Comunicação clara para engajar clientes e colaboradores 2430

Comunicação clara para engajar clientes e colaboradores

Especialistas analisam tendências e inovação em São Paulo

O mundo, cada vez mais conectado, acompanha as diversas mudanças na maneira de comunicar-se. Se até então a comunicação nos negócios era uma vida de mão única, agora todos podem emitir opiniões e relatar experiências com produtos ou serviços. Este foi um dos assuntos abordados na segunda edição do encontro Inovação & Tendências, promovido pela seguradora Mongeral Aegon, em São Paulo (SP).

Rafael Arty é Gerente de Produto do Comunique-se
Rafael Arty é Gerente de Produto do Comunique-se

Em um cenário onde todos querem falar, mas poucos querem ouvir, faz-se necessário dar a devida atenção aos desentendimentos que a conectividade e a facilidade das redes pode trazer ao meio corporativo e às relações pessoais. “O ato de contar histórias não se perde. Em um cenário em que a desinformação é um dos maiores problemas do século é preciso buscar impactar as pessoas com uma comunicação muito clara”, ressaltou o Gerente de Produto do Comunique-se, Rafael Arty. “O mundo se afunda em desconfiança. A criação de conteúdo está em níveis inimagináveis. Criou-se mais conteúdo nos últimos anos do que em toda história da vida humana”, completou. 

Um dos efeitos dessa mudança de perspectiva é reiterada pelos números. Segundo uma pesquisa da Havas Media, 54% das pessoas não confiam em marcas. O mesmo levantamento, realizado com 134 mil consumidores, em 23 países, aponta ainda que mais da metade das marcas poderia simplesmente desaparecer sem afetar as vidas dos entrevistados. Por outro lado, estudo da PwC indica que 77% dos indivíduos conta com as mídias sociais na hora de decidir alguma compra. “Por isso é relevante ter uma comunicação mais intimista, de forma direta e coparticipativa. As pessoas não estão buscando marcas, estão ouvindo as outras”, reforçou Arty ao evidenciar que a comunicação deve ser utilizada para engajar e humanizar. “Não é mais sobre comunicar, mas sim como comunicar”, traçou.

Guilherme Ramos é responsável pelo relacionamento com influenciadores da BodyTech Company
Guilherme Ramos é responsável pelo relacionamento com influenciadores da BodyTech Company

No entanto também faz-se necessário concretizar o autoconhecimento sobre o empreendimento ou negócio. Para Guilherme Ramos, responsável pelo relacionamento com influenciadores da BodyTech Company, outro ponto fundamental neste trabalho é conhecer as características dos consumidores, bem como o potencial que as redes sociais propiciam para segmentar campanhas e ações. “O desafio não é apenas como se comunicar, mas também considerar com qual formato acontecerá essa interação”, argumentou.

Ramos é especialista em um dos segmentos que mais cresce quando o assunto é investimento em campanhas em redes como o Instagram ou YouTube, por exemplo. “É preciso ter uma definição clara de objetivos e estabelecer métricas. Ferramentas de mensuração podem ajudar muito no processo de escolha de um influencer. Costumo levar em conta, além dos números, a postura deste usuário, a frequência das postagens, a relevância e a autenticidade. O ideal é associar-se apenas a pessoas que condizem com a filosofia da empresa”, analisou.

Marcelo Lemos é Diretor de Canais da Vivo
Marcelo Lemos é Diretor de Canais da Vivo

O Diretor de Canais da Vivo, Marcelo Lemos, lembrou que a experiência do cliente não deve ser considerada apenas no aspecto digital. Para a maior operadora de linhas de celular do Brasil o momento é de levar um pouco mais de “alma” aos pontos de venda, que passaram a ser chamados de PDX (Ponto de Experiências do Cliente). “Olhamos não apenas para o cliente, como também para as pessoas que atendem os nossos clientes e para a comunicação omnichannel. Contamos com as Iconic Stores, que oferecem espaço de coworking, precificadores digitais, wi-fi e possibilitam o agendamento do atendimento através do nosso aplicativo”, comentou. 

No caso da Vivo a aposta foi em eventos, relacionamento com parceiros de negócios e workshops com consultores de tecnologia, que possuem grande demanda pelo público da melhor idade. “Este público é ativo e tem vontade de viver, quer socializar, aprender e reviver memórias. Um dos problemas para uma maior inclusão digital é a insegurança, falta de curadoria, impaciência e intolerância dos outros. Tecnologia melhora a vida dessas pessoas”, disse ao reforçar a missão da operadora em descomplicar o conhecimento para todos.

