepção de Rodrigo Ventura, Founder & CEO da 88 Insurtech, a disrupção cria um panorama totalmente inédito para o segmento. “Aqui começam a surgir inovações, de diferentes tipos. Alguns falam sobre AI, outros de robôs, nós falamos de blockchain, com conexão a aplicativos para celulares. O setor de seguros está se transformando em múltiplas frentes ao mesmo tempo, uma situação totalmente diferente para as seguradoras daquilo que aconteceu nos últimos 200 anos. Olhava-se para o canal de distribuição e produto, não ao cliente. Faziam isso porque tinha a questão da barreira regulatória e de capital intensivo. Agora você tem gigantes de tecnologia que estão transformando tudo”.

O CEO da Euler Hermes, Rodrigo Jimenez, classificou como “indispensável” a participação da maior empresa de seguros de crédito em nível mundial neste evento. “A forma de comercialização e distribuição vem mudando. Não poderíamos deixar de trazer inovações e transformações ao nosso negócio”, classifica. Já Luciano Mendonça, Director of Market Management, Commercial and Distribution (MMCD) da Euler Hermes, conceitua “distribuição” e “parcerias” como as palavras-chave deste verdadeiro congresso de experts em inovação. “Os meios para as parcerias acontecerem já estão dados. Damos todo apoio para que isso aconteça, com produtos bastante customizados”, completa.

Outra empresa em evidência na feira de negócios foi a ExperMed Perícias Médicas. O Founder & CEO, Eduardo Della Giustina, frisa a importância do big data e analytics para sua operação. “Temos visto que, principalmente no que diz respeito a regulação de sinistros. As seguradoras acabam pagando de uma maneira em que não existe assertividade. A partir do momento em que se parametriza o histórico que possuímos de perícias, trazemos redução de custos e também da judicialização”.

‘Desafios e oportunidades em tempos de crise’ é capa da Revista Corretora do Futuro 935

Publicação é da rede Lojacorr

A 32ª edição da Revista Corretora do Futuro traz, como matéria de capa, os ‘Desafios e oportunidades em tempos de crise’. Após esses primeiros meses de adaptações, a Rede Lojacorr, maior rede de corretoras de seguros independentes do País e responsável pela revista, mostra que com bastante esforço, criatividade, análises e pensamento resiliente, é possível manter o ritmo de trabalho, de produção, crescer e criar alternativas de sucesso. Entretanto, para que as ações deem resultado, é necessário entender que o tempo das coisas mudou bastante, que os formatos hoje são bem mais híbridos e que erros podem ocorrer. Mas essa matéria de capa aponta que todas as áreas podem trabalhar em sinergia para desenvolver projetos que façam a Rede crescer em todo o Brasil.

A revista traz ainda a importância do equilíbrio emocional e da comunicação assertiva; conteúdos ricos sobre seguro para médicos, telemedicina e seguro garantia; novas parcerias e inovações no atendimento às corretoras, além do impulsionamento dos negócios da empresa, novos projetos e aceleração digital da Rede. A entrevista exclusiva ficou por conta da CEO da AXA no Brasil, Erika Medici, que trata dos desafios, realizações e como a diversidade é fundamental para uma grande empresa. Essa edição possui ainda conteúdo produzidos por articulistas especializados, como o palestrante e cofundador da plataforma AAA Inovação, Allan Costa, que aborda “Consequências não-óbvias da crise.

A revista é institucional e já está em sua 32ª edição e possui 72 páginas. Tem o projeto gráfico e diagramação realizado pela Ctrl S Comunicação, Ana Clara Baptistella, como Jornalista Responsável e Diretor Comercial, Geniomar Pereira. São impressos cinco mil exemplares, distribuídos gratuitamente para todos os integrantes da Rede Lojacorr e para o mercado segurador. Além da versão digital, por meio do leitor digital https://bit.ly/32RevistaCorretoradoFuturo ou por meio do aplicativo, disponível para Google play: https://goo.gl/Z9VBHo e Apple: https://goo.gl/UiCAGY

LIVE CONNECTION: CCS-RJ convida Porto Seguro 684

Porto Seguro apresenta Plataforma Conquista aos associados do CCS-SP

Com a primeira live de agosto, Clube começa a contagem regressiva para o CCS-RJ CONNECTION

A um mês do CCS-RJ CONNECTION, maior evento programado pelo Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ) para 2020, a programação de aquecimento ganha intensidade, depois de já ter ocorrido a todo vapor nos dois meses anteriores. A agenda de agosto começa tendo o vice-presidente comercial e de Marketing da Porto Seguro, Rivaldo Leite, e o diretor comercial N/NE/RJ/ES da seguradora, Marcos Silva, como convidados da próxima LIVE CONNECTION, que o Clube promove, nesta quarta-feira, 5.

O bate papo ao vivo terá início às 16 horas e busca revelar como o staff da Porto Seguro está enxergando o papel do corretor de seguros em meio à crise e o que tem feito para apoiar esse profissional. O presidente do CCS-RJ, Fabio Izoton, e a diretora Sonia Marra serão os mediadores, trazendo as perguntas e comentários dos associados e do público em geral.

A live é aberta a todos os corretores, e a inscrição está disponível em https://conteudo.educaseguros.com.br/live-connection-porto-seguro-pc. Para receber notificações sobre as próximas lives que vêm por aí, basta se inscrever no canal do Clube no YouTube e ativar o sininho.

