Chubb apresenta um dos melhores resultados trimestrais dos últimos anos 666

Evan G. Greenberg é Chairman and Chief Executive Officer of Chubb Limited / Reprodução

Prêmio Retido foi de US$ 7,3 bilhões

A Chubb divulgou, no último dia 30 de abril, um comunicado à imprensa com seus resultados financeiros referentes ao primeiro trimestre de 2019. O material na íntegra está disponível neste endereço (em inglês).

O Lucro Líquido e Operacional, por ação da companhia, são de US$ 2,25 e US$ 2,54, respectivamente. Os valores representam um crescimento de 8,5%. O Prêmio Retido acumula US$ 7,3 bilhões, o que representa alta de 5,1% em dólares constantes. O Índice Combinado de P&C foi de 89,2%, ante 90,1% do ano anterior. Quando excluídas as perdas por catástrofes, este último índice está em 88,5%, comparado aos 87,6% em relação ao ano anterior.

Já o Lucro Líquido da Chubb chegou a US$ 1,0 bilhão. O Operacional soma US$ 1,2 bilhão, o que representa um crescimento de 6,7%. Desconsiderando a flutuação do dólar, o Lucro Operacional cresceu de 9,0% para 10,9% por ação.

O Lucro de Subscrição de P&C foi de US$ 712 milhões, o que representa um acréscimo de 14,5% em dólares constantes. Enquanto que, o Lucro de Subscrição Global de P&C foi de US$ 639 milhões, o que representa alta de 23% em dólares constantes. Também em P&C, os Prêmios Retidos foram de US$ 6,7 bilhões, o que representa 5,1% em dólares constantes.

As perdas por catástrofes antes dos impostos foram de US$ 250 milhões, ou US$ 201 milhões após os impostos no trimestre, comparados com US$ 380 milhões, ou US$ 303 milhões após os impostos do ano anterior. A Receita Líquida de Investimentos antes dos impostos foi de US$ 836 milhões e a Receita Líquida de Investimentos Ajustada antes dos impostos foi de US$ 882 milhões, em linha com o planejamento definido.

O Retorno sobre o Patrimônio, Anualizado e Operacional foi de 8,1% e 9,2%, respectivamente. O Retorno Operacional Anualizado do Capital Tangível foi de 15,1%. Já o Valor Contábil e Valor Tangível Contábil por ação foram de 4,3% e 6,9%, respectivamente no trimestre.

Já a  Chubb Limited (NYSE: CB) divulgou que seu Lucro Líquido para o trimestre, encerrado em 31 de março, foi de US$ 1,040 milhão, ou US$ 2,25 por ação, comparados com US$ 1,082 milhão ou US$ 2,30 por ação, no mesmo trimestre do ano passado. O Lucro Operacional foi de US$ 1,170 milhão ou US$ 2,54 por ação, comparados com US$ 1,097 milhão ou US$ 2,34 por ação, no mesmo trimestre do ano anterior.

“Os Prêmios Retidos Comerciais de P&C na América do Norte cresceram 5% no trimestre, e os prêmios das nossas operações internacionais cresceram 6% em dólares constantes. O crescimento foi amplo em muitos dos nossos negócios e territórios”, destacou Evan G. Greenberg, Chairman e Chief Executive Officer da Chubb Limited.

O Índice Combinado de Property e Casualty (P&C) foi de 89,2%. Já o Valor Contábil e o Valor Contábil Tangível por ação aumentaram 4,3% e 6,9%, respectivamente, desde 31 de dezembro de 2018 e agora estão em US$ 114,27 e US$ 70,46, respectivamente. O Valor Contábil e o Valor Contábil Tangível por ação foram favoravelmente impactados pelos ganhos líquidos realizadas e não realizados de US$ 1,402 milhão após os impostos, no portfólio de investimentos da Companhia, impulsionado principalmente por um declínio nas taxas de juros.

“A Chubb teve um primeiro trimestre muito bom com um Lucro Operacional por ação de US$ 2,54, crescimento de 8,5% em relação ao ano anterior. Nossos Resultados de Subscrição se destacaram pelo Índice Combinado de 89,2%. Nós aumentamos nossos Prêmios Globais em mais de 5% em dólares constantes e aproveitamos um ambiente de preços favorável. Na verdade, nas Linhas Comerciais dos EUA, no atacado de Londres e em outros mercados internacionais, esse é o melhor resultado que já vimos nos últimos anos. O retorno dos acionistas robusto e o Valor Contábil e o Valor Contábil Tangível por ação cresceram 4,3% e 6,9%. O Retorno Operacional e o Retorno sobre patrimônio Tangível foram de 9,2% e 15,1%, respectivamente”, completou Greenberg.

