Tecnologia veio para democratizar o acesso ao seguro 2612

Paulo Marchetti, CEO da ComparaOnline, participou do JRS São Paulo

Serviços que prezam transparência na relação com o cliente são o enfoque da ComparaOnline. O CEO do marketplace do setor de seguros, Paulo Marchetti, participou do JRS São Paulo e explicou um pouco mais sobre as novidades que a companhia está implementando no mercado segurador.

“Foi um processo super enriquecedor, muito interessante. A gente veio pro Brasil já faz 5 anos, através da aquisição do Buscapé. Na época que o Buscapé entrou em serviços financeiros a gente achou que seria uma boa forma de entrar. O Buscapé hoje é sócio minoritário da ComparaOnline, um sócio brasileiro que a gente tem. Eles têm uma participação pequena mas estão alinhados com o nosso DNA. Então, a gente veio em um momento, 5 anos atrás, onde houve um “Boom” das insurtechs entrando no mercado e muitas ficando pelo caminho. Então, quando a gente entrou tava muito aquecido, os preços de aquisição de cliente, de equipe, pra você montar uma equipe, no Brasil tava muito caro para achar profissionais qualificados. E a gente veio construindo a nossa plataforma de tecnologia e observando sem um crescimento tão agressivo. Nos últimos 2 anos, quando a água baixou e a gente viu que muitos players saíram do mercado, a gente falou “Agora é a hora”. O mercado só cresceu e muitos players ficaram sem capital porque não tinham fundos que estavam dispostos a apostar pensando no longo prazo, diferente do nosso perfil. E aí a gente começou a acelerar bastante nos últimos 2 anos com a plataforma de tecnologia muito bem montada”, explicou Marchetti.

O campo da insurtech vai pra democratizar o acesso às soluções de seguros, na opinião do especialista. “A gente observa que o consumidor que não tem seguro tem ido pra internet buscar opção, isso é muito impressionante. Clientes começam a fazer perguntas muito básicas. “Por que eu pago uma franquia? Pra que serve uma franquia? O que é o prêmio?” Então a nossa missão é facilitar essa linguagem, tirar do “segurês”, falar uma linguagem que as pessoas entendam e saibam o que elas estão comprando. É super interessante que às vezes a gente vende um seguro, explica e depois de algum período a gente fala com o cliente e ele ainda não entendeu o que ele comprou. Então, nosso principal objetivo e das próprias insurtechs é levar o caminho da distribuição mais fácil, mais barata e mais eficiente. Isso só funciona em parceria com as seguradoras com a cabeça de modernização, de ganhar eficiência porque pra gente conseguir abranger o Brasil inteiro e todos os tipos de renda, o distribuir o seguro precisa ser barato. Se for um processo muito caro, se cada seguro que eu for vender eu depender de um atendimento de 5 horas, 4 horas, ele é muito caro. E isso desestimula a democratizar o acesso”, revela.

As preferências do consumidor moderno também estão na mira da ComparaOnline. “A gente sabe que esse consumidor não vai comprar de impacto, ele vai pensar um pouco. Ele tem algumas horas, um dia, dois dias para digerir aquele produto, entender o que ele tá comprando e aí consumir. Mas isso faz com que não seja tão importante eu não mostrar o preço porque senão ele vai achar que eu não estou resolvendo o problema dele. Então, a gente entende e respeita a questão de não querer mostrar o preço de algumas seguradoras online, mas a gente também entende o lado do consumidor que se frustra quando você vai buscar alguma coisa e eu não te atendo. A gente entende que tem alguma frustração que a gente tenta resolver porque a gente acha que essa comunicação é importante pro consumidor”.