Mônica Martins é Gerente de Comunicação e responsável pelo Endomarketing da Mongeral Aegon
Mônica Martins é Gerente de Comunicação e responsável pelo Endomarketing da Mongeral Aegon

Outra empresa que também olhou para a comunicação interna foi a Mongeral Aegon. Mônica Martins, Gerente de Comunicação e responsável pelo Endomarketing da seguradora, classificou a clareza de objetivos como um dos principais pontos neste tipo de iniciativa. “É preciso conhecer a cultura da empresa e que os colaboradores comprem a ideia. O sentimento de integração e valorização precisa acontecer com quem está colocando a mão na massa. Também é necessário empoderar esse colaborador”, revelou. Para Mônica a comunicação dentro de casa chega a ser mais desafiadora. “É preciso ter coerência com aquilo que é dito e divulgado ao cliente. No caso da Mongeral Aegon a transparência é um valor na forma de relacionar-se. Também é preciso esclarecer como nos posicionamos diante da sociedade, pois a cultura interna nem sempre está escrita. Isso ajuda a identificar padrões de comportamento e quebrar paradigmas”, contou ao classificar os funcionários como “clientes que Iqueremos cuidar, reter e contamos”. 

Para a especialista é preciso assumir alguns riscos em um trabalho de endomarketing. “Na vida você define tudo através de decisão. É preciso também estar aberto para ouvir as pessoas, para se ter uma percepção de como as coisas estão sendo recebidas”, encerrou ao mencionar a importância da mensuração de resultados. Mônica Martins também demonstrou entusiasmo ao comentar sobre os preparativos para os 135 anos da Mongeral Aegon, que serão comemorados no próximo ano.

Inovação & Tendências – Imagens:

A evolução do perfil do consumidor de seguro exige uma readequação da aplicação do CDC por parte do Judiciário 2029

Advogado da Agrifoglio Vianna, Marcelo Camargo traz reflexões internacionais sobre o tema

Apesar de tramitar no legislativo há alguns anos um projeto de lei específico para tratar do seguro, o Brasil é um dos poucos países que não tem uma legislação própria sobre seguro. Desta forma, as regras referentes a este tipo de contrato estão apenas no Código Civil, em poucos mas bons artigos.

Conversamos com o advogado do escritório Agrifoglio Vianna, Marcelo Dias Camargo, pós-graduado no MBA de Direito da Economia e da Empresa pela FGV, que recentemente concluiu a Especialização em Direito do Seguro pela Universidade de Salamanca (Espanha), sobre o tema.

O profissional, que também é membro da AIDA – Association Internationale de Droit des Assurances/International Insurance Law Association – Associação Internacional de Direito dos Seguros e da Comissão de Seguros da OAB – RS, comenta que a reflexão a respeito do Código de Seguro brasileiro como solução para as questões referentes ao contrato de seguro e que abarrotam o Judiciário atualmente se faz necessária. Confira:

De que maneira você acredita que as discussões das temáticas abordadas em sua vivência na Universidade de Salamanca, na Espanha, uma instituição que completou 800 anos em 2018, sendo uma das mais antigas da Europa e a mais antiga daquele país, são importantes para a sociedade?

A Universidade em si é extremamente prestigiada no mundo todo, de modo que reúne alunos de graduação, pós graduação, mestrado e doutorado de várias nacionalidades. A cidade é histórica, relativamente pequena, e gira em torno da Universidade. São milhares de alunos circulando. Todo este ambiente favorece o estudo, a imersão, e reúne pessoas com os mesmos objetivos, há uma sintonia por descobertas, por aperfeiçoamento. Então, a Universidade vem promovendo há anos estas Especializações (este ano de 2019 foi a 45ª Edição), não só de Direito do Seguro, mas em Direito Penal, Direito Civil (contratos e danos), Constitucional, entre outros, e todos os cursos são ministrados no mesmo edifício (que é histórico, um antigo mosteiro de 200 anos, preservado, mas dotado de toda uma estrutura fantástica, de alta tecnologia de comunicação, várias salas de aula, um grande auditório, equipamentos para as aulas, internet rápida, etc) e possibilita este intercâmbio com colegas de vários países e em outras matérias diferentes do Seguro. Existem aulas magnas destas outras matérias que são comuns à todas as Especializações, o que dá uma visão ampliada de estudo.

