Precisamos falar sobre os planos de saúde individuais 1326

Precisamos falar sobre os planos de saúde individuais

Confira artigo de João Alceu Amoroso Lima, presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde)

Como pode um produto que tem alta demanda reprimida não ser comercializado em larga escala pelas empresas? Esse fenômeno acontece com os planos de saúde individuais no Brasil. Segundo pesquisa Ibope, o plano de saúde é o terceiro maior desejo do brasileiro, perdendo apenas para a educação e a casa própria. Nesse cenário, há uma realidade muito paradoxal: se o consumidor deseja, por que tantas operadoras deixaram de ofertar planos individuais? A resposta é simples, as operadoras de planos de saúde precisam ter garantias de que a carteira ou conjunto vendido de planos individuais permanecerá solvente e economicamente viável ao longo do tempo. Caso contrário, perdem todos: as empresas, que ficarão insolventes e irão encerrar suas operações, e o consumidor, que ficará sem a proteção contratada. Em outras palavras, as regras impostas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) – especialmente a política de reajuste – inviabilizaram economicamente as carteiras de planos individuais, levando as operadoras a suspenderem as vendas e, em alguns casos, a alienar as carteiras existentes.

A estrutura de custo das operadoras é fortemente impactada pela inflação médica – aumento das despesas com consultas e exames, elevação da frequência do uso do plano pelos beneficiários, compra de materiais e insumos cada vez mais caros, utilização intensa de tecnologia, aumento das despesas com internações e inclusão de novas coberturas, tratamentos e medicamentos no Rol de Procedimentos da ANS (cobertura mínima obrigatória) a cada dois anos, entre outras. Além disso, as empresas arcam com despesas administrativas e outras não previstas, como o gasto crescente com a chamada judicialização da saúde – ações judiciais que a cada tempo obrigam as operadoras a assumirem despesas inesperadas em seus contratos. Inevitavelmente, o somatório do impacto nos custos dessas variáveis precisa ter a contrapartida no valor das mensalidades dos planos que os beneficiários pagam.

É preciso destacar que toda e qualquer atividade econômica requer regulação para coibir distorções prejudiciais a todas as partes envolvidas – o fundamento econômico para qualquer regulação é a existência de falhas de mercado, típicas na Saúde Suplementar. O excesso de interferência governamental, no entanto, acaba inibindo o desenvolvimento do mercado.

Historicamente, já vimos que controle de preços e, no caso em questão, dos reajustes anuais não protege o consumidor, apesar da falsa sensação de segurança que traz no primeiro momento. Na verdade, políticas de controle de preços e reajustes acabam tirando conquistas do consumidor no curto, médio e longo prazo. No Brasil, um bom exemplo é o desaparecimento do Banco Nacional de Habitação (BNH) e do Sistema Financeiro de Habitação (SFH) – ambos criados pelo governo para viabilizar a aquisição da casa própria e, ao mesmo tempo, ajudar a fortalecer a indústria da construção civil. Ao longo do tempo, no entanto, banco e programa sucumbiram ao excessivo controle de preços e às taxas de juros subsidiados que os sucessivos governos impuseram e que não asseguraram a sustentabilidade das iniciativas, que poderiam ter tido vida longa e ajudado milhões de brasileiros a ter seu imóvel.

O exemplo acima tem semelhança com o contexto que se observa no segmento de planos de saúde individuais e familiares. O fato é que a política de reajustes da ANS adotada até 2018 resultou em fortes desequilíbrios das carteiras existentes, e na inviabilidade econômica de novos produtos. Esse tipo de política de reajuste pode ter ajudado no desaparecimento de mais de três centenas de operadoras nos últimos 11 anos, segundo dados do próprio órgão regulador, reduzindo a oferta e a concorrência no mercado. De acordo com cálculos da FenaSaúde, de 2008 a 2018 os reajustes autorizados pela ANS para os planos individuais totalizaram 155%. No entanto, as despesas assistenciais per capita atingiram 192% no mesmo período. A conta, portanto, não fecha!

A FenaSaúde tem defendido nos últimos anos a revisão das regras e da metodologia de reajustes adotada pela ANS. É fato que as propostas de mudanças da fórmula de reajuste apresentada pelo órgão regulador, em 2018, já indicaram avanços importantes, mas é preciso mais. A nova fórmula ainda é única para todos os planos individuais que são comercializados Brasil afora. Para a FenaSaúde, criar uma única regra que estabelece os mesmos percentuais de reajuste para todos os planos individuais e familiares, oferecidos por operadoras dos mais diversos portes, nas mais diversas regiões do Brasil, acaba por alimentar as distorções que persistem no sistema de saúde privado.

A FenaSaúde entende que, no caso dos reajustes de planos individuais, é preciso considerar as particularidades de cada região do Brasil assim como dos produtos comercializados e suas características específicas de redes credenciadas, desenho de plano, amplitude geográfica etc. Somente com regras que permitam a manutenção do equilíbrio atuarial e a viabilidade econômica das carteiras de planos individuais, as operadoras voltarão a comercializar tais planos.