A tecnologia é evidenciada por Marchetti como um facilitador na vida do consumidor. “A gente investiu bastante para facilitar na hora de cotar e reduzir, também, erros operacionais. Quando você vai fazer uma cotação, se você sabe a placa do seu carro, não se pergunta mais chassi, ano, modelo. Com isso, mesmo que não mostre na tela, a gente já consultou qual é o veículo correto. Imagina só você achar que seu carro é modelo x e no documento ele é outro, aí eu vou fazer e vou errar. Então, tecnologia, principalmente pela quantidade de dados que existe no mercado hoje. A partir do momento que você me forneceu seu CPF, eu não preciso perguntar sua data de nascimento nem seu nome completo. Eu pergunto como a pessoa quer ser chamada, mas não preciso do nome completo. O uso da tecnologia, então, é pra ganhar rapidez, precisão na hora de informar dados, e a gente vê isso de forma super importante e, também, na agilidade da transmissão da própria venda. A gente entende que a parte do pós-venda ainda tem um campo muito grande pra gente melhorar. Até o processo de venda ainda flui, mas no pós-venda a gente ainda sofre um pouco quando tem alguma pendência de fazer alguma emissão de uma apólice. Alguns tipos de tratativas ainda são dores no processo de pós-venda que a gente sente bastante porque sai da esteira do automático e isso encarece. E toda vez que encarece a gente penaliza a distribuição que não consegue ser mais eficiente”.

Ainda assim, o fator humano ainda é crucial para a sustentabilidade de negócios no mercado segurador. “O fator humano ainda é muito importante na hora de complementar a tecnologia. Eu posso ter feito o melhor produto no ponto de vista de usabilidade, de tela, seja no celular ou seja no computador, mas se eu tiver um contato humano ruim ou inexistente, eu perco muito na percepção desse consumidor. Então, praticamente 100% das nossas vendas ainda passa por um contato humano que a gente tem buscado, cada vez mais, aumentar a qualidade”, justifica.

Independente da crise, Paulo Marchetti acredita no crescimento do mercado brasileiro. “A gente tem uma parte da população da população que ainda tá fora desse consumo de produto, faz parte do amadurecimento e da maturidade financeira das pessoas e também a discussão de previdência. A gente, então, precisa só aprender a lidar com novas realidades. De tecnologia, de acesso à informação etc.”, finaliza.

B3 e Pottencial Seguradora realizam o 1º Registro de Seguros da Susep 468

B3 e Pottencial Seguradora realizam o 1º Registro de Seguros da Susep

Pottencial Seguradora realizou na data de hoje o registro de suas primeiras apólices com o objetivo de atender as exigências da Susep para o registro de apólices eletrônicas estabelecido pelo Sistema de Registro de Operações (SRO)

A Pottencial Seguradora realizou hoje, 16, o registro das suas primeiras apólices para atender a nova exigência regulatória da Superintendência de Seguros Privados – Susep. A B3 foi credenciada e homologada pela Susep para operar o Sistema de Registro de Operações (SRO) através do seu sistema InsurConnect e foi escolhida pela Pottencial Seguradora como sua parceira.

Um dos objetivos do SRO é implementar a apólice eletrônica no Brasil e acelerar a digitalização dos contratos de seguros, tornando o processo mais ágil, transparente e com custos menores.

Com os registros realizados na data de hoje, B3 e Pottencial Seguradora dão o primeiro passo em direção à digitalização do mercado, bem como no aprimoramento da supervisão securitária.

Além do registro de apólices, a B3 está trabalhando, junto ao mercado segurador, para entregar uma plataforma completa de produtos e serviços que auxiliem os participantes no cumprimento de demandas regulatórias e que, do lado do regulador, auxiliem o processo de supervisão e diminuam os custos de observância para o mercado como um todo.

Cursos livres da ENS oferecem capacitação em Seguros de RC 538

Cursos livres da ENS oferecem capacitação em Seguros de RC

Estão abertas inscrições para dois programas sobre este segmento

Dentre os variados assuntos abordados nos cursos livres da Escola de Negócios e Seguros (ENS), um tema está em destaque na programação: Seguros de Responsabilidade Civil. No momento, estão abertas as inscrições para dois programas sobre este segmento, na modalidade online com aulas ao vivo.

Um deles é Seguro de Responsabilidade Civil Geral, que terá início em 21 de outubro. Composto por 24 horas/aulas, o conteúdo abordará as considerações preliminares, fundamentos legais e ativação deste tipo de seguro. Também serão apresentadas as formas de operacionalização e uma análise das condições gerais de uma apólice padrão. Outras questões como Riscos Profissionais e Riscos Ambientais, além dos Serviços Públicos e guia de cálculo do prêmio tarifário, estarão em pauta.