Os professores são extremamente qualificados, no caso do Seguro, faziam parte do corpo docente renomados juristas europeus e latino americanos, como o Professor Abel Veiga Copo, autor de mais de 70 obras, dentre as quais, um Tratado de Direito do Seguro de dois volumes e que está na 6ª Edição. Outros professores também renomados, de vasta produção acadêmica, ministram o curso, tal como os professores Eugenio Llamas Pombo, Carlos Ignacio Jaramillo, Andrea Signorino Barbat, entre vários outros. A qualidade do corpo docente e dos alunos, renomados juristas e profissionais atuantes no mercado de Seguro de toda a América Latina, torna a experiência muito qualificada, são apresentadas e debatidas as questões mais atuais em Direito do Seguro, em diversas matérias específicas, em seguro de danos, de vida, resseguro, transportes, etc, e sob um âmbito internacional, com cotejo de legislações espanholas, europeias, e latino americanas.

Por exemplo, o Brasil é um dos poucos países que não tem uma legislação específica sobre seguro (tramita um projeto de lei há anos no legislativo) de modo que as regras atinentes a este tipo de contrato estão apenas no Código Civil, em poucos mas bons artigos. Os demais países latinos, em geral, tem códigos de seguro, como o Uruguai, que teve a sua lei específica sobre seguros entrando em vigor em 2018. Isto é bom ou ruim para o Brasil? A positivação, o Código de Seguro brasileiro, resolveria as questões tormentosas referente ao contrato de seguro que abarrotam o Judiciário atualmente? Estes questionamentos são importantes, pensar nas respostas é necessário, e o curso contribui muito para isto, para o desenvolvimento de novas perspectivas para o trato do seguro no Brasil. Então, ter acesso a estas questões atuais, bem como, acesso aos professores e suas obras, contribui muito para o fomento deste debate, que deve ser qualificado, pena de o Brasil retroceder e cometer alguns erros que outros países cometem, ou então, de insistirmos em práticas que tanto travam o desenvolvimento do mercado segurador por aqui, e que já não são mais práticas adotadas em países mais avançados no tema.

A especialização e seu trabalho de conclusão tem relação com sua atividade na Agrifoglio Vianna Advogados Associados? Poderia nos explicar como?

Sim, a Especialização dá uma visão bastante ampla do Direito do Seguro, e um dos meus objetivos quando retornei é o de tentar informar melhor sobre o seguro, seja o leigo, seja no âmbito jurídico, que é pouco conhecido e compreendido da forma como deveria. Não se trata de ser a favor ou contra a seguradora, mas de conhecer como exatamente funciona o contrato. É uma necessidade comum. Mas evidente que, o foco do trabalho acaba envolvendo questões do dia a dia da advocacia. Neste sentido, constantemente nos deparamos, no âmbito profissional, com o pouco conhecimento da especificidade do seguro, especialmente pelo Judiciário quando envolve o consumidor, uma relação de consumo. Este é um grande problema, não só para as seguradoras ou segurados, mas para o sistema todo. Não compreender o contrato e seus elementos leva o juiz a cometer erros, que descaracterizam o contrato, alteram riscos, coberturas, e consequentemente violam o mutualismo. No trabalho, especificamente, abordei a necessidade de reforço dos institutos basilares do contrato de seguro, por uma perspectiva de prevalência indissociável da mutualidade e do interesse segurável, diante de uma interpretação demasiadamente favorável ao consumidor individual. Reafirmei a necessária proteção do consumidor, a partir das formas legislativas como o Código de Defesa do Consumidor (CDC), mas demonstrei que, mesmo no CDC, existe dispositivo de orientação a permitir uma aplicação simultânea com o Código Civil. Por exemplo, como não seria de adesão o contrato de seguro? Poderia o segurado debater preço, ampliação e aceitação de riscos impossíveis, se estes são fruto de cálculo matemático atuarial? Então, o fato de ser de adesão não pode ser nenhum demérito ao contrato de seguro e o juiz deve fazer esta correlação de forma equilibrada. Ao final do trabalho, propus a necessidade de implantação de um sistema de interpretação e aplicação das normas com vistas a exigir um dever de maior envolvimento do indivíduo consumidor (que já não é mais o mesmo consumidor de 30 anos atrás, quando o CDC entrou em vigor). Isto tornaria inclusive desnecessária uma maior positivação, uma nova legislação, pois bastaria uma aplicação equilibrada do CDC, simultânea aos elementos fundamentais do contrato, como o interesse segurado, o risco e o mutualismo.

