Precisamos falar sobre os planos de saúde individuais 1194

Precisamos falar sobre os planos de saúde individuais

Confira artigo de João Alceu Amoroso Lima, presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde)

Como pode um produto que tem alta demanda reprimida não ser comercializado em larga escala pelas empresas? Esse fenômeno acontece com os planos de saúde individuais no Brasil. Segundo pesquisa Ibope, o plano de saúde é o terceiro maior desejo do brasileiro, perdendo apenas para a educação e a casa própria. Nesse cenário, há uma realidade muito paradoxal: se o consumidor deseja, por que tantas operadoras deixaram de ofertar planos individuais? A resposta é simples, as operadoras de planos de saúde precisam ter garantias de que a carteira ou conjunto vendido de planos individuais permanecerá solvente e economicamente viável ao longo do tempo. Caso contrário, perdem todos: as empresas, que ficarão insolventes e irão encerrar suas operações, e o consumidor, que ficará sem a proteção contratada. Em outras palavras, as regras impostas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) – especialmente a política de reajuste – inviabilizaram economicamente as carteiras de planos individuais, levando as operadoras a suspenderem as vendas e, em alguns casos, a alienar as carteiras existentes.

A estrutura de custo das operadoras é fortemente impactada pela inflação médica – aumento das despesas com consultas e exames, elevação da frequência do uso do plano pelos beneficiários, compra de materiais e insumos cada vez mais caros, utilização intensa de tecnologia, aumento das despesas com internações e inclusão de novas coberturas, tratamentos e medicamentos no Rol de Procedimentos da ANS (cobertura mínima obrigatória) a cada dois anos, entre outras. Além disso, as empresas arcam com despesas administrativas e outras não previstas, como o gasto crescente com a chamada judicialização da saúde – ações judiciais que a cada tempo obrigam as operadoras a assumirem despesas inesperadas em seus contratos. Inevitavelmente, o somatório do impacto nos custos dessas variáveis precisa ter a contrapartida no valor das mensalidades dos planos que os beneficiários pagam.

É preciso destacar que toda e qualquer atividade econômica requer regulação para coibir distorções prejudiciais a todas as partes envolvidas – o fundamento econômico para qualquer regulação é a existência de falhas de mercado, típicas na Saúde Suplementar. O excesso de interferência governamental, no entanto, acaba inibindo o desenvolvimento do mercado.

Historicamente, já vimos que controle de preços e, no caso em questão, dos reajustes anuais não protege o consumidor, apesar da falsa sensação de segurança que traz no primeiro momento. Na verdade, políticas de controle de preços e reajustes acabam tirando conquistas do consumidor no curto, médio e longo prazo. No Brasil, um bom exemplo é o desaparecimento do Banco Nacional de Habitação (BNH) e do Sistema Financeiro de Habitação (SFH) – ambos criados pelo governo para viabilizar a aquisição da casa própria e, ao mesmo tempo, ajudar a fortalecer a indústria da construção civil. Ao longo do tempo, no entanto, banco e programa sucumbiram ao excessivo controle de preços e às taxas de juros subsidiados que os sucessivos governos impuseram e que não asseguraram a sustentabilidade das iniciativas, que poderiam ter tido vida longa e ajudado milhões de brasileiros a ter seu imóvel.

O exemplo acima tem semelhança com o contexto que se observa no segmento de planos de saúde individuais e familiares. O fato é que a política de reajustes da ANS adotada até 2018 resultou em fortes desequilíbrios das carteiras existentes, e na inviabilidade econômica de novos produtos. Esse tipo de política de reajuste pode ter ajudado no desaparecimento de mais de três centenas de operadoras nos últimos 11 anos, segundo dados do próprio órgão regulador, reduzindo a oferta e a concorrência no mercado. De acordo com cálculos da FenaSaúde, de 2008 a 2018 os reajustes autorizados pela ANS para os planos individuais totalizaram 155%. No entanto, as despesas assistenciais per capita atingiram 192% no mesmo período. A conta, portanto, não fecha!

