Tecnologia veio para democratizar o acesso ao seguro 2868

Paulo Marchetti, CEO da ComparaOnline, participou do JRS São Paulo

Serviços que prezam transparência na relação com o cliente são o enfoque da ComparaOnline. O CEO do marketplace do setor de seguros, Paulo Marchetti, participou do JRS São Paulo e explicou um pouco mais sobre as novidades que a companhia está implementando no mercado segurador.

“Foi um processo super enriquecedor, muito interessante. A gente veio pro Brasil já faz 5 anos, através da aquisição do Buscapé. Na época que o Buscapé entrou em serviços financeiros a gente achou que seria uma boa forma de entrar. O Buscapé hoje é sócio minoritário da ComparaOnline, um sócio brasileiro que a gente tem. Eles têm uma participação pequena mas estão alinhados com o nosso DNA. Então, a gente veio em um momento, 5 anos atrás, onde houve um “Boom” das insurtechs entrando no mercado e muitas ficando pelo caminho. Então, quando a gente entrou tava muito aquecido, os preços de aquisição de cliente, de equipe, pra você montar uma equipe, no Brasil tava muito caro para achar profissionais qualificados. E a gente veio construindo a nossa plataforma de tecnologia e observando sem um crescimento tão agressivo. Nos últimos 2 anos, quando a água baixou e a gente viu que muitos players saíram do mercado, a gente falou “Agora é a hora”. O mercado só cresceu e muitos players ficaram sem capital porque não tinham fundos que estavam dispostos a apostar pensando no longo prazo, diferente do nosso perfil. E aí a gente começou a acelerar bastante nos últimos 2 anos com a plataforma de tecnologia muito bem montada”, explicou Marchetti.

O campo da insurtech vai pra democratizar o acesso às soluções de seguros, na opinião do especialista. “A gente observa que o consumidor que não tem seguro tem ido pra internet buscar opção, isso é muito impressionante. Clientes começam a fazer perguntas muito básicas. “Por que eu pago uma franquia? Pra que serve uma franquia? O que é o prêmio?” Então a nossa missão é facilitar essa linguagem, tirar do “segurês”, falar uma linguagem que as pessoas entendam e saibam o que elas estão comprando. É super interessante que às vezes a gente vende um seguro, explica e depois de algum período a gente fala com o cliente e ele ainda não entendeu o que ele comprou. Então, nosso principal objetivo e das próprias insurtechs é levar o caminho da distribuição mais fácil, mais barata e mais eficiente. Isso só funciona em parceria com as seguradoras com a cabeça de modernização, de ganhar eficiência porque pra gente conseguir abranger o Brasil inteiro e todos os tipos de renda, o distribuir o seguro precisa ser barato. Se for um processo muito caro, se cada seguro que eu for vender eu depender de um atendimento de 5 horas, 4 horas, ele é muito caro. E isso desestimula a democratizar o acesso”, revela.

As preferências do consumidor moderno também estão na mira da ComparaOnline. “A gente sabe que esse consumidor não vai comprar de impacto, ele vai pensar um pouco. Ele tem algumas horas, um dia, dois dias para digerir aquele produto, entender o que ele tá comprando e aí consumir. Mas isso faz com que não seja tão importante eu não mostrar o preço porque senão ele vai achar que eu não estou resolvendo o problema dele. Então, a gente entende e respeita a questão de não querer mostrar o preço de algumas seguradoras online, mas a gente também entende o lado do consumidor que se frustra quando você vai buscar alguma coisa e eu não te atendo. A gente entende que tem alguma frustração que a gente tenta resolver porque a gente acha que essa comunicação é importante pro consumidor”.

A tecnologia é evidenciada por Marchetti como um facilitador na vida do consumidor. “A gente investiu bastante para facilitar na hora de cotar e reduzir, também, erros operacionais. Quando você vai fazer uma cotação, se você sabe a placa do seu carro, não se pergunta mais chassi, ano, modelo. Com isso, mesmo que não mostre na tela, a gente já consultou qual é o veículo correto. Imagina só você achar que seu carro é modelo x e no documento ele é outro, aí eu vou fazer e vou errar. Então, tecnologia, principalmente pela quantidade de dados que existe no mercado hoje. A partir do momento que você me forneceu seu CPF, eu não preciso perguntar sua data de nascimento nem seu nome completo. Eu pergunto como a pessoa quer ser chamada, mas não preciso do nome completo. O uso da tecnologia, então, é pra ganhar rapidez, precisão na hora de informar dados, e a gente vê isso de forma super importante e, também, na agilidade da transmissão da própria venda. A gente entende que a parte do pós-venda ainda tem um campo muito grande pra gente melhorar. Até o processo de venda ainda flui, mas no pós-venda a gente ainda sofre um pouco quando tem alguma pendência de fazer alguma emissão de uma apólice. Alguns tipos de tratativas ainda são dores no processo de pós-venda que a gente sente bastante porque sai da esteira do automático e isso encarece. E toda vez que encarece a gente penaliza a distribuição que não consegue ser mais eficiente”.