Agora, penso, é necessário exigir uma atitude mais colaborativa, um dever compartilhado (consumidores, seguradoras, Judiciário) de proteção dos institutos e elementos do contrato de seguro, no que seria uma espécie de extrema boa-fé. Ao consumidor de hoje não é mais dado o direito de se abster, de não ler uma proposta com as regras básicas do que está contratando, de contratar desinteressado, sem ler minimamente as informações prestadas pelo fornecedor, pois se assim fizer, estará invariavelmente prejudicando toda a coletividade, como acontece com a mutualidade de segurados quando um indivíduo com apenas 5% de invalidez decorrente de um acidente (amputação de parte mínima de um dedo, por exemplo), recebe a integralidade da cobertura como se estivesse 100% inválido, apenas porque “não sabia” da possibilidade de ser indenizado parcialmente. O Judiciário atualmente sequer analisa esta alegação de que o segurado “não sabia” do funcionamento do seguro, as vezes condena a Seguradora sem que o segurado tivesse sequer alegado este desconhecimento, ou seja, presume que houve falha do dever de informação da seguradora. É evidente que este tipo de decisão viola a mutualidade do seguro, pois o dinheiro que serve para pagar esta indenização vem do fundo comum, ou seja, outros segurados, outros consumidores, é que estão pagando a indenização de 100% de invalidez para aquele indivíduo que teve apenas parte do dedo amputado, e isto não é justo com a coletividade. Então, as teses defendidas no trabalho de conclusão são perfeitamente aplicadas no dia a dia profissional.

Considero importante ressaltar que, desde o início, contei com todo o apoio do escritório Agrifoglio Vianna, de todos da equipe, principalmente da Dra. Laura, a quem agradeço muito. De novidade, acho importante informar que os integrantes do curso estão reunindo esforços para a publicação de um livro conjunto, uma obra em espanhol, organizada por um colega Colombiano, prevista para o próximo ano. Também posso adiantar que temos previsão de publicação de uma obra em português, com os colegas brasileiros, esta até mais adiantada, fruto direto das amizades que se formaram a partir da Especialização. Na verdade, ambos são frutos importantes do curso.

Expermed e KSA Corretora integram time campeão de patrocinadores bronze do Troféu JRS Drive In 2045

Expermed e KSA Corretora integram time campeão de patrocinadores bronze do Troféu JRS Drive In

Trata-se da 18ª edição do evento, que acontece no dia 27 de setembro, no Estacionamento 4 do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (RS)

Expermed e KSA Corretora de Seguros integram o time campeão de patrocinadores bronze do Troféu JRS Drive-In. O evento, que chega em sua 18ª edição no ano de 2020, acontecerá em formato especial – completamente adaptado às recomendações para evitar a propagação do covid-19. No conforto de seus veículos, 1 mil convidados compartilham momentos especiais de reconhecimento aos prestadores de serviços, empresas e profissionais da corretagem, executivos e empresas de seguradoras, além dos destaques em geral do ecossistema brasileiro de seguros. Tudo acontece no dia 27 de novembro, no Estacionamento 4 do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (RS).

Com tradição e tecnologia, a Expermed realiza perícias com alta qualidade. A empresa atua nas esferas administrativa e judicial com perícias médicas, odontológicas e técnicas para empresas, seguradoras e operadoras de saúde. Já a KSA Corretora de Seguros une há quase 15 anos profissionais experientes e que atuam com o intuito de proporcionar orientação especial aos clientes para contratação e renovação de apólices de seguros.