A FenaSaúde tem defendido nos últimos anos a revisão das regras e da metodologia de reajustes adotada pela ANS. É fato que as propostas de mudanças da fórmula de reajuste apresentada pelo órgão regulador, em 2018, já indicaram avanços importantes, mas é preciso mais. A nova fórmula ainda é única para todos os planos individuais que são comercializados Brasil afora. Para a FenaSaúde, criar uma única regra que estabelece os mesmos percentuais de reajuste para todos os planos individuais e familiares, oferecidos por operadoras dos mais diversos portes, nas mais diversas regiões do Brasil, acaba por alimentar as distorções que persistem no sistema de saúde privado.

A FenaSaúde entende que, no caso dos reajustes de planos individuais, é preciso considerar as particularidades de cada região do Brasil assim como dos produtos comercializados e suas características específicas de redes credenciadas, desenho de plano, amplitude geográfica etc. Somente com regras que permitam a manutenção do equilíbrio atuarial e a viabilidade econômica das carteiras de planos individuais, as operadoras voltarão a comercializar tais planos.

Não existe mágica e nem almoço grátis nesse segmento de planos individuais. A regulação excessiva – incluindo a metodologia que limita os reajustes – não gera valor para ninguém. É preciso deixar que o mercado encontre o melhor caminho para criar produtos que sejam viáveis tecnicamente, que atendam a demanda por planos individuais e, principalmente, que tenham preços que “caibam no bolso” dos consumidores.

Finalmente, que os bons ventos liberais, que surgiram nos últimos meses, soprem também na direção do setor de Saúde Suplementar.

Evento foca na gestão de riscos e em desenvolvimento sustentável dos negócios 835

Expo ABGR 2019 deve reunir mais de 3 mil participantes, nos dias 12 e 13 de novembro, em São Paulo

Grandes players do mercado segurador já garantiram participação na edição 2019 da Expo ABGR, evento promovido pela Associação Brasileira de Gerência de Riscos, no WTC São Paulo, nos dias 12 e 13 de novembro. O encontro deve reunir mais de 3 mil participantes e ainda concentra a realização do XVII Seminário Internacional da ABGR. O lançamento da ação aconteceu no último dia 12 de setembro, em um coquetel diferenciado, na Sociedade Hípica Paulista, e contou com a presença de diversos parceiros de negócios e da imprensa especializada em seguros.

O tema central do seminário é o elo entre a gestão de riscos e o desenvolvimento sustentável nos negócios. “A ideia foi trazer para o evento uma discussão atual, seguindo a lente da ONU que sugere uma agenda voltada para os 17 pontos principais para a segurança do planeta, os quais são chamados de Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”, explica Izabel Barbosa, diretora executiva da Bethe B Comunicação. A empresa foi escalada para realizar e transformar em realidade uma nova fase para as iniciativas da ABGR.

Cristiane França Alves, presidente em exercício da ABGR
Cristiane França Alves, presidente em exercício da ABGR

Para Cristiane França Alves, presidente em exercício da entidade, é preciso “pensar de forma sistêmica e acreditar na interdependência da cadeia que une a vida, os recursos e o desenvolvimento. Essa é a única maneira de desenhar um horizonte de abundância e prosperidade”, revela.

Com grande potencial para o desenvolvimento de novos negócios e soluções diferenciadas para exposição das grandes marcas do setor para um público de alto nível, a Bethe B Comunicação aproveitou o momento para apresentar todo o plano de comunicação existente por trás da consolidação do Expo ABGR 2019. Confira mais detalhes neste documento.

Diretoria da ABGR
Diretoria da ABGR

*Agradecimento especial: VTN Comunicação.

