Precisamos falar sobre os planos de saúde individuais 1213

Precisamos falar sobre os planos de saúde individuais

Confira artigo de João Alceu Amoroso Lima, presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde)

Como pode um produto que tem alta demanda reprimida não ser comercializado em larga escala pelas empresas? Esse fenômeno acontece com os planos de saúde individuais no Brasil. Segundo pesquisa Ibope, o plano de saúde é o terceiro maior desejo do brasileiro, perdendo apenas para a educação e a casa própria. Nesse cenário, há uma realidade muito paradoxal: se o consumidor deseja, por que tantas operadoras deixaram de ofertar planos individuais? A resposta é simples, as operadoras de planos de saúde precisam ter garantias de que a carteira ou conjunto vendido de planos individuais permanecerá solvente e economicamente viável ao longo do tempo. Caso contrário, perdem todos: as empresas, que ficarão insolventes e irão encerrar suas operações, e o consumidor, que ficará sem a proteção contratada. Em outras palavras, as regras impostas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) – especialmente a política de reajuste – inviabilizaram economicamente as carteiras de planos individuais, levando as operadoras a suspenderem as vendas e, em alguns casos, a alienar as carteiras existentes.

A estrutura de custo das operadoras é fortemente impactada pela inflação médica – aumento das despesas com consultas e exames, elevação da frequência do uso do plano pelos beneficiários, compra de materiais e insumos cada vez mais caros, utilização intensa de tecnologia, aumento das despesas com internações e inclusão de novas coberturas, tratamentos e medicamentos no Rol de Procedimentos da ANS (cobertura mínima obrigatória) a cada dois anos, entre outras. Além disso, as empresas arcam com despesas administrativas e outras não previstas, como o gasto crescente com a chamada judicialização da saúde – ações judiciais que a cada tempo obrigam as operadoras a assumirem despesas inesperadas em seus contratos. Inevitavelmente, o somatório do impacto nos custos dessas variáveis precisa ter a contrapartida no valor das mensalidades dos planos que os beneficiários pagam.

É preciso destacar que toda e qualquer atividade econômica requer regulação para coibir distorções prejudiciais a todas as partes envolvidas – o fundamento econômico para qualquer regulação é a existência de falhas de mercado, típicas na Saúde Suplementar. O excesso de interferência governamental, no entanto, acaba inibindo o desenvolvimento do mercado.

Historicamente, já vimos que controle de preços e, no caso em questão, dos reajustes anuais não protege o consumidor, apesar da falsa sensação de segurança que traz no primeiro momento. Na verdade, políticas de controle de preços e reajustes acabam tirando conquistas do consumidor no curto, médio e longo prazo. No Brasil, um bom exemplo é o desaparecimento do Banco Nacional de Habitação (BNH) e do Sistema Financeiro de Habitação (SFH) – ambos criados pelo governo para viabilizar a aquisição da casa própria e, ao mesmo tempo, ajudar a fortalecer a indústria da construção civil. Ao longo do tempo, no entanto, banco e programa sucumbiram ao excessivo controle de preços e às taxas de juros subsidiados que os sucessivos governos impuseram e que não asseguraram a sustentabilidade das iniciativas, que poderiam ter tido vida longa e ajudado milhões de brasileiros a ter seu imóvel.

O exemplo acima tem semelhança com o contexto que se observa no segmento de planos de saúde individuais e familiares. O fato é que a política de reajustes da ANS adotada até 2018 resultou em fortes desequilíbrios das carteiras existentes, e na inviabilidade econômica de novos produtos. Esse tipo de política de reajuste pode ter ajudado no desaparecimento de mais de três centenas de operadoras nos últimos 11 anos, segundo dados do próprio órgão regulador, reduzindo a oferta e a concorrência no mercado. De acordo com cálculos da FenaSaúde, de 2008 a 2018 os reajustes autorizados pela ANS para os planos individuais totalizaram 155%. No entanto, as despesas assistenciais per capita atingiram 192% no mesmo período. A conta, portanto, não fecha!