 

Ver essa foto no Instagram

 

@expermedoficial e @ksacorretora integram o time campeão de patrocinadores bronze do Troféu JRS Drive-In. O evento, que chega em sua 18ª edição no ano de 2020, acontecerá em formato especial – completamente adaptado às recomendações para evitar a propagação do covid-19. No conforto de seus veículos, 1 mil convidados compartilham momentos especiais de reconhecimento aos prestadores de serviços, empresas e profissionais da corretagem, executivos e empresas de seguradoras, além dos destaques em geral do ecossistema brasileiro de seguros. Tudo acontece no dia 27 de novembro, no Estacionamento 4 do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (RS). . Com tradição e tecnologia, a Expermed realiza perícias com alta qualidade. A empresa atua nas esferas administrativa e judicial com perícias médicas, odontológicas e técnicas para empresas, seguradoras e operadoras de saúde. Já a KSA Corretora de Seguros une há quase 15 anos profissionais experientes e que atuam com o intuito de proporcionar orientação especial aos clientes para contratação e renovação de apólices de seguros. . Entre os Patrocinadores Ouro estão Icatu Seguros, Rio Grande Seguros e Previdência, HDI Seguros, Mapfre, SulAmérica, Bradesco Seguros, MAG, Omint Saúde e Seguros, Fracel Corrretora de Seguros, Grupo Caburé Seguros, App Anjo, Grupo Life Brasil, Seguros Sura, Capemisa Seguradora e Agrifoglio Vianna Advogados Associados. Patrocinadores Prata: Porto Seguro, União Seguradora, Grupo Aspecir, GBOEX, Neo Executiva Corretora de Seguros, ZL Brasil Corretora de Seguros, Caprice, ViverBem, Sancor e Caixa Seguradora. Patrocinadores Bronze: MBM Seguro de Pessoas, SINDSEG RS, KSA Corretora de Seguros, Expermed e Solaris Corretora de Seguros.

Uma publicação compartilhada por JRS | Seguro Sem Mistério (@jrs.digital) em

“É perceptível que o mercado de seguros conta com resiliência e união de seus agentes e instituições diante do momento desafiador atravessado pela nossa sociedade. Por isso, nada mais justo do que reconhecer as ações, pessoas e organizações que foram destaque – através da análise realizada pela Comissão Organizadora do Troféu JRS Drive-In com base em estatísticas e sondagens de mercado e das categorias que contam com escolha do público na 5ª edição do Troféu Seguros e Corretagem, que agora também passará a reconhecer prestadores de serviços ao mercado de seguros”, resume Bruno Carvalho, Diretor Executivo do JRS. Bruno convoca a comunidade securitária a participar das maratonas de votações que acontecem a partir do domingo (13) e vão até às 12h do dia do Troféu JRS, em 27 de setembro.

Entre os Patrocinadores Ouro estão Icatu Seguros, Rio Grande Seguros e Previdência, HDI Seguros, Mapfre, SulAmérica, Bradesco Seguros, MAG, Omint Saúde e Seguros, Fracel Corrretora de Seguros, Grupo Caburé Seguros, App Anjo, Grupo Life Brasil, Seguros Sura, Capemisa Seguradora e Agrifoglio Vianna Advogados Associados.
Patrocinadores Prata: Porto Seguro, União Seguradora, Grupo Aspecir, GBOEX, Neo Executiva Corretora de Seguros, ZL Brasil Corretora de Seguros, Caprice, ViverBem, Sancor e Caixa Seguradora.
Patrocinadores Bronze: MBM Seguro de Pessoas, SINDSEG RS, KSA Corretora de Seguros, Expermed e Solaris Corretora de Seguros.

MBM, Sindseg RS e Solaris integram time campeão de patrocinadores bronze do Troféu JRS Drive-In 2736

Trata-se da 18ª edição do evento, que acontece no dia 27 de setembro, no Estacionamento 4 do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (RS)

MBM, Sindseg RS e Solaris integram o time campeão de patrocinadores bronze do Troféu JRS Drive-In. O evento, que chega em sua 18ª edição no ano de 2020, acontecerá em formato especial – completamente adaptado às recomendações para evitar a propagação do covid-19. No conforto de seus veículos, 1 mil convidados compartilham momentos especiais de reconhecimento aos prestadores de serviços, empresas e profissionais da corretagem, executivos e empresas de seguradoras, além dos destaques em geral do ecossistema brasileiro de seguros. Tudo acontece no dia 27 de novembro, no Estacionamento 4 do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (RS).

O Grupo MBM conta com uma história de 70 anos. A seguradora atua em todo o território nacional e está presente em 11 Estados do Brasil. Ao longo dos anos, o MBM alcançou destaque e reconhecimento junto ao mercado segurador por adotar uma concepção moderna de gestão, com vistas a inovar e empreender permanentemente, fortalecer seus recursos humanos e colocar à disposição de seus clientes produtos de excelência comprovada, tendo como foco o seguro de vida individual e em grupo.