Instituto Brasileiro de Atuária completa 75 anos com comemorações simultâneas em oito Capitais 759

Tema das palestras foi a Lei Geral de Proteção de Dados

O Instituto Brasileiro de Atuária (IBA) está completando 75 anos de história. Para a data, a entidade preparou eventos comemorativos e simultâneos nas Capitais do Ceará, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Santa Catarina nesta terça-feira (17).

O IBA incentiva e proporciona a pesquisa, o desenvolvimento e o aperfeiçoamento da ciência e da tecnologia dos fatos aleatórios de natureza econômica, financeira e biométrica, em todos os seus aspectos e aplicações. Além disso, colabora com as instituições de seguro, saúde e capitalização, previdência social e complementar, organizações bancárias e congêneres. “É um orgulho para nós o IBA estar completando 75 anos, pois sabemos bem o que é o esforço e o trabalho de todos para que se tenha cada vez mais reconhecimento do setor público em relação aos nossos profissionais credenciados”, destacou o diretor de Seguros, Capitalização, Previdência Complementar Aberta, Eder Oliveira, em evento em Porto Alegre.

Os oito encontros simultâneos trataram sobre a Lei Geral de Proteção de Dados. Na Capital dos gaúchos, o tema ficou por conta do gerente jurídico do GBOEX, Luiz Evonir Guazina, e do diretor financeiro da OAB-Prev RS, Ricardo Ramos. “Os 75 anos do nosso IBA merece um tema do momento para ouvirmos e debatermos. Por isso, escolhemos a Lei Geral de Proteção de Dados, uma lei que tem sido discutida a aproximadamente 15 anos no Brasil e por isso merece a nossa atenção”, argumentou.

Imagens: Filipe Tedesco/JRS

União Seguradora patrocina o Acampamento Farroupilha 253

Empresa proporciona Seguro de Rodeio e Cavalgadas

Nascida em 20 de setembro de 1913, a União Seguradora, empresa do Grupo Aspecir, não poderia deixar de estar presente no maior evento do Movimento Tradicionalista Gaúcho – MTG – o Acampamento Farroupilha. Sendo assim, a empresa como patrocinadora, traz para o acampamento o Seguro de Rodeio e Cavalgadas. O melhor Seguro de Eventos elaborado junto com a CR Machado Seguros e o MTG para atender às necessidades dos participantes de eventos de Rodeios e de Cavalgadas.

A parceria entre as entidades garante segurança e tranquilidade no cumprimento das leis 10519/2002 e 10220/2001 que exigem que todo organizador de Rodeios e Cavalgadas faça seguro.

A União Seguradora se sente honrada e patrocinar o Acampamento Farroupilha que teve início no dia sete de setembro e conta com a participação de 340 galpões de entidades tradicionalistas com programações culturais e campeiras. O tema desta edição é a Vida e Obra de Paixão Côrtes. A expectativa é de superar o público do ano passado, que foi de um milhão de visitantes. A festa mais importante do tradicionalismo gaúcho se estende até o dia 22 de setembro.

OdontoPrev realiza plantio de árvores em parque de Carapicuíba 526

OdontoPrev realiza plantio de árvores em parque de Carapicuíba

Dia da Árvore, em 21 de setembro, terá evento especial e plantio de mudas no Parque Gabriel Chucre

Neste Dia da Árvore (21 de setembro), o Parque Gabriel Chucre, em Carapicuíba (SP), vai ficar mais arborizado! A OdontoPrev, que tem sua sede na região, em parceria com a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, vai promover um evento para o plantio de mudas de árvores de mais de dois metros de altura.

A escolha das mudas já crescidas foi feita junto a uma consultoria especializada, para que a plantação seja bem sucedida. “Escolhemos essa praça porque hoje ela tem poucas árvores e, talvez por isso, atraia poucos frequentadores. Nosso trabalho só começa agora, pois, ao longo do próximo ano, faremos a manutenção para que as mudas cresçam e se tornem lindas árvores”, explica Camila Von Muller, superintendente de Estratégia Digital e Marketing da OdontoPrev.

