Fidelização como diferencial para o sucesso 532

Fidelização como diferencial para o sucesso

Confira artigo da administradora Giordania Tavares

A administradora Giordania Tavares / Divulgação
A administradora Giordania Tavares / Divulgação

A competitividade no mundo dos negócios exige cada vez mais das empresas. Para se manter ativa e conectada com as tendências do mercado, não basta apenas oferecer produtos de qualidade: é preciso sensibilidade ao lidar com clientes e stakeholders. Se engana a marca que dá prioridade única à atração de novos clientes: antes, é preciso fidelizar. Conquistar a confiança vai muito além de apenas apresentar os produtos da empresa. É preciso fazer o cliente acreditar na marca, nos seus valores e nas suas competências. Ao vender um produto, as empresas não estão apenas oferecendo uma mercadoria, mas proporcionando uma experiência de compra que deve ser positiva e duradoura. Afinal, o cenário nem sempre é promissor se os diferenciais oferecidos se restringirem aos produtos.

O segredo para uma boa relação com o comprador é compreender o cenário, o mercado, as oportunidades e ameaças do seu negócio. É entender as necessidades dos clientes, pois este aspecto colabora não só para o desenvolvimento de produtos funcionais, mas também proporciona o crescimento de uma relação de confiança e credibilidade. Para satisfazer o cliente, não é necessário realizar todas as solicitações que ele desejar, muito pelo contrário: é preciso saber dizer “não”, afinal, é papel da marca entender como solucionar os problemas e executar aquilo que o cliente deseja da melhor forma possível.

No entanto, a venda não acaba quando o cliente adquire os produtos, é preciso seguir de mãos dadas, fornecedor e cliente. Quebrou uma peça e acabou a garantia? A mercadoria precisa ser entregue com urgência? O comprador precisa saber com quem contar, em quem confiar. É preciso ouvir e entender o cliente. Para qualquer empresa de sucesso, é primordial possuir um serviço diferenciado, informação com qualidade e atendimento rápido para que haja confiança em toda a cadeia e não apenas no produto. Planejamento e organização são peças-chave para grandes resultados e as empresas que agem assim são as que driblam as crises e alavancam seu crescimento. Um pós-venda eficaz é a melhor estratégia, pois um cliente satisfeito irá compartilhar a sua boa experiência, gerando novos contatos e contratos para a empresa.

A fidelização do cliente é o fator que pode definir o sucesso de uma empresa. Através de técnicas que visam criar uma relação de confiança, geram-se feedbacks honestos e positivos, além de trazer uma receita previsível. Cliente fiel, certamente comprará novamente. Não são as semelhanças que fazem a diferença e os caminhos conhecidos não são os únicos que podem levar a marca além. É preciso se destacar no cenário. Uma empresa pode ser o que quiser, desde que acredite, e saiba que sempre haverá clientes dispostos a acreditarem também.

Diretora da Rayflex, Giordania R. Tavares é graduada em administração pela UNICID, com especialização pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Com mais de 20 anos de experiência no mercado de portas industriais e equipamentos de doca, foi responsável por tornar a Rayflex expoente de mercado no Brasil e na América Latina.

Corretor de Seguros é protagonista de campanha de marketing da Tokio Marine 555

Companhia destaca a importância do profissional na vida dos segurados em nova websérie

A segunda fase da campanha institucional da Tokio Marine, uma das maiores Seguradoras do Brasil, destaca o papel fundamental do corretor de seguros como consultor de proteção para seus clientes. Em continuidade à campanha com mote “A Tokio Marine Resolve o que precisa, pra você resolver o que importa”, que já retratou os colaboradores da companhia em 2017 e, em 2018, enfatizou o protagonismo do cliente, mostra em nova websérie histórias sobre como o caráter consultivo do profissional de seguros permitiu que o segurado pudesse ir além.