A série LIVE CONNECTION é uma programação especial de aquecimento para o grande evento a ser promovido, em parceria com a Educa Seguros, pela entidade este ano: o CCS-RJ CONNECTION, confirmado para os dias 1º e 2 de setembro. Anunciado no início de 2020, o encontro, que seria presencial, foi reformulado para o formato 100% online e gratuito. As inscrições também já estão abertas e podem ser realizadas em https://connection.ccsrj.com.br/.​

Mapeamento eletrônico de saúde reforça argumentação para Corretores nas vendas do Porto Seguro Saúde 984

Ferramenta traz mais assertividade na gestão

Ter reunidas em um só lugar as informações do perfil de saúde de colaboradores é algo que, sem dúvidas, contribui para a fluidez dos negócios e da dinâmica de trabalho exercida pelas empresas. Sabendo dessa importância, o Porto Seguro Saúde elaborou e agora oferece às empresas-clientes um mapeamento eletrônico completo de saúde dos beneficiários – o que é mais um ponto importante que pode passar a ser utilizado pelos Corretores parceiros na argumentação junto aos RHs das empresas.

Diretor-executivo de Saúde, Odontológico e Ocupacional da Porto Seguro, Marcelo Zorzo destaca como funciona a dinâmica do mapeamento e quais pontos são levados em consideração pelo sistema.

“Esse é um formato sistemático que, certamente, irá contribuir com as empresas-clientes na análise do perfil de saúde dos seus colaboradores e buscando melhor atendê-los nas possíveis necessidades que venham a aparecer. Por meio de indicadores coletados em um questionário, esse modelo permite analisar e compreender o comportamento de cada indivíduo, identifica novas oportunidades, melhora as condições físicas das pessoas e as encoraja a realizar práticas mais saudáveis”, destacou.

Zorzo informa que o mapeamento traz ganhos para a empresa e podem ser explorados pelos Corretores na hora da argumentação de vendas, também menciona que esta iniciativa nos coloca no caminho de ser cada dia mais um Porto Seguro para nossos clientes.

Para o Gerente Comercial Saúde, Odontológico e Ocupacional, André Lopes “Essa visão geral que o mapeamento permite trará mais assertividade na gestão da saúde e qualidade de vida aos nossos segurados das empresas-clientes, o que para a argumentação é um grande ponto a ser explorado, assim como a atenção da companhia com os cuidados com a saúde dos colaboradores”, informou.

CVG RS quer ouvir associados e profissionais do mercado 785

Pesquisa reforça diálogo com associados e mercado segurador

Focado na experiência de seus associados, há 30 anos o Clube de Seguros de Vida e Benefícios do Rio Grande do Sul (CVG RS) incentiva o setor a compartilhar momentos, conhecimentos e oportunidades únicas. Agora, uma pesquisa amplia a conversa entre o CVG RS e associados, empresas e profissionais do mercado segurador de pessoas e previdência. A pesquisa, que começa nesta semana, vai ouvir o mercado de seguros gaúcho e saber quais são suas impressões, preferências e necessidades para oferecer a eles a melhor experiência possível.

Segundo Ricardo Rezende, diretor financeiro do CVG RS, “Estamos passando por um momento histórico muito importante com a pandemia e o seguro de pessoas está desempenhando, para milhares de famílias, um papel muito relevante. E isso passa, diretamente, pelo corretor de seguros, que é a ponte entre as seguradoras e os clientes finais. Para nós, do CVG, é um desafio enorme e um dever estar ao lado do corretor (das seguradoras também) e ajudá-lo a exercer a sua função como elo de estabilização econômica e social junto à comunidade”, destaca.

Para a presidente do CVG RS, Andreia Araújo, “Nos últimos anos o perfil do consumidor vem mudando drasticamente. Acredito que com a pandemia esse processo além de acelerar, nos deixará um forte legado de conscientização do que ‘realmente importa’. E dentro deste contexto, nós do CVG RS quando lançamos o slogan ‘Unidos pelo novo pensar’, estávamos fortemente conectados à ideia de agregar cada vez mais valor à nossa entidade. A ideia, ao lançarmos uma pesquisa aberta, é escutar justamente do público que queremos atingir, e então entendermos o que essas pessoas esperam do CVG RS. Contamos com a participação de todos e voltaremos em breve com o resultado e ações estratégicas propostas a partir desse trabalho.” destaca ela.

Os resultados da pesquisa vão nortear a entidade a entender melhor como o CVG RS é visto pela comunidade; identificando oportunidades de chegar cada vez mais perto do público que vive o seguro, e, sobretudo chegar até aqueles que não conhecem o seguro. Além disso, cria um relacionamento ainda mais próximo com o marcado de seguros do Rio Grande do Sul.

A pesquisa gratuita será enviada para o mercado de seguros gaúcho. As respostas do questionário podem ser enviadas logo após o recebimento do e-mail de solicitação.

Susep homologa CERC e CSD que já podem registrar operações do mercado de seguros 742

Mecanismo aumenta transparência

CERC e CSD tiveram seus sistemas homologados pela SUSEP, na última sexta, para atuarem como registradoras no setor de seguros. B3 segue em homologação.

Com o novo mecanismo, que tem por objetivo aumentar a transparência, a eficiência e a segurança no registro das operações, a Susep também espera que seguradoras e população possam se beneficiar das sinergias que ocorrerão com outros produtos e serviços a serem desenvolvidos.

O processo para a elaboração da convenção que definirá a interoperabilidade entre registradoras credenciadas será concluído até 2 de outubro. Em novembro o registro das operações passa a ser obrigatório para o seguro garantia.

Para operar o sistema, as registradoras devem seguir rígidos protocolos de segurança e governança, baseados nos Princípios para Infraestruturas do Mercado Financeiro do Bank for International Settlements (BIS), como determinam as regras aprovadas pela Susep este ano.

Entre os critérios está a exigência de patrimônio mínimo de R$ 15 milhões e capacidade técnico-administrativa.