O Chairman e Chief Executive Officer da Chubb Limited ainda comentou sobre o aumento da participação da companhia no Huatai Insurance Group, da China. “Este movimento converte a Chubb em uma companhia de investimento estrangeiro, um marco importante no caminho para nossa meta de participação majoritária na operação. No trimestre, nós também assinamos um acordo de 15 anos de distribuição exclusiva com o Banco de Chile. Iniciativas como essas aumentam nossa presença global e nos posiciona no caminho certo de crescimento futuro”, finalizou.

Reprodução
Reprodução

D’Or Talks traz especialista em mindset emocional 377

Conversa fará reflexão sobre como cuidamos das nossas emoções

O convidado do bate-papo desta semana na D’Or Talks é Brahmananda, terapeuta floral, especialista em mindset emocional e autoconhecimento que ajudará os espectadores da live a pensarem como estão lidando com as suas emoções.

O episódio irá ao ar, na quarta-feira (27), às 17h30 e o tema abordado será “O que você está fazendo pelas suas emoções? Respira… não pira!”, com intermediação de Guilherme Malaquias, psiquiatra e médico do trabalho, transmitido no canal da D’Or Consultoria no Youtube: www.youtube.com/dorconsultoria

Para não perder, basta se inscrever e ativar o sininho. Essa será mais uma edição da série D’Or Talks, criada pela empresa durante o período de pandemia do Coronavírus. Todos os vídeos já transmitidos também estão disponíveis no canal.

Serviço

D’Or Talks: O que você está fazendo pelas suas emoções? Respira… não pira!

Data: quarta-feira, 27 de maio de 2020

Horário: 17h30

Link para participar: www.youtube.com/dorconsultoria

Allianz Seguros promove nova doação à comunidade Santa Rita 386

Mais de 20 toneladas de itens de alimentos e de higiene foram doados

A Allianz Seguros realizou neste mês mais uma doação de mais de 20 toneladas de alimentos e itens de higiene e limpeza para a comunidade Santa Rita, na zona Leste de São Paulo. Como na primeira vez, a ação ocorreu na Associação Beneficente dos Funcionários do Grupo Allianz (ABA), seguindo os mesmos critérios: respeitando as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), com voluntários paramentados com máscaras e luvas, número limitado de pessoas por horário e mantendo a distância de 1,5 metro na fila. A Allianz Seguros já soma mais de 40 toneladas e 60 mil itens doados com mais essa ação, que beneficia cerca de 5 mil pessoas da região.

Para o presidente da Allianz Seguros, Eduard Folch, a nova doação é fruto de um entendimento da importância de manter, por mais um mês, a cooperação às pessoas da comunidade Santa Rita durante esse momento de extrema dificuldade. “Sabemos que muitos provedores das famílias da região tiveram seus trabalhos afetados durante esse período de distanciamento social, dificultando a compra de itens considerados básicos. Nós, da Allianz, estamos voltados à corresponsabilidade social, apoiando ações que amenizem a situação dos moradores locais”, afirma.

Moradora da comunidade, Amanda tem duas filhas e ambas participam das atividades na ABA. Ela recebeu a primeira cesta da Allianz Seguros na sede da entidade, em abril, e foi beneficiada novamente em maio. Desempregada, Amanda relata que a ajuda chega novamente em um momento difícil e valoriza a doação. “A cesta é bastante completa, com insumos o suficiente para nos abastecer por cerca de 20 dias. É até difícil de explicar a alegria de receber essa segunda ajuda da Allianz, porque nós já estávamos quase sem nada em casa”, conta.

A doação foi também uma grata surpresa para Joyce, que trabalha com confecção de bijuterias. Mãe de três meninos, dois que ainda frequentam a ABA, a moradora da região afirma que, devido a recomendação para não sair às ruas, tudo parece ser consumido mais rápido em casa e a cesta foi fundamental para um período o qual o seu emprego tem sido afetado. “Nunca vivemos uma situação dessa. Geralmente, quando param as escolas, a gente continua trabalhando. E, de repente, sair e ver todo mundo de máscaras, ruas vazias, lugares que eram muito movimentados que eu ia bastante por causa do meu trabalho e agora estão sem ninguém, é algo muito difícil”, relata.