Ainda assim, o fator humano ainda é crucial para a sustentabilidade de negócios no mercado segurador. “O fator humano ainda é muito importante na hora de complementar a tecnologia. Eu posso ter feito o melhor produto no ponto de vista de usabilidade, de tela, seja no celular ou seja no computador, mas se eu tiver um contato humano ruim ou inexistente, eu perco muito na percepção desse consumidor. Então, praticamente 100% das nossas vendas ainda passa por um contato humano que a gente tem buscado, cada vez mais, aumentar a qualidade”, justifica.

Independente da crise, Paulo Marchetti acredita no crescimento do mercado brasileiro. “A gente tem uma parte da população da população que ainda tá fora desse consumo de produto, faz parte do amadurecimento e da maturidade financeira das pessoas e também a discussão de previdência. A gente, então, precisa só aprender a lidar com novas realidades. De tecnologia, de acesso à informação etc.”, finaliza.

Com alta adesão, Programa AceleraD’Or de Mentoria entra em fase decisiva 369

Bruno Iannuzzi é CEO da D'Or Consultoria e um dos mentores do Programa AceleraD’Or de Mentoria / Divulgação

Empresas interessadas em participar da iniciativa patrocinada pela D’Or Consultoria serão selecionadas até 13 de dezembro

Em fase decisiva para a escolha das 10 empresas participantes do projeto, o Programa AceleraD’Or de Mentoria, patrocinado pela D’Or Consultoria, teve repercussão positiva e contou com a inscrição dos mais variados perfis de empresas de diversas regiões do Brasil, totalizando 130 inscritos.

Alguns dos Estados que marcaram presença nesta fase de inscrição foram: Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo, entre outros.

O programa, que não teve qualquer custo de inscrição e nem para as empresas futuramente selecionadas, conta com um time de especialistas com mais de três décadas no setor e visa auxiliar empresas do mercado nos principais desafios de gestão.

Bruno Iannuzzi, CEO da D’Or Consultoria e um dos mentores do programa, ressalta a importância da iniciativa junto aos corretores. “Estamos muito satisfeitos com o número de interessados em participar do Programa AceleraD’Or de Mentoria e agradecemos todas as empresas que confiam na nossa expertise. Está no DNA da D’Or Consultoria promover o compartilhamento de conhecimento e experiências em um ambiente com profissionais multidisciplinares, auxiliando a alcançarem os objetivos individuais e corporativos de crescimento sustentável, com o compromisso de entrega, qualidade, superação de desafios e zelo pela excelência no que fazemos”.

As 10 empresas selecionadas terão, por três meses, o acompanhamento de especialistas que prestarão auxílio para o crescimento do negócio, em networking, exposição e visibilidade das corretoras mentoradas.

Próximas Etapas

O comitê responsável pela seleção dos participantes está avaliando criteriosamente os inscritos e tem a previsão de fechar os nomes dos 10 participantes até 13 de dezembro, para início da mentoria em 17 de janeiro de 2022.

A mentoria será on-line, mas, com o retorno presencial, haverá a possibilidade de que as corretoras participantes usufruam dos escritórios da D’Or Consultoria em sete capitais do Brasil e vivenciem de perto as oportunidades de negócio com os mentores/especialistas do programa.

5 dicas para evitar incêndios em casa nas festas de final de ano 202

Foto: Myriam Zilles / Unsplash Images

Excesso do consumo de álcool, no natal e ano novo, podem levar à distração na cozinha, além dos fogos de artifício e uso do álcool em gel no ambiente do cozimento

É difícil pensar, mas imprevistos podem acontecer dentro da nossa própria casa, por mais que nos sintamos seguros. Nosso lar pode passar por situações nada agradáveis, como furtos, roubos e até outros incidentes que trazem muito mais que prejuízo financeiro, sem falar do abalo psicológico e da insegurança tão comuns para pessoas vítimas desses acontecimentos. Mas é preciso entender que há como tentar evitá-los tomando alguns cuidados.