E por falar em tradição, impossível não destacar os 125 do Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (Sindseg RS). A entidade atua com o intuito de fortalecer o seguro, cujo desempenho tem o privilégio de: restaurar patrimônio, mobilizar recursos para desenvolver a economia do país, combater o desemprego com sua vocação empregatícia e, acima de tudo, neste mundo conturbado, proporcionar tranqüilidade a comunidade segurada.

Já a Solaris Corretora de Seguros atua há 50 anos com atendimento ágil, sempre em busca de produtos para garantir a segurança dos segurados. Além da matriz em Antônio Prado e das filiais em Porto Alegre e Caxias do Sul, a Solaris também conta com 17 escritórios espalhados por todo o Rio Grande do Sul. A corretora possui equipe especializada em todos os ramos de seguros – com destaque para seguros de automóveis, caminhões, agrícola, seguro de vida e previdência – além de garantir condições diferenciadas com as principais companhias de seguros.

 

Ver essa foto no Instagram

 

@mbmsegurodepessoas, @sindseg_rs e @solariscorretora integram o time campeão de patrocinadores bronze do Troféu JRS Drive-In. O evento, que chega em sua 18ª edição no ano de 2020, acontecerá em formato especial – completamente adaptado às recomendações para evitar a propagação do covid-19. No conforto de seus veículos, 1 mil convidados compartilham momentos especiais de reconhecimento aos prestadores de serviços, empresas e profissionais da corretagem, executivos e empresas de seguradoras, além dos destaques em geral do ecossistema brasileiro de seguros. Tudo acontece no dia 27 de novembro, no Estacionamento 4 do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (RS). . O Grupo MBM conta com uma história de 70 anos. A seguradora atua em todo o território nacional e está presente em 11 Estados do Brasil. . E por falar em tradição, impossível não destacar os 125 do Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (Sindseg RS). A entidade atua com o intuito de fortalecer o seguro. . Já a Solaris Corretora de Seguros atua há 50 anos com atendimento ágil, sempre em busca de produtos para garantir a segurança dos segurados. Além da matriz em Antônio Prado e das filiais em Porto Alegre e Caxias do Sul, a Solaris também conta com 17 escritórios espalhados por todo o Rio Grande do Sul. . “É perceptível que o mercado de seguros conta com resiliência e união de seus agentes e instituições diante do momento desafiador atravessado pela nossa sociedade. Por isso, nada mais justo do que reconhecer as ações, pessoas e organizações que foram destaque – através da análise realizada pela Comissão Organizadora do Troféu JRS Drive-In com base em estatísticas e sondagens de mercado e das categorias que contam com escolha do público na 5ª edição do Troféu Seguros e Corretagem, que agora também passará a reconhecer prestadores de serviços ao mercado de seguros”, resume @brunocarvalho_creating, Diretor Executivo do @jrs.digital.

Uma publicação compartilhada por JRS | Seguro Sem Mistério (@jrs.digital) em

“É perceptível que o mercado de seguros conta com resiliência e união de seus agentes e instituições diante do momento desafiador atravessado pela nossa sociedade. Por isso, nada mais justo do que reconhecer as ações, pessoas e organizações que foram destaque – através da análise realizada pela Comissão Organizadora do Troféu JRS Drive-In com base em estatísticas e sondagens de mercado e das categorias que contam com escolha do público na 5ª edição do Troféu Seguros e Corretagem, que agora também passará a reconhecer prestadores de serviços ao mercado de seguros”, resume Bruno Carvalho, Diretor Executivo do JRS. Bruno convoca a comunidade securitária a participar das maratonas de votações que acontecem a partir do domingo (13) e vão até às 12h do dia do Troféu JRS, em 27 de setembro.

Entre os Patrocinadores Ouro estão Icatu Seguros, Rio Grande Seguros e Previdência, HDI Seguros, Mapfre, SulAmérica, Bradesco Seguros, MAG, Omint Saúde e Seguros, Fracel Corrretora de Seguros, Grupo Caburé Seguros, App Anjo, Grupo Life Brasil, Seguros Sura, Capemisa Seguradora e Agrifoglio Vianna Advogados Associados.
Patrocinadores Prata: Porto Seguro, União Seguradora, Grupo Aspecir, GBOEX, Neo Executiva Corretora de Seguros, ZL Brasil Corretora de Seguros, Caprice, ViverBem, Sancor e Caixa Seguradora.
Patrocinadores Bronze: MBM Seguro de Pessoas, SINDSEG RS, KSA Corretora de Seguros, Expermed e Solaris Corretora de Seguros.