Não existe mágica e nem almoço grátis nesse segmento de planos individuais. A regulação excessiva – incluindo a metodologia que limita os reajustes – não gera valor para ninguém. É preciso deixar que o mercado encontre o melhor caminho para criar produtos que sejam viáveis tecnicamente, que atendam a demanda por planos individuais e, principalmente, que tenham preços que “caibam no bolso” dos consumidores.

Finalmente, que os bons ventos liberais, que surgiram nos últimos meses, soprem também na direção do setor de Saúde Suplementar.

Argo Seguros participará da Fetransporte Brasil Conference 386

Ação pretende ajudar na qualificação de corretores de seguro no ramo de transporte

Com o objetivo de despertar o interesse de mais corretores pelo seguro de Transportes, a Argo Seguros participará do Fetransporte Brasil Conference 2020. O encontro – promovido pela Fetransporte Brasil, assessoria especializada no ramo; e a Educa Seguros, agência de conteúdos – acontecerá entre os dias 02 a 04 de junho.

O evento, totalmente gratuito e online, tem como objetivo proporcionar capacitação técnica e operacional sobre este ecossistema. Para isso, serão mais de 20 horas de conteúdo em vídeo, sendo sete horas de transmissões ao vivo. Quem quiser participar, basta se inscrever pelo endereço https://conference.fetransportebrasil.com.br/inscricao/

Ao todo serão mais de 20 palestrantes e convidados, todos especialistas de diversos pontos da cadeia logística de transporte de cargas – como corretores, seguradores, gerenciadores de riscos, reguladores de sinistros, averbadores, prestadores de serviços de tecnologia – que também irão interagir com os participantes via chat.

Representando a Argo Seguros estarão Newton Queiroz, CEO e presidente; Salvatore Lombardi, diretor executivo; Bruno Porte, diretor de Operações e TI; Ivor Moreno, Head de Marine (Truckers) & Innovation. “Esse é um dos ramos que mais necessitam de corretores capacitados no país. Por isso, estamos apoiando essa iniciativa para que mais profissionais conheçam o seguro de Transportes e possam nos ajudar a impulsionar ainda mais os negócios nesse segmento”, afirma Newton.

Atualmente, estima-se que em todo o Brasil existam menos de mil corretoras de seguros que atendem este ramo, que concentra mais de 40 mil empresas que atuam com Transportes. Para saber mais, acesse https://conference.fetransportebrasil.com.br/.

Quiz da D’Or Consultoria ultrapassa 1.5 milhão de acessos 395

Com interatividade e dinamismo, a empresa traz informações sobre prevenção ao coronavírus

A D’Or Consultoria trabalha uma comunicação objetiva e didática para tratar temas relevantes sobre saúde e bem-estar e, com tantas notícias veiculadas todos os dias sobre a pandemia da Covid-19, como se prevenir por meio da informação correta? Para isso, a empresa criou o quiz “Fato ou Fake”, que alcançou a marca de 1.5 milhão de acessos.

Com a proposta de expandir conhecimento ao maior número de pessoas, a iniciativa teve grande repercussão e criou desafios entre familiares, amigos e grupos de conversas por aplicativo. O objetivo do questionário é desmistificar fake news sobre a doença, tratamentos e formas de contágio.

Afirmações como: “Fazer gargarejo com água morna, sal e vinagre previne a infecção” e “Usando máscara não é possível ser infectado” estão entre as questões, que possibilitam ao usuário escolher as opções Fato ou Fake, trazendo na sequência a resposta correta, detalhada e chancelada por crivo médico.

Para desafiar seus conhecimentos e dos demais, basta acessar: www.dorconsultoria.com.br/coronavirus/quiz

GBOEX firma parceria com a Uniodonto Planos Odontológicos 429

Serviços têm abrangência nacional, atendimento 24h em Porto Alegre e atendimentos de urgência em Guaíba e Pelotas

O GBOEX – Previdência e Seguro de Pessoas firmou parceria com uma das maiores cooperativas de planos odontológicos do mundo, a Uniodonto. Os associados podem contratar os serviços com descontos de 20% na mensalidade por meio da Rede de Convênios. Além disso, terão isenção na taxa de inscrição.

A Uniodonto é referência no segmento com o atendimento a 3 milhões de usuários no Brasil, prestado por cerca de 20 mil cirurgiões dentistas cooperados, organizados em 130 singulares. Para os associados GBOEX, os planos têm abrangência nacional, atendimento 24h em Porto Alegre e atendimentos de urgência em Guaíba e Pelotas. A lista de dentistas está disponível no site www.uniodonto.coop.br/encontre-um-dentista.