Uma das principais ocorrências de acidentes domésticos são incêndios. Eles acontecem devido a vários motivos e podem destruir boa parte dos bens materiais que estão na casa e a própria estrutura física do lar. A reação de cadeia que faz com que o fogo percorra pela casa inteira, destruindo tudo que encontra pela frente, é um das piores com fatores que colaboram com o alastramento do incêndio, e é por isso que se deve tomar muito cuidado.

A Touareg Seguros, corretora que atua em todo Brasil desde 2011, percebeu o aumento na contratação de seguros residenciais durante 2020, no endurecimento da pandemia. De acordo com as ocorrências registradas nos bombeiros, no estado de São Paulo: em março de 2019, foram registradas 2.560 ocorrências de incêndio em todo o Estado de São Paulo. No mesmo período deste ano foram 4.089. Nos primeiros 20 dias de abril, foram registradas 2.589 ocorrências do tipo no Estado contra 2.198 no mesmo período do ano passado – um acréscimo de 18%.

Os danos ocorridos por incêndio são grandes e, geralmente, muito caros de serem restituídos, afinal de contas não é nada barato reconstruir uma casa com danos estruturais. Devido ao fator econômico, muitas pessoas substituíram gás de cozinha por vapor de gasolina, medidas arriscadas e que acabam sendo mais uma das possibilidades de incêndio dentro de casa.

Por conta desses aumentos, André Costa, Diretor da rede Touareg Seguros, lista 5 dicas com as melhores maneiras de prevenir um incêndio em casa neste final de ano:

1 – Evite benjamim ou T

Também conhecido como o adaptador que é capaz de agrupar mais de um equipamento na mesma tomada, os benjamins ou Ts são um grande vilão dos incêndios domésticos. O problema é que, ao aumentar a potência de uma tomada, usando eletrodomésticos em um T, é perigoso. Muitas pessoas costumam colocar um benjamim conectado a outro, o que pode provocar uma queda de energia na casa inteira, superaquecimento ou um curto circuito.

Se esses eletrodomésticos recebem uma alta carga de energia, acabam esquentando o fio. E se as instalações elétricas forem antigas, há uma grande chance de pegar fogo, principalmente se um pano, madeira ou papel estiver próximo da tomada ou da fiação. Por isso, evite-os!

2 – Tenha cuidado na cozinha: atenção a ceia de final de ano e natal

Boa parte das ocorrências em incêndios envolvem panelas com óleo quente. Muita gente se distrai e deixam o óleo esquentar demais. Logo em seguida, jogam algum produto com água, como batatas, peixe, cebola, e causam incêndios. Isso acontece porque quando você joga água dentro da panela com óleo, por conta das substâncias não se misturarem, a água afunda e evapora imediatamente por conta da quentura, jogando pra cima partículas do óleo. E isso pode causar chamas de até dois metros de altura em cima do fogão.

3 – Atenção aos fogos de artifícios

Ao soltar fogos, além de ser prejudicial aos animais e crianças, poluição sonora e do ar, dentre outras consequências, a ação pode levar a incêndios de pequenas e grandes proporções. Por isso, o ideal é que, sobretudo nesta época festiva do ano, realize os fogos em local afastado das pessoas, em áreas abertas e sem fiação elétrica e árvores próximas. Ou não realize: que é o mais indicado.

Em casos de eventos pirotécnicos, a apresentação deve ser feita por profissionais.

4 – Contrate um seguro residencial antes de virar o ano

Com um seguro residencial completo você poderá ter o suporte necessário para reconstruir sua casa em caso de incêndio, por exemplo, podendo viajar com tranquilidade, sabendo que a sua casa estará protegida. Essa medida cobrirá possíveis incidentes como incêndios, vendaval, queda de raio, roubo, danos elétricos, desmoronamento, dentre outros.

Dependendo da empresa, essa contratação pode custar menos do que você imagina. Na Touareg Seguros, você poderá garantir um seguro abrangente, flexível e com uma assistência 24h, com atendimento de chaveiros, eletricistas, encanadores e tantos outros. Não hesite em buscar proteger seu lar e tudo aquilo que passou anos para construir.

5 – Atente-se ao uso de álcool

O álcool 70, retirado das prateleiras no início dos anos 2000 por conta do grande número de incêndios e acidentes, voltou porque é necessário para a assepsia contra o coronavírus. O grande cuidado é se atentar para esperar secar antes de fazer qualquer outra atividade com as mãos, principalmente as que envolvem o fogo, como cozinhar ou acender um cigarro.

O álcool em gel se torna ainda mais perigoso por ter uma combustão quase completa e sua chama ser praticamente invisível. Isso dificulta que as pessoas saibam quando ele está em combustão e acabam colocando outros objetos inflamáveis perto, como pano de prato ou um pedaço de madeira.