Durante esse período de distanciamento social, pessoas, empresas e entidades como a ABA estão se esforçando para manter suas atividades de maneira alternativa. As aulas que a Associação costuma dar presencialmente para crianças e adolescentes de 4 a 17 anos, agora estão sendo oferecidas virtualmente pelo canal do Youtube: Portal ABA Digital. A entidade voltará às atividades assim que o Governo do Estado de São Paulo decretar o fim do isolamento social para este segmento atendido.

Novo corte da taxa de juros pode enfraquecer ainda mais a economia 440

 Nova medida foi baseada no embate recessivo do novo coronavírus

A ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) foi divulgada na última semana, e reforçou que o corte feito pelo Banco Central (BC), pode se repetir na próxima reunião, que acontecerá nos dias 16 e 17 de junho. O mais recente corte foi de 0,75 ponto percentual, com a Selic indo para 3% ao ano, sendo a menor taxa da história. Se para a próxima reunião o corte for da mesma magnitude, já que o Copom não descarta possibilidade, o ciclo anual de ajustes pode encerrar com a Selic nos 2,25% anualmente. Entretanto, para a concretização desse cenário, depende do quadro fiscal e da conjuntura econômica como um todo.

A nova medida foi baseada no embate recessivo do novo coronavírus (Covid-19), e surpreendeu parte do mercado, que esperava um corte menor, de meio ponto. No entanto, apesar da decisão ter sido unânime, 2 membros do Comitê eram a favor de um corte ainda menor, e como destacado, isso pode vir a acontecer na próxima reunião. Para Daniela Casabona, Sócia-Diretora da FB Wealth, a taxa de juros não vai gerar nenhum impacto positivo.

“Pode ser inclusive um erro do Copom, em um momento onde a economia está bastante enfraquecida e o consumo bastante reduzido em função da pandemia, um novo corte da taxa de juros pode enfraquecer ainda mais a moeda e não traz benefício nenhum para o aquecimento da economia”, explica a Sócia-Diretora da FB Wealth.

No entanto, o limite de baixa taxa de juros no país foi colocada em discussão pela autoridade monetária. O BC afirmou que o “lower bound” (limite inferior), no Brasil é mais elevado do que nos países desenvolvidos, dado que diante da profunda incerteza, é natural ter um aumento nos riscos. “Não acredito em taxa a zero. O país não tem força suficiente para ter uma taxa de juros em zero”, enfatiza Casabona. A Sócia-Diretora também afirma que a situação interna é claramente favorável à Selic menor, mas exteriormente a taxa de câmbio pode ser elevada temporariamente. “Então, o Brasil precisa de uma taxa de juros um pouco mais alta para equilibrar a economia, níveis muito baixos da taxa de juros não são sustentáveis na nossa economia, principalmente em investidores estrangeiros”, finaliza.

Dicas para destacar a sua empresa no ambiente digital 431

Segundo pesquisa, as compras online devem gerar faturamento de R$ 90,7 bilhões em 2020, com crescimento de 21% em relação ao ano passado

O crescimento do comércio eletrônico já era uma tendência e uma crescente no mercado de vendas, nacional e internacional. A partir do fechamento obrigatório de estabelecimentos de comércio e serviços não essenciais como medida de combate a pandemia do novo Covid-19, comprar online tornou-se uma forma de continuar fazendo compras, desde supermercados, até roupas, eletrônicos e outros artigos.

Neste cenário, para muitos lojistas, vender pela internet se tornou a melhor (e em alguns casos a única) opção para continuar realizando seus negócios. Muitos empresários estão criando a sua loja virtual ou entrando em marketplaces – plataformas online mediada por uma empresa em que vários fornecedores se inscrevem e vendem seus produtos.

No Brasil, diversos marketplaces ganharam força nos últimos anos – e com a pandemia ainda mais relevância. Entre os principais podemos citar o Mercado Livre, Amazon, B2W, Magazine Luiza, Ricardo Eletro, Carrefour, entre outros. Se no mundo das vendas online, o marketplace é um shopping virtual, é bem interessante para o lojista estar inserido no canal de vendas para aumentar seu faturamento, conseguindo maior visibilidade e consequentemente, novos clientes.