O evento de plantio é destinado aos colaboradores da empresa, seus familiares e moradores do entorno do parque. Além de acompanhar o plantio das mudas, os participantes poderão tirar fotos em frente a um jardim vertical com vasos que poderão ser levados para casa, assistir à apresentação da Orquestra Sinfônica da Legião da Boa Vontade (LBV), instituição social apoiada pela OdontoPrev, e aproveitar o Espaço Kids e Espaço Pet.

A OdontoPrev promove ações de sustentabilidade há mais de 30 anos e já ultrapassou em 20% a meta de compensação das emissões de carbono de sua operação nos últimos 10 anos.

Serviço:

Data: 21 de setembro (sábado)
Horário: 8h às 13h
Local: Parque Gabriel Chucre
Endereço: Av. Consolação, 505 – Vila Gustavo Correia, Carapicuíba (SP)
Entrada gratuita

Icatu Seguros: entre as melhores empresas em Satisfação dos Clientes do Brasil 1250

Icatu Seguros: entre as melhores empresas em Satisfação dos Clientes do Brasil

Ranking avaliou mais de seis mil empresas nos mais diversos segmentos

Especialista em pessoas, a Icatu Seguros está pela 3° vez entre as 100 melhores empresas do Brasil em Satisfação dos Clientes. Elaborado pelo Instituto MESC, o ranking avaliou mais de seis mil empresas nos mais diversos segmentos, a partir da opinião de mais de 250 mil clientes.

Para a gerente de Relacionamento da Icatu, Geovana Ramalho, o resultado mostra que a companhia está no caminho certo atuando em projetos para aprimorar a jornada do cliente. “Somos uma seguradora de pessoas e o cliente é o foco central do nosso negócio. Estamos cada vez mais coletando, analisando e agindo com prontidão nos feedbacks dos clientes, capturados em toda jornada de relacionamento que possui conosco. A ampliação de canais digitais para melhor prover conveniência aos nossos clientes também tem sido uma de nossas prioridades”, explica.

Há outro detalhe especial que contribui para este resultado: a Icatu Seguros também foi escolhida pelo quinto ano consecutivo como uma das melhores empresas para trabalhar no Brasil, no ranking Great Place to Work. “Queremos dar a melhor experiência para os clientes e o bom ambiente de trabalho e o clima organizacional são essenciais para essa entrega”, avalia Geovana.

Critérios

O Ranking das Melhores Empresas em Satisfação do Cliente do Instituto MESC avalia seis mil empresas em 42 segmentos de mercado. A pesquisa utiliza a metodologia do Pentagrama da Satisfação do Cliente, que apresenta confiança estatística de 98%. Os entrevistados foram questionados sobre Valor, Atendimento e Execução dos produtos e serviços que compraram ou utilizaram nos últimos 12 meses. Além da pesquisa quantitativa, o Instituto MESC realizou um “cliente oculto” nos canais de atendimento da Icatu. Solução do problema, qualidade das informações passadas e sensibilidade do atendente foram pontos avaliados.

Dia do Cliente

Além do trabalho desenvolvido pelos Canais de Relacionamento, a Icatu aposta em iniciativas que reforçam os propósitos da marca e sua preocupação em oferecer conteúdos que inspirem as pessoas sonhar e construir um futuro melhor para si e sua família. Este ano, para celebrar o Dia do Cliente, a seguradora criou duas playlists especiais no Spotify, uma delas com a curadoria da gravadora Biscoito Fino, no ar desde 15 de setembro.

O canal terá conteúdo musical que representa a essência e a “brasilidade” da companhia, legitimada pela sua cultura de investimento na música nacional. Valores como liberdade, parceria e proteção foram o ponto de partida para a criação da programação do projeto, que representa as cinco regiões do Brasil, seus gêneros e estilos musicais. Basta acessar o perfil Icatu diretamente no Spotify.