Já o curso Direito e Responsabilidade Civil do Corretor de Seguros visa debater a realidade instaurada pela pandemia do novo coronavírus e os reflexos sobre o Direito brasileiro, principalmente sobre o Direito do Seguro, especificadamente sobre a Responsabilidade Civil do corretor de seguros e a tendência da adequação dos precedentes nas interpretações dadas pelos Tribunais Superiores sobre o tema. Com 8 horas/aula, o início será em 10 de novembro.

Temas diversificados

Os cursos livres da ENS fundamentam, aprimoram e ampliam a formação do aluno com conhecimentos teóricos e práticos nas diferentes áreas do Seguro e de Negócios. São indicados principalmente àqueles que desejam se destacar no mercado de trabalho ou buscam requalificação profissional.

Outras opções de cursos livres com início em outubro são: Estratégias de Marketing e Comercialização de Seguros; Regulação e Liquidação de Sinistro de Automóveis; Introdução ao Compliance, Gestão de Riscos e Controles Internos; Auditoria Interna Baseada em Riscos; Marketing Pessoal; Seguro Garantia; e Inspeção de Riscos para Seguros.

Todos têm como pré-requisito ensino médio completo. A carga horária e o investimento variam de acordo com o programa.

Mais informações podem ser acessadas no site da Escola, que também é o canal para matrículas.

Bradesco Saúde presta homenagem aos médicos da rede credenciada 572

Bradesco Saúde presta homenagem aos médicos da rede credenciada

Empresa reconhece dedicação dos profissionais, fundamentais no combate à Covid-19

No próximo domingo, 18 de outubro, é celebrado o Dia do Médico e a Bradesco Saúde presta uma homenagem aos seus mais de 46 mil médicos da rede credenciada que cuidam da saúde dos 3,6 milhões de beneficiários da seguradora em todo o País. Especialmente nesse ano de 2020, esses profissionais, que estão sendo fundamentais no combate à Covid-19, também são reconhecidos pelo acolhimento e o cuidado integrado na atenção à saúde de seus pacientes.

Divulgação/Bradesco Saúde
Divulgação/Bradesco Saúde

Desde o início da pandemia, a Bradesco Saúde e a Mediservice criaram uma rede de apoio, por meio da rede de clínicas Meu Doutor Novamed, consultórios do programa Meu Doutor e clínicas referenciadas. Na rede Novamed, por exemplo, as clínicas ampliaram o horário de funcionamento, sem a necessidade de agendamento prévio, para atendimento por livre demanda. Até o momento, foram registrados mais de 5,5 mil atendimentos de Covid, ou suspeita da doença, realizados em todas as doze unidades, em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Além do atendimento presencial, a rede também disponibilizou videoconsultas para os beneficiários durante a pandemia.

Para o médico de família Stephan Sperling, que trabalha na linha de frente atendendo casos de suspeita de Covid-19 nas unidades da Novamed em São Paulo, o acolhimento por livre demanda foi fundamental para o cuidado ao beneficiário. “Esse acolhimento é mandatório e extremamente importante para a melhora do desfecho clínico. No primeiro momento, os casos de Síndrome de Respiração Aguda Grave foram os mais requisitados, mas também recebemos demandas de pacientes com doenças crônicas que sofreram descompensação durante o isolamento, afetando também a saúde mental. O profissional, portanto, está disponível para cuidar de forma integral a saúde de seus pacientes” afirmou Sperling.

Segundo o especialista, o papel do médico vai muito além de tratar da doença do paciente. Nesse contexto de pandemia, o profissional passou a ser a referência para tirar dúvidas sobre uma doença ainda pouco conhecida, além de acolher em um momento de fragilidade e preocupação. O médico de família reforça também a importância da atenção primária e do monitoramento dos beneficiários em seus tratamentos. “A maioria dos atendimentos realizados na rede Novamed foi resolutiva, sem a necessidade de encaminhar para o pronto atendimento em hospitais, por exemplo. Esse monitoramento, presencial ou a distância, foi essencial para garantir assistência contínua e evitar a evolução da doença. A boa prática da atenção primária e o uso correto dos recursos digitais certamente são lições aprendidas que ficarão pós-pandemia”, conclui.