Priscila Fernandes é Gerente de Marketing da Tokio Marine / Divulgação
Priscila Fernandes é Gerente de Marketing da Tokio Marine / Divulgação

“Em 2019, ano em que completamos seis décadas de atuação no Brasil, buscamos valorizar aqueles que tornam nosso negócio possível. Mais do que nosso único canal de distribuição, o corretor tem papel fundamental para a difusão da cultura do seguro no País e sua contribuição permite que a Tokio Marine cumpra a missão de proporcionar tranquilidade e segurança às pessoas e empresas. Foi isso que tentamos mostrar com as histórias contadas nessa nova websérie”, afirma Priscila Fernandes, Gerente de Marketing da Tokio Marine.

Making of da websérie / Divulgação
Making of da websérie / Divulgação

O primeiro capítulo da websérie estreia no dia 19 de julho, nas redes sociais (Facebook e YouTube) da seguradora e será também exibido nos intervalos do Programa Seguro, da TV Gazeta, aos domingos. Os demais episódios serão divulgados ao longo do segundo semestre de 2019.

Assinados pela produtora Cristal Entretenimento, os vídeos contam com roteiro de Daniela Pistone e direção de Marcelo Botta e Jorge Maia, da Salvatore Filmes.

Ficha técnica da produção:

Produção: Salvatore Filmes
Roteirista chefe: Daniela Pistoni
Roteirista: Inaê Luz Rocha
Diretor: Marcelo Botta e Jorge Maia
1 Assis. Direção: Ricardo Mordoch
2 Assis. Direção: Kelanie Aragão
3 Assis. Direção: André Srur
Produtora de elenco / figuração: Deborah Carvalho
Produzido por Marcelo Botta e Gabriel Di Giacomo
Produtora Executiva: Luciana Coelho
Diretora de produção: Marieta Scatimburgo

Fator Seguradora participa de almoço de negócios na Bahia 709

Fator Seguradora participa de almoço de negócios na Bahia

Encontro acontece no dia 9 de agosto e conta com a presenta do CEO da companhia

Com 60 anos de atividade ininterrupta e mais de 100 profissionais da corretagem de seguros associados, o Clube dos Seguradores da Bahia realiza no próximo dia 9 de agosto, em Salvador (BA), um almoço de negócios com a presença do CEO da Fator Seguradora, Luís Eduardo Assis. O executivo já foi Diretor de Política Monetária do Banco Cental, Economista-Chefe do Citibank e COO do HSBC Brasil. “Trata-se de um profissional de altíssimo nível. A entidade entende que é de suma importância sua participação no encontro”, destacou o CSB em nota.

Para Fausto Dórea, Presidente do Clube e Executivo Regional da Sudaseg Seguradora e Sudamerica Vida, trazer o CEO da Fator Seguradora é um presente para o mercado baiano de seguros. “Principalmente pelas novas possibilidades de negócios que ajudarão os profissionais do segmento a diversificarem suas carteiras e consequentemente apresentar novas produtos à sociedade. Agradeço ao executivo Valter Cal, representante regional da Fator Seguradora, pelo apoio e parceria de sempre. Tenho certeza que o evento será um grande sucesso”, acrescenta.

No dia 29 de agosto outro encontro será realizado com a OdontoPrev.

Serviço:

Evento: Almoço de Negócios com o CEO da Fator Seguradora
Local: Hotel Fiesta (Av. Antônio Carlos Magalhães, 741 – Itaigara, Salvador – BA)
Palestrante: Luís Eduardo Assis – CEO da Fator Seguradora
Data: 09/08/2019
Horário: 12h
Traje: Passeio completo

Velox Contact Center vê mercado promissor e promove treinamentos sobre rastreamento 473

Empresa está disposta a superar as necessidades do setor

Divulgação
Divulgação

A Velox Contact Center promove uma série de treinamentos sobre rastreamento veicular. A empresa, disposta a superar as necessidades do setor, enxerga este mercado como promissor. Foram disponibilizadas 16h de atualização e capacitação para os colaboradores nos processos internos.