A FenaSaúde tem defendido nos últimos anos a revisão das regras e da metodologia de reajustes adotada pela ANS. É fato que as propostas de mudanças da fórmula de reajuste apresentada pelo órgão regulador, em 2018, já indicaram avanços importantes, mas é preciso mais. A nova fórmula ainda é única para todos os planos individuais que são comercializados Brasil afora. Para a FenaSaúde, criar uma única regra que estabelece os mesmos percentuais de reajuste para todos os planos individuais e familiares, oferecidos por operadoras dos mais diversos portes, nas mais diversas regiões do Brasil, acaba por alimentar as distorções que persistem no sistema de saúde privado.

A FenaSaúde entende que, no caso dos reajustes de planos individuais, é preciso considerar as particularidades de cada região do Brasil assim como dos produtos comercializados e suas características específicas de redes credenciadas, desenho de plano, amplitude geográfica etc. Somente com regras que permitam a manutenção do equilíbrio atuarial e a viabilidade econômica das carteiras de planos individuais, as operadoras voltarão a comercializar tais planos.

Não existe mágica e nem almoço grátis nesse segmento de planos individuais. A regulação excessiva – incluindo a metodologia que limita os reajustes – não gera valor para ninguém. É preciso deixar que o mercado encontre o melhor caminho para criar produtos que sejam viáveis tecnicamente, que atendam a demanda por planos individuais e, principalmente, que tenham preços que “caibam no bolso” dos consumidores.

Finalmente, que os bons ventos liberais, que surgiram nos últimos meses, soprem também na direção do setor de Saúde Suplementar.

Gente Seguradora garante tranquilidade dos convidados no Troféu JRS 2019 333

Marcelo Weis é diretor da Gente Seguradora / Arquivo JRS

Mais de 1 mil convidados participam da grande noite do seguro

Unidade móvel da Gente Saúde / Reprodução
Unidade móvel da Gente Saúde / Reprodução

Prevenção é fundamental em todos os momentos. Caso um dos mais de 1 mil convidados do Troféu JRS 2019 precisem, a Gente Seguradora garante atendimento e assistência médica aos presentes na grande festa em uma unidade móvel da Gente Saúde.

A Gente Seguradora marca presença na noite do seguro, em 25 de outubro. A companhia nasceu da consistente experiência adquirida pelo fundador Sérgio Suslik Wais, ao longo dos anos. Um caminho árduo foi seguido com muita persistência, impulsionado pela permanente vontade de inovar, crescer, gerando trabalho e bem-estar social. Ao longo desta caminhada, a seguradora conquistou o respeito e a admiração no setor, contribuindo assim, para o desenvolvimento e aprimoramento do mercado segurador brasileiro.

No caso do Troféu JRS, que tem o Centro de Eventos Casa do Gaúcho como cenário, foi um diferencial contar com uma empresa que constantemente aperfeiçoa seus métodos de trabalho com foco no desenvolvimento e na inovação, com foco em qualidade acima de tudo.

Icatu Seguros integra o time campeão do Troféu JRS 2019 1246

Equipe da Icatu Seguros no Troféu JRS do ano de 2017 / Arquivo JRS

Maior seguradora independente de Vida e Previdência do Brasil participa da grande festa do seguro

A Icatu Seguros, maior seguradora independente de Vida e Previdência do Brasil, marca presença na 17ª edição do Troféu JRS. Especialista em oferecer as melhores soluções para o planejamento do futuro, proteção do presente e realização de projetos em cada fase da vida, a companhia participa da iniciativa do JRS desde a primeira edição do evento.

A grande noite do seguro reúne mais de 1 mil nomes do mercado brasileiro de seguros. Entre os reconhecidos, os grandes especialistas dos setores de seguros, previdência, capitalização e demais entidades e agentes de um dos nichos mais promissores da economia brasileira.

Com R$ 39 bilhões sob gestão, a Icatu Seguros está presente em todo o Brasil e possui parcerias como algo intrínseco ao seu DNA. Recentemente, a seguradora adquiriu a totalidade da carteira de Capitalização da SulAmérica, o que fez com que a Icatu Seguros saltasse para uma das 4 maiores atuantes deste segmento no País.

HDI Seguros reforça time campeão de patrocinadores do Troféu JRS 2019 1536

Murilo Riedel é presidente da HDI Seguros no Brasil / Divulgação

Grande noite do seguro acontece no dia 25 de outubro, em Porto Alegre (RS)

O dia 25 de outubro de 2019 vai consagrar Porto Alegre como a capital brasileira do seguro. Uma noite mágica aguarda mais de 1 mil pessoas, no Centro de Eventos Casa do Gaúcho, e a HDI Seguros é um reforço de peso ao time de patrocinadores da grande festa.