Nessa data que celebra o dia do médico, a gestora médica Mariana Jordão, também da rede Novamed, acredita que o momento é de reconhecimento do esforço e dedicação dessa categoria que tanto faz pela saúde da população. “Estamos cuidando do próximo, mas também de nós mesmos. Nenhum médico está trabalhando para fazer menos do que tem sido feito. E o desejo é de fazer ainda mais, o quanto é possível. Se doar, compreender o outro e ser ainda mais forte”, finaliza Jordão.

Mais ações no combate à pandemia

Em outra frente, a Bradesco Saúde e a Mediservice elaboraram uma série de ações para atender e apoiar os beneficiários. Além da criação de um hotsite contendo informações práticas sobre a doença, foi disponibilizada uma central de orientação médica, por meio do canal 0800, que já recebeu mais 60 mil ligações. Em junho, foi lançada a plataforma Saúde Digital, disponibilizando o atendimento por vídeo para casos de suspeita de Covid-19, assim como consultas a distância para diferentes especialidades médicas da rede referenciada.

“Com o atendimento por vídeo, ampliamos o serviço digital durante a pandemia, proporcionando ao beneficiário mais conforto, agilidade, qualidade e eficiência. Esse é o nosso compromisso com a saúde e o bem-estar do segurado”, ressalta Thaís Jorge, Diretora da Bradesco Saúde e Mediservice. Já foram contabilizados mais de 45 mil videoconsultas até o momento.

Grupo MBM fecha parceria com a MDS Brasil para novos contratos de Seguros de Vida 568

Grupo MBM fecha parceria com a MDS Brasil para novos contratos de Seguros de Vida

Movimento deve ampliar carteira de clientes

O Grupo MBM firmou acordo com a MDS Brasil, que pertence à MDS Group e atualmente é um dos mais atraentes grupos de corretagem do mundo, para ofertar neste primeiro momento o Seguro Acidentes Pessoais com foco no Seguro AP Caminhoneiro, que oferece ao motorista (e seu ajudante, se contratado) tranquilidade durante as viagens seguradas pelas apólices de RCTR-C e Transporte Nacional.

Para Luiz Eduardo Dilli Gonçalves, diretor comercial do MBM, iniciar uma parceria com a MDS fortalece a marca MBM no Brasil e amplia nossa carteira com novos clientes, que passam a contar com os seguros de vida do grupo.

A MDS – possui uma carteira de prêmios emitidos da ordem de R$ 2 bilhões, foi criada em 1984 com a finalidade de gerir os seguros de um grande grupo econômico português, a MDS Group diversificou e expandiu a sua atividade. No Brasil, a MDS conta com mais de 550 colaboradores distribuídos por 9 escritórios em 7 estados: SP, RJ, PR, MG, PE, SC e BA.

O Grupo MBM em abril completou sete décadas de história, desde então, trabalhamos para garantir a tranquilidade das pessoas, com solidez e confiabilidade nos negócios de seguro de vida.

Atuamos em todo o território nacional, estando presente em onze Estados. No ano de 2019, o MBM cresceu 38,61% em prêmios de seguros em relação ao ano anterior, encerrando o ano com mais de 62,4 milhões de prêmios arrecadados no grupo.

Focando no melhor atendimento para nossos segurados e corretores parceiros, buscamos levar agilidade, confiança e tranquilidade nos seguros contratados.

Diretor Executivo de Operações do CCG Saúde participa hoje do SBT Rio Grande 1024

Telejornal é apresentado a partir das 19h20min, no canal 5 de Porto Alegre e pelo YouTube da emissora

O Diretor Executivo de Operações do CCG Saúde, Mauro Medeiros Borges, participa hoje do SBT Rio Grande 2ª edição. O telejornal, apresentado pelo jornalista Marcelo Chemale, vai ao ar a partir das 19h20min, no canal 5 de Porto Alegre e no YouTube da emissora.

O especialista comenta o aumento na preocupação com a saúde pós-pandemia de coronavírus e todas as novidades do Hospital Humaniza, inaugurado recentemente na capital gaúcha. Assista à inauguração neste endereço.

O SBT é a segunda emissora de televisão mais assistida do Rio Grande do Sul, segundo dados consolidados pelo Ibope nas 24h do dia na região durante o mês de setembro.

Diretor Executivo de Operações do CCG Saúde participa hoje do SBT Rio Grande / Divulgação CCG Saúde