O evento contou com muitas novidades técnicas deste nicho e atividades teóricas e práticas que engajaram a equipe. O workshop foi ministrado por Marcelo Augusto, Diretor de Treinamento da Assessoria & Consultoria em Gerenciamento de Riscos.

“Prezamos pela qualidade dos serviços que prestamos e sempre buscamos a melhoria dos nossos processos. A produção destes eventos internos permite que os nossos colaboradores conheçam todos os procedimentos realizados em diversos setores da empresa, o que facilita a comunicação interna, além de gerar engajamento e prepará-los para um atendimento de excelência, sempre atendendo as necessidades dos nossos clientes”, relatou Camila de Cássia, responsável pelo Marketing da Velox Contact Center.

Velox Contact Center vê mercado promissor e promove treinamentos sobre rastreamento
Velox Contact Center vê mercado promissor e promove treinamentos sobre rastreamento

Reservas dos planos de previdência privada batem a marca de R$ 873,1 bilhões em maio 666

Reservas dos planos de previdência privada batem a marca de R$ 873,1 bilhões em maio

Valor é 11,0% maior que registrado no mesmo período do ano anterior, aponta FenaPrevi

Os planos de previdência privada aberta fecharam o mês de maio com R$ 873,1 bilhões em reservas, volume 11,0% superior registrado no mesmo período do ano anterior, segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), entidade que representa 67 seguradoras e entidades abertas de previdência complementar no país.

De janeiro a maio, as contribuições somaram R$ 45,7 bilhões, resultado 3,7% superior aos cinco primeiros meses de 2018, quando totalizaram R$ 44,0 bilhões. A captação líquida seguiu com saldo positivo de R$ 15,5 bilhões.

Na análise por tipo de contratação de planos, a modalidade individual respondeu por R$ 40,1 bilhões das novas contribuições, os planos para menores por R$ 740 milhões, e os planos coletivos registram R$ 4,8 bilhões em novas contribuições. Em relação às famílias de produtos, segundo a FenaPrevi, o VGBL recebeu R$ 41,6 bilhões e o PGBL R$ 3,7 bilhões dos aportes. Já nos planos tradicionais, as contribuições foram de R$ 300 milhões.

Diversificação de portfólio

Segundo a FenaPrevi, os participantes estão se deslocando gradativamente para fundos multimercado em busca de maior rentabilidade. Até maio deste ano, 11,6% dos recursos foram alocados nesta modalidade. O índice era de 10,2% em 2018; 8,1% em 2017; e 5,7% em 2016. “A trajetória de juros baixos tem exercido forte influência na estratégia de alocação das reservas dos planos de previdência privada pelos participantes, que estão buscando fundos de maior risco e rentabilidade”, avalia Jorge Nasser, presidente da FenaPrevi.

Os dados da federação mostram que de janeiro a maio foram contabilizados 13,2 milhões de pessoas com planos de previdência, sendo 10,1 milhões de participantes com planos individuais e 3,1 milhões com planos coletivos (oferecidos em forma de benefícios aos colaboradores, e planos contratados por sindicatos e associações de classes para adesão de seus associados). O total de 13,1 milhões de participantes representa hoje 6,27% da população.

Nova Lei de Licitações aprofunda análise de riscos e deve diversificar seguros de garantia 2526

Rodrigo Chunques é gerente de operações e garantias estruturadas da Aon / Divulgação

Projeto mantém e cria novas modalidades para execução de demandas da administração pública

A nova Lei de Licitações (PL 1292/95) cria novas modalidades para contratação de empresas para execução de demandas da administração pública. A proposta aprovada pelo plenário da Câmara dos Deputados mantém o pregão, concorrência, concurso e os leilões. O texto também cria o diálogo competitivo, que diz respeito a compra de novas tecnologias. Entre as exigências está a contratação de seguro garantia para grandes obras. Outra tipificação do Projeto de Lei diz respeito aos crimes relacionados ao assunto, além de aspectos da proposição para União, estados e municípios.