No Brasil há quase 4 décadas, a HDI possui mais de 60 filiais e escritórios em várias cidades do País. Humana, Digital e Inovadora, a companhia entende que as mudanças que visam uma melhor mobilidade urbana estão em pleno vigor. O HDI Auto Perfil é o principal produto da companhia, que possui o HDI Bate-Pronto como sua marca registrada, um sistema de atendimento de sinistros extremamente ágil e focado na eficiência.

Com isso, o Troféu JRS conta com os seguintes apoiadores: Icatu Seguros, Neo Executiva Corretora de Seguros, Gente Seguradora, HDI Seguros, Ramos Assessoria, Velox Contact Center, MAPFRE, Omint Seguros, Grupo MBM, Ikê Assistência, Somar Clube de Seguros, ExperMed Perícias Médicas, GBOEX e Grupo Life Brasil.

Outras informações estão disponíveis no hotsite especial. A 4º edição do Troféu Seguros e Corretagem, onde o público escolhe os destaques de corretagem e seguradora do ano, terá inscrições abertas a partir do mês de junho.

Grupo Aspecir e União Seguradora participam do 17º Troféu JRS 824

Grupo Aspecir e União Seguradora participam do 17º Troféu JRS

Evento acontece no dia 25 de outubro, em Porto Alegre (RS)

No dia 25 de outubro de 2019, no Centro de Eventos Casa do Gaúcho, mais de 1 mil pessoas prestigiam os grandes nomes do mercado brasileiro de seguros, previdência complementar e capitalização. Parceiros de negócios e prestadores de serviço, além de entidades representativas e de ensino, sobem ao palco da 17ª edição do Troféu JRS.

Mais uma vez o Grupo Aspecir, que conta com empresas como a Aspecir Previdência e a União Seguradora, participa da grande noite do seguro em Porto Alegre (RS). Composto por empresas como Aspecir Previdência, União Seguradora, Futuro Previdência e Aspecir Empréstimos, o Grupo Aspecir, comandado pelo presidente Milton Machado e o diretor Júlio Machado, tem como prioridade a previdência, o seguro e a assistência financeira para aposentados e pensionistas do INSS, IPÊ, Exército, Marinha, Aeronáutica, Tesouro RS, SIAPE e empresas.

Hoje, as empresas integram um Grupo que tem mais de 100 anos no mercado. Simplicidade, integridade e orçamento voltado a atender as necessidades de cada empresa e de seus associados estão no DNA do Grupo Aspecir.

Mais informações sobre o Troféu JRS 2019 estão disponíveis no hotsite especial.

Capemisa Seguradora integra time campeão do Troféu JRS 2019 575

Capemisa Seguradora no Troféu JRS 2018 / Arquivo JRS

Mais de 1 mil pessoas participam da grande noite do seguro, em Porto Alegre (RS)

Os grandes nome do mercado brasileiro de seguros desfilam para um público de mais de 1 mil pessoas em uma noite mágica, que consagra Porto Alegre (RS), como a capital brasileira do seguro na oportunidade. Operadores, executivos, empresas e entidades recebem honrarias especiais. Durante o evento também serão conhecidas a Seguradora e a Corretora de Seguros destaque do ano de 2019, na opinião do público. Trata-se da 4ª edição do Troféu Seguros e Corretagem, uma nova modalidade incluída entre os reconhecimentos.

Quem não poderia ficar de fora é a Capemisa Seguradora, uma das maiores companhias de seguros do Brasil. Com mais de 55 anos dedicados ao mercado de Seguros, Previdência e Capitalização, a companhia é especialista em vida. Entre os produtos ofertados ao mercado, os Seguros de Vida e de Acidentes Pessoais destacam-se, com perfis diferenciados, para atender todos os tipos de clientes: sejam pessoas físicas, sejam jurídicas.

Além disso, a seguradora demonstra todo seu compromisso social, que, desde a sua criação, tem como maior representante a obra do Lar Fabiano de Cristo. Reconhecido internacionalmente pela Unesco, o projeto atua diretamente para ajudar famílias em situações de dependência econômica e social, desde 1958.

Saiba todos os detalhes sobre o Troféu JRS 2019 no hotsite especial.