Seguros SURA está entre as maiores no ranking de seguros da América Latina 534

Companhia tem participação de mercado de 2.8% no mercado regional

Como companhia especializada na Gestão de Tendências e Riscos, com uma plataforma multissolução, multicanal e multissegmento que acompanha 18 milhões de assegurados em nove países da região, Suramericana, ou Seguros SURA, subsidiária do Grupo SURA, subiu do quarto ao terceiro lugar no segmento de seguros Não-Vida, no último “Ranking de Grupos Seguradores na América Latina”, publicado pela Fundação Mapfre, sendo a primeira de origem latino-americana.

No Ranking Total, classificação dos grupos seguradores do mercado na América Latina, a Suramericana se manteve no oitavo lugar e é a quarta entre as latino-americanas, atrás de três seguradoras brasileiras. Com um volume de prêmios que superou os USD 4.000 milhões de dólares em 2019, a companhia registrou uma participação de mercado de 2.8%, segundo o informe.

“Nos posicionarmos entre as seguradoras latino-americanas mais relevantes tem sido possível graças a nossa estratégia como gestores de tendências e riscos, que nos permite avançar na entrega de capacidades para as pessoas e as empresas, a maior diversificação do nosso portfólio com soluções que transcendem a segurança tradicional, assim como continuar consolidando as companhias nos nove países onde Seguros SURA está presente”, expressou Juana Francisca Llano, a Presidente de Suramericana.

No segmento de Vida, a Companhia se posiciona como a nona de origem latino-americana e se encontra no 17º lugar no escalão geral. Vale destacar que a produção por valor de prêmios no último ano se deu em 52% em seguros Gerais e 48% em Vida, que somaram aproximadamente 16 milhões de apólices.

A Seguros SURA tem desenvolvido quatro frentes de negócio nas operações da região: Autos, Vida, Saúde e Empresariais, onde os portfólios de soluções se tem se diversificado para acompanhar as pessoas e as empresas, não somente quando ocorre um sinistro, mas desde a entrega de capacidades e conhecimento que permite identificar oportunidades em mobilidade, competitividade, conectividade, hábitat, saúde e autonomia.

Resultados da Suramericana até junho

No fechamento do primeiro semestre, a Companhia consolidou ingressos totais que aumentaram 10.5% e somaram USD 2.391 milhões, com um crescimento nos segmentos de seguros Gerais (7.5%), Vida (7.0%) e a prestação na Colômbia de serviços na saúde (21.5%).

Além disso, a Seguros SURA se destaca pela recuperação de ingressos por rendimento de portfólios das seguradoras, em particular da filial na Argentina. O resultado consolidado foi de USD 79 milhões, 68.3% a mais do que o mesmo período de 2019.

“Os resultados refletem os esforços de fidelizar os nossos clientes desde três frentes: transformação do modelo operativo; desenvolvimento de novas soluções e reconversão de outras, para responder às condições atuais das pessoas e das empresas na região; ao mesmo tempo que fortalecemos nossos acessos e canais. Assim, cuidamos do ajuste de reservas, a solvência e a liquidez frente aos cenários que temos projetado diante a pandemia”, indicou Juana Francisca Llano, a Presidente de Suramericana.

Mercado segurador na região

Finalmente, o mercado segurador na região teve um comportamento positivo em 2019 que somou um volume de prêmios de USD 153.113 milhões, um 1.7% a mais do que em 2018, segundo o relatório da Fundação Mapfre. Especificamente, houve um crescimento no segmento Vida de 5.1%, enquanto diminuiu 1% no segmento Não Vida, explicado, em boa parte, pela depreciação das moedas locais em comparação ao dólar, particularmente na Argentina e no Brasil.

LGPD na prática para profissionais do mercado de seguros; Siga ao vivo! 604

Apresentação começa a partir das 19h

O JRS.digital conversa nesta quinta-feira, a partir das 19h, com o especialista em CX e UX, Julio Pauzeiro. O profissional aborda a questão prática da LGPD para profissionais do ecossistema de seguros em bate-papo com o repórter William Anthony.