A Touareg Seguros está pronta para te receber e colocar tudo que conquistou e construiu em segurança. O imprevisto pode acontecer quando mesmo esperamos!

Pesquisa revela panorama das saúdes física, emocional e financeira dos brasileiros durante a pandemia 408

Pesquisa revela panorama das saúdes física, emocional e financeira dos brasileiros durante a pandemia / Divulgação

Levantamento inédito e com alcance nacional realizado pelo Instituto FSB Pesquisa a pedido da SulAmérica, mostra uma população preocupada com a Saúde Integral

O Instituto FSB Pesquisa realizou um levantamento exclusivo, a pedido da SulAmérica, para avaliar a saúde dos brasileiros na pandemia de Covid-19. O estudo foi realizado em setembro de 2021, com uma amostra de 2.010 entrevistas por abordagem online (de todas as regiões do país – nas 27 Unidades da Federação) e traz um panorama nacional inédito das saúdes física, emocional e financeira da população brasileira, ou seja, de sua Saúde Integral.

A pesquisa revela que o brasileiro está “mais apertado” por conta da pandemia de Covid-19. Segundo o levantamento, 6 em cada 10 brasileiros tiveram de reduzir gastos; 66% cortou despesas de casa porque o dinheiro estava curto; 57% diminuíram gastos com transporte e só 43% dos brasileiros poupa dinheiro quando sobra algo no final do mês.

Divulgação
Divulgação

Um outro dado sobre a saúde financeira dos brasileiros é que 56% dos entrevistados deixaram de planejar a compra ou reforma da casa e 46% acreditam que até o próximo ano devem retomar a uma situação de vida similar ao que tinham antes da pandemia. A pesquisa também mostra que a Geração X é a mais endividada: 42% dos adultos (entre 40-60 anos) pegaram empréstimo ou contraíram alguma dívida no último ano.

Divulgação
Divulgação

De acordo com o levantamento, a saúde financeira é a que mais preocupa os brasileiros. A pesquisa revela que 4 em cada 10 brasileiros estão mais preocupados com a saúde financeira do que com as saúdes física e emocional: 67% dos entrevistados dizem que pensam muito antes de gastar dinheiro; 48% dizem saber quando devem procurar orientação de como usar o seu dinheiro e 5 em cada 10 brasileiros já planejam o futuro financeiro.

Divulgação
Divulgação

6 em cada 10 brasileiros que fazem terapia começaram tratamento durante a pandemia

A pesquisa mostra que a saúde emocional da população brasileira está “na UTI” e deve ser tornar uma preocupação cada vez maior: 60% dos entrevistados que se consultam hoje com psicólogos começaram a fazer terapia depois do início da pandemia.

O levantamento confirma ainda que só 10% dos entrevistados afirmam que fazem consultas regulares com psicólogos. A Geração Y é a que mais se consulta, seguida da Geração Z. Para 53% dos brasileiros, a saúde emocional piorou com a pandemia: 53% relataram sentir ansiedade, 42%, alteração de humor e 41%, insônia.

Divulgação
Divulgação

64% da população brasileira diz estar acima do peso

De acordo com o levantamento realizado pelo Instituto FSB Pesquisa, 6 em cada 10 brasileiros avaliam estar acima do peso e só 30% acreditam estar com o peso ideal. A pesquisa revela ainda que 70% dos entrevistados afirmam que realizar alguma atividade física é a principal forma de mudança para atingir o peso considerado ideal.

Para 54% dos entrevistados na pesquisa, a pandemia dificultou os cuidados com a saúde e o bem-estar: 46% dos brasileiros dizem que cuidam mais ou menos da alimentação; 53% afirmam que diminuíram os exercícios físicos por conta pandemia; 63% revelam ter baixa ou nenhuma frequência de atividades físicas e 55% afirmam que se exercitam com caminhadas.

Já no tempo livre, 56% dos brasileiros assistem à TV, enquanto 52% usam as redes sociais e 42% ficam em casa pra descansar. O estudo revela ainda que 88% da população brasileira tem o hábito de ir ao médico.

Segundo o Instituto FSB Pesquisa, no perfil médio da amostra da população no levantamento, a maioria é do público feminino, de classe C, em idades bem distribuídas, com média de 41 anos, e especialmente localizados na região sudeste do país.