Todos os anos, a Agência Nacional de Saúde Suplementar avalia o desempenho das operadoras de planos odontológicos e o Sistema Uniodonto congrega 95% das operadoras melhor avaliadas. “O GBOEX busca oferecer diversificação e qualidade em todos os produtos e serviços credenciados. Essa parceria reforça a missão da empresa em procurar atender às necessidades dos participantes, contribuindo para o seu bem-estar”, comenta a superintendente de Marketing, Ana Maria Pinto.

A Rede de Convênios GBOEX agrega cerca de 6.000 produtos e serviços conveniados. A lista inclui opções de lazer, viagens, farmácias, hospitais, clínicas, academias, estéticas, entre outros.

Mais informações em: www.conveniosgboex.com.br ou pelo aplicativo GBOEX Integra, disponível para IOS e Android.

CCS-SP discute os aprendizados e as oportunidades na pandemia 413

Momento contou com a participação do presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo

Com o tema “Tendências e perspectivas em tempos de pandemia”, o Clube dos Corretores de Seguros de São Paulo (CCS-SP) realizou sua primeira live nesta terça-feira (26). E, contou com a participação especial do ex-presidente da Porto Seguro, Jayme Garfinkel, e do presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo.

O presidente do Clube, Evaldir Barbosa, comentou sobre o atual momento de isolamento social e os aprendizados que a sociedade, e o mercado de seguros, estão tendo. “Agora pode ser a oportunidade para aprendermos, buscar conhecimento, nos enriquecer profissionalmente”, completa.

Para Jayme, é importante aproveitar o tempo que temos, geralmente gasto na locomoção, para aprender coisas novas.
“Estamos vivendo um momento critico, por isso, temos que nos preparar para o futuro, para o que vier”.

Camillo contou que está mantendo um diário nesse período. “Espero que as minhas anotações me possibilitem ser uma pessoa melhor, a me relacionar melhor com meus clientes e colaboradores e a ser um profissional mais qualificado também”, explica.
Sobre o mercado de seguros, o ex-presidente da Porto Seguro acredita que o cenário é favorável para o setor, já que as pessoas estão em busca de proteção. “Nas crises, o seguro se mostra mais necessário do que nunca. Essa tragédia, no aspecto do mercado de seguros, não nos afeta tanto, como em outros setores”, declara.

Jayme ainda afirma que os corretores de seguros devem aproveitar o momento para estreitar o relacionamento com os clientes. “As ferramentas que temos hoje nos permite estar próximo. Este momento pode ensinar muito das relações humanas, principalmente, da proximidade entre corretor e cliente”.

Para Camillo, após a pandemia, o setor de seguros, e o corretor, saíram fortalecidos. “O seguro vai sair fortalecido, pois o medo e a intranquilidade faz com que as pessoas olhem o seguro como uma proteção”.

Assista aqui

Sabemi promove evento digital em parceria com StartSe 691

“Sabemi Live!” reúne rede de representantes e colaboradores para debater transformação digital e continuidade dos negócios 

É tempo de reinvenção, de atitude e de mudança de mindset para garantir a continuidade dos negócios. Pensando nisso, sempre presente e conectada a sua rede de parceiros e colaboradores, a Sabemi promove uma série de eventos digitais gratuitos com foco em inovação e transformação digital.

O Sabemi Live!, voltado para 600 profissionais de todo o Brasil, é resultado de uma parceria firmada com a escola de negócios StartSe, maior plataforma de aprendizado contínuo para empreendedores, investidores e empresas.

“Na quarentena, o mundo virou uma grande live. Estamos aproveitando este formato para nos mantermos próximos dos nossos parceiros e colaboradores, que são parte fundamental da sustentabilidade do nosso negócio. Este é um momento que exige a reinvenção do nosso modelo de atuação, por isso estamos apostando na troca de conhecimentos e aprendizados, estimulando este olhar para o amanhã”, explica Leandro Nunes, diretor executivo da Sabemi.

Pedro Englert e Eduardo Glitz, CEOs da StartSe, respondem pela primeira transmissão exclusiva ao vivo pela web.“A tecnologia tem mudado diariamente a nossa forma de trabalho. Nosso papel aqui é guiar os times neste processo de conexão profunda com a marca, provendo novas ferramentas profissionais. A pandemia e seus desdobramentos no mundo dos negócios são o momento ideal para esta reflexão”, explica Englert.

Além da live exclusiva, Sabemi e StartSe também terão parceria no PER – Programa Exponencial de Retomada, curso exclusivo de marketing e vendas. A formação irá debater durante três dias, entre 1º e 3 de junho, temas como presença digital, vendas online, tomada de decisões, novos modelos de negócios e padrões de consumo, entre outros. A mentoria da StartSe é uma das vantagens adicionais do programa.

“Queremos valorizar ainda mais nossos parceiros oferecendo soluções inovadoras para os desafios atuais. Com iniciativas como esta buscamos estimular a conexão entre as equipes”, complementa Nunes.