De acordo com Sidney Zynger, especialista em comércio eletrônico e diretor de marketing do Bling (https://www.bling.com.br/) – sistema de gestão empresarial online para micro e pequenas empresas – as empresas que querem sobreviver na oscilação atual do mercado precisam investir em tecnologia e nas vendas online como questão de sobrevivência. O comportamento do consumidor também está mudando, mostrando maior interesse nas compras pela internet, e cada vez mais, as empresas percebem que depender somente de vendas na loja física pode ser um limitador, e vender em outros canais, como loja virtual e marketplace é uma forma viável de manter a operação viva e saudável financeiramente.

Segundo Zynger, é necessário apostar em ferramentas que auxiliem o lojista nesse novo momento. “Para empresas que querem começar a vender online, uma dica é apostar em marketplaces e ter a tecnologia como aliada. Já existem muitas ferramentas que auxiliam os empreendedores, como por exemplo, os sistemas de gestão, e temos uma variedade de canais de vendas. Apostar nessas soluções agrega valor para a empresa, que começa a traçar novos nichos de mercado.” comenta.

Confira algumas dicas para começar a vender em marketplaces:

1. Faça descrições completas dos produtos

Quanto mais informações – e apresentadas de forma clara – a descrição do seu produto tiver, maiores as chances de conversão.

2. Use fotos que se destaquem em meio à concorrência

Boas fotos do produto, além de chamar a atenção do consumidor, ajudam a eliminar dúvidas sobre os produtos e passam mais confiança.

3. Escolha a plataforma mais adequada para seu negócio

Saiba o diferencial de cada plataforma, para entender qual é a melhor opção para o seu negócio.

4. Faça seu cadastro como um parceiro no Marketplace

Ao fazer o seu cadastro em um marketplace, não deixe de selecionar a opção de parceiro para começar a vender os seus produtos.

5. Cadastre e venda seus produtos

Com os produtos devidamente cadastrados na plataforma, você poderá vendê-los com muita praticidade.

6. Não se esqueça de ter presença de marca

Um dos pontos apresentados como negativos do marketplace é a predominância da plataforma sobre o visual da marca. No entanto, é possível colocar a marca da sua loja em seus produtos, criando um vínculo entre sua empresa e o consumidor.

7. Cuide da logística e fique de olho nos prazos de entrega

A logística é um fator determinante para quem deseja oferecer um bom serviço. Afinal, é necessário respeitar os prazos de entrega para não sofrer punições ou uma má reputação.

8. Fique atento ao gerenciamento de contas do negócio

Apesar do marketplace trazer diversas funcionalidades e a possibilidade de automação de alguns processos, isso não significa que você não precisa ter um pouco de atenção. Também fique de olho na taxa de comissionamento para não ter surpresas após começar as vendas.

CVG destaca as oportunidades do ramo vida 431

Em nova edição, revista da entidade traz informações sobre seguro e ações realizadas durante a pandemia

Dois momentos dos seguros de pessoas foram abordados na nova edição da revista CVG Notícias. Antes da pandemia de coronavírus, o CVG-SP debateu, em março, as oportunidades dos planos de previdência e do seguro de vida com a participação de um time de especialistas. A matéria de capa desta edição traz os detalhes do evento, revelando a evolução do ramo, que passou a atender à crescente demanda com a oferta de produtos sofisticados.

Outro momento do seguro de vida, após a declaração de pandemia, também é tratado pela revista, em especial na matéria sobre o webinar promovido pelo CVG-SP, no final de abril, com a participação da diretoria executiva. Uma das conclusões do evento é que a pandemia está mudando a percepção da população em relação ao seguro de vida. De acordo com os palestrantes, na contramão de outros ramos, a contratação do seguro de vida está avançando.

Outro assunto da revista relacionado à pandemia é o lançamento da nova série de vídeos Pílulas de Vida. Os vídeos curtos da série, que integram o acervo da TV CVG, contam com as orientações e dicas de diversos especialistas para os profissionais aumentarem seus negócios. Já na seção Análise, o leitor poderá se informar sobre as perspectivas econômicas a partir da previsão de economistas entrevistados.

Na seção Especial, a CVG Notícias fez questão de exaltar o gesto de solidariedade das seguradoras do ramo vida que divulgaram a decisão de indenizar as mortes provocadas pelo Covid-19 em seus contratos vigentes, apesar de a pandemia ser um risco excluído. A matéria traz o depoimento de algumas dessas seguradoras.

Para ler a revista ou baixar o arquivo, clique aqui