O projeto ainda deve ser apreciado no Senado até passar pela sanção do presidente Jair Bolsonaro. A lei que ainda vigora sobre o tema permite que o seguro cubra até 5% do valor da obra. Com as mudanças, o limite passa para 30% nos casos de obras de maior valor. 

O gerente de operações e garantias estruturadas da Aon, Rodrigo Chunques, acredita que com as mudanças as seguradoras podem ser obrigadas a executar e concluir o objeto contratual em caso de inadimplência do tomador (quem contratou o seguro). “Caso as seguradoras não executem ou concluam o objeto contratual podem ser aplicadas multas que podem chegar ao valor total da garantia”, alerta. Considerando isso, o especialista acredita que pode haver uma seleção mais criteriosa de riscos. “Isso pode acontecer até que haja melhor entendimento de como todos os envolvidos irão se comportar neste novo ambiente”, completa.

Com a lei em vigor o mercado deve mudar completamente no ramo de seguros – desde resseguradoras até os segurados. “Não temos dúvida que será necessário um tempo para adaptação. Seguradoras precisarão incrementar a estrutura, reforçando análise de crédito, underwriting e a criação de uma área específica para o acompanhamento de obras”, acrescenta Chunques. O executivo acompanha as novas medidas com bons olhos. “Trará mais segurança ao processo licitatório, bem como um maior conforto ao poder público de que as obras contratadas serão finalizadas. Como consequência a eficácia do desenvolvimento do Brasil será notavelmente maior, mesmo acreditando que ainda acontecerão alguns ajustes para trazer um cenário mais equilibrado e aceitável para todos os envolvidos”, justifica.

O mercado de seguro para garantias judiciais atingiu a marca histórica de R$ 2,5 bilhões em prêmios emitidos em 2018. “Podemos destacar que foi este o segmento que fez o seguro garantia sobreviver à crise geral que assolou o País nos últimos 5 anos. Acreditamos que a partir das reformas, incentivos para liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e com as privatizações, o cenário será mais otimista para o reaquecimento da economia”, comenta Rodrigo Chunques ao lembrar que existe uma grande quantidade de obras represadas nos mais diversos segmentos, como infraestrutura, saneamento, rodovias, portos e outros grandes projetos. “Com isso é natural que a demanda por garantias de performance aumente, de forma que as seguradoras consigam balancear suas carteiras hoje predominadas pelas garantias judiciais e o consequente crescimento sustentável deste mercado”, analisa. “Este tipo de apólice visa trazer conforto ao contratante. Se por algum motivo o contratado não executar o objeto contratual haverá um terceiro, neste caso a seguradora, que executará ou pagará o limite máximo indenizável pela apólice”, acrescenta.

Como maior corretora de seguros do mundo a Aon acredita que, quanto maior o dinamismo entre a administração pública e o mercado securitário, melhor. “Temos convicção que as soluções inovadoras apresentadas pelo mercado são grandes aliadas para mitigação e transferência de riscos, o que traz maior segurança administrativa aos processos”, segue o também pós-graduado em Gestão Financeira.

Outro destaque de Rodrigo Chunques é a mudança no perfil dos investidores. “Em um passado não muito distante os grandes investidores eram os poderosos conglomerados brasileiros, envolvidos na Operação Lava Jato, que sofreram degradação financeira e restrição de crédito junto aos bancos públicos e privados. Os novos investidores serão, na sua grande maioria, oriundos de fundos internacionais, que tendem a ter a estrutura de contragarantias diferenciadas do modelo tradicional. Isso deve forçar as mudanças metodológicas para análise do risco”, explica. Na visão do expert, as seguradoras deverão encontrar equilíbrio para analisar a capacidade financeira destes investidores. “É preciso verificar a performance das EPCs e, principalmente, em o projeto gerar as riquezas previstas. Isso levará conforto aos underwriters (intermediários financeiros) das seguradoras, aumentando a probabilidade de suporte a novos projetos pelo mercado segurador”, finaliza.