A pesquisa de opinião quantitativa contou com amostra representativa dos brasileiros com acesso à internet no país com idade a partir de 18 anos, nas 27 Unidades da Federação (UFs). A margem de erro no total da amostra é de 2 pp, com intervalo de confiança de 95%. As entrevistas foram realizadas entre os dias 15 e 23 de setembro de 2021.

AIG promove fórum virtual sobre riscos e oportunidades para negócios emergentes em 2022 288

AIG promove fórum virtual sobre riscos e oportunidades para negócios emergentes em 2022 / Foto: Charles Forerunner / Unsplash Images

Evento gratuito AIG LAB Trends acontece na quinta, 9 de dezembro, às 10h, com a presença de especialistas do mercado

Na próxima quinta-feira, 9 de dezembro, das 10h às 11h30min, a AIG promove o “Fórum Negócios Emergentes: Riscos e Oportunidades para Você Alavancar em 2022”. O evento será virtual e gratuito, dentro do AIG LAB, central oficial da seguradora de compartilhamento de ideias, negócios e iniciativas aos corretores e demais profissionais do mercado de seguros.

Com moderação da jornalista Raquel Landim, analista de economia na CNN Brasil, o fórum terá como palestrantes Vagner Jesus, CEO da Whow!, plataforma de conexões de inovação e empreendedores, e Rodrigo Valadares, Diretor de Vendas da AIG Brasil. No encontro, os convidados pretendem discutir e analisar os negócios que emergiram nos últimos meses, destacando quais mercados foram mais desafiadores, quais modelos de negócio e inovações surgiram e lucraram, além dos maiores riscos nas operações e as principais soluções de seguro também para 2022.

Para participar basta fazer a inscrição neste endereço.

Cartão XP está disponível para clientes com investimentos a partir de R$ 5 mil 234

XP Inc. lança primeiro ETF de ouro do mercado nacional

Diferenciais incluem Investback, anuidade zero e taxas de juros abaixo do mercado, além de benefícios do cartão Visa Infinite

A partir de hoje, os clientes da XP com investimentos de no mínimo R$ 5 mil poderão ser elegíveis para solicitar o Cartão XP Visa Infinite. A iniciativa é um segundo passo da XP no mercado de cartões e está em linha com o propósito da empresa de melhorar a vida das pessoas, oferecendo produtos e serviços que ajudem brasileiros e brasileiras a cuidar melhor dos seus investimentos. O Cartão XP foi lançado em março de 2021 para clientes com investimentos a partir de R$ 50 mil e agora passa a estar disponível a uma base muito maior de pessoas.

“Ao oferecer o cartão top de linha da VISA para clientes XP com R$ 5 mil investidos em nossa plataforma, atingimos dois principais objetivos: Democratizamos o acesso a um cartão que em outros lugares só clientes milionários ou com várias contrapartidas teriam direito, e expandimos nosso público potencial em 4 vezes. E tudo isso sem qualquer asterisco ou pegadinha, com total transparência para nossos clientes”, destaca Bruno Constantino, sócio e CFO da XP Inc.

O cliente XP terá acesso a um dos cartões mais desejados do Brasil, com Investback e sem anuidade. No caso do Investback, clientes poderão ter retornos de até 10% das compras no marketplace ou shopping XP dentro do aplicativo. O valor acumulado vai diretamente para o Fundo Investback, que acompanha a taxa Selic e tem liquidez diária. O cartão XP também não possui valor mínimo de fatura e possui uma das menores taxas de juros do mercado – dois temas que historicamente são motivos de reclamação entre os consumidores.

“Hoje para um cliente com R$ 5 mil reais conseguir um cartão de crédito nessa categoria em outros bancos ou fintechs, são necessárias diversas amarras como valor mínimo de fatura, anuidades altíssimas por ano, além de uma taxa de juros exorbitante. A XP foi pioneira com o lançamento do primeiro cartão de crédito do Brasil com Investback e agora, pouco menos de um ano depois, decidimos expandir e democratizar o acesso para mais clientes, dando acesso ao melhor cartão do mercado sem essas contrapartidas”, afirma Bruno Guarnieri, CPO/CTO da XP Inc.

O Cartão XP Visa Infinite é aceito nas principais carteiras digitais (Apple Pay, Google Plat e Samsung Pay) e dá direito à emissão de cartões adicionais sem custo. Pelo app, o cliente pode acompanhar seus gastos, receber atendimento, e acessar o marketplace e o shopping XP, que conta com mais de 40 marcas parceiras em sua plataforma. Seguro de emergência médica internacional, seguro para locação de veículo e concierge por chat ou telefone para dicas de presentes, restaurantes e roteiros de viagens são alguns dos diferenciais oferecidos, entre muitos outros.